Arquivo para anna karenina

2013: Os Melhores dos Melhores

Posted in Melhores do Ano with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 23 de dezembro de 2013 by Lucas Nascimento

melhore

Chegou aquela hora do ano novamente… Junte-se a mim enquanto escolho os melhores filmes de 2013, mas atenção aos critérios abaixo:

  • A lista contém apenas filmes lançados no Brasil COMERCIALMENTE (logo, filmes de 2011 que chegaram este ano nos cinemas ou home video marcam presença aqui) e alguns lançamentos estrangeiros ficaram de fora (como Trapaça, Inside Llewyn Davis, 12 Anos de Escravidão, entre muitos outros).
  • Se  não concordar com minha opinião (e isso certamente vai acontecer), fique à vontade para comentar e apresentar sua própria seleção, mas seja educado, porque comentários grosseiros serão reprovados.

TOP 10

10. O Mestre

4.0

master

“Pontuado nos momentos certos pela abstrata trilha sonora de Jonny Greenwood, O Mestre é uma obra poderosa que consegue expandir sua premissa a níveis universais, sobre o Homem questionando o papel de um líder ou de uma organização; e como estes podem alterar seus instintos mais básicos.”

9. Azul é a Cor Mais Quente

4.0

adele

Azul é a Cor Mais Quente é uma bela experiência que conta com incríveis performances, responsáveis por fazer deste um dos mais sinceros e humanos trabalhos sobre o tema. Um filme que deve ser lembrado não por sua polêmica, mas simplesmente por sua abordagem sincera ao que realmente importa: o amor.”

8. Blue Jasmine

4.0

jas

“Ainda que seja um trabalho imperfeito (por melhor que esteja, Louis CK soa simplesmente como um intruso na trama), Blue Jasmine me revelou uma faceta que eu até então desconhecia de Woody Allen. Sua habilidade para analisar a destruição de um indivíduo, assim como as fúteis tentativas de remediá-lo, é tão eficáz quanto a de divertir platéias e proporcionar risadas. Claro, mas isso é apenas alguém que ainda não assistiu a todos os seus filmes.”

7. Django Livre

4.0

dj

“Movendo-se com um bom ritmo até uma conclusão um tanto exagerada, Django Livre é mais um ótimo trabalho de Quentin Tarantino, e ainda que não alcance a perfeição de Bastardos Inglórios ou Pulp Fiction, comprova a facilidade do diretor em navegar com seu estilo através de diferentes gêneros. Vejamos o que ele vai aprontar a seguir…”

6. Os Suspeitos

4.5

pris

Os Suspeitos não vai mudar a história do gênero, tampouco se destacará como um marco nele, mas segue as regras com competência e extrai o melhor de sua proposta, sendo capaz de mandar o espectador para casa ainda brincando com as peças do quebra-cabeças. E convenhamos, não é esse o tipo de thriller de investigação que vale o nosso dinheiro?”

5. Segredos de Sangue

4.5

5

Segredos de Sangue é uma narrativa ousada e que se beneficia pela inteligência de sua equipe. Fica claro que é uma obra sobre amadurecimento, algo que certamente falta a seu roteirista; mas que é ao menos capaz de manter o espectador preso à poltrona.”

4. Antes da Meia-Noite

4.5

b4

Antes da Meia-Noite vem para contestar que mesmo as mais perfeitas relações amorosas se deparam com inevitáveis desgastes e divergências. Jesse e Celine já não têm mais aquela áurea de contos de fadas, e Richard Linklater os transporta para um mundo mais real e com o qual certamente muitos podem se identificar . E aí, será que em nove anos encontraremos essas figuras apaixonantes novamente?”

3. Capitão Phillips

4.5

phil

Capitão Phillips é intenso do início ao fim, você sabendo ou não o desfecho da história. Tecnicamente impecável e com atuações verossímeis a ponto de nos esquecermos de que isto são apenas imagens fictícias projetadas em tela, Paul Greengrass fez aqui um dos trabalhos mais memoráveis de 2013. Filmaço.”

2. Rush: No Limite da Emoção

4.5

2

“Temperado pela bela trilha sonora do sempre genial Hans Zimmer, Rush: No Limite da Emoção é uma excelente adição ao gênero esportivo. Envolvente como longa de ação e emocionante ao retratar os conflitos entre seus personagens, o filme agrada também por oferecer um significado interessante ao conceito de rivalidade – e a importância desta.”

1. Gravidade

5.0

numero1

“Uma das melhores experiências cinematográficas de 2013, Gravidade é uma trama muito intimista e simples narrada com alguns dos recursos mais grandiloquentes que o cinema já viu. Tenso e emocionante a ponto de dar nó na garganta, Gravidade pode ser visto como o 2001: Uma Odisseia no Espaço da nossa geração. Algo muito especial foi criado aqui.”

DIRETOR DO ANO

Alfonso Cuarón | Gravidade

cuaron

Assim como James Cameron fez em Avatar, Alfonso Cuarón desenvolveu novas tecnologias e câmeras para contar sua história em Gravidade. Mas atrevo-me a dizer que o resultado alcançado pelo diretor mexicano tenha sido ainda mais fascinante do que aquele visto em 2009: Cuarón aposta em longuíssimos planos sequência onde a câmera passeia pelo ambiente e seus personagens e garante uma imersão completa – fazendo belo uso do 3D – dentro da experiência.

Chan-wook Park | Segredos de Sangue

Ron Howard | Rush : No Limite da Emoção

Quentin Tarantino | Django Livre

James Wan | Invocação do Mal

ATOR DO ANO

Tom Hanks | Capitão Phillips

hanks

Que prazer ver Tom Hanks atuando de verdade. Depois de participações esquecíveis em projetos que nem sempre faziam jus a seu talento, o ator volta para nos surpreender com uma incrível performance no intenso Capitão Phillips. O grande mérito do ator está em sua construção meticulosa para o personagem-título e é fascinante (e até perturbador) ver essa construção sendo lentamente despedaçada ao passo em que Phillips vai ficando cada vez mais à mercê dos piratas. Que Hanks continue nos presenteando com trabalhos assim.

Joaquin Phoenix | O Mestre

Daniel Day-Lewis | Lincoln

Hugh Jackman | Os Miseráveis

Ernst Umhauer | Dentro da Casa

ATRIZ DO ANO

Cate Blanchett | Blue Jasmine

cate

Cate Blanchett é uma das melhores atrizes em atividade no cinema e encontra na problemática e autodestrutiva personagem-título de Woody Allen em Blue Jasmine a oportunidade de oferecer a melhor performance de sua carreira – e não estou usando a hipérbole à toa. Jasmine é um fascinante objeto de estudo, uma sólida reivenção do arquétipo de “mulher rica perde tudo, mulher rica aprende lições de humildade” e é graças à performance explosiva de Blanchett que o resultado funciona tão bem em tela. A atriz balanceia com perfeição sua persona socialite com distúrbios e ataques de nervos assustadoramente reais. Que venha o segundo Oscar.

Adéle Exarchopoulos | Azul é a Cor Mais Quente

Jennifer Lawrence | O Lado Bom da Vida

Sandra Bullock | Gravidade

Julie Delpy | Antes da Meia-Noite

ATOR COADJUVANTE

Leonardo DiCaprio | Django Livre

CODJ

Não é fácil escolher o melhor intérprete de Django Livre sem uma segunda exibição. Jamie Foxx em ótima forma, Christoph Waltz sensacional e um Samuel L. Jackson hilário e diferente de tudo o que já havíamos visto em sua vasta carreira. Mas em sua primeira incursão no “lado negro” dos vilões do cinema, Leonardo DiCaprio impressiona com seu cruel, poser de francófilo e nojento Calvin J. Candie. O tipo de antagonista que choca pelo brutal contraste entre seus gestos cavalheiros e suas explosões de violência – algo que DiCaprio compreende muito bem, e nos faz odiar a Academia por ignorá-lo mais uma vez.

Christoph Waltz | Django Livre

Barkhad Abdi | Capitão Phillips

Thomas Haden Church | Killer Joe – Matador de Aluguel

Jake Gyllenhaal | Os Suspeitos

Menção Honrosa: A monstruosa composição vocal de Benedict Cumberbatch para Smaug em O Hobbit: A Desolação de Smaug.

ATRIZ COADJUVANTE

Léa Seydoux | Azul é a Cor Mais Quente

lea

Depois de Azul é a Cor Mais Quente, Léa Seydoux afirmou publicamente que jamais trabalharia novamente com o diretor Abdellatif Kechiche. A experiência para a atriz pode até ter sido um inferno, mas é inegável que a mesma tenha sido responsável por lhe garantir uma performance bem trabalhda e consistente. Exibindo uma química radiante com Adèle Exarchopoulos, Seydoux é natural e espontânea, e o roteiro acerta ao exigir que sua personagem de cabelos azuis amadureça ao longo da narrativa – algo que só faz com que a atriz possa explorar mais áreas de sua caracterização.

Anne Hathaway | Os Miseráveis

Nicole Kidman | Segredos de Sangue

Vera Farmiga | Invocação do Mal

Cameron Diaz | O Conselheiro do Crime

ROTEIRO ADAPTADO

Antes da Meia-Noite | Richard Linklater, Ethan Hawke e Julie Delpy

befo

Depois de 9 anos, podemos novamente ser hipnotizados pelos maravilhosos diálogos protagonizados pelo casal Jesse e Celine. Construídos a partir de muita improvisão de Ethan Hawke e Julie Delpy, Antes da Meia-Noite segue a tradição dos filmes anteriores ao apostar em longas conversas sobre relacionamentos, a vida e uma variedade de assuntos que surgem a partir destes. Pela primeira vez, temos destaque para personagens coadjuvantes, algo que fortalece ainda mais a experiência e serve como parábola para o tema central da produção, que destrói com sutileza a ideia de “felizes para sempre”.

ROTEIRO ORIGINAL

Django Livre | Quentin Tarantino

dj-

Quentin Tarantino é imbatível quando o assunto é escrever diálogos. Em sua investida no faroeste spaghetti Django Livre, Tarantino elabora uma eficiente trama de vingança que surge bem amarrada e povoada por personagens excêntricos típicos de sua carreira única. É interessante também observar uma rara preocupação social, já que a trama aborda do início ao fim o racismo e a escravidão que dominaram os EUA no século XIX – mas sem nunca soar didático ou apelar para maniqueísmos. Tenho meus problemas com o desenrolar da história, mas quando os personagens sentam e conversam por minutos em tela, é puro espetáculo.

FOTOGRAFIA

Os Suspeitos | Roger Deakins

pris

É, eu sou tiete do Roger Deakins. Mas fazer o que, o cara é um mestre no ramo da fotografia… Sei que a cada ano a fotografia digital vem criando algumas das imagens mais belas já vistas em tela (As Aventuras de Pi ano passado, Gravidade este ano), mas o old school da área é mais do que suficiente para me satisfazer. Enfim, o que realmente agrada no trabalho de fotografia do suspense Os Suspeitos é a eficiente criação de uma atmosfera perigosa e sufocante – sempre demarcada por tons frios, chuva e um céu predominantemente nublado. Perfeito para um dia de inverno…

DESIGN DE PRODUÇÃO

O Hobbit: A Desolação de Smaug | Dan Hennah & Ra Vincent

hb

A saga de Terra Média comandada por Peter Jackson sempre impressionou com seus requintados valores de produção. O que vemos em O Hobbit: A Desolação de Smaug é um cuidado minucioso para apresentar as mais diferentes locações e conceitos visuais dentro da mesma narrativa: florestas obscuras, reinos élficos e um salão dominado por montanhas de moedas douradas. O design de produção se sobressai ao apresentar a Cidade do Lago, que compartilha de sutis semelhanças com Viena e traz acertadíssimas inspirações do período absolutista da França. Vale notar também a evidente mistura de cenários digitais com sets construídos.

MONTAGEM

Segredos de Sangue | Nicolas De Toth

mont

Em sua vinda para o cinema ianque, o sul-coreano Chan-Wook Park contou com uma narrativa intrincada e que diversas vezes utiliza de pequenos flashbacks. A montagem de Nicolas De Toth em Segredos de Sangue é um trabalho excepcional não só por manter o ritmo tenso da narrativa de India Stoker, mas por intercalar diversas cenas diferentes para aumentar o suspense em uma série de cortes rápidos; também com inteligência, repetindo cenas e frames para evidenciar o estado de espírito de sua protagonista. Sem falar nas belíssimas transições (o cabelo virando uma floresta… Uau). Pena que o filme vai passar batido na Academia…

FIGURINO

Jogos Vorazes: Em Chamas | Trish Summerville

cham

No primeiro Jogos Vorazes, as vestimentas de seus personagens já chamavam nossa atenção por sua bizarrice, e agradavam, mas Em Chamas se beneficia de ter a ótima Trish Summervile (que estreou em Hollywood com o figurino de Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres), que preserva a bizarrice; mas lhe garante uma personalidade mais diversificada. Basta observar os detalhes em cada personagem, os cada vez mais extravagantes vestidos de Elfie (e aquele enfeitado com borboletas?) e toda a mistura de cores.

EFEITOS VISUAIS

Gravidade

efvis

Nunca viajei ao espaço e, ao menos que uma revolução tecnológica exploda nos próximos 60 anos, nunca o farei. Mas as diversas equipes de efeitos visuais comandadas pelo visionário diretor Alfonso Cuarón certamente entregaram a coisa mais próxima de uma experiência fora da Terra que encontraremos numa tela de cinema durante um bom tempo. Rodado quase que todo em greenscreen, Gravidade apresenta imagens perfeitas e sempre verossímeis com a trama, armando o palco perfeito para o desenrolar desta.

MAQUIAGEM

A Morte do Demônio

maqui

Simples: como você transforma a dócil e adorável Jane Levy (aqui) num demônio sangrento,”babarrento” e sinistro? É o que a equipe de maquiagem do remake de A Morte do Demônio é capaz de fazer, e sem precisar abraçar a monstruosidade por completo – olhos amarelos, grandes olheiras e muito sangue são o bastante. Sem falar nos prostéticos especiais que substituíram diversos efeitos de computação gráfica, como aquela que retrata uma mutilação na mandíbula de uma das personagens (é isso aí, maquiagem… Veja aqui). Mão na massa (literalmente) é sempre mais divertido.

TRILHA SONORA

Rush: No Limite da Emoção | Hans Zimmer

rush

Hans Zimmer teve um excelente ano. Além de reiventar a música do Superman (tendo de se equiparar ao icônico trabalho de John Williams) com eficiência em O Homem de Aço e adentrar em território dramático com o oscarizável 12 Anos de Escravidão, o compositor alemão forneceu uma das mais energéticas trilhas sonoras de sua carreira com Rush: No Limite da Emoção. Dominada por percussões de guitarra e violoncelo graves, a música de Zimmer para a saga dos competidores de fórmula 1 funciona tanto nas excelentes cenas de corrida (trazendo sons que evocam o interior de motores e a mecânica dos veículos) quanto nas de tragédia; além de não ser uma má opção para se ouvir enquanto você pega a estrada. Ouço até hoje.

Faixa Preferida: Car Trouble

+ 10 Faixas Memoráveis do Ano

“Able-Bodied Seaman”  – Jonny Greenwood | O Mestre

“London Calling” – Michael Giacchino | Além da Escuridão – Star Trek

“Flight” – Hans Zimmer | O Homem de Aço

“Whales” – Marco Beltrami | Guerra Mundial Z

“Mind over Matter” – Marco Beltrami | Carrie, A Estranha

“She is of the Heavens” – Dario Marianelli | Anna Karenina

“Gravity” – Steven Price | Gravidade

“All Boundries are Conventions” – Tom Tykwer, | A Viagem

“The Heist” – | Em Transe

“Wire to the Head” – Daniel Pemberton | O Conselheiro do Crime

CANÇÃO DO ANO

I See Fire – Ed Sheeran | O Hobbit: A Desolação de Smaug

fire

Não foi fácil escolher a melhor canção de 2013. Tivemos a bela “Atlas” de Coldplay tocada em Jogos Vorazes: Em Chamas, a perfeitamente dark “Becomes the Color” em Segredos de Sangue e praticamente todo o álbum de O Grande Gatsby (destaque para “Over the Love” e “Young & Beautiful”), mas fui completamente fisgado pela linda canção final de O Hobbit: A Desolação de Smaug. Tocada durante os créditos finais, “I See Fire”, de Ed Sheeran, surge quase como uma catarse após o espetacular clímax envolvendo anões, batalhas, dragões e, claro, fogo. Apropriadíssima.

MELHOR SEQUÊNCIA DE CRÉDITOS (ABERTURA OU ENCERRAMENTO)

Homem de Ferro 3

iro

Não estou exagerando quando digo que a sequência de créditos finais foi meu momento preferido de Homem de Ferro 3. Composta por uma habilidosa montagem de clipes dos filmes anteriores, efeitos que remetem diretamente à estética de histórias em quadrinhos e uma música acertadamente histérica de Bryan Tyler, a sequência foi ótima para relembrar o primeiro filme de Tony Stark, me fazendo perceber o quão decepcionante fora o resultado desse novo filme.

SURPRESA DO ANO

Invocação do Mal

surpresa

Parecia só mais um filme de terror sem graça e esquecível quando vimos o primeiro trailer. E talvez realmente o tivesse sido, não fosse o requintado roteiro, o elenco carismático liderado por Vera Farmiga e Patrick Wilson e a excepcional direção do malasiano James Wan, que é eficaz ao evocar nossos principais medos em uma narrativa tensa, provocadora e capaz de deixar o espectador horas acordado antes de dormir. Um terror de classe e à moda antiga, uma belíssima surpresa.

DECEPÇÃO DO ANO

Carrie, A Estranha

carrie

A maioria das pessoas geralmente é completamente contra remakes. Eu pessoalmente não vejo problema, e fiquei extremamente empolgado quando Chloë Grace Moretz foi escalada para estrelar a nova adaptação de Carrie, A Estranha; pode olhar no post do ano passado: estava no meu top 5 de mais esperados para 2013. E o resultado foi realmente broxante e esquecível, ocasionadas por falta de novidades e a artificialidade com que tratou a consagrada história de Stephen King. Pior ainda foi ver a talentosa Moretz passando vexame com sua péssima performance, certamente o grande demérito da produção.

MENÇÃO (DES) HONROSA: O “vilão” de Ben Kingsley em Homem de Ferro 3.

USO DE 3D

O Grande Gatsby

3d

Eu gosto de 3D, mas o 3D de verdade; não aquela porcaria convertida (que raramente traz bons resultados) que os estúdios vendem para dobrar sua arrecadação. E além disso, é prazeroso quando seu diretor compreende o uso narrativo dessa elegante ferramenta, algo que certamente se aplica a Baz Luhrmann em sua adaptação para o clássico de Fitzgerald. Filmado com câmeras de 3D estereoscópico (como deve ser), Luhrmann cria lindas imagens que valorizam a sobreposição do elenco, o que só melhora graças a, ironicamente, um defeito: a artificialidade dos cenários em greenscreen exacerba o efeito de profundidade, tornando a experiência um colírio para os olhos. O melhor 3D desde Avatar, fácil.

MELHORES TRAILERS

1. O Lobo de Wall Street | Trailer 1

2. Interstellar | Teaser Trailer

3. O Hobbit: A Desolação de Smaug | Trailer Final

5 BELOS PÔSTERES

Ninfomaníaca

ninfo_p19

Segredos de Sangue

stoker_p1

Jogos Vorazes: Em Chamas

chamas_p28

Nebraska

nebraska_p1

O Grande Gatsby

gatsby_p9

OS FILMES MAIS AGUARDADOS PELO AUTOR PARA 2014

Anjos da Lei 2

12 Anos de Escravidão

Interstellar

O Lobo de Wall Street

X-Men: Dias de um Futuro Esquecido

Anúncios

| Muito Barulho por Nada | Shakespeare Indie

Posted in Cinema, Comédia, Críticas de 2013, Romance with tags , , , , , , , , , , , , , on 2 de setembro de 2013 by Lucas Nascimento

3.0

MuchAdoAboutNothing
Alexis Denisof e Amy Acker: eles sim merecem muito barulho

Na minha crítica de Anna Karenina em março deste ano, elogiei a ousadia de Joe Wright em fornecer uma abordagem radical ao clássico de Tolstói. O que o diretor fez no drama teatral com Keira Knightley não é novidade, mas também não é o tipo de adaptação que invade as salas de cinema anualmente. Em uma linha similar à do Romeu + Julieta de Baz Luhrmann, Joss Whedon traz Muito Barulho por Nada (também de William Shakespeare) para os dias atuais, mas mantendo a linguagem original da peça. O resultado? Mediano como as obras citadas anteriormente.

A trama também é adaptada por Whedon e transfere toda a ação da Sicilia do século XVII para uma espaçosa casa dos EUA contemporâneo. Nesse cenário, duas histórias se entrelaçam: a do amor do jovem Claudio (Fran Kanz) por Hero (Jillian Morgese), filha do ricaço Leonato (Clark Gregg), e a complicada relação entre os outrora amantes Benedick (Alexis Denisof) e Beatrice (Amy Acker), ambos orgulhosos demais para declarar o amor que sentem um pelo outro.

Parece simples, mas Muito Barulho por Nada é muito mais complexo do que aparenta. E é ainda mais graças à decisão de Whedon de manter o texto original, que rende resultados agridoces: por um lado é muito interessante observar figuras do século XXI (com direito à festas com ipod) se comunicando através de palavras arcaicas e quase declamando-as como uma peça de teatro, mas também pode causar um certo estranhamento àqueles não familiarizados com a obra original de Shakespeare (eu, inclusive). Ainda assim, é uma obra minimalista em execução: o diretor Joss Whedon rodou o filme todo em sua casa em um período de duas semanas (enquanto iniciava a pós-produção do megablockbuster Os Vingadores), uma decisão que – mesmo trazendo um tom quase que amador à produção – empalidece.

Se saem bem os atores, ao menos. Aposto que a peça de Shakespeare deve vir como algum tipo de exercício em escolas de atuação, então a maioria do elenco entrega performances inspiradas e vívidas, como se estivessem de fato encenando a obra em um palco. A começar pelo excelente Alexis Denisof, que constrói seu retrato de Benedick em uma acertadíssima variação de egocentrismo e carência, rendendo resultados divertidíssimos (“Vou procurar uma foto dela para admirar”) e uma química interessante com a Beatrice de Amy Acker – cuja performance segue com eficiência o mesmo padrão de dissonâncias optado por Denisof – e ver os dois entrando em conflito quando descobrem certas mentiras no ato final é espetacular.

Entrando na lista de adaptações “radicais” de obras clássicas, Muito Barulho por Nada agrada por seu ótimo elenco, mas deve cansar aqueles não acostumados com a obra de Shakespeare. Mas de qualquer forma, vale a experiência de encarar uma abordagem diferente.

Perseguindo a Luz Verde | Especial O GRANDE GATSBY

Posted in Especiais with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 3 de junho de 2013 by Lucas Nascimento

GATSB

Um dos grandes clássicos da literatura americana ganha sua mais luxuosa (e melhor?) versão para as telonas. Baz Luhrmann traz uma pegaada pop e inovadora para O Grande Gatsby, e preparei este especial para analisar a produção e o impacto geral da obra – além de outras curiosidades que geralmente encontro. Vamos lá, old sport:

GAT6

Uma brevíssima olhada sobre a importância e significado do romance O Grande Gatsby

gatsby-original-cover-art
A capa original do romance de 1925, pela Scribner’s

Escrito pelo americano Francis Scott Fitzgerald em 1925, O Grande Gatsby é considerada uma das melhores obras literárias de todos os tempos – e é vista como “um dos Grandes Romances Americanos” do Século XX. O livro ainda é leitura obrigatória em diversas escolas dos EUA e tema de análises que se extendem até hoje, sendo possido delimitar seus temas em dois tópicos principais: o sonho americano e a perseguição ao passado.

Ná época em que todos seguiam o “american way of life”, os EUA seguiam um ritmo festeiro que ficou conhecido como Era do Jazz – graças, também, à ascenção do estilo musical. O que os estudiosos em literatura apontaram, é como Fitzgerald captura o vazio na alta classe (Gatsby só dá todas as enormes festas para atrair seu amor perdido, perseguindo uma memória) e meio que “prevê” a quebra da bolsa de valores em 1929.

green
A luz verde: símbolo da ambição de Gatsby, do passado

Mas o que realmente me faz identificar com a trama (afinal, não sou estadunidense nem vivi na década de 20), é a questão do passado. Gatsby quer que quer recuperar os tempos gloriosos que passou com Daisy, é obcecado em alcançar a luz verde no fim do cais. É um desejo tão poderoso que o cega da realidade que habita.

O sentido vai além disso, então deixo aqui a mais poderosa escrita do livro para vocês tirarem suas próprias ideias:

Gatsby acreditava na luz verde, no futuro orgástico que ano a ano recua a nossa frente. Ele nos escapara então, mas isso não importava – amanhã correremos mais rápido, estenderemos mais adiante nossos braços… E numa bela manhã –

E assim prosseguimos, barcos contra a corrente, arrastados incessantemente para o passado.

gat1

Quem são os jogadores na Geração Perdida de Fitzgerald:

Jay Gatsby | Leonardo DiCaprio

jgats

Veterano da Primeira Guerra Mundial, o misterioso Jay Gatsby mudou sua vida ao abandonar seu passado de pobre para se tornar um poderoso milionário, mas com ligações suspeitas com a máfia de Nova York.  Na esperança de reencontrar seu amor perdido, ele administra uma série de festas gigantescas em sua luxuosa propriedade no West Egg da cidade, na imortal esperança de que um dia Daisy Buchanan apareça.

Daisy Buchanan | Carey Mulligan

daisyb

Daisy conheceu Jay Gatsby anos atrás, durante a guerra, e tornaram-se amantes até o momento em que este foi forçado a abandoná-la. Anos depois, ela está casada com o ricaço Tom Buchanan e mãe de duas filhas na propriedade de East Egg. Não demora para que ela reinicie seu romance com Gatsby quando os dois se reencontram, mas a moça encontra-se pressionada por seus dois amantes.

Nick Carraway | Tobey Maguire

nickc

Aspirante a escritor, Nick Carraway viaja para Nova York a fim de encontrar conexões de negócios. Se instalando no West Egg, ele aluga uma casa vizinha à mansão de Jay Gatsby e logo torna-se amigo do milionário, já que possui algo de seu interesse: é primo de Daisy Buchanan, e também servirá de ligação entre os dois. Carraway é o narrador da história e, no filme de Baz Luhrmann, escreve os eventos em um sanatório.

Tom Buchanan | Joel Edgerton

tomb

Colega de Nick Carraway e ex-jogador de futebol americano na faculdade, Tom é um sujeito de temperamento explosivo. Casado com Daisy e protetivo em relação a ela, esconde uma relação extra-conjugal com a esposa de seu colega mecânico, Myrtle. Com a entrada do misterioso Jay Gatsby em seu mundo, ele inicia uma investigação para encontrar os podres do sujeito.

Myrtle Wilson | Isla Fisher

myrtle

Presa em um casamento infeliz com o mecânico George Wilson, Myrtle encontra pequenos momentos de felicidade ao encontrar seu amante Tom na cidade. Mantendo um apartamento escondido com este, ela espera embarcar em uma vida de maior glamour.

George Wilson | Jason Clarke

wilson

Um dos menores personagens da trama, é um mecânico proprietário de uma pequena oficina na cidade. Tem um casamento infeliz com sua esposa Myrtle, e nem desconfia do adultério. Fiquem de olho, ele será muito importante na resolução da história.

GAT2

Uma breve análise sobre a trilha sonora pop do filme:

THE GREAT GATSBY
Tobey Maguire e Elizabeth Debicki curtem a balada do Gatsby

Em maio do ano passado, surgia o primeiro trailer de O Grande Gatsby. Além das belas imagens concebidas pelo diretor Baz Luhrmann, chamou muito à atenção a opção musical para embalar a prévia: uma canção pop de Jay-Z e Kanye West (No Church in the Wild) e outra rock de Jack White (em um cover de “Love is Blindness, do U2). Esse era apenas o passo inicial para a gigante coletânea que Luhrmann preparara para seu filme, uma das mais aguardadas dos últimos anos.

A história de Fitzgerald é ambientada na Nova York dos anos 20, embalada pela famosa “Era do Jazz”. Então, o que Florence + the Machine, Lana Del Rey, Beyoncé e tantos outros estão fazendo aí? A intenção de Baz Luhrmann ao trazer músicas modernas para um longa de época era justamente emular o efeito que o jazz causava nas pessoas, 90 anos atrás (porque, infelizmente, o jazz já não é mais tão popular atualmente).

Atrás do espírito festeiro, Luhrmann aliou-se ao músico Shawn “Jay-Z” Carter para recrutar os grandes talentos musicais da atualidade. Carter serve como produtor executivo do longa e ajudou no processo de gravação do álbum, que traz canções originais, covers e – o mais interessante – mixagens ao estilo jazz de músicas modernas (vide  “Crazy in Love, que recebe saxofones e baterias em sua nova composição). Além do lado mais pop, Craig Armstrong entra para fornecer uma trilha sonora instrumental.

Confira a tracklist do álbum:

100$ Bill – Jay-Z

Quando toca: Gatsby apresenta Nick ao mafioso Meyer Wolfshiem

Back to Black – Beyoncé X André 3000 (Cover de Amy Winehouse)

Quando toca: O Flashback que revela a riqueza de Gatsby

Young and Beautiful – Lana Del Rey

Quando toca: Diversas vezes, a melhor delas, quando Gatsby apresenta sua mansão

Love is Blindness – Jack White

Quando toca: SPOILER, selecione para ler -> Atropelamento de Myrtle

Crazy in Love – Emeli Sandé & The Bryan Ferry Orchestra (Cover de Beyoncé Knowles)

Quando toca: Gatsby enche a casa de Nick com flores

Bang Bang – will.i.am

Quando toca: Primeira música na festa de Gatsby

A Little Party Never Killed Nobody – Fergie, Q-Tip & GoonRock

Quando toca: Segunda música na festa de Gatsby

Love is the Drug – The Bryan Ferry Orchestra

Quando toca: Brevemente, quando um dos personagens liga o rádio

Heart’s a Mess – Gotye

Quando toca: Segunda música nos créditos finais

Where the Wind Blows – Coco O.

Quando toca: Rapidamente, quando Tom encontra Nick e Gatsby em um restaurante

No Church in the Wild – Jay Z & Kanye West

Quando toca: Apresentação dos anos 20

Over the Love – Florence + The Machine

Quando toca: No pós-festa de Gatsby

Together – The XX

Quando toca: Diversas vezes, geralmente quando há menção à luz verde. E nos créditos finais.

Into the Past – Nero

Quando toca: SPOILER, selecione para ler -> Morte do Gatsby

Kill and Run – Sia

Quando toca: Última música durante os créditos finais

gat3

Por que Baz Luhrmann resolveu gravar o filme em 3D?

THE GREAT GATSBY
Os hipster pira: óculos 3D um pouco mais saudosistas

Quando foi anunciada uma nova adaptação para o romance O Grande Gatsby, de F. Scott Fitzgerald, muitos foram intrigados com a presença da tecnologia 3D na realização do projeto. O filme dirigido por Baz Luhrmann é o primeiro da nova leva de estereoscopia que não é utilizada em uma produção fantasiosa ou que apresente explosões e super-heróis.

Logo fica a questão sobre como o 3D, um artifício cujo propósito é diretamente ligado ao espetáculo, se encaixaria num longa ambientado nos anos 20. Bem, não é a primeira vez que o cineasta australiano promove adaptações radicais para obras clássicas (basta lembrar-se de seu ultra pop Romeu + Julieta), e aqui ele pretende fazer uso dos óculos tridimensionais para servir à narrativa. Inspirado pelo trabalho de Alfred Hitchcock em Disque M para Matar, Luhrmann afirmou que o 3D o ajudará na questão do distanciamento humano que a trama tanto prega.

Entrevistado na Cinemacon deste ano, onde exibira as primeiras imagens em 3D do filme, o diretor apostou nas atuações do filme como seu “grande efeito especial”. Ainda na comparação com o filme de Alfred Hitchcock, ele ressaltou a beleza que era apenas observar seu elenco atuando sob os efeitos tridimensionais, fornecidos pelas novas câmeras Red Epic 3Ality 3D rigs.

A presença do 3D em O Grande Gatsby nos faz lembrar o que James Cameron dissera em 2009, quando afirmou que “até mesmo dramas como Juno ficariam melhores no formato”.

GAT5

Conheça as versões que a obra de Fitzgerald já ganhou para o cinema:

1926

26gatsb

Primeira adaptação da obra para o cinema – em plena década de 20, que timing – e também a mais fiel, de acordo com quem assistiu. Infelizmente nós do século XXI só podemos imaginar, já que o rolo de filme do longa encontra-se perdido. A única evidência de imagens é o breve trailer abaixo:

Até o Céu tem Limites (1949)

49gatsby

Como o filme de 1926 está perdido, pode-se dizer que esta é a versão mais antiga de O Grande Gatsby. Não assisti ao filme, mas ele traz Alan Ladd, Betty Field e Macdonald Carey como o trio protagonista de Gatsby, Daisy e Nick. Curiosamente, o longa de Elliot Nugent chegou ao Brasil com o título Até o Céu tem Limites.

1974

74gatsby

Certamente a mais popular de todas, o filme de Jack Clayton, com roteiro de Francis Ford Coppola, traz Robert Redford como Gatsby e Mia Farrow como sua amada Daisy. É uma adaptação fiel e que supera a versão de Baz Luhrmann no quesito roteiro, simplesmente por conseguir oferecer maior profundidade aos personagens secundários (como Myrtle e George Wilson). Mas só ganha nessa categoria, pois o filme – apesar da bela produção – desenrola-se com uma lentidão imprópria para algo situado na Era do Jazz.

2000

00gatsby

Feita como telefilme para a rede A&E, esta versão traz Paul Rudd (quando seu rosto não estava associado apenas às comédias de Judd Apatow) na pele do escritor Nick Carraway e Toby Stephens (que seria o vilão de 007 – Um Novo Dia para Morrer) como o milionário protagonista. É uma boa adaptação, ainda que Stephens não tenha nada do protagonista, portando um sorriso um tanto que maníaco – não é à toa que acabou enfrentando James Bond posteriormente.

G – Triângulo Amoroso (2002)

02g

Única versão que troca a década de 20 por um período atual, o filme de Christopher Scott Cherot não é uma adaptação assumida da obra de Fitzgerald, mas traz claros elementos desta. A história preserva o personagem rico que almeja reconquistar um amor perdido, só que agora toma lugar na Hamptons dos anos 2000 – e conta com quase todo o elenco negro. G – Triângulo Amoroso foi pouquíssimo divulgado, o que torna tão difícil de encontrá-lo.

GAT4

Com Baz Luhrmann fornecendo uma áurea pop ao Grande Gatsby, relembremos aqui outros casos de adaptações radicais:

Anna Karenina (2012)

ak

Clássico da literatura russa de Leo Tolstói, Anna Karenina ousou em sua sexta adaptação ao trazer fortíssimos elementos teatrais para sua narrativa. Na versão de Joe Wright para a trama de adultério nas altas classes, a história se desenrola toda dentro de um palco de teatro, rendendo diversos momentos memoráveis ao fazer uso de cortinas, cenários de pano e outros esquipamentos do teatro. Pena que essa ousadia não foi o bastante para salvar o filme.

De Olhos Bem Fechados (1999)

eyes

Stanley Kubrick sempre foi conhecido por suas adaptações que diferem radicalmente da obra original. Talvez o exemplo mais forte dessa característica esteja em seu longa final, De Olhos Bem Fechados, que parte de um romance alemão ambientado na Viena da virada do Século XX. Kubrick atualizou a história em um século, mas manteu a questão sobre adultério – e o baile mascarado – em seu núcleo.

Romeu + Julieta (1996)

romeo-juliet

Também de Baz Luhrmann, é a mais popular versão para o clássico de William Shakespeare. A abordagem aqui inclui uma atualização da história para a década de 90-  inserindo gangues, intrigas corporativas e armas de fogo na trama – mas mantendo a linguagem original da peça. A trilha sonora também adquire esse teor pop de O Grande Gatsby, mas é um caso de “ame ou odeie”. E eu odeio.

Menção Honrosa: Maria Antonieta (2006)

marie

Trata-se de um roteiro original, e não de um adaptação literária, mas impossível não deixar de fora o filme de Sofia Coppola sobre a rainha Maria Antonieta. Aqui, é mantida a linguagem da época e todos os figurinos, mas Coppola oferece um tratamento pop (novamente) à trilha sonora – que inclui canções do tipo “I Want Candy” e The Cure – e no tratamento adolescente à protagonista; deixando até um par de all stars como easter eggs.

O especial de O Grande Gatsby vai ficando por aqui, mas não deixe de conferir a crítica do filme aqui no blog amanhã. Espero que tenham curtido, até mais, Old Sports!

| Anna Karenina | Um admirável feito teatral. Isso mesmo, teatral.

Posted in Cinema, Críticas de 2013, Drama, Indicados ao Oscar, Romance with tags , , , , , , , , , , on 17 de março de 2013 by Lucas Nascimento

3.0

AnnaKarenina
Keira Knightley mais uma vez comprova que nasceu na época errada

Um clássico literário sempre apresenta dificuldades em ser adaptado para o cinema. A ambição de alcançar um resultado favorável (ou alguns dólares a mais) muitas vezes leva a múltiplas versões da mesma história, como foi o caso da tragédia de Anna Karenina. Mas ao contrário das outras adaptações que a obra de Leo Tolstói já recebeu (e foram muitas), o diretor Joe Wright resolve quebrar o convencional e proporcionar uma criativa abordagem; mas infelizmente a estética se sobressai à narrativa.

Adaptado por Tom Stoppard, o texto nos leva à Rússia Imperial do século XVII, onde conhecemos diversos personagens envolvidos em diferentes situações da alta classe da sociedade. No núcleo delas, está Anna Karenina (Keira Knightley), esposa do influente e poderoso Alexei Karenin (Jude Law, quase irreconhecível), que acaba por arriscar toda a sua posição social e dignidade ao se envolver amorosamente com o sedutor conde Vronksy (Aaron-Taylor Johnson, o Kick-Ass).

Não li o livro de Tolstói (que é considerado um dos melhores trabalhos de literatura de todos os tempos), mas confesso que não fui cativado totalmente por sua história. O excesso de narrativas e personagens é capaz de confundir o espectador (notem que há dois personagens importantíssimos que compartilham do mesmo nome) e estende a duração além do necessário. Por exemplo, não acho interessante acompanhar a trama secundária sobre o Levin de Domnhall Gleeson (um dos irmãos Weasley, de Harry Potter), que mesmo servindo como uma antítese da queda da protagonista, empalidece diante de elementos superiores.

Estes não narrativos, já que o roteiro de Stoppard é falho em nos criar envolvimento com as personagens, enchendo o longa de diálogos expositivos (frases do tipo “Mas que homem bom!” ou “Seu marido é um santo!” servem apenas para martelar características que já haviam sido estabelecidas anteriormente), mas sim na técnica que Joe Wright propôs. Levando a ideia de que as relações na alta classe “não passam de encenação”, o diretor apresenta as ações de Anna Karenina desenrolando-se em um palco de teatro: começamos até com uma cortina e muitos dos cenários vão alternando-se manualmente, necessitando até de “ajudantes” para montá-los em diferentes transições de cena. O momento em que dois personagens saem de um escritório para ir jantar é particularmente inspirado, merecendo aplausos por sua eficaz velocidade e as trocas de vestimentas realizadas pelos figurantes (que de operários, transformam-se em garçons) e reconhecimento ao impecável design de produção de Sarah Greenwood.

E Wright não se limita apenas a artifícios teatrais, oferecendo também diversas mise-em-scènes que contribuem de forma eficiente (e com muita exuberância) à história. Um baile onde todos os convidados encontram-se repentinamente congelados no tempo a fim de destacar a dança de Anna e Vrosnky (e o impacto que esta ação causa) e os pedaços de um bilhete rasgado que vão se transformando em uma nevasca são algumas de minhas preferidas. Há também recorrentes indícios que ajudam a antecipar o desfecho da trama, que terá uma locomotiva como peça fundamental, manifestando-se de forma brilhante através de cortes rápidos e os inspirados acordes de Dario Marianelli.

Com um elenco competente e bem entrosado (com Keira Knightley mostrando novamente que só deveria fazer filmes de época), Anna Karenina é um estimulante exercício técnico, mas falho ao apresentar e desenvolver sua história. Mas que fique aí a admirável intenção do diretor Joe Wright: abordagens radicais para obras clássicas.

Oscar 2013: Transmissão ao Vivo

Posted in Prêmios, Transmissão ao Vivo with tags , , , , , , , , , , , on 24 de fevereiro de 2013 by Lucas Nascimento

gmund action paper präsentation münchen brand convention matthias haslauer

Boa noite! Bem-vindos à minha transmissão em tempo real do Oscar 2013. Acompanhe meus comentários enquanto vou atualizando a página e faça suas apostas!

21:50h – Faltam 40 minutos para o início da cerimônia.

22:15h – 15 minutos para a cerimônia.

22:30 – E a cerimônia tem início com o apresentador Seth McFarlane!

22:31h – McFarlane já começa bem com as piadas. “A história de Argo é tão ultrassecreta que seu diretor é desconhecido pela Academia”.

22:36h – As piadas funcionam, bom ritmo. Olha só, participação do William Shatner! O Kirk original de Star Trek.

22:37h – “We saw your boobs!”

22:39h – Agora, Channing Tatum e Charlize Theron ajudam McFarlane em um número musical.

22:42h – Versão fantoches de meia de O Voo. Divertidinho.

22:43h – Daniel Radcliffe e Joseph Gordon Levitt entram para mais números musicais.

22:45h – “Ah, Sally, você sabe que a Anne Hathaway vai vencer”.

22:46h – Esse lance do Shatner alertando sobre o futuro, e o fracasso da cerimônia, está funcionando muito bem.

22:47h – Octavia Spencer no palco para apresentar MELHOR ATOR COADJUVANTE. Promete surpresas!

22:48h – Adoro todos os indicados, mas torço por Christoph Waltz.

22:50h – Christoph Waltz vence Ator Coadjuvante por Django Livre!!!!!

22:52h – E vamos ao primeiro intervalo!

22:55h – E voltamos, com Paul Rudd e Melissa McCarthy.

22:56h – Não vejo muita graça na McCarthy, sinceramente…

22:57h – E eles irão apresentar melhor curta de animação. O vencedor é Paperman, linda animação!

22:59h – Na sequência, Valente leva Melhor Filme de Animação. A Pixar Rises AGAIN.

23:00h – Reese Whiterspoon vai ao palco apresentar um resumo de Os Miseráveis, Indomável Sonhadora e As Aventuras de Pi.

23:04h – O elenco de Os Vingadores sobe ao palco. Só faltou o Thor e o Loki.

23:06h – Vão apresentar Melhor Fotografia. Aposto em Pi, mas votaria em Skyfall.

23:07h – E é isso, Claudio Miranda vence Melhor Fotografia por As Aventuras de Pi.

23:08h – Continuando, eles apresentarão Efeitos Visuais. Richard Parker, sua hora de brilhar!

23:09h – Nenhuma surpresa, As Aventuras de Pi leva melhor efeitos visuais.

23:12h – Que mancada, cortaram o microfone do cara… Intervalos!

23:16h – Voltamos para Jennifer Aniston e Channing Tatum para apresentar Melhor Figurino. Anna Karenina certamente vai levar.

23:17h – Anna Karenina leva melhor figurino.

23:19h – E na sequência, Os Miseráveis leva Melhor Maquiagem.

23:21h – Halle Berry no palco para a homenagem aos 50 anos de James Bond. Veremos se todo o elenco estará lá…

23:24h: Depois dessa bela retrospectiva sobre as MÚSICAS de 007, vai ser ultrajante se Skyfall perder Melhor Canção.

23:25h – Shirley Bassey cantando “Goldfinger”!

23:27h – Intervalos. Ué, achei que os Bonds iam se reunir no palco…

23:32h – Voltamos com Jamie Foxx e Kerry Washington para apresentar Melhor Curta-Metragem.

23:33h – Curfew é o vencedor de Melhor Curta-Metragem.

23:35h – E agora Melhor Documentário em Curta-Metragem fica com Inocente.

23:37h – Liam Neeson no palco para apresentar Argo, A Hora Mais Escura e Lincoln.

23:38h – Nada como apresentar Argo ao som de Led Zeppelin. NICE!

23:41h – “O único homem que entrou na cabeça de Lincoln foi John Wilkes Booth”.

23:43h – Ben Affleck sobe para apresentar Melhor Documentário. Sugar Man, certo?

23:45h – Isso aí, Searching for Sugar Man vence Melhor Documentário.

23:46h – Mais um intervalo.

23:49h – Voltamos com Jennifer Garner e Jessica Chastain para apresentar Melhor Filme Estrangeiro. Amor, of course.

23:50h – That’s it, Amor leva Melhor Filme Estrangeiro. Michael Haneke vai ao palco.

23:52h – Lá vem o John Travolta.

23:54h – Hora de uma homenagem a filmes musicais. “Oba”…

23:58h – Todo mundo sabe que não sou fã de musicais, certo? Bem, that’s it.

00:01h – Hugh Jackman vai cantar BEM a canção indicada de Os Miseráveis.

00:05h – Bacana o elenco de Os Miseráveis. Intervalos!

00:08h – Já voltamos, com Chris Pine e Zoe Saldana apresentando uma homenagem a efeitos visuais.

00:11h – Mark Whalberg e o ursinho Ted apresentam as categorias de som.

00:12h – Os Miseráveis leva Melhor Mixagem de Som.

00:14h – Empate em Edição de Som???

00:16h – Uau, um empate. A Hora Mais Escura e 007 – Operação Skyfall levam Melhor Edição de Som.

00:19h – E entra Christopher Plummer para apresentar Melhor Atriz Coadjuvante. Anne Hathaway, duh…

00:22h – Anne Hathaway vence Melhor Atriz Coadjuvante por Os Miseráveis.

00:25h – Intervalo!

00:29h – E voltamos com uma mensagem do presidente da Academia.

00:31h – Sandra Bullock sobe ao palco para apresentar Melhor Montagem.

00:32h – William Goldenberg vence por Argo. Começa a rapa do filme do Ben Affleck!

00:34h – Adele canta “Skyfall” ao vivo!

00:37h – Ok, entrega logo a estatueta pra ela vai!

00:39h – E mais um intervalo.

00:43h – Voltamos com Nicole Kidman apresentando Amor, Django Livre e O Lado Bom da Vida.

00:46h – Cara, ficou GENIAL a montagem do Django Livre com a narração do Schultz!

00:47h – Harry Potter e Bella Swan no palco para apresentar Melhor Direção de Arte.

00:48h – Lincoln vence Melhor Direção de Arte. Merecido, mas os outros indicados eram BEM melhores…

00:50h – Salma Hyek vem falar do Governor’s Awards, porque é inevitável…

00:53h – Mais intervalos.

00:54h – Só lembrando, faltam ser anunciadas as categorias de Trilha Sonora, Canção Original, as 2 de Roteiro, Ator, Atriz, Diretor e Filme.

00:57h – Voltamos com o barbudo do George Clooney para apresentar o In Memoriam.

01:01h – Cher!

01:04h – Mais intervalos…

01:08h – Voltamos com o elenco de Chicago no palco para entregar os prêmios de Trilha Sonora e Canção Original. Olha, se Skyfall levar os dois será perfeito. Mas tem o 3,14.

01:09h – Mychael Danna vence Melhor Trilha Sonora com As Aventuras de 3,14!

01:14h – Calma que antes de a Adele vencer, a Norah Jones vai cantar a canção do Ted.

01:16h – “Skyfall” ganha Melhor Canção Original. YES!

01:18h – Mais intervalos. Só faltam as categorias principais.

01:22h – Dustin Hoffman e Charlize Theron sobem para apresentar as categorias de Roteiro.

01:23h – Argo vence Melhor Roteiro Adaptado. Nice!

01:25h – Agora o Tarantino DEVE ganhar Roteiro Original.

01:26h – E o melhor roteirista da atualidade ganha Roteiro Original por Django Livre!

01:28h – E mais intervalos. Diretor é a próxima!

01:32h Voltamos com Jane Fonda e Michael Douglas para apresentar Melhor Diretor. Se Ben Affleck não está indicado, quem será?

01:34h – Ang Lee vence por As Aventuras de Pi. Tá, não esperava por essa.

01:37h – Ang Lee é o primeiro diretor a vencer com um filme 3D né? Nice. Mais intervalos.

01:40h – Sobe ao palco Jean Dujardin para apresentar Melhor Atriz. Emmanuelle Riva?

01:43h – Jennifer Lawrence vence por O Lado Bom da Vida. MERECIDÍSSIMO!

01:45h – Meryl Streep apresentando Melhor Ator. DDL, claro.

01:48h – Daniel Day-Lewis vence Melhor Ator por Lincoln.

01:49h – E com isso, Lewis torna-se o primeiro ator a ter Oscars na categoria de Melhor Ator.

01:50h – Demais o Lewis falando que ia interpretar a Margaret Thatcher e que Lincoln deveria ter sido um musical. Gênio.

01:51h – Jack Nicholson (!) para apresentar Melhor Filme.

01:53h – Michelle Obama??? Inesperado.

01:55h – E o Melhor Filme é Argo!

01:56h – Ah, Lincoln: argofuckyourself.

02:00h – E o Ben Affleck agradece a todo mundo!

02:01h – Os prêmios já acabaram, mas parece que haverá um show de encerramento.

02:03h – É, uma musiquinha para os “perdedores”. Boa noite pessoal, agradeço pela presença!

VENCEDORES

MELHOR FILME

Argo

MELHOR DIRETOR

Ang Lee – As Aventuras de Pi

MELHOR ATOR

Daniel Day-Lewis – Lincoln

MELHOR ATRIZ

Jennifer Lawrence – O Lado Bom da Vida

MELHOR ATOR COADJUVANTE

Christoph Waltz – Django Livre

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

Anne Hathaway – Os Miseráveis

MELHOR ROTEIRO ORIGINAL

Django Livre

MELHOR ROTEIRO ADAPTADO

Argo

MELHOR FILME ESTRANGEIRO

Amor

MELHOR FILME DE ANIMAÇÃO

Valente

MELHOR DIREÇÃO DE ARTE

Lincoln

MELHOR FOTOGRAFIA

As Aventuras de Pi

MELHOR FIGURINO

Anna Karenina

MELHOR MONTAGEM

Argo

MELHOR MAQUIAGEM

Os Miseráveis

MELHORES EFEITOS VISUAIS

As Aventuras de Pi

MELHOR EDIÇÃO DE SOM

007 – Operação Skyfall e A Hora Mais Escura

MELHOR MIXAGEM DE SOM

Os Miseráveis

MELHOR TRILHA SONORA

As Aventuras de Pi

MELHOR CANÇÃO ORIGINAL

“Skyfall” – 007 – Operação Skyfall

MELHOR DOCUMENTÁRIO

Searching for Sugar Man

MELHOR DOCUMENTÁRIO CURTA-METRAGEM

Inocente

MELHOR CURTA-METRAGEM

Curfew

MELHOR CURTA-METRAGEM DE ANIMAÇÃO

Avião de Papel

Os vencedores do COSTUME DESIGNERS GUILD AWARDS 2013

Posted in Prêmios with tags , , , , , , , , on 20 de fevereiro de 2013 by Lucas Nascimento

ak

Último sindicato a divulgar seus vencedores antes do Oscar, o Costume Designers Guild premiou seus figurinos de cinema preferidos. Confira:

MELHOR FIGURINO – FILME DE ÉPOCA

Anna KareninaJacqueline Durran

MELHOR FIGURINO – FILME DE FANTASIA

Espelho, Espelho Meu – Eiko Ishioka

MELHOR FIGURINO – FILME CONTEMPORÂNEO

007 – Operação Skyfall Jany Temime

No Oscar certamente deve dar Anna Karenina. E falando nele, confira o especial sobre categorias técnicas aqui.

O Incógnito Oscar 2013 | Volume III: Sons & Música

Posted in Prêmios with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 20 de fevereiro de 2013 by Lucas Nascimento

oscar3

E chegamos ao volume 3 do especial Oscar 2013. Aqui, analisaremos as categorias de som e as musicais. Vamos nessa:

OBSERVAÇÕES:

  • Clique nos nomes de cada profissional para conferir seu histórico de indicações ao Oscar
  • Abaixo de cada perfil estão os prêmios que cada filme já garantiu na respectiva categoria

som1

Uma explosão não é uma explosão se ela não tiver um som ensurdecedor, certo? Manipular o som criado ou capturado é uma tarefa complicada, mas o resultado pode ser impactante. Os indicados são:

007 – Operação Skyfall | Per Hallberg e Karen M. Baker

som_skyfall

O trabalho de edição de som é sempre muito eficiente nos longas de 007, considerando que estes sempre trazem tiroteios, explosões e perseguições nos mais variados veículos. Em Skyfall, já iniciamos o filme com uma corrida de motocicletas que culmina em uma luta no topo de um trem em movimento e até mesmo uma escavadeira destruindo a traseira de um dos vagões. O design de produção é habilidoso durante toda a projeção e sabe organizar a intensidade e volume de determinados efeitos; exemplo, a explosão do MI6, que é uma eficaz quebra nas camadas silenciosas estabelecidas na cena anterior.

  • Melhores Efeitos Sonoros e Foley no Motion Picture Sound Editors

Argo | Erik Aadahl e Ethan Van der Ryn

som_argo

Não há explosões ou tiroteios em Argo, mas o trabalho de edição sonora do filme merece créditos puramente por sua pesquisa histórica, e a maneira como esta é aplicada diferentemente. O melhor exemplo encontra-se nos gritos iranianos das multidões, e como a equipe aumenta ou diminui tais camadas sonoras; a cena em que Tony Mendez e os reféns atravessam uma manifestação dentro de uma van ajuda a esclarecer os diferentes níveis a que são editadas as cantorias, contribuindo para o exacerbamento da tensão. Um trabalho competente.

As Aventuras de Pi | Eugene Gearty e Philip Stockton

som_pi

Um dos principais elementos de As Aventuras de Pi é a manutenção de um zoológico, logo podemos esperar uma vasta diversidade de animais aqui. A equipe de desenho de som acerta na captura e manipulação de sons, grunhidos, rugidos e todo outra manifestação sonora das mais diferentes espécies de animais (eu particularmente nunca tinha ouvido o choro de uma zebra antes) e sabe como usá-los apropriadamente, fazendo muito barulho – por exemplo – na cena em que os peixes voadores atravessam o bote de Pi ou nos ensurdecedores rugidos do tigre Richard Parker.

  • 2 Vitórias no Motion Picture Sound Editors

Django Livre | Wylie Stateman

som_django

Como é de costume nos filmes de Quentin Tarantino, a violência sempre explode inesperadamente e tal característica é muito bem representada pelo trabalho de som. Em Django Livre, estamos no Velho Oeste (Sul), então não faltam tiroteios e explosões surgindo a níveis altíssimos, onde o design de som é particularmente criativo ao mostrar o sangue jorrando de corpos e pelo uso de efeitos sonoros caricatos (como as balas ricocheteando). Sem esquecer das “onomatopéias” que surgem quando a câmera de Tarantino utiliza o zoom rápido, gerando um efeito muito divertido.

A Hora Mais Escura | Paul N.J. Ottosson

som_0dark30

Assim como 007 – Operação Skyfall, a edição de som de A Hora Mais Escura traz muitas “explosões” sonoras, que surgem inesperadamente para causar tensão. Aqui o impacto é maior, já que grande parte da primeira metade do filme sobre a caçada por Bin Laden é ambientada em escritórios e bases secretas, e a equipe faz um bom trabalho com as cenas que envolvem atentados terroristas, torturas e tiroteios. Mas o ápice do filme é também o da edição de som, que consegue adicionar efeitos discretos (mas destrutivos) aos rifles que o exército usa para invadir o esconderijo de Bin Laden.

FICOU DE FORA: Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge

som_tdkr

Eu já estava meio que conformado com a possibilidade de Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge passar despercebido entre as categorias principais, mas a ausência de seu trabalho de edição de som é simplesmente irracional. Com eficientes efeitos sonoros para a moto e veículo voador do protagonista (sendo ambos impecavelmente modificados a fim de atingir um volume altíssimo), a equipe ainda criou uma das vozes mecânicas mais icônicas desde o Darth Vader de Star Wars: Bane. O filme provavelmente foi esquecido porque os americanos tiveram problema em entender a voz do personagem. Ah, tá.

APOSTA: As Aventuras de Pi

QUEM PODE VIRAR O JOGO: Skyfall

MEU VOTO: Django Livre

som2

Ok, o filme está pronto, editado, os efeitos visuais estão finalizados e os sons no lugar. Agora vem o grande desafio da pós-produção: juntar todos os efeitos sonoros com a trilha sonora, dando espaço a cada um deles de forma apropriada. Os indicados são:

007 – Operação Skyfall | Scott Millan, Greg P. Russell e Stuart Wilson

mix_skyfall

Assim como a edição de som é fundamental para um filme de ação, a mixagem é igualmente importante, principalmente para garantir verossimilhança aos inúmeros tiroteios e a um confronto entre metralhadoras e helicópteros. Mas o que mais me interessou na mixagem de Operação Skyfall foram suas sutilezas, como uma delicada transição que é demarcada pelo som da chuva mesclando-se com o de uma cachoeira ou pela genial cena do prédio em Xangai, em que todas as camadas sonoras são diminuídas para dar espaço à trilha de Thomas Newman e ao silêncio – seguido pelo crescimento do suspense – que o momento requer.

Argo | John Reitz, Gregg Rudloff e Jose Antonio Garcia

mix_argo

Sendo em sua maior parte um filme de diálogos (com exceção de algumas cenas mais agitadas, como a a invasão à embaixada e as perseguições pelo Grande Bazar e o aeroporto), a mixagem de som de Argo é bem sucedida nestes quesitos básicos – além de acertar na condução sonora das cenas de ação. Um belo exemplo onde o departamento faz jus à indicação é quando acompanhamos de forma intrincada três discursos diferentes: as exigências políticas iranianas, as respostas americanas a estas e a leitura do roteiro do “Argo”. Todos eles juntos e bem divididos – e com a adequada trilha sonora de Alexandre Desplat – fazem desta uma das mais poderosas cenas do filme.

As Aventuras de Pi | Ron Bartlett, Doug Hemphill e Drew Kunin

mix_pi

Com a bela música de Mychael Danna dando o toque necessário em seus momentos apropriados, os inúmeros efeitos sonoros animais, discutidos na seção de Edição de Som, são bem mesclados aqui. O ápice da mixagem em minha opinião, ocorre na cena do naufrágio do navio que transporta o zoológico da família Patel, onde esta traz ensurdecedores alarmes de emergência, o som da água invadindo as ocupações da embarcação e os gritos de desespero de seus variados tripulantes animais… Tudo ao mesmo tempo, e a equipe merece palmas por não sacrificar a compreensão dessas diferentes camadas.

Lincoln | Andy Nelson, Gary Rydstrom e Ronald Judkins

mix_lincoln

A indicação de Lincoln aqui é justificada pela indicação do longa no maior número de categorias, certamente. Mas também porque a Academia adora prestigiar filmes com muitos diálogos aqui, o que é o caso da cinebiografia de Spielberg para o presidente que nomeia o longa. A mixagem acerta ao inserir diversas discussões paralelas que tomam lugar no Congresso americano e considerando que a trilha sonora de John Williams não é das mais eloquentes, não é difícil equilibrá-la com o trabalho vocal do elenco. Um trabalho cuja indicação só é justificada para glorificar o filme, realmente.

Os Miseráveis | Andy Nelson, Mark Paterson e Simon Hayes

mix_lesmis

Sendo Os Miseráveis um longa musical, é essencial um trabalho de som efetivo. Aliada a esse comum requisito, vem o fato de esta nova versão trazer o elenco todo cantando ao vivo, e não durante a pós-produção, logo a trilha musical precisa ser encaixada de forma a preservar o trabalho vocal de seus intérpretes – tarefa que a equipe realiza muitíssimo bem. O problema, em minha opinião, surge quando a mixagem tenta ousar demais, em especial na cena em que acompanhamos múltiplas canções simultaneamente. O resultado não é incompreensível, mas confuso de se acompanhar e levemente cacofônico.

  • Cinema Audio Society
  • BAFTA

APOSTA: Os Miseráveis

QUEM PODE VIRAR O JOGO: As Aventuras de Pi

MEU VOTO: Skyfall

trilha

Um longa-metragem não funciona da mesma maneira sem música. A trilha sonora ajuda a criar o tom, manter o ritmo e encher o espectador de emoção, complementando o que está na tela. Os indicados são:

007 – Operação Skyfall | Thomas Newman

trilha_newman

O tema original de James Bond criado por John Barry é um dos mais icônicos da História do cinema. Tendo isso em mente, é de se admirar que o compositor Thomas Newman tenha preenchido 007 – Operação Skyfall com ótimos acordes sem precisar fazer uso excessivo do trabalho de Barry, trazendo-o apenas em momentos-chave (observem o final de Granborough Road). Em seu lugar, Newman traça uma trilha elegante e empolgante que traduz musicalmente alguns elementos da trama, desde a atmosfera agitada de Istambul (Grand Bazaar), a presença tecnológica na espionagem (Quartermaster), a sensualidade (Close Shave) e os cantos mais obscuros do passado de 007 (Skyfall). A trilha de Newman funciona em todos os requisitos, e seria muito interessante vê-lo na franquia novamente.

Faixa preferida: Quartermaster

  • BAFTA

Anna Karenina | Dario Marianelli

trilha_marianelli

Além das tradicionais melodias russas (Dance with Me) e também de uma linda canção tradicional (The Girl and the Birch), o compositor Dario Marianelli traz de volta em Anna Karenina alguns elementos que lhe garantiram o Oscar por seu ótimo trabalho na trilha sonora de Desejo & Reparação (também do diretor do Joe Wright): o uso de sons para produzir uma música. Aqui, por exemplo, o barulho de uma locomotiva pelos trilhos vai se transformando em uma série de batidas  que ajudam a preparar o terreno no início da narrativa (Clerks). A música de Marianelli é charmosa e inventiva, e demasiada superior às trilhas que comumente encontramos em longas do gênero.

Faixa Preferida: She is of Heavens

Argo | Alexandre Desplat

trilha_desplat

O trabalho de Alexandre Desplat em Argo funciona muito bem isoladamente, mas em tela não é dos mais notáveis. Primeiro porque o francês usa seus acordes em poucos – mas apropriados – momentos e geralmente opta por instrumentos de cultura árabe (Main Theme) ou batidas rápidas. Sua música é eficiente ao provocar as reações emocionais apropriadas, tanto o ápice do desespero (Breaking Through the Gates) como a emoção do sucesso (Cleared Iranian Airspace). É, sim, um bom trabalho, mas que empalidece diante da excelente trilha sonora incidental escolhida por Ben Affleck, que vai de Van Halen a Led Zeppelin.

Faixa Preferida:

As Aventuras de Pi | Mychael Danna

trilha_danna

Em um filme com poucas locações como é As Aventuras de Pi, a trilha sonora é essencial para estabelecer o tipo de ação que ocorre e o tom desta. Felizmente, Mychael Danna acerta em cheio e oferece um trabalho que apresenta uma fantástica mistura de instrumentos e culturas. Seja na presença francesa (Pondicherry), passando por manifestações do belo (Which Story do you Prefer?), divertido (Flying Fish) ou desesperador (God’s Storm), a música de Danna sempre traz composições criativas e que funcionam tanto isoladamente quanto em cena.

Faixa preferida: Set Your House in Order

  • Globo de Ouro

Lincoln | John Williams

trilha_williams

Olha aí o compositor onipresente! Em sua 48ª indicação (e marcando 40 anos de colaboração com o diretor Steven Spielberg), Williams deixa o espetáculo de lado e procura melodias mais contidas na cinebiografia de Abraham Lincoln. Fazendo uso do piano a fim de criar um tema melancólico para o protagonista (With Malice toward None), o veterano ainda traz algumas faixas com forte presença da gaita (Race to the White House ) que ajudam a traduzir o período em questão. Mesmo que sejam boas composições, é um trabalho muito tímido de Williams (o que é compreensível, devido à abordagem de Spielberg ao longa) e que se encaixa como uma das mais esquecíveis de sua carreira.

Faixa Preferida: The Blue and Grey

FICOU DE FORA: A Viagem | Tom Tykwer, Reinhold Heil & Johnny Klimek

trilha_cloud

Mesmo aqueles que desaprovaram o intrincado A Viagem, devem admitir que o trabalho de Tom Tykwer, Reinhold Heil e Johnny Klimek na composição musical é de primeira linha. Além de criarem temas elegantes que passam pela aventura, drama, comédia e romance, o trio acerta ao mixar de formas variadas o “Sexteto Cloud Atlas”, que ora surge na forma de piano, ora transforma-se em uma grande orquestra. Essa peça musical é um dos pontos-chave do filme, sendo composta por – nas palavaras do personagem de Ben Whishaw – “movimentos em que pessoas diferentes se encontram novamente e novamente em épocas diferentes, vidas diferentes”. Magistral.

Faixa Preferida: All Boundaries are Conventions

APOSTA: As Aventuras de Pi

QUEM PODE VIRAR O JOGO: Skyfall

MEU VOTO: Skyfall

canção

E eu achando que a categoria seria anulada (após terem sido indicadas apenas duas obras no ano passado), pelo menos temos boas canções este ano, lembrando que as que surgem nos créditos finais não são consideradas pela Academia. Os indicados são:

“Before my time” – Música e Letra por J. Ralph | Chasing Ice

cancao_chasingice

Acho estranho a presença de “Before my Time” entre os indicados, já que a canção desempenhada por Scarlett Johanssom e x acontece durante os créditos do documentário Chasing Ice; o que a Academia considera como inválido para concorrer ao prêmio. Mas enfim, burocracias à parte, a música aqui é bem agradável e adequa-se ao tema proposto pelo longa, especialmente sobre o derretimento de geleiras. Mas sinceramente, Johanssom é uma cantora muito mediana.

Letra:

Cold feet, don’t fail me now

So much left to do

If I should run ten thousand miles home

Would you be there?



Just a taste of things to come

I still smile


But I don’t want to die alone
I don’t want to die alone
Way before my time



Keep calm and carry on
No worse for the wear



I don’t want to die alone
I don’t want to die alone
Way before my time

Is it any wonder
All this empty air
I’m drowning in the laughter
Way before my time has come

“Everybody needs a Best Friend” – Música por Walter Murphy e Letra por Seth McFarlane | Ted

cancao_ted

Com divertidas melodias e um ótimo ritmo, “Everybody needs a Best Friend” é uma canção enértica que ganha força graças à sua boa parte instrumental e a bela voz de Norah Jones. Sua presença em Ted é muito eficiente para marcar a passagem do tempo nas cenas iniciais, ao passo em que o protagonista vai crescendo junto com seu colega de pelúcia. Claro que a canção só entrou aqui porque Seth McFarlane é o apresentador da cerimônia, mas gostei de ela ter sido lembrada.

Letra:
My words are lazy
My thoughts are hazy
But this is one thing I’m sure of
Everybody needs a best friend
I’m happy I’m yours

You got a double
Who brings you trouble
And though you’re better without me
Everybody needs a best friend
I’m happy I’m yours

A fool could see decidedly
That you’re a ten and I’m a three
A royal breed is what you need
So how did you come to be stuck with a bummer like me

Oh you got a head full of someone dreadful
But how that someone adores you
Everybody needs a best friend
I’m happy I’m yours

A fool could see decidedly
That you’re a ten and I’m a three
A royal breed is what you need
So how did you come to be stuck with a bummer like me

Oh you got a head full of someone dreadful
And yet at last that someone adores you
Everybody needs a best friend
I’m happy I’m yours

I’m just a clown
And I’ll bring you down
But you just don’t care
‘Cause your best friend is me

“Pi’s Lullaby” – Música por Mychael Danna e Letra de Bombay Jayashri| As Aventuras de Pi

cancao_pi

Aliada aos eficazes acordes de Mychael Danna para “Pi’s Lullaby” está a linda voz da cantora indiana Bombay Jayashri. Mesmo que traga versos breves, a canção é muito bem usada na cena de abertura do filme – que vai apresentando diversas figuras da flora e fauna do protagonista, ressaltando a beleza dessas criaturas. Gosto do resultado, mas acho que o mérito é mais para Danna do que para a cantoria de Jayashri, me parecendo mais uma composição do que uma canção propriamente dita.

Letra (em indiano):

Kanne
Kanmaniye
Kann urangayo kanne
Mayilo togai mayilo
Kuyilo koovum kuyilo
Nilavo nilavin oliyo
Imayo imayin kanavo
Malaro malarin amudo
Kaniyo kaniyin suvayo

“Skyfall” – Música e Letra por Adele Adkins e Paul Epworth | 007 – Operação Skyfall

cancao_skyfall

As canções-tema dos filmes de 007 já se firmaram como uma das muitas assinaturas da série, e no aniversário de 50 anos da estreia de James Bond nos cinemas, o tema de Operação Skyfall não poderia passar batido. Cantada com a linda voz da britânica Adele, “Skyfall” é uma bela composição que evoca o estilo que predominava na franquia durante seus anos dourados – e nisso, traz uma adorável nostalgia. Além da impecável parte instrumental (que inicia-se com um melancólico piano), a letra escrita pela cantora e Paul Epworth adequa-se perfeitamente ao tom do filme e à temática do fim de um ciclo. Uma das melhores canções da série.

Letra:

This is the end
Hold your breath and count to ten
Feel the earth move and then
Hear my heart burst again

For this is the end
I’ve drowned and dreamt this moment
So overdue I owe them
Swept away, I’m stolen

Let the sky fall
When it crumbles
We will stand tall
Face it all together

Let the sky fall
When it crumbles
We will stand tall
Face it all together
At skyfall
That skyfall

Skyfall is where we start
A thousand miles and poles apart
Where worlds collide and days are dark
You may have my number, you can take my name
But you’ll never have my heart

Let the sky fall (let the sky fall)
When it crumbles (when it crumbles)
We will stand tall (we will stand tall)
Face it all together

Let the sky fall (let the sky fall)
When it crumbles (when it crumbles)
We will stand tall (we will stand tall)
Face it all together
At skyfall

[x2:]
(Let the sky fall
When it crumbles
We will stand tall)

Where you go I go
What you see I see
I know I’d never be me
Without the security
Of your loving arms
Keeping me from harm
Put your hand in my hand
And we’ll stand

Let the sky fall (let the sky fall)
When it crumbles (when it crumbles)
We will stand tall (we will stand tall)
Face it all together

Let the sky fall (let the sky fall)
When it crumbles (when it crumbles)
We will stand tall (we will stand tall)
Face it all together
At skyfall

Let the sky fall
We will stand tall
At skyfall
Oh

  • Globo de Ouro
  • Critics Choice Awards

“Suddenly” – Música por Claude-Michel Schönberg e Letra por Herbert Kretzmer e Alain Boublil | Os Miseráveis

cancao_miserables

Todas as canções da badalada versão da Broadway para Os Miseráveis estão no filme de Tom Hooper, mas apenas uma foi criada especialmente para o novo filme. Cantada suavemente por Hugh Jackman, “Suddenly” serve para marcar de forma sentimenal uma mudança na jornada de seu personagem, já que a canção surge logo após este adotar a jovem Cosette e enfim “descobrir o significado do amor”, como este próprio diz posteriormente. Em minha opinião, surge como uma quebra no ritmo agitado que a projeção vinha estabelecendo – fincando aquém de outras canções – mas é importante para ressaltar a vindoura transformação de Jean Valjean.

Letra:

Suddenly I see
Suddenly it starts
When two anxious hearts
Beat as one.
Yesterday I was alone
Today you walk beside me
Something still unclear
Something not yet here
Has begun.
Suddenly the world
Seems a different place
Somehow full of grace
And delight.
How was I to know
That so much love
Was held inside me?
Something fresh and young
Something still unsung
Fills the night.
How was I to know at last
That happiness can come so fast?
Trusting me the way you do
I’m so afraid of failing you
Just a child who cannot know
That danger follows where I go
There are shadows everywhere
And memories I cannot share
Nevermore alone
Nevermore apart
You have warmed my heart
Like the sun.
You have brought the gift of life
And love so long denied me.
Suddenly I see
What I could not see
Something suddenly
Has begun.

FICOU DE FORA: “Who Did that to You?” – John Legend | Django Livre

cancao_django

É muito raro que Quentin Tarantino traga canções originais para seus filmes, e com Django Livre foram nada menos do que 4 músicas do tipo. Todas elas excelentes, mas minha preferida é de longe “Who Did That to You?”, que na empolgada voz de John Legend adiciona uma camada de epicidade à cena em que aparece (no caso, a fuga do protagonista de um grupo australiano) e imediatamente taxa Django como um dos mais icônicos heróis da filmografia de Tarantino. Sem falar que é um deleite de se ouvir.

Letra:

Now I’m not afraid to do the Lord’s work,
You say vengeance is his but Imma do it first.
I’m gonna handle my business in the name of the law.

Now if he made you cry, oh, I gotta know,
If he’s not ready to die, he best prepare for it.
My judgement’s divine, I’ll tell you who you can call,
You can call.

You better call the police, call the coroner,
Call up your priest, have him warn ya.
Won’t be no peace when I find that fool
Who did that to you, yeah,
Who did that to you, my baby,
Who did that to you,
Gotta find that fool who did that to you.

Now I don’t take pleasure in a man’s pain,
But my wrath will come down like the cold rain.
And there won’t be no shelter, no place you can go.

It’s time to put your hands up, time for surrender,
I’m a vigilante, my love’s defender,
You’re a wanted man, here everybody knows.

You better call the police, call the coroner,
Call up your priest, have him warn ya.
Won’t be no peace when I find that fool
Who did that to you, yeah,
Who did that to you, my baby,
Who did that to you,
Gotta find that fool who did that to you.

Now he’ll keep on running, but I’m closing in,
I’ll hunt him down ‘til the bitter end,
If you see me coming near, who you gonna call?

You better call the police, call the coroner,
Call up your priest, have him warn ya.
Won’t be no peace when I find that fool

You better call the doctor, call the lawyer,
I chase ‘em all the way to California,
Get my best trying to find that fool
Who did that to you

APOSTA: Skyfall

QUEM PODE VIRAR O JOGO: Suddenly

MEU VOTO: Skyfall

E aqui se encerra a terceira parte do especial Oscar 2013. Preparem o papel e a caneta, pois amanhã publicarei a postagem que discute as categorias principais, incluindo melhor filme e diretor. Até lá!

Volume I – Atuações

Volume II – Categorias Técnicas