Arquivo para Carey Mulligan

| O Grande Gatsby | Baz Luhrmann apresenta o Fitzgerald Extravaganza

Posted in Cinema, Críticas de 2013, Drama, Indicados ao Oscar, Romance with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , on 4 de junho de 2013 by Lucas Nascimento

3.5

TheGreatGatsby[
Old Sport: Leonardo DiCaprio é o Jay Gatsby definitivo

Considerado por muitos um dos “grande romances americanos”, O Grande Gatsby de F. Scott Fitzgerald é uma obra requintada que se desenrola com uma sutileza ímpar. Baz Luhrmann, diretor desta glamourosa nova versão, jamais foi conhecido por sua sutileza (afinal, estamos falando do responsável por Romeu + Julieta e Austrália). Pode se dizer que o australiano é uma das pessoas menos indicadas para comandar a história, mas seu estilo grandiloquente – ainda que seja prejudicial em certos momentos – encontra espaço aqui.

A trama é ambientada na Nova York dos anos 2o (período popularmente conhecido como “Era do Jazz”, ou “Geração Perdida” para os menos saudosistas), centrando-se no aspirante a escritor Nick Carraway (Tobey Maguire). Enquanto recupera-se em um sanatório, Carraway compartilha por escrito suas experiências em meio a alta classe social e o mistério em torno do milionário Jay Gatsby (Leonardo DiCaprio), sujeito que esconde uma indestrutível paixão pela casada Daisy Buchanan (Carey Mulligan).

Década de 20 e, ainda assim, temos Jay-Z e Beyoncé na trilha sonora. Muitos críticos estrangeiros apontaram o dedo para a abordagem pop de Luhrmann à história, mas ao meu ver ela pontua com eficiência o clima de exaltação e festa da época – basta lembrar do Gatsby de 1974, com Robert Redford, que era silencioso demais para simbolizar algo como a Era do Jazz. É certo que a obra de Fitzgerald não é tão “aberta” quanto a direção de Luhrmann, que mais de uma vez pára para explicar detalhes que funcionavam por si só de forma sutil (três vezes, e por três personagens diferentes, é explicado o motivo pelas festas grandiosas do protagonista) e momentos mais agitados – ainda que um certo atropelamento seja tão memorável justamente por sua execução escandalosa e a escolha musical.

Também elogio Luhrmann por compreender a importância da luz verde na trama, transformando-a em um poderoso elemento visual e eficiente instrumento narrativo. O cais de Gatsby surge como abertura e encerramento do longa, como se o espectador realmente tivesse entrado e saído daquele universo. É interessante observar que, mesmo tendo sua amada Daisy em seus braços, o personagem continua a contemplar a luz esverdeada irradiando do outro lado da costa. Uma observação sutil que revela uma camada ainda mais complexa de Gatsby, que Leonardo DiCaprio consegue incorporar bem em uma performance multifacetada: seu Gatsby é ambicioso, mas vulnerável; otimista, mas impaciente.

TheGreatGatsby
O figurino vermelho de Isla Fisher contrasta com a tonalidade de seu lar

Impossível não falar sobre o impecável trabalho da figurinista e designer de produção Catherine Martin (que além de tudo isso, ainda é produtora e esposa do diretor). Vencedora de 2 Oscars por suas colaborações com Luhrmann, deve retornar à premiação por recriar fielmente locações e vestimentas da época e ainda oferecer-lhes um toque moderno: o vermelho burlesco predomina na caracterização da Myrtle Wilson de Isla Fisher, o que a torna uma figura assustadoramente contrastante com o cinza escuro e sujo de seu marido e a região onde habitam. A fotografia de Simon Duggan também se adequa com obediência às demandas narrativas, além da facilitar o elegante 3D do filme – que, curiosamente, fica mais profundo graças à artificialidade do greenscreen.

Mas se a artificialidade é um acerto nesse sentido, é o que o filme traz de pior quando analisamos seu roteiro e execução. Em diversos momentos, o filme assume uma postura maniqueísta diante de alguns personagens (o mecânico vivido por Jason Clarke ganha aqui um tratamento de monstro, e o ator nada pode fazer para torná-lo tridimensional) e faz uso. Apostando em velocidade, os montadores insistem em picotar até os mais simples diálogos com uma série de cortes que dificulta a fluência da cena e o desenvolvimento das ações; vide a conversa entre Nick e Gatsby no Rolls Royce amarelo, que surge como uma “metralhadora” de informações e ainda tornam evidentes algumas falhas na mixagem sonora daquele momento – e o que dizer da cena que tenta equilibrar uma conversa silenciosa com uma festa gigantesca?

Filme que certamente merece maior reconhecimento do que a de 1974, O Grande Gatsby impressiona pela produção e os experimentos visuais de Baz Luhrmann (com exceção dos embaraçosos textos sobre a tela). Mesmo que essa exuberância seja também um de seus deméritos, é uma adaptação que ao menos se arrisca a ser algo mais do que o básico. Afinal, de que adianta ser convencional em sua sexta adaptação para o cinema?

Obs: Mesmo que não tragam nada de significante, os créditos finais merecem ser vistos graças ao uso da canção “Together”, do The XX, que oferece um impacto maior após a conclusão do filme. Acredite, vale a pena.

Obs II: Esta crítica foi publicada após a cabine de imprensa do filme em São Paulo, no dia 27 de Maio.

Anúncios

Perseguindo a Luz Verde | Especial O GRANDE GATSBY

Posted in Especiais with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 3 de junho de 2013 by Lucas Nascimento

GATSB

Um dos grandes clássicos da literatura americana ganha sua mais luxuosa (e melhor?) versão para as telonas. Baz Luhrmann traz uma pegaada pop e inovadora para O Grande Gatsby, e preparei este especial para analisar a produção e o impacto geral da obra – além de outras curiosidades que geralmente encontro. Vamos lá, old sport:

GAT6

Uma brevíssima olhada sobre a importância e significado do romance O Grande Gatsby

gatsby-original-cover-art
A capa original do romance de 1925, pela Scribner’s

Escrito pelo americano Francis Scott Fitzgerald em 1925, O Grande Gatsby é considerada uma das melhores obras literárias de todos os tempos – e é vista como “um dos Grandes Romances Americanos” do Século XX. O livro ainda é leitura obrigatória em diversas escolas dos EUA e tema de análises que se extendem até hoje, sendo possido delimitar seus temas em dois tópicos principais: o sonho americano e a perseguição ao passado.

Ná época em que todos seguiam o “american way of life”, os EUA seguiam um ritmo festeiro que ficou conhecido como Era do Jazz – graças, também, à ascenção do estilo musical. O que os estudiosos em literatura apontaram, é como Fitzgerald captura o vazio na alta classe (Gatsby só dá todas as enormes festas para atrair seu amor perdido, perseguindo uma memória) e meio que “prevê” a quebra da bolsa de valores em 1929.

green
A luz verde: símbolo da ambição de Gatsby, do passado

Mas o que realmente me faz identificar com a trama (afinal, não sou estadunidense nem vivi na década de 20), é a questão do passado. Gatsby quer que quer recuperar os tempos gloriosos que passou com Daisy, é obcecado em alcançar a luz verde no fim do cais. É um desejo tão poderoso que o cega da realidade que habita.

O sentido vai além disso, então deixo aqui a mais poderosa escrita do livro para vocês tirarem suas próprias ideias:

Gatsby acreditava na luz verde, no futuro orgástico que ano a ano recua a nossa frente. Ele nos escapara então, mas isso não importava – amanhã correremos mais rápido, estenderemos mais adiante nossos braços… E numa bela manhã –

E assim prosseguimos, barcos contra a corrente, arrastados incessantemente para o passado.

gat1

Quem são os jogadores na Geração Perdida de Fitzgerald:

Jay Gatsby | Leonardo DiCaprio

jgats

Veterano da Primeira Guerra Mundial, o misterioso Jay Gatsby mudou sua vida ao abandonar seu passado de pobre para se tornar um poderoso milionário, mas com ligações suspeitas com a máfia de Nova York.  Na esperança de reencontrar seu amor perdido, ele administra uma série de festas gigantescas em sua luxuosa propriedade no West Egg da cidade, na imortal esperança de que um dia Daisy Buchanan apareça.

Daisy Buchanan | Carey Mulligan

daisyb

Daisy conheceu Jay Gatsby anos atrás, durante a guerra, e tornaram-se amantes até o momento em que este foi forçado a abandoná-la. Anos depois, ela está casada com o ricaço Tom Buchanan e mãe de duas filhas na propriedade de East Egg. Não demora para que ela reinicie seu romance com Gatsby quando os dois se reencontram, mas a moça encontra-se pressionada por seus dois amantes.

Nick Carraway | Tobey Maguire

nickc

Aspirante a escritor, Nick Carraway viaja para Nova York a fim de encontrar conexões de negócios. Se instalando no West Egg, ele aluga uma casa vizinha à mansão de Jay Gatsby e logo torna-se amigo do milionário, já que possui algo de seu interesse: é primo de Daisy Buchanan, e também servirá de ligação entre os dois. Carraway é o narrador da história e, no filme de Baz Luhrmann, escreve os eventos em um sanatório.

Tom Buchanan | Joel Edgerton

tomb

Colega de Nick Carraway e ex-jogador de futebol americano na faculdade, Tom é um sujeito de temperamento explosivo. Casado com Daisy e protetivo em relação a ela, esconde uma relação extra-conjugal com a esposa de seu colega mecânico, Myrtle. Com a entrada do misterioso Jay Gatsby em seu mundo, ele inicia uma investigação para encontrar os podres do sujeito.

Myrtle Wilson | Isla Fisher

myrtle

Presa em um casamento infeliz com o mecânico George Wilson, Myrtle encontra pequenos momentos de felicidade ao encontrar seu amante Tom na cidade. Mantendo um apartamento escondido com este, ela espera embarcar em uma vida de maior glamour.

George Wilson | Jason Clarke

wilson

Um dos menores personagens da trama, é um mecânico proprietário de uma pequena oficina na cidade. Tem um casamento infeliz com sua esposa Myrtle, e nem desconfia do adultério. Fiquem de olho, ele será muito importante na resolução da história.

GAT2

Uma breve análise sobre a trilha sonora pop do filme:

THE GREAT GATSBY
Tobey Maguire e Elizabeth Debicki curtem a balada do Gatsby

Em maio do ano passado, surgia o primeiro trailer de O Grande Gatsby. Além das belas imagens concebidas pelo diretor Baz Luhrmann, chamou muito à atenção a opção musical para embalar a prévia: uma canção pop de Jay-Z e Kanye West (No Church in the Wild) e outra rock de Jack White (em um cover de “Love is Blindness, do U2). Esse era apenas o passo inicial para a gigante coletânea que Luhrmann preparara para seu filme, uma das mais aguardadas dos últimos anos.

A história de Fitzgerald é ambientada na Nova York dos anos 20, embalada pela famosa “Era do Jazz”. Então, o que Florence + the Machine, Lana Del Rey, Beyoncé e tantos outros estão fazendo aí? A intenção de Baz Luhrmann ao trazer músicas modernas para um longa de época era justamente emular o efeito que o jazz causava nas pessoas, 90 anos atrás (porque, infelizmente, o jazz já não é mais tão popular atualmente).

Atrás do espírito festeiro, Luhrmann aliou-se ao músico Shawn “Jay-Z” Carter para recrutar os grandes talentos musicais da atualidade. Carter serve como produtor executivo do longa e ajudou no processo de gravação do álbum, que traz canções originais, covers e – o mais interessante – mixagens ao estilo jazz de músicas modernas (vide  “Crazy in Love, que recebe saxofones e baterias em sua nova composição). Além do lado mais pop, Craig Armstrong entra para fornecer uma trilha sonora instrumental.

Confira a tracklist do álbum:

100$ Bill – Jay-Z

Quando toca: Gatsby apresenta Nick ao mafioso Meyer Wolfshiem

Back to Black – Beyoncé X André 3000 (Cover de Amy Winehouse)

Quando toca: O Flashback que revela a riqueza de Gatsby

Young and Beautiful – Lana Del Rey

Quando toca: Diversas vezes, a melhor delas, quando Gatsby apresenta sua mansão

Love is Blindness – Jack White

Quando toca: SPOILER, selecione para ler -> Atropelamento de Myrtle

Crazy in Love – Emeli Sandé & The Bryan Ferry Orchestra (Cover de Beyoncé Knowles)

Quando toca: Gatsby enche a casa de Nick com flores

Bang Bang – will.i.am

Quando toca: Primeira música na festa de Gatsby

A Little Party Never Killed Nobody – Fergie, Q-Tip & GoonRock

Quando toca: Segunda música na festa de Gatsby

Love is the Drug – The Bryan Ferry Orchestra

Quando toca: Brevemente, quando um dos personagens liga o rádio

Heart’s a Mess – Gotye

Quando toca: Segunda música nos créditos finais

Where the Wind Blows – Coco O.

Quando toca: Rapidamente, quando Tom encontra Nick e Gatsby em um restaurante

No Church in the Wild – Jay Z & Kanye West

Quando toca: Apresentação dos anos 20

Over the Love – Florence + The Machine

Quando toca: No pós-festa de Gatsby

Together – The XX

Quando toca: Diversas vezes, geralmente quando há menção à luz verde. E nos créditos finais.

Into the Past – Nero

Quando toca: SPOILER, selecione para ler -> Morte do Gatsby

Kill and Run – Sia

Quando toca: Última música durante os créditos finais

gat3

Por que Baz Luhrmann resolveu gravar o filme em 3D?

THE GREAT GATSBY
Os hipster pira: óculos 3D um pouco mais saudosistas

Quando foi anunciada uma nova adaptação para o romance O Grande Gatsby, de F. Scott Fitzgerald, muitos foram intrigados com a presença da tecnologia 3D na realização do projeto. O filme dirigido por Baz Luhrmann é o primeiro da nova leva de estereoscopia que não é utilizada em uma produção fantasiosa ou que apresente explosões e super-heróis.

Logo fica a questão sobre como o 3D, um artifício cujo propósito é diretamente ligado ao espetáculo, se encaixaria num longa ambientado nos anos 20. Bem, não é a primeira vez que o cineasta australiano promove adaptações radicais para obras clássicas (basta lembrar-se de seu ultra pop Romeu + Julieta), e aqui ele pretende fazer uso dos óculos tridimensionais para servir à narrativa. Inspirado pelo trabalho de Alfred Hitchcock em Disque M para Matar, Luhrmann afirmou que o 3D o ajudará na questão do distanciamento humano que a trama tanto prega.

Entrevistado na Cinemacon deste ano, onde exibira as primeiras imagens em 3D do filme, o diretor apostou nas atuações do filme como seu “grande efeito especial”. Ainda na comparação com o filme de Alfred Hitchcock, ele ressaltou a beleza que era apenas observar seu elenco atuando sob os efeitos tridimensionais, fornecidos pelas novas câmeras Red Epic 3Ality 3D rigs.

A presença do 3D em O Grande Gatsby nos faz lembrar o que James Cameron dissera em 2009, quando afirmou que “até mesmo dramas como Juno ficariam melhores no formato”.

GAT5

Conheça as versões que a obra de Fitzgerald já ganhou para o cinema:

1926

26gatsb

Primeira adaptação da obra para o cinema – em plena década de 20, que timing – e também a mais fiel, de acordo com quem assistiu. Infelizmente nós do século XXI só podemos imaginar, já que o rolo de filme do longa encontra-se perdido. A única evidência de imagens é o breve trailer abaixo:

Até o Céu tem Limites (1949)

49gatsby

Como o filme de 1926 está perdido, pode-se dizer que esta é a versão mais antiga de O Grande Gatsby. Não assisti ao filme, mas ele traz Alan Ladd, Betty Field e Macdonald Carey como o trio protagonista de Gatsby, Daisy e Nick. Curiosamente, o longa de Elliot Nugent chegou ao Brasil com o título Até o Céu tem Limites.

1974

74gatsby

Certamente a mais popular de todas, o filme de Jack Clayton, com roteiro de Francis Ford Coppola, traz Robert Redford como Gatsby e Mia Farrow como sua amada Daisy. É uma adaptação fiel e que supera a versão de Baz Luhrmann no quesito roteiro, simplesmente por conseguir oferecer maior profundidade aos personagens secundários (como Myrtle e George Wilson). Mas só ganha nessa categoria, pois o filme – apesar da bela produção – desenrola-se com uma lentidão imprópria para algo situado na Era do Jazz.

2000

00gatsby

Feita como telefilme para a rede A&E, esta versão traz Paul Rudd (quando seu rosto não estava associado apenas às comédias de Judd Apatow) na pele do escritor Nick Carraway e Toby Stephens (que seria o vilão de 007 – Um Novo Dia para Morrer) como o milionário protagonista. É uma boa adaptação, ainda que Stephens não tenha nada do protagonista, portando um sorriso um tanto que maníaco – não é à toa que acabou enfrentando James Bond posteriormente.

G – Triângulo Amoroso (2002)

02g

Única versão que troca a década de 20 por um período atual, o filme de Christopher Scott Cherot não é uma adaptação assumida da obra de Fitzgerald, mas traz claros elementos desta. A história preserva o personagem rico que almeja reconquistar um amor perdido, só que agora toma lugar na Hamptons dos anos 2000 – e conta com quase todo o elenco negro. G – Triângulo Amoroso foi pouquíssimo divulgado, o que torna tão difícil de encontrá-lo.

GAT4

Com Baz Luhrmann fornecendo uma áurea pop ao Grande Gatsby, relembremos aqui outros casos de adaptações radicais:

Anna Karenina (2012)

ak

Clássico da literatura russa de Leo Tolstói, Anna Karenina ousou em sua sexta adaptação ao trazer fortíssimos elementos teatrais para sua narrativa. Na versão de Joe Wright para a trama de adultério nas altas classes, a história se desenrola toda dentro de um palco de teatro, rendendo diversos momentos memoráveis ao fazer uso de cortinas, cenários de pano e outros esquipamentos do teatro. Pena que essa ousadia não foi o bastante para salvar o filme.

De Olhos Bem Fechados (1999)

eyes

Stanley Kubrick sempre foi conhecido por suas adaptações que diferem radicalmente da obra original. Talvez o exemplo mais forte dessa característica esteja em seu longa final, De Olhos Bem Fechados, que parte de um romance alemão ambientado na Viena da virada do Século XX. Kubrick atualizou a história em um século, mas manteu a questão sobre adultério – e o baile mascarado – em seu núcleo.

Romeu + Julieta (1996)

romeo-juliet

Também de Baz Luhrmann, é a mais popular versão para o clássico de William Shakespeare. A abordagem aqui inclui uma atualização da história para a década de 90-  inserindo gangues, intrigas corporativas e armas de fogo na trama – mas mantendo a linguagem original da peça. A trilha sonora também adquire esse teor pop de O Grande Gatsby, mas é um caso de “ame ou odeie”. E eu odeio.

Menção Honrosa: Maria Antonieta (2006)

marie

Trata-se de um roteiro original, e não de um adaptação literária, mas impossível não deixar de fora o filme de Sofia Coppola sobre a rainha Maria Antonieta. Aqui, é mantida a linguagem da época e todos os figurinos, mas Coppola oferece um tratamento pop (novamente) à trilha sonora – que inclui canções do tipo “I Want Candy” e The Cure – e no tratamento adolescente à protagonista; deixando até um par de all stars como easter eggs.

O especial de O Grande Gatsby vai ficando por aqui, mas não deixe de conferir a crítica do filme aqui no blog amanhã. Espero que tenham curtido, até mais, Old Sports!

O GRANDE GATSBY ganha trailer final e lista de músicas

Posted in Trailers with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , on 4 de abril de 2013 by Lucas Nascimento

gatsby_11

Depois do pôster divulgado ontem, O Grande Gatsby 3D de Baz Luhrmann com Leonardo DiCaprio e Carey Mulligan ganhou hoje um novo trailer. Recheado de cenas inéditas, ele apresenta – assim como os antecessores – uma inspirada escolha musical pop. Confira:

Músicas no trailer: Cover de “Back to Black” por Beyoncé Knowles e André 3000, e as inéditas “Young and Beautiful” de Lana Del Rey e “Over The Love” de Florence + Machine

Confira também a tracklist da trilha sonora, divulgada hoje:

  1. 100$ Bill – JAY Z
  2. Back To Black – Beyoncé x André 3000
  3. Bang Bang – will.i.am
  4. A Little Party Never Killed Nobody (All We Got) – Fergie + Q Tip +GoonRock
  5. Young And Beautiful – Lana Del Rey
  6. Love Is The Drug – Bryan Ferry with The Bryan Ferry Orchestra
  7. Over The Love – Florence + The Machine
  8. Where The Wind Blows – Coco O. of Quadron
  9. Crazy in Love – Emeli Sandé and The Bryan Ferry Orchestra
  10. Together – The xx
  11. Hearts A Mess – Gotye
  12. Love Is Blindness – Jack White
  13. Into the Past – Nero
  14. Kill and Run – Sia

O Grande Gatsby vai abrir o Festival de Cannes em Maio e estreará no Brasil em 7 de Junho.

Primeira Olhada | O GRANDE GATSBY

Posted in Primeira Olhada with tags , , , , , , , , , , on 9 de junho de 2012 by Lucas Nascimento

O trailer de O Grande Gatsby, versão de Baz Luhrmann para o clássico de F. Scott Fitzgerald, já havia sido lançado há algumas semanas atrás, mas esperei para ler o livro antes de escrever minhas primeiras impressões sobre a prévia. Mas que puta livro e que puta trailer!


O plano plongé com as dançarinas

A prévia começa introduzindo seus cenários digitais da Nova York dos anos 20, a passo que começa a apresentar seus personagens e toda a ambientação da época. O estilo exuberante de Luhrmann cai como uma luva com as festas colossais que tomam presença de boa parte da história (o plano plongé com as duas dançarinas ficou ótimo) e até a trilha sonora pop – que traz Jack White e seu maravilhoso cover de “Love is Blindness” – se encaixa bem.


Leonardo DiCaprio é Jay Gatsby

O que nos leva a Leonardo DiCaprio como Jay Gatsby, o misterioso e complexo personagem que dá nome à obra de Fitzgerald. Alguns trechos de diálogos foram transportados fielmente para as telas (alegra-me a presença do “old sport”, termo que Gatsby usa com frequência) e momentos icônicos também parecem respeitados, como o reencontro de Gatsby com sua amada Daisy (Carey Mulligan). Aliás, a atriz parece ter acertado na caracterização da personagem, com sua “voz cheia de dinheiro”.


DiCaprio como Gatsby, Carey Mulligan como Daisy, Tobey Maguire como Nick Carraway e Joel Edgerton como Tom

Há também Tobey Maguire como o escritor Nick Carraway, que serve como narrador para a trama. O ator parece bem colocado (na imagem acima ele encontra-se quase que escondido entre os demais personagens, tal como se não passasse de um observador) e promete honrar o papel.


A bela cena de jogar as camisas

Outro detalhe importante é que O Grande Gatsby foi filmado em 3D, algo muito incomum para um filme de drama (aliás, é o primeiro filme do gênero a fazer uso da tecnologia), mas que certamente desperta curiosidade. Resta ver como Luhrmann usará essa ferramenta para contar a história.

O Grande Gatsby estreia no Brasil em 3 de Janeiro de 2013.

| Shame | Uma experiência cinematográfica triste e destruidora

Posted in Cinema, Críticas de 2012, Drama with tags , , , , , , , , on 21 de março de 2012 by Lucas Nascimento

Michael Fassbender em uma performance inesquecível

Há certas vezes em um filme, onde não precisamos entender a fundo o que está acontecendo ou porque está acontecendo, apenas contemplar o quê está acontecendo. Shame, nova colaboração entre o diretor Steve McQueen e o ator Michael Fassbender, encaixa-se bem nessa classificação ao apresentar uma abordagem sutil e adulta a um tema difícil e raramente explorado no cinema: o vício em sexo.

A trama acompanha Brandon Sullivan (Fassbender), um morador de Nova York que trabalha em uma bem-sucedida empresa – da qual nunca descobrimos sua função ou a do protagonista, e tais informações não seriam relevantes – e que tem uma vida sexual descontrolada. Mantendo seu vício com flertes em bares, prostitutas e pornografia na internet, a situação muda quando sua carente irmã Sissy (Carey Mulligan) chega para morar com ele.

É realmente espetacular a colaboração entre McQueen e Fassbender. Tendo trabalhado juntos em Hunger (que não assisti), a dupla alcança uma perfeição estética invejável; o ator alemão é um impecável profissional (como sua indicação ao Oscar não ocorreu, permanece um mistério) e carrega todo o filme nas costas, enquanto seu diretor exige o máximo de seu elenco e equipe – principalmente por seu uso constante de brilhantes planos-sequência (a corrida de Brandon pelas ruas é soberba) e suas tomadas contínuas, que conferem um certo ar realista e urgente à trama.

McQueen também trabalha de forma muito subjetiva. Por exemplo, nunca o roteiro assinado por Abi Morgan e pelo próprio diretor traz a expressão “vício em sexo”. É tudo pela observação e interpretação do espectador, tal como na linda cena em que Carey Mulligan canta uma versão melancólica de “New York, New York” (e McQueen, com ousadia, mantém a câmera em close no rosto da atriz durante os quase 5 minutos do número musical), e a popular canção de Frank Sinatra surge como uma própria mensagem a Brandon. O fato de o irmão da personagem chorar durante a triste cantoria, sugere mais sobre o obscuro passado dos dois, e implicita que o sujeito tenha abandonado sua família para uma vida solitária na Big Apple.

Polêmico por sua classificação NC-17 nos EUA (a mais alta existente), Shame não suaviza em suas constantes cenas de sexo. Nessas cenas, vê-se todo o esforço de Fassbender como ator, já que seu personagem aparentemente não sente prazer durante o ato; é apenas como se este recebesse mais uma dose de sua droga favorita, e é surpreendente o quão longe o sujeito possa ir para consegui-lo e revelador como este não faz dinstinção entre os sexos. Brandon é um personagem inrrotulável e muito interessante, e é ainda mais lúgubre acompanhar o complicado relacionamento deste com sua irmã, que ganha traços inocentes graças à performance de Mulligan; e ver uma discussão entre os dois, como na longa tomada em frente à televisão (que exibe um desenho animado, vejam só) é das mais intensas cenas do ano.

Shame é uma das experiências mais poderosas e devastadoras do ano. Traz um tema adulto sob o cargo de um cineasta talentoso e maduro, que explora com inteligência (e sem vergonha) as possibilidades de sua premissa e a força de seu ótimo elenco.

| Drive | Um anti-herói para se nunca esquecer

Posted in Ação, Cinema, Críticas de 2012, Drama, Indicados ao Oscar with tags , , , , , , , , , , on 10 de março de 2012 by Lucas Nascimento


O Motorista ou o Piloto? Ou simplesmente, Driver?

Não sabemos muito sobre o personagem de Ryan Gosling em Drive. Ele é silencioso, habilidoso com carros, simpático com seus vizinhos e também incrivelmente violento. Ele não participa de roubos ou assaltos, ele dirige. Sua função é tão fundamental, que nem o nome do Motorista nós descobrimos, mas o diretor Nicolas Winding Refn consegue manter o filme interessante todo o tempo, graças à sua inspirada direção.

A trama é sobre o Motorista misterioso comentado acima. Ele trabalha como dublê de filmes de ação em Hollywood, enquanto à noite ele age como piloto de fuga para roubos criminosos e atividades do gênero. Tudo muda quando ele se envolve com sua vizinha Irene (Carey Mulligan), e o marido da mesma, que o coloca dentro de um golpe envolvendo dois perigosíssimos criminosos.

Não há nada de novo ou revolucionário quanto ao roteiro de Drive, assinado por Hossein Amini (que adapta o livro de mesmo nome, de James Sallis), que segue uma estrutura básica e formulaica. Temos bons personagens e diálogos eficientes, mas o que realmente se destaca é a brilhante execução fornecida pelo diretor dinamarquês – merecidamente premiado em Cannes por seu trabalho, e injustamente esnobado pelo Oscar deste ano. Refn adota o Motorista como alma e centro do filme, e mesmo quando embarcamos em uma cena de perseguição, a câmera predomina no interior do veículo do protagonista – cujos olhos sempre são perceptíveis pelo retrovisor, numa esperta homenagem à Taxi Driver.

O estilo de Refn prepondera durante grande parte da projeção – o cineasta acerta ao não exagerar nos maneirismos, como fez Zack Snyder em seu Sucker Punch – Mundo Surreal – e rende momentos que já podem se considerar marcantes. A primeira cena já é um exemplo de inteligência e agilidade, onde conhecemos o protagonista, entendemos seu trabalho e a técnica com que realiza suas escapadas noturnas; e mal ouvimos uma palavra, já que a boa trilha de Cliff Martinez estabelece bem o clima, a passo que a trilha sonora instrumental oitentista (a indústria anda nostálgica, não?) fortalece e entretém determinadas cenas (como o uso da canção “Oh my love”, de Riz Ortolani, em uma situação-chave). E o que dizer daquela cena monstra do elevador? Linda, tensa, romântica e assustadoramente violenta. Ah sim, Drive não perdoa em seus frenesis de sangue e disparos de shotguns, e o fato de estas se darem de forma inesperada transforma a experiência em algo mais urgente e tenso (parabéns aos responsáveis pela edição de som).

Quanto ao elenco, Ryan Gosling abraça toda a persona calma do Motorista, contribuindo para a imagem subjetiva do personagem. É interessante ver como ele contracena com a inocente Irene (Carey Mulligan, fofa) ou com o companheiro Shannon (Bryan Cranston) e também que por mais que o Motorista seja agressivo, não há figura mais maldosa do que o Bernie Rose de Albert Brooks, ou o Nino de Ron Perlman, ambos surgindo como antagonistas memoráveis.

Muito estilo, boas músicas e momentos de tirar o fôlego e ainda sabemos muito pouco sobre o Motorista. Ele usa veste uma jaqueta bacana, mastiga um palito de dente, usa uma máscara inesquecível para completar um serviço e, principalmebnte, ele dirige/conduz toda a trama.

O Motorista de Drive acaba de entrar para a História.

Assista a 6 clipes de SHAME

Posted in Trailers with tags , , , , , , , , on 6 de dezembro de 2011 by Lucas Nascimento

O elogiado drama Shame estreiou semana passada nos EUA, mas o lançamento no Brasil só deve acontecer em Fevereiro. Até lá, a Fox Searchlight liberou 6 clipes do filme, todos com cenas aleatórias e sem nenhum spoiler da trama (incluindo a cantoria de Carey Mulligan). Depois de vê-los, minha vontade de conferi-lo é ainda maior, e admiro cada vez mais o trabalho de Michael Fassbender como ator. Confira:

“New York, New York”

“Boom Boom Room”

“Diversão”

“Conversa na Rua”

“Computador nojento”

“Flerte no Metrô”

Shame tem estreia prevista para Fevereiro no Brasil, com distribuição da Paris Filmes.