Arquivo para kirk douglas

| Assim Estava Escrito | Crítica Clássicos

Posted in Clássicos, Críticas de 2014, Drama with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 10 de julho de 2014 by Lucas Nascimento

5.0

TheBadandthe
Da esquerda para direita: Barry Sullivan, Lana Turner e Dick Powell

Nada no cinema pode ser mais metalinguístico do que o filme sobre filme, um gênero vastamente explorado, mas que rende raras obras-primas. Deve-se citar o clássico Crepúsculo dos Deuses, o francês A Noite Americana, o hilário O Jogador e eu até incluiria o recente Trovão Tropical como menção honrosa, dada sua ácida crítica aos bastidores de produções blockbusters. Mas dentre o vasto leque, encontrei uma pérola da qual nunca havia ouvido falar e, sinceramente, tampouco encontrei outros admiradores após minha descoberta. Trata-se de Assim Estava Escrito (The Bad and the Beautiful, no original), longa de Vincente Minelli que facilmente entrou para minha lista de filmes preferidos.

O roteiro oscarizado de Charles Schnee, originado de um argumento de George Bradshaw, traça uma narrativa com três histórias distintas sobre um único sujeito: Jonathan Shields (Kirk Douglas), um inescrupuloso e talentoso produtor de cinema em ascensão. Estas são contadas por um diretor (Barry Sullivan), uma atriz (Lana Turner) e um roteirista (Dick Powell), todos bem sucedidos em suas respectivas carreiras e familiarizados com o lado sombrio de Shields, que inegavelmente tornou-se um dos responsáveis pelo sucesso destes.

Assim Estava Escrito permanece como o filme com maior número de vitórias no Oscar sem uma indicação a Melhor Filme. Saiu com as estatuetas de Atriz Coadjuvante para Gloria Grahame, Roteiro Adaptado, Fotografia, Design de Produção e Figurino, além de uma indicação para Kirk Douglas como protagonista. Me dói não encontrar uma indicação na categoria principal (e nem em Montagem, mas chegaremos lá), já que o filme é um dos melhores representantes do gênero citado acima, servindo também como um fortíssimo estudo de personagem e um imortal retrato da Velha Hollywood. O texto de Schnee toma emprestado diversas figuras e produções cinematográficas para enriquecer seus jogadores: Shields é uma mistura do lendário produtor David O. Selznick (responsável pela produção de … E o Vento Levou), o diretor Orson Welles e um dos pioneiros do cinema-B, Val Lewton (que traz no currículo o terror psicológico Sangue de Pantera, homenageado aqui).

Há muitos exemplos assim durante o longa (incluindo pequenas paródias a Diana Barrymore e Alfred Hitchcock), que é basicamente um cautionary tale sobre a vida hollywoodiana. Kirk Douglas faz de Shields um homem ganancioso, megalomaníaco (em mais de uma ocasião, Shields arma uma situação teatral para conseguir coisas que se resolveriam em um simples diálogo) e manipulador, e que não parece sentir remorço nem mesmo quando suas ações se desmascaram na frente de amigos, e que usa o diretor, o roteirista e a atriz para atingir seus meios. Mas Shields, ainda que um ser humano detestável, é nada menos do que um gênio. Suas ideias e ações garantem dinheiro e reputação, e mesmo que estas consistam em traições e inimizades (“Não se preocupe, a maioria dos filmes bons é feito por pessoas que se odeiam”, “então faremos um ótimo filme”), só ajudaram as “vítimas” a crescerem em seus respectivos ramos. O icônico plano final é o atestado definitivo do que é Shields, e também uma divertida imagem que transborda de um sarcasmo delicioso.

Em sua duração de 2 horas, Minelli conduz as três narrativas com maestria, e mesmo que cada uma delas tenha uma identidade própria, o diretor não perde a mão. Vale apontar a belíssima fotografia em preto e branco de Robert Surtees, que brinca com as sombras e os tons de preto em um estilo noir e a excepcional montagem de Conrad A. Nervig, que mantém o equilíbrio nas três histórias e oferece transições maravilhosas, como aquela em que a imagem de uma estatueta do Oscar dissolve na figura de Shields ou o holofote de filmagem que logo se transforma em um canhão de luz de um tapete vermelho.

Recomendo fortemente que Assim Estava Escrito seja descoberto pelas gerações mais novas. Filmes como esse, impecáveis em direção, roteiro, elenco e praticamente todas as categorias técnicas (a trilha de David Raksin não me impressiona tanto, mas só) são um deleite para os interessados e estudiosos do Cinema, além de servirem tanto como um incentivo quanto aviso para aqueles que se arriscarem a seguir uma carreira na indústria do entretenimento.

E que gênios às vezes vêm na forma de um mal necessário como Jonathan Shields.

Anúncios

Oscar 2011: Transmissão ao Vivo

Posted in Prêmios, Transmissão ao Vivo with tags , , , , , , , , , , , , , , , on 27 de fevereiro de 2011 by Lucas Nascimento

Atualizado com as fotos da cerimônia.

Já está no ar. Logo após as celebridades terminarem de desfilar com suas variadas vestimentas, começo com a transmissão e comentários.

21:55h –  Boa noite! No momento, a TNT faz uma retrospectiva dos dez filmes indicados.

21:58h – Gostei do O Vencedor, mas considero-o intruso na categoria Melhor Filme…

22:03h – Ah não. A cerimônia só começa às 22:00h. Ou seja, mais meia hora de pré-show… No momento, entrevistas com o co-apresentador James Franco. Ele parece seguro.

22:22h – Ótimo. Todo mundo se ajeitando no Kodak Theater. A Premiação começa em 7 min.

22:27h – Provavelmente, o último intervalo comercial antes do início da cerimônia. 3 min.

22:32h – Começou. James Franco e Anne Hathaway brincam ao aparecer dentro dos filmes indicados. Começando por A Origem. Muito bacana por enquanto…

22:33h – Ok, estou gostando muito!

22:35 – Deu até Morgan Freeman e Alec Baldwin nas participações especiais…

22:36h – Tá. “Pato Marrom” como sátira de Cisne Negro foi ridículo…

22:37h – Ponta bacana do De Volta para o Futuro.

22:38h – E Anne Hathaway e James Franco aparecem no palco!

22:40h – As piadas estão mornas, mas os dois estão carismáticos. Franco parece meio Pineapple Express…

22:41h – Tom Hanks chega para apresentar Direção de Arte e Fotografia. Apostas: A Origem e Bravura Indômita, respectivamente.

22:43h – Hanks dá bons exemplos de filmes vencedores na categoria.

22:45h – Alice no País das Maravilhas ganha Melhor Direção de Arte. Ou seja, Avatar ganhou de novo…

22:46h – Agora Fotografia. Vamo Deakins!

22:47h – Uau. A Origem ganha Melhor Fotografia! Merece, merece. Wally Pfister é demais.

22:48h – Intervalos comerciais. Roger Deakins e sua fotografia de Bravura Indômita realmente mereciam o prêmio, mas hoje, estou feliz por qualquer prêmio que A Origem levar. Quanto à Direção de Arte, Alice é muito bonito, mas fica repetitivo depois de Avatar ganhar ano passado.

22:52h – Voltamos. O grande Kirk Douglas sobe ao palco, jogando charme na Anne Hathaway.

22:53h – E ele vai apresentar Melhor Atriz Coadjuvante. Torço pela Hailee Steinfeld do Bravura Indômita.

22:57h – Kirk Douglas tá demais!

22:57h – Melissa Leo ganha Atriz Coadjuvantem, por O Vencedor. Que bom…

23:58h – “Oh, Oh, Oh Uau!”

23:00h – Ok, legal. Próximo: Justin Timberlake e a (linda) Mila Kunis subindo no palco.

23:02h – Vão apresentar Melhor Animação e Curta de Animação. Toy Story 3 ganha, obviamente. Curta? Não tenho ideia, mas aposto em Day & Night.

23:03h – E Melhor Curta de Animação vai para The Lost Thing.

23:05h – E agora, Melhor Filme de Animação. Toy Story 3, claro.

23:06h – Toy Story 3 ganha Melhor Animação.

23:08h – Brake! Melissa Leo está boa em O Vencedor, mas nem de longe está melhor que Hailee Steinfeld. Toy Story 3 merece Animação e Kirk Douglas fez uma participação memorável e divertidíssima.

23:12h – Voltamos e com retrospectiva da primeira cerimônia do Oscar da História! 1929, onde Asas venceu Melhor Filme.

23:13h – Agora, Josh Brolin e Javier Bardem apresentam os prêmios de Roteiro Adaptado e Original. Apostas: A Rede Social e O Discurso do Rei, respectivamente.

23:14h – A Rede Social ganha Melhor Roteiro Adaptado. Nenhuma surpresa, extremamente merecido.

23:16h – Agora, Roteiro Original. Como eu queria que A Origem ganhasse…

23:18h – O Discurso do Rei ganha Melhor Roteiro Original.

23:20h – Mais intervalo. Bem, A Rede Social indubitavelmente é digno do prêmio, sem contradições. Agora, O Discurso do Rei possui ótimos diálogos e monólogos, mas nem de longe é a ideia original que é A Origem.

23:23h – Já voltou? Que rápido. Anne Hathaway fazendo número musical. Canta bem e faz uma divertida piada com Hugh Jackman.

23:25h – James Franco vestido de mulher. Ta forçando hein…?

23:26h – Helen Mirren e Russell Brand apresentam Melhor Filme Estrangeiro.

23:27h – Em um Mundo Melhor ganha Melhor Filme Estrangeiro (ufa, apostei nele num bolão).

23:29h – Reese Whiterspoon apresenta Melhor Ator Coadjuvante. Christian Bale, claro.

23:32h – Christian Bale ganha Melhor Ator Coadjuvante, por O Vencedor.

23:33h – Gostei do terno dele. Muito bom gosto, mesmo.

23:35h – Mais intervalos. Christian Bale realmente merece o Oscar, sua performance em O Vencedor é o que o filme tem de melhor. Quanto à Filme Estrangeiro, não vi nenhum dos indicados – que vergonha…

23:38h – Voltamos. Exatamente 3 minutos de comerciais! E agora vem discurso do Presidente da Academia. Ótimo…

23:40h – Hugh Jackman e Nicole Kidman apresentam categorias de Som. Boa retrospectiva sobre a evolução do som no cinema.

23:41h –  Existe compositor melhor do que John Williams?

23:42h – Agora vem Trilha Sonora. Ou Discurso do Rei, Rede Social ou Origem. O que ganhar está ótimo.

23:44h – Boa. A Rede Social ganha Melhor Trilha Sonora. Trent Reznor e Atticus Ross recebem as estatuetas.

23:45h – Scarlett Johanssom e Matthew McCoughney apresentam Edição de Som e Mixagem de Som. Deve ser A Origem nas duas.

23:47h – A Origem ganha Melhor Mixagem de Som. Boa.

23:49h – A Origem ganha Melhor Edição de Som. BRAUMMMMMMMMMMMMMM

23:50h – Intervalos. A Rede Social tem uma trilha muito boa e original, merece. A Origem, sem comentários é uma maestria sonora.

23:54h – Voltamos. Marisa Tomei sobre ao palco, pra falar sobre The Cientific Awards.

23:55h – Cate Blanchett apresenta Melhor Maquiagem e Figurino.

23:56h – O Lobisomem ganha Maquiagem. Realmente, nenhum dos outros indicados poderia vencer (ou até mesmo ser indicados).

23:58h – E agora, Figurino. Alice, claro.

23:59h – Alice no País das Maravilhas ganha Melhor Figurino. Só merecia esse prêmio mesmo…

00:01h – Uma homenagem à músicas de filmes. Nem faço ideia da minha preferida…

00:02h – Kevin Spacey no palco.

00:03h – Ahh, começam as performances das canções indicadas… Greaaat! (Sarcasmo)

00:04h – “We Belong Together” do Toy Story 3 é bacana…

00:06h – “I See the light” do Enrolados é mediana.

00:07h – Mais intervalos. Bem, Alice realmente capricha nos figurinos e a maquiagem do Lobisomem é sensacional.

00:10h – E essa propaganda de perfume da Natalie Portman… Uou.

00:11h – Estamos de volta. Amy Adams e Jake Gyllenhaal vão apresentar Curta-Metragem e Documentário em Curta-Metragem.

00:13h – Strangers no More ganha Melhor Documentário em Curta-Metragem.

00:14h – God of Love ganha Melhor Curta-Metragem.

00:17h – Montagem bizarra de canção em vários filmes. Realmente bizarra…

00:19h – Oprah Winfrey sobe no palco para apresentar Melhor Documentário.

00:21h – Trabalho Interno ganha Melhor Documentário.

00:23h – Mais intervalos. Poxa, The Crush merecia Curta-Metragem… E a co-produção brasileira Lixo Extraordinário perdeu para o documentário sobre a recente crise econômica.

00:26h – Voltamos, com Billy Cristal!

00:30h – Um belo discurso e uma retrospectiva bacana sobre o Oscar em preto-e-branco pela primeira vez, na TV.

00:31h – A dupla de Shrelock Holmes Robert Downey Jr. e Jude Law apresentam Efeitos Visuais. Robert está engraçado como sempre.

00:32h – Mas Law não está ofuscado…

00:33h – A Origem ganha Melhores Efeitos Visuais. Boa!³

00:34h – Agora, Melhor Montagem. Essa deve ficar com A Rede Social.

00:35h – Isso mesmo, A Rede Social ganha Melhor Montagem.

00:37h – Intervalos. A Origem faz ótimo uso dos efeitos visuais – são bem sutis. A Rede Social era de fato o melhor dentre os indicados em Montagem, bem rápida e esperta.

00:41h – Voltamos, com mais apresentações das Canções indicadas.

00:42h – “If I Rise”, do 127 Horas até que é boa, mas a parte instrumental é bem superior à cantoria.

00:44h – Gwyneth Paltrow canta bem em “Coming Home” do Country Song, mas não gosto da música…

00:46h – “We Belong Together” de Toy Story 3 ganha Melhor Canção Original. Era o melhor mesmo, Randy Newman recebe o prêmio.

00:48h – Intervalos comerciais.

00:52h – Socorro. Voltamos e já com a Celine Dion cantando…

00:53h – Homenageando todos aqueles que morreram em 2010. Sally Menke, Leslie Nielsen, Blake Edwards, Dennis Hooper… Tantos outros que partiram…

00:56h – Agora, tributo à Lena Horne.

00:58h – Intervalos, só faltam as principais categorias.

01:01h – Voltamos, com Hilary Swank e Kathryn Bigelow apresentando Melhor Diretor. Acho que o David Fincher ganha.

01:02h – Tom Hooper ganha Melhor Diretor, por O Discurso do Rei. Quebrei a cara.

01:05h – Entra Annette Bening pra falar sobre o Governors Awards. Aproveite, acho difícil ela subir no palco novamente…

01:08h – Mais um intervalo. Bem, Tom Hooper fez um trabalho bacana em O Discurso do Rei, mas – dentre os indicados – David Fincher era o melhor, sem dúvida.

01:10h – De volta, com Melhor Atriz sendo apresentado pelo meu ídolo, Jeff Bridges.

01:16h – Natalie Portman vence Melhor Atriz, por Cisne Negro!

01:20h – Agora, Sandra Bullock apresenta Melhor Ator. Colin Firth vai ganhar, claro.

01:24h – Colin Firth vence Melhor Ator, por O Discurso do Rei.

01:28h – Intervalo comercial, faltando apenas Melhor Filme.

01:31h – Steven Spielberg apresenta Melhor Filme. O vencedor vai ser O Discurso do Rei.

01:34h – A montagem dos indicados ficou muito boa.

01:36h – O Discurso do Rei ganha Melhor Filme.

01:39h – Agora, um número musical para fechar a noite. A música: “Somewhere over the rainbow”, cantada por um coral de crianças.

01:41h – Bem, acaba a 83ª Entrega do Oscar. Amanhã (ou melhor, hoje mais tarde), faço um post sobre a cerimônia. Agora, dormir, porque amanhã (ou melhor, hoje mais tarde) tem aula e eu não sei como aguentarei acordar tão cedo… Até mais pessoal, agradeço a presença!

SALDO FINAL:

A Origem – 4 Oscars

O Discurso do Rei – 4 Oscars

A Rede Social – 3 Oscars

O Vencedor – 2 Oscars

Alice no País das Maravilhas – 2 Oscars

Toy Story 3 – 2 Oscars

Cisne Negro – 1 Oscar

O Lobisomem – 1 Oscar