Arquivo para cenário

| Ponte dos Espiões | Crítica

Posted in Cinema, Críticas de 2015, Drama with tags , , , , , , , , , , , , on 21 de outubro de 2015 by Lucas Nascimento

4.5

BridgeofSpies
Estrada para a Perdição? Quase.

Ao longo de sua brilhante carreira, Steven Spielberg nos revelou que seu corpo e mente são habitado por duas entidades diferentes: o Spilba Divertido, que nos rendeu aventuras incomparáveis como TubarãoIndiana JonesJurassic Park, e o Spilba Sério, responsável por Amistad, A Lista de Schindler, Munique Lincoln. Em ambas as situações, temos uma maestria técnica indiscutível, já que o diretor é dono de um estilo único e que se manifesta independente do gênero. E mesmo que eu seja muito mais fã do Spilba da diversão, Ponte dos Espiões revela-se um dos mais afiados “filmes de gente grande” do diretor.

A trama é inspirada em eventos reais, nos transportando para o ano de 1957, no qual os EUA e a URSS estavam em plena tensão nuclear em decorrência de sua Guerra Fria. Entra o advogado de seguros James B. Donovan (Tom Hanks), que é escolhido pelo governo para auxiliar uma delicada troca de prisioneiros entre as nações inimigas: o espião russo Rudolf Abel (Mark Rylance) e o piloto americano Francis Gary Powers (Austin Stowell).

Isso é Spielberg clássico. O típico homem de família do bem que é jogado de sua rotina confortável para uma grande aventura que eventualmente o trará de volta para casa no final, para grande admiração de sua esposa e filhos. A diferença é que o cenário aqui é muito mais tenso e é retratado com uma seriedade maior do que aquele visto em, por exemplo, Contatos Imediatos do Terceiro Grau (não que Spielberg não leve a ficção científica a sério), dado o contexto político da trama. Logo em seus minutos iniciais, o diretor arrebenta com uma longa e muda sequência na qual somos colocados no meio de uma perseguição, mas sem saber exatamente quem persegue quem. Ajuda também a ausência da música que, pela primeira vez desde A Cor Púrpura, não traz a assinatura do mestre John Williams, deixando Thomas Newman com a responsabilidade, algo que o compositor faz muito bem.

E talvez fiquem surpresos, mas o roteiro é assinado por ninguém menos do que os irmãos Joel e Ethan Coen, que devem ter escrito o filme ao mesmo tempo em que cuidavam do texto de Invencível, dadas as ligeiras semelhanças entre ambos os filmes – prisioneiros de guerra, aviões de caça caindo do céu. Mas se no filme de Angelina Jolie não havia nada que lembrasse o estilo dos irmãos, aqui temos muitas sutilezas e tiradas que definitivamente vieram de suas mentes, como na sarcástica introdução de Donovan, cheia de verbarrogia em torno das frases “My guy, your guy”, ou o momento em que um personagem tem diversos telefones à sua mesa, atendendo o errado quando um deles toca. Mas não só isso, a prosa dos Coen e X é habilidosa ao lidar com pesadas quantidades de informações, jargar político e de Direito, de forma que não as torna incompreensível para o público, mas também não lhes sacrifica inteligência.

Tudo bem que o filme peca por sua longa duração, e por inevitáveis quebras de ritmo para servir de transição entre os acontecimentos principais, além de trazer a dipensável dramaticidade exagerada do Spilba Sério: mesmo que esteja na procura de um clima tenso para a tensão nuclear, mostrar crianças chorando na sala de aula enquanto assistem a imagens da bomba de Hiroshima me pareceu apelativo demais. E sendo um filme americano sobre a Guerra Fria, os EUA inevitavelmente assumirão o papel de mocinhos, mas o filme é eficiente na hora de dosar o patriotismo, não soando ofensivo ou propagandista como os desfiles militares de Michael Bay, afinal, isso fica evidente quando Donovan afirma para um representante russo que estes têm a chance de terem “um debate diplomático e neutro que suas nações são incapazes de realizar”, assumindo a posição de que o indivíduo aqui é mais importante – ou deveria dizer, mas sábio – do que a nação inteira.

Sendo uma produção de Spielberg, é tecnicamente impecável. Seu inseparável diretor de fotografia Janusz Kaminski retorna para trazer sua forte luz, chegando a literalmente cegar o espectador em alguns momentos (especialmente a cela de Abel, onde Donovan é praticamente uma figura divina), mas no geral sendo muito eficaz ao criar uma atmosfera sombria e perigosa. A cena em que Donovan é seguido por um estranho na chuva é excelente, e a presença de Hanks só ajuda que o breve momento nos remeta diretamente a Estrada da Perdição. O design de produção de Adam Stockhausen também acerta na reconstrução de época, especialmente nas cenas ambientadas na Alemanha Oriental, salientando as péssimas condições da pós-Segunda Guerra na região, e a câmera de Spielberg valoriza todos esses ambientes com planos abertos detalhadíssimos – vale apontar ser seu primeiro trabalho com lentes anamórficas desde Hook – A Volta do Capitão Gancho.

Navegando com perfeição por um tema delicado, Ponte dos Espiões surpreende por mostrar-se um trabalho de Steven Spielberg que consegue muito bem funcionar como um thriller de espionagem inteligente, sem deixar de lado a abordagem séria que o diretor vem buscando nos últimos anos.

Anúncios

| Êxodo: Deuses e Reis | Crítica

Posted in Aventura, Cinema, Críticas de 2014, Drama with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , on 29 de dezembro de 2014 by Lucas Nascimento

3.5

ExodusGodsAndKings
Christian Bale é Batman. E Moisés. Deal with it.

Com Noé oferecendo um excelente estudo de personagem em meio a uma trama religiosa que provoca questionamentos, confesso que não esperava muito de Êxodo: Deuses e Reis. Parecia mais espetáculo do que o de Darren Aronofsky, e anda difícil confiar em Ridley Scott ultimamente, mesmo que tenha um afinco especial pelos épicos. Mas olhar, além do espetáculo , o filme consegue surpreender em questões mais profundas.

O roteiro, que traz as assinaturas de Bill Collage, Adam Cooper e Steven Zaillian, se dedica a adaptar boa parte do livro do Êxodo, concentrando-se na vida de Moisés (Christian Bale). Primo adotivo do faraó Ramsés (Joel Edgerton), quando sua origem hebraica é exposta, ele é banido do reino e enviado junto a seu povo. Com ordens nebulosas daquele que ele crê ser Deus, ele desafia o poder de Ramsés e luta para libertar os hebreus de uma escravidão de 400 anos.

Dá até medo de entrar num filme destes, já que a garantia de exaustão é um perigo real. E de fato, em suas exaustas 2h30 de duração, Êxodo ganha e perde ritmo com frequência, e sua enorme quantidade de eventos, fases e passagens dos anos contribuem para isso; posso apenas imaginar como deve ter sido difícil para o montador Billy Rich organizar uma narrativa com tantos acontecimentos. Por outro lado, isso também garante que Êxodo possa se diversificar e garantir soluções elegantes para eventos que teriam sido maiores (e menos interessantes). A relação de Moisés com sua esposa Zipporah (María Valverde), por exemplo, é muitíssimo bem resolvida em duas cenas-chave que trazem o mesmo diálogo, só que colocadas em dois momentos diferentes da narrativa.

Especialista em capturar a grandiosidade que um épico necessita, Scott não deixa a desejar. O design de produção reconstrói (com computação gráfica e cenários reais) a imponência e magnitude dos palácios egípcios, assim como as decadentes habitações hebraicas. Os cenários e locações na Espanha (como as Ilhas Canárias) servem de palco para cenas de ação espetaculares, especialmente – como devem imaginar – o clímax que envolve um certo Mar Vermelho. A evocadora trilha sonora de Alberto Iglesias ajuda bastante.

Sempre intenso e entregue de corpo e alma a seus personagens, Christian Bale está ótimo, e constrói um Moisés forte e também complexo. Aliás, a complexidade e o questionamento é algo que sinceramente não esperava ver com tanta força aqui. Como Êxodo é um livro do Antigo Testamento, Deus aqui é um cruel assassino em massa em que garante pragas terríveis para os egípcios, e Scott é eficiente ao mostrar graficamente o efeito de ataques de crocodilos, pragas de gafanhotos e infecções de pele grotescas. Chega a causar um incômodo no espectador, e o tal êxodo do título nem é tão catártico, ou melhor, maniqueísta quanto poderia ter sido – o povo egípcio era merecedor de algo tão monstruoso? Muitos inocentes certamente foram trucidados, e os próprios hebreus sofriam como consequência (“Está atacando a quem?”, questiona o protagonista). Aliás, a ideia de representar Deus na Terra na forma de uma criança raivosa e vingativa é bem reveladora.

Êxodo: Deuses e Reis é um filme eficiente e que surpreende em sua abordagem, ainda que seja uma experiência maçante e cansativa em alguns momentos. Um épico que faz jus à promessa, e ainda oferece algo a mais.

Obs: O 3D do filme é bem decente.

Obs II: Entendo que é um filme sobre Moisés, mas Sigourney Weaver é imensamente desperdiçada aqui… Quero dizer, é a reunião “Alien” entre ela e Scott!

| Magia ao Luar | Crítica

Posted in Cinema, Comédia, Críticas de 2014, Romance with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 27 de agosto de 2014 by Lucas Nascimento

3.0

MagicIntheMoonlight
Emma Stone e Colin Firth: novas cartas no leque de Woody Allen

Algo um tanto curioso vem acontecendo com os últimos filmes de Woody Allen. Parece que o diretor/roteirista vem lançando um filme impecável em um ano, e um “divertidinho” em outro. Meia Noite em Paris foi seguido pelo simpático Para Roma, com Amor, que por sua vez foi superado pelo dramático Blue Jasmine, que agora vê no água com açúcar Magia ao Luar seu competente sucessor.

A trama é ambientada na década de 20, girando em torno do ilusionista Stanley (Colin Firth), que é também um especialista em desmascarar charlatões. Ele é convidado pelo amigo Howard Burkan (Simon McBurney) para viajar até o sul da França, onde uma família rica está encantada pelos dons sobrenaturais da jovem Sophie (Emma Stone), que se diz uma médium. Lá, Stanley tentará provar que a moça é uma farsa.

Parte comédia, parte filme de mistério, o longa é eficaz ao prender a atenção do espectador diante da dúvida que permeia a mente do protagonista: seria ou não, Sophie uma farsa. Emma Stone, ruiva (como deve ser) e divertidíssima na pele da misteriosa médium, acerta ao tornar as visões de sua personagem caricatas e geralmente permeadas por uma careta nada discreta, e a câmera de Allen claramente se apaixona pelas feições de Stone: reparem a simples beleza de uma iluminação natural em seu chapéu, durante um diálogo com Stanley à beira do lago. Aliás, não é só Stone que é capaz de enriquecer a tela: todos os cenários e ambientes da costa francesa que o diretor de fotografia Daris Khondji captura são belíssimos.

Ainda que essencialmente uma comédia, o roteiro de Allen é capaz de levantar muitas questões interessantes, através de diálogos estupidamente bem escritos. É como se no processo criativo, ele estivesse deitado em um divã relendo as obras de Nietschze enquanto questiona suas próprias crenças e valores existenciais, características fortemente apresentadas no personagem de Colin Firth – que se sai muito bem como a personificação de Allen na trama. Questões como o além-vida, espíritos e Deus são postas à mesa e se não são tão aprofundadas, no mínimo arrancam uma reflexão no espectador, por mais ínfima que seja.

Magia ao Luar é um filme agradável e com mais conteúdo do que se poderia imaginar de sua premissa, ainda que não seja particularmente estimulante ou mesmo tão original. Se a hipótese levantada no primeiro parágrafo se confirmar, mal posso esperar pra ver o que Woody Allen vai aprontar com Joaquin Phoenix e Emma Stone em seu próximo filme.

Preview: 2011 – Guia do que vem por aí

Posted in Preview with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 3 de janeiro de 2011 by Lucas Nascimento

 

Olá 2011! Depois de Natal, comemorações e festas, hora de nos agendarmos para mais um ano de cinema, que promete grandes filmes, sequências, adaptações, remakes, indicados ao Oscar… enfim, confira abaixo:

Incontrolável

O que é: Tony Scott e Denzel Washington voltam para as ferrovias na história de um trem carregado de explosivos, rumando sem controle para uma pequena cidade nos EUA.

Porque assistir: Pelo trailer, Washington e Chris Pine parecem formar uma boa dupla e aparenta ser uma boa diversão-pipoca.

Desconfianças: O estilo repleto de cortes rápidos e a direção exagerada de Tony Scott não me agradam nem um pouco.

Vontade de ver: 3.5/5

Estreia: 7 de Janeiro

Ficha Técnica

Bravura Indômita

O que é: O novo filme dos irmãos Joel e Ethan Coen, retomando a parceria com Jeff Bridges no remake do faroeste de John Ford, que conta a história de uma garotinha que busca vingança pela morte de seu pai.

Porque assisitr: Além de ser mais um filme da grande dupla, Bravura Indômita deve receber algumas indicações ao Oscar e o trailer promete uma aventura nostálgica e divertida.

Desconfianças: Sendo um remake, há sempre o perigo de o filme simplesmente copiar o original. Mas duvido que isso aconteça aqui.

Vontade de ver: 5/5

Estreia: 21 de Janeiro ATUALIZAÇÃO: Estreia adiada para 11/02.

Ficha Técnica

Deixe-Me Entrar

O que é: O remake americano de Deixa Ela Entrar, o melhor filme de vampiros já feito, que conta a relação entra uma vampira e um garoto atormentado por valentões na escola.

Porque assistir: Por se tratar do filme sueco e os críticos que assistiram alegam que é um bom remake, que não simplesmente copia o filme original e promete explorar mais a trama. Sem contar que é protagonizado pela ótima Chloe Moretz.

Desconfianças: Matt Reeves ainda é novo na cadeira de direção e desconfio se ele manterá o mesmo tom sombrio e silencioso do filme original e não exagerar nos efeitos visuais.

Vontade de ver: 5/5

Estreia: 28 de Janeiro

Ficha Técnica

Inverno da Alma

O que é: Elogiadíssimo drama sobre uma jovem de 17 anos que sai em busca de seu pai desaparecido e descobrir a verdade sobre ele.

Porque assistir: A trama é bem interessante e a novata Jennifer Lawrence me parece ser uma ótima atriz.

Desconfianças: Espero que não seja excessivamente melodramático.

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 28 de Janeiro

Ficha Técnica

Cisne Negro

O que é: Thriller psicológico de Darren Aronfosky sobre o cotidiano de uma bailarina que, literalmente, se transforma para conseguir protagonizar a peça O Lago dos Cisnes, tendo de ultrapassar uma concorrente misteriosa.

Porque assistir: Se a premissa não lhe interessa, talvez a presença de Natalie Portman, que sem dúvida será indicada ao Oscar, prometendo uma performance memorável.

Desconfianças: Pra mim, nenhuma!

Vontade de ver: 5/5

Estreia: 4 de Fevereiro

Ficha Técnica

O Discurso do Rei

O que é: Fortíssimo candidato ao Oscar, o filme retrata a vida do Rei George V e seu problema de gaguice.

Porque assistir: Pelo trailer, Colin Firth parece estar sensacional e o filme pode até ser divertido.

Desconfianças: O favoritismo pelo filme pode ser muito superestimado.

Vontade de ver: 3.5/5

Estreia: 4 de Fevereiro

Ficha Técnica

O Vencedor

O que é: Mais um drama que promete dar as caras no Oscar, mostra a relação de um boxeador com suas irmãs e seu irmão problemático viciado em drogas.

Porque assistir: Os constantes elogios sobre o elenco estão me deixando curioso quanto a suas performances, principalmente a de Christian Bale.

Desconfianças: Se você olhar para o trailer, percebe-se claramente que tem diversos elementos clichês e conhecidos de filmes de boxe. Parece Rocky com Mark Whalberg.

Vontade de ver: 3.5/5

Estreia: 11 de Fevereiro

Ficha Técnica

127 Horas

O que é: A história real do alpinista Aron Ralston, que numa expedição nos cânions dos EUA, acaba preso entre dois desfiladeiros com uma rocha de 200 quilos em cima de seu braço. Depois disso, ele tem que sair de lá.

Porque assistir: Se você, assim como eu, adora filmes claustrobóficos que se passam em um único cenário, parece uma ótima pedida. Vale também pela elogiada atuação de James Franco e a polêmica que o filme causou em suas exibições.

Desconfianças: Se cair na melancolia extrema…

Vontade de ver: 4.5/5

Estreia: 18 de Fevereiro

Ficha Técnica

Reencontrando a Felicidade

O que é: Drama com Nicole Kidman e Aaron Eckhart, que vivem um casal tentando superar uma grande tragédia e encontrar a felicidade.

Porque assistir: Provavelmente vai arrancar algumas indicações ao Oscar e este pode ser o filme que vai devolver a Nicole Kidman seu reconhecimento perdido.

Desconfianças: Pode parecer meio repetitivo, mas este é mais um filme que pode ser destruído se sobrecarregar nas doses melodramáticas.

Vontade de ver: 3.5/5

Estreia: 18 de Fevereiro

Ficha Técnica

O Besouro Verde

O que é: A versão para os cinemas da famosa série de TV que antes era protagonizada por Bruce Lee, sobre uma dupla de vigilantes que se veste de bandidos para se aproximar do crime.

Porque assistir: Primeiro que Michel Gondry é brilhante, e sua estética visual está bem bacana nos trailers. Segundo, Seth Rogen que co-assina o roteiro com seu amigo Evan Goldberg (juntos escreveram Superbad) e faz o protagonista, prometendo muitas piadas.

Desconfianças: Piadas são sempre bem-vindas, claro, mas o filme não pode se transformar em comédia.

Vontade de ver: 3.5/5

Estreia: 25 de Fevereiro

Ficha técnica

Bruna Surfistinha

O que é: Adaptação do livro O Doce veneno do Escorpião, que narra a história da Bruna Surfistinha, uma jovem que passou a relatar suas “experiências” em um blog de internet.

Porque assistir: Deborah Secco.

Desconfianças: Um filme desses tem potencial? Já não vimos histórias parecidas com essa?

Vontade de ver: 3/5

Estreia: 25 de Fevereiro

Ficha Técnica

Invasão do Mundo: A Batalha de Los Angeles

O que é: Os alienígenas chegam na Terra e começam a dominar o planeta inteiro; o longa (que pelo título, pode gerar sequências) foca um grupo do exército americano enfrentandos as ameaças em Los Angeles.

Porque assistir: O filme despertou grande interesse e chamou atenção na Comic-Con e o cinema precisa de uma nova franquia de alienígenas; quem sabe se poderá ser esta?

Desconfianças: Será que o longa terá uma trama sustentável, bons atores e não vai cair no patriotrismo exagerado?

Vontade de ver: 3/5

Estreia: 18 de Março

Ficha Técnica

Paul

O que é: Comédia sobre dois amigos que encontram um alienígena foragido da Área 51 e resolvem ajudá-lo a voltar para seu planeta.

Porque assistir: Tem o Simon Pegg e Nick Frost, essa dupla é imbatível.

Desconfianças: A premissa é boa suficiente pra um filme inteiro? Será que vai cair no velho Road Movie?

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 18 de Março (EUA, vai saber se ele chega no Brasil…) ATUALIZAÇÃO: O filme chega no Brasil em 30 de Setembro.

Ficha Técnica

Sucker Punch – Mundo Surreal

O que é: O novo delírio visual de Zack Snyder nos apresenta à Babydoll, uma jovem trancada em um hospício e que nele cria um mundo imaginário em sua mente, onde ela deve encontrar 5 objetos para sobreviver.

Porque assistir: Se tem alguém na atualidade que domina visual e ação como ninguém é Snyder, que promete uma trama bem simples e um típico filme-pipoca, além de ter muitas beldades em seu elenco.

Desconfianças: Esse é o primeiro filme original de Snyder (os outros eram adaptações e remakes) e fica a dúvida se sua criatividade vai além do belo visual.

Vontade de ver: 5/5

Estreia: 23 de Março

Ficha Técnica

Rio

O que é: Nova animação de Carlos Saldanha, mostra a aventura de uma arara que sai dos EUA para viver no Rio de Janeiro.

Porque assistir: Saldanha já provou com A Era do Gelo 3 que sabe divertir o público e tem um elenco de vozes muito bom.

Desconfianças: Se o humor for só para crianças, será só para crianças.

Vontade de ver: 3/5

Estreia: 8 de Abril.

Pânico 4

O que é: O retorno do assasino Ghostface e dos protagonistas da série original, dessa vez utilizando as “regras” de fillmes de terror atuais.

Porque assistir: Wes Craven foi o último que soube como criar serial killers realmente memoráveis e icônicos. Sem falar que o cinema de terror atual precisa da metalinguagem de Pânico.

Desconfianças: Será que Craven vai saber “brincar” com a nova geração?

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 15 de Abril

Ficha Técnica

Your Highness

O que é: Comédia do mesmo diretor de Segurando as Pontas, que dessa vez promete satirizar os filmes de cavalaria e ideade média.

Porque assistir: Daniel Gordon Green, James Franco, Danny McBride e Natalie Portman de fio dental. Quer mais?

Desconfianças: Esse tipo de filme sempre tem o perigo de apelar para o humor pastelão sem graça.

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 8 de Abril (EUA, mas quero ver se chega no Brasil…) ATUALIZAÇÃO: O filme chega no Brasil em 26 de Agosto.

Ficha Técnica

A Garota da Capa Vermelha

O que é: A clássica história da Chapeuzinho Vermelho ganha uma roupagem diferente, que envolve um romance entre Valerie e um estranho, que pode ser o lobisomem que assombra a vila onde ela mora.

Porque assistir: Pelo trailer, o visual é bem interessante e fazer uma versão sombria da história pode dar certo.

Desconfianças: Além de mudar diversos elementos da trama original, a intenção de ter um novo Crepúsculo é óbvia e preocupante.

Vontade de ver: 2.5/5

Estreia: 21 de Abril

Ficha Técnica

Thor

O que é: Mais um super-herói da Marvel que vai ajudar a preencher o grupo dos Vingadores, o deus do Trovão Thor é banido por seu pai Odin para o planeta Terra, onde enfrentará uma lição de humanidade.

Porque assistir: Se você pretende ver Os Vingadores, Thor é uma peça essencial do vindouro filme do super-grupo, além de possuir uma história muito interessante e um bom elenco.

Desconfianças: Se for soltando várias “pistas” e sobrecarregar de personagens – vide Homem-de-Ferro 2 -, vai dar errado.

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 29 de Abril

Ficha Técnica

Piratas do Caribe – Navegando em Águas Misteriosas

O que é: A quarta aventura do pirata Jack Sparrow, só que dessa vez sem os coadjuvantes Will e Elizabeth. Dessa vez, o excêntrico capitão vai atrás da Fonte da Juventude, enfrentando uma ex-namorada e o temível pirata Barba Negra. 

Porque assistir: Sem Will e Elizabeth, a trama pode ser mais focada em Sparrow, e não se perder nas subtramas como no filme anterior.

Desconfianças: O diretor Rob Marshall, especializado em musicais como Chicago e Moulin Rouge é mesmo a melhor escolha?

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 20 de Maio

Ficha Técnica

Se Beber, Não Case! – Parte II

O que é: A continuação da hilária comédia de despedida de solteiro em Las Vegas, a confusão agora será ambientada na Tailândia e terá o dentista Stu se casando (sóbrio, dessa vez).

Porque Assistir: Se você gostou do grande elenco do filme anterior, fará de tudo para encontrá-los novamente.

Desconfianças: O problema é se os roteiristas tentarem refazer o primeiro filme, colocando a mesma estrutura de festa-ressaca-descobrir o que aconteceu.

Vontade de ver: 5/5

Estreia: 27 de Maio

Ficha Técnica

Um Novo Despertar

O que é: Dirigido por Jodie Foster e estrelado por Mel Gibson, conta a história de um sujeito deprimido que acaba adotando uma marionete como responsável por sua vida.

Porque assistir: A premissa é muito interessante e Jodie Foster mostra-se muito segura na direção.

Desconfianças: O sucesso do filme depende de Mel Gibson, que está em sua pior fase de carreira e vida pessoal.

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 27 de Maio

Super 8

O que é: O Cloverfield de 2011. Dirigido e escrito por JJ Abrams – e apadrinhado por Steven Spielberg – o filme mostra um, grupo de crianças que enfrenta misteriosas ameaças alienígenas, que fugiram da Área 51.

Porque assistir: Porque você vai querer saber mais sobre ele não é?

Desconfianças: Nesse tipo de filme onde você não sabe nada sobre a trama, a expectativa pode ser muito grande, e o resultado, médio ou até fraco.

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 1 de Junho

Ficha Técnica

X-Men: Primeira Classe

O que é: O novo filme dos mutantes da Marvel, que vai focar nos primeiros anos da Escola de Charles Xavier e sua relação de inimizade com Magneto.

Porque assistir: O diretor é Matthew Vaughn, o mesmo de Kick-Ass; o cara tem estilo e parece ter uma visão diferente em relação a super-heróis.

Desconfianças: Quase nenhum dos personagens clássicos estará aqui (exclua Wolverine, Jean, Ciclope e outros) e será que a Fox vai deixar Vaughn trabalhar do seu jeito e não atrapalhar no projeto (isso aconteceu com X-Men Origens: Wolverine), tentando transformá-lo em um Crepúsculo com mutantes?

Vontade de ver: 3.5/5

Estreia: 3 de Junho

Ficha Técnica

Velozes 5

O que é: Mais corridas ilegais, dessa vez no Brasil.

Porque assistir: O elenco recuperou alguns dos protagonistas dos anteriores e conseguiu adições interessantes, como Dwayne Johnson.

Desconfianças: Sejamos honestos; passa filme, passa carro e Velozes e Furiosos já não empolga como antes.

Vontade de ver: 2/5

Estreia: 6 de Junho

Ficha Técnica

Monstros

O que é: Ficção científica no mesmo tom de Distrito 9, mostra uma espécie alienígena se alastrando no México e um jornalista que tenta encontrar a filha de seu patrão nesse cenário.

Porque assistir: Tem uma trama promissora e uma campanha de marketing caprichada que chama a atenção.

Desconfianças: Parece que está virando moda fazer filmes de alienígenas/monstros de forma realista em tom de documentário, e me pergunto se o sub-gênero ainda tem fôlego.

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 10 de Junho

Kung Fu Panda 2

O que é: Sequência do mediano filme de 2008, mostrará Po tendo sua vida de sonhos interrompida com a chegada de um perigoso vilão que pretende dominar a China.

Porque assistir: O grande elenco do original está de volta.

Desconfianças: O primeiro filme foi muito mediano e sem graça, será que a sequência acerta?

Vontade de ver: 2/5

Estreia: 10 de Junho

Carros 2

O que é: Continuação do longa animado de 2006, vai mostrar os personagens do anterior em uma trama que envolve espionagem.

Porque assistir: Pixar.

Desconfianças: Carros é, de longe, o filme mais inferior da Pixar.

Vontade de ver: 3.5/5

Estreia: 24 de Junho

A Árvore da Vida

O que é: Novo filme de Terrence Malick, que demorou quase três anos para ficar pronto, mostra a história de Jack e sua trajetória ao aprender as coisas da vida, chegando no ponto de lidar com a morte de seus irmãos.

Porque assistir: O filme em si gera muita expectativa e esse promete ser o mais sensível e ambicioso projeto de Malick.

Desconfianças: Pelo trailer, fica clara a complexidade da trama, que se não orquestrada apropriadamente, pode tornar-se cansativa.

Vontade de ver: 3.5/5

Estreia: 1 de Julho

Ficha Técnica

Transformers 3

O que é: O novo filme dos robôs-gigantes-alienígenas-transformistas, dessa vez em 3D. A trama não foi muito detalhada, mas envolverá conspirações sobre o pouso lunar durante a Guerra Fria.

Porque assistir: Michael Bay já assumiu em diversas entrevistas sobre a mediocricidade do segundo filme, o que me leva a crer que ele aprendeu com seus erros e a premissa sobre pouso lunar é interessante.

Desconfianças: Se tem Michael Bay envolvido, sempre haverão desconfiaças…

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 1 de Julho

Ficha Técnica

Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2

O que é: A segunda parte de As Relíquias da Morte, que mostrará Harry e seus amigos procurando as horcruxes restantes e encarar de uma vez por todas o Lorde Voldemort.

Porque assistir: Caramba… É o final de uma das maiores franquias cinematográficas da história e David Yates já começou o jogo muitíssimo bem na Parte 1.

Desconfianças: Terminar a saga Harry Potter necessita de muito cuidado e trabalho duro. Não estou especificando alguma desconfiança, apenas alertando do perigo.

Vontade de ver: 5/5

Estreia: 15 de Julho

Ficha Técnica

Capitão América – O Primeiro Vingador

O que é: O Primeiro Vingador do grupo da Marvel, Capitão América: o herói geneticamente alterado que lutou na Segunda Guerra Mundial contra nazistas e o tenebroso Caveira Vermelha.

Porque assistir: Mais uma vez, peça fundamental no tabuleiro dos Vingadores e ver um super-herói lutando nas batalhas da Segunda Guerra pode ser algo muito interessante.

Desconfianças: Joe Johnston é um diretor muito limitado e se o longa se render ao patriotrismo exagerado a là Michael Bay…

Vontade de ver: 4.5/5

Estreia: 29 de Julho

Ficha Técnica

[Rec]³: Genesis

O que é: Novo filme da franquia espanhola de zumbis-demônios, dessa vez promete mostrar a origem do vírus que se espalha nos primeiros filmes.

Porque assistir: Os dois primeiros filmes são excelentes e deve ser interessante acompanhar mais um filme.

Desconfianças: Mostrar a “origem do mal” é uma péssima ideia, porque estraga o elemento de desconhecido que o primeiro filme introduziu.

Vontade de ver: 3.5/5

Estreia: 29 de Julho (Espanha, no Brasil deve demorar…)

Cowboys & Aliens

O que é: Adaptação de uma graphic novel, o filme mostra uma invasão alienígena em pleno período do Velho Oeste, onde um estranho que fora abduzido pode ser a única salvação.

Porque assistir: Juntar faroeste e alienígenas em um filme é uma promissora ideia que ningúem nunca teve e têm James Bond e Indiana Jones liderando o elenco.

Desconfianças: Se Jon Favreau não tiver cuidado, estará criando o novo As Loucas Aventuras de James West. E ninguém quer isso…

Vontade de ver: 3.5/5

Estreia: 12 de Agosto

Ficha Técnica

Lanterna Verde

O que é: A DC comics entra na guerra contra a Marvel e começa a adaptar seus heróis menos conhecidos. O filme é sobre Hal Jordan, que é escolhido por um anel alienígena para se tornar um dos Lanternas Verde, uma polícia intergaláctica.

Porque assistir: É bom ver a DC aproveitando mais seus personagens. A história do Lanterna é muito interessante e promete mesclar aventura, ficção científica e humor, tudo temperado com excelentes efeitos visuais e a boa direção de Martin Campbell.

Desconfianças: Será que Ryan Reynolds segura um blockbuster desse tamanho?

Vontade de ver: 4.5/5

Estreia: 19 de Agosto

Ficha Técnica

O Homem do Futuro

O que é: Comédia de ficção científica que mostra um cientista frustrado que volta no tempo tentando consertar sua vida e conseguir a mulher de seus sonhos.

Porque assistir: É bom ver o cinema nacional tentando alterar os gêneros (chega de comédias românticas e filmes-favela) e arriscar em uma ficção científica que parece ser muito divertida.

Desconfianças: Nesse tipo de filme, é preciso equilibrar as doses de humor com as de ficção científica; se errar, o filme não vai funcionar.

Vontade de ver: 3.5/5

Estreia: 2 de Setembro

Uma Semana com Marilyn

O que é: Adaptação do livro de Colin Clark, que relatou suas experiências com a atriz Marilyn Monroe durante as filmagens de O Príncipe Encantado.

Porque assistir: Nunca fizeram um filme sobre a icônica Marilyn Monroe e Michelle Williams ficou muito parecida com ela e promete uma performance genial.

Desconfianças: Parece uma grande responsabilidade assumir um projeto desses e um diretor novato no cinema pode não ser a escolha certa.

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 16 de Setembro

A Hora do Espanto

O que é: Refilmagem de um clássico do terror da década de 80, que mostra um jovem fascinado por histórias de terror que descobre que seu vizinho é um vampiro.

Porque assistir: Mais pelo elenco, Anton Yelchin e Christopher Mintz-Plasse são ótimos atores e Colin Farrel promete roubar a cena.

Desconfianças: Caramba, será que filmes de vampiros não vão parar de vir? E precisava mesmo refilmar mais um clássico oitentista?

Vontade de ver: 3/5

Estreia: 14 de Outubro

A Saga Crepúsculo: Amanhecer Parte I

O que é: A primeira parte do aguardado final (aguardado porque a maioria não vê a hora de acabar) da Saga Crepúsculo, que mostrará Bella virando vampira e enfrentando as ameaças do clâ Volturi.

Porque assistir: Amanhecer tem uma história mais madura e o diretor pode ajudar a por ordem nessa franquia.

Desconfianças: Se for monótono, meloso e sem nada de relevante como no filme anterior, é furada.

Vontade de ver: 3/5

Estreia: 11 de Novembro

Ficha Técnica

As Aventuras de Tintim – O Segredo do Unicórnio

O que é: A aguardada adaptação dos livros de Tintim, sob a direção de Steven Spielberg e produção de Peter Jackson, utilizando captura de movimentos e filmagens em 3D esteroscópico. Este primeiro adaptará O Segredo do Unicórnio e uma trilogia está sendo idealizada.

Porque assistir: Quem nunca leu ou assistiu Tintim? As histórias são excelentes e Spielberg e Jackson trabalhando juntos – com um ótimo elenco –  já é motivo para assistir, não importa o que seja.

Desconfianças: A captura de performances usada aqui alcançará um resukltado similar ao de O Expresso Polar e A Lenda de Bewoulf, que não foram muito bem aceitos por hollywood…

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 11 de Novembro

Ficha Técnica

A Invenção de Hugo Cabret

O que é: Novo filme de Martin Scorsese, conta uma história fantasiosa – ambientada no século XX –  sobre um menino que vive numa estação de trem e  descobre um andróide, prestes a revelar uma importante mensagem.

Porque assistir: Martin Scorsese, Chloe Moretz e Sacha Baron “Borat” “Bruno” Cohen em uma aventura cuja premissa é muito interessante.

Desconfianças: Scorsese nunca dirigu um filme “leve” para toda a família, resta esperar se ele combina com o gênero.

Vontade de ver: 4.5/5

Estreia: 9 de Dezembro

O Gato de Botas

O que é: O filme-solo do impagável Gato de Botas, que mostrará desde seu nascimento até sua transformação em temível matador de ogros.

Porque assistir: O Gato de Botas de Antônio Banderas é sem dúvida o melhor personagem da franquia Shrek e todos queremos saber mais sobre ele.

Desconfianças: O que torna o personagem tão chamativo é seu misterio e papel secundário; torná-lo protagonista de seu próprio longa pode acabar com a graça. Ou não.

Vontade de ver: 3.5/5

Estreia: 9 de Dezembro

Sherlock Holmes  – A Game of Shadows

O que é: Nova aventura da versão truculenta de Sherlock Holmes, que dessa vez enfrentará o perigoso Professor Moriarty.

Porque assistir: O primeiro filme foi uma peça de entretenimento genuíno e descontraído, além de possuir Robert Downey Jr. em uma das melhores performances de sua carreira. O segundo filme promete…

Desconfianças: O roteiro deve ser melhor e as cenas de ação precisam ser mais controladas – no primeiro elas aparecem toda hora, de forma desconexa – e o mistério, maior.

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 16 de Dezembro

Ficha Técnica

The Girl with the Dragon Tattoo

O que é: Remake do controverso filme sueco Os Homens que não Amavam as Mulheres, sobre uma hacker e um jornalista que tentam desvendar um misterio envolvendo o desaparecimento de uma jovem.

Porque assistir: David Fincher é um dos melhores diretores da atualidade e ele reuniu um grande elenco para a refilmagem, liderado pela promissora Rooney Mara.

Desconfianças: Precisava mesmo refilmar?

Vontade de ver: 4/5

Estreia: 21 de Dezembro, no Brasil em 10 de Fevereiro de 2012…

Ficha Técnica

Missão Impossível: Ghost Protocol

O que é: Ethan retorna em uma quarta aventura que promete recomeçar a franquia. Nenhuma informação sobre a trama, cujas filmagens passaram pelo prédio mais alto do mundo, em Dubai.

Porque assistir: Quem dirige é Brad Bird, que dirigiu algumas das melhores animações da Pixar e parece ter ideias muito chamativas para o filme.

Desconfianças: Assim como muitas franquias por aí, Missão Impossível também está perdendo ânimo.

Vontade de ver: 3.5/5

Estreia: 30 de Dezembro

Bem, aqui estão algumas das principais estreias. É claro que ao longo do ano, mais filmes serão lançados (as surpresas e produções menores/ independentes) e não esqueçam: as datas de lançamento podem vir a mudar. Espero que tenham apreciado minha seleção e fiquem ligados para as primeiras críticas aqui no blog.

Luz, Câmera… Porrada! | Especial OS MERCENÁRIOS

Posted in Especiais with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 9 de agosto de 2010 by Lucas Nascimento

O aguardado filme de ação de Sylvester Stallone chega nos cinemas, sendo marcado por um elenco de sonhos de todo fã de ação, filmagens no Brasil e algumas polêmicas. Acompanhe esse especial:

Making Of

A intenção de Sly (apelido popular de Sylvester Stallone), era reunir um grande elenco de astros de pancadaria para um filme de ação à moda antiga, ou seja, não haverão inovações e sim muitos clichês; mas pra um fã de ação, quem vai ligar, certo?

Parte das filmagens do filme aconteceram no Brasil, no Rio de Janeiro, em Março do ano passado; o cenário do filme é um país fictício. Houve uma polêmica recentemente depois de uma brincadeira sem graça levada a sério demais por aqui. Esquentando a chapa, a O2 Filmes acusou a produtora Millenium de ter deixado uma dívida de 3 milhões. A produção desmentiu a acusação; resta escolher em quem você acredita.

Personagens

Conheça os principais valentões de Os Mercenários:

1. Dan Pine (Steve Austin): Guarda costas do agente da CIA James Monroe.

2. Toll Road (Randy Couture): Especialista em demolições do grupo.

3. Gunnar Jensen (Dolph Lundgren): Atirador sniper da Suécia. Já encarou Stallone em Rocky IV, como o lutador soviético Ivan Drago.

4. Yin Yang (Jet Li): Expert em artes marciais, Yin Yang sempre se aproveita de sua vantagem de ser “pequeno”.

5. Barney “The Schizo” Ross (Sylvester Stallone): Veterano de Operações Especiais dos EUA, Barney é o líder da equipe e especialista em qualquer tipo de combate.

6. Lee Christmas (Jason Statham): Ex-Membro da Cavalaria Aérea americana, Lee é o segundo no comando na equipe; sendo grande amigo de Barney e especialista em combates corpo-a-corpo e com facas.

7. Hale Caesar (Terry Crews): Melhor amigo de Yin, é o alívio cômico da equipe (basta olhar a carreira do comediante) e especialista em armas pesadas.

8. Tool (Mickey Rourke): Ex-Mercenário (Expendable) da equipe de Barney, Tool passa seus dias de aposentadoria vendendo armas de fogo e fazendo tatuagens em seu próprio negócio.

9. Sr. Church (Bruce Willis): Misterioso sujeito que contrata os Mercenários para sua missão. Só possuí uma cena, que dividirá com Sly e Arnold Schwarzennegger.

10. Trench (Arnold Schwarzenneger): Não está na foto, mas vamos contar com sua presença “em espírito”. Trench é um antigo rival de Barney, e ex-líder da equipe original.

Medidor de pancadaria

Uma pequena análise sobre alguns filmes da carreira do trio principal de Os Mercenários:

Boom: Grandes cenas de ação

Confira abaixo algumas cenas de ação que eu acho espetaculares!

Perseguição na via expressa (Matrix Reloaded) 

Sem dúvida uma das melhores perseguições de carros de todos os tempos. Os heróis Morpheus e Trinity tentam fugir com o Chaveiro dos enigmáticos personagens Gêmeos. Atraem a atenção da polícia com tiros, destroem carros, roubam motos e terminam com uma espetacular colisão entre dois gigantescos caminhões. Excelente, sem mencionar a empolgante trilha sonora.

Sonhos dentro de sonhos (A Origem)

Podem me criticar por ser recente demais, mas a missão da equipe de Cobb encara três sonhos em três ambientes completamente diferentes; um hotel que perde sua gravidade, ruas castigadas por uma chuva forte e uma invasão a uma fortaleza na neve. Detalhe; tudo ao mesmo tempo. Coisa de gênio.

O Dia-D ( O Resgate do Soldado Ryan)

Nunca uma batalha de guerra havia ganho um tratamento assim. O realismo cru e frio da abertura do filmaço de Steven Spielberg é perturbador, as mortes violentas e o som é ensurdecedor. Um caprichado trabalho de montagem e de direção, que nos dá uma ideia do quão aterrorizante deve ter sido esse ataque. Nunca haverá uma cena como essa na história dos filmes de guerra.

Perseguição em Madagascar (007 – Cassino Royale)

Não foram carros velozes ou bugigangas bizarras que provaram a competência física de Daniel Craig como James Bond em sua reinvenção; foi uma sensacional perseguição a pé. Atravessando construções, guindastes e hotéis; o agente não mede esforços para capturar um fabricante de bombas (vivido pelo free runner profissional Sebastien Foucan). Um verdadeiro balé de manobras e saltos.

Os Últimos Grande Heróis

John McClane

Protagonizando quatro filmes da série Duro de Matar, o policial vivido por Bruce Willis é com certeza um dos melhores heróis de ação de todos os tempos. Têm muito senso de humor, bordões memoráveis e sabe o que fazer quando tem uma arma.

James Bond

Tendo sido interpretado por seis atores, o melhor e mais famoso espião de todos os tempos é o tipo “mulheres querem transar com ele e homens querems ser igual a ele”. Protagonizou a maior franquia da história do cinema; até agora são 22 filmes, e a série ainda está longe de acabar.

Indiana Jones

Suas aventuras atrás dos maiores tesouros da civilização são as melhores do gênero. O chapéu e o chicote são marcas registradas, Harrison Ford interpreta  o arqueólogo cheio de personalidade e senso de humor. Clique aqui para entender como o herói encara uma ameaça.

Rocky Balboa

Não é o único personagem memorável vivido por Stallone (há também John Rambo), mas é o mais crível e realista, sendo muito mais fácil de se identificar. Lutando nas ruas e nos ringues, encarando lutadores egocêntricos e, até mesmo artificiais, Rocky pode não ter matado ninguém, mas é ícone do cinema de ação.

O Exterminador

De vilão no primeiro filme para herói no segundo, o robô quase indestrutível é meu personagem favorito de Schwarzenegger. Acerta por conseguir dar humanidade a uma máquina, desenvolvendo-o e, é claro, chutando bundas em ótimas cenas de ação. Desculpe, eu tenho de dizer isso: Hasta la vista, Baby.

Bem, o especial vai ficando por aqui, mas pretendo assistir a Os Mercenários essa semana. Aguarde pela crítica!

| Alice no País das Maravilhas | Overdose visual e pouca história

Posted in Aventura, Cinema, Críticas de 2010, Indicados ao Oscar with tags , , , , , , , , , , , , , on 25 de abril de 2010 by Lucas Nascimento

     A carismática Mia Wasilkowska na pele de Alice

Uma coisa é certa sobre Alice no País das Maravilhas, e você já deve ter ouvido isso muito, o visual é sensacional, como sempre, tratando-se de Tim Burton, visionário cineasta gótico que raramente erra e sempre da luz a projetos memoráveis. Infelizmente, não foi o mesmo com a aventura esperta de Lewis Carroll infantilizada pela Disney.

Na trama, Alice retorna ao País das Maravilhas, onde descobre que o local foi dominado pela perversa Rainha de Copas (ou Vermelha). Ela contará com a ajuda do Chapeleiro Louco e da Rainha Branca para restaurar a paz no mundo mágico.

Acho que Tim Burton não deu tudo de si nesse novo filme. Eu esperava uma aventura um pouco mais sombria, ou no mínimo empolgante, coisa que o roteiro traz em minoria. A trama simplesmente não me chamou atenção, as ideias interessantes de Carroll são ofuscadas e o filme teima em terminar com um clímax de batalha arrastado. E com Burton na coleira da Disney, o filme torna-se infantilizado demais.

Johnny Depp e Helena Boham Carter divertem nos papeis do Chapeleiro e da Rainha de Copas, mas a missão de dar vida à Alice fica com a pouco conhecida Mia Wasilkowska, que esbanja carisma e talento, com um toque bizarro de todo protagonista de Burton. Os cenários são sensacionais, o figurino muito eficiente e a trilha de Danny Elfman (que apesar de parecer um pouco repetida) agrada aos ouvidos.

Alice no País das Maravilhas é visualmente impressionante, mas isso não basta para esconder um roteiro fraco, sem ritmo e infantil. Apesar de ter performances divertidas do elenco, Burton ficou devendo. E muito.