| Vício Inerente | Crítica

Posted in Cinema, Comédia, Críticas de 2015 with tags , , , , , , , , , , , , , , , , on 26 de março de 2015 by Lucas Nascimento

3.5

InherentVice
Joaquin Phoenix é Doc Sportello

Não acontece com tanta frequência, mas vira e mexe e aparece um filme como Vício Inerente. Sétimo filme do cineasta único Paul Thomas Anderson, oferece uma narrativa torta, confusa e que indubitavelmente vai deixar uma grande parcela do público perdida em sua viagem chapada e desconexa de 2h30. Não é uma experiência das mais confortáveis – e também não diria satisfatória – mas certamente provoca fascínio.

Adaptada pelo próprio PTA da obra homônima de Thomas Pynchon, a trama… Vamos tentar organizar isso de forma coesa… A trama começa quando o detetive Larry “Doc” Sportello (Joaquin Phoenix) é surpreendido por sua ex-namorada Shasta (Katherine Waterston), que pede sua ajuda quando descobre o complô da esposa de seu amante, Mickey Wolfmann (Eric Roberts), para trancafiá-lo num hospício. Paralelamente, Doc analisa dois casos que se relacionam com Wolfmann de alguma forma: o sumiço de um saxofonista (Owen Wilson) e a fuga de um guarda-costas que estaria envolvido com neonazistas.

Estruturalmente, Vício Inerente é uma bagunça, mas curiosamente isso não precisa ser um defeito – dependendo do ponto de vista. Suas tramas misturam-se através de diálogos malucos e repletos de gírias, o que compremente o fluir da narrativa e a compreensão da trama geral (eu, por exemplo, tive que ler um resumo do filme para compreender todos os seus pontos de virada e conexões entre histórias). Podemos dizer que a narrativa acelerada, com um zilhão de personagens e acontecimentos, é um reflexo da própria mente de Doc, dominado pela paranóia e lentidão de seu constante uso de maconha – e a fotografia de Robert Elswitt sabiamente aposta em sequências em que o personagem encontra-se cercado por neblina, prestando também a devida homenagem ao visual icônico do cinema noir.

Colocar a platéia sob os olhos de um entorpecido é um experimento interessante, e PTA mantém sua técnica invejável ao apostar em longos planos e enquadramentos fechados, muitas vezes centrado apenas em diálogos que vão ramificando-se de maneira curiosa (uma provocante cena em particular que envolve Doc e Shasta é desde já um dos pontos altos da carreira do cineasta). As consequências e surpresas são muitas, e o humor caricato do filme é acertadíssimo; ainda mais pela performance noiada de Joaquin Phoenix, completamente imerso no papel do detetive. O elenco estelar ainda conta com ótimas presenças de Josh Brolin, Owen Wilson, Martin Short e a já citada Katherine Waterston, cuja mera presença sensual em cena já é absolutamente hipnotizante.

O filme acerta também na escolha de sua trilha sonora (tanto a original de Jonny Greenwood quanto a vasta seleção de músicas da década de 70) e no design de produção, que explora com criatividade uma Los Angeles povoada por criaturas bizarras e coloridas à sua própria forma. Seja na surtada reunião hippie que simula a Santa Ceia de Michelangelo com pizzas ou o excêntrico culto descoberto por Doc ao longo da investigação, PTA acerta em sua representação.

Mesmo com inúmeras qualidades, confesso que Vício Inerente não funciona completamente para mim como experiência, como filme. Tem momentos de verdadeira maestria cinematográfica, mas é um filme difícil de se acompanhar e fácil de se perder, e que certamente necessita de uma segunda visita.

Jesse Eisenberg como Lex Luthor em BATMAN VS SUPERMAN: A ORIGEM DA JUSTIÇA

Posted in Notícias with tags , , , , , , , on 25 de março de 2015 by Lucas Nascimento

Depois de espiarmos alguns dos principais heróis que estarão em Batman vs Superman: A Origem da Justiça, eis que a Entertainment Weekly solta a primeira imagem de Jesse Eisenberg como o vilão Lex Luthor. Não é das mais reveladoras ou estilizadas como as anteriores, mas pelo menos confirma que o personagem será de fato careca. Confira:

lex

Batman vs Superman: A Origem da Justiça estreia em 24 de Março no Brasil.

Análise Blu-ray | INTERESTELAR

Posted in Análise Blu-ray with tags , , , , , , , , , , , , , , on 23 de março de 2015 by Lucas Nascimento

qSX7jfK

O Filme

inter16

Interestelar foi um dos filmes mais divisíveis de 2014. Entre amor e ódio, eu encontrei-me totalmente encantado pela ficção científica ousada de Christopher Nolan, que aborda conceitos físicos fascinantes, nos apresenta a cenas de ação absurdas com visuais inacreditáveis e uma história emocional simples e cativante. É uma experiência e tanto, e eu definitivamente adoro. Crítica

A Ciência de Interestelar (50:20)

4.0

INTER8

Aqui, temos o documentário exibido no Discovery Channel sobre os principais temas científicos que Interestelar aborda. Narrado por Matthew McConaughey, o doc nos traz entrevistas da equipe de filmagem e, principalmente, do astrofísico Kip Thorne, que divaga sobre Teoria da Relatividade, a natureza do tempo, buracos de minhoca, buracos negros e até em qual ponto se encontra a tecnologia para garantir uma expedição espacial do nível da do filme. Traz diversos conceitos complexos de Física, mas numa linguagem acessível e ilustrativa. Muito bom, e deve servir pra passar na escola…

Por Dentro de Interestelar

Plotting an Interstellar Journey (7:49)
Tramando uma Jornada Interestelar

4.0

INTER5

Uma introdução ao vasto making of do filme. Christopher e Jonathan Nolan discutem a ideia inicial e os desejos de atingir uma fidelidade científica, ao mesmo tempo em que discutem suas influências. Só fiquei surpreso por ninguém mencionar 2001…

Life on Cooper’s Farm (9:43)
Vida na Fazenda de Cooper

4.0

inter12

Aqui, a equipe de produção revela o preparo para as filmagens de cenas na Terra, jogada de volta a uma sociedade agrícola decadente. O designer de produção Nathan Crowley discute a escolha de locação (belíssimas áreas no interior dos EUA), a construção da fazenda de Cooper e até a ciência para o crescimento do milho. E ainda temos os bastidores da ótima perseguição de carro pelo milharal.

Dust (2:38)
Poeira

3.5

INTER10

O mais curto de todos os extras do disco, revela o desafio da equipe para criar as tempestades de poeira que assolam o planeta Terra durante o primeiro ato da história. Interessante observar como efeitos práticos (que produziram ventanias fortíssimas) tiveram grande presença aqui.

TARS and CASE (9:27)
TARS e CASE

4.0

inter11

Um dos elementos mais originais de Interestelar reside na dupla de robôs, TARS e CASE. O extra nos revela o incrível trabalho da equipe de efeitos especiais para criar os robôs fisicamente, numa espécie de marionete que era controlada pelo próprio dublador; efeitos visuais CGI só eram usados para movimentos impossíveis, como “a roda”. Nolan também explora sua funcionalidade e o papel da dupla na história.

The Cosmic Sounds of Interstellar (13:20)
Os sons cósmicos de Interestelar

5.0

inter13

Hans Zimmer é um maldito gênio, e esse maravilhoso extra só serve para comprovar isso. Aqui, Nolan e Zimmer comentam a criação da trilha sonora, que nasceu a partir de um mero conceito (pai e filho) para mergulhar numa onda épica dominada por um órgão a vapor. Vemos também como Zimmer levou sua orquestra para compor dentro de uma igreja, detalhando também pequenos elementos de outras composições (um coro para o tema do buraco de minhoca) e a lógica para a evolução da música ao longo da narrativa. Sensacional.

The Spacesuits (4:31)
As Roupas Espaciais

3.5

INTER6

Simples e objetivo, esse extra nos traz os bastidores para a confecção das roupas espaciais do filme. A figurinista explica as influências de trajes reais da NASA e a preocupação de atingir um visual moderno e que comportasse bem o elenco – o traje era tão quente que foi desenvolvido um dispositivo para resfriamento interno.

The Endurance (9:24)
A Endurance

4.0

INTER1

Nathan Crowley literalmente nos leva a um tour pela principal nave espacial do filme, a Endurance. Ele explica as influências de sua aparência na EEI e a funcionalidade de seu interior, que foi construído de verdade. É interessante observar como o elenco elogia a presença de um set real, ao invés de green screens.

Shooting in Iceland: Miller’s Planet/Mann’s Planet (12:42)
Filmando na Islândia: Planeta de Miller/Planeta de Mann

5.0

INTER3

Naquele que certamente é o mais deslumbrante dos extras, acompanhamos as filmagens em duas locações-chave da Islândia, para servir de cenário para os planetas de Miller (todo de água) e o de Mann (todo de gelo). Acompanhamos o esforço para transportar equipamento, elenco e gruas para a locação, além da dificuldade para encarar as condições climáticas extremas. Temos também comentários sobre a criação das ondas gigantes e a luta na geleira.

The Ranger and the Lander (12:20)
O Ranger e o Lander

5.0

INTER9

Mais Crowley! Aqui, ele discute a criação das naves de modelo Ranger e Lander, que também foram construídas em escala real para interagir com ambientes e com o elenco. É muito bacana ver como o diretor de fotografia Hoyte Van Hoytema e a equipe de pirotecnia elaboram sistemas para chacoalhar, balançar e controlar remotamente modelos em escala real como se fossem miniaturas, e com o elenco dentro. Pra finalizar, é empolgante ver como a equipe “ressuscitou” a projeção de tela para preencher as janelas das naves, evitando mais uma vez o green screen.

Miniatures in Space (5:29)
Miniaturas no Espaço

5.0

inter15

Numa grande demonstração de mistura de velho com o novo, Nolan e sua equipe de efeitos detalham o processo de criação de miniaturas de naves espaciais (principalmente as cenas de acoplagem), ao mesmo tempo em que utilizam de efeitos CGI para combinar o melhor dos mundos. Mostra muito afeto pelo trabalho feito em produções pioneiras, e também impressiona pela escala de alguns modelos (como aquele usado durante a acoplagem defeituosa do Dr. Mann).

The Simulation of Zero-G (5:31)
A Simulação de Gravidade Zero

3.0

INTER4

Como é um filme espacial, a gravidade zero é um elemento que certamente estará presente. Porém, diante de todas as outras inovações que o longa traz, não tem um impacto tão marcante ou estimulante no filme em si (não como teve Gravidade, por exemplo), e o extra reflete isso. Temos lá os ensaios e preparamentos, mas não empolga tanto quanto o restante.

Celestial Landmarks (13:22)
Marcos Celestiais

5.0

INTER2

This is it. Um dos extras mais aguardados da edição, onde o físico e consultor Kip Thorne compartilha seus conhecimentos sobre a ciência dos buracos de minhoca e buracos negros, desde uma breve aulinha de gravidade e Einstein até a composição para o filme. Acompanhamos também o trabalho da equipe de efeitos visuais, que utilizou das fórmulas de Thorne para criar a representação mais fiel desses elementos até hoje. Sensacional.

Across All Dimensions and Time (9:02)
Através de Todas as Dimensões e do Tempo

5.0

INTER7

OK, se muita gente ficou meio pirada com a descoberta de Cooper no terceiro ato do filme (SPOILERS), isso pode ajudar. Christopher e Jonathan Nolan jogam uma luz no enigmático Tesseract, ainda que não expliquem exatamente o que é. Nathan Crowley novamente discute a imensa dificuldade de criar um ambiente que comporte infinitos momentos do tempo, e a revelação de que fora realmente um set, e não CGI, é impressionante.

Final Thoughts (6:02)
Considerações Finais

4.0

inter14

Assim como no início, esse extra faz uma conclusão sobre os temas e processo de Interestelar, trazendo depoimentos do elenco e equipe, buscando também o significado do projeto e a esperança deste em despertar a curiosidade científica nas gerações vindouras.

Trailers

4.0

11553_35_large

Temos aqui os quatro trailers principais do filme. Vale relembrar como eles não entregam nada além da premissa do longa, em um exemplo de bom marketing.

Nota Geral: 4.0

A edição nacional de Interestelar é eficiente e completa, impressionando na exibição do filme (que traz as cenas em IMAX na razão de aspecto maior) e também com seus extras incrivelmente informativos. Infelizmente, nada de comentário em áudio de Christopher Nolan por enquanto… Mas vale a pena, ainda mais para os fãs do filme.

Preço: R$ 69,90

Os irmãos Russo vão dirigir OS VINGADORES: GUERRA DO INFINITO

Posted in Notícias with tags , , , , , , , , on 23 de março de 2015 by Lucas Nascimento

la_ca_0102_Captain_America

Vingadores: Era de Ultron sai no Brasil daqui a exatamente um mês, mas a Marvel Studios já oficializou os diretores do terceiro e quarto filme do super-grupo do estúdio, que saem em 2017 e 2018. Depois de agradarem Kevin Feige com Capitão América 2: O Soldado Invernal, Anthony e Joe Russo foram contratados para Capitão América 3: Guerra Civil e agora Os Vingadores: Guerra do Inifinito, Parte 1 e 2.

A dupla começa a gravar Guerra Civil em Atlanta, daqui a algumas semanas.

Seria o fim de Joss Whedon no Universo Marvel?

Primeiro trailer de MISSÃO: IMPOSSÍVEL – NAÇÃO SECRETA [ATUALIZADO]

Posted in Trailers with tags , , , , , , , , , , on 22 de março de 2015 by Lucas Nascimento

mi5_01

Com lançamento anteriormente marcado para dezembro, Missão: Impossível 5 foi adiantado para Agosto aqui no Brasil, e a Paramount começa a acelerar o marketing do filme. Pra começar, o filme de Christopher McQuarrie (Jack Reacher: O Último Tiro) ganhou o subtítulo de Rogue Nation, que virou “Nação Secreta” aqui no Brasil (e também sinto um leve nod para Star Wars: Rogue One…).

E então, temos aqui um teaser (o trailer completo sairá amanhã), que traz Tom Cruise pendurado na asa de um avião! Confira:

Simon Pegg, Jeremy Renner e Ving Rhames reprisam seus papéis. Alec Baldwin, Rebecca Fergunson e Sean Harris são as novidades no elenco.

Missão Impossível – Nação Secreta estreia em 13 de Agosto.

ATUALIZAÇÃO: Confira agora o trailer completo!

mi5_p1

 

| Mapas para as Estrelas | Crítica

Posted in Cinema, Críticas de 2015, Drama with tags , , , , , , , , , , , , , , , on 20 de março de 2015 by Lucas Nascimento

3.5

MapstotheStars
Julianne Moore: A Norma Desmond do século XXI

O lado negro de Hollywood sempre foi um tema saboroso dentro do próprio cinema. O exercício satírico de metalinguagem já nos rendeu obras do calibre de Crepúsculo dos Deuses, Assim Estava Escrito, O Jogador e até o recente vencedor do Oscar Birdman. Mas quando o cineasta David Cronenberg entra no jogo com seu ácido Mapa para as Estrelas, teremos algo diferente.

A trama parte do roteiro original de Bruce Wagner (cujo único projeto com mais popularidade foi, veja só, A Hora do Pesadelo 3: Os Guerreiros dos Sonhos), que nos apresenta a diferentes narrativas que vão se cruzando em Los Angeles. Temos Havana Segrand (Julianne Moore), uma atriz esquecida que luta desesperadamente por um papel importante; Agatha Weiss (Mia Wasikowska), uma jovem que acaba de chegar em Hollywood para conseguir emprego no show business; Benjie Weiss (Evan Bird), um pré-adolescente famoso que acaba de sair de uma desintoxicação de drogas, embarcando em mais um capítulo de sua popular franquia teen.

Narrativamente, Mapas para as Estrelas constrói um ritmo sólido ao equilibrar e distribuir com inteligência as diferentes personagens e situações (créditos a Ronald Sanders, o habitual montador de Croneberg). O texto de Wagner também é divertido no mais genuíno humor negro e traz ótimas referências, ao mesmo tempo em que traça caricaturas sutis de figuras como Macauly Culkin ou o guru espiritual vivido (de maneira pouco convincente, confesso) por John Cusack. O problema é que o roteiro une os personagens através de artifícios pouco naturais, e que apelam para um certo sensacionalismo: a questão do incesto é certamente um dos elementos “Cronenbergianos” aqui, e vai variar muito de espectador para espectador o resultado. Resta dizer que a projeção desaba em seus minutos finais (e prefiro não comentar a incineração digital mais artificial e vergonhosa que já vi na vida).

Porém, Cronenberg também acerta em outra de suas especialidades: alucinações. Aqui, a Havana Segrand de Julianne Moore sofre com a perseguição do fantasma de sua mãe, também atriz, representando o inteligente simbolismo sobre Havana lutar para estrelar o remake de um filme de sua mãe. E Moore está absolutamente fantástica, criando uma personagem multifacetada e tridimensional, jamais soando como uma figura fantasiosa – mesmo que a atriz grite, pule e dance estranhamente – mas sim um ser humano real e palpável. Quando recebe uma notícia trágica que pode ajudá-la a conseguir o papel, as nuances de Moore são acertadamente enigmáticas: ao mesmo tempo triste, ao mesmo tempo eufórica – e a dancinha histérica nos revela quem vence a batalha interna de Havana. Não seria exagero taxá-la como a Norma Desmond do Século XXI.

Ainda que não estejam no nível de Moore, o elenco coadjuvante também impressiona. Robert Pattinson se sai bem como o motorista de Limusine, mesmo que com pouco tempo de cena, enquanto o novato Evan Bird entrega um trabalho cativante na pele do jovem Benjie. E embora eu esteja farto de ver Mia Wasikowska no papel da “maluquinha excêntrica”, sua performance aqui agrada pela complexidade que sua Agatha traz – e o trabalho do design de figurino é sutil ao sempre apresentá-la com longas luvas pretas, a fim de esconder suas queimaduras.

Mapas para as Estrelas é um longa interessante e muito capaz de entreter com seus personagens moralmente repreensíveis, mas nem por isso menos atraentes. Não é uma narrativa forte, mas funciona como uma ácida sátira.

Thomas Newman substitui John Williams em BRIDGE OF SPIES

Posted in Notícias with tags , , , , , , on 18 de março de 2015 by Lucas Nascimento

bridgespies_01

Olha, notícias sobre contratações e substituições de compositores em produções cinematográficas não são fatos gritantes, mas a notícia de hoje merece atenção. Bridge of Spies, novo filme de Steven Spielberg, não terá trilha sonora de John Williams, mas sim de Thomas Newman (indicado 12 vezes ao Oscar).

Isso quebra uma sequência de 27 filmes (de Louca Escapada a Lincoln) e 41 anos, praticamente toda a carreira de Spielberg (só A Cor Púrpura não teve a colaboração do compositor, substituído por Quincy Jones). Williams teria se afastado por problemas de saúde, mas já confirma participação na próxima produção do diretor, a adaptação de The BFG.

Vai ser interessante ver como Spielberg se adaptará a outro compositor. Pessoalmente, acho Newman uma ótima escolha.

Bridge of Spies estreia em 16 de Outubro nos EUA.

 

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 287 outros seguidores