Arquivo para mickey mouse

| Operação Big Hero | Crítica

Posted in Adaptações de Quadrinhos, Animação, Aventura, Cinema, Críticas de 2014 with tags , , , , , , , , , , , , on 28 de dezembro de 2014 by Lucas Nascimento

3.5

BigHero6
Hiro e o robô Baymax

Com a compra da Marvel pela Disney, a empresa de Mickey Mouse assumiu controle até das mais distintas obras da editora. No mercado japonês, as histórias do grupo Big Hero 6 são bem populares, mas confesso que nunca tinha ouvido falar desta até o lançamento desta nova divertida animação do estúdio, Operação Big Hero.

Escrita por Jordan Roberts, Daniel Gerson e Robert L. Baird, a trama é ambientada numa sociedade futurista que atende pelo nome de San Fransokyo (união entre a cidade californiana americana e a capital japonesa), apresentando-nos ao jovem Hiro (voz de Ryan Potter no original), menino prodígio que tenta escolher o que fazer com seu imenso potencial. Após a repentina morte de seu irmão em um incêndio, ele descobre seu robô Baymax (voz de Scott Adsit), que o ajudará a encontrar um misterioso mascarado que estaria envolvido na tragédia.

As animações da Walt Disney andam muito bem, ainda mais se compararmos com as da Pixar. Com John Lasseter atuando pesadamente como produtor de alguns projetos do estúdio, tivemos obras do calibre de Detona Ralph e o superpoderoso Frozen: Uma Aventura Congelante. Operação Big Hero continua esse strike bem-sucedido de sucessos, e se a animação anterior virava os contos de princesa de ponta cabeça, esta mergulha no gênero dos super-heróis. Visualmente, é um grande feito ao elaborar designs criativos para seus personagens e locações, especialmente ao observarmos as influências futuristas na elegante junção da arquitetura americana com a japonesa (a ponte Golden Gate, por exemplo, fascinante com telhados típicos da cultura oriental).

Mas se há um fator que faz a diferença aqui é Baymax, o adorável robô inflável. Sua expressão minimalista e quase imutável garante ao personagem uma ingenuidade divertida e tocante, que logo caminha para um bem colocado senso de humor, provocando risadas de forma sutil; como os movimentos delicados e outrora desajeitados de Baymax. Os demais personagens também são muito bem trabalhados e diferentes entre si, especialmente na forma como os animadores ilustram suas distintas habilidades. O vilão mascarado, dentre todos, é o que mais chama a atenção, graças a seu visual amedrontador e sua locomoção através de milhares de nanobots – elemento que rende ótimas cenas de ação.

O que realmente não me agradou em Big Hero foram algumas soluções de roteiro. A identidade e motivações do vilão mascarado (como em Frozen, o filme tenta ocultar o real antagonista da história) surgem meio deslocadas da trama central, trazendo elementos de Contato e Os Vingadores. Sem falar que o filme peca ao se mostrar mais um exemplar da escola Marvel de “Ninguém está realmente morto”, principalmente por garantir uma grande cena emocional para algo… Irrelevante. Sinto que é um artifício barato para trapacear o espectador.

Operação Big Hero é uma animação eficiente e empolgante, capaz de entreter e divertir graças a seus personagens ecléticos. Pode não ter uma história ou apego emocional fortes como em Os Incríveis, já que também é uma aventura de super-heróis, mas vale a visita. E Baymax já merece entrar pra História como um dos robôs mais memoráveis dos últimos tempos.

Obs: Há uma ótima cena após os créditos.

Anúncios

| Walt nos Bastidores de Mary Poppins | As divergências entre fato e ficção, e o que faz um bom filme

Posted in Cinema, Críticas de 2014, Drama with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , on 9 de março de 2014 by Lucas Nascimento

4.0

SavingMrBanks
Walt faz a Travers uma oferta irrecusável

Nos últimos 4 anos, Hollywood tem se mostrado fascinada em entregar produções sobre os bastidores de… outras produções. Seja por falta de ideias ou genuíno interesse pelas personalidades que se transformam em objetos de estudos por novos cineastas, o “gênero” nos trouxe, para citar exemplos recentes, obras como Sete Dias com Marilyn, A Garota, Hitchcock e agora Walt nos Bastidores de Mary Poppins, longa de John Lee Hancock (de Um Sonho Possível) que certamente se revela o melhor da safra.

A trama é centrada na tentativa de Walt Disney (Tom Hanks, que casting genial) de convencer a escritora australiana P.L. Travers (Emma Thompson) a lhe ceder os direitos para a adaptação cinematográfica do cultuado “Mary Poppins”. Em meio às inúmeras divergências que Travers enfrenta com o produtor para garantir o tom apropriado ao filme, acompanhamos detalhes-chave de seu passado que a inspiraram a criar a história.

Para começar, vamos tirar o elefante da sala e falar sobre a tradução pavorosa que a Disney forneceu ao filme no Brasil… “Walt” “Nos” “Bastidores” “de” “Mary Poppins”. Compreendo o… er, apelo “comercial” que o título oferece, mas ele nem de longe faz jus à complexidades e significado que o original (“Saving Mr. Banks”, “Salvando o Sr. Banks”) confere à narrativa. Inicialmente, condenei a decisão do roteiro de Kelly Marcel e Sue Smith em persistir na trama paralela que se concentra no passado de Travers, mas graças à boa condução de Hancock e a montagem de Mark Livolsi, esta caminha com a mesma consistência da principal – e se complementam de forma belíssima, ainda que óbvia, ao resolver a questão do “Sr. Banks”.

Claro que há muita ficção aqui, muita. P.L. Travers tinha um filho (ao contrário do que o filme diz), já tinha concedido os direitos de adaptação quando chegou em LA (um dos grandes dilemas da narrativa é se Travers vai, ou não, concedê-los), não era tão caricatural quanto a divertida performance de Emma Thompson sugere e tampouco se agradou com o resultado final de Mary Poppins. Travers não saiu dançando de alegria com uma canção específica e nem teve a companhia do criador de Mickey Mouse na Disneylândia. Mas, mesmo que gritantemente impreciso em questões históricas, o filme de Hancock consegue agradar, oferecendo um catártico estudo de personagem sobre a Travers que suas roteiristas “inventaram”. Hancock tem a mão pesada, aposta em diversos momentos apelativos… e funciona, estranhamente. A tal sequência em que a escritora dança com os irmãos Sherman (Jason Schwartzman e B.J. Novak) é espetacular, de fazer o próprio espectador levantar e sair dançando.

Fidelidade aos fatos não faz de uma obra necessariamente ruim. Nem de longe é minha intenção comparar o grau de qualidade dos dois filmes, mas Amadeus também passava longe dos livros de História em pontos cruciais, algo que não afeta seu maravilhoso resultado final. E o mesmo se repete com Walt nos Bastidores de Mary Poppins.

Obs: Durante a segunda metade dos créditos finais, são exibidas algumas gravações da verdadeira P.L. Travers.

Obs II: De novo, mas que tradução tosca.