| A Forca | Crítica

1.0

TheGallows
You got red on you

Logo após os primeiros minutos do terror A Forca, um letreiro interrompe a sessão para informar ao espectador que o material assistido “é propriedade do departamento de polícia de Nebraska”. Minha dúvida é: alguém realmente ainda acredita nessa jogada de marketing que, mesmo ligeiramente divertidinha, já está gasta desde que A Bruxa de Blair “inaugurou” o gênero found footage? Pode atrair mais público, claro, mas definitivamente não tornará o filme melhor. A Forca que o diga.

A trama é assinada pela dupla de novatos Travis Cluff e Chris Lofing (que também são responsáveis pela direção), ambientando-se às vésperas de uma peça de teatro, preparada por uma escola de Nebraska. O projeto é polêmico, já que um aluno morreu num acidente trágico há décadas atrás enquanto encenava um papel delicado da produção, entitulada “A Forca”. Quando um grupo de amigos invade a escola à noite, se deparam com o espírito maligno do jovem morto, assombrando o teatro.

Confesso que a união do found footage com uma trama mais claustrofóbica até parecia interessante no papel (afinal, encontramos até viagens no tempo forçando a barra com o uso do estilo), mas não demora até que o espectador se encontre temeroso pela imbecilidade na qual embarcará. Nenhum dos personagens é interessante, e somos forçados a ficar boa parte do longa na companhia do aborrecente Ryan Shoos, mistura de Draco Malfoy com James Gunn que é o gênio por trás de ideias geniais e falas como “Hei cara, vamos invadir a escola a noite e destruir o cenário da peça, assim você não precisa participar e a garota vai querer ficar com você”. Hilário, mas trágico quando percebemos que este é o incidente incitante da trama… Que é levado a sério pelos protagonistas…

Quando todo o grupo está reunido na escuridão e nos cômodos vazios do colégio, a dupla de diretores até consegue criar certa tensão. Claro, qualquer um com uma câmera e uma lanterna é capaz de fazer isso, mas Cluff e Lofing – sem surpresa alguma – apostam principalmente nos jump scares baratos, sendo bem sucedidos em criarem sustos irritantes, mas raramente algo que de fato provoque pavor. Vale apontar que a dupla começa a apelar para a suspensão de descrença quando um dos personagens afirma ter “um aplicativo de visão noturna” em seu celular, nos revelando como a estética de found footage vai ficando sem ideias.

A ameaça de Charlie até interessa por seu visual curioso, mas contém uma reviravolta que é simplesmente idiota demais para ser levada a sério, pegando a simples premissa de um elemento sobrenatural e esticando para criar uma “grande saga de gerações”. Nada sutis, Cluff e Lofing ainda nos presenteam com tenebrosas exposições, ainda nos primeiros SEGUNDOS de projeção, quando vemos uma apresentação da peça original seguida de um cochicho “Charlie está muito bem na peça, mesmo levando em conta a substituição de última hora” ou “Uau, eles capricharam naquela forca”. E o que dizer do noticiário que afirma que “mesmo com a tragédia, o espírito de Charlie viverá para sempre naquele teatro”? Parei.

A Forca é um dos mais preguiçosos e risíveis exemplares do gênero found footage até hoje. Começa com uma boa premissa, mas se perde em meio a um roteiro estúpido, personagens desinteressantes e nada realmente especial. Agora fico com medo do atual estado do gênero de terror nos EUA.

Obs: Se aguentar ficar até os créditos, verá uma dedicatória a Charlie. Suspiros.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: