Arquivo para estúdio

Marvel Studios Top 10

Posted in Especiais with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 4 de agosto de 2014 by Lucas Nascimento

MarvelTop10

A estreia de Guardiões da Galáxia na última quinta-feira marca o 10º filme lançado pela Marvel Studios. Seis anos desde que Kevin Feige e cia lançaram o estúdio, com Homem de Ferro e O Incrível Hulk – e eu estive lá, conferindo todos no cinema(aliás, o blog também teve início em 2008).

Hoje, todos querem ser Marvel. A Warner corre atrás com a DC, a Sony tenta fazer algum sentido com seu Espetacular Homem-Aranha e até os monstros da Universal visam um universo compartilhado.

Enfim, enquanto tudo isso acontece, resolvi rankear pela primeira vez os 10 filmes do estúdio, de acordo com minha opinião pessoal.

Confira:

10. Homem de Ferro 3 (2013)

2.5

iron3

Filme que inicia a Fase 2 da Marvel Studios no cinema, também encerra a trilogia de Tony Stark e traz a função de seguir o sucesso de Os Vingadores. Não é de se espantar que Homem de Ferro 3 seja irregular, mas impressiona o quão medíocre foi o resultado atingido. Não vou nem me referir à polêmica do Mandarim de Ben Kingsley (ou Guy Pearce, ou seja lá quem ele for de verdade), basta apontar as decisões que Shane Black tomou ao apostar em um longa centrado em Stark, perdido numa trama sem graça e entediante, dependente do carisma de Robert Downey Jr. Depois desse filme, cansei de Homem de Ferro solo.

Crítica

9. Thor (2011)

3.0

thor

O filme responsável por introduzir os elementos de magia à série traz um resultado irregular. Por um lado, as cenas mais fantásticas do Deus do Trovão e seus companheiros em Asgard funcionam (especialmente a relação deste com o ótimo Loki de Tom Hiddleston), mas quando acompanhamos o conceito de “peixe fora da água” vivido por Thor na Terra, o longa abraça sem vergonha o humor escrachado ao inserir diversas piadas com o personagem. Tendo em vista o vasto universo do personagem – que foi sacrificado para se concentrar nos Vingadores – era de se esperar mais de Thor.

Crítica

8. Homem de Ferro 2 (2010)

3.0

iron2

Em uma sequência que tinha tudo para ser melhor que o original, Homem de Ferro 2 começa a série de problemas que se estenderiam até o lançamento de Os Vingadores. O grande problema foi a necessidade de ligar peças com outros filmes do estúdio, deixando pistas ali e aqui (e até tornando Nick Fury um dos principais coadjuvantes) para culminar no longa da superequipe. Não fosse tal complicação, o longa é praticamente uma comédia não assumida; já que é todo movido por piadas e diálogos irônicos, sacrificando o bom elenco aqui reunido (e transformando o alcoolismo de Stark em motivo de chacota). Pelo menos Downey Jr segura o show.

Crítica

7. Thor – O Mundo Sombrio (2013)

3.0

thor2

Com o universo e os poderes do Deus do Trovão já estabelecidos, a continuação aprimora o anterior em praticamente todos os aspectos. Desde a direção mais estilosa de Alan Taylor (responsável por alguns episódios de Game of Thrones) até o maior destaque fornecido ao Loki de Hiddleston, O Mundo Sombrio agrada pela fantasia e a ação. Decepciona no quesito vilão (o sem sal Malekith, vivido por Christopher Eccleston) e inicia o aparente esgotamento da fórmula Marvel; que sempre precisa de uma grande batalha e uma ameaça à Terra no final.

Crítica

6. Capitão América – O Primeiro Vingador (2011)

3.5

capp

E o “primeiro vingador” foi o último a ser apresentado nos cinemas, curiosamente. Ainda que traga consigo os mesmos erros dos filmes anteriores (que chega a ser gritante na cena final), Capitão América – O Primeiro Vingador agrada por seus elementos de filme-B e a ambientação de Segunda Guerra Mundial. Traz um vilão carismático na pele de Hugo Weaving e também mostra que, mesmo tendo sido muito criticado durante sua contratação, Chris Evans consegue segurar o filme tranquilamente na pele do protagonista.

Crítica

5. Capitão América 2: O Soldado Invernal (2014)

3.5

wsold

Uma das grandes surpresas do estúdio, O Soldado Invernal impressiona pela abordagem crua e sombria, incomum na maioria das produções do estúdio. Os irmãos Anthony e Joe Russo claramente se inspiram em filmes como Três dias do Condor e a Trilogia Bourne para criar um thriller político de espionagem, com direito a conspirações, paranóias e cenas de ação que despontam como as melhores. Tenho meus problemas com a presença da Hydra no filme (algo que não vejo sentido nem coerência no século XXI), mas o resultado é bem eficiente.

Crítica

4. O Incrível Hulk (2008)

4.0

hulkk

Com o fracasso do Hulk de Ang Lee, entra Edward Norton para estrelar um reboot do personagem. E O Incrível Hulk é o que o novo Homem-Aranha deveria ter sido: não gasta muito tempo explicando novamente as origens do monstro verde, desenvolve uma trama completamente diferente do anterior e consegue ser melhor do que o original. As cenas de ação são muito melhores e o roteiro acerta ao apostar em uma história intimista de perseguição. Só o visual do verdão que fica devendo, sendo melhor resolvido na versão com Mark Ruffalo.

Crítica

3. Os Vingadores – The Avengers (2012)

4.0

avengers

E foi tudo para isto! Em 2012, aquele que foi taxado como o “mais ambicioso filme de super-heróis de todos os tempos” enfim foi lançado. Dirigido por Joss Whedon, Os Vingadores – The Avengers vale a espera e rende uma experiência muito divertida (mas sem apelar ao humor idiota) e repleta de ótimas cenas de ação, bem suportadas pelo eficiente trabalho com efeitos visuais. O entrosamento entre os heróis – ainda que Robert Downey Jr seja o rouba-cenas da vez – é certamente o motivo do sucesso.

Crítica

2. Guardiões da Galáxia (2014)

4.0

guardioes

Uma das apostas mais arriscadas do estúdio, e que funciona maravilhosamente bem. Quem me acompanha aqui sabe que foram necessárias duas exibições para que eu realmente aproveitasse aquilo que Guardiões da Galáxia tinha a oferecer, que é uma divertida aventura espacial regada a trilha sonora dos anos 80, sobrando doses de nostalgia. Tem seus problemas na história, mas traz alguns dos personagens mais carismáticos que o estúdio já viu, e tem seu sucesso garantido graças às performances e interações destes. Quem é Tony Stark perto de Rocket Raccoon?

Crítica

1. Homem de Ferro (2008)

4.5

IronMan

Já se passaram 6 anos, e a Marvel ainda é incapaz de superar o feito de seu filme de estreia. Com um super-herói desconhecido pelo público geral e uma performance monstruosamente carismática que ressuscitou Robert Downey Jr, a editora inicia positivamente sua jornada para dominar o mundo, impressionando com a qualidade dessa aventura que mistura ação, humor e bons personagens em uma trama muito bem amarrada. O melhor filme do estúdio, e um dos melhores do gênero a aparecer nos ultimos tempos.

Crítica

E aí, qual o seu top 10? Comente!

Anúncios

Chutando bundas | Especial KICK-ASS: QUEBRANDO TUDO

Posted in Especiais with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 14 de junho de 2010 by Lucas Nascimento

 

Finalmente Kick-Ass: Quebrando Tudo chegou no Brasil. O filme chutou bundas e foi aclamado pela maioria dos críticos lá fora, será que aqui ele também será um sucesso? Fará mais dinheiro nas bilheterias? Acompanhe o especial e descobriremos…

O Quadrinho

Criado por Mark Millar e ilustrado por John Romita Jr., a série de 8 partes sobre o adolescente nerd que resolve se fantasiar de herói talvez seja uma das histórias em quadrinhos mais divertidas que há. Sim, temos muita violência, sangue, palavrões, drogas e uma garotinha de 11 anos matando todo mundo; mas não há como esconder o fato de que seja uma leitura prazerosa.

Millar baseou-se em um momento de sua vida quando ele e seus amigos leram Batman: Ano Um de Frank Miller e ficaram obcecados com o desejo de se tornar um super-herói. De acordo com ele, Kick-Ass mostra o que aconteceria se ele e seus colegas não tivessem criado bom-senso.

Processo de Filmagem

O diretor Matthew Vaughn teve um pequeno problema para filmar a adaptação dos quadrinhos de Mark Millar: o filme não tinha um estúdio. Os grandes estúdios duvidavam do sucesso de uma adaptação tão violenta de super-heróis, o que levou o diretor a pagar todos os gastos do filme com dinheiro do próprio bolso, mas isso lhe deu a liberdade para fazer o filme do jeito que imaginou; sem ter que se preocupar com censura alta.

As filmagens ocorreram em Toronto, Ontario, Londres e Nova York; de 2008 a 2009. Detalhe: A HQ ainda não estava pronta quando o filme começou a ser produzido; Mark Millar e o diretor trabalharam juntos tanto no filme quanto no quadrinho.

Após exibir as primeiras cenas completas do filme na Comic-Con em San Diego, a reação foi arrasadora, e a Universal, Fox e a Lionsgate entraram em conflito pelos direitos do filme. A Lionsgate saiu vitoriosa.

Personagens Principais

Kick-Ass/ Dave Lizewski (Aaron Johnson)

Fascinado por gibis e filmes de super-heróis, o estudante ignorado por garotas e com uma vida infeliz, Dave Lizewski resolve se tornar um super-herói, adotando o nome Kick-Ass, uma roupa de mergulho modificada, dois bastões pintados e uma página no Myspace que usa para receber pedidos de ajuda. É esfaqueado e atropelado em sua primeira tentativa e na segunda, vira fenômeno da internet. Faz dupla com outros vigilantes, como Red Mist, Hit-Girl e Big Daddy.

 Frase Memorável: “Sem poderes, não há responsabilidades.”

Hit-Girl/Mindy Macready (Chloë Grace Moretz)

A jovem Mindy Macready possui apenas 11 anos de idade, mas já é uma verdadeira máquina de matar, especialista em armas de fogo, combate corpo a corpo, acrobacias, facas e espadas. Foi treinada pelo pai, Damon Macready, que assumiu o codinome de Big Daddy, enquanto ela adotou Hit-Girl. Juntos, procuram derrubar um perigoso mafioso e seu imperio de tráfico, procurando ajuda de Kick-Ass e Red Mist. 

 

Frase Memorável: Muito bem cuzões, vamos ver o que fazem agora.”

Big Daddy/Damon Macready (Nicolas Cage)

Pai de Hit-Girl, antes de se tornarem vigilantes, ele era um policial aposentado que, após o assassinato de sua esposa, passou a treinar sua filha para ser mortal e perigosa como ele. Com o aparecimento de Kick-Ass, os dois se inspiram e se tornam vigilantes violentos, com o objetivo de derrubar o mafioso Frank D’Amico. Big Daddy usa como arma seus punhos, facas e armas de fogo.

 Frase Memorável: “Ele deveria é se chamar ‘Pé-na-bunda´” 

Red Mist/Chris D´Amico (Christopher Mintz-Plasse)

Influenciado pelo aparecimento de Kick-Ass, o jovem Chris D´Amico, filho do mafioso Frank D’Amico, tornou-se Red Mist. Quando apareceu, desviou toda a atenção de Kick-Ass, o que fez com que os dois se encontrassem e formassem uma parceria. Seu real objetivo é atrair Kick-Ass para uma armadilha formada por seu pai.

Frase Memorável: “Estarei combatendo o crime 25 horas por dia, 8 dias da semana.”

Frank D´Amico (Mark Strong)

 

Principal bandido da trama, Frank D’Amico é um mafioso que comanda uma das principais redes de tráfico de drogas da cidade. Com o aparecimento de Kick-Ass e os outros vigilantes, Frank vê seu imperio ameaçado; principalmente por Big-Daddy, e não medirá esforços para acabar com a onda de super-heróis.

Frase Memorável: Deve ter sido o cara que parece o Batman.”

 

Quadrinho Vs. Filme

Antes de analisarmos o visual dos personagens, falemos sobre a história. Li apenas as 7 primeiras edições da minissérie, mas já da pra notar algumas diferenças. A predominante, talvez seja o clima de humor que os trailers sugerem. Sim, há humor no quadrinho, mas não é o mesmo clima divertido que o filme promete.

 

Algumas cenas também foram inventadas, como a de Kick-Ass brincando em frente ao espelho. Tudo inserido, claro, para que o filme ganhe mais humor negro, mas a mensagem (sim, há uma mensagem no meio da carnificina) continua a mesma (ao menos eu espero): a influência da mídia e geração da internet.

Agora, vamos dar uma olhada no visual dos personagens, que estão bem diferentes da série de papel:

Kick-Ass

Visual: Sim, Kick-Ass ganhou uma versão em carne e osso fidelíssima, mantendo as mesmas cores e acessórios. A única diferença, é que na versão dos quadrinhos, a máscara do herói não possui um buraco para a boca, como podemos ver na versão do filme. Mas fora isso, é Kick-Ass ganhando vida. Por trás da máscara, porém, Dave Lizewski é bem diferente da versão cinematográfica.

Psicológica: Dave Lizewski está caracterizado no filme como um nerd mais bobão e divertido do que o pessimista protagonista dos quadrinhos, que era bem mais sério, mas com senso de humor.

Hit-Girl

Física: Bem, aqui temos algumas diferenças. A Hit-Girl dos quadrinhos não possui a peruca rosa nem o vestido xadrez da versão cinematográfica. O tom de cor também mudou, assim como o cadeado que a personagem usa no uniforme dos quadrinhos (no filme é uma granada) mas de resto, podemos dizer que Hit-Girl está bem adaptada.

Psicológica: Fidelíssimo. Moretz capturou com perfeição a persona de Mindy Macready.

Big Daddy

Física: Fato: O Big Daddy dos quadrinhos não tem nada a ver com o do filme. A versão de Nicolas Cage usa uma roupa que lembra muito o Batman e o Magneto dos X-Men, enquanto o dos quadrinhos simplesmente usa um casaco de couro e um máscara de pano. Prefiro o do filme, realmente.

Psicológica: O Damon Macready de Nicolas Cage está bem mais excêntrico e engraçado do que o do quadrinho, que é muito mais sério. Isso, mais uma vez, é para acrescentar um pouco de humor negro ao filme.

Red Mist

Física: Red Mist também está bem diferente. Primeiro porque Christopher “Mclovin” Mintz-Plasse não se assemelha com o personagem ( nos quadrinhos ele aparenta ser mais velho) e até mesmo o nome foi mudado. Sobre o visual, o do filme parece com uma roupa de piloto de corrida, adicionando a cor preta ao uniforme, o símbolo no peito, a máscara e o cabelo espetado. Mais uma vez, prefiro a versão do filme.

Psicológica: a cara de nerd bobão de Christopher Mintz-Plasse define o perfil de Red Mist no filme. O do quadrinho é mais misterioso, mas ainda sim é nerd.

 

Guarda-Roupa improvisado

É evidente que o uniforme de Kick-Ass é bem improvisado e tosco, assim como foram as primeiras roupas de grandes super-heróis do cinema. Vamos relembrá-las?

Homem Aranha

Criado como uma fantasia de luta livre, Peter Parker usa uma roupa ridícula que inclue um par de tênis e calça colant. É sem dúvida a grande inspiração de Kick-Ass. Antes de ser Homem-Aranha, ele era o temível “Aranha-Humana”.

Batman

Ainda aprimorando o uniforme definitivo de Batman, Bruce Wayne usa uma roupa bem improvisada, que inclue uma máscara de ladrão, armadura a prova de balas e o cinto, mas sem a capa.

Homem-de-Ferro

O primeiro traje de Tony Stark foi construído em uma caverna com pedaços de metal e sucata, mas ainda assim é uma invenção letal que o ajudou a fugir de seu cativeiro. Possui lança-chamas, força absurda, é a prova de balas e pode voar. Nada mal para uma primeira armadura… 

Comediante

Quando fazia parte dos Homens-Minuto, o sociopata Eddie Blake usava um traje bem tosco (assim como todos do grupo) de cor amarela berrante e com direito a um cinto com o smiley. Um acidente na guerra o fez mudar de uniforme, adotando o de couro preto mais conhecido.

Sweet Ride: Super-heróis não precisam andar a pé

Alguns dos melhores veículos de super-heróis do cinema!

Bat-Pod

O módulo de escape do Tumbler, o Bat-Móvel, é ainda melhor e mais radical que o veículo original. Possui dois canhões, arpões e pode correr a velocidades altíssimas. O Bat-Móvel é bacana, mas a Bat-Pod é f***, sem dúvida o melhor veículo do Homem-Morcego.

Fantastic Car

Mais uma das invenções de Reed Richards, o Fantasticar é um veículo voador da Dodge, utilizado para ajudar o Surfista Prateado em sua missão. Além de ser veloz o suficiente para voar até a China, ele pode se dividir em três partes.

Audi R8

Tony Stark já tem uma armadura que voa e dispara raios, então seu carro não precisa de nenhum tipo de armamento, só uma velocidade de 301 km/h, para atrair atenção e chegar com estilo em festas e eventos. O belo Audi R8 é de cair o queixo.

Mist-Móvel

 

Ford Mustang do filme Kick-Ass, o radical carro pertence à Red Mist. Entre suas funções, estão navegação via satélite, iluminação interna, motor de 620 cavalos, câmeras de ponto de vista diferentes e uma bomba de fumaça (A Névoa). Belo carro.

Nave-Coruja

Veículo flutuante que pertence ao herói Coruja em Watchmen. Possui lança-chamas, metralhadoras, fumaças, é invisível a radar e pode voar a velocidades impressionantes. É bem estilosa, elegante e foi palco de uma “caliente” cena entre a voluptuosa Espectral e o herói.

Super-Som: Músicas memoráveis

A trilha sonora de Kick-Ass já está a solta pelo Youtube, e conferindo algumas faixas, não pude notar de perceber as divertidas homenagens a outros super-heróis. Com isso mente, vejamos algumas músicas que tornaram os super-heróis memoráveis:

Tema de Superman – John Williams

Não á nada dizer. Não há ser humano que nunca tenha ouvido a clássica música do Superman de 78. Nostalgia…

 

Batman – Danny Elfman

A trilha dos filmes de Chris Nolan são bem mais sombrias e melhores construídas, mas sem dúvida; o tema de Elfman é sensacional.

Tema de Homem-Aranha – Danny Elfman

E mais uma vez Elfman… Toda vez que algum filme do cabeça-de-teia vai começar, os créditos começam a correr e começa essa música arrepiante, provocando no início e empolgando ao decorrer do tempo.

Iron Man – Black Sabbath

Pode até não ser a “trilha oficial” do filme, mas é impossível pensar no herói de armadura e não lembrar do bom rock de Ozzy Osbourne.

Menção Honrosa: Why So Serious? – Hans Zimmer

Eu sei que é um espaço para trilhas de heróis, mas a trilha do Coringa composta pelo talentoso Zimmer é inesquecível, o som da anarquia.

Balls to the Wall

  Red Mist ganhará mais destaque na sequência

A continuação de Kick-Ass nos quadrinhos e no cinema já está confirmada. Mark Millar anunciou que o título será Balls to the Wall e que, além de introduzir novos personagens, seria muito mais pesada e sombria do que o original.

SPOILERS O que Mark Millar reserva para o futuro? (selecione o texto se quiser saber) Kick-Ass tendo sua identidade secreta exposta, mais informações sobre a personagem de Hit-Girl, que tentará levar uma vida normal (no melhor estilo Marcas da Violência) e muitos vilões, com destaque para Red Mist, que será um supervilão (diz o boato que seu nome será “Motherfucker”.).  

Millar já está escrevendo o texto, e o lançamento deve ocorrer em Setembro.

Vídeo Comemorativo

Uma pequena montagem que fiz há alguns meses atrás, usando cenas do filme e a música “Hero” de Nickelback. Aproveitem:

Bem, o especial vai ficando por aqui, mas aguardem pela crítica na Quinta Feira!