| Álbum de Família | Um fascinante duelo verbal e de atuações

3.5

Osage
Meryl Streep e Julia Roberts: Prováveis, e merecidas, indicadas ao Oscar

Caso a família Weston, de Álbum de Família, se submete-se a um daqueles programas televisivos na linha de Jerry Springer ou “Casos de Família”, o resultado seria uma tremenda dor de cabeça a seus “analisadores”. Ainda que longe de famílias disfuncionais como as de Massacre da Serra Elétrica ou Killer Joe – Matador de Aluguel, os Westons se aproximam muito mais de problemas do mundo real do que os exemplos mais extremos citados. Mas o grande valor aqui, são suas performances excepcionais.

Tracy Letts adapta a trama de sua peça homônima vencedora do Tony, que gira em torno da repentina morte de Bevery Weston (Sam Shepard), que acaba por deixar a esposa doente Violet (Meryl Streep) sob atenção de suas três filhas distintas: Barbara (Julia Roberts), Karen (Juliette Lewis) e Ivy (Julianne Nicholson). Além de terem de lidar com o temperamento explosivo da mãe, que é piorado graças ao vício dessa em medicamentos, as três vão descobrindo segredos polêmicos dentro de seu círculo.

É mais um exemplo de filme que depende inteiramente de seu roteiro – e por consequência, de seu elenco – para funcionar. O filme de John Wells (mais conhecido por seu trabalho em séries como E.R. e Shameless) assume um caráter teatral de cara, já que os melhores momentos da projeção são aqueles dedicados a retratar as ferozes e ácidas discussões, muitíssimo bem roteirizadas por Letts e eficientemente equilibradas pelo montador Stephen Morrione, entre os membros da família. Wells acerta ao criar planos bonitos que capturam a solidão das estradas do interior dos EUA (o condado de Osage, do título original), mas mantém sempre seu excelente elenco em foco.

A começar pela impressionante Meryl Streep. Já virou chavão reconhecer o quão fantástica a atriz é (e os 3 Oscars em sua estante falam por si só), mas seu retrato perturbado e escandaloso de Violet é sensacional. Dominada por roupas, ambientes e acessórios de cor preta, a atriz é reponsável por riscar o fósforo que incedia os duelos verbais entre as filhas (especialmente a interpretada por Julia Roberts, que surge intensa aqui) e oferecer comentários e “patadas” encharcadas de ironia – e até crueldade. E mesmo sendo uma criatura tão detestável, a atriz faz com que gostemos dela: seja por seu caráter anti-heroína, ou quando compreendemos os motivos que a tornam tão severa – e nesse sentido, é interessante observar como esta parece ser uma maldição rogada na família Weston, já que Roberts também mantém com sua filha adolescente (Abigail Breslin, crescida) uma relação tão disfuncional quanto.

O roteiro de Wells oferece bastante destaque aos coadjuvantes, tecendo diversas subtramas que se colidem da forma mais escandalosa possível. Ainda que algumas pudessem ser facilmente deixadas de fora na ilha de edição, vale a pena ver Chris Cooper em excelente forma ao reverter sua posição de alívio cômico em um dos maiores discursos dramáticos do filme ou ver Benedict Cumberbatch em um papel surpreendentemente vulnerável (ainda mais se levarmos em conta sua voz grave). Aqui e ali a projeção se estende além da conta (vale apontar a introdução desnecessariamente longa para o personagem de Cumberbatch), mas jamais perde o espectador.

Regado com altas doses de um bem-vindo humor negro, Álbum de Família é uma fascinante análise sobre os problemas que circulam uma família que não foge muito do padrão encontrado na sociedade atual. Traz excelentes atuações e uma conclusão pouco alentadora acerca de suas irremediáveis personagens, o que fornece ainda mais força à obra.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: