Arquivo para documentario

| Citizenfour | Crítica

Posted in Críticas de 2015, Documentário, Home Video with tags , , , , , , , , , , , , on 13 de março de 2015 by Lucas Nascimento

5.0

Citizenfour
Edward Snowden

Eu nunca escrevi uma crítica para documentário, mas o que encontrei em Citizenfour foi incapaz de me deixar calado. Não sei exatamente como se analisar uma obra não ficcional, quais os critérios, os pontos que o enfraquecem ou o destacam de uma matéria jornalística ou o que torna um documentário algo realmente especial… Mas acho que o longa arrebatador (merecidamente premiado com o Oscar) de Laura Poitras me deu uma noção eficiente a respeito.

Para quem não sabe, o documentário relata o escandâlo dos vazamentos de documentos e dados feitos pelo funcionário da CIA Edward Snowden, revelando que diversas empresas americanas administradas pela NSA espionam ligações, mensagens e quaisquer outros tipos de comunicação de seus clientes – não só dos EUA, mas de países de todo o mundo.

Um dos fatores que mais me surpreendeu em Citizenfour, foi que eu não sabia que o vazamento de Snowden tinha sido feito especialmente para este documentário. A série de entrevistas em Hong Kong que Laura Poitras e sua equipe registram ocorrem em Junho de 2013, e acompanhamos de maneira quase descontraída como Snowden vai expondo o trabalho antiético da NSA; ou melhor, não muito descontraída, já que frequentemente a paranóia invade o quarto de hotel e encontramos o protagonista checando seu telefone para garantir que não está grampeado ou que um simples teste de alarme de incêndio não é nada além disso.

Aliás, esse é o elemento que mais me agradou aqui: o clima. O documentário é montado e executado como um thriller de espionagem remanescente da era de John Le Carré e os clássicos da Hollywood dos anos 70, promovendo sempre uma atmosfera suspeita e o pressentimento de vigilância (“Parei porque descobri que estava sendo seguida”, diz um dos cartões em certo trecho). A diferença é que tudo aqui é real, e o impacto é muito mais forte. A câmera às vezes escondida, insegura e os textos/transcrissões de e-mails que substitutem imagens que não seriam possíveis de serem registradas ajudam a construir uma tensão constante, o medo de um inimigo invisível – o Big Brother de George Orwell – que estaria em todo lugar.

Mas ainda assim, Proitas consegue ser acertadamente cinematográfica nos momentos em que a história permite. Chega a ser meio paradoxal, encontrar a oportunidade de dramaturgia na vida real, mas é o que acontece quando, por exemplo, a câmera acompanha a longa preparação de Edward Snowden antes de deixar o hotel pela primeira vez depois de seu vazamento histórico. O silêncio do quarto, a televisão num volume mínimo e o gesto rotineiro de Snowden passando gel no cabelo enquanto busca uma forma de sutilmente mudar sua aparência são todos os elementos necessários para jogar o espectador naquela situação, entrar na pele de Snowden e sentir seu nervosismo.

No sentido jornalístico, o documentário também é impecável. Poitras reúne trechos de audiências públicas da NSA (que nega até o fim qualquer tipo de espionagem a dados pessoais de seus clientes), palestras, leituras e programas da CNN que acompanham a imediata repercussão dos arquivos de Snowden – e acompanhar sua reação ao assistir a televisão (um misto de orgulho/medo estampam suas feições) é algo realmente único. Aliás, fiquei também impressionado com a quantidade de cenas que trazem o Brasil como pano de fundo, trazendo até o jornalista Glenn Greenwald soltando um português eficaz durante uma assembléia em Brasília, enquanto discute que o país está entre os alvosa da espionagem americana.

Citizenfour me impactou como poucos documentários que vi nos últimos anos, impressionando com a linguagem que encontra para conciliar seus relatos jornalísticos de um escândalo global, com a criação de uma atmosfera quase hollywoodiana, que poderia facilmente rotulá-lo como um thriller de espionagem. Mas é real, o que o torna ainda mais fascinante. E assustador.

Obs: O documentário foi disponibilizado online gratuita e legalmente pela diretora Laura Poitras.

Anúncios

WRITERS GUILD AWARDS 2015: Os vencedores

Posted in Prêmios with tags , , , , , , , , , , on 15 de fevereiro de 2015 by Lucas Nascimento

2014, THE IMITATION GAME

E estão aí os vencedores do Writers Guild Awards 2015:

ROTEIRO ORIGINAL

O Grande Hotel Budapeste | Wes Anderson e Hugo Guinness

ROTEIRO ADAPTADO

O Jogo da Imitação | Graham Moore

ROTEIRO DE DOCUMENTÁRIO

The Internet’s Own Boy: The Story of Aaron Swartz | Brian Knappenberger

Análise Blu-ray | O ESPETACULAR HOMEM-ARANHA 2: A AMEAÇA DE ELECTRO

Posted in Análise Blu-ray with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 3 de setembro de 2014 by Lucas Nascimento

bd

Uau, faz muito tempo que não apareço com um Análise Blu-ray por aqui… Pra tirar o atraso, resolvi falar sobre o último filme a adentrar minha coleção: O Espetacular Homem-Aranha 2: A Ameaça de Electro. Não só é o mais recente lançamento, mas também é um filme que ganhei num sorteio, e eu NUNCA ganho esse tipo de coisa. Por isso, a atenção. Vamos lá:

O Filme

3.5

10390_5_large

Bem, vocês que leem o blog sabem que achei o novo filme uma bela bagunça. Não acho que Marc Webb seja o diretor ideal para tocar a franquia, o ritmo e tom se misturam entre o cartunesco, com o Electro bobalhão de Jamie Foxx, e o drama, envolvendo a chatice da subtrama dos pais de Peter Parker ou a própria decisão de tornar o Aranha mais descolado, menos nerd. Mas mesmo assim, em meio ao caos é possível encontrar boas coisas: humor acertado, o elenco é carismático, a ação melhora em relação ao anterior e a tão esperada cena com Gwen Stacy cumpre as expectativas. No fim, é um bom filme, mas o personagem pode – e merece – um tratamento melhor. Crítica Completa.

Comentário em Áudio dos Realizadores

3.5

sp3

Sem a presença do diretor Marc Webb, a faixa solo de comentários em áudio (com legendas em português) traz os produtores Avi Arad e Matt Tolamch, e os roteiristas Alex Kurtzman e Jeff Pinkner (Roberto Orci também assina o roteiro, mas não está aqui). É interessante para aprender alguns detalhes sobre os bastidores de cenas mais difíceis ou até mesmo algumas que tenham ficado de fora. O problema, é que Arad é um sujeito orgulhoso e narcisista, insistindo em puxar o saco do filme e da equipe todo momento, como se fosse responsável pela realização de Lawrence da Arábia. Basicamente quer esquecer o bom trabalho que fez com Sam Raimi na trilogia original.

Cenas Excluídas e Estendidas

4.5

10390_21_large

Os fãs sedentos por mais vão adorar: 25 minutos de material inédito do filme (13 cenas no total), todo ele com comentário de Marc Webb. A cena mais polêmica envolve o encontro de Peter com seu pai, presumidamente morto, em um final alternativo que foi descartado. Pessoalmente, me chama mais atenção a longa cena que traz Harry apresentando Felicia (Felicity Jones, que tem um pouquinho mais destaque no material inédito) a Peter, já plantando um futuro envolvimento entre o Aranha e a Gata Negra. Temos também mais tomadas com os vilões, incluindo algumas não completadas do Duende Verde. Sem menção às cenas com Mary Jane que foram filmadas com Shailene Woodley, mas é um material sólido.

A Recompensa do Heroísmo: Produzindo O Espetacular Homem-Aranha 2

5.0

sp1

Documentário de 1h40 dividido em seis partes que mergulha no processo de criação, desenvolvimento e produção de O Espetacular Homem-Aranha 2 – também podemos chamá-lo de making of. É denso e bem detalhado, e particularmente me chamou a atenção a influência do ator e acrobata Buster Keaton para Webb e o instrutor de combate durante as cenas que ilustram as manobras do Aranha. O doc ainda fala sobre os rumos da história, os efeitos visuais, os vilões, a maciça construção de uma Times Square digital e em estúdio, a pós-produção e o futuro da saga, contando até com depoimentos em que Webb admite ter aprendido com diversos erros do filme anterior. Muito bom e informativo.

A música de O Espetacular Homem-Aranha 2 por Marc Webb

4.0

spo4

O extra anterior já dedica um bom tempo ao processo da trilha sonora do filme, mas esta ganha ainda mais um featurette, dessa vez enfocando aa decisões de Marc Webb. A trilha é assinada por Hans Zimmer, em conjunto com Pharrell Williams, Johnny Marr e outros, no conjunto batizado de The Magnificent Six. Ponto alto definitivo do departamento, é o tema de Electro (“My Enemy”) que tem o processo de criação mais detalhado.

Clipe Musical “It’s On Again” – Alicia Keys

3.5

sp2

Nada além do videoclipe para uma das músicas-tema do filme: “It’s On Again”, assinada por Alicia Keys. Gosto da música e da direção do clipe, que traz trechos do filme e diversas participações, incluindo Pharrell Williams e Hans Zimmer. Not bad.

Nota Geral: 4.0

O blu-ray simples de O Espetacular Homem-Aranha 2: A Ameaça de Electro está definitivamente acima da média, com muito mais material extra do que a maioria dos lançamentos do tipo. Se eu que não sou o maior admirador do filme e fiquei muito satisfeito, os fãs mais apaixonados vão adorar.

Preço: R$ 69,90

Só lembrando que também estão disponíveis versões em 3D e com DVD.

O novo filme de Robert Zemeckis

Posted in Notícias with tags , , , , , , , , , on 6 de maio de 2014 by Lucas Nascimento

wire-banner-1-23

Foi só hoje que de fato me debrucei sobre o próximo trabalho do diretor Robert Zemeckis (que retornou ao live action com o eficiente O Voo, em 2012). Zemeckis cuida no momento de To Reach the Clouds, uma adaptação em 3D sobre a vida do equilibrista Philippe Petit, que foi retratado no documentário oscarizado O Equilibrista, ganhando as feições de Joseph Gordon-Levitt.

Petit ficou famoso mundialmente por andar em uma corda bamba entre as duas torres do World Trade Center, evento que deve ser um dos pontos altos da produção.

To Reach the Clouds tem estreia marcada para 2 de Outubro de 2015.

Análise Blu-ray | BATMAN – O CAVALEIRO DAS TREVAS RESSURGE

Posted in Análise Blu-ray with tags , , , , , , , , , , , , , , on 29 de novembro de 2012 by Lucas Nascimento

O Filme

Após o sucesso absurdo do longa anterior, Christopher Nolan traz Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge para encerrar sua trilogia sobre o icônico super-herói da DC Comics. Mesmo que não alcance a perrfeição do segundo capítulo, o filme é uma conclusão satisfatória e épica ao extremo, levando seus personagens a rumos ousados (nunca antes um herói fantasiado levou uma surra tão brutal quanto a que vemos aqui) e continuando a abordagem sombria/realista que marcou os longas anteriores. Um excelente filme, e o melhor de 2012 até o momento. Crítica

Produção

No formato que usualmente se associaria aos modos de “Maximum Movie Mode” dos blu-rays da Warner, os bastidores de momentos chave do filme vêm no disco de extras e não junto ao filme. Divergências formais de lado, aqui acompanhamos o processo de criação de cenas como o sequestro do avião, a luta entra Batman e Bane, a perseguição final entre outras. A análise é mais profunda dependendo da dificuldade da cena (e, assim, momentos importantes ficam devendo um tratamento mais detalhado) e é incrível ver como Christopher Nolan realmente gosta de fazer tudo (ou quase) de verdade.

Personagens

Três mini-documentários que acompanham detalhes sobre a criação e história dos principais personagens de O Cavaleiro das Trevas Ressurge: Bruce Wayne, Bane e Selina Kyle. Por mais interessante que seja ver os realizadores discutindo os rumos da jornada do personagem-título ou a intensidade com que Anne Hathaway assumiu os saltos-alto Mulher-Gato, o destaque é mesmo do vilão Bane, que ganha uma análise que explora desde seu visual até a definição de sua voz e a selvagem trilha de Hans Zimmer.

Reflexões

Aqui, temos dois featurettes muito interessantes: um sobre o uso da tecnologia IMAX no filme e outro sobre a conclusão da trilogia de Nolan. O primeiro explora como as cenas ficam muito mais grandiosas no formato – e também como significativa quantidade da projeção aderiu às telas gigantes – enquanto o segundo traz depoimentos de diversos membros da equipe, sobre o final de O Cavaleiro das Trevas Ressurge e as experiências adquiridas no desenvolvimento dos três filmes.

Documentário “O Batmóvel”

Um ótimo documentário que explora o mito por trás do Batmóvel, e sua importância dentro da mitologia do Batman. Do carango usado por Adam West na série de TV dos anos 60, passando pelos estilosos modelos de Tim Burton e Joel Schumacher e, finalmente, ao Tumbler de Christopher Nolan, uma série de depoimentos de cineastas e designers explicam detalhadamente cada um dos carros utilizados pelo Homem-Morcego.

Arquivo de Trailers/Pôsteres

Sempre um “acessório” bem-vindo em edições especiais, aqui temos um acervo com os 4 trailers de divulgação do filme e as principais peças de divulgação do longa, que vão de pôsteres à banners. Nada a reclamar.

Nota geral:

 

Assim como os outros longas da trilogia em blu-ray (aproveitei pra comprar o box com os três filmes, recomendadíssimo) Batman – O Cavaleiro das Trevas Ressurge traz uma qualidade de vídeo e som excelentes (com destaque para as cenas em IMAX, onde a imagem ocupa a tela toda) e um material extra muito bom, mas que certamente poderia ser mais explorado. A Warner com certeza deve estar guardando muito material para futuras edições (cenas excluídas e comentários em áudio são o que mais anseio), mas até esse dia chegar, esse blu-ray faz um belo serviço.

Preço: 79,90

 

 

Análise Blu-ray: A REDE SOCIAL

Posted in Análise Blu-ray with tags , , , , , , , , , , , , , , , , on 3 de março de 2011 by Lucas Nascimento

Disco 1

O Filme

Mais uma obra-prima de David Fincher, a história sobre a fundação do site Facebook é seu melhor filme desde Clube da Luta e traça uma visão sombria da geração atual, com enfoques em computação e empreendedorismo. Um dos melhores de 2010. Crítica

Comentário em Áudio com David Fincher

O diretor David Fincher compartilha alguns pensamentos e comentários sobre o filme enquanto ele passa. Fincher não poupa palavrões, mas o blu-ray infelizmente os censura; sua obsessão perfeccionista é bem evidente aqui, dando atenção a cenas específicas que deram mais trabalho.

Comentário em Áudio com Aaron Sorkin e o elenco

Mais divertido do que o anterior, essa faixa apresenta comentários do roteirista Aaron Sorkin, Jesse Eisenberg, Andrew Garfield, Armie Hammer, Josh Pence e Justin Timberlake, que fazem ótimas observações sobre as cenas em que aparecem. Eisenberg aponta detalhes interessantes, Garfield, Pence e Hammer relembram acontecimentos engraçados das filmagens e fazem muitas piadas. Sorkin e Timberlake falam pouco, mas contribuem no processo.

Disco 2

Como eles fizeram um filme do Facebook?

Dividido com base nas locações, cidades e estúdios por onde a equipe passou, esse documentário relata desde a escolha do elenco até a finalização das filmagens. Repleto de curiosidades e informações interessantíssimas (como o processo de criação dos gêmeos, a relação entre o diretor e o roteirista e a obsessão perfeccionista de Fincher), é um excelente extra.

O Visual do filme por Jeff Cronenweth e David Fincher

Só não ganha a nota máxima por ser curto. O diretor David Fincher e o diretor de Fotografia Jeff Cronenweth comentam a aparência do filme e também enfocam as dificuldades em filmar locações próximas de Harvard. Leis foram quebradas e até mesmo um mímico auxilou a equipe em uma estratégia inteligente visando uma iluminação específica.

Angus Wall, Kirk Baxter e Ren Klyce discutem a pós-produção

Minha fase preferida do processo de fazer filmes, a dupla de montadores Angus Wall e Kirk Baxter falam sobre o complexo trabalho de filmagem e as técnicas utilizadas para alcançar o resultado esperado por David Fincher. Em contrapartida, o sonoplasta Ren Klyce detalha o processo de mixagem de som e o quão importante ele foi para narrativa – Fincher desejava uma imersão realista no cenário. O melhor extra do BD.

Trent Reznor, Atticus Ross e David Fincher falam da Trilha Sonora

Os compositores Trent Reznor e Atticus Ross apresentam uma amostra de seu magnífico trabalho na trilha sonora do filme, e em seus peculiares acordes. Há uma grande dissecação da faixa Hand Covers Bruise (a música tocada nos créditos de abertura, entre outros momentos), sobre sua importância no desenvolvimento do personagem principal e como ela levemente é alterada de acordo com a cena. Genial.

Swarmatron

O Swarmatron é um despositivo utilizado pela dupla Reznor-Ross para “temperar” algumas faixas com um ruído sinistro e perturbador. Curto e simples, é um extra direto ao ponto e apresenta bons exemplos do uso do equipamento.

Sala VIP Ruby Skye: Cena Multi-ângulo

Esse extra permite ao espectador aprender sobre os elementos da cena onde Sean e Mark conversam na balada Ruby Skye. Pode ser assistido como um documentário (todas as 4 partes em ordem linear) ou com telas divididas, que mostram os ensaios da cena, o trabalho da mixagem de som, iluminação e as filmagens principais. Muito bom.

In the Hall of the Mountain King: Pesquisa Musical

Aqui, é possível ouvir a faixa In the Hall of the Mountain King (versão eletrônica da composição de Grieg) em seus diferentes estágios; a primeira versão era bem mais psicodélica, fico feliz por terem optado pela versão vista no filme. A música, caso não saibam, toca na cena da Royal Henley Regata.

Nota Geral:

Um dos melhores filmes do ano passado, o blu-ray de A Rede Social merece espaço em sua coleção. A qualidade de imagem é espetacular e os extras são mais do que satisfatórios.

Preço: R$ 59,90

Observação: O xingamento que Fincher e Sorkin originalmente queriam para cena de Mark na sala de aula, e que é censurado duas vezes nos comentários do blu-ray, é cocksucker. Mantenho a dignidade do blog ao não traduzi-lo.

Observação 2: O Menu Principal do blu-ray é sensacional.

Imagens: Blu-ray.com

Análise Blu-ray: A ORIGEM

Posted in Análise Blu-ray with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 23 de dezembro de 2010 by Lucas Nascimento

Disco 1

O Filme

Não há dúvidas, é o melhor filme de 2010. Um espetáculo de ideias e cenas de ação arrebatadoras que constroem um entretenimento genuíno e inteligente, resultando no filme mais original dos últimos anos. Crítica

Extraction Mode

Todos os Blu-rays da Warner possuem a opção interativa de assistir ao filme e, em certos momentos, ser informado como a cena foi realizada, curiosidades, etc. Em A Origem, esse acessório funciona muitíssimo bem (as animações de transições entre filme e documentário são ótimas) e o material informativo é satisfatório.

Acompanhamos o desenvolvimento das espetaculares cenas de ação, design dos cenários, processo de criação da história, a sensacional música de Hans Zimmer e o trabalho para “distorcer” a gravidade nas cenas do hotel. Vale destacar como os efeitos visuais foram usados de maneira sutil; Christopher Nolan mostra sua obsessão em filmar o máximo possível, usand0 CG apenas quando não tinha jeito; o limbo e a rua dobrada em Paris são os grandes exemplos da “cacetada” de efeitos visuais.

É um excelente material extra.

Disco 2

Dreams: Cinema of the Subconscious

O ator Joseph Gordon-Levitt (Arthur) e uma leva de psicólogos e médiuns, mergulham nos estudos sobre os sonhos. É um documentário muito interessante e curioso, apresentando relatos sobre a influência dos sonhos na vida real, o que leva as pessoas a terem certos sonhos, os pesadelos e até como controlar o que você sonha (os chamados sonhos lúdicos). É realmente um ótimo complemento.

Animação: The Cobol Job

O prólogo de A Origem é aquela HQ que a Warner disponibilizou na internet antes de o longa estrear  nos cinemas, só que animada e com trilha sonora de Hans Zimmer. A trama é muito bem elaborada e interessante, ajudando a esclarecer melhor o que Cobb e Arthur queriam em sua Extração de Saito no começo do filme.

Trilha Sonora de Hans Zimmer em 5.1

Basicamente, ao comprar este blu-ray você ganha de brinde a trilha sonora do filme. Este extra permite ouvir as 12 faixas (11, já que falta uma do CD) compostas por Zimmer para o filme, em som 5.1. É ótimo ouvir a trilha sonora, mas é que ela simplesmente toca em um fundo preto; dava pra colocar uma imagem né?

Extras: Desenhos de produção e campanha de marketing

É um título auto-explicativo. Aqui temos duas galerias; uma que contém todos os pôsteres e banners do filme e a outra, diversos desenhos de produção de Guy Hendrix Dyas que mostram os conceitos de cenários e algumas cenas do filme. Pra quem se interessa, é um prato cheio.

Trailers e Tv Spots

Apresenta aqui os três ótimos trailers do filme e 10 comerciais de TV, que embora sejam empolgantes, são muito repetitivos e apresentam um tom diferente ao filme.

Nota Geral:

A Origem é um blu-ray essencial para qualquer cinéfilo que se preze. A qualidade da imagem é ótima e o som é altíssimo, e os extras são caprichados e informativos. Obrigatório.

Preço: R$ 89,90