| Corrente do Mal | Crítica

4.0

ItFollows
A ótima Maika Monroe

É interessante observar que, nos últimos anos, o gênero do terror vêm encontrando um admirável sopro de vida no cinema independente. No ano passado, a crítica caiu de joelhos para The Babadook (que pessoalmente achei apenas bom), e o responsável por sacudir festivais este ano foi Corrente do Mal, terror psicológico que aposta fortemente nas alegorias e metáforas a fim de conseguir um terror muito decente.

A trama começa quando Jay (Maika Monroe) transa pela primeira vez com seu namorado, Hugh (Jake Weary). Após a relação, Hugh revela que algo sinistro começará a seguir Jay, a menos que ela consiga passar aquilo que lhe foi transmitido adiante, levando a garota a ter assustadoras alucinações. Junto com os amigos, ela procura uma forma de eliminar esse mal misterioso.

Evidentemente, aquilo que se segue em Corrente do Mal é uma metáfora para doenças sexualmente transmíssiveis, o que me traz à mente célebres momentos em que o gênero serviu de alegoria social: seja o consumismo no Madrugada dos Mortos original ou o McCarthismo em Os Invasores de Corpos (não por acaso, a história se passa na década de 50, ainda que diversos anacronismos se destaquem, propositalmente), o filme do estreante David Robert Mitchell acerta na comparação, sem deixá-la tão forçada. Como artista do horror e do suspense, Mitchell revela-se um prodígio: sua câmera é discreta, mas elaborada, adotando zooms lentos e pans em tomadas abertas que nos ajudam a ter uma boa noção da geografia do aconchegante subúrbio, além de serem poderosas ferramentas para tensão.

Depois de muito observamos e sentirmos a perseguição invisível de Jay, Mitchell começa a revelar a manifestação física “daquilo que segue”, e sabemos que o diretor é inteligente quando, sendo em sua maioria pessoas normais, conseguem nos apavorar sem muito esforço. A mera imagem de uma idosa toda de branco se aproximando lentamente pelos corredores de uma escola (um ambiente no qual claramente não pertence) assusta pela simplicidade, e pelo fato de o espectador não entender do que se trata. Não há muitos jump scares aqui, no lugar, temos a pavorosa trilha sonora de Mike Gioulakis, que fornece a atmosfera ideal com seus abstratos e distorcidos sons, que trazem forte influência de Ligeti.

Se há um problema com o filme, é no terceiro ato. Sem querer entregar em spoilers, mas a solução do roteiro (também de Mitchell) pareceu-me “videogamica” demais, ainda que a decisão de encená-la numa piscina faça bastante sentido, ainda mais pela rima visual em relação à primeira aparição de Jay no filme.

Corrente do Mal é uma inteligente e original entrada no atual gênero do terror. Em tempos em que o público parece apenas se interessar em sustos baratos, é bom ver uma produção autoral se arriscando com o minimalismo.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: