Arquivo para ralph fiennes

| 007 Contra Spectre | Crítica

Posted in Ação, Aventura, Cinema, Críticas de 2015 with tags , , , , , , , , , , , , , , , on 4 de novembro de 2015 by Lucas Nascimento

3.5

SPECTRE
Antes tarde do que nunca: a primeira neve do 007 de Daniel Craig

Não é pra qualquer franquia a habilidade de se manter por 53 anos, 24 filmes e 6 atores. É surpreendente como um personagem tão explorado quanto 007 conseguiu ganhar diversas reinvenções ao logo desse tempo, em especial aquelas vistas com Daniel Craig em Cassino Royale e Operação Skyfall, que atualizaram o estilo de personagem para o século XXI ao mesmo tempo em que preservaram suas raízes. Marcando a quarta aparição de Craig como Bond, 007 Contra Spectre reúne – quese – toda a equipe de volta para tentar superar o sucesso do antecessor, e não é surpresa que um raio não cai duas vezes no mesmo lugar.

Na trama, James Bond procura mais pistas sobre seu passado após uma missão explosiva na cidade do México. A investigação acaba levando-o até Roma, onde descobre a existência de uma nebulosa organização criminosa conhecida como Spectre, chefiada pelo misterioso Franz Oberhauser (Christoph Waltz) e que parece estar por trás de diversas fatalidades na vida do espião.

Tudo bem, não é tarefa fácil superar Skyfall. Foi um dos filmes mais bem avaliados da série, o mais rentável da história do Reino Unido, vencedor BAFTA e dois Oscars e também um longa certeiro e nostálgico para os 50 anos do personagem. Sam Mendes retorna à cadeira de diretor, assim como os roteiristas John Logan, Robert Wade e Neil Purvis, que – não surpreendentemente – acabam caindo na armadilha de tornar Spectre parecido demais com Skyfall. Novamente temos Bond agindo em uma missão pessoal, novamente o MI6 enfrenta pressão do governo para justificar sua existência num mundo moderno (curiosamente, mesma situação que afetou a IMF em Missão: Impossível – Nação Secreta) e por aí vai. A repetição também se manifesta nos diálogos sem muita profundidade e mais interessados em entregar one liners falhos e sem imaginação (“Fiquei sem balas”, dado o contexto de uma cena específica, é broxante), ainda que algumas raras exceções funcionem: o humor pontual é ótimo, como quando Bond tem sua queda de um prédio interrompida por um sofá ou sua sincera reação ao novo ferimento de um oponente.

Mais do que qualquer outro filme da série, Spectre preocupa-se em conectar seus filmes, indo além das casuais referências nostálgicas (Sam Mendes claramente adora Viva e Deixe Morrer). Os eventos e personagens de CassinoQuantum of SolaceSkyfall são retomados fortemente aqui, criando uma relação megalomaníaca com o Oberhauser de Christoph Waltz, que oferece uma performance vilanesca típica de Hans Landa e promete agradar os fãs mais saudosistas com sua aguardada revelação. Aliás, é justamente essa revelação que torna o antagonista tão especial, já que suas ações não são realmente tão memoráveis – com exceção de uma arrepiante cena de tortura e a reunião dos membros da Spectre em uma sala escura que remete imediatamente a De Olhos Bem Fechados.

Mendes mantém uma condução eficiente, e já começa a projeção com um ótimo plano sequência pela vasta marcha do Dia dos Mortos na capital mexicana. Temos uma ótima sequência envolvendo carros e um avião na neve e uma brutal pancadaria no interior de um trem (remetendo a Moscou contra 007O Espião que me Amava, graças também à postura forte de Dave Bautista como o capanga Sr. Hinx) O diretor de fotografia Hoyte Van Hoytema empresta seu grão sujo para ajudar o diretor, não alcançando um trabalho surreal como o de Roger Deakins em Skyfall, mas capturando belas imagens com paisagens na Áustria e a já mencionada reunião da Spectre, em uma tela expressionista ambientada em Roma. Só é uma pena que não tenhamos cenas muito inventivas, começando por uma perseguição de carro que não empolga – provavelmente por entrecortá-la com exposição de diálogos enquanto Bond conversa com Moneypenny (Naomie Harris, novamente) – e um clímax fraco que só se salva pela conexão criada com os longas anteriores, envisionando um cenário que realmente mergulha no inconsciente de Bond.

Além de Oberhauser, temos Léa Seydoux excelente como a psicóloga Madeleine Swann. Não chega a ser memorável como uma Vesper Lynd, mas é uma personagem forte e capaz de bater pra igual com Bond, gerando uma boa química com o sempre competente Daniel Craig, que ainda se mostra um ótimo Bond mesmo sem muito de novo a oferecer aqui (não levando em consideração as declarações pouco elegantes do ator). Ben Whishaw novamente atesta que a decisão de rejunescer Q foi genial e Ralph Fiennes surge durão como M, especialmente quando contracena com o cínico Andrew Scott, na pele de um burocrata calculista.

Em seus aspectos técnicos, é primoroso como a maioria dos filmes da série. Além da já comentada fotografia de Hoytema, a montagem de Lee Smith adiciona mais ações em paralelo (afinal, o cara é o colaborador de Christopher Nolan), em especial no clímax que envolve participação de toda a equipe, e Thomas Newman aproveita muito de seus temas criados para Skyfall, inovando apenas na influência musical do México e Roma; além de um mistério mais forte em torno da figura antagonista. Por fim, a sequência de créditos com “Writing’s on the Wall”, de Sam Smith, é provocante e dinâmica, sendo muito eficiente em mesclar a imagem de polvos com as tradicionais silhuetas femininas da saga.

007 Contra Spectre é mais uma boa adição à era de Daniel Craig como James Bond, ainda que não consiga subir ao mesmo nível de seu excelente antecessor. Traz bom entrenimento e nostalgia para os fãs de longa data, mesmo que seja impossível não se sentir um pouco decepcionado.

Daniel Craig no primeiro pôster de 007 CONTRA SPECTRE

Posted in Notícias with tags , , , , , , , , , , , , , , , on 17 de março de 2015 by Lucas Nascimento

spectre_b1

Ainda que um teaser pôster já tivesse sido divulgado em dezembro do ano passado, a Sony oficialmente lança o primeiro pôster oficial de 007 Contra Spectre, quarta aventura de Daniel Craig como James Bond. Confira:

 spectre_p2

Não é uma arte das mais geniais ou inovadoras, mas vale apontar a observação de alguns usuários do Twitter, de que o traje de Craig é muito similar a um utilizado por Roger Moore em Com 007 Viva e Deixe Morrer:

roger-moore-turtleneck

Bacana. E o trailer sai na semana que vem!

O filme é dirigido novamente por Sam Mendes, e traz Christoph Waltz, Monica Belucci, Léa Seydoux, Dave Bautista e Stephanie Sigman como novas adições. Ralph Fiennes, Naomie Harris e Ben Wishaw reprisam seus papéis de Skyfall.

007 Contra Spectre estreia em 5 de Novembro.

Saiba detalhes sobre o novo filme de James Bond

Posted in Notícias with tags , , , , , , , , , , , , , , , , on 4 de dezembro de 2014 by Lucas Nascimento

spectre

A produtora de Barbara Broccoli organizou com a MGM e Sony Pictures uma coletiva de imprensa hoje cedo em Londres para revelar informações sobre o novo filme de James Bond, dirigido novamente por Sam Mendes. É um procedimento de praxe que o estúdio realiza para lançamentos de filmes de 007.

O título do novo filme é Spectre, clara referência à organização secreta do icônico vilão Blofeld.

Antes de tudo, Daniel Craig retorna para o papel principal, claro.

Christoph Waltz é confirmado como o vilão Oberhauser (nada de Blofeld, mas não descarte a possibilidade…). Andrew Scott (o Moriarty de Sherlock) será Denbigh, novo membro do MI-6. Dave Bautista será um dos vilões, Sr. Hinks. Monica Belucci e Léa Seydoux marcam as presenças femininas como Lucia Sciarra e Madeline Swann.

Rory Kinnear retorna como Tanner, Ben Whishaw como Q, Naomie Harris como Moneypenny e Ralph Fiennes como M.

Thomas Newman retorna para fazer a trilha sonora. Hoyte Van Hoytema (ElaInterestelar) fará a fotografia e Lee Smith (trilogia Batman – O Cavaleiro das Trevas) fica responsável pela montagem.

As locações incluem Londres, Roma, México, Tangier no Marrocos, Solden na Áustria (alpes suíços, alguém mais pensou em A Serviço Secreto de Sua Majestade?).

James Bond dirigirá um Aston Martin novamente, o novo modelo DB 10.

DB10

007 – Spectre estreia em 25 de Outubro de 2015.

spectre_p1

| O Grande Hotel Budapeste | Crítica

Posted in Cinema, Comédia, Críticas de 2014 with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 3 de julho de 2014 by Lucas Nascimento

5.0

TheGrandBudapestHotel
Gerações: o ápice da carreira de Ralph Fiennes, a bela descoberta Tony Revolori

Foi com Moonrise Kingdom, em 2012, que adentrei no universo único e bizarro comandado pelo lorde Wes Anderson. De lá pra cá, pude conhecer melhor a carreira do diretor que inclui ainda Pura AdrenalinaTrês é Demais, Os Excêntricos Tenenbaums, A Vida Marinha com Steve Zissou, Viagem a Darjeeling e O Fantástico Sr. Raposo. Ainda me restam duas obras para conferir, mas duvido que estas possuam o charme indescritível de O Grande Hotel Budapeste.

A trama é inspirada nos trabalhos do autor austro-húngaro Stefan Zweig, e se concentra no outrora luxuoso e prestigiado hotel europeu do título. A história tem início quando um escritor (Jude Law) entrevista o atual dono do hotel (F. Murray Abraham), cujo discurso regressa à década de 30 para narrar uma história de roubo de arte decisiva para o destino do local.

Em primeiro lugar, você já deve ter parado pra olhar o pôster desse filme. Eu me pergunto: quantas vezes já vimos um elenco tão incrível, estrelado e talentoso como esse? Poucas, de fato. Falar sobre cada um dos intérpretes que dividem a tela levaria tempo, então limito-me a dizer que estão todos impecáveis, e Anderson é perfeitamente capaz de distribuir suas respectivas participações. Claro que o divertidíssimo concierge de Ralph Fiennes (naquela que é certamente a melhor performance de sua carreira) e o mensageiro vivido pelo estreante Tony Revolori dominam maior parte da narrativa, mas o estelar elenco “coadjuvante” é perfeitamente capaz de brilhar em seus pequenos momentos; o que inclui a turma habitual de Anderson, trinca formada por Bill Murray, Jason Schwartzman e Owen Wilson.

Se você comprou ingresso para um filme de Wes Anderson mas nunca ouviu falar no sujeito, saiba que o cara é um dos profissionais mais autorais da Sétima Arte. Sua obsessão milimétrica pela simetria visual surge fortíssima em O Grande Hotel Budapeste, mas dessa vez beneficiando-se do genial design de produção de Adam Stockhausen, que acerta na arquitetura quase monárquica do hotel, ao mesmo tempo em que preserva características cartunescas típicas da carreira de Anderson. Aliás, vale mencionar como o diretor e o fotógrafo Robert D. Yeoman se divertem ao brincar com as diferentes razões de aspecto da tela: desde o formato 4:3 (imagem menor, num formato quadrado) para as cenas na década de 30, até o glorioso cinemascope nas cenas mais contemporâneas. É quase uma aula sobre a evolução da câmera cinematográfica.

E mesmo com todo o perfeccionismo plástico, o roteiro de Anderson jamais deixa de fascinar com sua bizarra trama. Essencialmente uma comédia com tons de heist, investigação e até mesmo de fuga de prisão, e sempre nos surpreende por seus rumos inesperados e as diferentes e multifacetadas figuras que movem suas ações. Há de parabenizar o excepcional trabalho de montagem de Barney Pilling, que não só é eficiente ao exibir cortes e transições dinâmicas, mas também pela decisão de iniciar a projeção de forma descontínua, encontrando a justificativa nos segundos finais.

O Grande Hotel Budapeste é desde já um dos melhores trabalhos de 2014, e comprova que o invencionismo visual de Wes Anderson não atrapalha na condução de uma história que abraça o nonsense. Pelo contrário, ajuda e diverte.

Caramba, talvez seja um dos filmes mais divertidos que eu já vi na vida.

| Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2 | O Fim de uma Era

Posted in Aventura, Cinema, Críticas de 2011, Indicados ao Oscar with tags , , , , , , , , , , , , , , , , on 15 de julho de 2011 by Lucas Nascimento


O Confronto final: Harry Potter enfim confronta seu destino

Já fazem 10 anos desde que vimos pela primeira vez o inesquecível leque de personagens e conceitos da saga Harry Potter que, de lá para ca, emplacou 8 filmes de extremo sucesso comercial e lançou ao mundo três atores que ficariam imortalizados como seus protagonistas. Agora, com Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2, o diretor David Yates encerra o jogo magistralmente.

Partindo exatamente do fim da Parte 1, a trama continua a busca de Harry, Rony e Hermione pelas horcruxes que poderão ajudar a destruir Lord Voldemort. A caçada os leva de volta à Hogwarts, onde Potter deverá confrontar seu destino e salvar o mundo da magia.

É admirável o feito do diretor David Yates. Encerrar uma das franquias cinematográficas de maior sucesso de todos os tempos não é uma tarefa fácil, mas o cineasta cumpre o serviço da melhor forma possível. Um pouco menos ‘europeu’ (na Parte 1 percebe-se o uso excessivo da câmera tremida), Yates dá pulso à trama e suas excelentes sequências de ação (sua dinâmica continua admirável, como no momento em que uma varinha parte-se internamente); dando o foco e atenção necessário a cada um dos personagens e trazendo de volta aos holofotes alguns coadjuvantes – como por exemplo a professora McGonagall (Maggie Smith) que ganha grande destaque na projeção.

Mas o longa é mesmo sobre Harry e a conclusão de sua história. Melhor do que nunca, Daniel Radcliffe aprimora seu trabalho no retrato do jovem bruxo, transformando-o em um adulto já preparado e consciente de seu objetivo, que é derrotar o terrível Voldemort (Ralph Fiennes, ainda mais perverso). Rony e Hermione também têm seu momento (sim fãs, a enrolação romântica terminou) e seus intérpretes (Rupert Grint e Emma Watson) continuam carismáticos e agradável como sempre.


A Vida e as mentiras de Severo Snape: o complexo personagem tem sua história revelada

Quem se sobressai porém, é Alan Rickman com seu Severo Snape. Com toda sua dramática história revelada (a dúvida quanto a sua lealdade é finalmente resolvida), o trabalho fantástico do ator merece ser revisitado e analisado com atenção desde o início da saga, o que mostra a complexidade do personagem. E não posso deixar de mencionar Helena Bonham Carter… Na pele de uma de minhas personagens favoritas (a pirada Bellatriz Lestrange), a atriz rende um divertido momento envolvendo a poção polissuco…

E dizer que a trama ficou mais sombria é desnecessário, porque você já sabe disso… Em termos de visual, a fotografia de Eduardo Serra acerta por mostrar c0m eficiência e estilo a destruição do castelo de Hogwarts, assim como em uma memorável visita ao banco Gringotes e uma maravilhosa sequência que eu não devo mencionar para evitar estragar certas surpresas…

Com efeitos visuais infinitamente melhores e bem aplicados na batalha de Hogwarts, o longa ainda tem a excelente trilha sonora de Alexandre Desplat, que adiciona temas mais épicos e pesados do que seu trabalho na Parte 1. A montagem equilibra bem os personagens em meio à ação e o design de produção surpreende por apresentar a profundidade de certos ambientes (o banco Gringotes) e trazer de volta velhos conhecidos (no caso, a Câmara Secreta).

É ao mesmo tempo de tristeza e satisfação os sentimentos que acompanham o espectador ao fim de Relíquias da Morte Parte 2. Tristeza pelo fato de uma maravilhosa saga de dez anos de existência ter chegado ao fim, e satisfação por ter sido de uma forma emocionante e inesquecível, beirando a perfeição.

Um feito mágico que dificilimente alguma outra franquia vai ser capaz de alcançar.

Obs: O 3D convertido, pelo menos na sessão IMAX, é decente e funciona bem nos momentos certos, o que deve garantir uma bilheteria bilionária ao filme…

Fim da Linha: Especial HARRY POTTER E AS RELÍQUIAS DA MORTE

Posted in Especiais with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 15 de novembro de 2010 by Lucas Nascimento

This is It, the grand finale. O fim da saga Harry Potter nos cinemas finalmente chegou e em duas partes. Esse especial vale pelas duas partes, aproveitem:

Uma breve olhada pelo impacto do último livro da saga Harry Potter.

O fim da saga Harry Potter na literatura chegou em Junho de 2007. A autora J.K. Rowling dedicou muito tempo no processo de desenvolvimento do livro e em como encontrar o destino apropriado do personagem principal.

Depois de pronto, o livro bateu recorde de vendas e gerou algumas polêmicas, como a venda adiantada e o vazamento de alguns trechos na internet. O fim foi, em sua grande maioria, aprovado por fãs e críticos literários.

Eu pessoalmente gosto muito do último livro e fiquei mais que satisfeito com o final da história.

A razão pela qual a adaptação do livro final da saga ser dividida em dois filmes pode ser interpretada por três maneiras: 1 – Não deixar nenhum detalhe do livro de fora, garantindo uma adaptação fidelíssima. 2 – Lucro e mais dinheiro nas bilheterias. 3 – Ambos.

Essa possibilidade de divisão já havia sido considerada com o quarto filme da série, O Cálice de Fogo, mostrando-se vantajosa ao conseguir ser mais fiel ao livro. As filmagens de As Relíquias da Morte – sob o comando de David Yates – tomaram lugar em Londres, na Floresta de Swinley e na Freshwater West. As sequências envolvendo cenários específicos foram gravadas nos estúdios Pinewood e Leavesden.

Todo o elenco e equipe de produção afirma que o novo filme é completamente diferente dos anteriores; muito mais sombrio e adulto e que as emoções dos personagens são mais reais e os conflitos também; como a tensa cena em que Rony e Harry discutem sobre os riscos que podem enfrentar.

Nas palavras de Yates; a Parte 1 tem cara de filme independente (com uso excessivo de câmera tremida) e a Parte 2 está mais voltada para um épico de fantasia, com destaque colossal para a batalha de Hogwarts. Um detalhe interessante, é que no sexto livro da série (O Enigma do Príncipe) há uma batalha similar à do livro final e o roteirista Steve Kloves resolveu, sabiamente, cortá-la da adaptação do Enigma e guardá-la apenas para Relíquias Parte 2. É uma esperta decisão, porque evitaria a repetição.

As filmagens foram realizadas como a de um filme só, começando em 19 de Fevereiro de 2009 e terminando em 12 de Junho de 2010. Os filmes iriam ser convertidos para 3D, mas a Warner voltou atrás (com razão) ao perceber que o resultado não seria decente e digno dos filmes.

Recentemente, Daniel Radcliffe confirmou que o final da Parte II será refilmado, procurando atingir um resultado mais emocionante.

Harry Potter (Daniel Radcliffe)

Depois de 6 anos de preparo, Harry Potter finalmente encara seu destino e enxerga seu papel como aquele que deverá encerrar a era de terror de Lord Voldemort, mas para isso, deverá encontrar as Horcruxes.

 

 

 

 

Hermione Granger (Emma Watson)

Forçada a apagar a memória dos próprios pais, Hermione junta-se a Harry e Rony para encontrar as Horcruxes.

 

 

 

 

 

 

Rony Weasley (Ruppert Grint)

Ainda fiel a seu melhor amigo, Rony ajuda-o na busca e na destruição das Horcruxes, mesmo que a relação entre o amigo fique tensa e os sentimentos por Hermione finalmente revelados.

 

 

 

 

 

Voldemort (Ralph Fiennes)

Ainda mais poderoso, Voldemort continua sua busca pelo jovem Harry Potter, ao mesmo tempo em que quebra a ordem no Ministerio da Magia, levando a uma total anarquia.

Achou que as Relíquias do título eram as Horcruxes do Voldemort né? Eu também.

A história desses objetos se origina com o conto dos irmãos Peverell; sobre três jovens que tem um encontro com a morte, e cada um pede um objeto. Conheça abaixo o que são os tais objetos:

A Varinha das Varinhas

O primeiro irmão pediu uma varinha invencível e indestrutível. Essa relíquia atravessou gerações e foi propriedade de Alvo Dumbledore até sua morte. A varinha só pode pertencer a outra pessoa se este desarmar, atacar ou matar seu dono anterior.

A Pedra da Insurreição

O segundo irmão pediu um meio de trazer os mortos de volta à vida. A pedra permite ao dono se comunicar com os mortos, mas apenas no momento derradeiro de sua vida. Sem saber, essa relíquia foi propriedade de Voldemort.

A Capa de Invisibilidade

O terceiro irmão pediu uma forma de se esconder da Morte. A capa de invisibilidade torna aquele que a usa invisível; a relíquia pertence a Harry Potter desde seu primeiro ano em Hogwarts.

O que Harry e seus amigos já destruíram e o que precisarão encontrar na jornada:

O Diário de Tom Riddle [x]

Visto no segundo filme, o diário continha a lembrança do jovem Tom Riddle, antes de se transformar no maléfico Voldemort. O diário quase dominou a mente de Gina Weasley, mas foi destruído por Harry usando uma presa de basilisco.

O Anel de Marvolo Gaunt [x]

Anel que fora propriedade do avô de Tom Riddle, tomou para ele após sua morte. Foi destruído por Dumbledore com a espada de Godric Griffyndor. O que ninguém sabe, é que a pedra encrostada é uma das Relíquias da Morte.

O Medalhão de Salazar Slytherin [x]

Pequeno medalhão que pertenceu a um dos quatro fundadores de Hogwarts, no caso o da casa Sonserina. O medalhão foi escondido na caverna mostrada no sexto filme, mas foi roubado por um inimigo de Voldemort. Objeto muito perigoso e sombrio, pode possuir indivíduos e torturá-los.

A Taça de Helga Huflepuff [x]

Criação da fundadora da casa de Lufa-Lufa, a taça atravessou gerações até ser roubada por Tom Riddle e logo transformada em Horcrux. Ele deixou a peça com Bellatrix Lestrange, que a escondeu em seu cofre no banco de Gringotes.

O Diadema de Rawena Ravenclaw [x]

Único objeto de valor conhecido da fundadora da Casa Corvinal. Como sua criadora prezava a sabedoria, o diadema dá a aquele que o usa, mais inteligência. O objeto foi roubado por sua filha e escondido na Albânia por décadas, até ser roubado por Tom Riddle. Em sua parte superior, está cravada a frase “O espírito sem limites é o maior tesouro do homem”.

Nagini [x]

 A mortal serpente de estimação de Voldemort é a única horcrux que ele carrega consigo a maior parte do tempo.

A Sétima Horcrux [x]

SPOILER PESADÍSSIMO!

Ao tentar matar Harry Potter quando este ainda era um bebê, Voldemort acidentalmente criou uma sétima Horcrux; o próprio jovem.

Confira abaixo alguns dos principais feitiços usados na saga:

  • Expelliarmus – Usado principalmente em ataques ou para desarmar o oponente.
  • Estupefaça – Ataques mais potentes.
  • Expecto Patronum – Escudo contra dementadores, mas há um porém: além de pronunciar o nome, o bruxo deve imaginar uma lembrança de felicidade intensa.
  • Lumos: Produz uma luz na ponta da varinha, eficiente para iluminação.
  • Protego: Prouduz um escudo contra feitiços ofensivos.
  • Wingardium Leviosa: Usado para levitar objetos.
  • Levicourpus: Usado para levitar seres vivos.
  • Sectumsempra: Desenvolvido pelo Príncipe Mestiço, é um ataque mortal que produz golpes similares ao de uma espada no corpo do oponente.
  • Reducto – Reduz o tamanho de objetos, podendo até destruí-los.
  • Obliviate – Confunde a memória do oponente.
  • As Maldições Imperdoáveis – Três feitiços letais que condenam aquele que o produz à prisão de Azkaban. Eles são Imperius: que oferece controle sob a mente do oponente. Crucio: produz a sensação de tortura. E Avada Kedrava: mata o oponente.

Oclumência

A Oclumência é um processo complicado cuja finalidade é proteger o subconsciente de ameaças. Quando Voldemort começou a projetar imagens e sensações na mente de Harry, ele teve que aprender a fechar sua mente.

Priori Incantatem

Esse fenômeno ocorre quando duas varinhas se conectam através de feitiços distintos. A ligação entre Harry e Voldemort é especial, porque suas varinhas foram fabricadas com o mesmo material.

 

  • Polissuco: Composta por distintos ingredientes, transforma a pessoa que a bebe em outra, de acordo com o fio de cabelo posto na mistura.
  • Felix Felicis: Também conhecida como “sorte líquida”, a rara poção dá exatas 24 horas de sorte a quem a bebe.
  • Armatenti: Poção que produz uma paixão incontrolável por outra pessoa.
  • Verisaterum: Solução eficiente para fazer alguém contar a verdade.

Os mocinhos e os bandidos da saga:

A Ordem da Fênix

Fundada por Alvo Dumbledore, a principal finalidade do grupo secreto era lutar contra Voldemort e seus seguidores, investigando e buscando estrategias.

Sede: Já teve sedes na residência dos Weasley e no Largo Grimmauld, residência dos Black.

Membros notáveis: Alvo Dumbledore, Harry Potter, Remo Lupin, Olho-Tonto Moody, Sirius Black, Arthur Weasley, Ninfadora Tonks, Severo Snape, entre outros.

Os Comensais da Morte

É o nome que recebem os seguidores de Voldemort quando este ganhou mais poder. Usavam máscaras e cometiam crimes terríveis, aterrorizando o mundo bruxo e o dos trouxas.

Membros Notáveis: Bellatrix Lestrange, Lúcio Malfoy, Draco Malfoy, Bartô Crouch Jr., Igor Karkaroff, Narcisa Malfoy, Severo Snape, entre outros.

A Armada Dumbledore (AD)

Quando o Ministerio da Magia interferiu nas normas e aulas de Hogwarts, Harry e seus amigos fundaram um grupo secreto onde ele ensinava a um grupo de alunos feitiços úteis para se defender.

Sede: Sala Precisa.

Membros Notáveis: Harry Potter, Rony Weasley, Hermione Granger, Neville Longbottom, Jorge Weasley, Fred Weasley, Luna Lovegood, Gina Weasley, Cho Chang, Padma Patil, Parvati Patil, entre outros.

Feijõezinhos de Todos os Sabores

De acordo com os filmes, eles realmente possuem todos os sabores, passando de chocolate até cera de ouvido. Numa recordação amigável da atração da saga em Orlando, pude provar uma dessas guloseimas (peguei um de banana).

Sapos de Chocolate

Basicamente, um feitiço que dá vida a um sapo feito de chocolate. Mas nas palavras de Rony Weasley, o que importa é a figurinha de bruxo famoso que vem de brinde.

Cerveja Amanteigada

Até os bruxos bebem… Essa bebida é, basicamente, cerveja adicionada com manteiga, tornando-a muito espumante. É geralmente tomada quente, no inverno.

Abaixo, minhas cinco cenas de voo favoritas:

5 – O Balaço Errante

Nada como uma boa perseguição. Em pleno jogo de Quadribol, alguém modificou um balaço (uma bola de jogo perigosa), que persegue o jovem Potter até ser destruído.

4 – Quadribol Dementado

É, parece que Harry não pode ter um jogo tranquilo… Dessa vez, ele é atacado por um grupo de Dementadores, que o derrubam de sua vassoura, fazendo-o cair por mais de 200 metros.

3 – Fuga do Rua dos Alfeneiros

Harry deixa de vez a casa de seus tios e é escoltado pela Ordem da Fênix para que chegue em segurança à residência dos Weasley. Não demora até que o grupo seja atacado por Comensais da Morte, resultando em uma empolgante perseguição por Londres – com Harry e Hagrid em uma moto voadora.

2 – A Primeira Tarefa

Uma das melhores sequências de ação da saga, empolgante e extremamente bem feita. A trilha de fundo acerta, os efeitos visuais são perfeitos, enfim, é uma cena impecável.

1 – Ataque sobre Londres

Se você leu minha crítica sobre O Enigma do Príncipe, sabe o quanto eu adorei esta sequência. Uma maneira empolgante e estilosa de iniciar um filme; a direção dinâmica de Yates ajuda, assim como a impecável fotografia e os efeitos visuais.

A Pedra Filosofal

A EA criou uma boa estrutura e gráficos razoáveis para a tecnologia da época, mas ainda assim é um bom game. Fiel tanto ao livro quanto ao game, jogabilidade decente e um entretenimento eficiente.

Nota: 6,0

A Câmara Secreta

Na minha opinião, o melhor game de Harry Potter já feito. Joguei a versão para Playstation 1 há alguns anos, mas foi muito divertido. O jogo é difícil, agradável, possui muitas missões bacanas (algumas presentes apenas no livro) e uma jogabilidade boa. Pena que eu nunca terminei-o inteiramente…

Nota: 10

O Prisioneiro de Azkaban

Aqui começa o “GTA Harry Potter”. Além de contar com a excelente trama do filme/livro original, os gráficos melhoraram bastante, há mais feitiços para serem destravados e interatividade nos cenários é sensacional; correr livre pelo castelo de Hogwarts…

Nota: 9,0

Quiditch World Cup

Basicamente, é um Fifa/ PES de Quadribol. A jogabilidade é agradável, mas imperfeita. Divertido no ponto certo, mas peca por não oferecer tantas opções e agilidade.

Nota: 6,5

O Cálice de Fogo

Não gosto desse game. Possui a inovação de permitir mais personagens e o modo multiplayer, mas suas missões são repetitivas e cansativas. Por outro lado, 4 fases valem a visita: o Torneio Tribuxo (com destaque para a tarefa do dragão) e o duelo com Voldemort.

Nota: 5,5

A Ordem da Fênix

O pior da série. Bons cenários, ambientes recriados com perfeição e fidelidade ao filme e ótimos gráficos. Isso não é suficiente é claro, as missões limitam-se ao tedioso e horrível recrutamento da Armada Dumbledore e rebeliões. Nem a batalha final salva, já que os feitiços passaram de botões a movimentos do analógico…

Nota: 3,5

O Enigma do Príncipe

Possui o mesmo cenário detalhado de seu antecessor, mas pelo menos acrescenta algumas novidades interessantes. Nem comento as fáceis missões da história, que podem ser completadas sem nenhuma dificuldade. Vale pelas viciantes aulas de poções…

Nota: 6,5

Lego Harry Potter – Years 1-4

Sonho com um game de Lego Harry Potter desde que Lego Star Wars foi lançado em 2005. A empresa de blocos de montar consegue se superar na versão dos quatro primeiros anos do bruxo. Muitos personagens e cenários são disponíveis, a jogabilidade é ótima, mas peca por esquecer um pouco a história (não há nenhum diálogo), no entanto é diversão garantida.

Nota: 8,5

Quão fiel é cada filme da saga aos livros e cenas que eu queria que vissem a luz do dia na adaptação:

A Pedra Filosofal: Acho que nada, está bom do jeito que está.

A Câmara Secreta: A Festa do Aniversário de Morte, seria divertidíssima.

O Prisioneiro de Azkaban: De acordo.

O Cálice de Fogo: A presença dos Dursley e o encontro deles com a família Weasley é antológico.

A Ordem da Fênix: A visita ao Hospital St. Mungus, onde encontramos algumas caras conhecidas e aprendemos mais sobre os pais de Neville Longbottom.

O Enigma do Príncipe: Uma explicação melhor sobre as horcruxes; a maioria delas é apresentada neste livro.

Chris Columbus

Chegou ao projeto através de um de seus filhos, que era fã do livro e logo despertou a atenção do cineasta. Columbus, apesar de não ser um cineasta excepcional, merece muitos créditos por escolher o elenco certo, iniciar a trama e trazer para a tela tudo o que estava no livro.
Filmes que dirigiu: A Pedra Filosofal e A Câmara Secreta.

Alfonso Cuarón

Provavelmente, a mão mais artística na saga. Em seu filme, aprimorou os efeitos visuais, apresentou novos estilos narrativos, tons de cores e desenvolveu o elenco; agora adolescentes, são bem coordenados pelo cineasta espanhol. Sem falar que a história ganha toques mais sombrios.
Filmes que dirigiu: O Prisioneiro de Azkaban

Mike Newell

Se Cuarón começou a se aprofundar no lado sombrio da saga, o inglês Mike Newel explorou mais ainda as trevas, principalmente pelo retorno de Voldemort. A grandiosidade dos cenários e os interesses românticos também são destaque.

Filmes que dirigiu: O Cálice de Fogo

David Yates

E finalmente, o diretor que finalizará a saga. Conseguindo equilibrar os níveis sombrios com humor, ação e mistério, o americano David Yates trouxe maturidade à franquia. Aprimorou praticamente todo os aspectos (positivos e negativos) dos filmes anteriores.

Filmes que dirigiu: A Ordem da Fênix, O Enigma do Príncipe, As Relíquias da Morte – Parte I e II.

Assim como cada diretor trouxe seu toque pessoal para cada filme, os compositores também teceram magníficas faixas musicais. Abaixo o maestro de cada filme e suas melhores composições:

John Williams

O mestre! Gênio por trás de algumas das melhores composições de todos os tempos e também aquele que cria as músicas-tema mais memoráveis; Star Wars, Indiana Jones, De Volta para o Futuro, entre outros. Em sua contribuição para Harry Potter, vale destacar o equilíbrio de tons; nos dois primeiros, eram – em sua maioria – temas festivos e alegres, enquanto no terceiro, Williams teceu tons sombrios e memoráveis.

Filmes: A Pedra Filosofal, A Câmara Secreta e O Prisioneiro de Azkaban.

Temas memoráveis:

Hedwig’s Theme (A Pedra Filosofal)

Buckbeak’s flight (Prisioneiro de Azkaban)

Patrick Doyle

Apenas compôs para um filme, mas fez um bom trabalho. Criando temas sombrios, instigantes e com muita referência nos anteriores, aliás, seu grande acerto foi aprimorar temas já existentes, como o tema principal da série. Boa contribuição, sem dúvida.
Filmes: O Cálice de Fogo

Temas Memoráveis:

The Story continues… (O Cálice de Fogo)

Harry at Winter

Nicholas Hooper

Em ambos os longas da série que trabalhou, Nicholas Hooper compôs temas distintos; agitados, românticos, sombrios e épicos. A maioria deles, magníficos. Depois de Williams, talvez tenha sido a melhor contribuição musical para a saga.
Filmes: A Ordem da Fênix e O Enigma do Príncipe.

Temas Memoráveis:

Flight of the Order (A Ordem da Fênix)

Slug’s Party (O Enigma do Príncipe)

Alexandre Desplat

Contratado para os dois filmes, o excelente Alexandre Desplat entregou um maravilhoso trabalho, retratando bem o tom de solidão e trevas da Parte I. No filme final, ele promete uma trilha mais épica. Mal posso esperar…

Snape to Malfoy Manor (Relíquias, Parte 1)

Ministry of Magic (Relíquias, Parte 1)

 

Grande galinha dos ovos dourados da Warner Bros, a saga Harry Potter encheu os cofres do estúdio com muito dinheiro. Acompanhe o desempenho econômico dos seis filmes da série; quanto custaram e quanto arrecadaram:

Harry Potter e a Pedra Filosofal

Orçamento: u$125,000,000

Arrecadação: U$ 976,500,000

A Câmara Secreta

Orçamento: $100,000,000

Arrecadação: U$ 878,987,880

O Prisioneiro de Azkaban

Orçamento: U$ 130,000,000

Arrecadação: U$795,538,952

O Cálice de Fogo

Orçamento: U$150,000,000

Arrecadação: U$ 896,013,096

A Ordem da Fênix

Orçamento: U$150,000,000

Arrecadação: U$938,468,864

O Enigma do Príncipe

Orçamento: U$$250,000,000

Arrecadação: U$933,959,197

Relíquias da Morte – Parte 1

Orçamento: A ser definido, já que as filmagens ocorreram junto com as da Parte 2.

Arrecadação: U$ 955,001,070

Uma coisa eu tenho certeza sobre a primeira parte de As Relíquias da Morte: o final vai ser fdp, aquele tipo de “gancho” que deixa o espectador ansioso para a continuação. Vamos relembrar aqui alguns exemplos…

Obs: Não é nenhuma coincidência que são os “número 2” que possuem esse tipo de final.

De Volta para o Futuro 2

A dupla dinâmica Marty McFly e Doc Brown viaja até 1955 para impedir que um futuro pavoroso e sombrio torne-se realidade. Terminada a missão, o cientista – a bordo de seu DeLorean – é atingido por um raio e some. Depois descobrimos que este foi parar no Velho Oeste, 1885. Marty terá que resgatá-lo e, não fossem as cenas do terceiro filme que vem de brinde ao fim da projeção, eu teria ficado louco para saber o que aconteceria…

Matrix Reloaded

Depois de um espetáculo de cenas de ação, o segundo Matrix chega ao fim com duas grandes revelações; o protagonista Neo fica preso em um local desconhecido e o vilão da trilogia, o agente Smith, invade o mundo real. Lembro-me de que a reação no cinema foi assustadora…

Piratas do Caribe – O Baú da Morte

É realmente muito corajoso pegar o protagonista de uma franquia milionária e matá-lo ao fim da projeção. Claro, Jack Sparrow não morre (o terceiro filme é sobre seu retorno dos mortos), mas a cena do pirata entrando na boca do Kraken é memorável.

Kill Bill – Vol. 1

Após um banho de sangue trash e uma luta memorável contra Lucy Liu, a Noiva (Uma Thurman) continua sua vingança contra Bill, achando que sua filha está morta. Na cena final, ouvimos o antagonista revelar que ela estava enganada. Genial.

Alguns estão se saindo bem, outros são descaradas tentativas frustradas.

Crepúsculo

Não há dúvidas; mesmo que imperfeita e cheia de falhas, a saga Crepúsculo é a que chega mais perto do sucesso de Harry Potter. No entanto, a série já vai acabar e nem de longe teve o mesmo impacto que a saga do bruxo adolescente.

As Crônicas de Nárnia

Com um eficiente primeiro filme, mas uma mediana e arrastada sequência, a franquia Nárnia até que entretem, o elenco é razoável e os efeitos visuais e cenários também capricham. O terceiro capítulo sai este ano, veremos se melhora.

A Bússola de Ouro

Daniel Craig, Eva Green, Nicole Kidman, direção de arte espetacular e efeitos visuais de primeira disperdiçados em uma trama confusa, incoerente e muito cansativa.

Percy Jackson

Uma das mais descaradas e mal feitas tentativas de franquia que ja testemunhei. A história é fraca e desinteressante, o elenco é péssimo e acharam mesmo que só porque o Chris Columbus dirigiu os primeiros Harry Potter, que ele acertaria de novo.

Do primeiro filme da saga até aqui, o elenco principal cresceu muito. Vamos recordar:

Daniel Radcliffe

Rupert Grint

Emma Watson

O veredicto do blog em relação aos capítulos anteriores da saga:

Bem… O especial acaba aqui, espero que tenham gostado. E adeus à franquia Harry Potter, sentiremos sua falta.

| Fúria de Titãs | Roteiro mal trabalhado se concentra na ação

Posted in Ação, Aventura, Cinema, Críticas de 2010 with tags , , , , , , , , , , , , , on 21 de maio de 2010 by Lucas Nascimento

  Bastardos Inglórios: Perseu e sua tropa de elite atrás da cabeça de Medusa

Não sou muito fã do Fúria de Titãs original. Pra ser sincero, assisti ao filme há tanto tempo que já não me recordo direito sobre sua história e desenvolvimento. O remake comandado por Louis Letterrier é sem dúvida mais radical e bruto que o original, ao menos isso eu me lembro. Temos criaturas digitais bem modeladas (apesar da Medusa parecer muito falsa) e cenas de ação empolgantes. Pena que o protagonista e o roteiro não segurem o filme.

Na trama, os humanos estão insatisfeitos com a opressão dos deuses e resolvem travar guerra contra eles. Nesse cenário, o semi-deus Perseu deve auxiliar um grupo militar que tem como missão matar o Kraken, principal arma dos deuses.

Bem, em termos de ação e adrenalina, Fúria de Titãs é um prato cheio. As cenas com Medusa e o Kraken são arrepiantes de tão empolgantes e bem conduzidas; Louis Letterrier mostra, mais uma vez, seu estilo para ação. É óbvio que isso não sustenta um filme inteiro, é necessário um personagem com quem se possa identificar, o que o roteiro nem se preocupa em torná-lo crível ou desenvolvê-lo de maneira consciente. O filme, obviamente, termina de portas abertas para uma sequência. A trama até que têm ritmo, mas os diálogos são pouco trabalhados e muito repetitivos.

Sam Worthington, que havia se mostrado tão carismático em Avatar e O Exterminador do Futuro: A Salvação, não dá ao personagem Perseu um pingo de humanidade ou simpatia, quero dizer, a construção necessária para um personagem metade humano, metade deus não está presente. Não só Worthington, Liam Neeson eatá completamente deslocado, Mads Mikkelsen tem pouco tempo em cena (isso sem falar de Danny Houston) e ambas as atrizes principais, Alexa Davalos e Gemma Artenton, são inexpressivas. Só se salva Ralph Fiennes, perfeito como o deus do submundo Hades; sua performance é bem sinistra.

Fúria de Titãs prometia, ao menos para mim, alcançar um resultado similar ao de 300, mas a falta de atenção ao roteiro e o mal desenvolvimento de Perseu estragam o filme. É um bom entretenimento, vale pelas cenas de ação que são realmente muito boas.