Arquivo para recomeço

2010: Os Melhores e os Piores

Posted in Melhores do Ano with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 20 de dezembro de 2010 by Lucas Nascimento

 

Mais um ano chega ao fim e, novamente, chega aquele glorioso período de escolher quais foram os melhores e os piores filmes do ano. Vamos lá:

30 – O Último Mestre do Ar

 E será esse o último prego no caixão de M. Night Shyamalan? Sua adaptação para o cinema do desenho da Nickelodeon é um filme terrível, mal executado e completamente desinteressante. Quanto menos dizer, melhor. Ficha técnica

Melhor Cena: Os créditos finais.

29 – Premonição 4

Bem, aí está mais um filme que não deveria existir. Assim como Jogos Mortais, a franquia sobre adolescentes babacas que fogem da Morte já deveria ter acabado. As mortes já deixaram de ser criativas, só o 3D ajuda (um pouco). Ficha técnica

Melhor Cena: SPOILER: Quando os insuportáveis protagonistas morrem na cena final.

28- O Aprendiz de Feiticeiro

 Aqui, mais uma tentativa ridícula de Jerry Bruckheimer iniciar uma franquia de sucesso. Limita-se a alguns efeitos visuais bacanas, mas de resto, copia descaradamente Harry Potter e acrescenta elementos de Dragonball. Ficha técnica

Melhor Cena: A perseguição de carros.

27- Resident Evil 4: Recomeço

 O que vale a pena aqui é o 3D do James Cameron; de resto, a franquia baseada nos videogames de zumbi não caminha pra frente, é arrastada e cansativa. Apesar de algumas cenas de ação (cópias de Matrix), não vale muito a pena. Ficha técnica

Melhor Cena: A luta contra o Executor.

26 – O Lobisomem

Prometendo devolver os dias de glória à clássica criatura (enquanto Crepúsculo brinca com seus conceitos), O Lobisomem capricha na maquiagem e na fotografia, mas erra na narrativa pedestre e no clímax ridículo. E por favor, chega de briga de lobisomens! Ficha técnica

Melhor Cena: A fuga do Lobisomem do Parlamento.

25 – Alice no País das Maravilhas

Grande decepção do ano, mostra que Tim Burton se perdeu completamente nos visuais – magníficos – da nova versão do livro de Lewis Carrol. O problema aqui é o roteiro, que simplesmente não empolga e soa muito incoerente. Mas vale a descoberta da carismática Mia Wasikowska. Ficha técnica.

Melhor Cena: O flashback que mostra a primeira visita de Alice.

24- Fúria de Titãs

 As boas cenas de ação falam mais alto do que a história fraca. Além disso, o elenco promissor é muito mal aproveitado e seus personagens completamente sem afinidade ou apego ao público. Ficha técnica.

Melhor cena: A luta contra Medusa.

23 – Demônio

Partindo de uma excelente premissa, o suspense idealizado por M. Night Shyamalan é um longa razoável e assistível, mas deveria ousar, evitar clichês e contratar um elenco mais talentoso. Ficha técnica.

Melhor cena: Quando um eletricista tenta descer no poço do elevador. Bem arrepiante.

22 – Shrek Para Sempre

 Decepcionante para um “capítulo final”, não alcançando a qualidade dos dois primeiros filmes, mas ainda assim, diverte e entretem. Ficha técnica

Melhor cena: O flashback no começo do filme.

21- A Saga Crepúsculo – Eclipse

 

 A maioria acha que a franquia fica melhor aqui. Eu discordo, ela anda pra trás; ou melhor, não anda. Nada demais acontece em Eclipse, mas aprecio como o diretor David Slade deu um toque mais sombrio e mais ação. Ficha técnica

Melhor Cena: A batalha dos Recém-Transformados contra os Lobos.

20- Piranha 3D

 Olha só que surpresa; não só eu não esperava assistir Piranha, eu não esperava gostar do filme. Trash assumido, é muito vulgar, superficial e divertido, não se levando a sério em nenhum momento. É uma porcaria boa. Ficha técnica

Melhor Cena: O “balé aquático”.

19 – Predadores

 

Partindo de uma ótima premissa, o retorno dos Predadores ao cinema deveria ter resultado em um filme melhor, limitando-se a fracas cenas de ação e um roteiro muito fraco. Os personagens e os atores, porém tornam o filme suportável durante sua curta projeção. Ficha técnica

Melhor cena: A cena em que os três predadores aparecem pela primeira vez é icônica.

18 – Tron: O Legado

Provando ser mais um Alice o novo Tron sacrifica história e personagens pelo espetacular visual e ótimos efeitos visuais (com exceção do Clu, claro), rendendo um filme mediano, falho, mas assistível. Destaca-se aqui a belíssima e talentosa Olivia Wilde. Ficha técnica

Melhor Cena: A radical corrida de motos luminosas.

17- Esquadrão Classe-A

O que torna essa adaptação de série de TV tão memorável e divertida é o fato de ela não se levar a sério em momento algum, resultando em cenas de ação improváveis e estúpidas. O elenco principal e seu entrosamento em cena é excelente, mas o longa precisava de uma trama melhor. Ficha técnica.

Melhor Cena: O tanque voador é de ficar na memória.

16- A Ressaca

Com 2010 fraco em comédias, o non-sense toma conta dessa aventura-ficção científica que mostra um grupo de amigos viajando no tempo em uma banheira. As piadas são muito boas, as situações envolvendo os costumes dos anos 80 são divertidas e nostálgicas. Ficha técnica

Melhor Cena: Quando a aposta envolvendo o resultado de um jogo de futebol americano dá errado e dois amigos têm que pagar o preço…

15 – Homem-de-Ferro 2

Na minha opinião a grande decepção do ano. Homem-de-Ferro 2 não é um filme ruim, mas é quase incomparável com o primeiro filme em muitos aspectos; cenas de ação, personagens – aqui há pouco tempo para o grande elenco – e história, que tenta ser madura mas desiquilibra nas doses de piadas espirituosas (o roteirista pensou que isso era uma comédia, só pode ser) e reviravoltas desconexas. Robert Downey Jr. segura o filme e rouba a cena mais uma vez. Ficha técnica

Melhor Cena: O confronto com Ivan Vanko em Mônaco.

14- A Hora do Pesadelo

Odiado por quase 90% dos críticos do mundo todo, o remake de A Hora do Pesadelo funciona pra mim. Alterando o tom para um thriller mais adulto e sério – mas nunca esquecendo-se do longa original -, o serial killer que ataca nos sonhos ganha um retrato digno, apesar de seu potencial não ter sido explorado ao máximo. Ficha técnica

Melhor Cena: A cena final, homenageia bem o original.

13 – Atividade Paranormal 2

A fórmula de [REC]² pode ser aplicada aqui também; aprimora os elementos do original, mas ao contrário da franquia espanhola, o segundo filme supera infinitamente o primeiro. Elenco melhor, estética e visuais melhores e um roteiro esperto que une de forma dinâmica os dois filmes. Ficha técnica

Melhor Cena: É um susto, se eu revelar qual é, perde a graça certo?

12- REC 2: Possuídos

Continuação de um dos melhores filmes de terror da década, [Rec]2 transforma o medo e a simplicidade de seu antecessor em um longa de ação sobrenatural que aprimora os elementos visuais e técnicos de produção, resultando em um excelente filme que é quase imprevisível. Ficha técnica

Melhor Cena: Quando um dos policiais, Larra, encara sozinho alguns dos infectados.

11 – Machete

Viva grindhouse! Provando que filmes trash podem ser a nova onda, Robert Rodriguez dá vida ao trailer falso de Machete, em um filme repleto de violência gore, exageros e nudez; tudo com muito bom humor e uma trama que, surpreendentemente, é coesa e sustentável, abordando temas como a imigração ilegal. Ficha técnica

Melhor Cena: A fuga do hospital, com destaque para a “corda” usada pelo personagem título para pular de uma janela.

10 – Sherlock Holmes

Depois de divertir plateias e a sim próprio em Homem-de-Ferro, Robert Downey Jr. encarna o detetive mais famoso do mundo, em uma aventura instigante, tecnicamente impecável e com a esperta direção de Guy Ritchie, é o ínicio de uma promissora franquia. Ficha técnica

Melhor Cena: Holmes calculando seus movimentos em uma luta de bar.

9 – Zumbilândia

Assumindo-se como uma éspecie de Todo Mundo Quase Morto americano, a paródia ao popular gênero dos mortos-vivos é extremamente divertida, agradável e conta com um entrosamento de elenco sensacional, com destaque para o Talhahassee de Woody Harelson. A sequência, aliás, os roteiristas estão devendo… Ficha técnica

Melhor Cena: “God Damn it! Bill fucking Murray!”

8 – Ilha do Medo

Um raro suspense na carreira de Scorsese, o sombrio e perturbador Ilha do Medo é um trabalho excepcional de direção, roteiro, fotografia (sensacional) e uma performance brilhante de Leonardo DiCaprio, que protagoniza uma das maiores reviravoltas do ano. Ficha técnica

Melhor Cena: O final, quando Teddy descobre a assustadora verdade sobre a Ilha Shutter.

7- Toy Story 3

Arriscando-se em fazer uma segunda continuação para a saga dos brinquedos, a Pixar um de seus melhores e mais emocionantes trabalhos, que equilibra perfeitamente fortes emoções e piadas divertidíssimas em uma trama honesta e memorável. Ficha técnica

Melhor Cena: A cena da fornalha, de dar nó na garganta…

6 – Tropa de Elite 2 – O Inimigo agora é Outro

Grande ápice do cinema nacional desde… Tropa de Elite. A equipe do filme anterior trabalha dobrado e gera um filme impressionante que faz um poderoso retrato do Brasil atual, política e ainda entretém com um excelente diálogo e a sempre espetacular performance de Wagner Moura como o icônico Coronel-capitão Nascimento. Ficha técnica

Melhor Cena: A emboscada sofrida por Nascimento.

5 – Kick-Ass: Quebrando Tudo

Finalmente chega às telas uma amostra do que seria se tornar um super-herói na vida real. Claro, da metade para o fim o longa se transforma em uma saga exageradamente divertida de ação e violência (vide a icônica Hit-Girl), mas os momentos iniciais do filme são puro brilhantismo na desconstrução do super-herói. Ficha técnica

Melhor Cena: Kick-Ass enfrentando uma gangue em sua primeira aparição pública.

4 – Harry Potter e as Relíquias da Morte: Parte 1

Dizer que Harry Potter está cada vez mais sombrio e adulto é clichê, mas é a pura verdade. O diretor David Yates presta um serviço memorável à primeira parte da conclusão da franquia do bruxo adolescente, fornecendo ao filme uma direção ousada, artística e performances intensas do trio principal; fazendo do longa mais do que um prelúdio. Ficha técnica

Melhor Cena: A armadilha em Godric’s Hollow.

3 – Scott Pilgrim contra o Mundo

Provavelmente a adaptação de quadrinhos mais fiel já feita e também uma das mais divertidas e satisfatórias. Scott Pilgrim é uma aventura clássica e com emoção genuína, cuja estrutura de videogame, visual onírico dinâmico, roteiro pop e elenco perfeito compõe uma obra perfeita que dá um “K.O.” no espectador. Ficha técnica

Melhor Cena: Poucas vezes o cinema conseguiu traduzir para as telas uma cena de quadrinhos de maneira tão autêntica e divertida como a luta de Scott contra o Primeiro Ex-Namorado do Mal.

2 – A Rede Social

O filme que faz uma crítica poderosa da sociedade internet ao contar a história sobre a rede social Facebook é impressionante. Seu roteiro ágil repleto de diálogos estrondosos é impecável, o elenco jovem é sensacional e David Fincher comanda todos esses elementos com grande talento e habilidade, que podem lhe render seu primeiro (e merecido) Oscar. Ficha técnica

Melhor Cena: O antológico discurso de Eduardo Saverin ao descobrir que foi traído por Mark.

1 – A Origem

O filme mais comentado e discutido de 2010. Comprovando mais uma vez o imenso talento do grande Christopher Nolan, A Origem quebra barreiras e apresenta o roteiro mais original e complexo da década, mesclando conceitos inteligentes com espetaculares cenas de ação, efeitos visuais versáteis e um final ambíguo que ficará plantado na memória do espectador, assim como o magnífico filme. Ficha técnica

Melhor Cena: Ariadne escapando pelos chutes sincronizados é uma das cenas mais espetaculares que o cinema recente já produziu.

Melhor Ator do ano: Jesse Eisenberg (A Rede Social)

No papel de Mark Zuckerberg, o jovem Jesse Eisenberg mostra seu imenso talento para personagens dramáticos, conseguindo passar mais do que a imagem de “ator de comédia”. Sempre sério, nunca demonstra suas reais intenções ou sentimentos, tornando Zuckerberg um sujeito imprevisível e praticamente isolado de confraternizações sociais.

Cena essencial: Sua reação por telefone ao saber o que acontece com Sean Parker no fim do filme.

Melhor Atriz do ano: Chloe Moretz (Kick-Ass)

O manto de Hit-Girl, assassina letal de 11 anos de idade não poderia ser assumido por alguém além de Chloe Moretz. Sempre carismática, divertindo-se em cena, também domina os poucos momentos dramáticos. Eu não tenho dúvidas, Moretz é a melhor atriz mirim da atualidade. 

Cena essencial: SPOILERS! Na morte de Big Daddy, a atriz mostra que também tem grande potencial dramático.

Os 5 Melhores em Vídeo

Confira aqui a edição que fiz com os 5 melhores filmes do ano! Deu muito trabalho e espero que gostem:

Bem, esses foram os filmes do ano; em 2011 tem mais, por isso não percam o Preview 2011, que será lançado no começo de Janeiro. Fiquem ligados, estarei publicando posts até o Natal. Até!

Anúncios

| Resident Evil 4: Recomeço | Nem o 3D salva

Posted in Ação, Cinema, Críticas de 2010 with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 18 de setembro de 2010 by Lucas Nascimento

2.0

  Alice in Zombieland: Milla Jovovich corre de uma multidão de mortos-vivos

O mais recente capítulo da franquia Resident Evil, baseada em uma série de games que pouco se assemelha com a adaptação, chegou e a impressão que fica é a mesma acerca da franquia Crepúsculo: a trama não avança à lugar nenhum, pouco acontece. A diferença, é que o sistema de câmeras 3D de James Cameron está presente, como um efeito muito divertido.

Para esse quarto filme, foi trazido de volta Paul W.S. Anderson (diretor do primeiro filme) e ele realmente não aprendeu nada sobre direção. Razoável em comandar cenas de ação (a maioria delas, cópias de Matrix), não desenvolve ou torna interessante a narrativa pedestre do longa e parece estar completamente à deriva de cenários digitais e de eficientes efeitos 3D (que em certos momentos chegam a ser melhor do que os de Avatar); o descontrole reina, ele parece não saber como contar sua limitada história.

Nem mesmo as cenas de ação, que são repetitivas e cansativas, ajudam. Não há emoção, nenhum tipo de suspense ou terror digno, não apenas dos games, mas de qualquer filme de zumbis que se preze. Aliás, são tão poucos zumbis no longa, que o diretor parece ter esquecido de que as criaturas foram as responsáveis por todo o caos no planeta. Temos um ou outro monstro interessante (como o Exucutioner e seu machado gigante), mas nenhum ganha devida atenção.

Sobre o elenco, Milla Jovovich continua inexpressiva e sua personagem cada vez mais patética. Por exemplo: logo no início, Alice ataca a Umbrella Corporation auxiliada por suas clones (que são completamente descartáveis à trama) e logo após uma batalha eficiente – que só fica melhor com os efeitos em 3D – ela perde seus poderes. A emoção é tão inexistente no roteiro, que a protagonista nem sequer expressa algum tipo de sentimento quanto a essa transformação e mesmo sem poderes, continua lutando e atirando como uma super-heroína, não uma humana.

Os coadjuvantes são tão patéticos e descartáveis que não merecem o comentário (Ali Larter e Wentworth Miller estão péssimos), apesar de Shawn Roberts se sair bem como o vilão Wesker, apresentando o personagem de forma bem caricata e similar ao do game, mesmo que empreste muito da atuação de Hugo Weaving em Matrix.

Alice e seus parceiros seguem estourando e aniquilando (poucos) zumbis, mutantes e machados enormes, mas o rumo que a trama tenta seguir nunca convence, nunca justifica e sempre soa incoerente. Infelizmente, o gancho para um quinto filme está lá e não posso imaginar que bizarrices virão a seguir.