Arquivo para jonathan levine

| A Culpa é das Estrelas | Crítica

Posted in Cinema, Críticas de 2014, Drama, Romance with tags , , , , , , , , , , , , , , on 4 de junho de 2014 by Lucas Nascimento

3.0

TheFaultinOurStars
Love is the drug: Ansel Egort e Shailene Woodley

Ao escrever sobre a comédia 50% em 2012, me surpreendi pela capacidade deste em oferecer uma abordagem original e bem-humorada para um tema tão delicado: o câncer. Foi inevitável para mim traçar o paralelo entre o filme dirigido por Jonathan Levine e A Culpa é das Estrelas, adaptação cinematográfica do best seller milionário de John Green, que também aposta em uma visão alternativa para a doença terminal mais letal do planeta; mas se rende ao óbvio show de lágrimas exageradas.

A trama é adaptada por Scott Neustadter e Michael H. Weber (responsáveis pelos ótimos (500) Dias com Ela e The Spectacular Now), e se concentra na jovem Hazel Grace (Shailene Woodley), diagnosticada aos 13 anos com um tumor letal em seu pulmão. Em uma das reuniões de um grupo de apoio a doenças terminais, Hazel conhece o galanteador Augustus Waters (Ansel Egort), jovem que teve uma de suas pernas amputadas para vencer o câncer, e logo inicia um arriscado romance com este.

“Gus, eu sou uma granada”, alerta Hazel Grace em determinado momento da história. É um lembrete de que, em meio às fofuras açucaradas experienciadas pelos protagonistas durante boa parte da trama, existe um perigo real em A Culpa é das Estrelas. É certamente o aspecto mais chamativo da história (tanto aqui quanto no livro de Green, que li e gostei), traduzido com habilidade pelo roteiro acertado de Neustadter e Weber: os fãs não têm o que reclamar, todos os eventos centrais são transpostos fielmente, linhas de diálogos foram praticamente duplicadas e o espírito/humor de seus personagens está no lugar.

Todas as metáforas funcionam muitíssimo bem (como o cigarro de Gus e o livro fictício lido por Hazel), sendo um bônus contar com a talentosa Shailene Woodley para dar vida a uma personagem feminina forte e determinada e também com Ansel Egort, que se mostra mais do que um mero rosto bonitinho ao fazer de seu Augustus um jovem otimista e divertido. Vale mencionar também a presença de Willem DaFoe, que consegue fazer do autor fictício Peter Van Houten uma figura complexa e multifacetada, agradando pela surpresa de sua revelação (e a designer de produção Molly Hughes é inteligente ao deixar inúmeras cartas de fãs espalhadas pelo chão da casa do autor).

É ao diretor novato Josh Boone (cujo único projeto anterior fora Ligados pelo Amor) que devo apontar os dedos. Mesmo com bom material em mãos, Boone mostra-se determinado a arrancar lágrimas do público das formas mais brutais possíveis: da mesma forma como um jump scare surge como recurso barato no terror, o uso de trilha sonora forçada (no caso, mais canções teen com gemidos angelicais) e a palhaçada que Boone e seu diretor de fotografia pouco imaginativo fazem com os desfoques das lentes nas cenas mais pesadas (o tempo todo!) são alguns fatores que transformam A Culpa é das Estrelas em uma obra mais melodramática do que o necessário – falta um pouco de sutileza, menos exagero. E entendo que a direção do filme vise se concentrar no elenco (o que justifica a razão de aspecto de 1:85:1, sem as “barrinhas” na tela), mas é visualmente tão pobre que soa mais como uma transcrição do livro do que como cinema em si – ainda que aqui e ali Boone consiga agradar com planos bonitos, como aquele em que sua câmera revela a perna amputada de Augustus em meio às de Hazel.

No fim, A Culpa é das Estrelas agrada por seu senso de humor inteligente e o elenco, mas peca quando seu diretor opta por transformar a experiência em uma orquestra sinfônica de lágrimas e fungadas de nariz, um caminho óbvio e que deixa a desejar diante de seu lado mais humorístico. Bom, mas poderia ser muito mais.

Anúncios

| 50% | As chances de gostar são bem maiores

Posted in Comédia, Críticas de 2012, Drama, DVD with tags , , , , , , , , , , , , , on 31 de janeiro de 2012 by Lucas Nascimento


Joseph Gordon Levitt raspa a cabeça de verdade

Não há nada engraçado sobre câncer. Tendo isso em mente, como seria possível realizar uma comédia sobre a doença terminal mais letal do planeta? Pois é exatamente o que o roteirista Will Reiser – que baseou o filme em sua própria experiência – consegue fazer com 50%, que traz uma equipe habilidosa e uma performance espetacular de Joseph Gordon-Levitt.

A trama gira em torno do bondoso Adam, que trabalha em um programa de rádio e é completamente surpreso quando descobre ser portador de um câncer terminal que lhe oferece 50% de chances de sobrevivência. Diante da imprevisibilidade da situação, ele tenta lidar com o problema com a ajuda de seus amigos e familiares.

É essa a originalidade do texto de Reiser: a forma com que a doença é tratada por seus personagens. Enquanto Adam a vê como uma catástrofe (mesmo ele insistindo para todos que continua confortável em relação ao mesmo), seu amigo Kyle (Seth Rogen, em uma d) enxerga isso como uma forma, absurda, de atrair mulheres. O câncer com nome inopronunciável move toda a trama, e Levitt explode como ator ao retratar todas as ações de Adam diante do problema – com destaque para o antológica cena do corte de cabelo, onde este o faz de verdade – e suas divertidas/dramáticas consequências (uma cena próxima do fim, com o personagem dentro de um carro revela todo o talento inquestionável do ator).

O diretor novato Jonathan Levine comanda o filme de modo a deixá-lo totalmente livre para seu talentoso elenco, mas ainda assim trabalha de forma inteligente na qualificação visual de seus personagens; como na imagem de bom moço de Adam quando este aparece, logo no início do longa, correndo pelas ruas e pára no sinal vermelho antes de atravessar, mesmo não havendo carro algum.  Destaque também para o design de produção, que traz o escritório da jovem dra. Katie (Anna Kendrick, carismática como de costume) com prateleiras repletas de livros – comprovando sua imensa dedicação à medicina – a passo que o apartamento de Adam, outrora limpo e radiante, surge assombrosamente mais escuro após a descoberta do tumor (palmas para o diretor de fotografia Terry Stacey).

Tratando a doença mais mortal do mundo de forma original e descontraída, 50% é um filme honesto e que não tem medo/vergonha de tomar os rumos que toma. Joseph Gordon Levitt impressiona, assim como a combinação incomum entre drama e comédia que torna o filme tão maravilhoso. As chances de gostar são de, no mínimo, 90%.