Arquivo para batman

Ben Affleck vai dirigir e escrever o novo BATMAN

Posted in Notícias with tags , , , , , , , , on 9 de julho de 2015 by Lucas Nascimento

bvs_10

Quando Ben Affleck foi anunciado como o novo Batman dos cinemas, muitos assumiram que ele também poderia dirigir sua própria aventura solo, dado o sucesso dos premiados Atração PerigosaArgo.

Pois bem, agora o Deadline confirma que Affleck dirigirá a nova aventura do Cavaleiro das Trevas, além de coescrever o roteiro com Geoff Johns (Arrow, Flash e diversas animações da DC).

Não foi anunciada a data de lançamento, mas Affleck deve iniciar a produção quando terminar Live By Night, outro projeto com a Warner que deve estrear no ano que vem.

Anúncios

O teaser trailer de BATMAN VS SUPERMAN: A ORIGEM DA JUSTIÇA

Posted in Trailers with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , on 17 de abril de 2015 by Lucas Nascimento

BAT

Este é sem dúvida o trailer que mais tenho aguardado desde o anúncio do projeto! A DC prepare-se para dominar as telas com o primeiro teaser trailer do ambicioso Batman vs Superman: A Origem da Justiça, filme que unirá pela primeira vez os icônicos heróis da editora, a serem vividos por Ben Affleck e Henry Cavill.

Confira:

O elenco também traz Gal Gadot (Mulher-Maravilha), Amy Adams (Lois Lane), Jesse Eisenberg (Lex Luthor), Jason Momoa (Aquaman), Jeremy Irons (Alfred Pennyworth), Ray Fisher (Ciborgue), Laurence Fishburne (Perry White) e Diane Lane (Martha Kent). Jena Malone, Holly Hunter e Scoot McNairy também estão na brincadeira, mas não tiveram seus papéis divulgados.

Zack Snyder dirige a partir do roteiro de David Goyer (O Homem de Aço) e Chris Terrio (Argo). Hans Zimmer está a cargo da trilha sonora.

Batman vs Superman: A Origem da Justiça estreia em 25 de Março no Brasil.

 

| Birdman (ou A Inesperada Virtude da Ignorância) | Crítica

Posted in Cinema, Comédia, Críticas de 2015, Drama with tags , , , , , , , , , , , , , , , on 29 de janeiro de 2015 by Lucas Nascimento

4.5

Birdman
Michael Keaton é Riggan Thomson, assombrado pelo fantasma de Birdman

 Filmes como Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância) nos fazem parar para observar o atual estado de Hollywood. Dominada por franquias multimilionárias, super-heróis e adaptações cinematográficas que visem o lucro, promovendo a fama de celebridades. Até onde tais obras são enxergadas como Arte pelos estudiosos? Qual o peso na carreira de um ator ao assumir, ou ainda por cima, abandonar uma franquia dessas? O novo filme de Alejandro G. Iñarrítu passa por essas questões, ao mesmo tempo em que

A trama assinada por Iñarrítu, Nicolás Giacobone e Alexander Dinelaris Jr & Armando Bo nos apresenta a Riggan Thomson (Michael Keaton), um ator de Hollywood que fora famoso no passado por interpretar o super-herói Birdman. Esquecido pelo público e apostando toda sua carreira e dinheiro, ele comanda e estrela uma ousada adaptação de uma peça de teatro na Broadway, tendo que lidar com atores de método (Edward Norton), sua filha recém-saída da reabilitação (Emma Stone) e seu próprio inconsciente, representado pela figura do super-herói.

Vamos tirar as obviedades do meio do caminho: Birdman é quase uma biografia não oficial do próprio Michael Keaton, sendo que o super-herói voador foi simplesmente substituído por um pássaro, mas a lembrança de seu Batman é sempre lembrada aqui, graças ao inteligente roteiro do quarteto. Esse toque de realidade aumenta muito o impacto do filme, ainda mais por trazer diversas referências a atores reais envolvidos atualmente no ramo de super-heróis (“Botaram capa nele também?”, reclama Riggan ao saber que Jeremy Renner estava em Os Vingadores ou a voz incosciente de Birdman afirmando que ele havia aberto caminho para todos os outros) e o próprio processo de criação/estudo de atores. O personagem de Edward Norton é particularmente interessante de se analisar, especialmente quando ele revela só ser capaz de ter uma ereção quando está no palco ou quando afirma que “a popularidade é a prima promíscua do prestígio”, revelando que, dentre todos ali, ele é o único realmente conhecedor do que é Arte.

O que nos traz de volta a Riggan Thomson, o ator que tenta alcançar a Arte ao mesmo tempo em que foge do esquecimento (e as batidas de relógio que dominam seu camarim são um discreto Relógio do Fim do Mundo que marca a chegada de seu grand finale) lhe proposto pela máquina de Hollywood. A performance de Keaton é intensa e ultra metalinguística, permitindo que o ator explore a vulnerabilidade (especialmente quando contracena com Norton), fraqueza e seus reais esforços para suceder – fornecendo também um trabalho vocal assustador na composição da voz interior de Birdman. Além de Keaton e Norton, Zach Galifianakis está surpreendentemente bom, Emma Stone surge intensa e carismática e Naomi Watts brilha quando a câmera lhe oferece mais espaço.

Sobre a direção de Iñarrítu, é algo completamente diferente de seus trabalhos anteriores. A fotografia suja, inquieta e granulada dá espaço a uma condução que simula um plano-sequência de 2 horas através de colagens muitíssimo bem ocultadas (e time lapses e mudanças de tempo são bem presentes, descartando a ideia de uma história em tempo real), provocando um efeito quase onírico. O diretor de fotografia Emmanuel Lubezki teve trabalho, e muito provavelmente terá seu trabalho árduo premiado com um segundo Oscar na categoria. Fico decepcionado com a ausência de Antonio Sanchez na categoria de Trilha Sonora, já que sua música primitiva e quase jazzística (só baterias e tambores aqui) traduzem todos os conflitos internos dos personagens. Só torço o nariz para os efeitos visuais que a produção emprega em alguns momentos, especialmente no voo de Riggan, que aparece assustadoramente artificial.

Birdman é uma obra inteligente e repleta de comentários ácidos sobre a indústria de Hollywood e os bastidores do mundo do teatro, explorando um impecável elenco numa narrativa guiada por uma visão de mestre de Alejandro G. Iñarrítu.

Why So Serious? O humor nos filmes da DC

Posted in Artigos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 28 de agosto de 2014 by Lucas Nascimento

DC

Ontem, saiu um rumor que vem levantando algumas dúvidas e provocando polêmicas. A informação é a de que os executivos da Warner Bros não querem piadas em seus filmes de heróis da DC, diferenciando-se do tom mais cômico adotado pela Marvel Studios da Disney e. também procurando evitar os erros do fracassado Lanterna Verde.

Bom, acho que primeiramente vale frisar que Lanterna Verde não morreu por causa das piadinhas, mas sim porque era um roteiro falho. A Marvel de Kevin Feige esta aí com seu currículo bilionário para provar que o público adora humor, desde que seja bem feito.

O que me leva a uma discussão ainda mais abrangente: o humor nos filmes de super-heróis.

guardians_40
O humor em Guardiões funciona porque é necessário

Todo mundo adora rir, certo? Quem não gosta? Meu problema com esse elemento em filmes do gênero, é – por falta de termo melhor – a apelação. Muitas piadas nos filmes da Marvel Studios funcionam, e o recente Guardiões da Galáxia é o exemplo que melhor ilustra esse cenário; justamenteporque a aventura espacial já assumia o tom de galhofa desde o princípio, além de trazer personagens coloridos que precisavam de muito humor para funcionar.

Do outro lado, e também recente, Capitão América 2 – O Soldado Invernal ajuda a exemplificar um dos grandes problemas na Marvel. O filme dos irmãos Russo está longe de ser ruim (está mais perto de ser ótimo, isso sim), e seus problemas estão relacionados a outros aspectos, mas ainda há problemas com a pontualidade do humor. Dois exemplos: Depois de ser emboscado na rua por agressores disfarçados de policiais, Nick Fury luta para sobreviver em seu “super-carro”, e quando nenhum de seus acessórios funciona, ele pergunta retoricamente se “alguma coisa está funcionando”. O computador de bordo responde “O ar-condicionado está em perfeito estado”. Uma piada dessas não só é bem besta, como também desvia a atenção do espectador de uma cena que é, sim, tensa. Outro exemplo é quando Steve Rogers e a Viúva Negra estão em uma loja da Apple rastreando a localização de um sinal, e o filme INTERROMPE a trama para investir em uma piadinha com o atendente da loja.

Isso pra citar casos menos graves, não vem nem começar a falar de Homem de Ferro 2, que conseguiu transformar o sério problema de alcoolismo de Tony Stark em uma piada idiota, ou os filmes protagonizados por Thor – ainda que o primeiro seja bem mais apelativo que a continuação.

Pra não ficar preso só à Marvel Studios, vejam como a franquia X-Men lida bem com essa questão. O próprio Dias de um Futuro Esquecido acerta ao selecionar personagens específicos para provocar ou envolver em situações cômicas (no caso, o Mercúrio de Evan Peters), ao invés de simplesmente transformar qualquer personagem em um comediante. O Professor Xavier não faz piadinha, mas até Thor, Deus do Trovão e Príncipe de Asgard, é vítima de algum tipo de galhofa.

O LADO NEGRO DA FORÇA

batsup_02
Sad Batman

Então agora, a DC não quer piadas em seus filmes. Muito provavelmente querem seguir à risca a trilogia Cavaleiro das Trevas de Christopher Nolan e abraçar um tom mais dramático e realista, como o próprio Homem de Aço já apresentou no ano passado. Acho uma decisão bem admirável, e que certamente vai servir para diferenciar Marvel e DC, e talvez até jogar um ar fresco no gênero que vai ficando cada vez mais repetitivo.

Mas o que muita gente não entendeu, é que isso não significa que os filmes da DC não terão humor. O pesado e denso Batman – O Cavaleiro das Trevas tinha seus pontuais momentos de humor (e não me refiro ao Coringa só pra deixar claro), e a própria natureza do Batman é uma mais soturna, que exige uma certa maturidade. O Flash certamente permanecerá um piadista, claro e certamente teremos lá algumas piadas, mais contidas. Mas se a intenção é fazer algo mais dark, eu aprovo.

Quando vou ver um filme de super-heróis, não é pensando na comédia que eu compro o ingresso. É muito bem-vinda, desde que seja utilizada apropriadamente.

Batman V Superman: Dawn of Justice estreia em 26 de Março de 2016.

Veja Gal Gadot de Mulher-Maravilha

Posted in Notícias with tags , , , , , , , , , , , , , , on 26 de julho de 2014 by Lucas Nascimento

bvs

O painel da Warner Bros na Comic Con começou há alguns instantes atrás, já trazendo o aguardadíssimo Batman v Superman: Dawn of Justice. Zack Snyder apareceu com os astros Ben Affleck, Henry Cavill e Gal Gadot para liberar um breve teaser do filme, que trazia o Homem de Aço encarando o Cavaleiro das Trevas (que usava a armadura marrenta da obra de Frank Miller).

Além disso, algum bom samaritano conseguiu uma foto do visual de Gadot como a Mulher Maravilha, confira:

BtfLEsmIYAANa8M.jpg large

Batman V Superman: Dawn of Justice estreia em 6 de Maio de 2016.

Nova imagem de Ben Affleck como Batman

Posted in Notícias with tags , , , , , on 24 de julho de 2014 by Lucas Nascimento

Diretamente da Comic Con, uma nova imagem de Ben Affleck como o Cavaleiro das Trevas em Batman V Superman: Dawn of Justice.

Que orelhas, que queixo.

20140724-181000-65400901.jpg

Batman V Superman: Dawn of Justice estreia em 6 de Maio de 2016

| Uma Aventura LEGO | Crítica

Posted in Animação, Aventura, Comédia, Críticas de 2014, DVD with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 27 de junho de 2014 by Lucas Nascimento

4.0

TheLEGOMovie
E você achando que só em 2016 veríamos um novo filme com Batman…

Quando criança, brincar com as famosas peças de LEGO era como uma experiência religiosa. Aliada à paixão de cinema, o “ritual” muitas vezes dava a origem a pequenas (e tolas, exageradas) narrativas se desenrolando sobre meus dedos, e a brincadeira já até rendeu alguns curtas em stop motion, mas enfim… Só parei agora para assistir a Uma Aventura LEGO, e me surpreendi com um dos filmes mais leves, honestos e divertidos de 2014.

A trama é ambientada em um mundo formado de peças de LEGO, onde diversas linhas do produto convivem em harmonia (linhas de corrida, faroeste, astronautas, tudo o que você via nas prateleiras), na verdade uma mera fachada para o regime ditatorial do Lord Business (voz de Will Ferrell). A situação muda quando o pacato e ordinário funcionário público Emmet (voz de Chris Pratt) encontra uma peça mítica que o transforma em uma espécie de messias e o coloca de frente com diversas figuras populares em uma missão para derrubar a tirania de Business.

LEGO é um filme muito curioso. Ao mesmo tempo é inevitável que o filme pareça uma peça publicitária para a vendedora de brinquedos: desde imagens das próprias caixas dos blocos de montar até a suposição de que as vendas do produto devem ter aumentado estratosfericamente após o lançamento do filme. Mas aí, nos deparamos com uma trama em que o antagonista é justamente um sujeito que, não por coincidência, atende pelo nome de “Negócio” e representa basicamente a ideologia megalomaníaca de poderosas empresas capitalistas. Ah, sim e eu estou falando sobre um filme onde bonequinhos de montar andam e falam…

Metalinguagem é um dos grandes pontos da produção, o que é curioso já que o filme anterior dos diretores Phil Lord e Chris Miller era justamente sobre isso – no caso, a brilhante comédia policial Anjos da Lei. Responsável também pelo roteiro, a dupla nitidamente se diverte ao bolar as piadas e referências mais inusitadas possíveis, desde a narração clichê do personagem de Morgan Freeman até as sensacionais participações especiais. Colocar Batman (dublado no original por Will Arnett em sua melhor imitação de Christian Bale) como um sidekick do protagonista é uma sábia decisão, dada a força de presença do personagem e a oportunidade de ver situações que raramente encontraríamos em um filme de franquia, por exemplo. Não vou entrar em detalhes para preservar o fator surpresa de alguns “convidados”, mas é demais a sutil piada que Lord e Miller fazem com o Lanterna Verde (dublado por Jonah Hill), em um claro puxão de orelha ao fiasco produzido pela Warner em 2011.

Nesse turbilhão de referências pop, é como se os personagens tivessem a consciência de que fazem parte de um mundo de brinquedo. A animação que remete diretamente à técnica de stop-motion quase faz parecer que estamos diante de algum ser humano brincando com suas pecinhas, e ganha ainda mais força quando o roteiro nos revela o que é esse universo. É uma das revelações mais interessantes e surpreendentemente belas da produção, que consegue encontrar uma interessante mensagem em meio ao caos e anarquia de suas cenas de ação e múltiplas locações.

Seja lá adulto ou criança, Uma Aventura LEGO é incrível.

EVERYTHING IS AWESOME!!!!!!!!!!!!!!