Arquivo para Michael Giacchino

Sangue no Gelo: Especial DEIXE-ME ENTRAR

Posted in Especiais with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 25 de janeiro de 2011 by Lucas Nascimento

O remake do melhor filme sobre vampiros já feito enfim chega no Brasil, depois de quase 4 meses de atraso. Anseio muito pelo longa, acompanhem abaixo o primeiro especial do ano:

Desde que o projeto foi anunciado, foi massacrado e mal encorajado; principalmente pela já existente qualidade do original (pra quê refazer?) e o medo de transformá-lo em um Crepúsculo da vida. Felizmente, o diretor Matt Reeves não queria mudar nada da história, apenas dar seu toque pessoal e homenagear o original.

O remake foi desaprovado por Tomas Anderson (diretor de Deixe Ela Entrar), consistindo em como era uma refilmagem desnecessária. Entretanto, os direitos foram adquiridos e Reeves começou as filmagens, movendo a trama de Estocolmo para o Novo México. O cineasta também pediu para o elenco principal não assistisse ao original, para que sua versão não fosse uma mera cópia do filme sueco.

Apesar de manter fidelidade à obra e ao filme original, Reeves comentou em entrevistas sobre alguns elementos acrescentados na trama e detalhes visuais. A fotografia por exemplo, é mais escura e quente do que a gelada e branca paisagem sueca. A sombria trilha sonora ficou sob cargo do vencedor do Oscar do ano passado Michael Giacchino.

Deixe-Me Entrar estreou nos EUA em 1º de Outubro, rendendo muito pouco e ficando em 8º lugar no ranking de bilheteria da semana. Apesar disso, o longa foi incrivelmente bem recebido pela crítica, que duvidava da qualidade do filme.

O autor do livro em que se baseiam ambos os filmes, John Ajvide Lindqvist, ficou muito orgulhoso e aprovou os dois filmes, afirmando que possuem similaridades mas também características próprias.

 

Abby (Chloe Moretz)

 Com mais de 250 anos de idade, a vampira Abby se muda com seu servo para o Novo México, onde procura fazer mais vítimas. Ela se torna amiga do tímido Owen e logo se interessa nele. Mas suas intenções nunca são claras.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Owen (Kodi Smith-McPhee)

 Solitário e distante de seus pais, o frágil Owen sofre com o bullying cruel em sua escola, sempre imaginando uma vingança cruel contra os agressores. Tudo muda quando ele conhece Abby e se apaixona, sem saber que ela é uma vampira assassina.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O Pai (Richard Jenkins)

 Misterioso guardião de Abby, nunca têm seu nome ou origem revelada, apesar de muitos o confundirem como pai da jovem. A noite, sai para matar estranhos e coletar sangue para sua protegida.

 

 


Bullying e suas consequências

A história de Abby e Owen/ Eli e Oskar não limita-se a um simples conto de vampiros, mas também retrata de maneira realista e cruel o bullying e suas consequências nas vítimas.

As cenas em Deixa ela Entrar são muito fortes e frias e o cineasta também mostra o medo de Oskar em relatar para sua mãe – sempre distante – as agressões sofridas. A consequência é o interesse do menino em violência e assassinatos, recortando manchetes de jornais e jurando falsas ameaças com uma faca, sempre imaginando vingança. Sutil, mas muito eficiente, como Matt Reeves acrescentou elementos como a máscara (acima, na foto) e o voyerismo, visto no trailer.


Amor, interesse ou ambos?

E (spoiler se você não viu o filme original!) isso é ótimo para a vampira Eli, que encontra nesse frágil garoto, um futuro serial killer que possa substituir seu cansado guardião e continuar matando para ela, para sempre. Essa é uma das interpretações que o fim do longa apresenta; a outra, seria simplesmente o amor entre os protagonistas ou até mesmo, ambas.

As principais características do vampiro clássico:

Sangue

Você deve achar meio óbvio mas, vampiros se alimentam de sangue..! Isso mesmo, sem esse milagroso tecido líquido que corre pelo sistema vascular de todos os vertebrados, os dentuços não podem sobreviver.

Presas

Que saudade das icônicas presas! Nem Crepúsculo nem Deixa ela Entrar preservou a principal ferramenta para extração de sangue, que também era a assinatura dos vampiros. Só a série True Blood parece ter se lembrado delas.

Idade

Acho que essa serve para praticamente todas as caracterizações vampirescas já produzidas; as criaturas não envelhecem e nunca morrem de causas naturais. Possuem a aparência que tinham ao se tornar vampiros.

Luz do Sol

Eu acho a invenção da Stephanie Meyer ridícula. Vampiros clássicos não brilham na luz da sol, eles pegam fogo; o que é a principal justificativa de serem considerados criaturas noturnas.

Deixe-me entrar

Não sou muito expert no assunto, por isso não sei se o elemento que nomeia tanto Deixa ela Entrar quanto Deixe-Me Entrar já fazia parte das “tradições vampirescas”, mas acho genial. Se o vampiro entrar em algum lugar sem permissão, o resultado não é nada agradável

Estaca

A maneira mais famosa de liquidar um vampiro curiosamente não aparece em nenhuma das adaptações atuais sobre as criaturas. Muito sutil: uma estacada no coração acaba com o sanguessuga.

Alho

Pode parecer absurdo e bobagem, mas o alho é acolhido por muitas obras de ficção e literatura como uma arma eficáz contra vampiros, ajudando a repeli-los.

O grande trunfo de Deixa ela Entrar – e ele deve ser respeitado no remake – é a atmosfera, o tom criado pelo diretor. É um longa quieto, mas com uma crescente sensação de perigo se alastra sobre os personagens. Alguns exemplos de outros filmes com esse genial elemento:

Sinais

Grande parte do mérito vai para a inquietante trilha sonora de James Newton Howard, que tempera de maneira sombria esse silencioso filme de alienígenas. É um filme silencioso, os personagens sempre acompanham os eventos da invasão (que nunca é detalhada) pela televisão, o que faz o espectador imaginar como estaria o mundo fora desta pequena fazenda.

Janela Indiscreta

Mesmo sendo mais divertido do que a maioria de seus representantes no assunto, o clássico de Hitchcock é um eficáz suspense que consegue formar o tom apropriado por dois motivos básicos: o fato de o filme inteiro se passar no apartamento de James Stuart e a premissa; um vizinho assassino, que ajuda a criar a sensação de perigo em todo lugar.

Zodíaco

Reforçando a sensação de perigo de Janela, o retrato do serial killer que aterrorizou São Francisco nos anos 60 é inquietante por a) se tratar de um caso policial verídico que nunca teve o culpado capturado; b) pela fotografia escura e a direção de David Fincher, especialmente no ataque do taxi que começa com uma pessoa qualquer chamando-o e passa para um longo plano-sequência do taxi percorrendo a cidade. Brilhante.

Sem dúvida a mais talentosa atriz mirim da atualidade, a jovem Chloe Grace Moretz encara um papel mais interessante do que o outro, sempre interpretando personagens fortes e memoráveis.

Nascida em Fevereiro de 1997, começou com papeis pequenos na televisão, em seriados e telefilmes, até chamar a atenção em 2005 no remake Horror em Amityville, onde foi indicada ao Young Artist Awards. Depois de papeis de mais destaque em filmes maiores (porém mais fracos), Moretz contracenou com Joseph Gordon Levitt em (500) Dias com Ela, fazendo o papel da irmã do protagonista.


Hit-Girl: Até agora, sua performance mais memorável

Mas a bomba estourou em 2010, quando a atriz estrelou Kick-Ass: Quebrando Tudo, no papel da polêmica vigilante de 12 anos Hit-Girl. Grande performance, carismática e natural, foi elogiada por todos que assistiram o filme. E também, Deixe-Me Entrar, mais um grande papel e sua atuação foi muito bem recebida.

Confira abaixo seu teste para a vampira Abby:

Fiquem de olho nessa menina, têm talento e carisma e promete ser um dos grandes nomes de Hollywood no futuro.

Confiram abaixo o vídeo sobre o filme que montei já faz uns dois meses. Aproveitem.

Bem, o especial acaba aqui, mas não deixe de ler a crítica, que deve ser publicada na Sexta-Feira.

Anúncios

E o Oscar vai para…(Parte III) – Sons e músicas

Posted in Especiais, Prêmios with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 1 de março de 2010 by Lucas Nascimento

Aumente o volume e abra os ouvidos! Na terceira parte do especial sobre o Oscar, avaliarei as categorias que envolvem sons e músicas: Melhor Edição de Som, Mixagem de Som, Trilha Sonora Original e Canção Original.

Antes de começarmos, gostaria de explicar para aqueles que não sabem, a diferença entre Mixagem e Edição de Som. Bem, a Edição consiste em editar, cortar e modificar de qualquer maneira um efeito sonoro capturado ou criado, por exemplo amplificar a voz do ator. A Mixagem, considerada por alguns a parte mais difícil da pós-produção, consiste em unir todos os sons e trilha dentro do filme, modificando a intensidade e o volume de todos os efeitos sonoros e as músicas.

Para cada categoria de Som, montei um vídeo de amostras. Vejam abaixo.

Melhor Edição de Som

Avatar – Christopher Boyes e Gwendolyn Yates Whittle

Os efeitos sonoros de Avatar são complicados. Temos armas avançadas, rugidos de criaturas, etc… Todos muito bem produzidos e editados de acordo com suas cenas. Curiosidade: Muitas pessoas no Youtube comentaram que o grito do Thanator é idêntico ao do T-Rex de Jurassic Park. Veja, reveja e tire suas próprias conclusões.

Bastardos Inglórios – Wylie Stateman

Os efeitos sonoros do épico de guerra de Quentin Tarantino, não possuem elementos de ficção científica, raios ou naves. São sons mais tradicionais, entretanto, muito bem editados e utilizados, indo de tiros até bastões de beisebol.

Guerra ao Terror – Paul N.J. Ottosson

O mais bacana d0s sons de Guerra ao Terror, são as cenas em que algum personagem está dentro da roupa anti-bombas (o Hurt Locker do título original); são produzidos écos e uma acústica interessante. Há também muitas explosões para os mais exigentes.

Star Trek – Mark Stoeckinger e Alan Rankin

O que esperar dos sons de um filme que teve a colaboração de Ben Burtt, gênio por trás dos mais marcantes sons da saga Star Wars? Com certeza muitos sons bizarros e dignos de ficção científica. Os sons são bem controlados e muito elegantes.

Up – Altas Aventuras – Michael Silvers e Tom Myers

Mais uma vez, uma animação da Pixar foi indicada para melhor edição de som. Os efeitos sonoros de Up são muito bacanas, não chegando a serem tão ensurecedores, nem muito controlados, mas é um trabalho decente. As cenas de ação e o primeiro voo de Carl são o grande destaque.

Melhor Mixagem de Som

Avatar – Chistopher Boyes, Gary Summers, Andy Nelson e Tony Johnson  

Para se ter uma idéia do verdadeiro trabalho de mestre que são os efeitos sonoros de Avatar, ver na tela do computador não basta. Deve-se ver no cinema (de preferência IMAX) e ouvir com clareza os efeitos sonoros caprichados criados para o filme. A música de James Horner mistura-se com perfeição aos efeitos caprichados.

Bastardos Inglórios – Michael Minkler, Tony Lamberti e Mark Ulano 

O bacana dos sons de Bastardos Inglórios, principalmente os das cenas de ação, é que eles vem do nada. Estamos em uma longa cena de diálogo (onde o som das vozes já é bem editado) e, subitamente, somos surpreendidos por tiroteios ensurecedores, mas ainda assim, bem controlados.

Guerra ao Terror – Paul N.J. Ottosson e Ray Beckett 

A mixagem de Guerra ao Terror é caprichada. As explosões são ensurecedoras, e no clipe que selecionei, observe que o som mistura o barulho da explosão, a respiração do soldado, a areia se levantando… Excelente trabalho de som.

Star Trek – Anna Behlmer, Andy Nelson e Peter J. Devlin 

 Batalhas espaciais, perseguições de carros… São muitos os exemplos da caprichada mixagem de sons de Star Trek. Assistindo no blu-ray, pude ouvir com mais clareza e atenção ao trabalho feito, principalmente, nas cenas de batalhas no espaço. Faço questão de destacar um momento, no início do filme, em que uma nave está sendo bombardeada e escutamos os sons ensurecedores no interior dela; então uma pessoa é sugada para o espaço e o sons de raios e explosões se cala. Caso você não sabia, o som não se propaga no espaço…

Transformers – A Vingança dos derrotados – Greg P. Russel, Gary Summers e Geofrey Patterson 

Tudo bem que a segunda aventura dos robôs transformistas foi bem abaixo do esperado, mas a mixagem de som é bem interessante. Misturando os sons caprichados de seus robôs gigantes e as explosões incecantes, é fácil se perder visualmente, mas o som fica espetacular, se visto em uma sala de cinema.

Melhor Trilha Sonora Original

Avatar  – James Horner (Ouça uma faixa aqui)

Dos indicados, a trilha de James Horner para Avatar é, de longe, a mais épica e excitante. A maioria das faixas são compostas por músicas mais amigáveis e felizes, com cantoria e etc… Pessoalmente, essa trilha não me agrada tanto quanto as duas últimas, The Destruction of Hometree e War, que conseguem ser bem mais épicas e dramáticas.

O Fantástico Sr. Raposo – Alexandre Desplat (Ouça uma faixa aqui)

O francês talentoso já criou muitos temas belos e memoráveis. Sua colaboração na animação de Wes Anderson é fundamental. Criou temas muito divertidos, misteriosos e animados. Porém esse ano, suas chances são bem menores.

Guerra ao Terror – Marco Beltrami & Buck Sanders (Ouça uma faixa aqui)

Na minha opinião, a trilha de Guerra ao Terror não deveria ter sido indicada. Claro, são faixas mais tensas e curtas, mas a maioria das músicas não me agradou. A única excessão é a excelente The Hurt Locker, que você pode escutar no link acima.

Sherlock Holmes – Hans Zimmer (Ouça uma faixa aqui)

A sensacional trilha de violinos composta pelo brilhante Hans Zimmer é a minha preferida da categoria, merecendo com certeza a estatueta. O compositor alemão já fez trilhas inesquecíveis, como a de Batman – O Cavaleiro das Trevas e Piratas do Caribe.  No entanto, sua instigante trilha de Sherlock Holmes não faz o mesmo feito que a de Up – Altas aventuras.

Up – Altas Aventuras – Michael Giacchino (Ouça uma faixa aqui)

As trilhas sonoras da Pixar sempre foram excelentes, mas o compositor Michael Giacchino (Lost, Star Trek) era o elemento que faltava. Sua trilha é a mais simpática da noite, com temas bem dramáticos e alegres, que me lembram muito algumas trilhas antigas. É música à moda antiga.

Melhor Canção Original

“The Weary Kind” – Coração Louco (Ouça aqui)

Ano passado foram as músicas indianas, mas esse ano são as músicas Country. A trilha principal de Coração Louco é cantada na voz serena de Ryan Bingham, tendo como único instrumento, o violão. Excelente canção, captura a alma do filme e a do personagem.

 “Down in New Orleans” – A Princesa e o Sapo (Ouça aqui)

Bons tempos aqueles em que os filmes da Disney possuíam canções marcantes, emergindo do nada. “Down in New Orleans” é uma canção maravilhosa e que me fez lembrar de algumas das melhores animações da Disney.

“Almost there” – A Princesa e o Sapo (Ouça aqui)

Com a mistura de rimas e a voz maravilhosa de Anika Noni, a segunda canção indicada é quase tão boa quanto a primeira. Escrito mais uma vez pelo brilhante Randy Newman, é uma ótima canção, passa uma mensagem boa e é simplesmente muito agradável de se ouvir.

“Loin de Paname” – Paris 36 (Ouça aqui)

Não entendi nada da letra de “Loin de Paname” (é uma canção francesa) – escrita por Reinhardt Wagner e Frank Thomas -, mas devo dizer que a parte mais instrumental me agradou muito mais do que a voz da cantora. Apesar de suave a delicada, a canção me pareceu meio arrastada, mas a parte instrumental é excelente.

“Take it All” – Nine (Ouça aqui)

Não compreendo. No Globo de Ouro desse ano, Nine foi indicado para Melhor Canção com a música “Cinema Italiano”. Para o Oscar, mandaram essa “Take it All”, que não só é bem inferior à “Cinema Italiano”, como também é bem fraca. Instrumentos regulares, cantorias medianas (apesar de Marion Cottilard ter cantado acima da média). Fraca.

A terceira parte do especial Oscar vai ficando por aqui. Espero que tenham gostado e não deixem de conferir a parte IV, que sai em algum momento dessa semana, onde finalmente discutiremos a categoria de Melhor Filme, entre outras. Até lá!

Globo de Ouro 2010: Os Vencedores

Posted in Prêmios with tags , , , , , , , , , , , on 18 de janeiro de 2010 by Lucas Nascimento

 

Na edição número 67 do Globo de Ouro, o hilário comediante Ricky Gervais não poupou piadas e tornou a noite, cheia de prêmios satisfatórios e algumas injustiças, muito mais divertida. Parabéns à James Cameron, que promete roubar o Oscar mais uma vez. Confira abaixo a lista completa dos vencedores do Globo de Ouro 2010:

Melhor Filme – Drama

Avatar 

Melhor Filme – Musical ou Comédia

Se beber, não case!

Melhor Diretor

James Cameron – Avatar 

Melhor Roteiro

 Amor sem Escalas

Melhor Ator – Drama

Jeff Bridges – Crazy Heart

Melhor Ator – Musical ou Comédia

Robert Downey Jr – Sherlock Holmes

Melhor Atriz – Drama

Sandra Bullock – O Lado Cego

Melhor Atriz – Comédia 

Meryl Streep – Julie & Julia

Melhor Ator Coadjuvante

 Christoph Waltz – Bastardos Inglórios

Melhor Atriz Coadjuvante

Mo´Nique – Preciosa

Melhor Trilha Sonora

Up – Altas Aventuras

Melhor Canção Original

“The Weary Kind” – Crazy Heart

Melhor Filme de Animação

Up – Altas Aventuras

Melhor Filme estrangeiro

The White Ribbon

Melhor Série de TV – Drama

Mad Men

Melhor Série de TV – Musical ou Comédia

Glee

Melhor Ator  em Série de Musical ou Comédia

 Alec Baldwin – 30 Rock

Melhor Ator em Série de Drama

Michael C. Hall – Dexter

Melhor Atriz em Série de Musical ou Comédia

Toni Collete – United States of Tara

Melhor Atriz em Série de Drama

Julianna Margulies – The Good Wife

Melhor minissérie ou telefilme

Grey Gardens

Melhor ator em minissérie ou telefilme

Kevin Bacon – Taking Chance

Melhor atriz em minissérie ou telefilme

Drew Barrymore – Grey Gardens

Melhor ator coadjuvante em série, minissérie ou telefilme

John Lithgow – Dexter

Melhor atriz coadjuvante em série, minissérie ou telefilme

Chloë Sevigny – Amor Imenso