Arquivo para 50%

| A Culpa é das Estrelas | Crítica

Posted in Cinema, Críticas de 2014, Drama, Romance with tags , , , , , , , , , , , , , , on 4 de junho de 2014 by Lucas Nascimento

3.0

TheFaultinOurStars
Love is the drug: Ansel Egort e Shailene Woodley

Ao escrever sobre a comédia 50% em 2012, me surpreendi pela capacidade deste em oferecer uma abordagem original e bem-humorada para um tema tão delicado: o câncer. Foi inevitável para mim traçar o paralelo entre o filme dirigido por Jonathan Levine e A Culpa é das Estrelas, adaptação cinematográfica do best seller milionário de John Green, que também aposta em uma visão alternativa para a doença terminal mais letal do planeta; mas se rende ao óbvio show de lágrimas exageradas.

A trama é adaptada por Scott Neustadter e Michael H. Weber (responsáveis pelos ótimos (500) Dias com Ela e The Spectacular Now), e se concentra na jovem Hazel Grace (Shailene Woodley), diagnosticada aos 13 anos com um tumor letal em seu pulmão. Em uma das reuniões de um grupo de apoio a doenças terminais, Hazel conhece o galanteador Augustus Waters (Ansel Egort), jovem que teve uma de suas pernas amputadas para vencer o câncer, e logo inicia um arriscado romance com este.

“Gus, eu sou uma granada”, alerta Hazel Grace em determinado momento da história. É um lembrete de que, em meio às fofuras açucaradas experienciadas pelos protagonistas durante boa parte da trama, existe um perigo real em A Culpa é das Estrelas. É certamente o aspecto mais chamativo da história (tanto aqui quanto no livro de Green, que li e gostei), traduzido com habilidade pelo roteiro acertado de Neustadter e Weber: os fãs não têm o que reclamar, todos os eventos centrais são transpostos fielmente, linhas de diálogos foram praticamente duplicadas e o espírito/humor de seus personagens está no lugar.

Todas as metáforas funcionam muitíssimo bem (como o cigarro de Gus e o livro fictício lido por Hazel), sendo um bônus contar com a talentosa Shailene Woodley para dar vida a uma personagem feminina forte e determinada e também com Ansel Egort, que se mostra mais do que um mero rosto bonitinho ao fazer de seu Augustus um jovem otimista e divertido. Vale mencionar também a presença de Willem DaFoe, que consegue fazer do autor fictício Peter Van Houten uma figura complexa e multifacetada, agradando pela surpresa de sua revelação (e a designer de produção Molly Hughes é inteligente ao deixar inúmeras cartas de fãs espalhadas pelo chão da casa do autor).

É ao diretor novato Josh Boone (cujo único projeto anterior fora Ligados pelo Amor) que devo apontar os dedos. Mesmo com bom material em mãos, Boone mostra-se determinado a arrancar lágrimas do público das formas mais brutais possíveis: da mesma forma como um jump scare surge como recurso barato no terror, o uso de trilha sonora forçada (no caso, mais canções teen com gemidos angelicais) e a palhaçada que Boone e seu diretor de fotografia pouco imaginativo fazem com os desfoques das lentes nas cenas mais pesadas (o tempo todo!) são alguns fatores que transformam A Culpa é das Estrelas em uma obra mais melodramática do que o necessário – falta um pouco de sutileza, menos exagero. E entendo que a direção do filme vise se concentrar no elenco (o que justifica a razão de aspecto de 1:85:1, sem as “barrinhas” na tela), mas é visualmente tão pobre que soa mais como uma transcrição do livro do que como cinema em si – ainda que aqui e ali Boone consiga agradar com planos bonitos, como aquele em que sua câmera revela a perna amputada de Augustus em meio às de Hazel.

No fim, A Culpa é das Estrelas agrada por seu senso de humor inteligente e o elenco, mas peca quando seu diretor opta por transformar a experiência em uma orquestra sinfônica de lágrimas e fungadas de nariz, um caminho óbvio e que deixa a desejar diante de seu lado mais humorístico. Bom, mas poderia ser muito mais.

Esse é Mesmo o Oscar 2012? | VOLUME IV: Categorias Principais

Posted in Especiais, Prêmios with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 23 de fevereiro de 2012 by Lucas Nascimento

Chegamos à parte final do meu especial sobre o Oscar 2012! Aqui, analisaremos as categorias principais, passando pelos Roteiros, Diretores e, claro, os 9 filmes indicados. Vamos lá:

Qual é o parasita mais resistente? Uma ideia. Uma ideia completamente original é muito difícil de ser encontrada atualmente, mas de vez em quando, algumas muito boas aparecem em determinados roteiros. Os indicados são:

O Artista | Michel Hazanavicius

Assumindo ambos os cargos de diretor e roteirista, Michel Hazanavicius merece créditos por seu roteiro apresentar pouquíssimos diálogos. Os poucos que aparecem são em cartões – típicos dos filmes mudos – e trazem diversas ironias (George Valentin insiste em não falar diversas vezes, simbolizando tanto a situação da trama quanto o fato de O Artista ser mudo) e cenas já icônicas (como Peppy brincando com o casaco de Valentin). No entanto, acho que o roteiro do filme não merece o ouro por não ter diálogos falados.

Quotação Memorável: “Eu não vou falar! Não direi uma palavra!” – George Valentin

Margin Call – O Dia antes do Fim | J.C. Chandor

Não assisti Margin Call – O Dia Antes do Fim, mas fazer um filme sobre crise ecônomica realmente vem a calhar atualmente. Pelo que li, o roteiro de J.C. Chandor é bem adulto e maduro, sem dar explicações sobre eventos ou uma aula de economia. Enfim, preciso assistir antes de falar qualquer coisa.

Quotação Memorável: “Há três meios de se sair bem nesse negócio: seja o primeiro, seja esperto ou trapaceie.” – John Tuld

Meia-Noite em Paris | Woody Allen

Sem dúvida um dos melhores roteiristas em atividade, Woody Allen escreve o melhor roteiro dentre os indicados (incluindo os da categoria de Adaptados) com sua fantástica saga parisiense. A entrada do protagonista em um mundo do passado é sensacional e rende momentos hilários, principalmente com as memoráveis participações especiais (ressalto novamente a inspirada presença de Salvador Dalí). Mas o legal mesmo, é como Allen fala sobre como o tempo surge para reforçar uma ideia ou época, algo com que eu pude me identificar bastante.

Quotação Memorável:Eu confio em você, mas tenho ciúmes. É uma dissonância cognitiva!” – Gil

Missão Madrinha de Casamento | Annie Mumulo & Kristen Wiig

Certamente a indicação mais boba da categoria, a comédiazinha Missão Madrinha de Casamento conseguiu se infiar na lista. Com alguns diálogos inspirados, o filme tem pouco de genuinamente engraçado (a maior parte do charme do filme está nas mãos do elenco) e usa-se de muitos clichês de comédia romântica para estar em uma categoria que preza originalidade. Tem até uma piada (exagerada) com churrascaria brasileira…

Quotação Memorável: “Eu sou a vida, Annie, e eu estou mordendo a sua bunda!” – Megan

A Separação | Asghar Farhadi

A indicação do iraniano A Separação como Roteiro Original sela a vitória o longa de Asghar Farhadi na categoria de Filme Estrangeiro. Ainda não assisti ao filme (sim, tenho muitos a ver), cuja trama foca um casal que é forçado a escolher entre mudar de país para fornecer condições melhores a seus filhos ou ficar no Irã para tratar de um parante portador de Alzheimer. Quando sair em Blu-ray, não vou perder.

Quotação Memorável: “O que é errado é errado. Não importa quem disse ou onde está escrito.” – Nader

FICOU DE FORA: 50% | Will Reiser

Em uma mistura inusitada de comédia e drama, o roteirista Will Reiser coloca sua própria experiência com o câncer no papel, rendendo o divertidíssimo e de bom coração 50%. Traz diálogos bem desenvolvidos (com uma linguagem bem chula, e que abraça o politicamente incorreto todo o tempo) e situações inesperadas para um longa do gênero, como a piada de usar a situação para pegar mulher. Como Missão Madrinha de Casamento entrou e este não, é um mistério.

Quotação Memorável: “Ninguém quer transar comigo. Eu pareço o Voldemort” – Adam

APOSTA: Meia-Noite em Paris

QUEM PODE VIRAR O JOGO: O Artista

Quando uma ideia completamente original está em falta, resta recorrer à livros, peças ou fazer continuações; podendo simplesmente adaptá-la à tela grande, ou criar algo novo a partir de seu argumento. Os indicados são:

Os Descendentes | Alexander Payne, Nat Faxon & Jim Rash

Adaptado de: Livro Os Descendentes, de Kaui Hart Hemmings

Com alguns dos melhores diálogos do ano, Alexander Payne mostra novamente que é melhor roteirista do que diretor (não que esta seja falha), contando com auxílio de Nat Faxon e Jim Rash. O texto é sedutor por quebrar o clichê paradisíaco que a maioria das pessoas têm em relação ao Havaí, contando com ótimas narrações de seu protagonista e situações criativas e até bizarras – tal como a “conversa” entre Matt e sua esposa no hospital. É o favorito para levar o prêmio, e com razão (mesmo não sendo meu favorito dentre os indicados).

Quotação Memorável: “No telefone ele pode fugir, pessoalmente, ele não tem pra onde ir. Eu quero ver a cara dele” – Matt King

O Espião que Sabia Demais | Bridget O’Connor & Peter Straughan

Adaptado de: Livro O Espião que Sabia Demais de John Le Carré

Complexo e intrincado, é difícil entender a trama de O Espião que Sabia Demais em uma única visita. O roteiro de Bridget O’Connor (falecida pouco antes do início das filmagens) e Peter Straughan é assaverado na lógica e raciocínio do espectador, isentando-se de pausas para explicar o que acontece ou diálogos que sejam claros o bastante. O resultado é meio devagar, mas muito inteligente se analisado a fundo.

Quotação Memorável: “É a mais antiga das perguntas, George. Quem consegue espionar os espiões?” – Oliver Lacon

O Homem que Mudou o Jogo | Aaron Sorkin & Steven Zaillian

Adaptado de: Livro Moneyball: The Art of Winning an Unfair Game, de Michael Lewis

Com dois nomes de peso na assinatura (e ainda por cima, oscarizados), o roteiro de O Homem que Mudou o Jogo é meu favorito dentre os indicados. No complexo mundo da análise de jogadores de beisebol, Steven Zaillian e Aaron Sorkin – tomando como base o livro acima e o argumento de Stan Chervin – escrevem diálogos formidáveis cheios de passagens inspiradíssimas (especialmente nas formas em que lida com a mediocricidade do time), trabalham bem os personagens e passam um significado que vai além do esporte, lidando com questões familiares e principalmente a importância de uma boa escolha. Excelente.

Quotação Memorável:Você prefere levar um tiro na cabeça ou três no peito e sangrar até morrer?”Billy Beane

A Invenção de Hugo Cabret | John Logan

Adaptado de: Livro A Invenção de Hugo Cabret, de Brian Selznick

Usando a história de um orfão solitário como ponto de partida, John Logan tece uma trama empolgante e fantástica que traz uma mensagem linda em suas entrelinhas. Além de ser repleto de momentos de bom humor e falar muito sobre a História do Cinema (e atestar, junto com Scorsese, sua paixão de alma e coração pelo mesmo), emociona com sua metáfora onde o mundo é uma grande máquina, e que todos tem uma função nela. Inspirador.

Quotação Memorável:Se o mundo é como uma grande máquina, então eu não poderia ser uma peça extra. Eu tinha que estar aqui por um motivo. E você também” – Hugo Cabret

Tudo pelo Poder | George Clooney, Grant Heslov e Beau Willimon

Adaptado de: Peça Farragut North, de Beau Willimon

Praticamente ignorado no Oscar deste ano, o ótimo thriller político de George Clooney teve, ao menos, seu roteiro lembrado. Escrito pelo próprio Clooney, seu parceiro Grant Heslov e Beau Willimon tece uma intrigante rede de mentiras e traições, tendo como cenário uma eleição presidencial bem contemporânea. O grande atrativo, além dos belos diálogos, é como Tudo pelo Poder é acessível para qualquer um, independente do gosto político; basta ser apreciador de uma boa história.

Quotação Memorável:Você pode mentir, pode trair, pode começar uma guerra e até falir o país, mas você não pode comer as estagiárias. Eles te pegam por isso” – Stephen Meyers

FICOU DE FORA: Millennium: Os Homens que Não Amavam as Mulheres | Steven Zaillian

Adaptado de: Livro Os Homens que Não Amavam as Mulheres, de Stieg Larsson

Também de Steven Zaillian, aqui o roteirista faz um trabalho solo e dá uma aula de adaptação literária. Como leitor do livro original, é possível perceber o quanto Zaillian resumiu bem a trama e se deu a coragem de realizar mudanças favoráveis a fim de uma resolução dramática mais simplificada. Os diálogos são excelentes (o que se passa no porão de Martin Vanger é assustadoramente genial), assim como a intrincada construção estrutural da história e seus personagens. Zaillian está escrevendo o segundo filme, será que agora vai?

Quotação Memorável:É engraçado como o medo de ofender pode ser maior do que o medo da dor.” – Martin Vanger

APOSTA: Os Descendentes

QUEM PODE VIRAR O JOGO: O Homem que Mudou o Jogo

Já vimos dezenas de categorias nas quatro partes deste especial. Mas apenas uma pessoa pode ter o controle absoluto sobre ela, mudar o que quiser e comandar para atingir o resultado desejado: o diretor. Os indicados são:

Woody Allen | Meia-Noite em Paris

Woody Allen sai um pouco de sua zona de conforto, no caso a cidade de Nova York, e se aventura nas luzes da Paris contemporânea e dos anos 20. A viagem  valeu a pena, já que o amado cineasta recebe sua primeira indicação para Melhor Diretor desde Tiros na Broadway (em 1995). Criando planos bem abertos e sem cortes, a direção de Allen é charmosa e sem muitos maneirismos, respeitando principalmente seu próprio roteiro e as bela arquitetura da cidade.

Michel Hazanavicius | O Artista

É preciso coragem para dirigir um filme mudo e preto-branco hoje em dia. Mas parece que o cineasta francês Michel Hazanavicius não se viu tão preocupado, já que comanda O Artista com naturalidade, maestria e expira ar fresco e novo, mesmo tratando-se de uma das mais antigas formas de cinema que existem. Hazanavicius adota a estrutura, capricha nos enquadramentos (sua mise em scène é soberba) e homenageia de alma e coração os bons tempos de Hollywood. Já ganhou o Directors Guild Awards, então é favorito.

Terrence Malick | A Árvore da Vida

Tímido e bastante reservado, o diretor Terrence Malick é indicado ao Oscar novamente e promete também permanecer anônimo durante a cerimônia. Dono de um estilo invejável, sua técnica em A Árvore da Vida é maravilhosa; sua câmera gira, balança e se move junto aos personagens, como se a mesma fosse um personagem com vida própria. Não me agrada o resultado do longa, mas a direção de Malick é muito bonita.

Alexander Payne | Os Descendentes

Fora da direção de um filme desde Sideways – Entre umas e Outras, Alexander Payne retorna em boa forma com seu ótimo retrato de uma família havaiana em crise com Os Descendentes. É engraçado como Payne vai inserindo humor na trama através de seu visual, como na corrida na praia – onde Matt vai percebendo quem é o corredor que passa por ele – e também equilibrando o drama, tal como na já famosa cena da picina, e na direção de seu impecável elenco.

Martin Scorsese | A Invenção de Hugo Cabret

Trabalhando com a tecnologia 3D – e em um filme para toda a família – pela primeira vez, Martin Scorsese mostra que ainda é um dos melhores cineastas de nossos tempos. Suas tradicionais assinaturas estão aqui (o uso da neblina, névoa entre os personagens), mas ele usa a ferramenta tridimensional para proporcionar uma imersão impressionante, principalmente com seus travellings digitais e uma atenção especial à trama, que se move com ritmo e de forma bem humorada.

FICOU DE FORA: David Fincher | Millennium: Os Homens que Não Amavam as Mulheres

Um dos melhores diretores da atualidade, David Fincher nunca trabalhou tanto o visual quanto em Millennium: Os Homens que Não Amavam as Mulheres. Mostra-se maduro e ao mesmo tempo infinitamente criativo, ousando nos planos (como na câmera que vira de ponta-cabeça) e sempre prestando atenção nos detalhes da cena (reparem em como enquadramentos mudam durante a cena do primeiro estupro e a vingaça do mesmo), sempre indo além em seu comando narrativo.

Artistas em decadência, a origem da vida, cavalos de guerra, famílias desfuncionais, empregadas lutando contra racismo, técnicos de beisebol que anseiam em mudar o jogo, inventores de cinema, escritores nostálgicos e crianças traumáticas disputam o Oscar deste ano. Os indicados são:

O Artista

O Artista é um deleite para amantes da Sétima Arte. Não posso ser o maior especialista em cinema, mas sei que Michel Hazanavicius fez aqui uma ode muito especial aos primórdios da indústria cinematográfica, e nem mesmo um Oscar é grande o suficiente para o filme. Uma verdadeira obra-prima.” Crítica

A Árvore da Vida

“De verdade, eu não gostei de A Árvore da Vida. Acho suas imagens belíssimas, direção maravilhosa e seu elenco esplêndido, mas sua narrativa complexa e quase sem coerência não foi capaz de me prender, o que tornou a experiência cansativa. Não é um filme para todos, e certamente agradará aos fãs de Terrence Malick, mas não vejo nada de espetacular que possa justificar a indicação para Melhor Filme.Crítica

Cavalo de Guerra

“Cavalo de Guerra é um drama eficiente que, mesmo utilizando artifícios clichês e já explorados, consegue mostrar o poder de uma amizade em meio a uma guerra terrível, onde a inocência do animal – e a compaixão humana por este – surge como um tocante cessar-fogo.” Crítica

Os Descendentes

Os Descendentes é um filme maravilhoso, com um ritmo divertido e emocionante. É difícil para mim colocar em palavras o quanto gostei do filme, então digo apenas que é um longa que merece ser visto e que faz jus às suas indicações ao Oscar. Aloha! Crítica

Histórias Cruzadas

Com valores de produção bons o suficiente para recriar a época em questão, Histórias Cruzadas é um bom filme que, mesmo trazendo um tema já discutido diversas vezes, vale a vista graças a seu ótimo elenco e sua boa mistura de humor/drama. Crítica

O Homem que Mudou o Jogo

O Homem que Mudou o Jogo nos ensina muitas lições. Não apenas sobre beisebol (aqui, por exemplo, é fascinante acompanhar a desvalorização de jogadores por motivos banais), mas sobre todo o resto, já que este bate constantemente na tecla sobre as escolhas que surgem ao longo da vida e a consequência das mesmas. Comovente e bem executado, não é um home run, mas ainda assim uma ótima jogada que certamente merece suas 6 indicações ao Oscar.”
Crítica

A Invenção de Hugo Cabret

A Invenção de Hugo Cabret é mais do que apenas o primeiro 3D de Martin Scorsese. É uma história sobre encontrarmos nossa função no mundo e como os sonhos podem ser capturados pela incomparável magia do cinema. É uma carta de amor para o cinéfilo dentro de todos nós.” Crítica

Meia-Noite em Paris

“Divertidíssimo e com roteiro fabuloso, é um belíssimo atestado à Cidade da Luz e seus artistas, também apresentando um elenco equilibrado e uma bela mensagem sobre a valorização do presente e o poder que o tempo possuí sobre a arte. Algo que certamente Woody Allen compreende bem… . Crítica

Tão Forte e Tão Perto

Trazendo uma calorosa trilha sonora de Alexandre Desplat, Tão Forte e Tão Perto mostra o desespero para se receber indicações ao Oscar (Oskar, alguém?). Stephen Daldry acerta no visual e na ambientação de sua trama, mas não consegue evitar seus inúmeros clichês e situações desnecessárias, além de carecer por um protagonista mais talentoso. Um título melhor seria “Tão Dramático e Tão Apelativo”… Crítica

FICOU DE FORA: Millennium: Os Homens que Não Amavam as Mulheres

“Millennium: Os Homens que Não Amavam as Mulheres oferece tudo que a franquia literária merece, provindo um longa maduro e envolvente, catapultando a talentosa Rooney Mara ao estrelato e oferecendo, em uma rara ocasião, uma franquia blockbuster destinada ao público adulto.” Crítica

APOSTA: O Artista

QUEM PODE VIRAR O JOGO: A Invenção de Hugo Cabret

É isso aí, o especial vai ficando por aqui. Juntem-se a mim durante minha transmissão ao vivo do Oscar 2012 no Domingo (publicarei mais detalhes em breve). Até mais!

| 50% | As chances de gostar são bem maiores

Posted in Comédia, Críticas de 2012, Drama, DVD with tags , , , , , , , , , , , , , on 31 de janeiro de 2012 by Lucas Nascimento


Joseph Gordon Levitt raspa a cabeça de verdade

Não há nada engraçado sobre câncer. Tendo isso em mente, como seria possível realizar uma comédia sobre a doença terminal mais letal do planeta? Pois é exatamente o que o roteirista Will Reiser – que baseou o filme em sua própria experiência – consegue fazer com 50%, que traz uma equipe habilidosa e uma performance espetacular de Joseph Gordon-Levitt.

A trama gira em torno do bondoso Adam, que trabalha em um programa de rádio e é completamente surpreso quando descobre ser portador de um câncer terminal que lhe oferece 50% de chances de sobrevivência. Diante da imprevisibilidade da situação, ele tenta lidar com o problema com a ajuda de seus amigos e familiares.

É essa a originalidade do texto de Reiser: a forma com que a doença é tratada por seus personagens. Enquanto Adam a vê como uma catástrofe (mesmo ele insistindo para todos que continua confortável em relação ao mesmo), seu amigo Kyle (Seth Rogen, em uma d) enxerga isso como uma forma, absurda, de atrair mulheres. O câncer com nome inopronunciável move toda a trama, e Levitt explode como ator ao retratar todas as ações de Adam diante do problema – com destaque para o antológica cena do corte de cabelo, onde este o faz de verdade – e suas divertidas/dramáticas consequências (uma cena próxima do fim, com o personagem dentro de um carro revela todo o talento inquestionável do ator).

O diretor novato Jonathan Levine comanda o filme de modo a deixá-lo totalmente livre para seu talentoso elenco, mas ainda assim trabalha de forma inteligente na qualificação visual de seus personagens; como na imagem de bom moço de Adam quando este aparece, logo no início do longa, correndo pelas ruas e pára no sinal vermelho antes de atravessar, mesmo não havendo carro algum.  Destaque também para o design de produção, que traz o escritório da jovem dra. Katie (Anna Kendrick, carismática como de costume) com prateleiras repletas de livros – comprovando sua imensa dedicação à medicina – a passo que o apartamento de Adam, outrora limpo e radiante, surge assombrosamente mais escuro após a descoberta do tumor (palmas para o diretor de fotografia Terry Stacey).

Tratando a doença mais mortal do mundo de forma original e descontraída, 50% é um filme honesto e que não tem medo/vergonha de tomar os rumos que toma. Joseph Gordon Levitt impressiona, assim como a combinação incomum entre drama e comédia que torna o filme tão maravilhoso. As chances de gostar são de, no mínimo, 90%.

Indicados ao WGA 2012

Posted in Prêmios with tags , , , , , , , , , on 5 de janeiro de 2012 by Lucas Nascimento

O Writers Guild of America divulgou hoje os indicados para seus prêmios de Roteiro Original e Adaptado, nas categorias voltadas ao cinema. Confira:

ROTEIRO ORIGINAL

50%

Jovens Adultos

Missão Madrinha de Casamento

Meia-Noite em Paris

Win Win

ROTEIRO ADAPTADO

Os Descendentes

Histórias Cruzadas

O Homem que Mudou o Jogo

A Invenção de Hugo Cabret

MILLENNIUM: Os Homens que Não Amavam as Mulheres

Lembrando que Albert Nobbs, O Artista, A Dama de Ferro, Drive, O Espião que Sabia Demais, Margin Call – O Dia Antes do Fim, Sete Dias com Marilyn, Shame e outros filmes dentro da corrida do Oscar são ilegíveis na competição (porque seus autores não fazem parte da WGA).

Os vencedores serão anunciados em 19 de Fevereiro.

Preview 2012 – Antes que o Mundo Acabe

Posted in Preview with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 3 de janeiro de 2012 by Lucas Nascimento

Ano-novo, vida nova, filmes novos! 2012 chegou e preparei aqui um guia sobre os grandes lançamentos do ano, apontando motivos para vê-los ou ignorá-los. A lista consta com cerca de 70 filmes, mas LEMBREM-SE: AS DATAS DE LANÇAMENTOS SEMPRE ESTÃO SUJEITAS A ALTERAÇÕES. Você sabe, aquela velha história e, nesse caso, atualizarei o post frequentemente.

Enfim, que comece 2012 e que o mundo não acabe antes de conferirmos seus promissores lançamentos:

Cavalo de Guerra

O que é: Steven Spielberg voltando ao cinema-pipoca! Cavalo de Guerra é um épico de Primeira Guerra Mundial que mostra a amizade entre um fazendeiro e seu cavalo, e o horror da guerra quando o animal é mandado para o combate, forçando seu dono a acompanhá-lo.

Porque assistir: É Spielberg retornando ao cinema épico, e a produção do filme parece estar caprichada.

Desconfianças: Se for muito melodramático, será insuportável.

Vontade de ver: 3.5/5

Estreia: 6 de Janeiro

O Espião que Sabia Demais

O que é: Adaptação da obra de John Le Carré, traz uma história de espionagem ambientada na Guerra Fria, onde um espião aposentado (Gary Oldman) é chamado para descobrir um infiltrado no serviço de inteligência da Inglaterra.

Porque assistir: É do mesmo diretor de Deixa Ela EntrarTomas Alfredson – e traz um elenco grandioso – destacando o elogiado Gary Oldman – em uma trama sedutora (quem não adora a paranóia da Guerra Fria?).

Desconfianças: Hum. Se alguém souber de alguma, me avise.

Vontade de ver: 5/5

Estreia: 13 de Janeiro

Sherlock Holmes: O Jogo de Sombras

O que é: Continuação do sucesso de 2009 dirigido por Guy Ritchie, traz a dupla Holmes e Watson lutando para impedir um plano mortal do misterioso Professor Moriarty.

Porque assistir: O primeiro filme foi uma peça de entretenimento genuíno e descontraído, além de possuir Robert Downey Jr. em uma das melhores performances de sua carreira. O segundo filme promete ser maior, e a escolha de Moriarty como vilão é de longe mais interessante do que a do longa anterior.

Desconfianças: O roteiro deve ser melhor e as cenas de ação precisam ser mais controladas (no primeiro elas aparecem toda hora, de forma abrupta) e o mistério, melhor desenvolvido.

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 13 de Janeiro

O Abrigo

O que é: Suspense que traz Michael Shannon como um homem que é perturbado por visões apocalípticas. Temendo que estas possam de fato se concretizar, ele começa a construir um abrigo em sua casa, assustando seus amigos e familiares com o comportamento.

Porque assistir: Shannon é um puta ator, e um papel de protagonista em um longa com uma premissa chamativa é exatamente o que ele precisa.

Desconfianças: Ah sim, mais um filme sobre o fim do mundo.

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 13 de Janeiro ADIADO para 24 de Fevereiro

50%

O que é: Comédia-drama sobre um sujeito comum que descobre ter câncer e 50% de chance de sobrevivência. A trama explora sua relação com amigos, família e a forma com que lida com a situação.

Porque assistir: Fazer um filme de comédia com um tema tão delicado certamente merece uma visita, além de possuir um elenco chamativo.

Desconfianças: Repetindo: comédia e câncer não parecem ter muito a ver.

Vontade de ver: 5/5

Estreia: 18 de Janeiro (em DVD/Blu-ray)

As Aventuras de Tintim

O que é: A aguardada adaptação dos livros de Tintim, sob a direção de Steven Spielberg (olha ele de novo) e produção de Peter Jackson, utilizando captura de movimentos e filmagens em 3D estereoscópico. Este primeiro adaptará O Segredo do Licorne, onde o herói precisa desvendar o mistério acerca de um navio roubado.

Porque assistir: Quem nunca leu ou assistiu Tintim? As histórias são excelentes e a união de Spielberg e Jackson trabalhando juntos – com um ótimo elenco –  já é motivo para assistir, não importa o que seja.

Desconfianças: Eu, sinceramente, não consigo pensar em nenhuma.

Vontade de ver: 5/5

Estreia: 20 de Janeiro

Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres

O que é: Versão americana da trilogia best-seller Millennium de Stieg Larsson, dirigido por David Fincher. Traz o jornalista Mikael Blomkvist (Daniel Craig) e perturbada hacker Lisbeth Salander (Rooney Mara) investigando o misterioso desaparecimento de mais de 40 anos de uma jovem.

Porque assistir: David Fincher é um dos poucos diretores da atualidade que sabe realmente como se faz cinema e ele reuniu um grande elenco, liderado pela promissora Mara, para a adaptação de um excelente livro. O primeiro longa de uma trilogia (tomara!).

Desconfianças: Pra mim, nenhuma.

Vontade de ver: 5/5

Estreia: 27 de Janeiro

Precisamos Falar sobre o Kevin

O que é: Adaptação do livro de mesmo nome, mostra uma mãe que tenta lidar com o fato de seu filho Kevin, de 16 anos, ter sido responsável por uma chacina em sua escola.

Porque assistir: Apresenta um tema forte e que certamente merece atenção, além de prometer Tilda Swinton em um papel marcante.

Desconfianças: Mesmo sendo um tema forte, ele geralmente ganha tratamentos medianos. Espero que aqui seja diferente.

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 27 de Janeiro

J. Edgar

O que é: Drama sobre a criação do FBI e seu fundador, J. Edgar Hoover, assim como sua conturbada vida pessoal.

Porque assistir: Leonardo DiCaprio promete uma performance inesquecível na pele do personagem-título, e a fundação do FBI é um tema que pode dar um bom filme.

Desconfianças: Eu sempre fico com um pé atrás quando o assunto é biografias, e o longa não teve a recepção aguardada nos EUA.

Vontade de ver: 3.5/5

Estreia: 27 de Janeiro

Os Descendentes

O que é: Um dos favoritos ao Oscar de Melhor Filme, é um frama de humor negro traz George Clooney como um pai viúvo que tenta se aproximar de suas filhas enquanto procura o homem com quem sua mulher tinha um caso.

Porque assistir: Foi bastante elogiado pela crítica estrangeira e promete trazer Clooney em um papel diferente.

Desconfianças: Quando um filme é movido por favoritismo – como é o caso de Os Descendentes – sempre desconfio se o mesmo de fato merece.

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 27 de Janeiro

O Homem que Mudou o Jogo

O que é: Mais um filme que vai marcar presença no Oscar, acompanha o mundo do beisebol, mas precisamente o sistema “Moneyball” desenvolvido por um jovem analista (Jonah Hill) e posto na prática pelo técnico de um time falido (Brad Pitt), e como o novo esquema de jogo mudou o esporte para sempre.

Porque assistir: Promete Brad Pitt em sua melhor forma e traz dois nomes pesados na autoria do roteiro: Aaron Sorkin (A Rede Social) e Steven Zaillian (A Lista de Schindler).

Desconfianças: Muito poucas, a única revelante seria o medo do clichê dos filmes de esporte (como a mensagem de superação, etc).

Vontade de ver: 5/5

Estreia: 3 de Fevereiro ADIADO para 17 de Fevereiro

Histórias Cruzadas

O que é: Drama de época que relata a relação entre mulheres brancas e negras.

Porque assistir: Tem um bom elenco e promete chamar a atenção na temporada de prêmios.

Desconfianças: Não estou vendo tanta coisa no longa, com excessão do elenco, que me chame a atenção. Parece o típico filme “feito para o Oscar”.

Vontade de ver: 2/5

Estreia: 3 de Fevereiro

À Toda Prova

O que é: Thriller de espionagem que traz uma agente de operações especiais que, após ser traída por sua equipe, busca vingança contra os responsáveis.

Porque assistir: Quem dirige é Steven Sorderbergh, e tem um ótimo elenco (Michael Fassbender, Ewan McGregor, Antonio Banderas e a lutadora de MMA Gina Carano no papel principal).

Desconfianças: Nada demais essa premissa. Já vimos histórias assim diversas vezes e de maneiras quase que idênticas.

Vontade de ver: 3/5

Estreia: 3 de Fevereiro

A Dama de Ferro

O que é: Mais uma cinebiografia, agora sobre a vida de Margaret Thatcher, a famosa “dama de ferro” que serviu como Primeiro-Ministro da do Reino Unido durante os tempos da Segunda Guerra Mundial.

Porque assistir: Meryl Streep promete (mais uma vez/como de costume) arrebentar no papel principal, certamente lhe rendendo uma indicação ao Oscar de Melhor Atriz.

Desconfianças: A diretora do Mamma Mia! vai assumir?

Vontade de ver: 3/5

Estreia: 17 de Fevereiro

Sete dias com Marilyn

O que é: Longa que captura alguns momentos da vida de Marilyn Monroe, com destaque para as filmagens de O Príncipe Encantado e a relação com Colin Clark.

Porque assistir: Nunca foi feito um filme sobre a icônica Marilyn Monroe e Michelle Williams ficou muito parecida com ela e promete uma performance inesquecível que, quem sabe, talvez leve o Oscar.

Desconfianças: É uma grande responsabilidade assumir um projeto desses e um diretor novato no cinema pode não ser a escolha certa.

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 24 de Fevereiro ADIADO para 23 de Março

O Artista

O que é: Filme francês mudo e em preto e branco, que acompanha a queda do astro George Valentin (Jean Dujardin) quando o cinema falado entra em Hollywood, ao mesmo tempo em que sua namorada Peppy Miller (Bérénice Bejo) vai crescendo na indústria.

Porque assistir: É mudo e em preto e branco. Que audácia fazer um filme assim atualmente! Isso sem contar o favoritismo do filme no Oscar deste ano.

Desconfianças: A única desconfiança mesmo, é se o filme vai agradar ao público com sua radical execução. Eu já estou dentro.

Vontade de ver: 5/5

Estreia: 10 de Fevereiro

Star Wars – Episódio I: A Ameaça Fantasma (3D)

O que é: Relançamento em 3D do primeiro episódio da nova trilogia de Star Wars.

Porque assistir: Star Wars de volta aos cinemas! Já vale o ingresso.

Desconfianças: Além de A Ameaça Fantasma ser, de longe, o mais fraco longa da hexalogia de George Lucas, há o perigo de encontrarmos um 3D vagabundo – algo muito comum atualmente.

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 10 de Fevereiro

A Mulher de Preto

O que é: Terror que traz Daniel Radcliffe tentando sair da sombra de Harry Potter. A história segue uma das clássicas estruturas de terror, com o ator interpretando um advogado que se muda para uma casa isolada, que é assombrada pelo espírito de uma mulher.

Porque assistir: Eu gostei bastante dos trailers, que prometem cenas de terror genuíno. Mas minha grande esperança reside na roteirista Jane Goldman (de Kick-Ass e X-Men: Primeira Classe), que tem se mostrado uma especialista no ramo.

Desconfianças: Será que é possível acrescentar alguma coisa ao já esgotado gênero de casas mal assombradas?

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 10 de Fevereiro

A Invenção de Hugo Cabret

O que é: Primeiro longa 3D de Martin Scorsese – e também o primeiro destinado a todos os públicos – mostra o jovem Hugo Cabret, um garoto que mora nas ruas da Paris dos anos 30, embarcando em uma aventura para descobrir o significado de um robô deixado por seu pai, e a mensagem que ele carrega.

Porque assistir: A recepção do filme lá fora foi impressionante, e ver Scorsese lidando com uma aventura infantil (e em 3D) realmente desperta interesse.

Desconfianças: Eu só espero que não seja voltado apenas ao público infantil.

Vontade de ver: 5/5

Estreia: 17 de Fevereiro

Motoqueiro Fantasma 2 – O Espírito da Vingança

O que é: Continuação do fracasso de 2007 (e por esse motivo, o segundo filme tem uma trama que independe no primeiro), traz o herói flamejante lutando contra demônios para impedir que um menino de 10 anos torne-se o anticristo.

Porque assistir: Quem assume a direção é a dupla Mark Neveldine e Brian Taylor (de Adrenalina), e os dois prometem trazer seu estilo radical e exagerado para o personagem, prometendo um espetáculo trash.

Desconfianças: O personagem em si é muito difícil de ser lidado, e o longa já nasce como a continuação de um filme ruim.

Vontade de ver: 3.5/5

Estreia: 17 de Fevereiro

Beleza Adormecida

O que é: Drama psico-sexual que mostra uma jovem embarcando num ramo muito peculiar da prostituição: o método “Bela Adormecida”, onde a mulher dorme enquanto os clientes satisfazem seus desejos.

Porque assistir: Emily Browning.

Desconfianças: Resta saber se o longa conseguirá se sustentar apenas com essa ideia.

Vontade de ver: 3.5/5

Estreia: 17 de Fevereiro

Anônimo

O que é: Roland Emmerich propõe um “e se…” intrigante: e se William Shakeaspeare na verdade fosse uma fraude e tivesse alguém por trás de seus textos?

Porque assistir: A premissa é chamativa e todo mundo adora uma boa conspiração, e envolvendo um dos maiores escritores da História? Merece uma visita.

Desconfianças: Emmerich só faz filmes-catástrofes (O Dia depois de Amanhã, 2012, entre outros) e não acho que ele seja a melhor escolha para um drama de época.

Vontade de ver: 3.5/5

Estreia: 17 de Fevereiro

Drive

O que é: Thriller de ação vencedor do prêmio de melhor direção no Festival de Cannes que traz Ryan Gosling como um dublê de Hollywood que, à noite, age como motorista de fuga em golpes criminosos. A situação complica quando ele se envolve em uma emboscada com gângsteres perigosos.

Porque assistir: Foi elogiado quase que unanimente no mundo todo e promete uma mistura interessante entre ação e inteligência.

Desconfianças: Nenhuma até agora…

Vontade de ver: 5/5

Estreia: 24 de Fevereiro

Shame

O que é: Drama do diretor Steven McQueen que traz Michael Fassbender como um morador de Nova York viciado em sexo. Tudo muda quando sua irmã chega na cidade para morar com ele, mudando completamente sua vida.

Porque assistir: Os trailers prometem um drama adulto bem trabalhado (o tema de vício sexual é algo pouquíssimo explorado no cinema) e uma performance monstruosa de Michael Fassbender.

Desconfianças: Meu único receio em relação ao filme é se ele vai mesmo chegar no Brasil…

Vontade de ver: 5/5

Estreia: 2 de Março

Jovens Adultos

O que é: Comédia de humor negro que reúne a roteirista Diablo Cody com o diretor Jason Reitman (mesma dupla de Juno), nas desventuras de uma escritora imatura e excêntrica (Charlize Theron) que reencontra um antigo ex-namorado, agora de casamento marcado, e tenta reconquistá-lo.

Porque assistir: Reitman e Cody fizeram bonito em Juno e Charlize Theron parece estar dando vida a mais uma personagem memorável.

Desconfianças: O tema de uma mulher crescida que tem hábitos imaturos já foi muito (muito) utilizado no cinema. Será que da pra tirar coisa nova?

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 2 de Março

Hansel & Gretel: Caçadores de Bruxas

O que é: A onda de versões dark de contos de fadas continua com o épico que traz João e Maria crescidos, agora caçadores de bruxas e criaturas.

Porque assistir: A ideia é bacana, e a escalação de Jeremy Renner e Gemma Arterton como os protagonistas é inspirada, podendo render uma boa química entre os dois.

Desconfianças: Só espero que não seja um Van Helsing da vida…

Vontade de ver: 3.5/5

Estreia: 2 de Março  ADIADO PARA 11 de Janeiro de 2013.

Anjos da Noite: O Despertar

O que é: Quarto filme da franquia que traz uma guerra entre vampiros e lobisomens, dessa vez a vampira Selena descobre ter uma filha híbrida, e precisa lutar para protegê-la de um grupo de assassinos.

Porque assistir: Eu nem sou muito chegado na série, mas tem a Kate Beckinsale com roupa de couro apertada… Em 3D!

Desconfianças: Não gosto da série, então não sei apontar as desconfianças. Mas acredito que seja uma franquia que, depois do fracasso de seu antecessor, já deveria ter acabado.

Vontade de ver: 2/5

Estreia: 2 de Março

Poder sem Limites

O que é: Três amigos adolescentes descobrem ter poderes extraordinários, e passam a usá-los para seus próprios fins até que a situação foge do controle.

Porque assistir: O que chama a atenção é a narrativa, contada através da câmera de vídeo de um dos personagens (no estilo found footage).

Desconfianças: Tomara que o longa tenha uma história de verdade por trás desse marketing misterioso, e evite alguns clichês do gênero de super-heróis.

Vontade de ver: 3.5/5

Estreia: 9 de Março

O Corvo

O que é: Thriller que tenta repetir o que Guy Ritchie fez com Sherlock Holmes (ao lhe apresentar uma releitura), só que com o escritor/poeta Edgar Allan Poe no lugar. Na trama, ele se une a um detetive para caçar um serial killer que se inspira em suas próprias obras literárias.

Porque assistir: Serial Killers na Londres do século XVIII? Estou dentro.

Desconfianças: Transformar Poe em um detetive investigador é uma boa ideia, mas difícil de ser executada…

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 9 de Março (EUA)

John Carter

O que é: Aventura com toques de fantasia que mostra um veterano de guerra sendo abduzido e levado até Marte, onde precisará escapar daqueles que o mantém prisioneiro e libertar uma princesa.

Porque assistir: Quem comanda a adaptação é Andrew Stanton, responsável por Wall-E e Procurando Nemo, que – assim como seu colega Brad Bird, também da Pixar – embarca pela primeira vez em um projeto live action.

Desconfianças: A história não está me empolgando muito.

Vontade de ver: 3/5

Estreia: 9 de Março

Projeto X

O que é: Comédia no estilo narrativo do found footage (filmagem encontrada), mostra uma festa com diversos adolescentes de uma escola, e o que acontece quando ela foge do controle.

Porque assistir: A ideia de combinar uma ferramenta narrativa que antes só era adotada por longas de terror e uma trama cômica é bem original.

Desconfianças: Achei o trailer bem fraco e repleto de piadas sem graça.

Estreia: 16 de Março

Um Método Perigoso

O que é: Drama-thriller de David Cronenberg que explora a relação entre Sigmund Freud (Viggo Mortensen) e Carl Jung (Michael Fassbender), enquanto lidam com uma paciente perturbada e mudam o conceito da psicoanálise.

Porque assistir: A presença de Mortensen e Fassbender como protagonistas é de peso, e um encontro cinematográfico entre duas mentes brilhantes é algo que merece ser visto.

Desconfianças: Não tenho desconfianças específicas, mas não é um dos meus mais esperados do ano.

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 23 de  Março

Jogos Vorazes

O que é: Adaptação de uma (complexa) série literária juvenil de, traz um grupo de jovens tentando sobreviver a uma competição de jogos perigosa da qual apenas um sairá vivo.

Porque assistir: Toda essa história de jogos de sobrevivência é bem interessante, e tem a talentosa Jennifer Lawrence como protagonista.

Desconfianças: Claramente tenta ser um substituto para Harry Potter, e não sei se essa complicada trama (cheia de personagens e distritos) vai pegar tão fácil aos não-adeptos da saga.

Vontade de ver: 3/5

Estreia: 23 de Março

Wrath of the Titans

O que é: Continuação do remake de Fúria de Titãs, traz Perseu lutando contra os Titãs e diversas criaturas mitológicas a fim de resgatar Zeus do submundo de Hades e salvar o planeta.

Porque assistir: Se você acompanhou alguma entrevista relacionada ao filme, pôde ver que todos os envolvidos perceberam os erros do filme anterior e prometem fazer algo muito melhor dessa vez. Pelo trailer, pode-se perceber uma gigantesca diferença entre Wrath e Clash.

Desconfianças: Pois é, Michael Bay também falou muitas vezes que Transformers 3 seria melhor do que os anteriores…

Vontade de ver: 3.5/5

Estreia: 30 de Março

A Perseguição

O que é: Filme de sobrevivência que traz Liam Neeson como um homem que, ao sofrer um acidente de avião e cair no Alasca com sua equipe, precisa lutar para sobreviver em um ambiente hostil e uma matilha de lobos que sai a sua caça.

Porque assistir: Os trailers prometem um clima tenso e assustador ao filme.

Desconfianças: Não sei se Joe Carnahan (O Esquadrão Classe A) é a escolah certa para um longa tão atmosférico.

Vontade de ver: 3.5/5

Estreia: 30 de Março

Titanic 3D

O que é: Relançamento em 3D de Titanic, filme de James Cameron que venceu 11 Oscars e bateu recordes de bilheteria.

Porque assistir: Se você é fã do filme, com certeza vai querer revê-lo na tela grande. Quanto ao 3D, Cameron está trabalhando na conversão há um bom tempo, então não duvido de que será um resultado positivo.

Desconfianças: Nenhuma, quem viu o filme já sabe o que esperar. O arriscado mesmo é o 3D, que pode incomodar aqueles que não apreciam o formato – principalmente pela extensa duração do longa.

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 4 de Abril

American Pie: O Reencontro

O que é: Quarto filme da série American Pie (eu não considero aquelas continuações escrotas que chegaram direto em home video) que promete reunir o elenco original da trilogia (Jason Biggs, Sean William Scott, Alyson Hannigan e companhia) em uma festa de 10 anos de formatura.

Porque assistir: Por causa do elenco, o principal motivo pelo sucesso dos três primeiros filmes. E Scott é engraçado pacas!

Desconfianças: Os personagens não são mais jovens (nem virgens), e agora so roteiristas terão que pensar em um novo tema que justifique a reunião do pessoal. E tem que ser um tema engraçado.

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 20 de Abril

[REC]³: Genesis

O que é: Novo filme da franquia espanhola de zumbis-demônios, dessa vez promete mostrar a origem do vírus que se espalha nos primeiros filmes, ambientando-se em um casamento.

Porque assistir: Os dois primeiros filmes são excelentes e deve ser interessante acompanhar mais um, que agora promete combinar o found footage com filmagem tradicional.

Desconfianças: Mostrar a “origem do mal” é uma péssima ideia, porque estraga o elemento de desconhecido que o primeiro filme introduziu.

Vontade de ver: 3.5/5

Estreia: 20 de Abril (Espanha)

Os Vingadores

O que é: Ambicioso filme-evento da Marvel Studios que reúne Homem-de-Ferro, Thor, Capitão América e Hulk para enfrentar uma ameaça que pode destruir o planeta.

Porque assistir: Nunca antes tantos super-heróis foram reunidos num mesmo filme, e o resultado definitivamente merece ser conferido.

Desconfianças: Os Vingadores tem que ser um filme muito bom. Em consequência da realização do mesmo, outros três filmes sacrificaram sua história apenas para servir de “prequel” para o longa. A história e a química entre os personagens será fundamental aqui.

Vontade de ver: 5/5

Estreia: 27 de Abril

Anjos da Lei

O que é: Jonah Hill e Channing Tatum estrelam a nova versão da série de TV Anjos da Lei (21st Jump Street, que revelou Johnny Depp ao mundo), mas agora mudando o pano de fundo completamente. Aqui, eles são dois policiais que se infiltram em uma escola para investigar crimes cometidos por alunos.

Porque assistir: A química entre os dois protagonistas parece estar bem divertida, assim como o tom, que tem uma leve aura de Superbad – É Hoje!.

Desconfianças: Além do título, parece não ter nada a ver com a série.

Vontade de ver: 3/5

Estreia: 4 de Maio

Os Três Patetas

O que é: Os irmãos Farelly (Quem vai ficar com Mary?, Amor é cego) tentam reviver os inesquecíveis Três Patetas. A trama vai acompanhar desde o nascimento do trio até a vida adulta dos mesmos, sendo composto por três curtas de meia-hora cada.

Porque assistir: São realmente poucos motivos. Mas precisamos assistir antes de ter certeza de que é ruim.

Desconfianças: Achei o trailer horrível. Reviver Os Três Patetas é completamente desnecessário e o tipo do humor do filme não vai funcionar na época atual.

Vontade de ver: 1/5

Estreia: 4 de Maio

Sombras da Noite

O que é: Comédia gótica de Tim Burton, é a adaptação da série de TV Dark Shadows, que mostra a vida de uma família incomum que se surpreende quando um de seus antepassados, um vampiro sedento de sangue (Johnny Depp), acorda de sua cripta.

Porque assistir: Com todo o cinema pirando com vampiros, nada mais justo do que Tim Burton apresentar sua tomada nas criaturas e, conhecendo o estilo fantástico do diretor, o projeto pode vir a cair como uma luva.

Desconfianças: Só espero que não tenha aquele tom “novelesco” da série original.

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 11 de Maio

O Ditador

O que é: Nova comédia com Sacha Baron Cohen, dessa vez apresentando um ditador do Oriente Médio que é deposto e mandado para os EUA (como é de costume com seus personagens). Mas ao contrário de Borat e Brüno, o longa do ditador não parece seguir a linha das “pegadinhas”.

Porque assistir: Sacha Baron Cohen é um dos comediantes mais engraçados da atualidade, e seu novo personagem promete ser tão memorável quanto Borat e Brüno.

Desconfianças: A grande graça dos trabalhos anteriores de Cohen residia no fato de que muitas piadas e gags não eram ensaidas e sim postas em práticas com indivíduos despreparados – uma pegadinha. Será que O Ditador vai fazer rir do mesmo jeito?

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 18 de Maio

Homens de Preto 3

O que é: Terceiro filme da franquia dos homens que juram proteger a Terra da escória alienígena, envolve o agente J (Will Smith), voltando no tempo para salvar K (Tommy Lee Jones, rejuvenescido por Josh Brolin). Agora, a ameaça que a dupla deverá enfrentar, ainda é um segredo.

Porque assistir: É sempre prazeroso observar a divertida química entre Smith e Jones, e o filme foi rodado em 3D, um bom elemento para a série.

Desconfianças: O segundo não foi lá grande coisa e tinha uma história bem mediana. O terceiro precisa apresentar uma trama que justifique a realização do longa, e superar seu anterior.

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 25 de Maio

Branca de Neve e o Caçador

O que é: Adaptação em estilo épico-fantasia (seguindo os passos de Alice no País das Maravilhas de Tim Burton) do conto de fadas da Branca de Neve, onde o Caçador é contratado pela Rainha Má para encontrar a personagem-título e matá-la.

Porque assistir: O visual do filme parece bem trabalhado, assim como as mudanças na história – principalmente em colocar o Caçador para ir atrás da protagonista.

Desconfianças: Só quero ver como as cenas de ação épicas (mostradas brevemente no trailer) vão se encaixar aqui.

Vontade de ver: 3/5

Estreia: 1º de Junho

Prometheus

O que é: Prelúdio de Alien – O Oitavo Passageiro que traz Ridley Scott de volta à franquia. A trama, porém, ainda é mantida em segredo pelos produtores, mas tem relação com a busca de uma tripulação pela origem da vida no universo, e achado perigosíssimo que é encontrado.

Porque assistir: Só o fato de Ridley Scott estar retornando ao gênero que ele fez bonito no passado, no caso a ficção científica, ja vale o ingresso. Isso sem falar do ótimo elenco (que inclue Noomi Rapace, Charlize Theron e Michael Fassbender) que o diretor reuniu.

Desconfianças: Scott disse que o icônico alienígena que aparece nos filmes anteriores não marca presença aqui – mas isso ainda é um mero boato. Quero ver o que ele vai achar para substituí-lo.

Vontade de ver: 5/5

Estreia: 8 de Junho

Jack – O Matador de Gigantes

O que é: Bryan Singer dá vida nova à clássica história de João e o Pé de Feijão, mostrando um jovem fazendeiro que parte para uma terra de gigantes a fim de salvar uma princesa sequestrada.

Porque assistir: Singer é um bom diretor e sabe dar pulso a uma história e cenas de ação. Será interessante ver como ele trabalha com o 3-D.

Desconfianças: João e o Pé de Feijão? Sei lá, tem que mudar muita coisa na trama pra dar certo.

Vontade de ver: 3/5

Estreia: 15 de Junho

Carnage

O que é: Comédia de humor negro de Roman Polanski, adapta a peça God of Carnage de Yasmina Reza, onde dois casais discutem as ações de seus filhos quando um deles comete bullying ao outro.

Porque assistir: Eu pessoalmente adoro filmes ambientados em um único cenário (e uma discussão ácida entre dois casais parece bem interessante), além de Polanski ter Jodie Foster, Kate Winsley, John C. Reilly e Christoph “Landa” Waltz em o que parece ser um instigante exercicío de atuações.

Desconfianças: É a primeira vez que o diretor assume uma comédia. Será que vai?

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 29 de Junho

O Espetacular Homem-Aranha

O que é: Reboot em 3D da franquia Homem-Aranha, que vai voltar às origens do personagem e apresentar uma nova visão da história. Por exemplo, sai Mary Jane e entra Gwen Stacy, e o vilão da vez é o Lagarto.

Porque assistir: Pelos trailers, a nova abordagem à série parece ser mais sombria e bem mais interessante do que a anterior, trazendo também o ótimo Andrew Garfield no papel principal e a estonteante Emma Stone como a mocinha Gwen Stacy (isso mesmo, não tem Mary Jane).

Desconfianças: Os trailers prometem uma conspiração em torno do passado dos pais de Peter Parker. Isso é realmente necessário? Tomara que isso entre de forma relevante.

Vontade de ver: 5/5

Estreia: 3 de Julho

Valente

O que é: Animação ambientada no século X que traz uma jovem alienada de sua família que acaba por encontrar diversos perigos em sua terra, todos inspirados por contos dos Irmãos Grimm.

Porque assistir: É a Pixar!

Desconfianças: O épico é um terreno novo para o maior estúdio de animações da indústria. Resta saber se uma dupla de diretores novatos vai conseguir entregar uma boa história nesse cenário.

Vontade de ver: 3.5/5

Estreia: 20 de Julho

Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge

O que é: Capítulo final na trilogia de Christopher Nolan sobre o Batman, traz o herói voltando à ativa, após um intervalo de 8 anos, para deter o monstruoso terrorista Bane, que promete trazer muito caos a Gotham City.

Porque assistir: Christopher Nolan é um gênio e sua conclusão para a saga do Morcego promete ser épica.

Desconfianças: Batman: O Cavaleiro das Trevas é o melhor filme de super-heróis de todos os tempos. Vai ser difícil superá-lo.

Vontade de ver: 5/5

Estreia: 27 de Julho

Abraham Lincoln: Caçador de Vampiros

O que é: Adaptação do amalucado livro que traz o ex-presidente dos EUA Abraham Lincoln saindo à caça de vampiros que assassinaram sua esposa, e que mudarão o rumo da Guerra Civil.

Porque assistir: Lincoln caçando vampiros. Isso vai ser no mínimo divertido, e tem o dedo de Tim Burton na produção e o russo Timour Berkmambetov (O Procurado) na direção.

Desconfianças: A premissa, mesmo que inubitavelmente divertida, é absurda e deve ser lidada com cuidado – aí eu digo, que não se leve a sério demais. E que não seja mais um Van Helsing da vida (2).

Vontade de ver: 3.5/5

Estreia: 3 de Agosto

G. I. Joe 2: Retaliação

O que é: Filme que continua o mediano A Origem de Cobra, promete um tom bem mais maduro e sério, além de uma ação mais crível. Dessa vez, a equipe precisa agir por conta própria quando o governo dos EUA é dominado pela organização Cobra, e inicia uma guerra ao quebrar um acordo mundial a respeito de ogivas nucleares.

Porque assistir: De fato, a mudança de tom é clara – assistindo ao trailer, mal da pra relacionar os dois filmes – e a presença de Bruce Willis e The Rock deve dar um gás ao filme, assim como os roteiristas Paul Wernick e Rhett Reese (dupla de Zumbilândia) por trás da trama.

Desconfianças: Eu não sei o que esperar de Jon Chu, que dirigiu Justin Bieber: Never say Never.

Vontade de ver: 3.5/5

Estreia: 10 de Agosto

Os Mercenários 2

O que é: Continuação do filme do ano passado, traz Sylvester Stallone e sua equipe enfrentando uma ameaça causada pelo personagem de Bruce Willis.

Porque assistir: Stallone conseguiu mais astros da ação (Agora tem Van Damme, Chuck Norris e Schwarzenegger com participação maior!) e, acertadamente, largou a cadeira de diretor.

Desconfianças: Sei não, parece ser mais do mesmo…

Vontade de ver: 3/5

Estreia: 17 de Agosto

O Legado Bourne

O que é: Primeiro Bourne sem a presença de Matt Damon, introduzirá um novo personagem no mesmo universo de espionagem idealizado por Robert Ludlum (autor dos livros que inspiraram a franquia). A trama ainda permanece um mistério, mas aposto em mais um agente sem memória.

Porque assistir: O grande atrativo aqui é mesmo o elenco, que traz o sempre excelente Jeremy Renner como protagonista (um tal de Aaron Cross) e também Rachel Weisz e Edward Norton como coadjuvantes.

Desconfianças: É Bourne sem o Damon nem o Paul Greengrass… Será que vale a pena?

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 24 de Agosto

Argo

O que é: Novo filme estrelado e dirigido por Ben Affleck, traz a história real do resgate de 6 diplomatas no Iraque, durante a crise em 1979, no qual o governo dos EUA e Canadá organizaram as filmagens de um filme falso para salvar os reféns.

Porque assistir: A história verídica é impressionante, e um filme sobre ela seria uma boa.

Desconfianças: Affleck ainda não é um diretor muito competente (longe de ser ruim, que fique claro) e esse talvez seja um longa difícil para ele. Mas fico na torcida.

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 14 de Setembro (EUA)

Juiz Dredd

O que é: Nova adaptação dos quadrinhos do Juiz Dredd (que já teve uma versão com Sylvester Stallone nos anos 80), traz Karl Urban no papel-título em um futuro alternativo onde os juízes têm poder total sobre a execução e aplicação de leis. Nesse cenário, Dredd tem que combater uma gangue perigosa.

Porque assistir: Essa nova versão parece estar mais fiel aos quadrinhos do que o filme de Stallone.

Desconfianças: O diretor teve uma briga feia com os produtores e foi excluído do processo de montagem do filme. Sei não, cheira a fracasso.

Vontade de ver: 2/5

Estreia: 21 de Setembro

Cosmopolis

O que é: Novo filme de David Cronenberg que traz um dia na vida de um milionário em Manhattan, enquanto este tenta arranjar um corte de cabelo.

Porque assistir: Premissa ótima. Parece aquele tipo de situação na qual o roteiro pode criar várias situações inesperadas.

Desconfianças: Será que Robert Pattinson segura o filme como protagonista?

Vontade de ver: 5/5

Estreia: Ainda não definida

Cloud Atlas

O que é: Adaptação do livro de David Mitchell, marca o retorno dos irmãos Lana (antes Larry) e Andy Wachowsky – responsáveis pela trilogia Matrix – em uma ficção científica que traz diversas histórias que vão e voltam no tempo, passando do século XIX até um futuro pós-apocalíptico. Tom Tykwer (de Corra, Lola, Corra) entra como co-diretor.

Porque assistir: Os Wachowski ainda estão devendo um novo sucesso depois de Matrix, e a solução pode estar na promissora trama de Cloud Atlas, que também reúne um elenco estelar que vai de Tom Hanks até Halle Berry.

Desconfianças: Vamos torcer para que o longa não se perca em toda sua grandiosidade e complexidade.

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 26 de Outubro

Frankenweenie

O que é: Animação em stop-motion (e em preto e branco!) dirigida por Tim Burton que traz um menino que, ao perder tragicamente seu cachorro, tenta revivê-lo no melhor estilo “Frankenstein” e alcança um resultado fantástico.

Porque assistir: Tim Burton e stop-motion se reúnem em mais uma trama sinistra. Imperdível.

Desconfianças: Nenhuma. Promete ser o novo O Estranho Mundo de Jack ou o novo A Noiva-Cadáver.

Vontade de ver: 5/5

Estreia: 2 de Novembro

A Saga Crepúsculo: Amanhecer – Parte 2

O que é: Último filme da Saga Crepúsculo, que continua os eventos do longa anterior, com Bella e Edward lutando para proteger sua filha recém-nascida dos Volturi.

Porque assistir: Vamos acabar logo com isso, sim?

Desconfianças: A parte 1 já foi terrível, assim como o material no qual o filme se baseia. Só para as fãs da série.

Vontade de ver: 2/5

Estreia: 16 de Novembro

007 – Skyfall

O que é: 23º filme da franquia de 007, traz Daniel Craig reprisando o papel pela terceira vez em uma trama que envolve o passado de M e a lealdade do agente com sua chefe.

Porque assistir: Craig já disse muitas vezes que o roteiro é o melhor da série até agora, e promete um Bond ainda mais adulto e pé-no-chão do que o visto em seus longas anteriores.

Desconfianças: Sam Mendes nunca dirigiu um filme de ação, e não vejo isso como um problema letal, apenas ressaltando…

Vontade de ver: 5/5

Estreia: 23 de Novembro

Gravity

O que é: Depois de anos de desenvolvimento e planejamento, parece que finalmente vai sair a ficção científica 3D de Alfonso Cuarón. George Clooney e Sandra Bullock protagonizam como dois astronautas que, após a destruição de sua espaçonave, ficam à deriva no espaço, ligados um ao outro por um cabo. Guillermo Del Toro, produtor do longa, promete que o gênero nunca mais será o mesmo.

Porque assistir: Cuarón é um excelente diretor, e tem em mãos uma das premissas mais assombrosas dos últimos tempos. E em 3D.

Desconfianças: Nenhuma. Talvez a capacidade de atuação de Bullock, mas até ela já ganhou um Oscar…

Vontade de ver: 5/5

Estreia: 23 de Novembro

O Hobbit: Uma Jornada Inesperada

O que é: Primeira parte da adaptação de O Hobbit, livro que serve como prelúdio à trilogia de O Senhor dos Anéis. Dirigido por Peter Jackson, mostra o jovem Bilbo Bolseiro embarcando com Gandalf e uma companhia de anões em uma jornada para matar o poderoso dragão Smaug.

Porque assistir: Quem é fã da trilogia original certamente não vai perder. Eu não gosto de O Senhor dos Anéis, mas o primeiro trailer de Uma Viagem Inesperada realmente me deu vontade de ver (tudo pelo pano de fundo da história de Gollum, única coisa que me atrai na franquia).

Desconfianças: É uma adaptação difícil (todos os livros de Tolkien são) e será difícil agradar um não-fã da série.

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 14 de Dezembro

World War Z

O que é: Adaptação do livro de Max Brooks (o especialista em zumbis, autor do imperdível O Guia de Sobrevivência a Zumbis) que relata um futuro onde homens e mortos-vivos estão em guerra. Nesse cenário, um jornalista (Brad Pitt) sai relatando ataques ao redor do planeta.

Porque assistir: Se o espírito bem-humorado (e realista) do livro de Brooks for preservado, o resultado pode ser excelente.

Desconfianças: Marc Foster é o diretor. Ele é bom, mas nunca o imaginaria lidando com litros de sangue em um filme de zumbis…

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 21 de Dezembro (EUA)

Django Unchained

O que é: Faroeste “sulista” de Quentin Tarantino que segue o escravo recém-libertado Django (Jamie Foxx), que se une a um caçador de recompensas (Christoph Waltz) para resgatar sua esposa de um cruel fazendeiro (Leonardo DiCaprio).

Porque assistir: O novo filme de Tarantino. Um faroeste. Que o mundo não acabe antes de o filme ser lançado!

Desconfianças: Bem, eu desconfiava que o diretor/roteirista não pudesse transportar seu estilo marcante para a Segunda Guerra Mundial em Bastardos Inglórios – e todos vimos o resultado. Acho que ele está bem seguro no western.

Estreia: 25 de Dezembro (EUA)

Vontade de ver: 5/5

O Grande Gatsby

O que é: Nova adaptação do romance de F. Scott Fitzgerald, que traz Leonardo Dicaprio no papel de Jay Gatsby, um milionário festeiro que apresenta uma nova realidade a um escritor vivido, por Tobey Maguire, e sua prima que ganha as facetas de Carey Mulligan. Baz Luhrmann comanda o longa em 3D.

Porque assistir: DiCaprio, Maguire e Mulligan prometem um trio bem carismático, e toda versão da famosa história de Fitzgerald merece ser vista.

Desconfianças: Pra quê filmar em 3D?

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 25 de Dezembro (EUA)

Lincoln

O que é: Steven Spielberg comanda um longa sobre o ex-presidente norte-americano Abraham Lincoln (dessa vez sem vampiros ou elementos fantásticos) durante o período em que a Guerra Civil ia chegando ao fim.

Porque assistir: O elenco é de matar, com Daniel Day-Lewis assumindo o papel principal e Joseph Gordon-Levitt, Tommy Lee Jones, Sally Field, Jackie Earle Haley e mais uma coleção de astros na produção. Certamente vai render alguma atenção no Oscar 2013.

Desconfianças: Por enquanto, nenhuma.

Vontade de ver: 4/5

Estreia: Dezembro (EUA, no Brasil deve ficar pra 2013…)

Muita coisa, de fato. E ainda assim, é claro que ainda veremos inúmeros lançamentos que não estão nessa postagem (principalmente comédias, que sempre parecem surgir sem aviso) e, repetindo, muitas datas acima podem mudar. Enfim, continuem acompanhando que as críticas começam já nesta semana!

Indicados ao Globo de Ouro 2012

Posted in Prêmios with tags , , , , , , , , , , , , , , , , on 15 de dezembro de 2011 by Lucas Nascimento

Sem mais delongas, confira abaixo as indicações ao Globo de Ouro 2011 (só as categorias de cinema):
(Apostas em amarelo)

Melhor Filme de Drama

Os Descendentes

Histórias Cruzadas

A Invenção de Hugo Cabret

Tudo pelo Poder

O Homem que Mudou o Jogo

Cavalo de Guerra

Melhor Filme (Musical ou Comédia)

50%

O Artista

Missão Madrinha de Casamento

Meia-Noite em Paris

Uma Semana com Marilyn

Melhor Diretor

Woody Allen – Meia-Noite em Paris

George Clooney – Tudo pelo Poder

Michel Hazanavicius – O Artista

Alexander Payne – Os Descendentes

Martin Scorsese – A Invenção de Hugo Cabret

Melhor Ator (Drama)

George Clooney – Os Descendentes

Leonardo DiCaprio – J. Edgar

Michael Fassbender – Shame

Ryan Gosling – Tudo pelo Poder

Brad Pitt – O Homem que Mudou o Jogo

Melhor Atriz (Drama)

Glenn Close – Albert Nobbs

Viola Davis – Histórias Cruzadas

Rooney Mara – MILLENNIUM: Os Homens que não Amavam as Mulheres

Meryl Streep – A Dama de Ferro

Tilda Swinton – Precisamos falar sobre o Kevin

Melhor Ator (Comédia ou Musical)

Jean Dujardin – O Artista

Brendan Gleeson – O Guarda

Joseph Gordon Levitt – 50%

Ryan Gosling – Amor a Toda Prova

Owen Wilson – Meia-Noite em Paris

Melhor Atriz (Comédia ou Musical)

Jodie Foster – Carnage

Charlize Theron – Jovens Adultos

Kristen Wiig – Missão Madrinha de Casamento

Michelle Williams – Uma Semana com Marilyn

Kate Winslet – Carnage

Melhor Ator Coadjuvante

Kenneth Branagh – Uma Semana com Marilyn

Albert Brooks – Drive

Jonah Hill – O Homem que Mudou o Jogo

Viggo Mortensen – Um Método Perigoso

Christopher Plummer – Toda Forma de Amor

Melhor Atriz Coadjuvante

Berenice Bejo – O Artista

Jessica Chastain – Histórias Cruzadas

Janet McTeer – Albert Nobbs

Octavia Spencer – Histórias Cruzadas

Shailene WoodleyOs Descendentes

Melhor Roteiro

O Artista

Os Descendentes

O Homem que Mudou o Jogo

Meia-Noite em Paris

Tudo pelo Poder

Melhor Filme Estrangeiro

A Separação

A Pele que Habito

O Garoto com a Bicicleta

As Flores da Guerra

In the Lando of Blood and Honey

Melhor Filme de Animação

As Aventuras de Tintim

Carros 2

Gato de Botas

Operação Presente

Rango

Melhor Trilha Sonora

O ArtistaLudovic Bource

W.E. – Abel Korzeniowski

MILLENNIUM: Os Homens que não Amavam as MulheresTrent Reznor & Atticus Ross

Cavalo de GuerraJohn Williams

A Invenção de Hugo Cabret Howard Shore

Melhor Canção Original

Hello, Hello” – Gnomeu & Julieta, Elton John

“Lay you Head Down” – Albert Nobbs, Sinead O’Connor

“The Living Proof” – Histórias Cruzadas, Mary J. Blige

“The Keeper” – A Redenção, Gerard Butler

“Materpiece” – W.E., Madonna

Os vencedores serão anunciados em 15 de Janeiro.