Arquivo para paródia

| A Espiã que Sabia de Menos | Crítica

Posted in Cinema, Comédia, Críticas de 2015 with tags , , , , , , , , , , , , , on 5 de junho de 2015 by Lucas Nascimento

3.5

spy
Melissa McCarthy heroína de ação? Yep

Não me lembro se já comentei aqui com vocês, mas aí vai: não suporto Melissa McCarthy. Não vejo a menor graça em Melissa McCarthy. Não compreendo como Melissa McCarthy já foi indicada ao Oscar por Missão Madrinha de Casamento. Não compreendo, Melissa McCarthy. Também não compreendo como fui parar naquela sessão não muito cheia de A Espiã que Sabia de Menos, mas confesso que me deparei com um filme muito mais divertido do que esperava.

A trama você já viu várias vezes: Quando todos a identidade de todos os agentes secretos da CIA é vazada para criminosos, a analista Susan Cooper (McCarthy) se voluntaria para uma missão que a colocará em campo pela primeira vez, envolvendo a venda de uma ogiva nuclear por terroristas.

É quase a mesma estrutura, passo a passo, de filmes como Johnny English e, principalmente, a – subestimada – adaptação de Agente 86 de uns anos atrás. Por isso, fica muito fácil prever cada reviravolta do roteiro de Paul Feig (também responsável pela direção), que infelizmente aposta em clichês batidos como a velha história do “personagem que forja a morte” ou de um “traidor que não é traidor”, e por aí vai. O mérito de Feig é mesmo nas surpresas e no absurdo de algumas piadas, que envolvem uma hilária participação especial e o próprio fato de McCarthy se sair muito melhor do que alguém poderia esperar numa luta física: esse absurdo desproporcional (a atriz não tem o físico que esperamos de um astro de ação, claro) ajudam a fazer rir e também construir bem sua Susan Cooper – sem falar que Feig manda bem no comando de tais sequências.

Mesmo não sendo admirador de McCarthy, confesso que gostei de sua performance e das surpresas de sua personagem: no ponto em que assume uma postura durona, é realmente animador vê-la xingando a dondoca de Rose Byrne de todas as formas possíveis. E ainda que o foco seja todo na protagonista, é Jason Statham quem rouba a cena em uma atuação surpreendentemente cômica, onde interpreta um espião britânico falastrão e grosseiro, notório por algumas das mais absurdas missões que você ouvirá falar – Feig e o ator certamente se divertiram durante os ensaios de uma cena em particular.

Jude Law também se diverte em uma clara paródia de James Bond (como o ato de constantemente arrumar seu cabelo durante combates) e a estreante Miranda Hart mostra-se uma boa promessa cômica. Ah, e que legal ver Peter Serafinowicz deixando de lado seus papéis mais sisudos (como em Todo Mundo Quase Morto ou no recente Guardiões da Galáxia) para mergulhar num agente italiano completamente tarado e canastrão.

A Espiã que Sabia de Menos é uma comédia eficiente que impressiona pelas quebras de estereótipos, como Melissa McCarthy funcionar como heroína de ação ou Jason Statham ser o cara mais engraçado da sala.

Obs: Há um divertido clipe após os créditos.

Anúncios

| Anjos da Lei 2 | Crítica

Posted in Cinema, Comédia, Críticas de 2014 with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 4 de setembro de 2014 by Lucas Nascimento

4.0

22jumpstreet
Jonah Hill e Channing Tatum estão de volta

Continuações são arriscadas. Especialmente se estivermos no âmbito das continuações de comédias, que tendem muito a decepcionar: a trilogia Se Beber, Não Case! é o perfeito exemplo de uma boa piada que funcionou uma vez e foi estuprada para render continuações “maiores e melhores”, praticamente repetindo passo a passo a fórmula do original. É justamente esse sistema que Anjos da Lei 2 ataca, e o faz isso de forma inteligente e, mais importante, engraçada.

A trama começa logo depois dos eventos do primeiro filme (com direito até a um “Previously on…”), com Schmidt (Jonah Hill) e Jenko (Channing Tatum) recebendo a missão de se infiltrar em uma faculdade local e capturar um traficante que anda espalhando uma nova droga experimental pelo campus. À medida em que os dois vão se misturando em grupos sociais distintos, a parceria dos dois vai sofrendo atritos.

Se você prestou atenção, reparou que a premissa é EXATAMENTE igual à do primeiro, trocando apenas o ensino médio pelo superior. O roteiro assinado por Michael Bacall, Ori Uziel e Rodney Rothman continua martelando na metalinguagem, o que novamente rende algumas das melhores piadas: personagens repetindo o tempo todo que Schmidt e Jenko façam “exatamente a mesma coisa da última vez”, repetições que se dão conta de que são repetições e há até uma perseguição de carros onde o personagem de Hill orienta o companheiro para não destruir nada que a Polícia não possa pagar, já que o departamento estourara o orçamento estabelecido pela polícia, quase como uma produção hollywoodiana se descontrolando. É a metalinguagem da metalinguagem.

Mas se a proposta deliberadamente levaria Anjos da Lei 2 para o caminho sombrio do qual faz piada, é aí que a trama começa a trazer reviravoltas e se diferenciar da fórmula do primeiro, especialmente na resolução do caso. A introdução de coadjuvantes carismáticos, nas figuras de Wyatt Russell, Amber Stevens (lindíssima) e Jillian Bell – além da decisão acertadíssima de expandir o personagem de Ice Cube – enriquecem o universo meta e repleto de referências pop criado pelos diretores Phil Lord e Chris Miller – que devem estar agora relaxando em uma paraíso tropical, dada a incrível sequência de sucessos que a dupla vem mantendo. Jonah Hill e Channing Tatum também continuam divertidos em sua relação quase homoafetiva, rendendo diversos trocadilhos do tipo “eu acho que é hora de nós começarmos a investigar outras pessoas” ou até uma inesperada e afetada terapia de casais.

Anjos da Lei 2 é engraçado e inteligente como o primeiro, aperfeiçoando praticamente todo setor da produção (só peca ao ter um vilão menos carismático do que Rob Riggle) ao mesmo tempo em que ri de seus próprios absurdos. E tem provavelmente a melhor sequência de créditos finais já produzida na História, literalmente deixando a melhor piada para o final.

Imperdível. Realmente espero que a dupla não custe a se mudar para o número 23 da Jump Street.

Obs: Diversas participações especiais divertidíssimas ao longo do filme. Fiquem de olho.

Obs II: Há uma cena após os créditos.

Primeiro pôster de SE BEBER, NÃO CASE! PARTE III traz uma surpresa

Posted in Notícias with tags , , , , , , , , on 6 de março de 2013 by Lucas Nascimento

Com a filmagem completada a meses e até mesmo uma exibição-teste já ter sido efetuada em Burbank, Se Beber, Não Case! Parte III enfim vai perdendo a timidez em sua campanha de marketing. E ela começa com este divertido teaser pôster que traz o barbudo Alan encarando o histérico Sr. Chow em uma Las Vegas destruída. Confira:

hangover3_p1

Se você achou a imagem familiar, não estranhe: trata-se de uma divertida paródia do primeiro pôster de Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte II:

reliquiasdamorte_p22

Se Beber, Não Case! Parte III estreia em 31 de Maio.

| O Grande Ditador | A feroz sátira de Charlie Chaplin ao nazismo de Adolf Hitler

Posted in Clássicos with tags , , , , , , , , , , , , , , , on 12 de junho de 2011 by Lucas Nascimento


Charlie Chaplin traça uma genial caricatura de Adolf Hitler

O inglês Charles Chaplin sempre foi um cineasta que respondia adequadamente aos acontecimentos de sua época, usando o cinema como uma ferramenta de crítica social e reflexão, sempre com o humor inconfundível do talentoso ator/diretor. Lançado em 1940, seu primeiro filme falado, seu tema não poderia ser mais polêmico para a época: Adolf Hitler e o nazismo, na obra de arte O Grande Ditador.

Satirizando o ditador que comandou o nazismo durante a Segunda Guerra Mundial, Chaplin troca nomes e inventa países (com clara intenção de fazer uma paródia mais subjetiva), mas é bem evidente para qualquer pessoa que tenha o mínimo de conhecimento em História que o ator interpreta Hitler (ou Hynkel) ao proclamar seus agressivos e gritantes discursos. Interessante como Chaplin opta por não colocar legendas em tais cenas, enfatizando que os anúncios do ditador eram incompreensíveis, com enormes substantivos e palavras com mesmo significado. Gênio.

Indo além dos discursos, Chaplin diverte-se ao apresentar um senso de humor brilhante na sequência ambientada em seu palácio na “Tomainia”, onde Hynkel mostra-se um homem extremamente ocupado com situações estúpidas (como ter um quadro com sua imagem pintado ao mesmo tempo em que tem uma escultura de seu rosto sendo feita) e a política de guerra com nações rivais e aliadas – como a presença hilariante de “Napaloni”, óbvia caricatura de Benito Mussolini. Poucas vezes um personagem foi tão bem simbolizado quanto na cena de dança com o globo, que representa o desejo de dominação mundial de Hynkel.

E se o ator explode de carisma como Hynkel, ele mantém seu estilo irreverente e trapalhão ao representar um segundo personagem: o Barbeiro Judeu. Veterano da Primeira Guerra e com problema de amnésia, é um homem que luta contra os regimes totalitários em um gueto da Tomainia, onde protagoniza momentos memoráveis (como a impressionante cena da barbearia ao som de “Hungarian Song No. 5”) e segue rumo a um desfecho que é dos mais inesperados e divertidos.

Lutando também contra dificuldades da época, o filme oferece excelentes cenas que hoje provavelmente seriam feitas com uso de efeitos digitais, como a ótima cena de abertura. Ambientada em uma batalha da Primeira Guerra Mundial, o tratamento é cativante e envolve o espectador no momento, sendo até caricaturial na composição de armas gigantes e a dificuldade dos soldados em manejá-las.

Sempre intrigante e envolvente, O Grande Ditador oferece momentos de verdadeira diversão, mas com muitas discussões e reflexões sobre os ideais e motivos que prevaleceram na ditadura nazista de Hitler, culmindo em um inesquecível discurso final que certamente foi impactante em sua época de lançamento. E até hoje.

Fan Boys: The Video Website

Posted in Fan Boys with tags , , , , , , , on 16 de agosto de 2010 by Lucas Nascimento

O vídeo de hoje é uma brilhante paródia ao trailer de A Rede Social; mostrando a fictícia história sobre a criação do Youtube. O trailer conta com a mesma música do Radiohead e repete alguns diálogos e enquadramentos do vindouro filme do facebook.

É esse tipo de vídeo que eu gosto de encontrar no Youtube, aproveite:

Oscar 2010 cai no “Armário da dor”

Posted in Prêmios with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 8 de março de 2010 by Lucas Nascimento

Ontem aconteceu em Los Angeles a 82ª Entrega do Oscar. Quem acompanhou a transmissão ao vivo sabe quem ganhou. Bem, estou aqui para dar meus comentários e opiniões sobre os vencedores (houveram muitas injustiças!). Acompanhe.

  Alec Baldwin e Steve Martin tornaram a noite muito divertida

Depois de uma inesperada participação de Neil Patrick Harris, os apresentadores Alec Baldwin e Steve Martin lançaram muitas piadas e brincadeiras com os indicados ( a provocação com George Clooney foi hilária). Ainda fizeram uma paródia genial de Atividade Paranormal, que foi exibida após uma homenagem aos grandes filmes de terror.

   Jeff Bridges e Christoph Waltz com seus prêmios

Bem, sobre os prêmios. Primeiro quero começar falando sobre Roteiro Original… Alguém me explica, como que o roteiro mediano de Guerra ao Terror ganhou do brilhante e sensacional Bastardos Inglórios? O que Mark Boal escreveu de tão genial para bater Quentin Tarantino? É um absurdo, a injustiça da noite! Guerra ao Terror não merecia nem metade do que ganhou. O que me alegrou, foi ver Christoph Waltz levar a estatueta de Ator Coadjuvante; seu discurso foi elegante e simples, o cara merece. E como era esperado, Jeff Bridges levou sua estatueta de melhor ator.

  Sandra Bullock e Mo’Nique ganham seus primeiros Oscars

Mo’Nique era a favorita (e com justiça) por seu papel em Preciosa – Uma História de Esperança, e confirmou seu favoritismo ao levar o prêmio e ignorar o “discurso de 45 segundos”. Uma surpresa da noite foi a vitória do Roteiro Adaptado de Preciosa; Geoffrey Flethcer estava muito emocionado, ninguém esperava por essa. E temos Sandra Bullock, que ficou emocionada ao receber sua primeira estatueta. Curioso é que na noite anterior, ela tinha ganho um prêmio de Pior Atriz.

Avatar e Guerra ao Terror eram os grandes favoritos da noite, com cada um com 9 indicações. O resultado foi que Avatar faturou 3 prêmios (Direção de Arte, Efeitos Visuais e Fotografia) e Guerra ao Terror levou 6, incluindo Melhor Filme e Melhor Diretor. Na minha opinião, Guerra ao Terror merecia apenas Montagem e Mixagem de Som, o resto seria ou de Avatar, ou Bastardos Inglórios (o grande injustiçado!). Mas sobre a disputa Bigelow-Cameron, a diretora até que mereceu, tornando-se a primeira mulher a ganhar o Oscar de Melhor Diretor, mas ainda acho o trabalho espetacular de James Cameron de criar mundos inteiros, bem superior. E Ben Stiller estava impagável como um “avatar”.

“The Hurt Locker” ou “Armário da Dor” (Título original de Guerra ao Terror) é uma expressão metafórica sobre o lugar em que uma pessoa se encontra ao falhar em uma tarefa. O Oscar bem que podia mudar um pouco e começar a premiar filmes empolgantes e mais agitados; filmes que dão prazer de assistir. Por isso, Avatar ou Bastardos Inglórios deveria ter levado. Para mim, o Oscar se encontra (já há algum tempo) dentro do Armário da Dor, e resta torcer para que ele crie juízo e saia de lá.