Arquivo para participações

| A Entrevista | Crítica

Posted in Comédia, Críticas de 2014, DVD with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 25 de dezembro de 2014 by Lucas Nascimento

4.0

TheInterview
James Franco descobre um novo lado de Kim Jong-un

Você provavelmente deve ter ouvido muito sobre A Entrevista, nova comédia de Seth Rogen e James Franco, nos últimos dias. O filme foi proibido, ameaçado de terrorismo, supostamente a causa de um cyberataque maciço e agora conseguiu voltar aos cinemas americanos e também disponível num eficaz serviço de video on demand pela internet. Muito barulho por uma com

Elaborada por Rogen e seu amigo Evan Goldenberg e roteiriziada por Dan Sterling, a trama gira em torno do apresentador de TV David Skylark (Franco), cuja audiência cresce graças à seu trabalho fútil de exposição do mundo das celebridades, num típico “TV Fama” ou “TMZ” da vida. Quando seu produtor, Aaron Rapaport (Rogen) descobre que Kim Jong-un (Randall Park) é um fã do programa, ele consegue uma entrevista exclusiva com o líder da Coréia do Norte. Porém, a CIA intervém e pede que a dupla use o evento como oportunidade para assassinar Kim Jong Un.

Da mesma forma como escrevi na minha crítica de Vizinhos, Seth Rogen é o cara com as ideias mais absurdas que entra no escritório do produtor e consegue persuadi-lo de qualquer coisa. Imagino ele entrando no escritório de Amy Pascal ou algum outro executivo da Sony e falando “um filme em que eu o James Franco vamos matar o ditador da Coréia do Norte!”. E aposto que Rogen está com ainda mais notoriedade por lá, dada a controvérsia global de seu A Entrevista. A verdade é que é uma comédia inofensiva que não precisava sofrer tudo o que sofreu, ainda que o roteiro da dupla traga sua dose de “seriedade” ao ridicularizar programas de tablóide e o governo de Kim Jong-un, mesmo que de forma morna.

Aliás, o personagem Kim Jong-un criado aqui é sensacional. Mesmo que Randall Park não seja exatamente parecido ou com um rosto engraçado como o do Un real, ele entrega uma performance divertidíssima como um jovem introvertido fã de Katy Perry que dispara mísseis nucleares para ser levado a sério. É também um manipulador nato, o que o coloca como bom antagonista para os “heróis” de Seth Rogen e James Franco, que repetem a mesma química bem-sucedida de Segurando as Pontas. O primeiro mantém sua áurea séria mas inadvertivelmente cômica, enquanto Franco se entrega completamente ao caricato na pele de Skylark, uma mistureba dos tipos mais escandalosos de apresentadores de TV. Aliás, não deixa de ser curioso como tanto A Entrevista quanto o thriller O Abutre discutam, de certa forma, a função do jornalismo.

E também como Segurando as Pontas, o filme faz um balanço eficiente entre as piadas e o humor. Num momento estamos vendo Franco soltar inúmeras referências ao Senhor dos Anéis (“Eu sou gollum, e você é o meu precioso”) e no outro temos um clímax gigantesco que envolve tanques de guerra, metralhadoras e ogivas nucleares. Goldenberg e Rogen evoluem muito como diretores depois do mediano É o Fim (sim, vocês bem sabem que sou um dos poucos que acho o filme só OK), e até aprendem um humor mais sutil ao fotografar a cena da entrevista do título da mesma forma como no ótimo Frost/Nixon (“Daqui a 10 anos, Ron Howard vai fazer um filme sobre nós!”).

A Entrevista é uma comédia divertidíssima que certamente vai agradar aos fãs do humor de Seth Rogen e companhia. Foi injustamente afetado por uma polêmica exagerada, mas não tira o fato de ser uma obra eficiente. Se Kim Jong-un não gostar, problema dele.

Obs: O filme está disponível em VOD em diversos serviços de streaming, mas a estreia no Brasil ainda não definida.

Obs II: Temos algumas participações especiais muito divertidas.

25 pistas para OS VINGADORES – THE AVENGERS

Posted in Especiais with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 25 de abril de 2012 by Lucas Nascimento

Com a estreia de Os Vingadores já nesta sexta, fiz um pequeno especial para marcar a ocasião. Aqui, reúni 25 pistas, escondidas nos filmes anteriores da Marvel, que dão indícios da formação da maior equipe de super-heróis da Terra. Aproveite:

Cronologia dos eventos:

Capitão América – O Primeiro Vingador (2011)| Homem-de-Ferro (2008) | Homem-de-Ferro 2 (2010) | Thor (2011) | O Incrível Hulk (2008)

(só lembrando que alguns eventos são simultâneos)

HOMEM-DE-FERRO (2008)

Pista #1

Logo no começo do filme, após o prólogo da captura de Tony Stark (Robert Downey Jr.), vemos um flashback onde ele é entrevistado pela repórter Christine Everhart (Leslie Bib). Na conversa, ele menciona o envolvimento de seu pai Howard em eventos da Segunda Guerra Mundial. É uma deixa para Capitão América.

Pista #2

Com seu retorno aos EUA, Stark prepara uma coletiva de imprensa após seus meses de captura. Dentre repórteres e jornalistas, é a primeira vez que vemos o Agente Coulson (Clark Gregg), representante da misteriosa empresa SHIELD. Na breve cena, ele deseja saber “as circunstâncias da fuga de Stark”.

Pista #3

Avançando quase ao fim do longa, a próxima pista aparece quando Pepper Potts (Gwyneth Paltrow) surpreende Stark quando este está desmontando sua armadura do Homem-de-Ferro. Bem ao fundo, é possível observar o escudo do Capitão América em estágio de desenvolvimento.

Pista #4

Preparando-se para a coletiva de imprensa onde revelará sua identidade de Homem-de-Ferro, Tony Stark encontra-se novamente com o agente Coulson. Ele promete ficar de olho na situação.

Pista #5

Terminada a projeção, uma cena pós-créditos revela o diretor da SHIELD, Nick Fury (Samuel L. Jackson) aparecendo na residência de Stark. Muito breve, ele fala sobre a Iniciativa Vingadores.

O INCRÍVEL HULK (2008)

Pista #6


Nos créditos de abertura, há referências às Indústrias Stark. O nome de Nick Fury também aparece.

Pista #7

O General Ross (William Hurt) recruta Emil Blonsky (Tim Roth), e esse é submetido ao Soro do Super-Soldado, o mesmo responsável pela criação do Capitão América.

Pista #8

Nos minutos derradeiros do longa, Tony Stark faz uma aparição-surpresa e se encontra com o General Ross, oferecendo uma “ajuda” para o problema Hulk. Ele menciona que uma equipe está sendo formada.

HOMEM-DE-FERRO 2 (2010)

Pista #9

Tony Stark contrata Natalie Romanoff (Scarlett Johanssom) como sua nova assistente. A moça, na verdade, é uma agente da SHIELD que atua sob o codinome de Viúva Negra e marca presença na equipe dos Vingadores.

Pista #10

O agente Coulson retorna, e já solta referências aos dois próximos heróis a surgir: ele encontra o escudo do capitão América na oficina de Stark e menciona uma missão no Novo México…

Pista #11

Nick Fury aparece novamente, e Natalie revela sua real identidade. O diretor da SHIELD tenta convencer Stark a juntar-se à sua Iniciativa. Ele ainda ajuda a encontrar uma cura para sua infecção, trazendo informações deixadas por seu pai (revelado também como um dos fundadores da misteriosa organização).

Pista #12

Ao fim do filme, Stark é visto em um escritório da SHIELD folheando o relatório do projeto dos Vingadores. Ao fundo, podemos pegar relances de uma televisão que mostra o campus da universidade onde Bruce Banner (Edward Norton) foi encurraldo pelo exército em O Incrível Hulk.  A cena se desenrola até o ponto de Stark ser recusado como membro da equipe, servindo apenas como um consultor.

Pista #13

Na cena pós-créditos, o agente Coulson está no Novo México. Ele liga para Nick Fury, dizendo ter encontrado o martelo de Thor preso em uma cratera.

THOR (2011)

Pista #14

As referências em Thor são muito mais diretas. Loki (Tom Hiddleston), irmão do protagonista, já é apresentado como um sujeito traçoeiro desde o início da trama, e sua relação com o Deus do Trovão (Chris Hemsworth) não é das melhores.

Pista #15

Com o banimento de Thor para o Novo México, o agente Coulson é enviado para monitorar a situação.

Pista #16

O professor Andrews Selvig (Stellan Skarsgard) menciona que um colega famoso por trabalhar com radiações em gama (sim, ele está falando do Hulk) se envolveu com a tal SHIELD e nunca mais foi visto.

Pista #17

A fim de recuperar seu martelo, Thor invade a instalação da SHIELD e é capturado. Essa é a primeira vez que vemos o Gavião Arqueiro (Jeremy Renner), agente da organização e futuro membro dos Vingadores.

Pista  #18

Loki envia o Destruidor à Terra para matar Thor. Ele é “recebido” pelo agente Coulson e outros empregados da SHIELD, que perguntam se o robô seria propriedade de Tony Stark. Coulson responde: “eu não sei, o cara nunca me fala nada”.

Pista #19

Tendo derrotado o gigante Destruidor, Thor forma uma aliança com o agente Coulson.

Pista #20

Depois de finalmente retornar à Asgard, Thor enfrenta Loki na Ponte do Arco-Íris e o confronto culmina com a destruição da mesma (cortando assim, a ligação entre Aasgard e a Terra) e o destino incerto de Loki, que cai na escuridão do Universo e é sugado para outro Reino.
Vale anotar: Com a Ponte do Arco-Íris destruída, é impossível que Thor retorne à Terra. Boa sorte para os roteiristas de Os Vingadores resolverem essa.

Pista #21

Na cena pós-créditos, encontramos Nick Fury conversando com o professor Andrews. O diretor da SHIELD revela o objeto místico conhecido como Cubo Cósmico, um dos tesouros de Aasgard. Logo descobrimos que Andrews está sob controle de Loki.

CAPITÃO AMÉRICA – O PRIMEIRO VINGADOR (2011)

Pista #22

Nas cenas inciais, o Caveira Vermelha está em um caçada em busca do Cubo Cósmico, visto no final de Thor.

Pista #23

O jovem Steve Rogers visita a exposição de Howard Stark (Dominic Cooper), e logo se envolve no projeto do Super-Soldado. Nasce o Capitão América, tendo o pai de Tony Stark por trás da tecnologia e uniforme do herói.

Pista #24

Já no clímax do filme, o Capitão confronta o Caveira Vermelha em uma batalha pela conquista do Cubo. No fim, o nazista é misteriosamente sugado para dentro do objeto (é até possível ver um deslumbre de Aasgard), em um desfecho similar ao de Loki. Será que podemos contar com o Caveira em Os Vingadores?

Pista #25

O Capitão é congelado após o conflito com Caveira Vermelha, e depois recuperado 70 anos no futuro. Seu salvador: Nick Fury, que aparece a fim de recrutá-lo para sua equipe.

Conectores

Como extra de seus blu-rays, a Marvel lançou alguns curta-metragens que ajudam a conectar os filmes pré-Vingadores. Os dois são bem divertidos e objetivos, e trazem o Agente Coulson como protagonista. Confira:

The Consultant (Liga Homem-de-Ferro 2 a O Incrível Hulk)

A Funny Thing Happened on the Way to Thor’s Hammer (Liga Homem-de-Ferro 2 a Thor)

As caras de Stan Lee

Perdeu o icônico Stan Lee, co-criador de alguns dos super-heróis mais famosos da Marvel, em algum dos filmes? Vai aí um reminder:

Homem-de-Ferro: Confundido com Hugh Heffner

O Incrível Hulk: Vítima do refrigerante radioativo

Homem-de-Ferro 2: Confundido com Larry King

Thor: Motorista do caminhão que tenta levantar o Mjolnir

Capitão América – O Primeiro Vingador: Coronel que aguarda a condecoração do Capitão.

Observou alguma coisa que não está nesse post? Comente!

Agora é só esperar, Os Vingadores – The Avengers estreia em 27 de Abril.

| Meia-Noite em Paris | História da Arte por Woody Allen

Posted in Comédia, Críticas de 2011, Indicados ao Oscar, Romance with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 27 de junho de 2011 by Lucas Nascimento


Fascinantes Anos 20: Owen Wilson acerta como Gil, apaixonado por Paris

O passado sempre parece mais interessante, enquanto o presente é – na visão de alguns – monótono e deprimente. Essa é uma questão muito bem abordada pelo cineasta e roteirista Woody Allen em seu novo filme, Meia Noite em Paris, que não é só um interessante estudo sobre a nostalgia do ser humano, como também um belíssimo atestado à Arte da Cidade da Luz.

Na trama, Gil é um frustrado roteirista de Hollywood que vai para Paris com sua noiva Inez. Apaixonado pela cidade da década de 20, ele experiencia uma misteriosa jornada pelo passado, onde encontra diversos artistas da época.

Confesso a vocês que não sou familiarizado com o cinema de Woody Allen (assisti apenas a Match Point e Noivo Neurótico, Noiva Nervosa), mas realmente gostei de Meia Noite em Paris. Com uma excelente assinatura também no roteiro (alguns dos melhores diálogos do ano estão aqui), o cineasta trata Paris com imenso carinho e paixão, apresentando belas paisagens na sequência de abertura, em uma bem-vinda forma de apresentar o cenário ao espectador e fazê-lo apaixonar-se pela cidade, da mesma forma como o protagonista Gil.

Vivido por Owen Wilson com um carisma fresco e teor cômico apropriado, Gil acredita que seria mais feliz na Paris dos anos 20, onde escritores e artistas andavam pelas ruas, cafés e festas. De casamento marcado com a irritante Inez (Rachel McAdams, agradável como de costume), a situação se complica quando ela desvia muita atenção para o historiador Paul (Michael Sheen, o impagável “homem de chuveiros”), enquanto ele sente-se inseguro quanto a qualidade do romance que escreve. A partir daí o protagonista embarca em uma surreal viagem ao passado, que além de divertida é um verdadeiro passeio cultural.

É genial como Allen retrata a época. Optando por uma fotografia mais nostálgica e brilhante, acerta na medida em que somos maravilhados com participações antológicas de celebridades da época, como o escritor Ernest Hemingway (Corey Stoll, ótimo), Gertrude Stein (Kathy Bates, na medida certa) e do excêntrico pintor surrealista Salvador Dalí, que ganha uma versão divertidíssima do excelente Adrien Brody, que só pelo diálogo dos rinocerontes merecia uma indicação ao Oscar. E, felizmente, o cineasta jamais preocupa-se em explicar a jornada surreal de Gil, podendo ser resultado de um devaneio do protagonista ou um elemento fantástico. É isso que torna a experiência onírica do personagem tão única.

Mais do que isso, é interessante a mensagem que o diretor consegue transmitir quanto ao desejo de Gil de viver no passado. Maravilhado com a surreal possibilidade de conhecer seus ídolos, ele descobre por meio de uma amante de Picasso chamada Adriana (Marion Cotillard, eficáz e belíssima) que seus habitantes não são tão satisfeitos em relação à época quanto ele. Allen sugere subjetivamente que o passado é sempre mais interessante porque não o vivemos, ao passo que o presente é simplesmente tedioso – levando a uma brilhante reviravolta envolvendo Adriana -, mas que talvez ele seja visto com outros olhos futuramente, sendo atraente para um indivíduo em um incessante efeito dominó…

Divertidíssimo e com roteiro fabuloso, Meia Noite em Paris é um belíssimo atestado à Cidade da Luz e seus artistas, também apresentando um elenco equilibrado e uma bela mensagem sobre a valorização do presente e o poder que o tempo possuí sobre a arte. Algo que certamente Woody Allen compreende bem…