Arquivo para Jeremy Renner

| Missão: Impossível – Nação Secreta | Crítica

Posted in Ação, Aventura, Cinema, Críticas de 2015 with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 12 de agosto de 2015 by Lucas Nascimento

4.0

MI5RogueNation
O Burj Khalifa não tava alto o bastante? Então vai um avião.

É interessante observar que, enquanto a maioria das franquias vai se desgastando com o tempo e suas intermináveis sequências, Missão: Impossível só vai ficando melhor a cada exemplar. Provavelmente pela política de Tom Cruise de exigir um diretor diferente por filme, o que acaba lhes fornecendo diferentes estilos e, mais importante, identidade (caracaterística fundamental perdida com frequência nas produções gigantes da Marvel Studios), quase como se a saga de Ethan Hunt se renovasse cada vez mais. Em Nação Secreta, não é diferente, e talvez seja o melhor exemplar da série até agora.

A trama começa com Ethan Hunt (Tom Cruise) em uma longa caçada por uma organização secreta conhecida como o Sindicato, liderada pelo misterioso Solomon Lane (Sean Harris). Ao mesmo tempo em que a IMF sofre pressão política do chefe da CIA (Alec Baldwin), Hunt age clandestinamente com sua equipe para provar a existência da organização e acabar com esta.

Se Protocolo Fantasma era uma aventura desenfreada e divertida aos moldes de Brad Bird, Nação Secreta adota os elementos de espionagem política do eficiente Jack Reacher: O Último Tiro, parceria anterior de Cruise com o diretor e roteirista Christopher McQuarrie. O forte roteiro, também de McQuarrie, aposta em uma trama complexa e bem competente para o gênero, inclusive encontrando equilíbrio para os membros da equipe de Hunt: o divertidíssimo Benji de Simon Pegg nunca teve tanto para fazer aqui, e funciona tanto como um alívio cômico quanto catalisador de eventos, ao passo em que Jeremy Renner e Alec Baldwin dão ânimo ao aspecto mais burocrático da produção.

Como exemplar do cinema de ação, é um filme irrepreensível. A já famosa tomada suicida de Tom Cruise pendurado na lateral de um avião levantando voo é apenas o começo de uma série de sequências eletrizantes que incluem uma sensacional perseguição de motos, um tenso mergulho num tanque de água pressurizada e uma criativa cena ambientada numa ópera, que consegue remeter a O Poderoso Chefão – Parte III enquanto ofusca a similar sequência protagonizada por Daniel Craig em Quantum of Solace. E ainda que Cruise seja o grande fator de tais cenas, a enigmática femme fatale de Rebecca Ferguson é uma personagem interessante e sai de igual com o ator no quesito porradaria, promovendo também uma divertida dúvida quanto a sua lealdade.

O único problema grave do filme é mesmo o terceiro ato, que tem se mostrado como uma dificuldade em comum em toda a série. A projeção se estica além do necessário para encontrar uma solução decente para a trama do Sindicato, que funciona, mas sacrifica o ritmo agitado que a produção vinha tomando. O antagonista de Harris também satisfaz muito mais do que o esquecível traficante de armas de Michael Nyqvist, ainda que a franquia ainda não tenha tido um vilão realmente memorável; o psicopata de Philip Seymour Hoffman no terceiro filme é o que chega mais perto.

Missão: Impossível – Nação Secreta é facilmente um dos melhores filmes de ação do ano, comprovando também que os espiões andam numa ótima fase em 2015. Tom Cruise continua impressionando ao protagonizar empolgantes cenas de ação e a franquia parece estar num contínuo fluxo de reinvenção. O que é ótimo.

Estarei na primeira fila quando Tom Cruise se pendurar num foguete para Missão: Impossível 6.

Obs: Sempre faço questão de agradecer quando um blockbuster é lançado em 2D.

| Vingadores: Era de Ultron | Crítica

Posted in Ação, Adaptações de Quadrinhos, Aventura, Cinema, Críticas de 2015 with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 23 de abril de 2015 by Lucas Nascimento

3.0

AvengersAgeofUltron
James Spader dá vida ao vilão Ultron

Em certo momento do clímax, diante de uma situação ameaçadora e completamente fantasiosa, o Gavião Arqueiro de Jeremy Renner vira-se para um companheiro, explicando “O mundo tá acabando, tem um exército de robôs e eu só tenho um arco-e-flecha, isso não faz o menor sentido”. Numa rara situação, a Marvel Studios consegue soltar uma piada inteligente que reflete não só a posição do personagem B, mas da própria saga que culmina em Vingadores: Era de Ultron.

A trama começa no 220 quando encontramos a equipe formada por Homem de Ferro (Robert Downey Jr), Capitão América (Chris Evans), Thor (Chris Hemsworth), Hulk (Mark Ruffalo), Viúva Negra (Scarlett Johansson) e o Gavião Arqueiro (Renner) invadindo uma base de HIDRA para recuperar um bem valioso. A descoberta faz com que Tony Stark comece a trabalhar num programa de inteligência artificial, que resulta na criação do maligno Ultron (James Spader), obcecado em destruir a humanidade.

Os Maiores Super-Heróis da Terra. Como dar continuação a um dos filmes de super-heróis mais ambiciosos e grandiosos de todos os tempos? Infelizmente, o diretor Joss Whedon e sua equipe apostaram na filosofia do “Maior e Melhor”, só que o segundo elemento deu lugar ao primeiro, transformando Era de Ultron num festival de excessivas cenas de ação, sempre a fim de encontrar poses mirabolantes para seus protagonistas, tal como nas ilustrações de quadrinhos. Explosões, porradarias e antagonistas que não acabam mais, que certamente irão agradar quem procura o espetáculo de sempre. É só que ,depois de quase uma década assistindo a variações do gênero, essa fórmula já não me satifaz como antes.

Digo, é preciso uma grande ameaça para reunir os Vingadores, mas só eu já cansei dessa eterna história de destruir o mundo? A série que a Marvel lançou em parceria com o Netflix esse ano, Demolidor, facilmente se desponta como uma de suas melhores produções, justamente por adotar uma abordagem mais intimista e concentrar-se em fatores mais… simples – ainda que o Demolidor seja um personagem mais realista do que o supergrupo, claro. A ameaça de Ultron é superficial, e o roteiro de Whedon elabora diálogos com pouco nexo algum para o vilão (vamos agitar um jogo de shot para cada vez que um vilão trazer a Arca de Noé à mesa? E de onde vem esse lance de Pinóquio?), mesmo que Spader garanta uma presença imponente – aliada a efeitos visuais de ponta – e que seu “instrumento de destruição” seja bem original. Admito, porém, que a questão da inteligência artificial é muito bem explorada aqui, ainda mais com as interações entre Ultron e JARVIS, e também da interessante figura do Visão (Paul Betanny sob excelente maquiagem).

AAOU
Aaron Taylor-Johnson e Elizabeth Olsen

O carismático é extenso, mas Whedon habilidosamente equilibra todos os jogadores, de forma a não deixar ninguém sobrando: o Gavião, por exemplo, ganha muito mais destaque do que no primeiro filme, sendo facilmente a figura mais identificável do projeto (até mesmo detalhes de sua surpreendente vida pessoal são revelados). Entram no jogo Elizabeth Olsen e Aaron Taylor-Johnson como os gêmeos Maximoff, respectivamente, Feiticeira Escarlate e Mercúrio (que também fez uma aparição em X-Men: Dias de um Futuro Esquecido, mas intepretado por Evan Peters), personagens interessantes, mas que certamente merecem um pouco mais de tempo – a Feiticeira de Olsen é particularmente fascinante, e seus poderes assombrosos, capazes de provocar alucinações nos heróis, garantem a melhor sequência do filme.

Quando Whedon aprofunda-se na relação entre os personagens, especialmente a de Bruce Banner e Natasha Romanoff, é uma excelente intenção. O diretor e roteirista tenta humanizá-los, mesmo que estejamos falando de seres superpoderosos capazes de demolir prédios e transformar-se em monstros verdes, o que geralmente funciona com o humor (a cena em que os heróis tentam levantar o martelo de Thor numa festa é divertidíssima) e ajuda a causar empatia por estes quando são transformados em bonecos digitais para as absurdas cenas de ação. Só o drama que não funciona com a mesma eficiência, prejudicado por clichês e algumas subtramas pouco exploradas (especialmente uma que envolve Thor e elementos místicos um tanto… exóticos).

Dentro do universo que a Marvel estabeleceu, Era de Ultron oferece conexões confusas, ainda que deixe portas abertas para possibilidades empolgantes. Primeiramente, não há menção alguma ao fato de que Tony Stark claramente abandonou a identidade de Homem de Ferro no terceiro filme, mas aqui está ele em ação como se o filme de Shane Black nunca tivesse acontecido – assim como Don Cheadle usar a armadura do Máquina de Combate, não do Patriota de Ferro. De maneira similar, o gancho de O Soldado Invernal é ignorado apenas para que o Capitão possa se juntar aos Vingadores; aliás, como eles se juntam novamente é um mistério, já que o filme já dispara com a equipe junta nos segundos iniciais, num efeito duplo: desastroso por deixar um buraco na continuidade, mas impactante ao oferecer uma apresentação poderosa. Por fim – mas sem spoilers – Whedon deixa as portas abertas para empolgantes possibilidades no futuro.

Vingadores: Era de Ultron se perde na necessidade de oferecer um espetáculo grandioso demais, saindo inchado e incoerente dentro do próprio universo. Ainda assim, tem um ótimo elenco bem entrosado e uma trama central bem explorada, que certamente traz empolgantes possibilidades para o futuro.

Obs: Stan Lee, cena pós créditos (no meio), vocês sabem…

Obs II: Eu evitaria o 3D convertido, mas que não é dos piores.

Primeiro trailer de MISSÃO: IMPOSSÍVEL – NAÇÃO SECRETA [ATUALIZADO]

Posted in Trailers with tags , , , , , , , , , , on 22 de março de 2015 by Lucas Nascimento

mi5_01

Com lançamento anteriormente marcado para dezembro, Missão: Impossível 5 foi adiantado para Agosto aqui no Brasil, e a Paramount começa a acelerar o marketing do filme. Pra começar, o filme de Christopher McQuarrie (Jack Reacher: O Último Tiro) ganhou o subtítulo de Rogue Nation, que virou “Nação Secreta” aqui no Brasil (e também sinto um leve nod para Star Wars: Rogue One…).

E então, temos aqui um teaser (o trailer completo sairá amanhã), que traz Tom Cruise pendurado na asa de um avião! Confira:

Simon Pegg, Jeremy Renner e Ving Rhames reprisam seus papéis. Alec Baldwin, Rebecca Fergunson e Sean Harris são as novidades no elenco.

Missão Impossível – Nação Secreta estreia em 13 de Agosto.

ATUALIZAÇÃO: Confira agora o trailer completo!

mi5_p1

 

| Era Uma Vez em Nova York | Crítica

Posted in Cinema, Críticas de 2014, Drama with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 15 de setembro de 2014 by Lucas Nascimento

3.5

TheImmigrant
Marion Cotillard brilha na pele da imigrante do título original

É a primeira vez que falo sobre James Gray aqui no blog, um nome que vem se destacando no cinema norte-americano, mas que ainda não explodiu tal como colegas do calibre de David Fincher ou Duncan Jones. Gray é um cineasta bem pessoal e mesmo que não traga muitos maneirismos visuais, é um baita contador de histórias, como nos comprovam os excelentes Os Donos da Noite e Amantes. Com Era Uma Vez em Nova York, Gray faz seu longa mais grandioso, ainda que não traga o mesmo impacto de suas obras anteriores.

A trama é centrada na imigrante polonesa Ewa Cybulska (Marion Cotillard), que chega à Nova York dos anos 20 com sua irmã na esperança de uma vida melhor. Quando a irmã é barrada devido a uma tuberculose e os tios que as abrigariam não aparecem, Ewa fica nas mãos do cafetão Bruno Weiss (Joaquin Phoenix), que promete ajudá-la a libertar a irmã desde que ela trabalhe para ele como prostituta.

O longa é mais um bom exemplar do gênero que explora a ironia e as desilusões do Sonho Americano e sua “Terra de Oportunidades”, especialmente à medida em que Ewa vai cada vez mais corrompendo seus valores durante a estadia em solo norte americano. Marion Cotillard se sai maravilhosamente bem ao retratar a pobre imigrante, entregando uma de suas performances mais contidas e sutis, raramente apelando para explosões dramáticas ou mudanças de humor brutais, sempre preservando a ingenuidade e o medo de Ewa, nem que seja apenas por um simples olhar ou sua trêmula voz ao anunciar que “só quer ser feliz”. Joaquin Phoenix também surge bem como Bruno, e torna seu personagem mais interessante ao revelar a fragilidade que existe por trás de sua figura imponente e às vezes até ameaçadora.

E é raro também que eu elogie uma tradução nacional que fuja do título original, mas o uso de “Era uma vez…” no título (o original é “The Immigrant”, e o filme chegou a ser chamado de “A Imigrante” por um tempo) confere à produção uma áurea fabulesca e de contos de fada, elementos que se justificam pela presença do mágico Orlando (Jeremy Renner, que consegue brilhar como a figura mais carismática da produção) e que se mostram tão alegres como um conto dos irmãos Grimm, então a Europa Filmes merece elogios pela mudança inspirada. Ainda no tom, a produção merece prêmios pela reconstituição de época excepcional, desde o design de produção de Happy Massee, eficiente em reconstruir prédios e ruas da Nova York daquele período, até a fotografia em tons de sépia de Darius Khondji, claramente inspirada na paleta de cores usada por Gordon Willis em O Poderoso Chefão: Parte II, filme que também explora a imigração.

Ainda que não seja necessariamente inovador ou original, Era Uma Vez em Nova York conta uma bela e pesada história e traz em seu leque de qualidades um elenco fantástico e uma reconstrução de época invejável.

Obs: Ao mesmo tempo em que elogio a Europa Filmes pela decisão de mudar o título, devo criticá-la fortemente por destruir a razão de aspecto do filme, recortando o lindo 2:35:1 por uma resolução menor e que danifica os enquadramentos do filme. Péssima apresentação técnica.

| Trapaça | Dream team de David O. Russell salva a brincadeira

Posted in Cinema, Comédia, Críticas de 2014, Drama, Indicados ao Oscar with tags , , , , , , , , , , , , , on 19 de janeiro de 2014 by Lucas Nascimento

3.5

AmericanHustle
Amy Adams, Bradley Cooper, Jeremy Renner (o esquecido), Christian Bale e Jennifer Lawrence

O cinema do diretor David O. Russell vem se tornando muito popular nos últimos anos, especialmente com a aclamada trinca formada por O Vencedor, O Lado Bom da Vida e com o novo Trapaça. Reunindo o melhor dos dois mundos, Russell mesclou os elencos de seus dois últimos trabalhos a fim de conseguir um invejável dream team de atores estelares e, no fim, tudo se resume a isso: as boas performances que carregam o filme todo.

Assinado por Russell e Eric Singer (em seu segundo trabalho no cinema, após Trama Internacional), o roteiro de Trapaça alerta em seus segundos iniciais que “até que alguns dos eventos aconteceram mesmo”, nos apresentando então aos golpistas Irvin Rosenfeld (Christian Bale) e sua amante Sydney Prosser (Amy Adams). O casal segue aplicando golpes internacionais bem-sucedidos até serem interceptados pelo agente do FBI Richie DiMasio (Bradley Cooper), que os obriga a colaborar em um grande esquema envolvendo a exposição de políticos corruptos em troca de sua liberdade.

Uma premissa muito apetitosa, mas que rende um resultado um tanto quanto bipolar. Algo que, curiosamente, se justifica pela aliança dos dois roteiristas: Singer, saído do labiríntico Trama Internacional, certamente foi o responsável por preencher a trama com os conflitos internos e toda a porção envolvendo as operações/golpes exercidos pelos personagens, enquanto Russell inubitavelmente deve ter dado maiores contribuições nos confrontos pessoais (o ponto alto da narrativa) entre os mesmos. O problema é que a dupla insiste em dar voltas e voltas dentro dos esquemas planejados, apostando em narrações em voice over absolutamente descartáveis e que afastam o espectador da trama – quando deveriam fazer justamente o oposto.

Não pude deixar de perceber também a influência da escola de cinema de Martin Scorsese aqui, mas que nem de longe alcançam o feito do diretor de Os Bons Companheiros e do recente O Lobo de Wall Street (agora entendi porque classificaram Russell como “Scorsese Light” nos EUA, um título muito apropriado), falhando ao trazer pequenas digressões temporais que explicitam certos eventos de forma cômica (mas sem timing, como fica explícito na sequência que envolve o personagem de Cooper agredindo um superior) ou nas já mencionadas narrações em off.

As 2 horas de projeção se arrastam, e devemos agradecer à excelente trilha sonora incidental e o entrosamento do elenco pelo resultado decente.

Até Russell saliva com o talento reunido, já que seus planos surgem predominantemente fechados a fim de se concentrar nos atores (sem muitas tomadas abertas, de cenários, etc) e com movimentos de câmera que circulem entre estes à vontade. A surpresa aqui fica por conta de Bradley Cooper (especialmente após sua indicação-surpresa ao Oscar deste ano), que surge muito carismático como o explosivo agente do FBI, provavelmente meu preferido do elenco. Amy Adams está completamente deslumbrante com o decote mais hipnótico da década e um acertado sotaque britânico, enquanto Christian Bale oferece uma caracterização forte e relaxada (reparem em seu tom de voz baixo). Já a queridinha Jennifer Lawrence toma para si todas as (poucas) cenas em que aparece, divertindo na pele de uma dona-de-casa carregada de sotaque de Nova Jersey. E não me esqueço de Jeremy Renner, que agrada como o político bem apessoado Carmine Polito. Todos dignos de reconhecimento.

No fundo, Trapaça surge mais como uma boa oportunidade de reunir um grande elenco do que uma experiência narrativa concreta, falhando na agridoce elaboração de seu roteiro. Aqui e ali David O. Russell tenta brincar de Scorsese, mas seu grande mérito reside na liberdade que fornece a seu espetacular dream team.

Obs: Um ator MUITO famoso tem uma participação divertida (e digna de sua carreira) em meados da projeção.

Obs II: Esta crítica foi escrita após a pré-estreia do filme em São Paulo, em 18 de Janeiro.

| O Legado Bourne | Jeremy Renner corre e briga só para chegar à farmácia

Posted in Ação, Cinema, Críticas de 2012 with tags , , , , , , , , , , , on 7 de setembro de 2012 by Lucas Nascimento


Jeremy Renner assume o legado de Jason Bourne como Aaron Cross

Iniciada por Doug Liman em 2002, e completada por Paul Greengrass em 2007 a trilogia Bourne conseguiu se estabelecer com sucesso em Hollywood e dar nova cara ao gênero de espionagem – provocando mudanças até mesmo no concorrente 007. Com a saída do protagonista Matt Damon, entra Jeremy Renner para assumir O Legado Bourne, uma “sequência independente” que acerta em manter a chama acesa, mas falha na escolha de seu herói.

A trama tem início durante os eventos finais de O Ultimato Bourne e nos apresenta ao agente Aaron Cross (Renner), outra vítima do programa governamental responsável pela criação de super-humanos, como Jason Bourne. Agora que a tal corporação rapidamente tenta exterminar todas as “cobaias”, Cross deverá lutar por sua vida e… Só.

O que move Aaron Cross? O principal problema com O Legado Bourne é a ausência de uma motivação convincente para seu protagonista. Se o Jason Bourne de Matt Damon procurava encontrar respostas sobre seu passado e, então, expor as atrocidades do programa Outcome, a única coisa que me pareceu clara quanto a Cross é sua obsessão em encontrar uns medicamentos. Isso mesmo, a missão do super-agente que escala prédios e pula de telhados é viajar meio mundo para que os comprimidos que garantem seus “poderes” estejam novamente em sua posse.

Difícil acreditar que o competente Tony Gilroy, responsável pelo roteiro dos longas anteriores – e que aqui assume também a direção, tenha criado uma história tão desinteressante para este quarto filme. Ainda que acerte ao manter a linearidade com a trilogia (o nome de Jason Bourne, assim como seu rosto, é visto diversas vezes durante a projeção), Gilroy não encontra um personagem à altura daquele que carrega o nome da franquia, e talvez até o encontraria se mergulhasse mais fundo no tal Cross. Sempre carismático, Jeremy Renner segura o filme com sua boa performance, mas como o personagem nunca ganha uma camada emocional eficiente, o trabalho é gravemente prejudicado.

No lugar de Cross, o longa dá espaço a diversas cenas envolvendo os bastidores da Outcome, que desesperadamente tenta controlar a situação. Há a vantagem de se ter o ótimo Edward Norton, mas o roteiro de Gilroy promove uma série de diálogos expositivos (“Você é o presidente da Agência Central de Inteligência, controle-se!”) e que comprovam a insegurança dos realizadores em promover um jogo inteligente (não é por coincidência que diversos personagens repitam frases como “Você está pensando demais” ou “Pare de pensar!”). Paradoxalmente, o filme se confunde tanto em suas próprias ambições e ações paralelas que até se esquece de algumas delas – e aquele avião que Cross é visto pilotando em certo momento?

Nem ao menos no quesito cenas de ação Gilroy acerta. Seu estilo de câmera inquieta mescla-se de forma horrorosa com os cortes incessantes de John Gilroy, o que torna as cenas de luta praticamente incompreensíveis. Aaron Cross também é infalível sabe sempre pra onde ir ou onde encontrar quem procura e, sem propósito narrativo algum, saca um par de óculos escuros durante uma perseguição de motos (claro que isso é um artifício nada sutil para facilitar o uso de dublês).

Tendo as cenas iniciais no Alaska como ponto alto, O Legado Bourne tenta manter o espírito dos longas anteriores, mas carece de um protagonista comovente como Jason Bourne. Quem sabe a coisa melhore com um encontro entre Jeremy Renner e Matt Damon?

25 pistas para OS VINGADORES – THE AVENGERS

Posted in Especiais with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 25 de abril de 2012 by Lucas Nascimento

Com a estreia de Os Vingadores já nesta sexta, fiz um pequeno especial para marcar a ocasião. Aqui, reúni 25 pistas, escondidas nos filmes anteriores da Marvel, que dão indícios da formação da maior equipe de super-heróis da Terra. Aproveite:

Cronologia dos eventos:

Capitão América – O Primeiro Vingador (2011)| Homem-de-Ferro (2008) | Homem-de-Ferro 2 (2010) | Thor (2011) | O Incrível Hulk (2008)

(só lembrando que alguns eventos são simultâneos)

HOMEM-DE-FERRO (2008)

Pista #1

Logo no começo do filme, após o prólogo da captura de Tony Stark (Robert Downey Jr.), vemos um flashback onde ele é entrevistado pela repórter Christine Everhart (Leslie Bib). Na conversa, ele menciona o envolvimento de seu pai Howard em eventos da Segunda Guerra Mundial. É uma deixa para Capitão América.

Pista #2

Com seu retorno aos EUA, Stark prepara uma coletiva de imprensa após seus meses de captura. Dentre repórteres e jornalistas, é a primeira vez que vemos o Agente Coulson (Clark Gregg), representante da misteriosa empresa SHIELD. Na breve cena, ele deseja saber “as circunstâncias da fuga de Stark”.

Pista #3

Avançando quase ao fim do longa, a próxima pista aparece quando Pepper Potts (Gwyneth Paltrow) surpreende Stark quando este está desmontando sua armadura do Homem-de-Ferro. Bem ao fundo, é possível observar o escudo do Capitão América em estágio de desenvolvimento.

Pista #4

Preparando-se para a coletiva de imprensa onde revelará sua identidade de Homem-de-Ferro, Tony Stark encontra-se novamente com o agente Coulson. Ele promete ficar de olho na situação.

Pista #5

Terminada a projeção, uma cena pós-créditos revela o diretor da SHIELD, Nick Fury (Samuel L. Jackson) aparecendo na residência de Stark. Muito breve, ele fala sobre a Iniciativa Vingadores.

O INCRÍVEL HULK (2008)

Pista #6


Nos créditos de abertura, há referências às Indústrias Stark. O nome de Nick Fury também aparece.

Pista #7

O General Ross (William Hurt) recruta Emil Blonsky (Tim Roth), e esse é submetido ao Soro do Super-Soldado, o mesmo responsável pela criação do Capitão América.

Pista #8

Nos minutos derradeiros do longa, Tony Stark faz uma aparição-surpresa e se encontra com o General Ross, oferecendo uma “ajuda” para o problema Hulk. Ele menciona que uma equipe está sendo formada.

HOMEM-DE-FERRO 2 (2010)

Pista #9

Tony Stark contrata Natalie Romanoff (Scarlett Johanssom) como sua nova assistente. A moça, na verdade, é uma agente da SHIELD que atua sob o codinome de Viúva Negra e marca presença na equipe dos Vingadores.

Pista #10

O agente Coulson retorna, e já solta referências aos dois próximos heróis a surgir: ele encontra o escudo do capitão América na oficina de Stark e menciona uma missão no Novo México…

Pista #11

Nick Fury aparece novamente, e Natalie revela sua real identidade. O diretor da SHIELD tenta convencer Stark a juntar-se à sua Iniciativa. Ele ainda ajuda a encontrar uma cura para sua infecção, trazendo informações deixadas por seu pai (revelado também como um dos fundadores da misteriosa organização).

Pista #12

Ao fim do filme, Stark é visto em um escritório da SHIELD folheando o relatório do projeto dos Vingadores. Ao fundo, podemos pegar relances de uma televisão que mostra o campus da universidade onde Bruce Banner (Edward Norton) foi encurraldo pelo exército em O Incrível Hulk.  A cena se desenrola até o ponto de Stark ser recusado como membro da equipe, servindo apenas como um consultor.

Pista #13

Na cena pós-créditos, o agente Coulson está no Novo México. Ele liga para Nick Fury, dizendo ter encontrado o martelo de Thor preso em uma cratera.

THOR (2011)

Pista #14

As referências em Thor são muito mais diretas. Loki (Tom Hiddleston), irmão do protagonista, já é apresentado como um sujeito traçoeiro desde o início da trama, e sua relação com o Deus do Trovão (Chris Hemsworth) não é das melhores.

Pista #15

Com o banimento de Thor para o Novo México, o agente Coulson é enviado para monitorar a situação.

Pista #16

O professor Andrews Selvig (Stellan Skarsgard) menciona que um colega famoso por trabalhar com radiações em gama (sim, ele está falando do Hulk) se envolveu com a tal SHIELD e nunca mais foi visto.

Pista #17

A fim de recuperar seu martelo, Thor invade a instalação da SHIELD e é capturado. Essa é a primeira vez que vemos o Gavião Arqueiro (Jeremy Renner), agente da organização e futuro membro dos Vingadores.

Pista  #18

Loki envia o Destruidor à Terra para matar Thor. Ele é “recebido” pelo agente Coulson e outros empregados da SHIELD, que perguntam se o robô seria propriedade de Tony Stark. Coulson responde: “eu não sei, o cara nunca me fala nada”.

Pista #19

Tendo derrotado o gigante Destruidor, Thor forma uma aliança com o agente Coulson.

Pista #20

Depois de finalmente retornar à Asgard, Thor enfrenta Loki na Ponte do Arco-Íris e o confronto culmina com a destruição da mesma (cortando assim, a ligação entre Aasgard e a Terra) e o destino incerto de Loki, que cai na escuridão do Universo e é sugado para outro Reino.
Vale anotar: Com a Ponte do Arco-Íris destruída, é impossível que Thor retorne à Terra. Boa sorte para os roteiristas de Os Vingadores resolverem essa.

Pista #21

Na cena pós-créditos, encontramos Nick Fury conversando com o professor Andrews. O diretor da SHIELD revela o objeto místico conhecido como Cubo Cósmico, um dos tesouros de Aasgard. Logo descobrimos que Andrews está sob controle de Loki.

CAPITÃO AMÉRICA – O PRIMEIRO VINGADOR (2011)

Pista #22

Nas cenas inciais, o Caveira Vermelha está em um caçada em busca do Cubo Cósmico, visto no final de Thor.

Pista #23

O jovem Steve Rogers visita a exposição de Howard Stark (Dominic Cooper), e logo se envolve no projeto do Super-Soldado. Nasce o Capitão América, tendo o pai de Tony Stark por trás da tecnologia e uniforme do herói.

Pista #24

Já no clímax do filme, o Capitão confronta o Caveira Vermelha em uma batalha pela conquista do Cubo. No fim, o nazista é misteriosamente sugado para dentro do objeto (é até possível ver um deslumbre de Aasgard), em um desfecho similar ao de Loki. Será que podemos contar com o Caveira em Os Vingadores?

Pista #25

O Capitão é congelado após o conflito com Caveira Vermelha, e depois recuperado 70 anos no futuro. Seu salvador: Nick Fury, que aparece a fim de recrutá-lo para sua equipe.

Conectores

Como extra de seus blu-rays, a Marvel lançou alguns curta-metragens que ajudam a conectar os filmes pré-Vingadores. Os dois são bem divertidos e objetivos, e trazem o Agente Coulson como protagonista. Confira:

The Consultant (Liga Homem-de-Ferro 2 a O Incrível Hulk)

A Funny Thing Happened on the Way to Thor’s Hammer (Liga Homem-de-Ferro 2 a Thor)

As caras de Stan Lee

Perdeu o icônico Stan Lee, co-criador de alguns dos super-heróis mais famosos da Marvel, em algum dos filmes? Vai aí um reminder:

Homem-de-Ferro: Confundido com Hugh Heffner

O Incrível Hulk: Vítima do refrigerante radioativo

Homem-de-Ferro 2: Confundido com Larry King

Thor: Motorista do caminhão que tenta levantar o Mjolnir

Capitão América – O Primeiro Vingador: Coronel que aguarda a condecoração do Capitão.

Observou alguma coisa que não está nesse post? Comente!

Agora é só esperar, Os Vingadores – The Avengers estreia em 27 de Abril.