Arquivo para ron howard

| No Coração do Mar | Crítica

Posted in Aventura, Cinema, Críticas de 2015, Drama with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , on 2 de dezembro de 2015 by Lucas Nascimento

3.5

IntheHeartoftheSea
Chris Hemsworth é Owen Chase

É fascinante, e até um pouco assustador, quando paramos para pensar que o oceano é menos mapeado do que Marte. Sabemos que o planeta vermelho pode não ter nada de muito chamativo em sua superfície deserta, mas alguns biólogos não fazem ideia do tipo de biosfera que podemos encontrar nas profundezas marítimas, e isso é empolgante. Quando No Coração do Mar tem início, com uma narração tematicamente similar, fica a promessa de algo que explorará o místico com um delicioso senso de mistério. Só que não.

A trama é adaptada do livro “In the Heart of the Sea: The Tragedy of the Whaleship Essex”, de Nathaniel Philbrick, que, por sua vez, é a fonte de inspiração de Herman Melville para o clássico Moby Dick. Aqui, acompanhamos a tripulação do navio baleeiro Essex, liderado pelo capitão George Pillard (Benjamin Walker) e seu primeiro imediato, Owen Chase (Chris Hemsworth). Ao descobrirem uma região distante que pode revelar-se absurdamente lucrativa, são atacados por uma gigantesca baleia branca que os coloca em perigo.

De cara, já é admirável notar a versatilidade de Ron Howard: saído das pistas de fórmula 1 com o excelente Rush: No Limite da Emoção, o diretor já traz Chris Hemsworth e seu diretor de fotografia Anthony Dod Mantle para uma aventura em alto mar sobre pesca de baleias. Infelizmente esse novo filme não alcança o mesmo nível de qualidade do anterior, principalmente não saber exatamente o que quer ser. O marketing nos prometia uma história de homem vs natureza no espírito de Moby Dick, mas a gigantesca baleia antagonista não aparece tanto aqui, e Howard falha ao não apostar em um suspense a lá Tubarão para revelar o grande mamífero; ainda que seja realmente belíssimo quando vemos sua colossal calda emergindo do oceano.

Após um ataque que destroi o navio por completo, o longa entra em um ritmo monótono para acompanhar os sobreviventes lutando para permanecerem vivos em alto mar, remetendo à As Aventuras de Pi e até Náufrago quando os personagens encontram uma ilha remota. Tudo isso é retratado com um certo tom de punição, já que a primeira cena de pesca às baleias é dirigida com tristeza, acompanhada por uma trágica trilha sonora de Roque Baños, como se fosse uma coisa terrível que esses homens fazem, e que sua subsequente perdição no mar é um castigo.

O elenco também mostra-se favorável a esse retrato. Hemsworth é carismático o bastante para segurar o papel de protagonista, criando uma figura esperta e moralmente correta com seu Owen Chase; ainda que sua tão divulgada perda de peso no filme não seja tão bem explorada ou aproveitada pela equipe. Tom Holland, prestes a ganhar as telas como o novo Homem-Aranha, também se sai bem ao lado de Hemsworth, mas é mesmo Brendan Gleeson (que interpreta o mesmo personagem envelhecido) quem tem a oportunidade de compor um trabalho mais complexo, já que recusa-se a contar a história de início, apenas para uma revelação chocante e que rende uma reação emocionante do ator.

Visualmente, também é um resultado agridoce. O trabalho mediano de efeitos visuais para criação das baleias e ambientes realmente não casou com o estilo de Anthony Dod Mantle, particularmente no uso de seus filtos e o trabalho de correção de cor na pós-produção; dando a estranha impressão de o elenco estar “descolado” do ambiente, e um brilho atípico para as ondas. O uso constante de Howard das go pros também incomoda, a não ser por momentos mais sutis; como a reação de Chase ao se dar conta de que perdeu o colar dado por sua esposa.

No Coração do Mar é um longa eficiente, mas que encontra problemas quanto ao tipo de história que quer contar, e onde realmente quer estabelecer seu foco: um filme sobre homem vs animal? A vingança da natureza? A ambição do homem? A criação de uma obra-prima? São muitos filmes presos em um fiapo que ocasionalmente revela-se frágil.

Anúncios

| A Entrevista | Crítica

Posted in Comédia, Críticas de 2014, DVD with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 25 de dezembro de 2014 by Lucas Nascimento

4.0

TheInterview
James Franco descobre um novo lado de Kim Jong-un

Você provavelmente deve ter ouvido muito sobre A Entrevista, nova comédia de Seth Rogen e James Franco, nos últimos dias. O filme foi proibido, ameaçado de terrorismo, supostamente a causa de um cyberataque maciço e agora conseguiu voltar aos cinemas americanos e também disponível num eficaz serviço de video on demand pela internet. Muito barulho por uma com

Elaborada por Rogen e seu amigo Evan Goldenberg e roteiriziada por Dan Sterling, a trama gira em torno do apresentador de TV David Skylark (Franco), cuja audiência cresce graças à seu trabalho fútil de exposição do mundo das celebridades, num típico “TV Fama” ou “TMZ” da vida. Quando seu produtor, Aaron Rapaport (Rogen) descobre que Kim Jong-un (Randall Park) é um fã do programa, ele consegue uma entrevista exclusiva com o líder da Coréia do Norte. Porém, a CIA intervém e pede que a dupla use o evento como oportunidade para assassinar Kim Jong Un.

Da mesma forma como escrevi na minha crítica de Vizinhos, Seth Rogen é o cara com as ideias mais absurdas que entra no escritório do produtor e consegue persuadi-lo de qualquer coisa. Imagino ele entrando no escritório de Amy Pascal ou algum outro executivo da Sony e falando “um filme em que eu o James Franco vamos matar o ditador da Coréia do Norte!”. E aposto que Rogen está com ainda mais notoriedade por lá, dada a controvérsia global de seu A Entrevista. A verdade é que é uma comédia inofensiva que não precisava sofrer tudo o que sofreu, ainda que o roteiro da dupla traga sua dose de “seriedade” ao ridicularizar programas de tablóide e o governo de Kim Jong-un, mesmo que de forma morna.

Aliás, o personagem Kim Jong-un criado aqui é sensacional. Mesmo que Randall Park não seja exatamente parecido ou com um rosto engraçado como o do Un real, ele entrega uma performance divertidíssima como um jovem introvertido fã de Katy Perry que dispara mísseis nucleares para ser levado a sério. É também um manipulador nato, o que o coloca como bom antagonista para os “heróis” de Seth Rogen e James Franco, que repetem a mesma química bem-sucedida de Segurando as Pontas. O primeiro mantém sua áurea séria mas inadvertivelmente cômica, enquanto Franco se entrega completamente ao caricato na pele de Skylark, uma mistureba dos tipos mais escandalosos de apresentadores de TV. Aliás, não deixa de ser curioso como tanto A Entrevista quanto o thriller O Abutre discutam, de certa forma, a função do jornalismo.

E também como Segurando as Pontas, o filme faz um balanço eficiente entre as piadas e o humor. Num momento estamos vendo Franco soltar inúmeras referências ao Senhor dos Anéis (“Eu sou gollum, e você é o meu precioso”) e no outro temos um clímax gigantesco que envolve tanques de guerra, metralhadoras e ogivas nucleares. Goldenberg e Rogen evoluem muito como diretores depois do mediano É o Fim (sim, vocês bem sabem que sou um dos poucos que acho o filme só OK), e até aprendem um humor mais sutil ao fotografar a cena da entrevista do título da mesma forma como no ótimo Frost/Nixon (“Daqui a 10 anos, Ron Howard vai fazer um filme sobre nós!”).

A Entrevista é uma comédia divertidíssima que certamente vai agradar aos fãs do humor de Seth Rogen e companhia. Foi injustamente afetado por uma polêmica exagerada, mas não tira o fato de ser uma obra eficiente. Se Kim Jong-un não gostar, problema dele.

Obs: O filme está disponível em VOD em diversos serviços de streaming, mas a estreia no Brasil ainda não definida.

Obs II: Temos algumas participações especiais muito divertidas.

Primeiro trailer de IN THE HEART OF THE SEA

Posted in Trailers with tags , , , , , , , on 16 de outubro de 2014 by Lucas Nascimento

IMG_7190.JPG

Depois do ótimo Rush: No Limite da Emoção, o diretor Ron Howard e o astro Chris Hemsworth se reúnem para encarar o oceano, com In the Heart of the Sea, filme que conta a história real que inspirou o livro Moby Dick.

Os visuais são belíssimos. Confira:

In the Heart of the Sea estreia em Março de 2015.

IMG_7192.JPG

Previsões para o OSCAR 2014

Posted in Prêmios with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 8 de setembro de 2013 by Lucas Nascimento

OS14

Setembro é o mês em que eu paro e analiso as obras que têm mais chance de abocanhar indicações ao Oscar. Para a edição de 2014, certamente teremos muita coisa boa entre os indicados, se as críticas estrangeiras nos inúmeros festivais de cinema estiverem certas. Vejamos, em ordem alfabéica:

12 Years a Slave

12years_05

A Academia finalmente se deu conta da existência de Steve McQueen (o diretor)? Em seu drama que conta uma história real ambientada no período de escravidão dos EUA, McQueen reune-se com Michael Fassbender (parceria que deu certo em Hunger e Shame) e traz um elenco estelar neste que vem sido taxado como “o mais emocionante do ano”, após sua exibição nos Festivais de Telluride e Toronto. Depois de Lincoln e Django Livre fazerem barulho, 12 years a Slave promete destaque.

Possíveis Indicações: Melhor Filme, Diretor, Ator (Chiwetel Ejiofor), Ator Coadjuvante (Michael Fassbender, Paul Dano), Roteiro Adaptado, Fotografia, Figurino, Montagem, Direção de Arte e Trilha Sonora.

Antes da Meia-Noite

midnight_05

A cultuada trilogia romântica de Richard Linklater chega ao fim, e seria um crime que um dos melhores filmes de 2013 passasse batido. Mantendo a mesma qualidade dos antecessores, Antes da Meia-Noite traz uma exploração inédita do casal formado por Ethan Hawke e Julie Delpy e alguns dos melhores diálogos já vistos no gênero; sem falar que sua aprovação foi quase unânime nos EUA. Já aviso: Roteiro Adaptado não pode ir pra mais ninguém.

Possíveis Indicações: Melhor Filme, Diretor, Ator (Ethan Hawke), Atriz (Julie Delpy), Roteiro Adaptado e Montagem

Blue Jasmine

bluejasmine_05

Depois do mediano Para Roma, com Amor, Woody Allen surge em boa forma com Blue Jasmine. O longa recebeu ótimas críticas nos EUA e a performance de Cate Blanchett, em especial, foi aplaudida. Acho possível que o nova-iorquino retorne à premiação, mas provavelmente com uma presença inferior à de Meia-Noite em Paris. Mas olha a cara de quem liga pra isso do Allen.

Possíveis Indicações: Melhor Filme, Atriz (Cate Blanchett) e Roteiro Original

Capitão Phillips

cp

Paul Greengrass promete um filme tenso e Tom Hanks, uma performance suada. A história real de Capitão Phillips traz o personagem de Hanks tendo seu navio sequestrado por um grupo de piratas da Somália, retratando sua luta pela sobrevivência em alto-mar. Mesmo que não hajam poucas, as críticas elogiam a qualidade das atuações.

Possíveis Indicações: Melhor Filme, Ator (Tom Hanks), Ator Coadjuvante (Barkhad Abdi), Montagem, Fotografia, Edição de Som e Mixagem de Som

Dallas Buyer’s Club

dallas

Mais uma poderosa investida de Matthew McCoughney (incrivelmente magro) vem aí. Na história real ambientada em 1986, o ator interpreta um sujeito diagnosticado com HIV Positivo que luta contra os preconceitos de instituições farmacêuticas e busca tratamentos alternativos. A Academia adora esse tipo de drama, e o longa recebeu críticas favoráveis em Toronto.

Possíveis Indicações: Melhor Filme, Ator (Matthew McCoughney), Ator Coadjuvante (Jared Ledo) e Roteiro Original.

Gravidade

GRAVITY

Explodindo cabeças e maravilhando olhares desde sua estreia no Festival de Veneza, o ambicioso (e minimalista) filme de Alfonso Cuarón tem destaque em muitas listas cinéfilas de “mais esperados do ano”. A ficção científica que traz apenas George Clooney e Sandra Bullock no elenco foi extremamente bem recebida e certamente deve faturar diversas estatuetas nas categorias técnicas (fotografia de Emmanuel Lubezki em 3D, uau). Até o James Cameron veio falar que é “o melhor filme de espaço já feito”. Responsa, não?

Possíveis Indicações: Melhor Filme, Diretor, Ator (George Clooney), Atriz (Sandra Bullock), Roteiro Original, Fotografia, Montagem, Efeitos Visuais, Edição de Som e Mixagem de Som

Inside Llewyin Davis

davis

Irmãos Coen. Além desse argumento esmagador, o filme foi elogiadíssimo no Festival de Cannes e promete fazer muito barulho.

Possíveis Indicações: Melhor Filme, Diretor, Ator (Jason Isaacs), Atriz (Carey Mulligan), Roteiro Original, Fotografia, Figurino, Maquiagem, Trilha Sonora e Canção Original.

Labor Day

labor

Jason Reitman passou batido das premiações com seu Jovens Adultos, mas parece que o talentoso diretor vai roubar destaque com seu Labor Day. O filme envolve uma mãe solteira depressiva que acolhe um fugitivo da lei, aprendendo sobre sua verdadeira história enquanto este a revela. Reitman manda bem, e o elenco parece excelente.

Possíveis Indicações: Melhor Filme, Diretor, Atriz (Kate Winslet), Ator Coadjuvante (Josh Brolin), Roteiro Adaptado, Montagem.

The Monuments Men

monuments_01

Este daqui grita Oscar desde o anúncio de sua produção. Vejamos, temos George Clooney na direção de um épico traz Matt Damon, Bill Murray, Jean Dujardin, John Goodman e Cate Blanchett protegendo obras de arte de nazistas em plena Segunda Guerra Mundial. Promete seguir a mesma linha “drama-humor” de Argo, e não podemos esperar pra ver o resultado.

Possíveis Indicações: Melhor Filme, Diretor, Ator (George Clooney), Ator Coadjuvante (Bill Murray, Jean Dujardin), Atriz Coadjuvante (Cate Blanchett), Roteiro Adaptado, Fotografia, Direção de Arte, Figurino, Trilha Sonora, Edição de Som, Mixagem de Som.

Rush – No Limite da Emoção

rush

Ron Howard erra bastante, mas o cara sabe como fazer uma boa cinebiografia. Sua abordagem à rivalidade entre dois pilotos de corrida é uma virada inesperada em sua carreira, e o resultado parece ter agradado os críticos no Festival de Toronto.

Possíveis Indicações: Melhor Filme, Diretor, Ator (Daniel Bruhl), Roteiro Adaptado, Direção de Arte, Fotografia, Montagem, Trilha Sonora, Edição de Som e Mixagem de Som

Walt e Mary – Os Bastidores de Mary Poppins

banks

A tradução grotesca para Saving Mr. Banks permanece uma incógnita: ninguém assistiu ainda. No entanto, acredito que o filme de John Lee Hancock (de Um Sonho Possível) surpreenda com suas atuações protagonistas: Tom Hanks como Walt Disney e Emma Thompson como Pamela Lyndon Travers (a autora de Mary Poppins). Não acho que deva ir além disso.

Possíveis Indicações: Melhor Ator (Tom Hanks), Atriz (Emma Thompson), Figurino, Maquiagem e Direção de Arte.

The Wolf of Wall Street

THE WOLF OF WALL STREET

VOCÊS VIRAM AQUELE TRAILER? SCORSESE SURTADO + DICAPRIO SURTADÃO + SUJEIRAS DE WALL STREET. Agora, sério, The Wolf of Wall Street promete ser um filmaço. Aposto que Scorsese vai trazer à Wall Street a mesma abordagem que forneceu à máfia em Os Bons Companheiros. E será que agora o DiCaprio será lembrado?

Possíveis Indicações: Melhor Filme, Diretor, Ator (Leonardo DiCaprio), Ator Coadjuvante (Matthew McCoughney, Jonah Hill), Roteiro Adaptado, Fotografia, Montagem, Trilha Sonora, Mixagem de Som.

Outras possíveis Indicações

Além da Escuridão – Star Trek – Efeitos Visuais, Maquiagem, Edição de Som e Mixagem de Som

Frances Ha – Melhor Atriz (Greta Gerwig) e Roteiro Original

O Grande Gatsby – Figurino, Direção de Arte e Efeitos Visuais

O Homem de Aço – Efeitos Visuais

Homem de Ferro 3 – Efeitos Visuais

Claro que ainda teremos muitas surpresas pelo caminho, mas pode apostar que muitos filmes aqui estarão na lista de indicados em Janeiro do ano que vem. Vamos aguardar.