| Pixels | Crítica

Posted in Aventura, Cinema, Comédia, Críticas de 2015 with tags , , , , , , , , , , , , , , , , on 30 de julho de 2015 by Lucas Nascimento

1.5

pixels
Os “mini ghosts” encaram a ameaça de Pac-Man

Já faz muito tempo desde que, conscientemente, embarco num filme que traz em seu pôster o nome de Adam Sandler. Confesso que já me diverti bastante com as obras do ator quando criança, mas de uns tempos pra cá, Sandler foi transformando-se num ser insuportável e sem graça, assumindo que só trabalhava em alguns filmes “para viajar”, tendo até a própria Sony Pictures envergonhada de financiar seus projetos – como revelado no traumático leak do estúdio ano passado. Portanto, quando Adam Sandler é o fator mais suportável da aventura Pixels, sabemos que algo bem ruim nos aguarda.

A trama até parte de uma premissa interessante, quando uma raça alienígena misteriosa utiliza de figuras icônicas de videogames dos anos 80 para atacar a Terra. Em uma ação inesperada, o presidente dos EUA (Kevin James e não, isso não é uma piada mesmo) contata seu antigo amigo de infância (Adam Sandler) para liderar uma equipe especializada no assunto e salvar o planeta.

Parece muito o tipo de filme que sairia no final dos anos 80 ou começo dos 90, e confesso que esperava algo mais divertido de tal premissa. O roteiro de Tim Herlihy e Timothy Dowling adapta um curta-metragem homônimo de Patrick Jean, no qual Nova York era atacada por monstros em 8-bit. Infelizmente, o projeto caiu nas mãos da Happy Madison de Adam Sandler, que leva a história para uma direção infantilódie e povoada por piadas sem graça, machistas e apelativas: tudo bem se alguém acha engraçado o tipo de humor promovido por caras irritantes como Josh Gad e Kevin James – que basicamente só gritam como garotinhas e apostam em escatologias -, mas simplesmente não funciona para mim. Sandler não chega a perturbar, já que seu tipo é o mesmo em praticamente todas as suas produções e as piadas de seu personagem limitam-se a fazer referências pop (“Calado aí, Zack Efron”). Ha.

Pra piorar, enquanto seus personagens e situações são completamente ridículos (isso porque nem mencionei a pavorosa subtrama amorosa que envolve Michelle Monaghan), o longa inexplicavelmente tenta se levar a sério em seus momentos mais… Er, dramáticos? Ver Sandler perseguindo o Pac-Man num carro enquanto proclama para si mesmo num tom preocupante que “se falhar aqui, o mundo todo acaba” (eu juro que esperava um punch line) ou assumindo uma risível pose heróica num combate com o Donkey Kong inadvertivelmente transforma-se na piada mais inesperada de toda a produção. Porém, todas as subtramas que envolvem a relação de Sandler com o filho de Monaghan, a “discussão ética” sobre trapacear ou não e até discursos de amor verdadeiro, que envolvem a personagem Lady Lisa (é uma coisa tão idiota que senti voltade de xingar o roteirista em plena sessão), são igualmente hilários.

O diretor Chris Columbus até tenta trazer um pouco de ânimo com as cenas de ação, que chegam a ter certo dinamismo visual, com os planos mais unidimensionais durante o embate com Kong sendo eficientes na proposta de emular o estilo do videogame, mas não convencem quando temos protagonistas tão imbecis. Confesse, a única hora que é possível sentir algum ânimo é quando “We Will Rock You”, do Queen, começa a tocar.

Pixels começa com um conceito divertido, mas logo revela-se bobo demais para de fato funcionar, além de contar com um humor nada elegante de Adam Sandler e companhia.

| A Forca | Crítica

Posted in Cinema, Críticas de 2015, Terror with tags , , , , , , , , , , , on 23 de julho de 2015 by Lucas Nascimento

1.0

TheGallows
You got red on you

Logo após os primeiros minutos do terror A Forca, um letreiro interrompe a sessão para informar ao espectador que o material assistido “é propriedade do departamento de polícia de Nebraska”. Minha dúvida é: alguém realmente ainda acredita nessa jogada de marketing que, mesmo ligeiramente divertidinha, já está gasta desde que A Bruxa de Blair “inaugurou” o gênero found footage? Pode atrair mais público, claro, mas definitivamente não tornará o filme melhor. A Forca que o diga.

A trama é assinada pela dupla de novatos Travis Cluff e Chris Lofing (que também são responsáveis pela direção), ambientando-se às vésperas de uma peça de teatro, preparada por uma escola de Nebraska. O projeto é polêmico, já que um aluno morreu num acidente trágico há décadas atrás enquanto encenava um papel delicado da produção, entitulada “A Forca”. Quando um grupo de amigos invade a escola à noite, se deparam com o espírito maligno do jovem morto, assombrando o teatro.

Confesso que a união do found footage com uma trama mais claustrofóbica até parecia interessante no papel (afinal, encontramos até viagens no tempo forçando a barra com o uso do estilo), mas não demora até que o espectador se encontre temeroso pela imbecilidade na qual embarcará. Nenhum dos personagens é interessante, e somos forçados a ficar boa parte do longa na companhia do aborrecente Ryan Shoos, mistura de Draco Malfoy com James Gunn que é o gênio por trás de ideias geniais e falas como “Hei cara, vamos invadir a escola a noite e destruir o cenário da peça, assim você não precisa participar e a garota vai querer ficar com você”. Hilário, mas trágico quando percebemos que este é o incidente incitante da trama… Que é levado a sério pelos protagonistas…

Quando todo o grupo está reunido na escuridão e nos cômodos vazios do colégio, a dupla de diretores até consegue criar certa tensão. Claro, qualquer um com uma câmera e uma lanterna é capaz de fazer isso, mas Cluff e Lofing – sem surpresa alguma – apostam principalmente nos jump scares baratos, sendo bem sucedidos em criarem sustos irritantes, mas raramente algo que de fato provoque pavor. Vale apontar que a dupla começa a apelar para a suspensão de descrença quando um dos personagens afirma ter “um aplicativo de visão noturna” em seu celular, nos revelando como a estética de found footage vai ficando sem ideias.

A ameaça de Charlie até interessa por seu visual curioso, mas contém uma reviravolta que é simplesmente idiota demais para ser levada a sério, pegando a simples premissa de um elemento sobrenatural e esticando para criar uma “grande saga de gerações”. Nada sutis, Cluff e Lofing ainda nos presenteam com tenebrosas exposições, ainda nos primeiros SEGUNDOS de projeção, quando vemos uma apresentação da peça original seguida de um cochicho “Charlie está muito bem na peça, mesmo levando em conta a substituição de última hora” ou “Uau, eles capricharam naquela forca”. E o que dizer do noticiário que afirma que “mesmo com a tragédia, o espírito de Charlie viverá para sempre naquele teatro”? Parei.

A Forca é um dos mais preguiçosos e risíveis exemplares do gênero found footage até hoje. Começa com uma boa premissa, mas se perde em meio a um roteiro estúpido, personagens desinteressantes e nada realmente especial. Agora fico com medo do atual estado do gênero de terror nos EUA.

Obs: Se aguentar ficar até os créditos, verá uma dedicatória a Charlie. Suspiros.

Confira o trailer completo de JOGOS VORAZES: A ESPERANÇA – O FINAL

Posted in Trailers with tags , , , , , , , , , on 23 de julho de 2015 by Lucas Nascimento

hung

A Lionsgate acaba de lançar o trailer completo de sua grande aposta do ano, Jogos Vorazes: A Esperança – O Final, que encerra a saga da Katniss Everdeen de Jennifer Lawrence. A prévia promete muita ação e uma escala épica para o filme de Francis Lawrence.

Confira:

Jogos Vorazes: A Esperança – O Final estreia em 19 de Novembro no Brasil.y

Confira o novo trailer de 007 CONTRA SPECTRE

Posted in Trailers with tags , , , , , , on 22 de julho de 2015 by Lucas Nascimento

spectre_14

Lançado em plena madrugada, o novo trailer de 007 Contra Spectre explora um pouco mais da trama, colocando em foco a caçada de James Bond pela misteriosa organização do título. Temos mais ação, locações e o primeiro vislumbre de Christoph Waltz.

Confira:

007 Contra Spectre estreia em 5 de Novembro no Brasil.

Primeiro trailer de THE REVENANT

Posted in Trailers with tags , , , , , , , , on 17 de julho de 2015 by Lucas Nascimento


Depois de papar Oscars com Birdman, Alejandro Gonzalez Iñárritu promete voltar com tudo em seu faroeste The Revenant, com Leonardo DiCaprio e Tom Hardy.

A primeira prévia não explora muito a história, mas é magnífica. Traz lindas imagens fotografadas por Emmanuel Lubezki e um clima de perseguição e estranheza realmente marcante. Confira:

The Revenant estreia em Dezembro nos EUA. No Brasil, a previsão é Fevereiro.

As primeiras imagens de X-MEN: APOCALIPSE

Posted in Notícias with tags , , , , , , , , , , , , on 16 de julho de 2015 by Lucas Nascimento

x-men-apocalypse-logo-143867

A revista Entertainment Weakly trouxe em sua capa as primeiras imagens de X-Men: Apocalipse! Estas apresentam as novas caras de Ciclope (Tye Sheridan), Tempestade (Alexandra Shipp), Noturno (Kodi Smith McPhee) e Jean Grey (Sophie Turner), ao mesmo tempo em que apresentam os mutantes Psylocke (Olivia Munn), Jubileu (Lana Condor) e o monstruoso Apocalipse, vivido por um irreconhecível Oscar Isaac.

Confira:

xapo

xapo2

xapo3

xapo4

xapo5

xapo6

x-men-apocalypse-image-entertainment-weekly-storm-jubilee-cyclops

X-Men: Apocalipse estreia em 26 de Maio de 2016.

 

Primeiro trailer de JOY, de David O. Russell

Posted in Trailers with tags , , , , , , , , , , on 15 de julho de 2015 by Lucas Nascimento


Saindo de uma trinca de sucessos composta por O Vencedor, O Lado Bom da Vida e Trapaça (ainda que a definição de sucesso seja discutível…), o diretor David O. Russell prepara-se para lançar seu novo filme.

Confira o trailer:

Joy é baseado na história real de Joy Mangano, inventora do Miracle Mop que também lutava para sustentar seus três filhos. Jennifer Lawrence protagoniza enquanto Robert De Niro, Bradley Cooper e Edgar Martinez formam os coadjuvantes.

Joy estreia em 25 de Dezembro nos EUA.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 312 outros seguidores