Arquivo para comédia romântica

| Amor a Toda Prova | Comédia romântica divertida e imprevisível

Posted in Cinema, Comédia, Críticas de 2011, Romance with tags , , , , , , , , , , , on 31 de agosto de 2011 by Lucas Nascimento


Strangers in a Bar: Steve Carrell e Ryan Gosling lideram um ótimo elenco

Hoje em dia é muito difícil fazer uma comédia romântica cujo final não fique óbvio na metade da projeção. Amor a Toda Prova é um memorável aprimoramento no gênero, acertando em sua estrutura e narrativa – que conseguem esconder surpresas e reviravoltas em sua trama – e no talento de seu ótimo elenco, mesmo que caia no clichê em alguns momentos.

Na trama, acompanhamos diferentes histórias de amor que estão (inesperadamente) relacionadas, entre elas o choque de Cal (Steve Carell) ao descobrir que sua esposa quer o divórcio e, no momento de desepero, recebe conselhos do misterioso garanhão Jacob (Ryan Gosling), que ajuda-o a mudar seu estilo e vida.

Primeiramente, o que chama a atenção no longa é seu bem equilibrado e entrosado elenco. Começando com Steve Carell, mais contido do que o comum, utiliza de um humor bem mais sutil e cujo timing funciona perfeitamente – assim como sua química com a carismática Julianne Moore (que interpreta aqui a esposa de Cal). Quem surpreende é Ryan Gosling (mais uma vez em um filme que questiona os valores do amor), que consegue evitar o estereótipo de “conquistador” exibindo bastante segurança no personagem e incorporando uma postura de “mestre” (com referência a Karate Kid) magnética e, devo acrescentar, inspiradora.

Enquanto isso, Emma Stone continua arrasando e me conquistando a cada novo papel com sua intensa e bem humorada expressividade (fato curioso são as referências ao trabalho da atriz em A Mentira, que vão da leitura de “A Letra Escarlate” até antológica frase da “vida censura PG-13”), Marisa Tomei faz um papel menor divertido e o jovem Jonah Bobo mostra grande talento como o filho apaixonado de Cal. Todo o elenco junto em cena faz valer o ingresso e torna a experiência extremamente agradável.

Dirigido por Glenn Ficarra e John Requa, os cineastas trabalham bem os movimentos de cena e os mise-en-scène, utilizando muito a subjetividade e outros eficientes recursos (com destaque para o plano que passa por sapatos e saltos-alto sofisticados apenas para depois focar-se nos tênis capengas de Cal) que geralmente não se vê em filmes do gênero. Movendo e circundando o longa, temos o ótimo roteiro de Dan Fogelman, que cria belos diálogos e situações imprevisíveis (a melhor delas, mais para o final…), mesmo que recorra ao clichê típico dos romances – há até uma piadinha metalinguística com Carell na chuva – e decepcione um pouco com as decisões tomadas no clímax.

Amor a Toda Prova mostra-se mais eficaz do que a maioria das comédias românticas da atualidades, beneficiando-se com seu excelente roteiro, direção estilosa e um elenco imensamente talentoso. Se todos os filmes do gênero fossem dotados dessa qualidade, não seriam restringidos apenas ao público feminino.

| Simplesmente Complicado | Vale pela dupla principal

Posted in Comédia, Críticas de 2010, DVD, Romance with tags , , , , , , , , on 5 de julho de 2010 by Lucas Nascimento

   Os Normais: Alec Baldwin e Meryl Streep são o que o filme tem de melhor

Atualmente é difícil encontrar uma boa comédia romântica que não caia nos clichês ou que realmente faça divertir, especialmente vindo de Nancy Meyers. O que me atraiu para esse Simplesmente Complicado foram os muitos elogios que ouvi para Meryl Streep e Alec Baldwin que, de fato, são o grande atrativo do filme.

O roteiro é um tanto desleixado e previsível, apesar de conter algumas boas ideias, como a própria premissa: uma mulher que tem um caso com seu ex-marido; nas mãos apropriadas, o filme poderia ter se saido muito melhor. Os personagens principais são interessantes e seus intérpretes parecem estar muito a vontade (Mas isso não é uma surpresa, claro) e divertem. Do outro lado, Steve Martin está completamente deslocado e apagado da trama, parecendo estar no filme errado.

Quando não consegue inventar novos rumos à seus personagens, o filme simplesmente recorre ao ridículo e aí entram maconha, nudez, internet e outras besteiras sem graça, que aliás já foram utilizadas repetidas vezes e não entendo porque ainda são usadas.

Simplesmente Complicado é muito simples, previsível e, em certos momentos, cansativo. Faz bom uso de Meryl Streep e Alec Baldwin; ambos fantásticos e carismáticos, mas isso não é o suficiente para que ele seja recomendado.