Arquivo para kelly marcel

| Cinquenta Tons de Cinza | Crítica

Posted in Cinema, Críticas de 2015, Romance with tags , , , , , , , , , , , , , , , on 12 de fevereiro de 2015 by Lucas Nascimento

1.5

FiftyShadesofGrey
Dakota Johnson e Jamie Dorman

Quando a adaptação do romance erótico Cinquenta Tons de Cinza foi confirmada pela Universal, não consegui me conformar de que uma literatura barata e de qualidade duvidosa realmente ganharia as telas. Quando os primeiros trailers foram lançados, fiquei genuinamente empolgado com o filme de Sam Taylor-Johnson: parecia estiloso, elegante e até sexy, mesmo considerando-se o material original. Bem, fica a lição: dá pra se vender qualquer porcaria com um bom trailer.

A trama segue de perto a obra de EL James, começando quando a jovem estudante de Literatura Inglesa Anastasia Steele (Dakota Johnson) é incubida de entrevistar o bilionário Christian Grey (Jamie Dorman) para seu jornal da faculdade. Não demora para que os dois comecem a se envolver, mas Anastasia precisará lidar com os “gostos peculiares” de Grey, que revela-se um dominador fascinado por sadomasoquismo e bondage.

Juro que não consigo ler a sinopse deste filme sem soltar uma risadinha. Não é segredo nenhum que EL James escreveu sua trilogia (isso aí, preparem-se que ainda teremos mais dois) inspirada no casal protagonista de Crepúsculo, uma referência que eu não classificaria exatamente como exemplar. Anastasia é tão frágil, sem sal e dependente de homens como é Bella Swan, e Grey é misterioso, enigmático e controlador como o vampiro Edward Cullen, e até alguns pontos da trama são assustadoramente similares: caminhadas num bosque, voos para impressionar a menina e uma cidade predominantemente nublada e cinzenta. O roteiro de Kelly Marcel nem disfarça, e ainda traz diálogos pavorosos do tipo “Eu tenho um GPS, e um QI alto” (risos) ou “Eu não faço amor. Eu fodo. Forte” (Risos histéricos) e subtramas que propositalmente vão sendo deixadas sem resolução para que as continuações as explorem.

Nem o casal principal salva, já que não demonstram uma química aceitável para um longa do gênero. Li boatos de que Dorman e Johnson não se suportavam no set, e pelo visto a dupla nem se preocupou em esconder isso aqui. O Grey de Dorman é um estereótipo de “Deus grego moderno” que nunca sorri e beira a psicopatia, quase como o Patrick Bateman de Christian Bale em Psicopata Americano. Johnson é bonita e consegue bons momentos aqui e ali, sendo corajosa em protagonizar cenas de sexo ousadas para o padrão hollywoodiano – mas nem de longe polêmicas quanto o boca-a-boca sugeriu.

A única coisa boa do filme certamente é o visual. A diretora Sam Taylor-Johnson (de O Garoto de Liverpool) revela-se uma autora elegante em seus enquadramentos e nas escolhas de luz e tons com o diretor de fotografia Seamus McGarvey, usando bem do clima nublado de Seattle e os momentos quase surreais em que o cenário adota uma forte coloração vermelha (como a “reunião de negócios” entre Anastasia e Grey. E Johnson até consegue criar um bom ritmo com a ajuda de algumas canções pop (o açoitamento com “Crazy in Love” versão orgasmo de Beyoncé e a abertura com “I Put a Spell on You” são particularmente inspiradas), mas o material realmente não a ajuda…

Cinquenta Tons de Cinza é exatamente o que se poderia esperar de uma obra que assumidamente se inspira na Saga Crepúsculo: brega, estereotipado, machista e protagonizado por um casal sem graça, ainda que seja visualmente estimulante.

| Walt nos Bastidores de Mary Poppins | As divergências entre fato e ficção, e o que faz um bom filme

Posted in Cinema, Críticas de 2014, Drama with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , on 9 de março de 2014 by Lucas Nascimento

4.0

SavingMrBanks
Walt faz a Travers uma oferta irrecusável

Nos últimos 4 anos, Hollywood tem se mostrado fascinada em entregar produções sobre os bastidores de… outras produções. Seja por falta de ideias ou genuíno interesse pelas personalidades que se transformam em objetos de estudos por novos cineastas, o “gênero” nos trouxe, para citar exemplos recentes, obras como Sete Dias com Marilyn, A Garota, Hitchcock e agora Walt nos Bastidores de Mary Poppins, longa de John Lee Hancock (de Um Sonho Possível) que certamente se revela o melhor da safra.

A trama é centrada na tentativa de Walt Disney (Tom Hanks, que casting genial) de convencer a escritora australiana P.L. Travers (Emma Thompson) a lhe ceder os direitos para a adaptação cinematográfica do cultuado “Mary Poppins”. Em meio às inúmeras divergências que Travers enfrenta com o produtor para garantir o tom apropriado ao filme, acompanhamos detalhes-chave de seu passado que a inspiraram a criar a história.

Para começar, vamos tirar o elefante da sala e falar sobre a tradução pavorosa que a Disney forneceu ao filme no Brasil… “Walt” “Nos” “Bastidores” “de” “Mary Poppins”. Compreendo o… er, apelo “comercial” que o título oferece, mas ele nem de longe faz jus à complexidades e significado que o original (“Saving Mr. Banks”, “Salvando o Sr. Banks”) confere à narrativa. Inicialmente, condenei a decisão do roteiro de Kelly Marcel e Sue Smith em persistir na trama paralela que se concentra no passado de Travers, mas graças à boa condução de Hancock e a montagem de Mark Livolsi, esta caminha com a mesma consistência da principal – e se complementam de forma belíssima, ainda que óbvia, ao resolver a questão do “Sr. Banks”.

Claro que há muita ficção aqui, muita. P.L. Travers tinha um filho (ao contrário do que o filme diz), já tinha concedido os direitos de adaptação quando chegou em LA (um dos grandes dilemas da narrativa é se Travers vai, ou não, concedê-los), não era tão caricatural quanto a divertida performance de Emma Thompson sugere e tampouco se agradou com o resultado final de Mary Poppins. Travers não saiu dançando de alegria com uma canção específica e nem teve a companhia do criador de Mickey Mouse na Disneylândia. Mas, mesmo que gritantemente impreciso em questões históricas, o filme de Hancock consegue agradar, oferecendo um catártico estudo de personagem sobre a Travers que suas roteiristas “inventaram”. Hancock tem a mão pesada, aposta em diversos momentos apelativos… e funciona, estranhamente. A tal sequência em que a escritora dança com os irmãos Sherman (Jason Schwartzman e B.J. Novak) é espetacular, de fazer o próprio espectador levantar e sair dançando.

Fidelidade aos fatos não faz de uma obra necessariamente ruim. Nem de longe é minha intenção comparar o grau de qualidade dos dois filmes, mas Amadeus também passava longe dos livros de História em pontos cruciais, algo que não afeta seu maravilhoso resultado final. E o mesmo se repete com Walt nos Bastidores de Mary Poppins.

Obs: Durante a segunda metade dos créditos finais, são exibidas algumas gravações da verdadeira P.L. Travers.

Obs II: De novo, mas que tradução tosca.