Arquivo para imperio contra-ataca

Especial Pixar Studios

Posted in Especiais with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 18 de junho de 2010 by Lucas Nascimento

Com a estreia de Toy Story 3 hoje, nada mais justo que um especial relembrando meus filmes preferidos daquela que é, incontestavelmente, a melhor empresa de animação do cinema.

Toy Story (1995)

Um marco nas animações 3D, é antes de mais nada, uma das mais originais e divertidas histórias já contadas, que não deixa o visual prevalecer sobre a narrativa. Os personagens são inesquecíveis e o bom humor está a mil.

Toy Story 2 (1999)

Tudo que já era bom no primeiro filme, ficou ainda melhor na sequência, que já começa a saga “séria” da Pixar, mas é claro, sem perder o muito bom hum0r. Os novos personagens são excelentes, a trama é mais empolgante e não faltam referências marcantes (O Império contra-ataca). Clássico.

Monstros S.A. (2001)

A clássica história do monstro do armário, que toda criança ja ouviu, ganha uma bela e divertida homenagem. A ideia de uma empresa de monstros é tão criativa que explica a razão de filmes animados merecerem prêmios. Não só a premissa, os personagens são bem desenvolvidos e memoráveis.

Os Incríveis (2004)

Parecendo uma versão infantil de Watchmen, a família de super-heróis impressiona não pelas cenas de ação, história bem elaborada ou a animação caprichada, mas sim, o sempre presente cuidado em construir os personagens e estabelecer relações entre eles. Ótimo filme.

Procurando Nemo (2005)

Já ouviram “Beyond the Sea” de Bobby Darin? É essa música que sempre me vem a cabeça quando assisto a saga aquática dos peixes Marlin e Dory à procura do pequeno Nemo. É interessante observar as divertidas referências, não só a filmes, como por exemplo os tubarões, que representam os grupos de alcoolismo ou as “tartarugas surfistas”. Diversão de primeira.

Carros (2006)

No início, achei a ideia de Carros completamente ridícula, mas fui me interessando pelo filme quando ele começou a fazer mais barulho (é um dos filmes da Pixar com maior marketing). É uma aventura divertida, original e com muito coração. E as corridas possuem um visual bem melhor do que o Speed Racer dos Irmãos Wachowski…

Ratatouille (2007)

A lição de Ratatouille é, basicamente, qualquer um pode fazer qualquer coisa. Exemplo? Um rato pode cozinhar melhor que qualquer chef de Paris. Um dos melhores trabalhos da Pixar, o filme é emocionante, divertido, muito bem produzido (a direção de arte é impecável) e extremamente original. Obrigatório.

Wall-E (2008)

O visual é quase tão impressionante quanto a história do robozinho solitário, cuja função é limpar a Terra depois de sua poluição total. A mensagem de esperança e a crítica ecológica são fortes e extremamente cativantes. Ótimo filme (de novo).

Up – Altas Aventuras (2009)

O que dizer de um filme que consegue te emocionar sem apelar para o melancólico, apenas mostrando belíssimas imagens, ótima trilha sonora e personagens inesquecíveis? O que dizer de um filme que faz isso nos primeiros 10 minutos? O filme evolui para aventura, mas não perde o charme.

Bem, o especial acabou, mas aguarde, mais tarde crítica de Toy Story 3 estará aqui.

Anúncios

Especial Star Wars

Posted in Especiais with tags , , , , , , , , , , on 5 de junho de 2010 by Lucas Nascimento

Hoje estou fazendo um especial para todos os leitores que, como eu, são fãs de uma das melhores sagas de ficção científica da história do cinema. Isso mesmo, Star Wars de George Lucas; aí vai um especial com a crítica dos 6 filmes da série.

Star Wars Episódio IV – Uma Nova Esperança

Que maneira mais espetacular de se começar uma história. Tudo bem que ela não se inicia aqui, mas esse filme foi a primeira experiência que mundo teve com Star Wars. Inesquecível, o filme possui uma trama muito simples e ainda assim, surpreendente. Personagens icônicos, frases marcantes e aí estava criada uma das melhores ficções científicas da história do cinema. Muito bom mesmo.

Star Wars Episódio V – O Império Contra-ataca

Ja falei muitas e muitas vezes, por isso, nem vou dizer e dar exemplos de como o segundo filme de uma trilogia costuma ser o melhor. Seguindo essa fórmula, a sequência do clássico é transformada em um dos melhores filmes já feitos. Efeitos melhorados, trama mais complexa, que envolve uma das mais inesperadas reviravoltas e ação, muita ação. Mais sombrio e melhor.

Star Wars Episódio VI – O Retorno de Jedi

Humm. A saga começa a desandar em seu capítulo final, mas isso deve-se a, em maior parte, uma horrível e desastrosa ideia que George Lucas ousou levar em frente: Os Ewoks. São pequenos guerreiros-ursos que só estragam a boa história que o filme têm. Fora esse grande deslize, o filme é excelente, partindo do ponto em que o anterior acabou, consegue manter um ritmo ágil e concluir a saga com grandeza.

Star Wars Episódio I – A Ameaça Fantasma

Com o sucesso absoluto da primeira trilogia, Lucas volta no tempo para contar como tudo começou. O resultado é visto por muitos, como desastroso, mas eu não achei tão ruim assim. O episódio I é, de fato, devagar e não possui o mesmo ritmo dos filmes anteriores. A trama não convence muito, mas no ato do final do filme, temos um duelo de sabres-de-luz que vale pelo filme inteiro. Sério, uma das melhores da saga.

Star Wars Episódio II – Ataque dos Clones

A trama começa a se desenrolar melhor aqui, principalmente pelo fato de começarmos a relacionar o personagem de Anakin Skywalker, com seu futuro papel de Darth Vader. Vemos muitas origens e temos ótimas cenas de ação e batalhas, que ajudam a resgatar o tom divertido da antiga trilogia. Destaque para a luta de Obi-wan contra o caçador de recompensas Jango Fett, cena que é, na minha opinião, o melhor duelo de toda a saga. Muito bom.

Star Wars Episódio III – A Vingança dos Sith

Agora sim. A ligação entre as duas trilogias é, sem dúvida, o filme mais sombrio e dramático. Contando com um frio realismo a redenção de Anakin ao Lado Negro e o massacre de partir o coração aos Jedi, o último filme da saga se supera. Por anos todos sempre quiseram ver como Darth Vader se tornou o homem dentro da roupa, e agora sabemos. O ruim, é que Hayden Christensen não traz o carisma necessário que o personagem merece e precisa. Mas a franquia pode-se considerar concluída com chave de ouro.

Bem, esse foi o especial Star Wars, espero que tenham gostado e fiquem ligados no blog.