Arquivo de christopher nolan

Análise Blu-ray | INTERESTELAR

Posted in Análise Blu-ray with tags , , , , , , , , , , , , , , on 23 de março de 2015 by Lucas Nascimento

qSX7jfK

O Filme

inter16

Interestelar foi um dos filmes mais divisíveis de 2014. Entre amor e ódio, eu encontrei-me totalmente encantado pela ficção científica ousada de Christopher Nolan, que aborda conceitos físicos fascinantes, nos apresenta a cenas de ação absurdas com visuais inacreditáveis e uma história emocional simples e cativante. É uma experiência e tanto, e eu definitivamente adoro. Crítica

A Ciência de Interestelar (50:20)

4.0

INTER8

Aqui, temos o documentário exibido no Discovery Channel sobre os principais temas científicos que Interestelar aborda. Narrado por Matthew McConaughey, o doc nos traz entrevistas da equipe de filmagem e, principalmente, do astrofísico Kip Thorne, que divaga sobre Teoria da Relatividade, a natureza do tempo, buracos de minhoca, buracos negros e até em qual ponto se encontra a tecnologia para garantir uma expedição espacial do nível da do filme. Traz diversos conceitos complexos de Física, mas numa linguagem acessível e ilustrativa. Muito bom, e deve servir pra passar na escola…

Por Dentro de Interestelar

Plotting an Interstellar Journey (7:49)
Tramando uma Jornada Interestelar

4.0

INTER5

Uma introdução ao vasto making of do filme. Christopher e Jonathan Nolan discutem a ideia inicial e os desejos de atingir uma fidelidade científica, ao mesmo tempo em que discutem suas influências. Só fiquei surpreso por ninguém mencionar 2001…

Life on Cooper’s Farm (9:43)
Vida na Fazenda de Cooper

4.0

inter12

Aqui, a equipe de produção revela o preparo para as filmagens de cenas na Terra, jogada de volta a uma sociedade agrícola decadente. O designer de produção Nathan Crowley discute a escolha de locação (belíssimas áreas no interior dos EUA), a construção da fazenda de Cooper e até a ciência para o crescimento do milho. E ainda temos os bastidores da ótima perseguição de carro pelo milharal.

Dust (2:38)
Poeira

3.5

INTER10

O mais curto de todos os extras do disco, revela o desafio da equipe para criar as tempestades de poeira que assolam o planeta Terra durante o primeiro ato da história. Interessante observar como efeitos práticos (que produziram ventanias fortíssimas) tiveram grande presença aqui.

TARS and CASE (9:27)
TARS e CASE

4.0

inter11

Um dos elementos mais originais de Interestelar reside na dupla de robôs, TARS e CASE. O extra nos revela o incrível trabalho da equipe de efeitos especiais para criar os robôs fisicamente, numa espécie de marionete que era controlada pelo próprio dublador; efeitos visuais CGI só eram usados para movimentos impossíveis, como “a roda”. Nolan também explora sua funcionalidade e o papel da dupla na história.

The Cosmic Sounds of Interstellar (13:20)
Os sons cósmicos de Interestelar

5.0

inter13

Hans Zimmer é um maldito gênio, e esse maravilhoso extra só serve para comprovar isso. Aqui, Nolan e Zimmer comentam a criação da trilha sonora, que nasceu a partir de um mero conceito (pai e filho) para mergulhar numa onda épica dominada por um órgão a vapor. Vemos também como Zimmer levou sua orquestra para compor dentro de uma igreja, detalhando também pequenos elementos de outras composições (um coro para o tema do buraco de minhoca) e a lógica para a evolução da música ao longo da narrativa. Sensacional.

The Spacesuits (4:31)
As Roupas Espaciais

3.5

INTER6

Simples e objetivo, esse extra nos traz os bastidores para a confecção das roupas espaciais do filme. A figurinista explica as influências de trajes reais da NASA e a preocupação de atingir um visual moderno e que comportasse bem o elenco – o traje era tão quente que foi desenvolvido um dispositivo para resfriamento interno.

The Endurance (9:24)
A Endurance

4.0

INTER1

Nathan Crowley literalmente nos leva a um tour pela principal nave espacial do filme, a Endurance. Ele explica as influências de sua aparência na EEI e a funcionalidade de seu interior, que foi construído de verdade. É interessante observar como o elenco elogia a presença de um set real, ao invés de green screens.

Shooting in Iceland: Miller’s Planet/Mann’s Planet (12:42)
Filmando na Islândia: Planeta de Miller/Planeta de Mann

5.0

INTER3

Naquele que certamente é o mais deslumbrante dos extras, acompanhamos as filmagens em duas locações-chave da Islândia, para servir de cenário para os planetas de Miller (todo de água) e o de Mann (todo de gelo). Acompanhamos o esforço para transportar equipamento, elenco e gruas para a locação, além da dificuldade para encarar as condições climáticas extremas. Temos também comentários sobre a criação das ondas gigantes e a luta na geleira.

The Ranger and the Lander (12:20)
O Ranger e o Lander

5.0

INTER9

Mais Crowley! Aqui, ele discute a criação das naves de modelo Ranger e Lander, que também foram construídas em escala real para interagir com ambientes e com o elenco. É muito bacana ver como o diretor de fotografia Hoyte Van Hoytema e a equipe de pirotecnia elaboram sistemas para chacoalhar, balançar e controlar remotamente modelos em escala real como se fossem miniaturas, e com o elenco dentro. Pra finalizar, é empolgante ver como a equipe “ressuscitou” a projeção de tela para preencher as janelas das naves, evitando mais uma vez o green screen.

Miniatures in Space (5:29)
Miniaturas no Espaço

5.0

inter15

Numa grande demonstração de mistura de velho com o novo, Nolan e sua equipe de efeitos detalham o processo de criação de miniaturas de naves espaciais (principalmente as cenas de acoplagem), ao mesmo tempo em que utilizam de efeitos CGI para combinar o melhor dos mundos. Mostra muito afeto pelo trabalho feito em produções pioneiras, e também impressiona pela escala de alguns modelos (como aquele usado durante a acoplagem defeituosa do Dr. Mann).

The Simulation of Zero-G (5:31)
A Simulação de Gravidade Zero

3.0

INTER4

Como é um filme espacial, a gravidade zero é um elemento que certamente estará presente. Porém, diante de todas as outras inovações que o longa traz, não tem um impacto tão marcante ou estimulante no filme em si (não como teve Gravidade, por exemplo), e o extra reflete isso. Temos lá os ensaios e preparamentos, mas não empolga tanto quanto o restante.

Celestial Landmarks (13:22)
Marcos Celestiais

5.0

INTER2

This is it. Um dos extras mais aguardados da edição, onde o físico e consultor Kip Thorne compartilha seus conhecimentos sobre a ciência dos buracos de minhoca e buracos negros, desde uma breve aulinha de gravidade e Einstein até a composição para o filme. Acompanhamos também o trabalho da equipe de efeitos visuais, que utilizou das fórmulas de Thorne para criar a representação mais fiel desses elementos até hoje. Sensacional.

Across All Dimensions and Time (9:02)
Através de Todas as Dimensões e do Tempo

5.0

INTER7

OK, se muita gente ficou meio pirada com a descoberta de Cooper no terceiro ato do filme (SPOILERS), isso pode ajudar. Christopher e Jonathan Nolan jogam uma luz no enigmático Tesseract, ainda que não expliquem exatamente o que é. Nathan Crowley novamente discute a imensa dificuldade de criar um ambiente que comporte infinitos momentos do tempo, e a revelação de que fora realmente um set, e não CGI, é impressionante.

Final Thoughts (6:02)
Considerações Finais

4.0

inter14

Assim como no início, esse extra faz uma conclusão sobre os temas e processo de Interestelar, trazendo depoimentos do elenco e equipe, buscando também o significado do projeto e a esperança deste em despertar a curiosidade científica nas gerações vindouras.

Trailers

4.0

11553_35_large

Temos aqui os quatro trailers principais do filme. Vale relembrar como eles não entregam nada além da premissa do longa, em um exemplo de bom marketing.

Nota Geral: 4.0

A edição nacional de Interestelar é eficiente e completa, impressionando na exibição do filme (que traz as cenas em IMAX na razão de aspecto maior) e também com seus extras incrivelmente informativos. Infelizmente, nada de comentário em áudio de Christopher Nolan por enquanto… Mas vale a pena, ainda mais para os fãs do filme.

Preço: R$ 69,90

| Interestelar | Crítica

Posted in Aventura, Cinema, Críticas de 2014, Ficção Científica with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 5 de novembro de 2014 by Lucas Nascimento

5.0
INTERSTELLAR
Ao infinito e além: As belíssimas imagens criadas por Nolan e sua equipe

Espaço: a fronteira final. A ficção científica sempre foi um dos gêneros onde a ambição humana e artística poderia se manifestar de forma mais bela e desafiadora. Assim como declarei em meu texto sobre Gravidade, Stanley Kubrick foi aquele que melhor aproveitou a proposta com 2001: Uma Odisseia no Espaço, que permanece enigmático até hoje. Admirador confesso do gênero e do trabalho de Kubrick, Christopher Nolan se arrisca com seu megalomaníaco Interestelar, filme que certamente vai dividir muitas opiniões. Eu aqui? Estou do lado que adorou.

Guardada a sete chaves (acredite, os 4 trailers lançados nem rasparam a superfície) a trama é situada em uma Terra desolada e que sofre com escassez de alimentos. Ali, o engenheiro Cooper (Matthew McConaughey) é selecionado pelo professor Brand (Michael Caine) para uma missão de exploração espacial, que visa utilizar buracos de minhoca para viajar grandes distâncias no Universo, a fim de encontrar mundos habitáveis e preservar a raça humana.

À primeira vista, não é uma premissa tão elaborada ou original. Mas não se engane, o roteiro de Nolan e seu irmão Jonathan tem mais camadas do que A Origem, e uma escala épica maior do que os três filmes do Batman combinados. Inspirados pelas teorias do físico Kip Thorne (que exerce a função de produtor executivo aqui), Nolan comanda sua equipe para criar algumas das imagens mais belas já vistas no Cinema nos últimos anos, com a ajuda de efeitos visuais competentes, câmeras IMAX operadas pelo cada vez melhor diretor de fotografia Hoyte Van Hoytema e um desenho sonoro acertadíssimo. Tudo pautado na ciência e no realismo que o cineasta tanto abraça, o que também garante uma sensação de autenticidade para os eventos em cena – a simples explicação para o conceito de buraco de minhoca é eficaz, por exemplo. E também pode ser assombroso, como o pesado uso da Teoria da Relatividade para retratar radicais mudanças temporais: uma hora em tal ambiente pode representar décadas em outro.

Claro, os conceitos abordados aqui rendem muita exposição. O roteiro também peca ao trazer seus personagens soltando frases de efeito pesadas em diálogos casuais (“A humanidade nasceu na Terra. Não está destinada a morrer aqui”), o que de certa forma vai contra a autenticidade almejada pelo diretor. Mas juro, quando o longa engata na missão e começa o espetáculo, eu perdoei qualquer erro. A condução de Nolan durante as sequências espaciais, aliada à poderosa e original trilha sonora de Hans Zimmer (Oscar, não me decepcione…) rende uma experiência inebriante e que me deixou imóvel na poltrona, me perguntando se as imagens fantásticas ali eram mesmo obra de seres humanos.

Mas mesmo diante do espetáculo, o fator humano é genuíno. A relação entre Matthew McConaughey e a filha (interpretada pela excelente Mackenzie Foy durante a infância e por Jessica Chastain na fase adulta) é comovente e garante ao ator mais grandes momentos para sua cada vez melhor filmografia.

E quando vamos chegando ao final das quase 3 horas de filme, Interestelar vai conquistar e decepcionar, dependendo do espectador. É um clímax abstrato que exige uma imaginação fértil e também paciência, podendo ser genial ou simplesmente ridículo. Vai depender muito. Funcionou pra mim e se apresentou como uma solução lógica que vinha se construindo desde o primeiro frame da projeção.

Interestelar vai variar muito de uma pessoa a outra. A recepção crítica revela que uns amaram, outros detestaram e alguns simplesmente não viram nada demais. Aposto que já deixei claro minha posição diante do filme, que considero uma das experiências cinematográficas supremas de 2014, capaz de me fazer esquecer seus pequenos erros. Mas mesmo que eu tivesse odiado o filme, reconheceria a mera decisão de Christopher Nolan em experimentar algo tão ousado, e incomum no gênero blockbuster atual.

Felizmente, para mim, não ficou só nas boas intenções.

Obs: Veja em IMAX, sério.

Obs II: Há uma participação muito especial no longa. A essa altura, vários sites já devem ter matado a surpresa, mas ainda assim é bem bacana ver um ator renomado escondido da divulgação de marketing. Enfim.

Leia esta crítica em inglês.

Confira o último trailer de INTERESTELAR

Posted in Trailers with tags , , , , , , on 1 de outubro de 2014 by Lucas Nascimento

image

Pelo menos eu espero que seja o último! Como se não já estivessemos empolgados o bastantes para Interestelar, a ficção científica de Christopher Nolan, a Warner lança agora mais um trailer do filme, repleto de cenas inéditas.

Traz também aquilo que acredito ser as primeiras composições de Hans Zimmer para o longa.

Confira:

Interestelar estreia em 6 de Novembro no Brasil.

Why So Serious? O humor nos filmes da DC

Posted in Artigos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 28 de agosto de 2014 by Lucas Nascimento

DC

Ontem, saiu um rumor que vem levantando algumas dúvidas e provocando polêmicas. A informação é a de que os executivos da Warner Bros não querem piadas em seus filmes de heróis da DC, diferenciando-se do tom mais cômico adotado pela Marvel Studios da Disney e. também procurando evitar os erros do fracassado Lanterna Verde.

Bom, acho que primeiramente vale frisar que Lanterna Verde não morreu por causa das piadinhas, mas sim porque era um roteiro falho. A Marvel de Kevin Feige esta aí com seu currículo bilionário para provar que o público adora humor, desde que seja bem feito.

O que me leva a uma discussão ainda mais abrangente: o humor nos filmes de super-heróis.

guardians_40
O humor em Guardiões funciona porque é necessário

Todo mundo adora rir, certo? Quem não gosta? Meu problema com esse elemento em filmes do gênero, é – por falta de termo melhor – a apelação. Muitas piadas nos filmes da Marvel Studios funcionam, e o recente Guardiões da Galáxia é o exemplo que melhor ilustra esse cenário; justamenteporque a aventura espacial já assumia o tom de galhofa desde o princípio, além de trazer personagens coloridos que precisavam de muito humor para funcionar.

Do outro lado, e também recente, Capitão América 2 – O Soldado Invernal ajuda a exemplificar um dos grandes problemas na Marvel. O filme dos irmãos Russo está longe de ser ruim (está mais perto de ser ótimo, isso sim), e seus problemas estão relacionados a outros aspectos, mas ainda há problemas com a pontualidade do humor. Dois exemplos: Depois de ser emboscado na rua por agressores disfarçados de policiais, Nick Fury luta para sobreviver em seu “super-carro”, e quando nenhum de seus acessórios funciona, ele pergunta retoricamente se “alguma coisa está funcionando”. O computador de bordo responde “O ar-condicionado está em perfeito estado”. Uma piada dessas não só é bem besta, como também desvia a atenção do espectador de uma cena que é, sim, tensa. Outro exemplo é quando Steve Rogers e a Viúva Negra estão em uma loja da Apple rastreando a localização de um sinal, e o filme INTERROMPE a trama para investir em uma piadinha com o atendente da loja.

Isso pra citar casos menos graves, não vem nem começar a falar de Homem de Ferro 2, que conseguiu transformar o sério problema de alcoolismo de Tony Stark em uma piada idiota, ou os filmes protagonizados por Thor – ainda que o primeiro seja bem mais apelativo que a continuação.

Pra não ficar preso só à Marvel Studios, vejam como a franquia X-Men lida bem com essa questão. O próprio Dias de um Futuro Esquecido acerta ao selecionar personagens específicos para provocar ou envolver em situações cômicas (no caso, o Mercúrio de Evan Peters), ao invés de simplesmente transformar qualquer personagem em um comediante. O Professor Xavier não faz piadinha, mas até Thor, Deus do Trovão e Príncipe de Asgard, é vítima de algum tipo de galhofa.

O LADO NEGRO DA FORÇA

batsup_02
Sad Batman

Então agora, a DC não quer piadas em seus filmes. Muito provavelmente querem seguir à risca a trilogia Cavaleiro das Trevas de Christopher Nolan e abraçar um tom mais dramático e realista, como o próprio Homem de Aço já apresentou no ano passado. Acho uma decisão bem admirável, e que certamente vai servir para diferenciar Marvel e DC, e talvez até jogar um ar fresco no gênero que vai ficando cada vez mais repetitivo.

Mas o que muita gente não entendeu, é que isso não significa que os filmes da DC não terão humor. O pesado e denso Batman – O Cavaleiro das Trevas tinha seus pontuais momentos de humor (e não me refiro ao Coringa só pra deixar claro), e a própria natureza do Batman é uma mais soturna, que exige uma certa maturidade. O Flash certamente permanecerá um piadista, claro e certamente teremos lá algumas piadas, mais contidas. Mas se a intenção é fazer algo mais dark, eu aprovo.

Quando vou ver um filme de super-heróis, não é pensando na comédia que eu compro o ingresso. É muito bem-vinda, desde que seja utilizada apropriadamente.

Batman V Superman: Dawn of Justice estreia em 26 de Março de 2016.

Confira o trailer final de INTERESTELAR

Posted in Trailers with tags , , , , , , , , , , , , , , , on 30 de julho de 2014 by Lucas Nascimento

image

Depois da aparição-relâmpago na Comic-Con, Interestelar ganha mais um trailer. A ficção científica de Christopher Nolan leva Matthew McConaughey e grande elenco para explorar o conceito de buracos de minhoca no espaço. Confira:

O elenco traz ainda Anne Hathaway, Jessica Chastain, Michael Caine (claro), Cillian Murphy, John Lithgow, Topher Grace e Wes Bentley.

Interestelar estreia em 6 de Novembro.

Nã vejo a hora. Parece incrível.

| Transcendence – A Revolução | Crítica

Posted in Cinema, Críticas de 2014, Ficção Científica with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 11 de julho de 2014 by Lucas Nascimento

2.5

Transcendence
Johnny Depp está agora online

Longo e árduo é o caminho do diretor de fotografia tornado diretor. Se analisarmos a História, não encontraremos muitos nomes de peso que outrora atuavam na função de cuidar de iluminação, cor e todo o aspecto visual de um longa-metragem, e a grande maioria geralmente volta a sua profissão anterior depois de alguns experimentos. Sinceramente, eu espero que Wally Pfister repense suas decisões profissionais, já que mostra-se muito mais competente no trabalho com o diretor Christopher Nolan do que no comando de Transcendence – A Revolução.

O roteiro é assinado pelo estreante Jack Paglen, que elabora uma trama onde o famoso cientista Will Caster (Johnny Depp) sofre uma tentativa de assassinato de um grupo radical que vai contra suas ideias, que incluem o avanço tecnológico e a criação de uma inteligência artificial autoconsciente. A fim trapacear a morte, sua esposa Evelyn (Rebecca Hall) e seu parceiro Max (Paul Bettany) realizam um experimento que transfere a mente de Will para um computador. A mudança, no entanto, faz com que sua consciência virtual se expanda para o mundo inteiro, a fim de dominá-lo.

Uma premissa suculenta e que o texto de Paglen é capaz de honrar com o levantamento de questões estimulantes, e que não são nada fantasiosas no ano de 2014: o progresso que o tratamento de células-tronco poderia atingir, a dependência cada vez maior dos seres humanos em tecnologia e até o alastramento viral das redes sociais. Transcendence merece mérito por levantar tais discussões na tela grande, mas infelizmente é incapaz de oferecer o tratamento merecido, já que o roteiro de Paglen jamais nos oferece algum tipo de aprofundamento em seus personagens e tampouco nos motivos que os movem (o grupo radical de Kate Mara fica simplesmente no ar, assim como a repentina aliança formada com o FBI). E o que falar no súbito salto de dois anos que a narrativa sofre? A legenda poderia dizer “duas horas depois” e não faria a menor diferença, já que nenhum dos personagens parece ter evoluído no espaço de tempo.

São erros que um diretor competente saberia trabalhar melhor. Pfister, tão talentoso como diretor de fotografia de A Origem ou a Trilogia Cavaleiro das Trevas, não cria ritmo nem apego emocional, falhando também ao apostar em um prólogo que não tem a força que deveria. Caramba, nem consegue trabalhar bem o visual do longa, que rende uma ou outra tomada plasticamente bela pelas mãos de Jess Hall, mas no geral é visualmente pobre. Tanto que o diretor até cisma em ficar repetindo tomadas que este julgue geniais, como aquela em que um sujeito usa um teclado de computador para manter a porta aberta; tem significado e é bonita, mas é amadorismo simplesmente repeti-la sem necessidade (e sem comentários para a repetição excessiva de uma gota d’água em câmera lenta).

Pfister também não se mostra um bom diretor de atores (mesmo que funcionem as colaborações com os colegas Morgan Freeman e Cillian Murphy, bons arquétipos), mas não sei se culpo ele ou Johnny Depp, que surge com uma de suas performances mais preguiçosas e monótonas de sua carreira (até quando tenta fazer um comentário irônico), sendo mais máquina quando o personagem ainda é humano do que vice-versa. Só merece destaque mesmo Paul Bettany, carismático ator que ainda é um dos mais subvalorizados da indústria.

Transcendence – A Revolução é uma oportunidade perdida, infelizmente. Traz boas ideias e conceitos pertinentes para a discussão da sociedade tecnológica que rapidamente vai crescendo, mas sofre nas mãos de um roteiro fraco e um diretor nada talentoso.

É Wally, você deveria ter ido fotografar Interestelar.

Primeiro trailer completo de INTERESTELAR

Posted in Trailers with tags , , , , , on 16 de maio de 2014 by Lucas Nascimento

int

Anexado às cópias americanas de Godzilla, está o trailer completo de Interestelar, novo filme de Christopher Nolan. A prévia é bem focada no personagem de Matthew McConaughey e explora o estado decadente do planeta em um futuro distante, o que levará a Humanidade a buscar uma forma de sobrevivência alternativa – usando viagens interestelares. Confira logo:

Interestelar estreia em 6 de Novembro no Brasil.