Arquivo para mickey rourke

| Sin City: A Dama Fatal | Crítica

Posted in Ação, Adaptações de Quadrinhos, Cinema, Críticas de 2014 with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , on 24 de setembro de 2014 by Lucas Nascimento

3.5

SinCityADametoKillFor
Essa mulher é de morrer: Eva Green como a Dama Fatal do título

Quando assisti a Sin City: A Cidade do Pecado pela primeira vez, em uma reprise do filme de 2005 na televisão, sabia que estava diante de algo único. A técnica utilizada por Robert Rodriguez para adaptar a graphic novel homônima de Frank Miller foi impressionante, chegando até a ganhar um prêmio especial no Festival de Cannes pelo feito visual. Agora, nove anos depois, batata quente esfria e Sin City: A Dama Fatal não empolga como o primeiro, ainda que traga seus méritos.

Como no filme de 2005, a narrativa consiste em múltiplas histórias. A principal delas é centrada em Dwight McCarthy (Josh Brolin), um fotógrafo que volta a cair nas garras de sua manipuladora ex-namorada, Ava Lord (Eva Green). Temos também uma curta, “Just Another Saturday Night”, que traz Marv (Mickey Rourke) lembrando-se dos eventos de uma noite violenta e duas histórias criadas especialmente para o filme: “The Long Bad Night” traz o aventureiro jogador de pôquer Johnny (Joseph Gordon Levitt), que desafia o notório senador Roark (Powers Boothe) para uma partida mortal, enquanto “Nancy’s Last Dance” traz a dançarina Nancy Callahan (Jessica Alba) buscando vingança pela morte de seu amado Hartigan (Bruce Willis).

O tempo foi um dos grandes inimigos de A Dama Fatal. A continuação aconteceu tarde demais para acompanhar o embalo do primeiro filme, e cedo demais se procurava usar a nostalgia a seu favor. O frescor do original não se manifesta com tanta intensidade aqui, tendo apenas alguns bons efeitos que o 3D é pontualmente capaz de oferecer e o visual, ainda que permaneça belo como há 9 anos atrás, não procura se inovar. Mas tudo bem, eu realmente não esperava que Rodriguez mudasse o look do filme; se fosse mais do mesmo, que ao menos fosse bom. E aqui e ali, o diretor ainda é capaz de impressionar ao trazer os maneirismos visuais cartunescos noir que funcionaram tão bem no primeiro. Especialmente em torno da Ava Lord de Eva Green, que Rodriguez sempre fotografa como uma mulher perigosíssima, quase transformando-a em um animal selvagem, um predador – e a decisão de preservar o verde de seus olhos em meio ao preto e branco, é impactante.

SinCityADametoKillFor
Joseph Gordon Levitt é um destaque entre as novas adições

Frank Miller é o problema. Ainda que um genial autor de quadrinhos, todos podemos concordar que a experiência de Miller com o cinema não é lá das mais inspiradoras (preciso mesmo trazer The Spirit –  O Filme à mesa?), e seu crédito de co-diretor é atribuído principalmente porque Rodriguez utiliza as HQs de Sin City como guia definitivo. Responsável pelo roteiro das quatro histórias, merece aplausos por aquela que é definitivamente a melhor e mais complexa trama do filme, A Dama Fatal, mas mostra-se simplesmente incapaz de preencher as três histórias restantes com conteúdo o suficiente. São rápidas, vazias e empalidecem diante da trama central, e pior: acabam ficando repetitivas em estrutura. A invasão de Nancy e Marv à mansão de Roark em “Nancy’s Last Dance” é praticamente uma cópia daquela vista em “A Dama Fatal”, o que acaba tornando a ação e os múltiplos desmembramentos genéricos e até entediantes.

Ao menos o elenco consegue ser preservado. Disparado, Eva Green consegue roubar mais um projeto (ela é a única coisa que presta em 300: A Ascensão do Império), seja por sua performance marcada por momentos ambíguos, misteriosos ou por sua figura absolutamente hipnotizante. Jessica Alba também ganha muito mais o que fazer do que meramente dançar aqui, e sua personagem tem um dos arcos mais interessantes. Josh Brolin agrada com sua competente versão de Dwight, criando um retrato próprio ao mesmo tempo em que respeita a performance de Clive Owen no original. Como protagoniza a menos envolvente das histórias, fica nas mãos de Joseph Gordon Levitt sustentá-la toda com seu carisma, algo que o ator é capaz de fazer muitíssimo bem. E preciso ao menos mencionar a curta participação de Christopher Lloyd, que surge com um personagem divertidíssimo.

Efetivamente, Sin City: A Dama Fatal consegue preservar o tom noir e divertido do primeiro filme, ainda que não traga material bom o suficiente para sustentar os rápidos 102 minutos. Mas olha, Eva Green vem realmente provando que é uma mulher pelo qual se mataria.

Obs: Robert Rodriguez e Frank Miller têm duas participações especiais no filme. Fique de olho.

Anúncios

Diretores | Darren Aronofsky

Posted in Diretores with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 1 de abril de 2014 by Lucas Nascimento

aron

Darren Aronofsky é um dos nomens mais inventivos da atualidade. Dono de um currículo invejável, ele surpreendeu ao anunciar que seu próximo filme seria uma adaptação épica da Arca de Noé, que estreia nos cinemas brasileiros já na próxima quinta feira. E está aí a deixa para relembrarmos os longas anteriores de Aronofksy. Confira:

Pi (1998)

3.5

pi

Em sua estreia como diretor, Darren Aronofksy já estabelece suas características marcantes no indie perturbador Pi: momentos perturbadores, ritmo tenso e um apelo visual único. A saga paranóica de um matemático brilhante que se envolve em perigosas situações impressiona pela fotografia preto-e-branca e fortemente granulada, assim como a performance central de Sean Gaulette. Não é um grande filme, mas vale a visita e já estabelece dois parceiros inseparáveis do cineasta: o diretor de fotografia Matthew Libatique e o compositor Clint Mansell.

Réquiem para um Sonho (2000)

5.0

req

Se algum dia precisar alertar vindouros filhos sobre o perigo das drogas (ou de qualquer vício descontrolado, em geral), uma – e uma apenas – sessão de Réquiem para um Sonho será o suficiente. De longe o melhor filme de Aronofksy, gira em torno de indivíduos problemáticos que se entregam a diferentes vícios, rendendo consequências devastadoras. Do elenco afiado (que tem até Marlon Wayans) até a inesquecível trilha sonora tema de Clint Mansell, o filme se destaca como um dos mais perturbadores e depressivos do novo milênio. E é justamente aí que reside sua força.

Impossível comentar sem trazer na íntegra:

Fonte da Vida (2006)

4.0

fountain

Projeto mais ambicioso do diretor, Fonte da Vida se concentra em três tramas protagonizadas por Hugh Jackman em épocas distintas, todas amarradas pela presença da mística Árvore da Vida, que garantiria vida eterna a seu senhor. A narrativa é complexa e seu escopo temático (assim como o incrível visual) aproximam Fonte da Vida de 2001 – Uma Odisseia no Espaço, mas enquanto Stanley Kubrick se apoiava na Ciência para testar os limites humanos, Aronofsky oferece uma viagem completamente espiritual e rodeada de elementos religiosos – o que torna seu filme ainda mais enigmático.

O Lutador (2008)

4.0

wrest

Provavelmente o mais “normal” filme da carreira de Aronofksy (levando em consideração a ausência de surtos, alucinações e furadeiras no crânio), O Lutador é a incrível tour de force de Mickey Rourke, que conseguiu recuperar os holofotes após sua performance como Rand “The Ram” Robinson. O ator vale o filme, mas o roteiro de Robert D. Siegel também oferece um interessante estudo de personagem, enfatizando – além da crise existencial – suas problemáticas relações pessoais: seja com sua filha ou com a stripper vivida por Marisa Tomei.

Cisne Negro (2010)

5.0

blackswan_29

Responsável por coroar a estupenda performance de Natalie Portman com um Oscar, Cisne Negro é também um intrincado e inteligente suspense psicológico. Sua ambientação no mundo no balé (assim como as influências de Lago dos Cisnes) é perfeita para que Aronofsky desenvolva transformação sombria de sua protagonista e os elementos perturbados que envolvem sua vida. Repleto de simbolismos, montagem alucinada e Tchaikovsky até não dar mais, Cisne Negro é espetacular.

E quanto a Noé? Será mais uma adição competente à invejável carreira de Darren Aronofsky? Descobriremos na quinta-feira (3).

Primeiro trailer de SIN CITY: A DAMA FATAL

Posted in Trailers with tags , , , , , , , , , , , , , , , on 6 de março de 2014 by Lucas Nascimento

sc

Finalmente. 9 anos após o primeiro filme, e dois adiamentos depois, e finalmente podemos dar uma olhada nas primeiras imagens de Sin City: A Dama Fatal, que traz mais uma coletânea de histórias noir ultraviolentas pelas mãos de Robert Rodriguez e Frank Miller. Sem mais delongas, confira o primeiro trailer:

O novo filme traz histórias inéditas, mas promete adaptar a famosa HQ que dá nome ao filme, com Eva Green no papel-título. O elenco ainda conta com Josh Brolin, Joseph Gordon-Levitt, Jessica Alba, Mickey Rourke, Bruce Willis e Ray Liotta.

Sin City: A Dama Fatal estreia em 25 de Setembro.

| Os Mercenários | Precisava mesmo de tanto sangue digital?

Posted in Ação, Críticas de 2010, DVD with tags , , , , , , , , , , , , , on 8 de dezembro de 2010 by Lucas Nascimento

A promessa de Os Mercenários era entregar um filme de ação old school, à moda dos “clássicos” dos anos 80, onde as cenas de ação são a única coisa que importa, com astros do gênero da atualidade. Stallone lidera o grupo de valentões em uma trama simples e medíocre e também dirige o longa; talvez o erro esteja por aí.

Não sei vocês, mas no meu conceito, uma boa cena de ação é aquela em que você consegue entender o que está acontecendo, tenha uma trilha sonora empolgante e, claro, o espectador se importe com os personagens. O roteiro do filme até consegue arrancar uma ou duas boas tiradas ou frases de efeito, mas falha miseravelmente na tentativa de conseguir afeto com algum deles, claro isso é um filme de ação, mas convenhamos, se você não gosta dos personagens, as cenas de adrenalina são irrelevantes.

E mesmo que as sequências de perseguições, tiroteios ou lutas não se importem com os personagens, elas poderiam no mínimo ser bem feitas; a montagem rápida e a câmera inquieta simplesmente não funciona com esse tipo de cena e os efeitos visuais são usados de maneira exagerada e tosca (sem comentários à cena em que um personagem é incinerado), destruindo o “espírito dos 80”.

É exigir demais boas atuações nesse tipo de filme, mas elas estão presentes, de certa forma. Stallone faz o típico valentão, só que com carisma e seu entrosamento com Jason Statham é divertido. Os outros astros são meros figurantes, mas o encontro de Bruce Willis e Arnold Schwarzenegger é muito engraçado e Mickey Rourke faz sozinho valer o ingresso na pele tatuada de Tool, antigo mercenário com muitas mágoas do passado – um de seus monólgos sobre o passado é sensacional, por mostrar como a vida de assassino o afetou – e muito bom humor.

Divertido e bem-humorado em alguns bons diálogos, mas completamente imcompreendível nas medianas cenas de ação, Os Mercenários pode vangloriar-se por ter um excelente elenco de pancadaria, mas seu objetivo de alcançar o espírito de uma aventura oitentisa é fracassado. Mas convenhamos, precisava de tanto sangue digital? Isso não é anos 80, naquela época se usavam galões de sangue falso. Isso sim, é cinema de ação.

Luz, Câmera… Porrada! | Especial OS MERCENÁRIOS

Posted in Especiais with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 9 de agosto de 2010 by Lucas Nascimento

O aguardado filme de ação de Sylvester Stallone chega nos cinemas, sendo marcado por um elenco de sonhos de todo fã de ação, filmagens no Brasil e algumas polêmicas. Acompanhe esse especial:

Making Of

A intenção de Sly (apelido popular de Sylvester Stallone), era reunir um grande elenco de astros de pancadaria para um filme de ação à moda antiga, ou seja, não haverão inovações e sim muitos clichês; mas pra um fã de ação, quem vai ligar, certo?

Parte das filmagens do filme aconteceram no Brasil, no Rio de Janeiro, em Março do ano passado; o cenário do filme é um país fictício. Houve uma polêmica recentemente depois de uma brincadeira sem graça levada a sério demais por aqui. Esquentando a chapa, a O2 Filmes acusou a produtora Millenium de ter deixado uma dívida de 3 milhões. A produção desmentiu a acusação; resta escolher em quem você acredita.

Personagens

Conheça os principais valentões de Os Mercenários:

1. Dan Pine (Steve Austin): Guarda costas do agente da CIA James Monroe.

2. Toll Road (Randy Couture): Especialista em demolições do grupo.

3. Gunnar Jensen (Dolph Lundgren): Atirador sniper da Suécia. Já encarou Stallone em Rocky IV, como o lutador soviético Ivan Drago.

4. Yin Yang (Jet Li): Expert em artes marciais, Yin Yang sempre se aproveita de sua vantagem de ser “pequeno”.

5. Barney “The Schizo” Ross (Sylvester Stallone): Veterano de Operações Especiais dos EUA, Barney é o líder da equipe e especialista em qualquer tipo de combate.

6. Lee Christmas (Jason Statham): Ex-Membro da Cavalaria Aérea americana, Lee é o segundo no comando na equipe; sendo grande amigo de Barney e especialista em combates corpo-a-corpo e com facas.

7. Hale Caesar (Terry Crews): Melhor amigo de Yin, é o alívio cômico da equipe (basta olhar a carreira do comediante) e especialista em armas pesadas.

8. Tool (Mickey Rourke): Ex-Mercenário (Expendable) da equipe de Barney, Tool passa seus dias de aposentadoria vendendo armas de fogo e fazendo tatuagens em seu próprio negócio.

9. Sr. Church (Bruce Willis): Misterioso sujeito que contrata os Mercenários para sua missão. Só possuí uma cena, que dividirá com Sly e Arnold Schwarzennegger.

10. Trench (Arnold Schwarzenneger): Não está na foto, mas vamos contar com sua presença “em espírito”. Trench é um antigo rival de Barney, e ex-líder da equipe original.

Medidor de pancadaria

Uma pequena análise sobre alguns filmes da carreira do trio principal de Os Mercenários:

Boom: Grandes cenas de ação

Confira abaixo algumas cenas de ação que eu acho espetaculares!

Perseguição na via expressa (Matrix Reloaded) 

Sem dúvida uma das melhores perseguições de carros de todos os tempos. Os heróis Morpheus e Trinity tentam fugir com o Chaveiro dos enigmáticos personagens Gêmeos. Atraem a atenção da polícia com tiros, destroem carros, roubam motos e terminam com uma espetacular colisão entre dois gigantescos caminhões. Excelente, sem mencionar a empolgante trilha sonora.

Sonhos dentro de sonhos (A Origem)

Podem me criticar por ser recente demais, mas a missão da equipe de Cobb encara três sonhos em três ambientes completamente diferentes; um hotel que perde sua gravidade, ruas castigadas por uma chuva forte e uma invasão a uma fortaleza na neve. Detalhe; tudo ao mesmo tempo. Coisa de gênio.

O Dia-D ( O Resgate do Soldado Ryan)

Nunca uma batalha de guerra havia ganho um tratamento assim. O realismo cru e frio da abertura do filmaço de Steven Spielberg é perturbador, as mortes violentas e o som é ensurdecedor. Um caprichado trabalho de montagem e de direção, que nos dá uma ideia do quão aterrorizante deve ter sido esse ataque. Nunca haverá uma cena como essa na história dos filmes de guerra.

Perseguição em Madagascar (007 – Cassino Royale)

Não foram carros velozes ou bugigangas bizarras que provaram a competência física de Daniel Craig como James Bond em sua reinvenção; foi uma sensacional perseguição a pé. Atravessando construções, guindastes e hotéis; o agente não mede esforços para capturar um fabricante de bombas (vivido pelo free runner profissional Sebastien Foucan). Um verdadeiro balé de manobras e saltos.

Os Últimos Grande Heróis

John McClane

Protagonizando quatro filmes da série Duro de Matar, o policial vivido por Bruce Willis é com certeza um dos melhores heróis de ação de todos os tempos. Têm muito senso de humor, bordões memoráveis e sabe o que fazer quando tem uma arma.

James Bond

Tendo sido interpretado por seis atores, o melhor e mais famoso espião de todos os tempos é o tipo “mulheres querem transar com ele e homens querems ser igual a ele”. Protagonizou a maior franquia da história do cinema; até agora são 22 filmes, e a série ainda está longe de acabar.

Indiana Jones

Suas aventuras atrás dos maiores tesouros da civilização são as melhores do gênero. O chapéu e o chicote são marcas registradas, Harrison Ford interpreta  o arqueólogo cheio de personalidade e senso de humor. Clique aqui para entender como o herói encara uma ameaça.

Rocky Balboa

Não é o único personagem memorável vivido por Stallone (há também John Rambo), mas é o mais crível e realista, sendo muito mais fácil de se identificar. Lutando nas ruas e nos ringues, encarando lutadores egocêntricos e, até mesmo artificiais, Rocky pode não ter matado ninguém, mas é ícone do cinema de ação.

O Exterminador

De vilão no primeiro filme para herói no segundo, o robô quase indestrutível é meu personagem favorito de Schwarzenegger. Acerta por conseguir dar humanidade a uma máquina, desenvolvendo-o e, é claro, chutando bundas em ótimas cenas de ação. Desculpe, eu tenho de dizer isso: Hasta la vista, Baby.

Bem, o especial vai ficando por aqui, mas pretendo assistir a Os Mercenários essa semana. Aguarde pela crítica!

Heavy Metal: Especial HOMEM-DE-FERRO 2

Posted in Especiais with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 27 de abril de 2010 by Lucas Nascimento

 

Acabou a espera! Todos que estavam contando os dias para a estreia de Homem-de-Ferro 2 no Brasil (uma semana antes do que nos EUA) podem aproveitar este especial e aquecer para o filme, que promete ser um dos grandes sucessos do ano.

Personagens Principais

Tony Stark/Homem-de-Ferro (Robert Downey Jr.)

Com sua identidade de Homem-de-Ferro revelada, Stark tem que aguentar a pressão política do governdo dos Estados Unidos, que deseja tomar a tecnologia para o exército. Como se isso já não bastasse, vira alvo de vingança do russo Ivan e do empresário Justin Hammer.

 

 

 

 

 

Pepper Potts (Gwyneth Paltrow)

A relação entre Tony Stark e sua assistente Pepper Potts começa a crescer, mas ela se vê ameaçada com a chegada de Natasha Romanoff, que passa a trabalhar nas Indústrias Stark e, consequentemente, chama a atenção do inventor. Ela é apontada para substituir Tony no  comando das empresa.

Col. Jim Rhodes/Máquina de Combate (Don Cheadle)

Ainda trabalhando na Força Aérea, o melhor amigo de Tony Stark resolve ajudá-lo contra os inimigos que o inventor terá de enfrentar. Claro que Stark não aceita a parceiria tão facilmente, o que leva Rhodes a pedir ajuda a Justin Hammer e roubar uma armadura de Stark. Nasce o Máquina de Combate.

Ivan Vanko/ Whiplash (Mickey Rourke)

Brilhante mecânico e inventor, o russo Ivan Danko tem observado toda a trajetória de Tony Stark. Para se vingar da perda que as armas de sua empresa lhe causaram, ele constroe um aparelho que constitui de dois chicotes elétricos, que ele usa para fugir da prisão e ir atrás de seu inimigo.

Natasha Romanoff/Viúva Negra (Scarlett Johansson)

 

Contratada por Tony Stark para trabalhar como assistente em sua indústria, a bela russa é na verdade uma espiã da S.H.I.E.LD., enviada por Nick Fury ficar de olho no milionário. É evidente que ela e Stark tenham algum tipo de envolvimento, deixando Pepper com ciúmes.

Justin Hammer (Sam Rockwell)

Rival de Tony Stark, que aproveita o fim da produção armamentista das Indústrias Stark, o comerciante de armas Justin Hammer ajuda na construção do Máquina de Combate, mas trabalha também com o russo Ivan Danko, para criarem um exército de armaduras capaz de destruir Stark e o Homem-de-Ferro e, ganhar uma graninha a mais.

Nick Fury (Samuel L. Jackson)

 

De olho em Stark após a revelação pública de sua identidade de Homem-de-Ferro, o diretor da S.H.I.E.L.D. continua oferecendo propostas sobre uma parceria e a Iniciativa dos Vingadores (mas isso é assunto pra outro dia…). Para manter uma vigia mais segura, Fury infiltra a espiã Viúva Negra nas Indústrias Stark. Curiosidade: Nos quadrinhos da série Milenium da Marvel, o visual de Nick Fury foi inspirado no próprio Samuel L. Jackson.

Moda High tech

O que o novo filme traz de armaduras e tecnologias novas?

Mark IV

Depois de levar uma surra do Monge de Ferro no fim do primeiro filme, Stark reconstruiu a Mark III, só que dando mais flexibilidade (principalmente nas pernas). São poucas mudanças em relação à anterior.

Mark V

Ah sim. Todo mundo que assistiu ao segundo trailer do filme, provavelmente ficou de queixo caído ao ver a armadura portátil de Tony Stark. Baseada nos quadrinhos (mas bem diferente), a maleta transforma-se em uma armadura vermelha e prateada, que Stark usa quando é atacado por Whiplash na pista de corrida em Mônaco. Que chique… Confira a transformação e uma foto da original dos quadrinhos abaixo:

Mark VI

Não sei se vocês lembram, mas no primeiro trailer do filme, há uma tomada do gerador Mark do peito de Stark com cicatrizes metálicas. Não lembra? Bem, aqui está:

Uma explicação maior está sendo guardada para o filme, então podemos simplesmente afirmar que Stark precisa de um coração novo. O que a Mark VI possui de grande diferença é a forma do gerador Mark. É um triângulo, e não um círculo.

Máquina de Combate

Stark terá tantos inimigos para enfrentar no filme, que o coronel Jim Rhodes vai dar uma forcinha ao amigo. Ele adota a armadura do Máquina de Combate, versão mais pesada, cinza e que possui metralhadoras ao invés da armas de raios. A armadura é a Mark II de Tony Stark, modificada por Justin Hammer.

Whiplash (Chicote Negro nos quadrinhos)

Baseando-se na tecnologia do gerador MARK de Tony Stark, Ivan Vanko construiu uma espécie de chicote elétrico; que possui força suficiente para destruir carros, objetos e levantar pessoas. O design foi desenvolvido por seu pai, Anton Vanko. Aposto que a versão do trailer é apenas um estágio inicial do vilão.

Armaduras de Justin Hammer

“Eu quero fazer o Homem-de-Ferro parecer uma antiguidade”. Com essa frase, o empresário e comerciante de armas Justin Hammer forma uma parceria com o russo Ivan Vanko. Os dois constroem um pequeno exército de armaduras, que funcionam automaticamente e são equipadas com mísseis, armas de fogo, lança-chamas, granadas e com a capacidade de voar como o Homem-de-Ferro.

O Futuro 

Com Homem-de-Ferro 2, é dada a partida para o filme dos Vingadores, que chegará em 2o12 nas telonas. Stark é um dos principais membros da equipe, que ainda conta com o Capitão América e Thor, que ganham seus filmes-solo ano que vem, pelas mãos de, respectivamente, Joe Johnston e Kenneth Branagh. Jon Favreau, diretor dos dois filmes do Homem-de-Ferro, será um dos produtores do filme. Corre o rumor de que o filme mostraria a equipe caçando o Hulk, possibilidade já apresentada no fim do filme de Edward Norton. Isso seria interessante e, na minha opinião, o único jeito de o filme ser bem-sucedido.

 Sobre o terceiro Homem-de-Ferro, (provavelmente o último, já que teremos Os Vingadores) tudo depende do final do segundo, mas o diretor Jon Favreau não pode fechar a trilogia sem apresentar um dos momentos mais sombrios e interessantes da vida de Stark: sua luta contra o alcoolismo. Apresentar esse fato, traria muito mais maturidade à saga do herói, podendo até quebrar “a maldição do número 3”. E já que Robert Downey Jr. já teve que encarar esse vício, sua performance poderia ser digna de Oscar. Liguem os pontos, roteiristas!

Bem, vou ficando por aqui e espero que tenham gostado. Sexta-Feira a crítica estará no ar. Até lá!