Arquivo para found footage

| Unfriended | Crítica

Posted in Críticas de 2015, Home Video, Terror with tags , , , , , , , , , , , on 1 de agosto de 2015 by Lucas Nascimento

3.5

unfriended
O terror da internet: sessão dos comentários

É curioso observar como o cinema acompanha de perto as revoluções tecnológicas ao longo da História, e como estas impactam narrativas. Para citar um exemplo banal, Sintonia de Amor era uma comédia romântica com Tom Hanks e Meg Ryan baseada em transmissões de rádio, enquanto a “sequência espiritual” Mensagem pra Você traz novamente os atores em uma trama similar, mas agora trocando o rádio pelo e-mail. No terror, o estilo começou a se aproximar de documentários falsos com o found footage nos anos 70, ganhando mais força com a eminência de A Bruxa de Blair nos anos 2000 e uma retomada milionária com a franquia Atividade Paranormal.

Agora, o fascínio pelo real e a imersão começa a ganhar força com Unfriended, filme modesto que é todo ambientado numa tela de computador. Não é a primeira vez que esse tipo de narrativa é explorado no audiovisual (fica a recomendação do excelente curta-metragem Noah, de 2013), mas o filme de Levan Gabriadze talves seja o primeiro a ganhar certa repercussão, certamente mérito de sua distribuição da Universal.

A trama simples começa quando a adolescente Laura Barns (Heather Sossaman) comete suicídio após um vídeo constrangedor vazar pela internet. Um ano depois, um grupo de amigos no Skype se vê perseguido por um misterioso agressor online, que tudo indica ser o espírito vingativo de Barns.

 A ideia de um fantasma de internet até soa ridícula no papel, mas fiquei surpreso com as escolhas narrativas que o formato desktop pôde oferecer. Por exemplo, a ausência de música e atenção constante a uma caixa de texto é algo que certamente prende o espectador acostumado com esse tipo de experiência (basicamente, a maioria das pessoas que têm qualquer rede social), chegando até mesmo a criar uma atmosfera pesada. O suspense e curiosidade pela identidade e visual do antagonista também são bem trabalhados: “Vocês não iam gostar daqui” é uma frase que impacta muito bem, funcionando pela simplicidade, e a mera imagem do perfil vazio do Skype é surpreendentemente amedrontadora.

Narrativamente, a estrutura desktop oferece também maneiras elegantes de se cobrir a exposição de eventos (páginas do YouTube, Instagram e Facebook são constantemente acessadas), em especial no momento em que a protagonista prepara-se para responder uma mensagem no chat do Facebook: vemos ela testando diversas frases, antes de fato enviá-las, e estas nos revelam o que a personagem está pensando. Funciona, sem parecer forçado. Da mesma forma, a estrutura de multi câmera no videochat do Skype é eficiente de forma a nos apresentar ações e reações espontâneas de todos os personagens ali

O grande problema de Unfriended é mesmo no roteiro, que peca ao se debruçar em clichês e uma trama bem previsível. Cada reviravolta aqui é seguida por um sentimento de “ah, sabia”, ao passo em que a estrutura de mortes se torna repetitiva, e subtramas do tipo cyberbully e “personagem que trai o namorado com o melhor amigo” tornam-se cansativas. Nenhum dos personagens é muito cativante também, ainda que tenhamos um bom equilíbrio de estereótipos ali: a patricinha, o nerd hacker, o atleta, etc.

Ainda que falhe no quesito história, Unfriended é um experimento muito interessante que certamente vai prender a atenção do espectador durante sua curta duração. Se bem trabalhado, o formato pode ser uma maneira bacana de se analisar as formas de comunicação do século XXI no cinema.

Obs: O filme está disponível para download. Afinal, vê-lo num computador parece a opção mais… imersiva.

| Projeto Almanaque | Crítica

Posted in Aventura, Críticas de 2015, Ficção Científica, Home Video with tags , , , , , , , , , , , on 30 de maio de 2015 by Lucas Nascimento

3.0

Almanc
De volta para o passado: o grupo do Projeto Almanaque

Ah, viagem no tempo. Poucos temas podem ser tão místicos, assustadores e até divertidos quanto o clássico deslocamento temporal de um período para outro, e o cinema já explorou diversas áreas fascinantes deste subgênero da ficção científica. Acho que era uma questão de tempo até que este ganhasse um exemplar na estética found footage, que é o que Projeto Almanaque apresenta com eficiência, ainda que se perca no próprio universo.

A trama nos apresenta ao jovem David Raskin (Jonny Weston), prodígio de tecnologia que batalha para conseguir uma bolsa de estudos no prestigiado MIT. Revirando as caixas de seu falecido pai, David encontra projetos secretos sobre a construção de uma máquina do tempo, e logo chama seus amigos para ajudar a transformar o projeto em realidade. Claro que, sendo viagem no tempo o tema central, nada vai dar certo.

Assinado pelos estreantes Andrew Deutschman e Jason Pagan, o roteiro do filme surpreende ao concentrar-se inteiramente em situações banais, nada grandiosas. Essa decisão garante veracidade e realismo à narrativa (o grupo demora uma boa meira hora de projeção para finalmente conseguir fazer o dispositivo temporal funcionar), ao mesmo tempo em que provoca identificação ao vermos os personagens realizando diversas ações que muitos de nós gostaríamos de alterar – ter ido mal numa prova, faturar o prêmio máximo de uma loteria, ou dizer as palavras certas para conquistar a garota.

Também estreante, o diretor Dean Israelite acompanha esse ritmo jovem e frenético através de seu comando “documental”, ainda que a linguagem de câmera-dentro-da-história pareça se perder diversas vezes ao longo da narrativa, como se a câmera tornasse-se um observador de fora capaz de capturar imagens em belíssima qualidade. A montagem de Martin Bernfeld e Julian Clarke é inteligente ao apostar em cortes secos e jump cuts para acelerar ações, como quando David escreve diagramas sobre realidades alternativas num quadro negro ou quando prepara um dispositivo complexo que renderia muita exposição, reduzido a um “Deixe a câmera, vou mostrar como faz” que é logo cortado para o mesmo já em funcionamento. Sutil.

Até aí, parece que Projeto Almanaque será uma grande obra, seguindo a mesma linha do ótimo Poder sem Limites. Porém, a decisão de Deutschman e Pagan de se ater a temas adolescentes revela-se entediante quando a história começa a se perder em suas viagens com teor cômico, culminando até mesmo numa participação aleatória do grupo Imagine Dragons em uma apresentação do Lollapalooza. Sem falar que, com exceção do protagonista (que se beneficia também de ter um ótimo intérprete), nenhum dos personagens provoca interesse ou tem um bom tempo de cena para gerar identificação – até mesmo os estereótipos não se definem, era o mínimo – e a trama insiste em apostar numa linha amorosa completamente descartável; sem falar que, tendo Michael Bay como produtor, não é difícil imaginar o tarado diretor no ouvido de Israelite sugerindo closes gratuitos de pernas e bundas femininas.

Sem falar que a dupla erra feio ao explorar as consequências do efeito borboleta, onde ações mínimas no passado provocam eventos inimagináveis no futuro. Não quero entregar spoilers, mas nunca imaginei que um avião poderia sofrer um acidente acerca de um motivo tão… inofensivo. Pior ainda é ver o protagonista tentando juntar a lógica da sequência dos eventos que levariam a isso, esta que também é inexistente na incoerente cena final.

Projeto Almanaque quase consegue ser um filmaço, mas se perde em um roteiro pouco corajoso, sem ousadia e que se perde nas próprias regras. Apresenta alguns bons elementos conceituais e estéticos, mas no lugar dos realizadores, eu voltaria no tempo para umas revisões de história.

Hear Me Roar | Especial GODZILLA (ゴジラ)

Posted in Especiais with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 13 de maio de 2014 by Lucas Nascimento

godzilla2

O rei dos monstros está de volta. Em uma nova chance de popularizar um dos ícones japoneses no cinema americano, a Warner Bros aposta no diretor Gareth Edwards e em grande elenco no novo Godzilla, o que nos leva à chance de conhecer mais sobre sua criação e suas seis décadas de existência nas telas. Vamos lá:

goj3

Um breve sumário sobre o processo de criação do novo filme.

Por que fazer mais um filme de Godzilla?

godzilla_19

 A história começa 10 anos atrás, com o lançamento do último filme de Godzilla produzido pela Toho Co., responsável por todos os filmes japoneses do personagem. De lá pra cá, Hollywood sempre tentou honrar o ícone japonês nas telonas, mas fracassou – tanto em público quanto crítica – com a versão de Roland Emmerich em 1998.

Em 2oo3, a TriStar perde os direitos do personagem e o diretor Yoshimitsu Banno (responsável por um dos filmes da franquia original, veremos abaixo) parte para um projeto em 3D IMAX do personagem, entitulado Godzilla 3D To the MAX. Banno se uniu a produtores americanos em 2007 para dar vida ao projeto, mas uma série de problemas financeiros a respeito com a tecnologia atrasaram o projeto.

Godzilla_2014_Art_of_Destruction_-_Gareth_Edwards_and_LegendaryGoji_Figure
O diretor Gareth Edwards

Entra a Legendary Pictures para ressuscitar o projeto em 2009. A produtora se alia à Toho Co. e à Warner Bros em 2010 para uma nova tentativa de lançar no monstro nos cinemas americanos, contando com Yoshimitsu Banno agora na produção executiva e uma inspiração maior no filme original de 1954. As engrenagens se moveram e o diretor britânico Gareth Edwards (que até então só havia dirigido o independente Monstros) foi o escolhido para comandar o reboot.

Mesmo com diretor fechado já em 2010, a produção permaneceu em estágio de desenvolvimento até 2012, trabalhando no design de criaturas e na visão geral da produção. Já o roteiro passou de diversas mãos até chegar no resultado final: David Callaham (Os Mercenários), David S. Goyer (Trilogia Cavaleiro das Trevas, O Homem de Aço), Max Borenstein e Drew Pearce foram os responsáveis pelos primeiros tratamentos. A versão final do texto ficou a cargo do cineasta Frank Darabont (Um Sonho de Liberdade, À Espera de um Milagre, The Walking Dead), que definiu que sua visão trazia:

  1. 1. Godzilla como “um grande fenômeno da natureza”
  2. Drama humano pesado
  3. Uma alternativa contemporânea à metáfora das bombas nucleares

godzilla_17
O novo visual de Godzilla

O design da criatura procurou grande inspiração na criatura original da Toho (ignorando a criticada versão “iguana” de Roland Emmerich), passando ainda por Jurassic Park, Alien, Tropas Estelares e King Kong. Edwards também confirmou que Godzilla não será o único monstro da produção, e que o personagem será mais um anti-herói do que vilão.

As filmagens começaram em 18 de Março de 2013, contando com um elenco estelar e um orçamento aproximado de 160 milhões de dólares. A equipe ainda conta com Seamus McGarvey na direção de fotografia (em 2D, sendo convertido para 3D na pós-produção), Jon Rygiel (trilogia Senhor dos Anéis) na supervisão de efeitos visuais e Alexandre Desplat a cargo da trilha sonora.

Futuro

godzilla_18

Como não se faz um filme atualmente grande sem pensar no futuro, os olhos se voltam para Gareth Edwards. Ainda que prometa que seu filme tem uma conclusão fechada, não descarta reutilizar algumas ideias da franquia original (o diretor já se declarou fã da Ilha Monstro, de 1968) em possíveis continuações. Além disso, o empolgado Guillermo Del Toro ainda sugeriu um crossover entre Godzilla e seu Círculo de Fogo.

No esquema das coisas, não ficaria surpreso se Godzilla fizesse uma ponta em Batman Vs. Superman.

GOJ

Os principais personagens do novo filme:

Ford Brody | Aaron Taylor Johnson

aaron

O tenente americano Ford Brody é especializado no desarmamento de bombas. Casado e pai de um filho pequeno, Brody é logo mandado para o combate novamente quando os ataques de monstros começam a assolar diferentes cidades americanas.

Joe Brody | Bryan Cranston

bordy

Deixando de lado seu alter-ego como Heisenberg na série Breaking Brad, Bryan Cranston vive Joe Brody, cientista chefe da usina nuclear japonesa Janjira. Após uma anomalia misteriosa afetar o lugar e lhe custar uma perda pessoal, Brody fica obcecado em descobrir a verdade encoberta pela empresa e parte atrás de respostas.

Ichiro Serizawa| Ken Watanabe

wata

Maior papel japonês de peso, Watanabe interpreta o Dr. Ichiro Serizawa, cientista que estuda as aparições de Godzilla e outros monstros do tipo há anos. De certa forma responsável pela criação da criatura, ele pode ter a chave para neutralizar a situação.

Elle Brody | Elizabeth Olsen

olsen

Elizabeth Olsen é um nome pra se guardar na cabeça. A talentosa irmã das gêmeas Mary-Kate e Ashley já brilhou em alguns dramas e agora embarca no cinema blockbuster, com a continuação de Os Vingadores e sua Elle Brody em Godzilla. Ela interpreta a esposa de Ford.

Sandra Brody | Juliette Binoche

bin

Maior surpresa no elenco, a atriz francesa Juliette Binoche interpreta a esposa de Joe Bordy, Sandra, que também é uma funcionária da Janjira. Os trailers meio que já entregaram o destino trágico da personagem, envolvendo um acidente na usina nuclear.

Godzilla | Andy Serkis

gojita

Esperava por essa? Isso aí. Mesmo que seja uma criação computadorizada, Godzilla tem um intérprete de captura de performance: ninguém menos do que o especialista no ramo, Andy Serkis (Gollum, César de Planeta dos Macacos e o King Kong de Peter Jackson). E o que dizer sobre seu personagem? Uma fera gigantesca e destruidora, que promete trazer dor de cabeça à humanidade e sair na mão com mais alguns monstros gigantes.

goj2

Let’s put it simple: Godzilla tem filmes pra cacete. Mais que o James Bond. São filmes lançados desde 1954, com o reboot de Gareth Edwards marcando o 60º aniversário do personagem e sua 31ª incursão nas telas do cinema.

Não assisti a nem um quarto dos filmes de Godzilla, por isso me limitei a apresentar um breve sumário sobre cada longa – ao invés de avaliá-los criticamente. Uma questão complexa na franquia é a diferença dos títulos japoneses para os americanos, então trouxe aqui as versões de cada idioma.

Comece:

A ERA SHÔWA (1954-1975)

Godzilla (1954)

JAPÃO: Gojira

Gojira_1954_Japanese_poster

O filme que começou tudo. Gojira foi criado pelo executivo da Toho, Tomoyuki Tanaka e pelo diretor Ishiro Honda, ganhando vida pelas mãos do técnico de efeitos especiais Eiji Tsubaraya e pela icônica música de Akira Ifukube. O primeiro filme aposta pesado na mensagem contra ao desenvolvimento de bombas nucleares da época, trazendo também ecos fortíssimos da destruição de Hiroshima e Nagasaki. A trama aposta no ataque da criatura à cidade de Tóquio, e as tentativas da humanidade de eliminá-lo.

Godzilla Raids Again (1955)

JAPÃO: Gojira no gyakushû

gojira2

Sequência imediata para o sucesso de 1954, o filme de Motoyoshi Oda traz Godzilla atacando o Japão novamente, mas dessa vez introduz o primeiro monstro secundário da franquia: Anguirus. Na trama, o monstrão ainda não tinha o caráter de anti-herói, e a destruição de Osaka simplesmente fica no meio de seu confronto com Anguirus.

King Kong Vs. Godzilla (1962)

JAPÃO: Kingu Kongu tai Gojira

king_kong_vs_godzilla

Enquanto a Marvel Studios e a DC Comics vão trabalhando em seus universos expandidos e crossover, o monstro japonês já encontrava outros ícones da cultura pop há muito tempo. A onde começou quando Godzilla enfrentou o gorila gigante King Kong, no filme dirigido por Ishiro Honda, em uma trama que primeiro brinca com a rivalidade de cada um na imprensa, para depois se dedicar ao mano a mano. Quem vence o duelo é Kong, graças a poderes elétricos garantidos após uma tempestade de raios.

Godzilla Contra a Ilha Sagrada(1964)

JAPÃO: Mosura tai Gojira

EUA: Godzilla Vs. Mothra, Godzilla Vs. The Thing

MosuraTaiGojira1964Poster

Novamente dirigido por Ishiro Honda, A Ilha Sagrada é responsável por introduzir um dos personagens mais icônicos do “Godzillaverso”: a mariposa gigante Mothra, que é o principal antagonista da produção – considerada pelos fãs como um dos pontos altos da franquia.

Ghidrah, O Monstro Tricéfalo (1964)

JAPÃO: San daikaijû: Chikyû saidai no kessen

EUA: Ghidrah, the Three-Headed Monster

ghidrah_poster_01

Seguindo a ameaça de Mothra, a Toho começa a apostar em novos oponentes para o lagarto radioativo, agora apostando no popular Rei Ghidrah, um dragão de três cabeças vindo do espaço. Além do inimigo tricéfalo, temos o retorno de Mothra e a aparição de Rodan, o famoso pcterodáctil gigante (outro lucrativo personagem da Toho). Foi a única ocasião em que dois filmes de Godzilla foram lançados no mesmo ano.

A Guerra dos Monstros (1965)

JAPÃO: Kaijû daisensô

EUA: Godzilla Vs. Monster Zero

godzilla_vs_monster_zero_poster_01

Último filme comandado por Ishiro Honda, A Guerra dos Monstros aposta em uma civilização alienígena, os Xiliens, como elemento central da trama; onde a tal raça clama pela ajuda da Terra para destruir uma criatura mortal conhecida como “Monstro Zero” – que no fim, revela-se como o Rei Ghidrah do filme anterior. Rodan também retorna, servindo como aliado de Godzilla.

Ebirah, Terror dos Abismos (1966)

JAPÃO: Gojira, Ebirâ, Mosura: Nankai no daiketto

EUA: Godzilla Versus the Sea Monster; Godzilla, Mothra, and Ebira, Horror of the Deep

godzilla_vs_sea_monster_poster_02

Com a saída de Ishiro Honda, o diretor Jun Fukuda substitui o clima de ficção científica estabelecido por seu antecessor por um pautado na ação/aventura. A trama se desenrola em uma ilha tropical, e traz um novo monstro para ser combatido por Godzilla: Ebirah, que é uma espécie de lagosta gigante. Não bastasse a ameaça marinha, Mothra também retorna para atormentar o protagonista.

Son of Godzilla (1967)

JAPÃO: Kaijûtô no kessen: Gojira no musuko

son_of_godzilla_poster_01

Chega uma hora em que praticamente todo grande ícone pop encara a paternidade, não? Na segunda investida de Jun Fukunda na franquia, Godzilla descobre seu filho recém-nascido (que ainda suspeito ser um descendente perdido da Família Dinossauro) e o ajuda na “arte de ser um monstro”, incluindo conselhos sobre o controle de seu bafo radioativo e… Seja lá qual for a moral de um lagarto radioativo gigante. Um dos oponentes memoráveis da produção é Kumonga, uma aranha gigante.

O Despertar dos Monstros (1968)

JAPÃO: Kaijû sôshingeki

EUA: Destroy All Monsters

destroy_all_monsters_poster_001

Niguém contava com o retorno de Ishiro Honda, que resolveu trazer consigo tudo quanto é tipo de monstro (basta reparar no cartaz acima) para o novo filme, que traz todos os kaijus da Terra confinados em uma “Monstrolândia”. Quando a situação sai do controle, Godzilla, Rodan, Mothra, Gorosaurus, Anguirus, Kumonga, Manda, Baragon e Varan começam a atacar diversas capitais mundiais. Pra piorar, entra uma raça alienígena (os Kilaaks) para tentar amenizar a situação, usando de uma poderosa arma secreta… O Rei Ghidrah! (Again).

Godzilla’s Revenge (1969)

JAPÃO: Gojira-Minira-Gabara: Oru kaijû daishingeki

godzillas_revenge_poster_01

Considerado pela base fã como a pior entrada na franquia, o filme de Ishiro Honda assume abertamente seu caráter mais infantil, com direito até a lição de moral no fim. Toda a trama é a imaginação de um menino atormentado por valentões (calma, não é um plot twist), que se imagina ao lado de Godzilla, seu filho e uma porrada de monstros em uma ilha.

Godzilla Vs. Hedorah (1971)

JAPÃO: Gojira tai Hedorâ

godzilla_vs_hedorah_poster_02

Honda sai mais uma vez e deixa a cadeira de diretor para Yoshimitsu Banno, que introduz um dos monstros mais grotescos da franquia: Hedorah, uma substância alienígena que chega à Terra e acaba por se transformar em uma criatura horrenda ao entrar em contato com a poluição do planeta (em uma clara mensagem ecológica). Além do visual elaborado, o vilão ainda tem a capacidade de disparar ácido e raios laser, o que o torna um dos mais letais oponentes de Godzilla.

Godzilla Vs. Gigan (1972)

JAPÃO: Chikyû kogeki meirei: Gojira tai Gaigan

godzilla_vs_gigan_poster_01

Com Banno demitido pelo chefão da Toho (que detestou seu trabalho com o filme anterior), Jun Fukuda retorna para o décimo-segundo filme da franquia, que envolve uma nova raça de alienígenas planejando a extinção da Humanidade, a fim de tornar a Terra um ambiente pacífico (acho interessante como traz ecos até hoje). Para isso, usam mais uma vez do Rei Ghidorah e do inédito Gigan – considerado também um dos melhores oponentes do protagonista.

Godzilla Vs. Megalon (1973)

JAPÃO: Gojira tai Megaro

godzilla_vs_megalon_poster_02

Fukunda novamente assume a direção para que Godzilla enfrente um novo inimigo: Megalon, protetor de uma civilização exótica (Seatopians). A criatura se alia a Gigan, mas o protagonista conta com a ajuda do ciborgue Jet Jaguar (um Ultraman genérico). Foi um dos poucos filmes da franquia que assisti, e faço de questão de compartilhar um de seus momentos mais insanos, que revelam como Godzilla é bom de briga:

 https://www.youtube.com/watch?v=JuEa6Hum0b4

Godzilla Vs. Mechagodzilla (1974)

JAPÃO: Gojira tai Mekagojira

godzilla_vs_mechagodzilla_poster_05

Guarde esse nome: MecaGodzilla. Se a Toho usava e abusava das participações do Rei Ghidorah, não vai largar da criatura cibernética, uma criação de (claro) raças alienígenas estranhas. A trama ainda traz elementos míticos ao incluir profecias, e lendas míticas de Okinawa, mas o grande foco é o conflito entre Godzilla e MecaGodzilla.

Terror of Mechagodzilla (1975)

JAPÃO: Mekagojira no gyakushu

terror_of_mechagodzilla_poster_01

Continuação direta do anterior, o filme de Ishiro Honda aproveita novamente o vilão MecaGodzilla e apresenta também Titanossauro. Com o cinema japonês em baixa pela competição com a TV – aliado às crises energéticas dos anos 70 -, a Era Shõwa chegara ao fim, e a também a franquia de Godzilla.

ERA HEISEI (1984-1995)

Godzilla 1985 (1985)

JAPÃO: Gojira

EUA: Godzilla – The Legend is Reborn

godzilla_1984_poster_02

Ou assim pensávamos! Uma década após o último filme, Godzilla 1985 dá início à Era Heisei (ainda que alguns incluam a produção como parte da Shõwa), visando recuperar o clima sombrio do original; ignorando todas as continuações no processo. O filme de Koji Hashimoto é ambientado 30 anos após os eventos de 1954, trazendo o monstro atacando Tóquio novamente.

Godzilla Vs. Biollante (1989)

JAPÃO: Gojira Vs. Biorante

godzilla_vs_biollante_poster_01

Escrito e dirigido por Kazuki Omori, o 17º filme da franquia começa logo após os eventos do filme anterior, e traz muita genética para uma trama que envolve a criação de uma criatura (o Biollante, do título) através das células de Godzilla, uma rosa (é, a flor) e de uma das personagens humanas do longa. Tretas de monstros pra lá e pra cá, o novo filme foi elogiado por ter trazido elementos mais criativos.

Godzilla Vs. King Ghidorah (1991)

JAPÃO: Gojira vs. Kingu Gidorâ

godzilla-ghidorah

Kazuki Omori retorna e já marca a primeira aparição do icônico Rei Ghidorah na era Heisei, em uma trama que agora aposta em viagens no tempo. Além do famoso monstro tricéfalo do título, o filme nos apresenta ao Godzillassauro (o estágio anterior de Godzilla, antes de este ser contaminado pela radiação) e à combinação dos dois oponentes mais utilizados pela Toho: o Meca-Rei Ghidorah. Haja fôlego.

Godzilla & Mothra: The Battle for Earth (1992)

JAPÃO: Gojira Vs. Mosura

mosura

Sai Kazuki Omori, entra Takao Okawara na direção para a introdução de Mothra na Era Heisei, em um filme que traz ainda o monstro Battra (basicamente, um gêmeo maligno de Mothra, também uma criatura voadora) e telepatas. De grande destaque visual, o longa é conhecido por uma batalha final em um parque de diversões.

Godzilla Vs. Mechagodzilla II (1993)

JAPÃO: Gojra Vs. Mekagojira

godzilla_vs_mechagodzilla_1993_poster_01

Não há muitas novidades (como você já deve vir percebendo) no próximo filme de Takao Okawara, que traz de volta, novamente, mais uma vez o MecaGodzilla para lutar com o protagonista. Rodan aparece, a ONU cria um organização para combater o lagarto gigante e Godzilla aceita adotar um “Godzilla baby” como seu filho, o que trará consequências no futuro.

Godzilla Vs. Spacegodzilla (1994)

JAPÃO: Gojira VS Supesugojira

space
Obs: Numa escala de 10 a 10, o quão lindo é esse pôster?

Quando você acha que não dá pra inventar mais nada, eis que surge o GODZILLA DO ESPAÇO! A ameaça cósmica tem um dos visuais mais elaborados de toda a franquia, e chega para dar mais dor de cabeça à Godzilla, que ainda conta com seu filho para ajudá-lo no conflito. Quem comandou a brincadeira foi Kensho Yamashita.

Godzilla Vs. Destoroyah (1995)

JAPÃO: Gojira vs. Desutoroiâ

godzilla_vs_destroyer_poster_01

Novamente enfrentando o monstro Destoroyah, o filme de Takao Okawara aposta bastante no filho do protagonista, que transforma-se no núcleo central da trama. Não por acaso, já que Godzilla é morto no final, deixando o legado para seu jovem descendente. Um final apropriado para a Era Heisei, que não deixaria a franquia congelada por um hiato tão grande quanto o da Shõwa.

ERA MILLENNIUM (1999-2004)

Godzilla 2000 (1999)

JAPÃO: Gojira ni-sen mireniamu

godzilla_2000_poster_01

Após o fracasso da versão americana em 1998, a Toho voltou para fazer justiça ao personagem, lançando Godzilla 2000 para iniciar a Era Millennium. O filme de Takao Okawara ignora todos os anteriores, estabelecendo uma trama básica onde o monstro ataca Tóquio mais uma vez, além de trazer elementos alienígenas e o monstro Orga.

Godzilla Vs. Megaguirus (2000)

JAPÃO: Gojira tai Megagirasu: Jî shômetsu sakusen

godzilla_vs_megaguirus_poster_01

Masaaki Tezuka entra à bordo da franquia, em uma continuação direta do filme anterior. Agora, me acompanhem bem de perto: um satélite experimental com capacidade de criar mini-buracos negros acaba gerando um buraco de minhoca, servindo de entrada no presente para uma libélula pré-histórica que, por sua vez, acaba por depositar centenas de ovos nas águas de Tóquio. Nascem então os monstros Meganulons, comandados pela rainha Megaguirus.

Godzilla, Mothra, King Ghidorah: Giant Monsters All-Out Attack (2001)

JAPÃO: Gojira, Mosura, Kingu Gidorâ: Daikaijû sôkôgeki

godzilla_mothra_and_king_ghidorah_2001_poster_01

Shūsuke Kaneko comanda mais um super encontro de Godzilla e seus ferozes oponentes em mais uma trama de grandes batalhas. O monstrão anti-herói enfrenta novamente Mothra, Rei Ghidarah e Baragon.

Godzilla Against Mechagodzilla (2002)

JAPÃO: Gojira tai Mekagojira

1374381477

MAIS uma aparição do MecaGodzilla, mas agora sob o codinome de Kiryu, uma arma cibernética criada pelos humanos para combater Godzilla. Masaaki Tezuka é o diretor.

Godzilla: Tokyo S.O.S. (2003)

JAPÃO: Gojira tai Mosura tai Mekagojira: Tôkyô S.O.S

tumblr_meilb8E0391rk06glo1_500

Masaaki Tezuka volta para a continuação direta de Godzilla Against MechaGodzilla: Tokyo S.O.S., que  traz de volta Mothra (mas agora como inimigo do protagonista) e introduz Kamoebas (uma espécie de tartaruga gigante) na história, novamente envolvendo uma batalha entre Godzilla e seu equivalente mecânico.

Godzilla: Final Wars (2004)

JAPÃO: Gojira: Fainaru uôzu

Godzilla Final Wars POSTER

Se hoje temos X-Men: Dias de um Futuro Esquecido para unir tudo o que já foi feito na franquia mutante da Fox, em 2004 a Toho usou todas as suas cartas para um final épico e explosivo para sua franquia de Godzilla, que marcaria o fim da Era Millennium e também das produções japonesas do personagem. O filme de Ryuhei Kitamura surge mais como uma homenagem ao universo-zilla do que um filme em si, repleto de batalhas contra os monstros mais memoráveis da franquia – e inclui também uma luta contra o Godzilla americano do filme de Roland Emmerich! Ainda não assisti, mas parece obrigatório.

ERA AMERICANA

Godzilla, O Monstro do Mar (1956)

godzilla_king_of_the_monsters_xlg

Basicamente, é uma refilmagem americana do original de 1954. Terry Morse dirigiu O Monstro do Mar, que mostrou-se um sucesso considerável tanto nos EUA quanto no Japão.

Godzilla (1998)

159613

E esta é provavelmente a primeira (e talvez única) versão de Godzilla que a maioria de vocês já assistiu. O cineasta Roland Emmerich foi o escolhido para comandar uma possível franquia do personagem para a Sony, mas o fracasso de crítica e bilheteria botaram o monstro para dormir – e os direitos do personagem acabaram sendo vendidos para a Warner. Sobre o filme de Emmerich, assistia muito quando criança e talvez seja esse o motivo de ter um certo carinho por este. Claro, os efeitos são precários, o roteiro é risível e o monstro não faz jus ao legado, mas todo o clima chuvoso de Nova York e o tom exagerado agradam. É um guilty pleasure.

goj5

Alguns dos “companheiros” americanos de Godzilla nas telonas:

King Kong

King_Kong_2005

Monstro gigante mais popular da cultura americana, o gorila gigante King Kong já ganhou três versões em sua terra natal (no Japão, ele já encarou Godzilla, como vimos acima), sendo elas em stop motion (1933), roupa (1972) e computação gráfica (2005). Causou pânico ao ficar à solta nas ruas de Nova York, mas Kong é um ser com coração, movido apenas pelo amor que sente à bela humana Ann.

Cloverfield

colverfield-monster-neville-page

Projeto surpresa de J.J. Abrams comandado por Matt Reeves, Cloverfield – Monstro introduz a estética de found footage ao gênero de monstros gigantes, retratando o assombroso ataque de uma criatura misteriosa em Nova York. O monstro do título é impressionante e faz um belo estrago na cidade americana, podendo ser considerado o “Godzilla Ianque”. Muito se falou sobre uma continuação, mas nunca saiu do papel.

Círculo de Fogo

 Pacific-Rim-kaiju

Responsável por alguns dos maiores orgasmos nerd no ano passado, a aventura sci fi de Guillermo Del Toro é uma verdadeira homenagem ao gênero kaiju, trazendo a humanidade utilizando de robôs gigantescos para combater monstros colossais. Super divertido e caprichadíssimo no design de suas criaturas.

Bem, esse foi o breve especial sobre Godzilla (quem dera ter uns dois meses para assistir a todos os filmes). Assisto ao novo filme na Quinta-Feira, volte aqui para conferir o veredito.

Até lá!

| Projeto X – Uma Festa fora de Controle | Qual a graça de ver, se não estamos lá?

Posted in Comédia, Críticas de 2012, DVD with tags , , , , , , , , , , on 26 de agosto de 2012 by Lucas Nascimento

Talvez se o monstro de Cloverfield aparecesse, o filme seria melhor

A ferramenta narrativa found footage rapidamente vai marcando presença em Hollywood (e até no Brasil), tendo aventurado-se em dois gêneros distintos este ano. O primeiro foi Poder sem Limites, uma inovadora e eficiente abordagem à tradicional premissa de poderes sobrenaturais, e o outro é Projeto X – Uma Festa fora de Controle, que proporciona uma visão sem graça sobre as típicas house parties americanas.

No entanto, o que Projeto X faz melhor do que o longa de Josh Trank é trazer uma justificativa mais verossímil para a presença de câmeras dentro da história. Aqui, o jovem Thomas (Thomas Mann) resolve dar a maior festa de todos os tempos, juntamente com seus amigos que não poupam estereótipos, mas como o próprio título adverte, a situação se descontrola.

A melhor forma de classificar o filme do estreante Nima Nourizadeh é como um “Superbad sem alma”. A pérola adolescente lançada há cinco anos atrás tem situações muito mais engraçadas, mas seu êxito encontra-se no cuidado do roteiro com seus personagens principais, que são bem trabalhados e desenvolvidos – o que faz com que nos importamos com eles quando enfrentam os momentos mais absurdos. Aqui, ocorre exatamente o oposto, e nenhum dos quatro protagonistas interessa ao espectador.

Dessa forma, ver tantas atrocidades em 88 minutos (e estas alcançam um nível anárquico considerável) causa um efeito nulo, do tipo “qual a graça em ver se não estou lá?”. Nourizadeh escolhe uma boa trilha sonora incidental – capturando o espírito festivo surtado – e também na fidelidade acerca do tipo de atividade desse cenário (não acrescentando muita coisa nova, além de um anão preso num forno), que ficam interessantes graças aos cortes constantes das diferentes câmeras que circulam pela festa.

Com os personagens já desinteressantes pelo roteiro, há pouco que os atores possam fazer. Abraçando todos os estereótipos adolescentes existentes, Thomans Mann faz o típico loser que almeja a popularidade, Oliver Cooper faz do amalucado Costa o mais irritante do grupo e Jonathan Daniel Brown provavelmente achou que sua fisionomia acima do peso seria o bastante para provocar risos. Dentre os personagens, o mais interessante é o cinegrafista Dax – justamente por não sabermos muita coisa a seu respeito.

Voltando à ingressão do formato ao gênero, Projeto X – Uma Festa fora do Controle acerta na estética, mas erra estupidamente em termos narrativos. Exemplo: o filme se contraria logo nos segundos iniciais, quando exibe um anúncio de que todas as acrobacias são feitas por dublês, só para logo depois mostrar um pedido de desculpas da Warner Bros pelos eventos ocorridos. Se for brincar, que o faça direito.