Arquivo para comentário

Análise Blu-ray | WHIPLASH: EM BUSCA DA PERFEIÇÃO

Posted in Análise Blu-ray with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 31 de maio de 2015 by Lucas Nascimento

42864524

O Filme

5.0

whi5

Ah, Whiplash. Um triunfo do cinema de baixo orçamento que felizmente ganhou reconhecimento da Academia, agora chega nas às prateleiras de livrarias e lojas especializadas em blu-ray. Um roteiro simples que nos joga na atmosfera dark do jazz e da ambição, trazendo um trabalho de direção monstruoso e impressionante, ainda mais quando descobrimos que Damien Chazelle acaba de entrar na casa dos 30 e rodou todo o filme em meros 19 dias. Sem falar nas excelentes performances de Miles Teller do oscarizado J.K. Simmons, que carregam essa grande obra nas costas. Sensacional. Crítica

Comentário em áudio com Damien Chazelle e J.K. Simmons

5.0

whi6

Comentário em áudio devidamente legendado em português (valeu, Sony e aprende, Fox) com o diretor e roteirista Damien Chazelle e J.K. Simmons, que até brincam sobre a ausência de Miles Teller (“ele deve estar de ressaca numa poça de seu próprio vômito) enquanto dão ótimas informações a respeito da realização de Whiplash. Chazelle explica alguma de suas escolhas de enquadramento, cortes (o cara vai de Hitchcock a Lumet) e como o cronograma apertado ajudou a render cenas mais ferozes e até um sutil plano longo entre Teller e Melissa Benoist que só foi executado assim pela falta de tempo. Enquanto isso, Simmons se diverte com observações, referências e outras curiosidades. Excelente.

Metrônomos (42:56)

4.0

whi4

Este é para os fãs de bateria. Damien Chazelle e bateristas como Chad Smith (Red Hot Chili Peppers), Kenny Aronoff (Uncommon Studios), Doane Perry (Jethro Tull) e o jazzista Roy McCurdy (ex-membro do quinteto de Cannonball Adderley e Blood, Sweat & Tears) discutem a influência e paixão pelo instrumento em suas vidas.

Whiplash – Curta Metragem original (17:56)

4.0

whi1

Pois então, a primeira aparição de Whiplash ao mundo foi na forma de um curta-metragem, realizado para obter orçamento do estúdio (o que comprova a decisão infeliz da Academia em indicar o roteiro de Chazelle como Adaptado, e não Original). O curta é inteiramente a cena do primeiro ensaio do estúdio, trazendo J.K. Simmons como Fletcher e Johnny Simmons (sem parentesco aí, aliás) como Andrew. É interessante observar como os enquadramentos de Chazelle e os cortes de Tom Cross permanecem os mesmos, enquanto a paleta de cores é radicalmente diferente no produto final. Ah, e graças a Deus por Miles Teller…

Fletcher em Casa (1:30)

4.0

whi2

Única cena deletada do filme, oferece um raro momento de humanidade a Terence Fletcher, onde o vemos apreciando uma composição em seu apartamento. É uma cena sutil e muito eficiente, mas que tem seu corte da edição final justificado no comentário em áudio de Chazelle, afirmando ser muito cedo para adentrar nesse lado do antagonista. Sem falar que seria a única cena do filme todo sem a presença do personagem de Teller.

Uma noite no Festival Internacional de Toronto (7:50)

3.5

whi3

Bem breve, o vídeo nos mostra um Q&A com Damien Chazelle, J.K. Simmons e Miles Teller após a primeira exibição do filme no Festival de Toronto. A platéia faz algumas boas perguntas, mas nada que seja tão revelador ou empolgante.

Trailer de cinema (2:10)

3.0

whi7

Bom, temos um trailer! Vale mencionar que é uma prévia arrasadora, e que até classifiquei como uma das melhores do ano passado.

Nota geral: 3.5

Whiplash: Em Busca da Perfeição é um dos melhores filmes lançados em 2015 até o momento, e ganhou um lançamento sólido em blu-ray, ainda que um extra mais “tradicional” como um making of ou vídeos de bastidores faça falta. Porém, todos os comentários em áudio compensam.

Preço: R$ 69,90

Análise Blu-ray | INTERESTELAR

Posted in Análise Blu-ray with tags , , , , , , , , , , , , , , on 23 de março de 2015 by Lucas Nascimento

qSX7jfK

O Filme

inter16

Interestelar foi um dos filmes mais divisíveis de 2014. Entre amor e ódio, eu encontrei-me totalmente encantado pela ficção científica ousada de Christopher Nolan, que aborda conceitos físicos fascinantes, nos apresenta a cenas de ação absurdas com visuais inacreditáveis e uma história emocional simples e cativante. É uma experiência e tanto, e eu definitivamente adoro. Crítica

A Ciência de Interestelar (50:20)

4.0

INTER8

Aqui, temos o documentário exibido no Discovery Channel sobre os principais temas científicos que Interestelar aborda. Narrado por Matthew McConaughey, o doc nos traz entrevistas da equipe de filmagem e, principalmente, do astrofísico Kip Thorne, que divaga sobre Teoria da Relatividade, a natureza do tempo, buracos de minhoca, buracos negros e até em qual ponto se encontra a tecnologia para garantir uma expedição espacial do nível da do filme. Traz diversos conceitos complexos de Física, mas numa linguagem acessível e ilustrativa. Muito bom, e deve servir pra passar na escola…

Por Dentro de Interestelar

Plotting an Interstellar Journey (7:49)
Tramando uma Jornada Interestelar

4.0

INTER5

Uma introdução ao vasto making of do filme. Christopher e Jonathan Nolan discutem a ideia inicial e os desejos de atingir uma fidelidade científica, ao mesmo tempo em que discutem suas influências. Só fiquei surpreso por ninguém mencionar 2001…

Life on Cooper’s Farm (9:43)
Vida na Fazenda de Cooper

4.0

inter12

Aqui, a equipe de produção revela o preparo para as filmagens de cenas na Terra, jogada de volta a uma sociedade agrícola decadente. O designer de produção Nathan Crowley discute a escolha de locação (belíssimas áreas no interior dos EUA), a construção da fazenda de Cooper e até a ciência para o crescimento do milho. E ainda temos os bastidores da ótima perseguição de carro pelo milharal.

Dust (2:38)
Poeira

3.5

INTER10

O mais curto de todos os extras do disco, revela o desafio da equipe para criar as tempestades de poeira que assolam o planeta Terra durante o primeiro ato da história. Interessante observar como efeitos práticos (que produziram ventanias fortíssimas) tiveram grande presença aqui.

TARS and CASE (9:27)
TARS e CASE

4.0

inter11

Um dos elementos mais originais de Interestelar reside na dupla de robôs, TARS e CASE. O extra nos revela o incrível trabalho da equipe de efeitos especiais para criar os robôs fisicamente, numa espécie de marionete que era controlada pelo próprio dublador; efeitos visuais CGI só eram usados para movimentos impossíveis, como “a roda”. Nolan também explora sua funcionalidade e o papel da dupla na história.

The Cosmic Sounds of Interstellar (13:20)
Os sons cósmicos de Interestelar

5.0

inter13

Hans Zimmer é um maldito gênio, e esse maravilhoso extra só serve para comprovar isso. Aqui, Nolan e Zimmer comentam a criação da trilha sonora, que nasceu a partir de um mero conceito (pai e filho) para mergulhar numa onda épica dominada por um órgão a vapor. Vemos também como Zimmer levou sua orquestra para compor dentro de uma igreja, detalhando também pequenos elementos de outras composições (um coro para o tema do buraco de minhoca) e a lógica para a evolução da música ao longo da narrativa. Sensacional.

The Spacesuits (4:31)
As Roupas Espaciais

3.5

INTER6

Simples e objetivo, esse extra nos traz os bastidores para a confecção das roupas espaciais do filme. A figurinista explica as influências de trajes reais da NASA e a preocupação de atingir um visual moderno e que comportasse bem o elenco – o traje era tão quente que foi desenvolvido um dispositivo para resfriamento interno.

The Endurance (9:24)
A Endurance

4.0

INTER1

Nathan Crowley literalmente nos leva a um tour pela principal nave espacial do filme, a Endurance. Ele explica as influências de sua aparência na EEI e a funcionalidade de seu interior, que foi construído de verdade. É interessante observar como o elenco elogia a presença de um set real, ao invés de green screens.

Shooting in Iceland: Miller’s Planet/Mann’s Planet (12:42)
Filmando na Islândia: Planeta de Miller/Planeta de Mann

5.0

INTER3

Naquele que certamente é o mais deslumbrante dos extras, acompanhamos as filmagens em duas locações-chave da Islândia, para servir de cenário para os planetas de Miller (todo de água) e o de Mann (todo de gelo). Acompanhamos o esforço para transportar equipamento, elenco e gruas para a locação, além da dificuldade para encarar as condições climáticas extremas. Temos também comentários sobre a criação das ondas gigantes e a luta na geleira.

The Ranger and the Lander (12:20)
O Ranger e o Lander

5.0

INTER9

Mais Crowley! Aqui, ele discute a criação das naves de modelo Ranger e Lander, que também foram construídas em escala real para interagir com ambientes e com o elenco. É muito bacana ver como o diretor de fotografia Hoyte Van Hoytema e a equipe de pirotecnia elaboram sistemas para chacoalhar, balançar e controlar remotamente modelos em escala real como se fossem miniaturas, e com o elenco dentro. Pra finalizar, é empolgante ver como a equipe “ressuscitou” a projeção de tela para preencher as janelas das naves, evitando mais uma vez o green screen.

Miniatures in Space (5:29)
Miniaturas no Espaço

5.0

inter15

Numa grande demonstração de mistura de velho com o novo, Nolan e sua equipe de efeitos detalham o processo de criação de miniaturas de naves espaciais (principalmente as cenas de acoplagem), ao mesmo tempo em que utilizam de efeitos CGI para combinar o melhor dos mundos. Mostra muito afeto pelo trabalho feito em produções pioneiras, e também impressiona pela escala de alguns modelos (como aquele usado durante a acoplagem defeituosa do Dr. Mann).

The Simulation of Zero-G (5:31)
A Simulação de Gravidade Zero

3.0

INTER4

Como é um filme espacial, a gravidade zero é um elemento que certamente estará presente. Porém, diante de todas as outras inovações que o longa traz, não tem um impacto tão marcante ou estimulante no filme em si (não como teve Gravidade, por exemplo), e o extra reflete isso. Temos lá os ensaios e preparamentos, mas não empolga tanto quanto o restante.

Celestial Landmarks (13:22)
Marcos Celestiais

5.0

INTER2

This is it. Um dos extras mais aguardados da edição, onde o físico e consultor Kip Thorne compartilha seus conhecimentos sobre a ciência dos buracos de minhoca e buracos negros, desde uma breve aulinha de gravidade e Einstein até a composição para o filme. Acompanhamos também o trabalho da equipe de efeitos visuais, que utilizou das fórmulas de Thorne para criar a representação mais fiel desses elementos até hoje. Sensacional.

Across All Dimensions and Time (9:02)
Através de Todas as Dimensões e do Tempo

5.0

INTER7

OK, se muita gente ficou meio pirada com a descoberta de Cooper no terceiro ato do filme (SPOILERS), isso pode ajudar. Christopher e Jonathan Nolan jogam uma luz no enigmático Tesseract, ainda que não expliquem exatamente o que é. Nathan Crowley novamente discute a imensa dificuldade de criar um ambiente que comporte infinitos momentos do tempo, e a revelação de que fora realmente um set, e não CGI, é impressionante.

Final Thoughts (6:02)
Considerações Finais

4.0

inter14

Assim como no início, esse extra faz uma conclusão sobre os temas e processo de Interestelar, trazendo depoimentos do elenco e equipe, buscando também o significado do projeto e a esperança deste em despertar a curiosidade científica nas gerações vindouras.

Trailers

4.0

11553_35_large

Temos aqui os quatro trailers principais do filme. Vale relembrar como eles não entregam nada além da premissa do longa, em um exemplo de bom marketing.

Nota Geral: 4.0

A edição nacional de Interestelar é eficiente e completa, impressionando na exibição do filme (que traz as cenas em IMAX na razão de aspecto maior) e também com seus extras incrivelmente informativos. Infelizmente, nada de comentário em áudio de Christopher Nolan por enquanto… Mas vale a pena, ainda mais para os fãs do filme.

Preço: R$ 69,90

Análise Blu-ray | GUARDIÕES DA GALÁXIA

Posted in Análise Blu-ray with tags , , , , , , , , , , , , , on 12 de dezembro de 2014 by Lucas Nascimento

grds

O Filme

11058_1_large

Guardiões da Galáxia já virou um filme polêmico aqui no blog, por se tratar da minha primeira retratação. Não gostei do filme em minha primeira visita, mas este cresceu muito em mim após novas sessões. É um longa com personagens carismáticos que diverte pela dinâmica proporcionada em suas relações – bem balanceada entre o humor escrachado e um apropriado drama humano. Tem seus problemas (estrutura formulaica, clichês Marvelescos, etc), mas não deixa de ser um dos melhores filmes que a Marvel Studios já lançou. Crítica

Comentário em Áudio do diretor James Gunn

5.0

g4

Se você segue o diretor James Gunn em alguma rede social, sabe como o cara é gente fina. Nessa faixa de comentário em áudio, mantém-se a impressão de que é um profissional genuinamente empolgado com seu filme, o que garante uma experiência dinâmica para o espectador ao assistir o filme com seus comentários. Gunn comenta o processo de algumas cenas (a fuga da prisão, especialmente), curiosidades, motivações para a popular trilha sonora e algumas de suas influências. Excepcional.

Cenas Excluídas e Estendidas

3.0

g5

Olha, nada demais aqui. São aproximadamente 4 minutos de material inédito, que incluem um diálogo estendido entre Gamora e Nebulosa, outro entre Rocket e Quill, Gamora traindo comparsas de Ronan, uma piadinha com John C. Reilly e. Nada que realmente seja muito empolgante, e que certamente justificam a ausência no corte final do filme.

Guia da Galáxia com James Gunn

4.0

11059_13_large

O grande making of de Guardiões da Galáxia, tem pouco mais de 20 minutos. É tempo o suficiente para que aprendamos sobre o processo de realização do filme, desde a bizarra ideia da Marvel Studios em transformar um grupo esquecido dos quadrinhos num sucesso até a escolha do elenco. Chama a atenção também o trabalho do departamento de arte, principalmente o do design de produção (que divagam com Gunn sobre o visual alienígena apropriado à trama), a maquiagem e os efeitos visuais. Bem dinâmico, e há trechos de animação 8-bit bem bonitinhos que separam cada setor do extra.

Os Efeitos Visuais Intergalácticos

3.5

11059_31_large

O anterior já falava um pouco sobre os efeitos visuais, mas aqui mergulhamos de cabeça na criação dos dois grandes personagens digitais do filme: Rocket Raccoon e Groot. Em cerca de 10 minutos, a equipe discute os mínimos detalhes de composições da dupla, incluindo a expressividade dos olhos, texturas e a captura de movimento. Além disso, vemos também Bradley Cooper e Vin Diesel no trabalho de voz de seus personagens.

Sneak Peak de Vingadores: Era de Ultron

3.5

g2

De brinde aos fãs, a Disney traz uma prévia de 2 minutos e meio para seu próximo grande lançamento: Os Vingadores: Era de Ultron. Na verdade não vemos nenhuma cena completa do filme, mas assim alguns trechos de bastidores e depoimentos da equipe, incluindo o diretor Joss Whedon. Ajuda a aumentar a vontade de assistir, e ainda comenta certos detalhes sobre a batalha com a Hulkbuster…

Erros de Gravação

4.0

g1

Se Guardiões da Galáxia já é praticamente uma comédia, imagine os erros de gravação. São divertidos e entretém, mas o grande destaque fica para a cena em que Quill desafia o vilão Ronan para um duelo de dança, proposta que teve um desfecho mais engraçado no set… Já foi disponibilizado na internet, se não me engano.

Nota geral: 3.5

Guardiões da Galáxia é um filme divertido que recebe um bom lançamento em blu-ray, mesmo que nos padrões limitados que a Disney oferece no Brasil. Recomendado, mas seria interessante uma edição mais completa futuramente.

Preço: 49,90

Análise Blu-ray | O ESPETACULAR HOMEM-ARANHA 2: A AMEAÇA DE ELECTRO

Posted in Análise Blu-ray with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 3 de setembro de 2014 by Lucas Nascimento

bd

Uau, faz muito tempo que não apareço com um Análise Blu-ray por aqui… Pra tirar o atraso, resolvi falar sobre o último filme a adentrar minha coleção: O Espetacular Homem-Aranha 2: A Ameaça de Electro. Não só é o mais recente lançamento, mas também é um filme que ganhei num sorteio, e eu NUNCA ganho esse tipo de coisa. Por isso, a atenção. Vamos lá:

O Filme

3.5

10390_5_large

Bem, vocês que leem o blog sabem que achei o novo filme uma bela bagunça. Não acho que Marc Webb seja o diretor ideal para tocar a franquia, o ritmo e tom se misturam entre o cartunesco, com o Electro bobalhão de Jamie Foxx, e o drama, envolvendo a chatice da subtrama dos pais de Peter Parker ou a própria decisão de tornar o Aranha mais descolado, menos nerd. Mas mesmo assim, em meio ao caos é possível encontrar boas coisas: humor acertado, o elenco é carismático, a ação melhora em relação ao anterior e a tão esperada cena com Gwen Stacy cumpre as expectativas. No fim, é um bom filme, mas o personagem pode – e merece – um tratamento melhor. Crítica Completa.

Comentário em Áudio dos Realizadores

3.5

sp3

Sem a presença do diretor Marc Webb, a faixa solo de comentários em áudio (com legendas em português) traz os produtores Avi Arad e Matt Tolamch, e os roteiristas Alex Kurtzman e Jeff Pinkner (Roberto Orci também assina o roteiro, mas não está aqui). É interessante para aprender alguns detalhes sobre os bastidores de cenas mais difíceis ou até mesmo algumas que tenham ficado de fora. O problema, é que Arad é um sujeito orgulhoso e narcisista, insistindo em puxar o saco do filme e da equipe todo momento, como se fosse responsável pela realização de Lawrence da Arábia. Basicamente quer esquecer o bom trabalho que fez com Sam Raimi na trilogia original.

Cenas Excluídas e Estendidas

4.5

10390_21_large

Os fãs sedentos por mais vão adorar: 25 minutos de material inédito do filme (13 cenas no total), todo ele com comentário de Marc Webb. A cena mais polêmica envolve o encontro de Peter com seu pai, presumidamente morto, em um final alternativo que foi descartado. Pessoalmente, me chama mais atenção a longa cena que traz Harry apresentando Felicia (Felicity Jones, que tem um pouquinho mais destaque no material inédito) a Peter, já plantando um futuro envolvimento entre o Aranha e a Gata Negra. Temos também mais tomadas com os vilões, incluindo algumas não completadas do Duende Verde. Sem menção às cenas com Mary Jane que foram filmadas com Shailene Woodley, mas é um material sólido.

A Recompensa do Heroísmo: Produzindo O Espetacular Homem-Aranha 2

5.0

sp1

Documentário de 1h40 dividido em seis partes que mergulha no processo de criação, desenvolvimento e produção de O Espetacular Homem-Aranha 2 – também podemos chamá-lo de making of. É denso e bem detalhado, e particularmente me chamou a atenção a influência do ator e acrobata Buster Keaton para Webb e o instrutor de combate durante as cenas que ilustram as manobras do Aranha. O doc ainda fala sobre os rumos da história, os efeitos visuais, os vilões, a maciça construção de uma Times Square digital e em estúdio, a pós-produção e o futuro da saga, contando até com depoimentos em que Webb admite ter aprendido com diversos erros do filme anterior. Muito bom e informativo.

A música de O Espetacular Homem-Aranha 2 por Marc Webb

4.0

spo4

O extra anterior já dedica um bom tempo ao processo da trilha sonora do filme, mas esta ganha ainda mais um featurette, dessa vez enfocando aa decisões de Marc Webb. A trilha é assinada por Hans Zimmer, em conjunto com Pharrell Williams, Johnny Marr e outros, no conjunto batizado de The Magnificent Six. Ponto alto definitivo do departamento, é o tema de Electro (“My Enemy”) que tem o processo de criação mais detalhado.

Clipe Musical “It’s On Again” – Alicia Keys

3.5

sp2

Nada além do videoclipe para uma das músicas-tema do filme: “It’s On Again”, assinada por Alicia Keys. Gosto da música e da direção do clipe, que traz trechos do filme e diversas participações, incluindo Pharrell Williams e Hans Zimmer. Not bad.

Nota Geral: 4.0

O blu-ray simples de O Espetacular Homem-Aranha 2: A Ameaça de Electro está definitivamente acima da média, com muito mais material extra do que a maioria dos lançamentos do tipo. Se eu que não sou o maior admirador do filme e fiquei muito satisfeito, os fãs mais apaixonados vão adorar.

Preço: R$ 69,90

Só lembrando que também estão disponíveis versões em 3D e com DVD.

| Os Estagiários | Google – O Filme, sem graça

Posted in Cinema, Comédia, Críticas de 2013 with tags , , , , , , , , , , , , , , on 31 de agosto de 2013 by Lucas Nascimento

1.5

TheInternship
Vince Vaughn e Owen Wilson vão trabalhar no Google…

Sempre faço questão de frisar, antes de comentar um filme do gênero, que a comédia é muito relativa. Você pode não rir das mesmas piadas que eu e vice-versa, mas eu acho realmente difícil que tenha alguma coisa verdadeiramente engraçada neste Os Estagiários. Mesmo que tente repetir a química entre Owen Wilson e Vince Vaughn (que deu certo no ótimo Penetras Bons de Bico), o filme de Shawn Levy soa mais como um corporate movie do Google e, pior ainda, sem graça alguma.

A trama é assinada por Jared Stern e pelo próprio Vaughn (e tendo em vista que ele também trabalhou no roteiro de Encontro de Casais, seria melhor que o ator ficasse longe da função), e traz os amigos Nick (Owen Wilson) e Billy (Vaughn) arriscando-se em um programa de estágios do Google, após ambos terem perdido sua firma de vendas de relógios. Lá, bem, a dupla enfrenta diversas equipes a fim de conseguir um emprego definitivo na empresa.

Ao ouvir da premissa, eu realmente não sabia o que esperar. Não parecia que havia muito o que falar ou explorar comicamente durante 120 minutos (o que é uma duração muito longa para um filme do gênero, que é sentida aqui), então Os Estagiários aposta basicamente no mesmo tipo de piada: as diferenças de idade entre os personagens de Wilson e Vaughn e a equipe jovinal com quem são forçados a trabalhar. De referências a filmes dos anos 80 (e também elementos da cultura pop, como Harry PotterGame of ThronesStar Wars) até Vince Vaughn repetindo “on the line” umas 4 vezes, o filme chega a causar vergonha alheia. O pior é que o roteiro até tenta dizer alguma coisa nas entrelinhas de suas “piadas” acerca do desemprego pós-crise de 2008 e a crescente dependência em cima da internet móvel. Mas se nem fazer rir o filme consegue, o que dizer de comentário social?

Infelizmente, nem o elenco salva. Wilson faz um preguiçoso piloto-automático e Vaughn dispara seu típico diálogo ultrarrápido, mas é mesmo a interação entre os dois que (em um ou dois momentos) faz valer, um pouco, a experiência. Todo o restante dos intérpretes abraça os mais variados arquétipos e ajudam a tornar cada piada mais previsível ou simplesmente imbecil: o que dizer do antagonista vivido por Max “sotaque britânico” Minghella? Um personagem que existe pelo único propósito de nos fazer odiá-lo, e de uma maneira forçada.

Irritante, longo demais e provocador de tédio, Os Estagiários é uma comédia previsível e completamente apoiada em todos os clichês conhecidos pelo Homem. Mas aposto que o Google deve estar muito feliz com a quantidade de pessoas que irá utilizar a ferramenta para confirmar se a empresa realmente é o local paradisíaco demonstrado no filme.

Obs: O diretor Shawn Levy faz uma rápida ponta em certo momento.

Análise Blu-ray | MILLENNIUM: OS HOMENS QUE NÃO AMAVAM AS MULHERES

Posted in Análise Blu-ray with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 3 de maio de 2012 by Lucas Nascimento

ATENÇÃO: Considerando que alguns extras analisem momentos específicos da trama, o post a seguir contém SPOILERS para aqueles que não assistiram ao filme.

O Filme

A versão hollywoodiana da garota do dragão tatuado é um dos melhores filmes lançados em 2012 no Brasil até agora, e traz David Fincher em sua melhor forma. Contando com um elenco talentoso que traz a inspirada Rooney Mara em um papel desafiador, Millennium: Os Homens que Não Amavam as Mulheres é um thriller estilizado, sombrio e que remete a alguns dos melhores momentos da carreira do diretor. Excelente filme, mas não para os fracos do coração. Crítica

DISCO 1

Comentário em Áudio com David Fincher

Como é de costume nos lançamentos de seus filmes, o diretor David Fincher fornece uma dinâmica e esclarecedora faixa de comentário em áudio. Aqui, ele revela alguns de detalhes de cenas específicas (como os créditos de abertura, a polêmica composição do estupro, o gato “Scotty” entre muitas outras) e ótimas curiosidades (sabe aquele momento em que Daniel Craig agilmente apanha uma garrafa de água caindo? Um genial improviso). Perfeito, o áudio só ajuda a evidenciar (ainda mais) perfeccionismo do cineasta.

DISCO 2

Men who Hate Women

Em menos de 10 minut0s, o elenco principal e membros da equipe discutem o sucesso internacional da trilogia Millennium, escrita pelo sueco Stieg Larsson. Craig, Mara, Fincher, Steven Zaillian (roteirista) apontam os movitos que tornam a obra tão marcante e como uma profunda análise nas camadas inferiores da sociedade – movida pela violência contra a mulher – gerou uma das mais icônicas personagens dos últimos anos. Bom, mas poderia desenvolver-se um pouco mais (são apenas 6 minutos).

CHARACTERS

LISBETH SALANDER

Casting Salander

Aqui, acompanhamos de perto o processo de seleção de Rooney Mara (bem descontraída) para Lisbeth Salander. A atriz detalha os longos testes (que duraram mais de 2 meses) que enfrentou e a responsabilidade que viria ao encarnar a personagem. Acho impressionante como Fincher a contratou em agosto de 2010, apenas alguns meses após a conclusão de seu A Rede Social. O diretor não pára.

Different in Every Way

Rooney Mara, David Fincher, Steven Zaillian e outros discutem as características que tornam Lisbeth Salander “diferente em todos os aspectos”, circulando seu passado violento e até uma certa disfunção psicológica. A equipe acerta ao rebater o argumento de que Salander seria uma heroína, e garante uma boa análise sobre a personagem.

The Look of Salander

Dominado por depoimentos de Rooney Mara e da carismática figurinista Trish Summerville, este featurette disseca as camadas que compõe o visual de Lisbeth Salander. As duas falam sobre a escolha do figurino, os diferentes penteados, os piercings (que, sim, foram de verdade) e o desenho apropriado para as tatuagens que preenchem seu corpo.

Mara/Fincher

Featurette totalmente voltado na relação entre o diretor David Fincher e a atriz Rooney Mara, tendo em foco uma pequena cena onde Salander espiona o apartamento de Wennerstrom. Mara comenta alguns requisitos da performance (ir morar sozinha na Suécia, distanciar-se de amigos e família) e como seu diretor a orientou para capturar perfeitamente a alma da personagem.

Irene Nesser

Aqui, o foco principal é a transformação física de Rooney Mara para o disfarce de Irene Nesser, logo no fim do filme. Perucas, maquiagens e algumas piadas divertidas (Fincher apostando se a atriz seria capaz de caber em um armário), é irônico que Mara tenha detestado vestir-se como Nesser, já que já havia se acostumado com o visual dark de Salander.

Salander Screen Test Footage

Armado com uma mini-câmera escondida, David Fincher saiu com uma Rooney Mara totalmente caracterizada como Salander pelas ruas e o metrô, a fim de ajudá-la a entrar na personagem e compreender o isolamento requerido. Ótimo, mas a qualidade do vídeo deixa a desejar – mas tudo bem, é uma câmera oculta.

MIKAEL BLOMKVIST

Casting Blomkvist

Similar ao Casting Salander, mas com a diferença de que o jornalista Mikael Blomkvist não se apresente um personagem tão difícil de se interpretar (isso se compararmos o extenso processo de seleção enfrentado por Rooney Mara), e sim uma questão de encontrar alguém que trouxesse a aura apropriada. Daniel Craig comenta a escalação, o trabalho com David Fincher e sua admiração pelo diretor; assim como a importância de um bom roteiro.

Daniel Craig on Film Acting

Muito breve, mas com grande eficiência, Daniel Craig compartilha suas primeiras experiências como ator e como sua tática foi testada durante as filmagens de Millennium. Após ver essas entrevistas, fica a impressão de que Craig é um tremendo profissional (muitos gestos do personagem, tiques e manias vieram de sua cabeça) e um cara simpático.

Dressing Blomkvist

A figurinista Trish Summerville fala novamente sobre sua contribuição com os figurinos do filme, dessa vez centrando-se no personagem de Mikael Blomkvist. Ela não detalha muito suas escolhas ou define algum padrão específico – já que o extra não passa dos 3 minutos -, mas tiro o chapéu pela qualidade do guarda-roupa. Blomkvist se veste bem pra cacete.

The Investigation (Stills)

Aqui temos quatro galerias com fotografias antigas retratadas ao longo do filme, assim como imagens de alguns cenários (como o chalé de Blomkvist). O grande atrativo é observar a atenção aos detalhes em certos elementos, como a parede repleta de fotos e anotações sobre a família Vanger (é possível visualizar cada ligação, observação feita pelo jornalista) e também o cuidado ao fornecer uma resolução estragada, antiga. Perfeito complemento.

MARTIN VANGER

Stellan Skarsgard on Film Acting

Certamente o ator sueco mais conhecido do filme, Stellan Skarsgard fala sobre sua técnica de atuação, oferecendo uma interessante comparação entre o método de David Fincher e o de Lars Von Trier (com quem filmou Melancolia, lançado ano passado), acentuando a distinta diferença entre os dois. Tem uma duração curta como o featurette voltado a Daniel Craig, mas é igualmente eficiente.

Pscychopathy

Stellan Skarsgard comenta seu estudo sobre psicopatas, e os benefícios (e malefícios) de se interpretar um, como vemos em sua ótima performance de Martin Vanger. O ator ainda fala sobre como trabalhou para tornar o personagem agradável e inofensivo durante a primeira metade do filme, e que a revelação de suas reais intenções fosse pertinente à trama.

Bonding

Primeira fase de testes sobre a cena da tortura. David Fincher analisa o tipo de mecanismo que usará para prender Mikael Blomkvist, a “coleira” certa e outros detalhes técnicos pertinentes. Fica tenso quando uma pequena discussão surge, quando o responsável pelo equipamento irrita-se com a obsessão de Fincher em achar a armadilha ideal e fica incapaz de atender a seu pedido.

Torture

Mais uma vez sobre a cena da tortura, vemos aqui o mecanismo desenvolvido para que o dublê de Daniel Craig fosse arrastado pelo chão e, logo depois, pendurado pelo pescoço em um gancho. Vemos também o ator interagindo com o saco plástico.

Wrapped in Plastic

Fechando os extras sobre a cena da tortura, aqui vemos como a equipe criou um falso sufocamento para Craig, tendo um saco plástico como arma. Bem simples e direto, é interessante analisar esses mini-documentários como um só.

Set Design (Stills)

Parecido com The Investigation (Stills), aqui é possível acessar galerias que mostram o desenho de produção (desde a arte inicial até modelos 3D e até mesmo a planta geográfica) de alguns cenários do filme. Há a residência Vanger, o sótão com as flores emolduradas, casa de Martin, chalé de Blomkvist, entre muitos outros.

ON LOCATION

SWEDEN

Stockholm’s Syndrome

Iniciando a sessão sobre a Suécia, vemos aqui alguns comentários da produção sobre como foi a experiência de filmar em um país escandinavo. David Fincher salienta a importância de manter a história original em Estocolmo (mencionando a arquitetura da cidade, as pessoas e o frio congelante) e alguns membros do elenco afirmam que a viagem os ajudou a entender melhor seus personagens. É interessante também o choque entre o método americano e o sueco de filmagem.

Stockholm’s Tunnelbana

Bastidores da cena em que Lisbeth é assaltada no metrô de Estocolmo, onde vemos novamente a meticulosidade de David Fincher e, paradoxalmente, momentos em que este age com instinto e improviso. Exemplo: Lisbeth desce correndo a escada-rolante após recuperar sua bolsa e esbarra no café de uma mulher. “Devemos contar a ela?”, pergunta Rooney Mara; “Não”, replica o diretor.

Fuck these People

As gravações de uma cena que, eventualmente, acabou modificada e reencenada (o resultado final é o momento em que Salander revela a Blomkvist que possui informações a respeito de Wennerstrom). O ponto alto aqui é a hilária felicidade de David Fincher ao testemunhar um “arco-íris duplo” no céu. “Double rainbow! What the fuck does that mean?”. Divertidíssimo.

The End

Os bastidores da cena final do longa, onde Lisbeth tem seu coração partido. Há discussões com o elenco, diretor e roteirista sobre o significado temático (que Salander enfim atinge a maturidade e a capacidade de confiar em mais alguém) e uma exploração da parte técnica, tal como a posição apropriada de Rooney, o lançamento ideal do presente na lata de lixo e a manobra de motoclicleta que encerra o longa. Ótimo.

Picture Wrap

É registrado aqui o último dia das filmagens na Suécia, com a cena em que Lisbeth passeia pelos corredores do depósito da empresa Vanger e pega café em uma máquina. Não achei tão interessante, já que o foco do featurette gira em torno de uma máquina de café problemática e o conserto da mesma. Vale para ver as repetidas tomadas de Rooney Mara atuando.

HOLLYWOOD

Casting Armansky

Como o próprio nome já diz, acompanhamos uma breve exploração sobre a escalação do ator Goran Visnjic para o personagem de Dragan Armansky, chefe de Lisbeth Salander. É bom ver que Armansky ganhou devida atenção, considerando a importância que este tem nos dois últimos livros da trilogia. Na mesma sessão, é possível ver o teste do ator para o papel.

Thinking Evil Shit

Um extra dedicado totalmente a um movimento de câmera. Isso mesmo, UM movimento de câmera. Mas também, trata-se da engenhosa virada de ponta-cabeça, que se dá em um dos momentos cruciais da trama. Aqui, Fincher analisa o significado de tal mise em scène e como as câmeras usadas foram ajustadas, visando o resultado perfeito.

Rape/Revenge

Com muito profissionalismo e, tendo o cinema e a arte como base, David Fincher analisa as cenas de estupro e a importância das mesmas (em sua opinião, o ataque deve ser retratado graficamente, para que a vingança que surge posteriormente tenha uma justificativa) do filme e como foi difícil para Rooney Mara e Yorick van Wageningen (que revelou ter chorado após as gravações) atuar nessas situações. Há depoimentos de ambos os atores, do roteirista Steven Zaillian e do diretor de fotografia Jeff Cronenweth.

Int. Blomkvist’s Cottage/Salander’s Apartment/Martin’s House

Aqui temos três pequenos making ofs de algumas cenas do filme, onde a atenção fica para a iluminação e o posicionamento de personagens/objetos. Vemos a preparação do momento que precede a cena de sexo entre os protagonistas, Lisbeth preparando sua vingança e – o melhor deles – quando Mikael é sedado com uma imensa bomba de gás no porão de Martin Vanger (é divertido ver as inúmeras quedas do ator).

POST PRODUCTION

In the Cutting Room

Em cerca de 15 minutos, acompanhamos o glorioso processo de montagem, tendo os oscarizados Kirk Baxter e Angus Wall como principal orientação. A dupla explica como Millennium foi bem mais complexo do que A Rede Social, tendo em mente que o novo filme apresenta duas tramas paralelas distintas e diversas sequências de flashback (estas têm uma análise mais detalhada com David Fincher, diretamente da sala de montagem). Excepcional, principalmente se você curte o processo.

ADR

Uma breve olhada no estúdio de gravação do ADR (que é a adição e correção de novos sons ao filme, que vão de suspiros até diálogos inteiros), dando ênfase à cena da vingaça e a chegada à casa de Martin. Talvez seja o mais engraçado dos extras, já que David Fincher e Rooney Mara não economizam nas piadas (chulas, mas divertidas). No entanto, queria ver depoimentos de Ren Klyce, o sonoplasta encarregado de tal função no filme.

Main Titles

Trazendo o recurso de spli-screen (tela dividida), acompanhamos três estágios dos arrebatadores créditos de abertura do filme: animação inicial, intermediária e o resultado final.  Uma faixa de comentário com o diretor da sequência de animação, Tim Miller do Blur Studio, está disponível. Só acho que deveriamos ter depoimentos de Karen O e Trent Reznor sobre o cover de “Immigrant Song”.

Visual Effects Montage

Sem nenhum comentário, acompanhamos a construção de alguns efeitos visuais em diferentes cenas do filme. É interessante observar como até a mais simples das tomadas (como o gato arranhando a janela do chalé de Blomkvist) tiveram o uso de efeitos digitais, que surgem aqui como uma ferramente complementativa (neve digital, reflexo de carros, sangue). No entanto, me surpreendi com o uso do recurso na perseguição de carros que surge próxima ao clímax.

PROMOTION

Trailers & TV Spots

Como parte do material de divulgação, temos aqui 5 trailers (incluindo a versão Rated R do famoso teaser trailer) e 10 comerciais de TV. Já disse várias vezes e repito: a presença desse tipo de extra só ganha pontos. Só não leva nota máxima por não trazer o trailer de 8 minutos exibido no Festival de Toronto do ano passado.

Hard Copy

Aqui é disponibilizado um documentário falso (um tanto sensacionalista) que investiga o desaparecimento de Harriet Vanger. O que chama a atenção é o visual do vídeo, que é apresentado em baixíssima qualidade de imagem – na tentativa de reproduzir a de um video-cassete – e de som. Mais um bom suplemento.

Metal Sheet Production

Vemos aqui a produção de um pôster de metal do filme. Já publiquei anteriormente no blog, mas é um bom material extra.

Nota Geral:

Sem dúvida um dos melhores blu-rays que já adicionei à minha coleção. Além de trazer o filme em uma qualidade de imagem e som perfeitas, uma quantidade enorme de material extra e menus caprichados, apresenta uma embalagem invejável (bem, ao menos a versão americana). O filme ainda não foi lançado no mercado brasileiro mas quando for, deverá ser uma prioridade.

Preço: A definir.

Observação: Consegui o filme em blu-ray graças a uma colega que viajara aos EUA na semana passada. Muito obrigado, dona Marlene!

Análise Blu-ray | 127 HORAS

Posted in Análise Blu-ray with tags , , , , , , , , , , , on 23 de junho de 2011 by Lucas Nascimento

O Filme

127 Horas é uma empolgante história de sobrevivência, narrada com maestria pelo diretor Danny Boyle e movida pelo talento imenso de James Franco, que revela-se um ótimo ator dramático. Com uma belíssima fotografia e uma dinâmica montagem, é um ótimo filme e merece ser visto em Blu-ray. Crítica

Extras

Comentário em Áudio

O diretor Danny Boyle, o co-roteirista Simon Beaufoy e o produtor Christian Coulson comentam o filme inteiro, apresentando detalhes interessantes sobre cenas específicas, algumas dificuldades para filmar no Blue John Canyon, a empolgante trilha sonora de A.R. Rahman e não faltam elogios para o trabalho de James Franco. Perde pontos apenas por não apresentar a opção de legendas em português…

Cenas Excluídas

Apresentando cerca de 35 minutos de cenas excluídas, vemos aqui mais mensagens de Aron no cânion (que ajudam a explorar o talento de James Franco), um diálogo interessante com as mochileiras do início do filme e também um final alternativo que eu particularmente não gosto tanto quanto o original. Bom material.

Busca e Resgate

Nesse extra, colocamos a ficção de lado para analisar os fatos sobre o resgate de Aron Ralston (que no filme é retrato de forma subjetiva, sem lhe dar muitos detalhes). Aprendemos como a família do alpinista e grupos de resgate descobriram o paradeiro do rapaz, as cirurgias enfrentadas por Aron após a amputação e o verdadeiro milagre que ele teve ao ser encontrado por uma família no cânion. Há depoimentos de Aron Ralston (que passa uma bela mensagem de superação), sua mãe, a equipe de resgate e as (reais) mochileiras Kristi e Megan. Muito bom.

127 Horas: Uma Visão Extraordinária

Vamos aos negócios de cinema: aqui, acompanhamos o making of de 127 Horas, apresentando detalhes sobre a suada performance de James Franco (inspirada pelos depoimentos reais de Aron no cânion) e as dificuldades enfrentadas ao trabalhar em um ambiente tão apertado e limitado. É bacana também ver o entusiasmo do diretor Danny Boyle no set, e seu orgulho ao ver uma cena terminada. É muito explicativo (a cena da amputação é analisada detalhadamente) e apresenta-se no tempo de duração necessário. Perfeito.

Obs: O Blu-ray apresenta o curta-metragem vencedor do Oscar, The God of Love. Já que nada tem a ver com 127 Horas ou seu material extra, não me senti na obrigação de comentá-lo (mesmo tratando-se de um trabalho excelente). Outro dia…

Nota Geral:

127 Horas é um belíssimo filme, que fica ainda mais espetacular no Blu-ray; a qualidade de imagem é uma das mais superiores que eu já vi (a imagem é em fullscreen, o que torna a experiência mais imersiva) e os extras são muito eficientes. Recomendado.

Preço: 79,90