Arquivo para ideia

| Unfriended | Crítica

Posted in Críticas de 2015, Home Video, Terror with tags , , , , , , , , , , , on 1 de agosto de 2015 by Lucas Nascimento

3.5

unfriended
O terror da internet: sessão dos comentários

É curioso observar como o cinema acompanha de perto as revoluções tecnológicas ao longo da História, e como estas impactam narrativas. Para citar um exemplo banal, Sintonia de Amor era uma comédia romântica com Tom Hanks e Meg Ryan baseada em transmissões de rádio, enquanto a “sequência espiritual” Mensagem pra Você traz novamente os atores em uma trama similar, mas agora trocando o rádio pelo e-mail. No terror, o estilo começou a se aproximar de documentários falsos com o found footage nos anos 70, ganhando mais força com a eminência de A Bruxa de Blair nos anos 2000 e uma retomada milionária com a franquia Atividade Paranormal.

Agora, o fascínio pelo real e a imersão começa a ganhar força com Unfriended, filme modesto que é todo ambientado numa tela de computador. Não é a primeira vez que esse tipo de narrativa é explorado no audiovisual (fica a recomendação do excelente curta-metragem Noah, de 2013), mas o filme de Levan Gabriadze talves seja o primeiro a ganhar certa repercussão, certamente mérito de sua distribuição da Universal.

A trama simples começa quando a adolescente Laura Barns (Heather Sossaman) comete suicídio após um vídeo constrangedor vazar pela internet. Um ano depois, um grupo de amigos no Skype se vê perseguido por um misterioso agressor online, que tudo indica ser o espírito vingativo de Barns.

 A ideia de um fantasma de internet até soa ridícula no papel, mas fiquei surpreso com as escolhas narrativas que o formato desktop pôde oferecer. Por exemplo, a ausência de música e atenção constante a uma caixa de texto é algo que certamente prende o espectador acostumado com esse tipo de experiência (basicamente, a maioria das pessoas que têm qualquer rede social), chegando até mesmo a criar uma atmosfera pesada. O suspense e curiosidade pela identidade e visual do antagonista também são bem trabalhados: “Vocês não iam gostar daqui” é uma frase que impacta muito bem, funcionando pela simplicidade, e a mera imagem do perfil vazio do Skype é surpreendentemente amedrontadora.

Narrativamente, a estrutura desktop oferece também maneiras elegantes de se cobrir a exposição de eventos (páginas do YouTube, Instagram e Facebook são constantemente acessadas), em especial no momento em que a protagonista prepara-se para responder uma mensagem no chat do Facebook: vemos ela testando diversas frases, antes de fato enviá-las, e estas nos revelam o que a personagem está pensando. Funciona, sem parecer forçado. Da mesma forma, a estrutura de multi câmera no videochat do Skype é eficiente de forma a nos apresentar ações e reações espontâneas de todos os personagens ali

O grande problema de Unfriended é mesmo no roteiro, que peca ao se debruçar em clichês e uma trama bem previsível. Cada reviravolta aqui é seguida por um sentimento de “ah, sabia”, ao passo em que a estrutura de mortes se torna repetitiva, e subtramas do tipo cyberbully e “personagem que trai o namorado com o melhor amigo” tornam-se cansativas. Nenhum dos personagens é muito cativante também, ainda que tenhamos um bom equilíbrio de estereótipos ali: a patricinha, o nerd hacker, o atleta, etc.

Ainda que falhe no quesito história, Unfriended é um experimento muito interessante que certamente vai prender a atenção do espectador durante sua curta duração. Se bem trabalhado, o formato pode ser uma maneira bacana de se analisar as formas de comunicação do século XXI no cinema.

Obs: O filme está disponível para download. Afinal, vê-lo num computador parece a opção mais… imersiva.

Anúncios

Trailer internacional de THE DISAPPEARANCE OF ELEANOR RIGBY

Posted in Trailers with tags , , , , , , , , , , , , on 14 de agosto de 2014 by Lucas Nascimento

eleanor_02

Há uns meses atrás falei aqui sobre The Disappearance of Eleanor Rigby, um curioso projeto que oferecia três filmes para a mesma história: um deles sob o ponto de vista da personagem de Jessica Chastain (Her), o outro sob o de James McAvoy (Him) e o último sendo uma junção dos dois (Them). O novo trailer que foi produzido para o mercado chinês ilustra melhor essa ideia, e é interessante reparar em como a mesma cena (em tela dividida, no vídeo) é a filmada, fotografada e colorida de forma diferente. Confira:

Acho isso muito, muito bacana. Só fica a dúvida de como as distribuidoras vão se virar pra lançar o filme. As três versões? Apenas a versão Them, com um possível lançamento em home video da Her e Him? Fica o mistério.

The Disappearance of Eleanor Rigby (acredito que a versão Them) estreia em 12 de Setembro nos EUA.

| Looper: Assassinos do Futuro | Só não precisava enfiar telecinese no meio

Posted in Ação, Cinema, Críticas de 2012, Ficção Científica with tags , , , , , , , , , , , on 29 de setembro de 2012 by Lucas Nascimento

Encarando o passado: Bruce Willis e Joseph Gordon-Levitt se encontram

“Essa coisa de viagem no tempo vai fritar seu cérebro que nem ovos”, adverte o personagem Abe (Jeff Daniels) em um dos momentos de Looper: Assassinos do Futuro. Quando bem utilizado e compreendido, tal conceito realmente pode intrigar espectadores e surpreendê-los com seus extremos rumos. Escrito e dirigido por Rian Johnson, Looper é um dos melhores exemplares do gênero a sair nos últimos anos.

A trama é ambientada em uma sociedade onde a viagem no tempo só é utilizada por corporações criminosas, quando estas desejam eliminar vítimas, enviando-as 30 anos para o passado (onde é mais fácil “livrar-se de vestígios”) para que sejam executadas por um matador Looper. A situação complica-se quando o looper Joe (Joseph Gordon-Levitt) recebe um alvo inusitado: ele mesmo, que traz uma importante missão do futuro. Paro por aqui para não entregar mais detalhes.

Encontrar uma ideia original dessas é muito raro. Mais improvável ainda é vê-la funcionando, mas o pouco conhecido Rian Johnson (além deste novo filme, seu currículo no cinema traz A Ponta de um Crime e Vigaristas) faz um trabalho espetacular por trás das câmeras. Sua mise em scéne é inteligente e engenhosa e usufrua de recursos visuais cada vez menos presentes no Cinema blockbuster; reparem nos indícios sutis que comprovam a identidade do vilão Rainmaker: temos uma máquina de irrigação molhando uma plantação ou o quadro que traz uma colheita com nuvens carregadas no céu durante a cena do interrogatório com Sara (Emily Blunt). Outro bela observação é o movimento sutil que a personagem de Blunt faz na dobra de seu vestido, deixando bem clara suas intenções.

Tais detalhes comprovam a competência de Johnson como diretor – que apresenta também uma excelente mão para a ação – função que desempenha melhor do que como roteirista. A premissa e todo o estudo em cima do protagonista Joe funcionam com eficiência, mas ainda não vejo sentido na presença da telecinese na trama. Aprecio o senso de decepção quanto a seu surgimento (“Quando a telecinese surgiu, todos acharam que teríamos super-heróis, mas acabamos com idiotas que levitam moedas”), mas este surge apenas como um “extra”, sem trazer um valor narrativo importante.


Metamorfose: Joseph Gordon Levitt durante o processo de maquiagem

Com o rosto modificado para assemelhar-se a um jovem Bruce Willis, Joseph Gordon-Levitt continua se firmando como um dos melhores e mais carismáticos atores da atualidade. Mesmo que a maquiagem estranhe em diversos momentos, a performance de Levitt nos faz acreditar que este é Willis 30 anos mais novo (reparem no tom com que ele pronuncia “Não vai atirar no outro pé, Kid”) ao mesmo tempo em que não se limita a copiar a performance do colega. E mesmo que apresente um papel coadjuvante, Bruce Willis se sai melhor do que o costume, conseguindo equilibrar o drama de seu personagem com seu invejável talento de protagonizar cenas de ação. Pra fechar, Emily Blunt faz muito mais do que ser apenas “a mulher do filme de ação” e sua força é evidenciada logo durante sua primeira aparição, quando surge cortando lenha.

Tecnicamente satisfatório e surpreendente em suas decisões, Looper: Assassinos do Futuro é uma grande surpresa em um ano que carece de ideias originais. Explora ao extremo o conceito de viagem no tempo e promete consolidar a carreira de Rian Johnson, um nome que promete trazer boas contribuições à Sétima Arte. E o Cinema anda precisando de profissionais assim…

| O Preço do Amanhã | Potencial de clássico, execução medíocre

Posted in Cinema, Críticas de 2011, Ficção Científica with tags , , , , , , , , , , on 5 de novembro de 2011 by Lucas Nascimento


Justin Timberlake e Amanda Seyfried em cena

Já que O Preço do Amanhã ensina que tempo é dinheiro, vamos escrever esta crítica o mais rápido possível, passando apenas pelos pontos necessários. No parágrafo inicial, um breve comentário: tinha a melhor e mais original premissa do ano, mas falha ao executá-la.

A trama mostra um futuro onde  tempo é a moeda adotada pela sociedade.

O diretor e roteirista Andrew Niccol (o mesmo responsável por Gattaca e O Senhor das Armas) certamente teve uma ideia genial, mas não demonstrou a mesma originalidade ao executá-la; já que o longa abraça diversos clichês ao longo de seu desenrolar, passando também por uma mistura de gêneros (pôquer, Bonnie e Clyde, e por aí vai) que resulta na bagunça estrutural de O Preço do Amanhã. O diretor até que capricha nos  travellings e enquadramentos, mas mostra-se um péssimo roteirista ao criar diálogos terríveis.

Justin Timberlake assume um papel muito fácil e se dá bem, mostrando que tem carisma para diversos gêneros cinematográficos (drama em A Rede Social, comédia em Amizade Colorida e ação aqui), mas não é só porque sempre que seu personagem é visto correndo de mãos dadas com Amanda Seyfried, que os dois apresentem uma boa química – o que, na minha opinião, não acontece aqui. Cillian Murphy aparece confortável como o Guardião do Tempo Raymond Leo e Olivia Wilde rende uma boa participação como a mãe do protagonista.

Entre os valores técnicos, aquele que mais se destaca é a excelente direção de fotografia do sempre impecável Roger Deakins, que oferece um visual caprichado ao longa. No entanto, o uso de efeitos sonoros futurísticos em carros contemporâneos (com leves toques surreais) soa deslocado.

O Preço do Amanhã tem uma ideia fantástica e conceitos muito interessantes (como ladrões de tempo, bancos e empréstimos), mas não tem o diretor ideal para que o resultado faça juz a sua proposta. Com um cineasta como Christopher Nolan, por exemplo, poderíamos estar olhando para um futuro clássico.

Fui muito rápido?

Sweet Dreams: Especial A ORIGEM

Posted in Especiais with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 2 de agosto de 2010 by Lucas Nascimento

Um dos filmes mais esperados do ano e aquele que promete também ser o melhor e mais criativo. Acompanhe o especial sobre o mais novo filme de Christopher Nolan.

O Misterioso Projeto de Christopher Nolan

A ideia para A Origem veio do fascínio de Nolan pelos sonhos e seus estudos. O conceito original de dividir um sonho em um mundo e ter esses sonhos e pensamentos roubados foi a diparada para o início do projeto.

Antes tido como um filme de terror ( mas depois transformado em thriller), Nolan escreveu um roteiro prévio de 80 páginas, custando de 9 a 10 anos; mas teve de ir pra gaveta por não se adequar aos padrões da época e o diretor foi trabalhar com filmes grandes, como Batman Begins e O Cavaleiro das Trevas. Nas palavras do diretor “Ao se tratar de sonhos, o potencial da mente humana é infinito, então a escala do filme tem que ser infinita. Tem que parecer que ele pode ir para absolutamente qualquer lugar ao fim do filme.” Ou seja, o orçamento teria que ser grande…

Mas nem a metade do absurdo de Avatar, que chegou aos 500 milhões de dólares. A Origem custou 200 milhões, foi filmado Tóquio, Los Angeles, Marrocos, Paris, Canadá e Inglaterra.

Mas pelo visto, o esforço valeu a pena. Além de um resultado satisfatório nas bilheterias (o filme encontra-se atualmente liderando nos EUA por sua terceira semana consecutiva), a recepção crítica do filme foi arrasadora, rendendo muitos elogios e dando início a inúmeras discussões e apostas para o próximo Oscar.

Personagens

Dom Cobb (Leonardo DiCaprio)

Profissão: O Extrator

Função: Especializa-se na segurança do subconsciente, roubando ideias de seus clientes.

O que sabemos: Depois de muitas missões que o tornaram um dos melhores Extratores do mundo da espionagem industrial, o trabalho da Inserção poderá ser sua chance de redenção, podendo retomar tudo o que será perdido.

 

  

 

Arthur (Joseph Gordon-Levitt)

Profissão: O Armador

Função: Responsável por pesquisar sobre os alvos do grupo.

 O que sabemos: Sócio de Cobb há algum tempo (como a HQ The Cobol Job sugere), Arthur é o principal companheiro do líder da equipe.

 

 

 

 

 

Ariadne (Ellen Page)

Profissão: A Arquiteta

Função: Constrói e projeta o mundo dos sonhos.

O que sabemos: Foi contratada por Cobb por recomendação do Professor Miles (Michael Caine), que ensinou os segredos de Extração para Cobb. 

 

 

 

Eames (Tom Hardy)

Profissão: O Falsificador

Função: Personifica o alvo no mundo dos sonhos e forja uma identidade física.

O que sabemos: Até agora, nada.

 

 

 

 

 

 

Mallorie Cobb (Marion Cottilard)

Profissão: A Sombra

O que sabemos: Esposa de Cobb, ela não tem uma função especificada na equipe, mas aparece constantemente nos sonhos de seu marido.

 

 

 

 

 

Marketing Inteligente

 

Uma coisa é certa: Os filmes de Christopher Nolan sempre rendem uma ótima campanha publicitária. Basta lembrar do barulho que os sites de O Cavaleiro das Trevas fizeram em 2007 e 2008, todos muito bem produzidos e até com jogos interativos de verdade (houve uma “caça ao tesouro na Av. Paulista).

Com A Origem não foi diferente. Não só conseguiu chamar a atenção e não revelar quase nada sobre o filme; o resultado sem dúvida será uma experiência imprevisível e misteriosa…

Em seu novo projeto, vale destacar o jogo online Mind Crime, onde você é um extrator que caminha por um mundo virtual evitando “policiais” e a eficiente HQ online The Cobol Job, que serve de prelúdio para o filme.

Tecnologia antiética

A tecnologia é usada para invadir sonhos e mentes em A Origem. Para que outros fins antiéticos ela já foi utilizada?

Laranja Mecânica

Testada no deliquente Alex, o Tratamento Ludovic é uma cruel forma de lavagem cerebral. Amarrado com camisa-de-força, pálpebras presas para sem manterem abertas e sob o efeito de drogas, o “paciente” é forçado a assistir imagens violentas e pertubadoras, causando uma experiência próxima da morte. 

Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças

Todo mundo já quis esquecer desesperadamente de uma pessoa. A Corporação Lacuna oferece essa possibilidade: o tratamente de amnésia lacuna, que apaga, literalmente, todas as lembranças de determinada pessoa da mente humana.

Matrix

É mais um caso de tecnologia x humanidade. O interessante é a própria Matrix, criada pelas máquinas (mais especificamente, o Arquiteto) para simular o mundo real e aprisionar os humanos, sem saberem do realmente se trata. Uma ótima versão moderna do Mito da Caverna de Platão.

A.I. – Inteligência Artificial

Uma premissa muito interessante que poderia ter sido melhor aproveitada. No filme dirigido por Spielberg, robôs idênticos à humanos podem ser comprados; uma família compra um deles para assumir o lugar de seu filho falecido. Argumento poderoso.

Bem, o especial vai ficando por aqui, não quero revelar muita coisa sobre o filme porque realmente não há muito o que dizer sem entregar spoilers e eu, assim como vocês (espero eu), quero ter uma grande surpresa no cinema. Aguardem pela crítica!