Arquivo para Penelope Cruz

| O Conselheiro do Crime | Requintada trama perde-se em sua subjetividade

Posted in Cinema, Críticas de 2013, Drama, Suspense with tags , , , , , , , , , , , , on 25 de outubro de 2013 by Lucas Nascimento

3.0

TheCounselor
Da nave Prometheus para o México: Michael Fassbender reúne-se com Ridley Scott

É insanamente frustrante quando um projeto se perde em sua própria ambição. Constantemente nos deparamos com tal cenário em blockbusters, mas fiquei surpreso ao reencontrá-lo aqui, em O Conselheiro do Crime. Com um elenco grandioso e um roteiro promissor, é até difícil de acreditar como uma história simples conseguiu se perder tanto ao visar a complexidade.

A trama gira em torno de um advogado (Michael Fassbender) identificado apenas como “doutor (counselor, erroneamente traduzido como “conselheiro” no título nacional) que aceita participar de uma operação de tráfico de drogas com o cliente Reiner (Javier Bardem) e o colega Westray (Brad Pitt). Quando a situação é afetada pela “guerra de drogas” da região fronteiriça entre EUA e México, não demora para que o advogado tenha sua vida, e a de sua noiva (Penelope Cruz), ameaçada pelos cruéis sujeitos envolvidos.

Marcando a estreia do célebre escritor Cormac McCarthy em produções cinematográficas, O Conselheiro do Crime traz uma premissa aparentemente simples, mas que revela-se mais intrincada a cada reavaliação. Seu roteiro aposta em uma série de cenas subjetivas e, à primeira vista, irrelevantes, mas que lentamente preparam o terreno para uma vindoura ação; vide o momento no qual um sujeito entra em uma concessionária e calmamente tira as medidas de uma motocicleta, partindo logo em seguida. Mesmo que seja uma decisão ousada (e que, em teoria, desperte a atenção do espectador), a sucessão de eventos “isolados” torna a experiência evasiva e até mesmo cansativa, ganhando valor apenas quando juntamos as peças para solucionar sua conclusão (nesse quesito, é interessantíssimo reparar na presença de pintas de leopardo tatuadas nas costas da personagem de Cameron Diaz e até na constante aparição do próprio animal).

Uma rede pegajosa e repleta de personagens e ações, mas ainda assim é um trabalho mais fácil para o diretor Ridley Scott após ir remexer na mitologia de Alien com o grandioso Prometheus. Seguindo confiante no texto de McCarthy, Scott é hábil ao capturar belas imagens com o auxílio da fotografia quente de Dariusz Wolski e, principalmente, ao criar momentos de tensão ascendente onde o elenco estelar possa trabalhar à vontade. Mesmo que traga o sempre ótimo Michael Fassbender no topo dos créditos, Javier Bardem rouba a cena ao fazer um personagem colorido e estranhamente inserido àquele universo violento (curioso como ambos os personagens criados por McCarthy e interpretados por Bardem compartilhem de cabeleiras bizarras – vide Anton Chighurn em Onde os Fracos Não têm Vez) enquanto Cameron Diaz compõe uma personagem que certamente foi escrita com a Sharon Stone dos tempos de Instinto Selvagem em mente – aquela ousada cena do carro, uau. Por fim, Pitt e Cruz têm papéis menores, mas conseguem traduzir suas respectivas características (experiência no negócio sujo e fragilidade diante de uma situação perigosa) com sutis nuances.

Pontuado acertadamente por uma tensa música de Daniel Pemberton, O Conselheiro do Crime é um thriller engenhoso, mas que acaba soando vazio em decorrência de seus excessos de subjetividade e até incompreensível por motivos similares.

Obs: Como fã da série Breaking Bad, fiquei feliz ao ver o ator Dean Norris (intérprete de Hank Schrader) em um papel pequeno que, ironicamente, o coloca do outro lado da lei.

Anúncios

Primeiro trailer de THE COUNSELLOR

Posted in Trailers with tags , , , , , , , , , , on 25 de junho de 2013 by Lucas Nascimento

counselor

O novo filme de Ridley Scott acaba de ganhar seu primeiro trailer teaser. The Counsellor traz Michael Fassbender na pele de um advogado que se envolve em situações perigosas e figuras vividas por Brad Pitt, Penelope Cruz, Cameron Diaz e um bizarro Javier Bardem. O roteiro é assinado por Cormac McCarthy, autor do livro que inspirou Onde os Fracos Não Têm Vez. Promissor, confira:

The Counsellor estreia nos EUA em 25 de Outubro.

| Para Roma, com Amor | Woody Allen ataca de pizzaiolo

Posted in Cinema, Comédia, Críticas de 2012, Romance with tags , , , , , , , , , , , , on 29 de junho de 2012 by Lucas Nascimento


Jesse Eisenberg e Ellen Page no melhor segmento do filme

Após uma grande quantidade de filmes abientados em Nova York, Woody Allen continua instalado na Europa. Depois do magnífico Meia-Noite em Paris no ano passado (que, confesso, foi o catalisador do meu interesse no cineasta), Allen ataca a capital italiana em Para Roma, com Amor, uma divertida coleção de histórias bem-humoradas.

Apesar de nunca se cruzarem, o desenrolar acontece de forma intrincada, característica narrativa que mostra-se tanto um pró como um contra do longa. Com apenas 102 minutos de projeção, a verdade é que com tantas reviravoltas e situações, o tempo parece passar mais devagar, ainda que a montagem do filme equilibre os momentos eficientemente e crie um bom ritmo.

A melhor das quatro tramas (ou pelo menos a que mais me chamou atenção) é a que traz o bem-sucedido arquiteto John (Alec Baldwin). Em uma inteligente parábola com o fato de Roma apresentar ruínas, o personagem resolve explorar suas próprias “ruínas” ao revisitar um antigo relacionamento, onde ganha as feições de Jesse Eisenberg e dialoga constantemente com sua versão jovem. Apaixonado pela melhor amiga de sua namorada (a ótima Ellen Page, que exala narcisismo a cada segundo), Eisenberg e Baldwin geram um estudo estimulante e roubam o filme.

Há também o retorno de Woody Allen à atuação, no mais engraçado segmento da trama. Aqui, um casal viaja a Roma para conhecer o noivo de sua filha e o personagem de Allen se surpreende ao descobrir que seu sogro é um impecável cantor de ópera, mas com um detalhe: apenas no chuveiro. Além de proporcionar muitas risadas (vide a solução absurda encontrada no clímax), traz o diretor/roteirista praticamente conversando com a plateia, afirmando que “a aposentadoria é o mesmo que a morte” e como estava “à frente de seu tempo” em diálogos bem construídos e irônicos (acontece que o sujeito que promete trazê-lo de volta ao trabalho é funcionário de uma funerária).

As outras duas não se mostram tão estimulantes como as descritas acima, mas trazem conceitos interessantes. Nesse quesito, a protagonizada por Roberto Benigni é a que se encaixa melhor, ao retratar um homem comum que transforma-se em uma celebridade do dia-pra-noite, sem um motivo aparente (“Você é famoso por ser famoso). Um ótimo cenário para que o roteiro de Allen critique e satirize as ações (e pessoas) estúpidas que vão ganhando fama diariamente. Por último e menos importante, a estonteante Penelope Cruz é o que faz valer o segmento que traz um casal certinho enfrentando testes de fidelidade e impulsos.

Para Roma, com Amor é bem melhor do que eu esperava e oferece uma das atrações mais divertidas do ano. O trocadilho é horrível, mas não resistirei: é uma pizza de variados sabores (comédia, romance, crítica social, o sentimento da nostalgia), que, ao fim, nos faz querer repetir o prato.

| Piratas do Caribe – Navegando em Águas Misteriosas | A franquia começa a afundar

Posted in Aventura, Cinema, Críticas de 2011 with tags , , , , , , , , , , , , , , , on 21 de maio de 2011 by Lucas Nascimento

 

PIRATES OF THE CARIBBEAN - ON STRANGER TIDES
London Calling: Jack Sparrow entra numa fria maior ainda na cidade do Rei

Navegando em Águas Misteriosas (cujo título eu detesto) é o primeiro filme da franquia Piratas do Caribe que não conta com a direção de Gore Verbinsky. E os problemas começam por aí; mesmo que pontualmente divertido e agrádavel, a quarta aventura do capitão Jack Sparrow é de longe o pior deles.

Na trama, o Capitão Jack Sparrow parte para uma expedição em busca da mística Fonte da Juventude, em companhia de sua ex-namorada Angelica (a sexy Penelope Cruz) e do cruel pirata Barba Negra (Ian Mcshane), ao mesmo tempo em que o capitão Barbossa (Geoffrey Rush) tenta alcançá-los.

Mesmo com a fragilidade narrativa de No Fim do Mundo (que exagera nas subtramas e reviravoltas), o novo filme consegue ser ainda inferior, começando pelo fraco roteiro de Ted Elliott e Terry Rossio, que – desde a campanha de marketing da produção – não conseguiu me animar. Em diversos momentos da trama, o clima é levado pela monotomia, como se nada de relevante (ou interessante) estivesse acontecendo, mesmo que soltem umas boas piadas. Se o terceiro filme era comprido e confuso, este é simplesmente sem graça, por não introduzir elementos fantásticos tão fascinantes como, por exemplo, Davy Jones e The Flying Dutchman; o máximo que temos dentro desse conceito são as sereias que, além de belíssimas, mostram-se uma boa adição à trama.


O casal Phillip e Syrena entram no lugar de Will e Elizabeth, com resultados frustrantes

Carece também de personagens… Claro, Johnny Depp se salva com seu sempre divertido e cara-de-pau Jack Sparrow, mas os novos rostos são difíceis de simpatizar. Penelope Cruz está linda e carismática como Angelica e Geoffrey Rush continua bem como Barbossa. Do outro lado, Ian Mcshane faz muita cara de mau como Barba Negra, mas a personalidade maldosa é definida mais por suas ações do que pela performance do ator(que saudade do Bill Nighy). E qual a lógica de trocarWill e Elizabeth (Orlando Bloom e Keira Knightley) pelos artificiais e mal explorados Phillip e a sereia Syrena (Sam Claflin e a lindíssima Astrid Berges-Frisbey) como núcleo romântico?

O diretor Rob Marshall também não ajuda. Com uma direção absolutamente simples, mas sem personalidade alguma, o cineasta especializado em musicais raramente acerta. Carente de imaginação nas medianas cenas de ação (a melhor delas sendo uma perseguição com carruagens) e com descontrole no tom, apesar de eu ter que admitir seu eficiente trabalho na cenas das sereias, onde a tensão criada é aterradora.

Com mais centenas de milhões de dólares de orçamento, a parte técnica do filme é excelente mas, retomando o que eu comentei sobre o roteiro de Elliott e Rossio, não temos muitos cenários interessantes como os dos filmes anteriores – a maior beleza encontra-se em locações reais. Os efeitos visuais são bacanas e a trilha sonora de Hans Zimmer ganha uma vibrante contribuição mexicana: a dupla Rodrigo y Gabriela, cujas composições traduzem a personalidade (e nacionalidade) de Angelica. Temos também o 3D que, mesmo narrativamente descartável, é pontualmente divertido.

Piratas do Caribe – Navegando em Águas Misteriosas mostra que a franquia já está cansando – o próprio terceiro filme começou a desandar -, mesmo que Jack Sparrow continue sujeito divertido de sempre. Não vejo problema em uma quinta aventura, mas seria necessário um diretor muito mais talentoso e um roteiro mais empolgante. Há muito mais lendas pelos sete mares do que apenas sereias…

Obs: Como de costume na franquia, há uma cena pós-créditos bem divertida…

O Mundo e os Sete Mares | Especial PIRATAS DO CARIBE – NAVEGANDO EM ÁGUAS MISTERIOSAS

Posted in Especiais with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 17 de maio de 2011 by Lucas Nascimento

Yo-ho e uma garrafa de rum! Certo, está estreando mundialmente nos cinemas Piratas do Caribe – Navegando em Águas Misteriosas, que promete mais Jack Sparrow para o público. Acompanhem o especial:


Johnny Depp e o diretor Rob Marshall

Em 2007, parecia que a franquia bilionária de Piratas do Caribe teria feito sua última aventura, com o mediano capítulo entitulado No Fim do Mundo. Mas mesmo com críticas ruins, o filme garantiu uma excelente arrecadação nas bilheterias e o Jack Sparrow de Johnny Depp tornara-se um ícone do cinema moderno. A Disney e o produtor Jerry Bruckheimer nem hesitaram: a quarta aventura ia sair.

Para o camaleão Johnny Depp isso não seria problema, já que o ator compartilhou diversas vezes sua alegria e prazer em fazer o personagem; ,o entanto, o diretor Gore Versbinsky anunciou sua saída do comando da franquia para aventurar-se em novos projetos (como Rango, com o próprio Depp). Então, inicia-se a busca pelo novo diretor e o contratado foi Rob Marshall (especializado em musicais, como Chicago e Nine); será que tem número musical no filme?

Johnny Depp em PIRATAS DO CARIBE - NAVEGANDO EM ÁGUAS MISTERIOSAS
Sem Will ou Elizabeth, Jack Sparrow agora é o centro das atenções

Além de Gore Verbinsky, dois protagonistas da trilogia original recusaram convite para a quarta aventura: Keira Knightley e Orlando Bloom, que duvidavam dos rumos de seus personagens e, como Verbinsky, queriam tentar novos papeis. O que faz com que Jack Sparrow segure boa parte do filme sozinho…

Com diretor fechado e roteiro – baseado sutilmente no livro On Stranger Tides de Tim Powers – escrito pela habitual dupla da franquia Ted Elliott e Terry Rossio, as filmagens ambientadas no Havaí, Califórnia e Londres começam. Entrando na onda do 3D, o filme teve parte de suas filmagens realizada com câmeras dessa tecnologia, usando a conversão apenas em momentos específicos. Na trilha sonora, o responsável é (novamente) o genial Hans Zimmer, que dessa vez faz uma parceria com o dueto Rodrigo y Gabriela.

Piratas do Caribe – Navegando em Águas Misteriosas também pretende iniciar uma nova trilogia, mas com círculo de trama fechado – diferentemente da trilogia original – e que apresente novas histórias. Só espero que saibam a hora de parar.

Capitão Jack Sparrow | Johnny Depp

Ainda bêbado e excêntrico, Jack precisa agora encontrar, a pedido dos ingleses, a mística Fonte da Juventude. Dessa vez, sem o seu precioso Pérola Negra, o que o leva a embarcar no Queen Anne’s Revenge, o navio do temível Barba Negra e retomar uma aliança com Hector Barbossa, sua antiga tripulação e sua ex-namorada Angelica.

Hector Barbossa | Geoffrey Rush

Saído de seus dias de pirataria, Barbossa agora é um corsário no reino de George II e capitão de um navio chamado HMS Providence. Ele aceita ajudar Jack em sua busca pela Fonte, alertando-os sobre os perigos que virão pelo caminho.

Angelica | Penélope Cruz

Filha de Barba Negra, Angelica é uma excêntrica ex-namorada de Jack, que rapidamente tenta convencê-lo a ajudar seu pai durante a busca pela Fonte, nunca demonstrando se seria amor ou interesse.

Barba Negra| Ian McShane

O pirata mais temido dos sete mares, Barba Negra está desesperado para ter sua juventude de volta, por isso vai atrás da Fonte e não mede esforços para encontrá-la. É capitão do Queen Anne’s Revenge.

Previously on Pirates of the Caribbean…

A Maldição do Pérola Negra (2003)

Grande surpresa em sua época de lançamento, a aventura apresentava uma energia contagiante misturada com uma cativante história e um ótimo elenco, liderado por Johnny Depp no papel principal (que lhe rendeu uma indicação ao Oscar de Melhor Ator). Um divertido e genuíno entrenimento.

Arrecadação nas Bilheterias: Us$ 655,011,224

O Baú da Morte (2006)

Com uma bilheteria bilionária, o segundo filme é mais complexo e sombrio, apresentando personagens interessantes (o Davy Jones de Bill Nighy entra para a história) e rumos diferentes de seu anterior, mas ainda flertando com elementos sobrenaturais. As cenas de ação são melhores e Depp continua perfeito no papel.

Arrecadação nas Bilheterias: Us$ 1,065,659,812

No Fim do Mundo (2007)

Aqui a franquia vai por água abaixo ao explorar novos elementos e arriscar reviravoltas constantes e incompreensíveis, tornando o filme uma bagunça estrutural e de roteiro, apesar de conter excelentes efeitos visuais, uma batalha final memorável e mais uma carismática performance de Depp.

Arrecadação nas Bilheterias: Us$ 960,996,492

Algumas apostas que a Disney e Bruckheimer vêm fazendo na desesperada tentativa de encontrar um substituto para Piratas:

A Lenda do Tesouro Perdido

Provavelmente o mais sucedido, as aventuras de um grupo de caçadores de tesouro é muito divertida e leve, no mesmo tom de aventura de Piratas, apresentando boas ideias e uma execução formidável. Gerou dois filmes, sendo que o primeiro é superior em quase todos os aspectos. 

Príncipe da Pérsia

Não assisti à adaptação do popular videogame, mas a intenção em criar uma nova franquia é bem evidente… O primeiro não me chama a atenção, o que dirá uma sequência?

O Aprendiz de Feiticeiro

A mais patetica tentativa de iniciar uma franquia já feita em muito tempo… Não só Piratas, mas também apresenta elementos de Harry Potter, DragonBall, Star Wars… Tudo num fiapo de roteiro que entrega-se ao ridículo e dá espaço a bons efeitos visuais. Eu não veria outro desse…

Aqui, uma pequena aula de História sobre alguns piratas famosos:

Barba Negra, vulgo Edward Tech

Um dos mais notórios e famosos piratas de todos os tempos – presente no quarto Piratas do Caribe –, Edward Tech era um corsário a serviço da Coroa Britânica, mas voltou-se para a pirataria e tornou-se capitão do Queen Anne’s Revenge. Cruel e amedrontador, assustava sua tripulação e inimigos ao colocar uma lanterna nas tranças de sua barba, dando a impressão de sua cabeça estar em chamas.

Diz a lenda que Barba Negra escondeu um valiosíssimo tesouro, nunca encontrado por ninguém…

Edward England

Famoso pirata irlandês, era capitão do The Royal James e velejava como a clássica bandeira Jolly Roger. Não era tão desprezível e não matava seus prisioneiros, o que levou a sua decadência: foi amutinado por sua tripulação e depois abandonado na ilha de Maritius, onde mendigou por comida até morrer.

Calico Jack, vulgo John Rackman

Pirata inglês que operava principalmente nas Bahamas, ganhou o apelido em consequência de suas roupas de tecido calico e destacou-se por ter duas tripulantes femininas em sua tripulação (Anne Bonny e Mary Read, famosas piratas que tornaram-se suas amantes). Foi caçado e morto em Royal Port, deixando Anne e Mary grávidas.

Thomas Cavendish

Explorador, almirante e temível corsário inglês, Thomas Cavendish atacou principalmente, territórios brasileiros que incluem São Paulo, vilas de Santos e São Vicente e Espírito Santo, onde foi emboscado em uma batalha e severamente ferido. Thomas morreu após esse ataque.

Bart, o Negro, vulgo Bartholomew Roberts

Um dos maiores piratas da “Era Dourada”, capturou mais de 470 barcos, da América (com direito a visitas no Brasil, com destaque para a Baía de Todos os Santos na Bahia) até o Oeste Africano, entre 1719 e 1722.

Aqui, trago uma galeria das mais famosas “Jolly Roger”, bandeiras que os piratas exibiam em seus navios:

Barba Negra

Calico Jack

Edward England

Henry Every

Edward Low

Christopher Moody

Bartholomew Roberts

Thomas Thew

Hans Zimmer está de volta na trilha de Navegando em Águas Misteriosas, relembremos aqui algumas de suas melhores contribuições para a franquia:

(Obs: Zimmer só compôs para O Baú da Morte e No Fim do Mundo, a ótima trilha do primeiro filme ficou a cargo de Klaus Badelt)

“Davy Jones”

“The Kraken”

“Parlay”

“Singapore”

“Up is Down”

Bônus: Preview da trilha de Navegando em Águas Misteriosas (com Rodrigo y Gabriela)

“Angelica” e “On Stranger Tides” por enquanto são os melhores…

Bem, o especial vai ficando por aqui; espero que tenham gostado e aguardem pela crítica do novo filme. Até!

Novidades de Piratas do Caribe 4

Posted in Notícias with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , on 15 de abril de 2010 by Lucas Nascimento

É, Piratas do Caribe: On Stranger Tides realmente saiu do papel. Houveram muitas notícias e contratações e vou dizer tudo sobre isso agora. Primeiro, vale lembrar que Johnny Depp assume o manto de Jack Sparrow, desculpe, Capitão Jack Sparrow, que irá atrás da Fonte da Juventude. Orlando Bloom e Keira Knightley recusaram reprisar seus papéis, então diga adeus ao casal Will e Elizabeth (Graças a Deus!). Geoffrey Rush também retorna como Barbossa.

De caras novas, temos o diretor Rob Marshall (Chicago, Nine) que move as filmagens para o Havaí. O vilão será o clássico pirata Barba Negra, que será vivido por Ian McShane. Há também sua filha, vivida por Penélope Cruz e a recente contratação da atriz francesa Astrid Bergès-Frisbe, no papel de uma sereia.

O filme tem estreia marcada para 20 de Maio de 2011, e será filmado com câmeras 3D e também, passará pela conversão da pós-produção, já que algumas cenas são bem complicadas de se gravar com as pesadas câmeras 3D. Veremos se eu filme promete. É cedo pra dizer.

E o Oscar vai para…(Parte I) Atuações

Posted in Especiais, Prêmios with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 25 de fevereiro de 2010 by Lucas Nascimento

O Oscar já está chegando… Já fez suas apostas? Não? Bem, estou fazendo um especial gigante aqui no blog, onde avaliarei todas as categorias do Oscar, dando palpites e comentários. Na primeira parte, vamos falar sobre as atuações. Vamos lá:

Melhor Ator

Jeff Bridges (Coração Louco)

  Não tem outra. Esse ano, Jeff Bridges leva a estatueta com certeza. Já levou o Globo de Ouro, SAG e é o favorito. Coração Louco ainda não foi lançado no Brasil, então não tenho como formular minha opinião se ele merece ou não. Mas pelo que eu tenho visto em trailers e clipes, acho que é merecido.

 

Indicações ao Oscar3 Indicações por Starman – O Homem das estrelas, A Conspiração e Coração Louco; 2 Indicações por A Última sessão de Cinema O Último Golpe como Ator Coadjuvante. 

Morgan Freeman (Invictus)

 Morgan Freeman é meu ator preferido. Quando eu soube que ele interpretaria Nelson Mandela em um filme de Clint Eastwood, na hora eu falei pra eu mesmo: Ele leva o Oscar. Assisti ao filme e achei Freeman excelente como sempre, apesar de não nos dar a melhor interpretação de sua carreira, como eu esperava, mas capturou com perfeição o jeito e a persona de Nelson Mandela.

Indicações ao Oscar: 1 Vitória por Menina de Ouro como Ator Coadjuvante; 3 indicações por Dirigindo Miss Daisy, Um Sonho de Liberdade e Invictus como Ator e 1 indicação por Street Smart.

 George Clooney (Amor sem Escalas)

  George Clooney é um excelente ator. O papel principal de Amor sem Escalas casou perfeitamente com seu jeitão charmoso. Clooney vai mudando a persona de acordo com seu personagem e é uma mudança inteligente, um amadurecimento. Até que ele merecia levar seu primeiro Oscar de Ator protagonista, mas a concorrência está forte.

 

Indicações ao Oscar: 1 Vitória por Syriana – A Indústria do petróleo como Ator Coadjuvante; 2 Indicações por Conduta de Risco e Amor sem Escalas como Ator; 1 Indicação por Boa Noite e Boa Sorte como Diretor e Roteirista.

Colin Firth (Direito de Amar)

Colin Firth é, na minha opinião, um ator razoavelmente bom. Fez muitas comédias românticas medianas, que eu geralmente passo longe. Entretanto, vi o trailer e alguns clipes de A Single Man e reconheço que Firth está excelente no papel. Sério, mas com um tom meio irônico, meio insano. Se não houvesse o favoritismo para Jeff Bridges, ele teria grandes chances.

Indicações ao Oscar: 1 Indicação por Direito de Amar como Ator.

Jeremy Renner (Guerra ao Terror)

Jeremy Renner é um ator americano pouco conhecido, mas que mostrou muita garra e emoção no papel principal de Guerra ao Terror. Interpreta um soldado que desarma bombas e adora o que faz, deixando de lado o trabalho em equipe. Mas o personagem muda durante o filme, e Renner não decepciona.

 

Indicações ao Oscar: 1 Indicação por Guerra ao Terror como Ator.

Melhor Atriz

Sandra Bullock (Um Sonho Possível)

  Eu nunca achei que um dia Sandra Bullock chegaria até aqui. Eu sempre gostei dela nas comédias, e acho que poucas pessoas não aprovam a indicação e favoritismo da atriz ao Oscar. Pelos trailers e clipes, Bullock não está lá grande coisa, mas pra avaliar uma atuação, é preciso ver o filme inteiro. Aposto nela por ter levado o Globo de Ouro e o SAG.

 

Indicações ao Oscar: 1 Indicação por Um Sonho Possível como Atriz.

Meryl Streep (Julie & Julia)

 Meryl Streep é, incontestavelmente, uma das melhores atrizes do cinema. Quase todo ano ela está lá, recebendo uma indicação. Pelos trailers de Julie & Julia, pude reparar no conforto da atriz em retratar uma das mais importantes cozinheiras americanas. Elá está maravilhosa e fenomenal, como sempre. Se Bullock não ganhar, Streep pode garantir seu terceiro Oscar.

Indicações ao Oscar: 1 Vitória e 11 Indicações por A Escolha de Sofia, A Mulher do Tenente Francês, Silkwood – O Retrato de uma coragem, Entre dois amores, Ironweed, Um grito no Escuro, Lembranças de Hollywood, As pontes de Madison, Um amor verdadeiro, Música do Coração, O Diabo veste Prada, Dúvida e Julie & Julia como Atriz e 1 Vitória e 2 Indicações por Kramer vs. Kramer, Adaptação e O Franco-Atirador como Atriz Coadjuvante.

Helen Mirren (The Last Station)

 Excelente atriz. É o que tenho a dizer sobre Helen Mirren, ela é uma das melhores atrizes na ativa e sua vitória por A Rainha é mais que merecida. Sua performance em The Last Station é comovente, mas esse ano ela perdeu um pouco de destaque perto das concorrentes.

 

Indicações ao Oscar: 1 Vitória e 1 indicação por A Rainha e The Last Station como Atriz e 2 Indicações por As Loucuras do Rei George e Assassinato em Gosford Park.

Carey Mulligan (Educação)

 A inglesa pouco conhecida é, de longe, o que torna o filme Educação assístivel. Sua performance como a estudante de 16 anos que se envolve com um homem mais velho é memorável. É interessante observar sua mudança de personalidade, estilo e suas cenas dramáticas são excelentes. É uma indicação mais que merecida.

 

Indicações ao Oscar: 1 Indicação por Educação como Atriz.

Gabourey Sidibe (Preciosa – Uma História de Esperança)

Nunca tinha ouvido falar de Gabourey Sidibe antes de ela estrelar Preciosa, mas devo dizer que sua performance é espetacular. Seu papel é bem trágico  o que rende cenas muito fortes e emocionantes da atriz. Sempre com um jeito depressivo e delicado, Gabourey possui cenas muito tensas com a atriz Mo’Nique, o grande trunfo do filme.

 

Indicações ao Oscar: 1 Indicação por Preciosa como Atriz.

Melhor Ator Coadjuvante

Christoph Waltz (Bastardos Inglórios)

 O austríaco Christoph Waltz que interpreta o impiedoso Col. Hans Landa na saga de Segunda Guerra Mundial, é uma das únicas certezas do ano. O oscar está praticamente em suas mãos, têm recebido muitos elogios e, devo dizer, extremamente merecidos. Waltz deu vida a um dos melhores vilões do cinema recente, frases memoráveis… Têm tudo para ficar na história. That’s a Bingo!

Indicações ao Oscar: 1 Indicação por Bastardos Inglórios como Ator Coadjuvante.

Woody Harelson (O Mensageiro)

 Woody Harelson é um ator que eu aprecio muito. Ele se sai muito bem nos dramas, mas ele tem um tom muito irônico, ele serve perfeitamente para comédias, e nelas, ele se solta de uma maneira que você nem o reconhece como ator dramático. Sobre O Mensageiro, Harelson está muito bem nos trailers e clipes.

 

Indicações ao Oscar: 1 Indicação por O Povo contra Larry Flint como Ator e 1 Indicação por O Mensageiro como Ator Coadjuvante. 

Matt Damon (Invictus)

Matt Damon recentemente é um cara de ação, devido a trilogia Bourne, mas ele sabe se apegar ao lado dramático uma ou duas vezes. Em Invictus, ele interpreta um jogador sul-africano e, devo dizer, me supreendi com sua performance, de longe a melhor de sua carreira. Mas esse não é o ano do sr. Damon, que tem poucas chances contra Christoph Waltz. 

Indicações ao Oscar: 1 Vitória e 1 Indicação por Gênio Indomável como Co-roteirista e Ator.

Stanley Tucci (Um olhar no Paraíso)

Stanley Tucci é um ator que eu respeito muito. Gosto muito como ele varia seus papéis, que vão de um chefe estressado de aeroporto até editor de uma revista de moda. No novo filme de Peter Jackson, o ator ficou com um papel complicado: o vizinho que estupra e mata uma garota de 14 anos. Papel bem misterioso e, pelo que diz a crítica lá fora, Tucci desaparece no papel.

Indicações ao Oscar: 1 Indicação por Um Olhar do Paraíso como Ator Coadjuvante.

Christopher Plummer (The Last Station)

Confesso que não sou muito familiarizado com o trabalho de Christopher Plummer, lembrando-o apenas por papéis mais coadjuvantes, como sua dublagem em Up – Altas aventuras. Junto com Helen Mirren, os dois fazem a força e a diferença em The Last Station.

 

Indicações ao Oscar: 1 Indicação por The Last Station como Ator.

Melhor Atriz Coadjuvante

Mo´Nique (Preciosa – Uma História de Esperança)

A favorita da categoria, já é certeza que leva a estatueta. Ganhou o Globo de Ouro, SAG, Oscar garantido. Pelo que eu sei, Mo’Nique era uma atriz cômica, mas em sua performance como a mãe de Precious, não há nenhum traço cômico. É uma atuação forte, poderosa e extremamente tensa. É difícil descrever com palavras.

 

Indicações ao Oscar: 1 Indicação por Preciosa – Uma História de Esperança como Atriz Coadjuvante. 

Anna Kendrick (Amor sem Escalas)

Ela estava lá na Saga crepúsculo recentemente, mas sua presença passou quase que despercebida. Anna Kendrick é a novata que mais me impressionou no complexo Amor sem Escalas. Ela está maravilhosa e bem confortável no papel, séria e transmitindo com perfeição suas emoções. Simplesmente excelente, se continuar assim, tem um futuro promissor.

Indicações ao Oscar: 1 Indicação por Amor sem Escalas como Atriz Coadjuvante.

Vera Farmiga (Amor sem Escalas)

Vera Farmiga e Anna Kendrick parecem competir para ver quem é melhor em Amor sem Escalas. Ambas estão excelentes, mas Kendrick ganha a disputa. Entretanto, Vera Farmiga não faz feio e dá uma excelente atuação cheia de emoção e talento. Mas é ofuscada pela ótima Anna Kendrick.

 

Indicações ao Oscar: 1 Indicação por Amor sem Escalas como Atriz Coadjuvante.

Maggie Gylenhaal (Coração Louco)

Devo admitir que nunca achei Maggie Gylenhaal grande coisa, e fiquei mais que surpreso quando vi que ela havia recebido uma indicação por Coração Louco. Não dá pra ter uma opinião formada apenas por suas cenas no trailer, que ao todo devem dar uns 15 segundos. Mas ela me parece razoável. Nada mais, nada menos.

 

Indicações ao Oscar: 1 Indicação por Coração Louco como Atriz Coadjuvante.

Penélope Cruz (Nine)

Saiu do último Oscar com a estatueta nas mãos por Vicky Cristina Barcelona e aqui está ela novamente sendo indicada. Eu acho Penélope uma excelente atriz, todos os seus papéis são bem interpretados e tem um charme pessoal. No filme Nine, ela parece ter ficado com o papel mais cômico, soltando a voz em palcos. Pelo trailer ela está Ok.

Indicações ao Oscar: 1 Vitória e 1 indicação por Vicky Cristina Barcelona e Nine como Atriz Coadjuvante e 1 Indicação por Volver como Atriz.

Bem, a primeira parte encerra-se aqui. Deixe comentários e volte amanhã para a segunda parte. Até lá.