Primeiro trailer de A GAROTA DINAMARQUESA

Posted in Trailers with tags , , , , , on 1 de setembro de 2015 by Lucas Nascimento

danish

O diretor Tom Hooper (O Discurso do Rei, Os Miseráveis) está de volta com A Garota Dinamarquesa, filme que traz Eddie Redmayne no papel de Lili Elbe, a primeira transgênera da História. O elenco ainda conta com a cada vez mais atarefada Alicia Vikander (do ótimo Ex Machina).

Confira:

Será mais um Oscar para Redmayne?

A Garota Dinamarquesa estreia em 27 de Novembro nos EUA.

RIP Wes Craven (1939-2015)

Posted in Notícias with tags , , , on 30 de agosto de 2015 by Lucas Nascimento

wes

O cinema de terror acaba de perder um ícone.

Wes Craven falece aos 76 anos, vítima de um câncer cerebral.

Craven ficou famoso por dirigir clássicos como A Hora do PesadeloQuadrilha de Sádicos e a franquia Pânico. Sob a visão do diretor, duas das maiores figuras do terror nasceram: Freddy Krueger e Ghostface.

Descanse em paz, mestre.

 

 

| Expresso do Amanhã | Crítica

Posted in Ação, Cinema, Críticas de 2015, Drama, Ficção Científica with tags , , , , , , , , , , , , , , , , on 30 de agosto de 2015 by Lucas Nascimento

4.0

Snowpiercer
Multiverso: Chris Evans e Jamie Bell se aliam 

Alguns filmes lançados recentemente parecem ter sido feitos com um espírito dos anos 80, como se seus realizadores fossem apaixonados pelos divertidos e cults daquele período glorioso. Mad Max: Estrada da Fúria é um belíssimo exemplo visto este ano, assim como a pérola infinitamente adiada e mantida mofando na geladeira da Playarte Pictures: O Expresso do Amanhã, uma obra forte, empolgante e reflexiva.

A trama é adaptada da graphic novel francesa Perfura-Neve, de Jaques Lob, Benjamin Legrand e Jean -Marc Rochette, onde a Terra é condenada a uma segunda era do gelo após uma tentativa frustrada do governo em acabar com o aquecimento global. Nessa distopia congelante, os sobreviventes vivem num grande trem que roda toda a superfície do planeta: o Snowpiercer. Dentro, a luta de classes começa a incitar uma rebelião, liderada pelo idealista Curtis (Chris Evans).

É uma ideia fantástica que só fica melhor com a presença do diretor sul-coreano (que nação, que nação…) Joon-ho Bong, que já nos presenteou com Mother – A Busca pela VerdadeO Hospedeiro, agora embarcando em seu primeiro filme de língua inglesa. Bong também assina o roteiro ao lado de Kelly Masterson, tecendo uma narrativa intensa e fortemente baseada na sátira política, especialmente quanto à luta de classes que já se estabelece na divisão dos vagões do Snowpiercer: os pobres e operários viajam no último, enquanto os mais ricos e importantes vão habitando os dianteiros.

Dessa forma, Expresso do Amanhã é um filme completamente dependente do excepcional design de produção de Odrej Nekvasil, que fornece a cada compartimento do grande trem uma personalidade distinta, que também se reflete em cores, fotografia e arquitetura: o vagão dos operários é sujo e obscuro, enquanto a “escolinha” é colorida e vibrante, passando também por uma balada e um grande aquário. Visualmente, é maravilhoso, e revoltante que Nekvasil tenha sido completamente ignorado pela Academia.

Chris Evans também se sai muito bem no protagonismo da trama, criando um sujeito visionário e de intenções nobres, mas nem por isso menos violento e sanguinário; o confronto entre o grupo de Curtis e a segurança do trem num apertado corredor sombrio é memorável. Tilda Swinton surge irreconhecível como a burocrata Mason, abusando de cartunescos dentes falsos e perucas exageradas para criar uma debochada representante da alta classe, cujo figurino também contrasta radicalmente com o grupo de Curtis. Estruturalmente, o silencioso personagem de Kang-ho Song rende uma subtrama não muito envolvente  quanto a principal, mas que revela-se decisiva para o surpreendente clímax.

Expresso do Amanhã é uma empolgante e inteligente sátira política, digna de algumas das melhores distopias já apresentadas no cinema, com um forte espírito dos anos 80.

Obs: Sério, Playarte, como deixar esse filme atrasar tanto?

| Corrente do Mal | Crítica

Posted in Cinema, Críticas de 2015, Terror with tags , , , , , , , , , , , , , on 30 de agosto de 2015 by Lucas Nascimento

4.0

ItFollows
A ótima Maika Monroe

É interessante observar que, nos últimos anos, o gênero do terror vêm encontrando um admirável sopro de vida no cinema independente. No ano passado, a crítica caiu de joelhos para The Babadook (que pessoalmente achei apenas bom), e o responsável por sacudir festivais este ano foi Corrente do Mal, terror psicológico que aposta fortemente nas alegorias e metáforas a fim de conseguir um terror muito decente.

A trama começa quando Jay (Maika Monroe) transa pela primeira vez com seu namorado, Hugh (Jake Weary). Após a relação, Hugh revela que algo sinistro começará a seguir Jay, a menos que ela consiga passar aquilo que lhe foi transmitido adiante, levando a garota a ter assustadoras alucinações. Junto com os amigos, ela procura uma forma de eliminar esse mal misterioso.

Evidentemente, aquilo que se segue em Corrente do Mal é uma metáfora para doenças sexualmente transmíssiveis, o que me traz à mente célebres momentos em que o gênero serviu de alegoria social: seja o consumismo no Madrugada dos Mortos original ou o McCarthismo em Os Invasores de Corpos (não por acaso, a história se passa na década de 50, ainda que diversos anacronismos se destaquem, propositalmente), o filme do estreante David Robert Mitchell acerta na comparação, sem deixá-la tão forçada. Como artista do horror e do suspense, Mitchell revela-se um prodígio: sua câmera é discreta, mas elaborada, adotando zooms lentos e pans em tomadas abertas que nos ajudam a ter uma boa noção da geografia do aconchegante subúrbio, além de serem poderosas ferramentas para tensão.

Depois de muito observamos e sentirmos a perseguição invisível de Jay, Mitchell começa a revelar a manifestação física “daquilo que segue”, e sabemos que o diretor é inteligente quando, sendo em sua maioria pessoas normais, conseguem nos apavorar sem muito esforço. A mera imagem de uma idosa toda de branco se aproximando lentamente pelos corredores de uma escola (um ambiente no qual claramente não pertence) assusta pela simplicidade, e pelo fato de o espectador não entender do que se trata. Não há muitos jump scares aqui, no lugar, temos a pavorosa trilha sonora de Mike Gioulakis, que fornece a atmosfera ideal com seus abstratos e distorcidos sons, que trazem forte influência de Ligeti.

Se há um problema com o filme, é no terceiro ato. Sem querer entregar em spoilers, mas a solução do roteiro (também de Mitchell) pareceu-me “videogamica” demais, ainda que a decisão de encená-la numa piscina faça bastante sentido, ainda mais pela rima visual em relação à primeira aparição de Jay no filme.

Corrente do Mal é uma inteligente e original entrada no atual gênero do terror. Em tempos em que o público parece apenas se interessar em sustos baratos, é bom ver uma produção autoral se arriscando com o minimalismo.

| Ted 2 | Crítica

Posted in Cinema, Comédia, Críticas de 2015 with tags , , , , , , , , , , , on 29 de agosto de 2015 by Lucas Nascimento

2.0

Ted2
Cinquenta tons de Ted

Nunca fui um grande conhecedor do humor de Seth MacFarlane, mas me diverti bastante com o hit surpresa Ted, em 2012, que fora sua estreia como diretor e roteirista no cinema. Porém, ano passado o criador de Uma Família Pesada entregou a decepcionante comédia faroeste Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola, e agora, Ted 2 chega para confirmar que o acerto de MacFarlane em 2012 foi mera sorte de principiante.

Na trama, o urso falante Ted (MacFarlane) se casa com sua namorada Tami-Lynn (Jessica Barth) e anseia por ser pai, seja por doação de esperma de seu amigo John (Mark Wahlberg) ou através de adoção. Porém, o Estado se nega a considerar Ted como algo a mais do que uma propriedade (leia-se, um brinqued0), fazendo-o entrar numa batalha judicial para comprovar sua humanidade.

É uma premissa que diverte pelo absurdo, e que poderia muito bem ser transformada num pesado drama caso o protagonista não fosse um ursinho de pelúcia. E é aí que reside o grande problema de Ted 2, que revela-se uma obra assustadoramente descontrolada e sem sentido, que transita entre o humor escatalógico até cenas de tribunal que tocam seriamente em temas como escravidão e defesa de minorias, sem ter muita certeza aonde quer chegar. MacFarlane acerta em seu sempre eficaz trabalho vocal de Ted, mas como diretor, realmente deveria reconsiderar suas escolhas, já que a narrativa do filme é prejudicada por timing ruim de piadas, uma montagem inconstante e um ritmo tedioso.

Por exemplo, a trama principal com a advogada de Amanda Seyfried é constantemente interrompida por cenas aleatórias de John e Ted tentando causar algum tipo de humor, mas de nenhuma forma que caiba dentro da história: seja por aleatoriamente atirar objetos em corredores, referenciar Clube dos Cinco ou invadir um clube de stand-up para sugerir temas tristes como 11/9 ou Charlie Hedbo aos comediantes (essa fez rir, ok). De maneira similar, Liam Neeson e Morgan Freeman ganham participações sem graça, enquanto a narrativa é comprometida por uma entrada no road movie que simplesmente não empolga, mesmo que o roteiro de MacFarlane aposte pesado em referências pop – rendendo uma boa piada com Jurassic Park. Temos até uma grande luta na New York Comic Con (e pelas barbas de Odin, MacFarlane ganhou muita grana para promover brinquedos de Transformers…), mas que só entretém pela variedade de cosplayers envolvidos.

Nem mesmo a química de Wahlberg com o urso funciona muito bem aqui, principalmente porque o ator parece completamente desinteressado e a computação gráfica de Ted mostre-se estranhamente inferior à do primeiro filme. Seyfried também não rende boa participação, enquanto o vilão de Giovani Ribsi divirta, mas sem o impacto surpresa causado no longa anterior.

Falta a Ted 2 o humor certeiro e o roteiro bem elaborado do primeiro, limitando-se a uma trama sem graça e entediante, só pontualmente capaz de rir. Acho que Seth MacFarlane deveria pensar bastante antes de decidir arriscar-se no cinema novamente.

Veja Michael Fassbender como o protagonista de ASSASSIN’S CREED

Posted in Notícias with tags , , , , , on 27 de agosto de 2015 by Lucas Nascimento

Adaptações de videogames não tem sido o forte de Hollywood desde… Sempre, ok. Porém, acho que a situação pode mudar com a adaptação de Assassin’s Creed, que a Ubisoft supervisiona de perto. Justin Kurzel (do vindouro Macbeth) dirige Michael Fassbender e Marion Cottilard na trama sobre uma empresa capaz de acessar vidas passadas, batendo de frente com a Fraternidade dos Assassinos.

Confira abaixo a primeira imagem de Fassbender como o protagonista Callum Lynch:

assassins

As filmagens começam amanhã, e Assassin’s Creed estreia em 21 de Dezembro de 2016.

| Ex Machina: Instinto Artificial | Crítica

Posted in Críticas de 2015, Drama, Ficção Científica, Home Video with tags , , , , , , , , , , , , , , , , on 26 de agosto de 2015 by Lucas Nascimento

4.5

ExMachina
Alicia Vikander estreia como a hipnotizante Eva

Escrevi em meu texto sobre Ela que as relações humanas vêm se transformando com o advento da tecnologia, seja no desenvolvimento de recursos quanto ao convívio do Homem em sociedade. O cinema de ficção científica vinha prevendo diversos tipos de distopias e utopias, e a inteligência artificial sempre esteve ligada a uma imagem mais antagonista, certamente um fruto da paranóia da Guerra Fria dos anos 50 ou a antecipação pelo Bug do Milênio no ano 2000. Mas numa época em que smartphones se transformaram nos nossos melhores amigos, o Cinema tem brincado com a ideia de uma relação afetiva entre Homem e máquina, notavelmente no romântico filme de Spike Jonze e agora no excelente Ex Machina: Instinto Artificial, imperdível sci-fi lançado diretamente para DVD.

A trama começa quando o programador Caleb (Domhnall Gleeson) é selecionado para trabalhar num projeto especial de sua empresa. Movido para a reclusa e luxuosa moradia do CEO Nathan (Oscar Isaac), Caleb descobre que seu chefe criou uma avançada forma de inteligência artificial: a andróide Eva (Alicia Vikander). Ali, o jovem deverá testar a capacidade da máquina de se passar por um humano (como no Teste de Turing) sendo lançado num perigoso jogo de duplas intenções.

Este é o filme de estreia do diretor Alex Garland, que já havia cuidado de roteiros como O ExtermínioSunshineNão Me Abandone JamaisDredd, além de também ser o responsável pelo texto original de Ex Machina. E é admirável ver uma ficção científica tão desafiadora em sua temática. As sessões entre Caleb e Eva são fascinantes de se observar, graças à habilidade de Eva de demonstrar ideias e pensamentos tão complexos para uma máquina, e vê-la subvertendo os papéis com o programador humano é instigante. A revelação de que Eva tem instalada em si uma certa sexualidade é o aspecto mais interessante (“Como um mágico que usa uma assistente gostosa para distrair o público?”, questiona Caleb para Nathan), e o que move a relação entre Caleb e a máquina para algo mais complexo. Se Ela era de fato um romance que abusava do lirismo para ilustrar o afeto do homem pela máquina, Ex Machina é ficção científica na veia, sendo muito mais eficiente na forma com que lida com o tema.

Garland cria imagens altamente memoráveis aqui, especialmente ao fazer robôs sensuais sem parecer que estamos assistindo a uma paródia pornô. A novata atriz sueca Alicia Vikander domina cada minuto de cena, não só por sua hipnotizante performance que traz os sutis indícios de humanidade, mas também pela construção de seu corpo; cuja mistura de materiais e ausência de membros indica uma criação ainda incompleta. O design de produção também acerta na criação da casa de Nathan, dominada pelo cinza e por uma arquitetura que parece sugerir mais um laboratório ilegal ou uma prisão experimental, literalmente confinando o confuso Caleb em suas paredes de vidro.

Outro grande destaque fica com Oscar Isaac, que vem rapidamente se mostrando como um dos atores mais talentosos da atualidade. Quando pensamos em um ricaço cientista inventor de robôs inteligentes, não é a imagem de um barbudo atlético e de fala jovinal como o Nathan de Isaac, que em sua primeira aparição já surge praticando boxe, revelando que o exercício físico é tão importante quanto o mental para Nathan. Seu alcoolismo também é lidado de forma sutil, como seu silêncio confuso quando Caleb pergunta “como teria sido a festa”, a fim de justificar a ressaca que tenta curar – além de ser um importante detalhe que servirá para uma das reviravoltas.

Ex Machina: Instinto Artificial é uma inteligente e questionadora ficção científica, capaz de iniciar um instigante debate sobre a evolução da inteligência artificial e sua relação com o Homem. Um baita começo para Alex Garland, que desde já mostra-se uma aposta promissora.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 318 outros seguidores