Arquivo para rooney mara

SCREEN ACTORS GUILD 2016: Os indicados

Posted in Prêmios with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 9 de dezembro de 2015 by Lucas Nascimento

sagaward

Confira abaixo os indicados ao SAG Awards 2016, nas categorias de cinema:

MELHOR ELENCO

Beasts of No Nation

A Grande Aposta

Spotlight – Segredos Revelados

Straight Outta Compton – A História do N.W.A.

Trumbo

MELHOR ATOR – LONGA METRAGEM

Bryan Cranston | Trumbo

Johnny Depp | Aliança do Crime

Leonardo DiCaprio | O Regresso

Michael Fassbender | Steve Jobs

Eddie Redmayne | A Garota Dinamarquesa

MELHOR ATRIZ – LONGA METRAGEM

Cate Blanchett | Carol

Brie Larson | Room

Helen Mirren | A Dama Dourada

Saiorse Ronan | Brooklyn

Sarah Silverman | I Smile Back

MELHOR ATOR COADJUVANTE – LONGA METRAGEM

Christian Bale | A Grande Aposta

Idris Elba | Beasts of No Nation

Michael Shannon | 99 Rooms

Mark Rylance | Ponte dos Espiões

Jacob Trambley | Brooklyn

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE – LONGA METRAGEM

Rooney Mara | Carol

Rachel McAdams | Spotlight – Segredos Revelados

Helen Mirren | Trumbo

Alicia Vikander | A Garota Dinamarquesa

Kate Winslet | Steve Jobs

MELHOR EQUIPE DE DUBLÊS

Evereste

Jurassic World: O Mundo dos Dinossauros

Mad Max: Estrada da Fúria

Missão: Impossível – Nação Secreta

Velozes & Furiosos 7

A cerimônia do SAG acontece em 30 de Janeiro de 2016.

Anúncios

Sony vai adaptar A GAROTA NA TEIA DE ARANHA com novo elenco

Posted in Notícias with tags , , , , , , , , on 4 de novembro de 2015 by Lucas Nascimento

EE British Academy Film Awards (BAFTA) 2014 held at the Royal Opera House - Arrivals Featuring: Alicia Vikander Where: London, United Kingdom When: 16 Feb 2014 Credit: Joe/WENN

Fazia um bom tempo que não postava notícias aqui (estou mais dedicado às críticas, aqui e no Plano Crítico), mas não posso deixar de falar sobre o dramalhão que é a tentativa da Sony de adaptar mais filmes da Trilogia Millennium. Bom, felizmente o estúdio deu luz verde para adaptar A Garota na Teia de Aranha, novo livro de David Lagercrantz que continua a história criada pelo falecido Stieg Larsson.

A parte ruim?A equipe de Os Homens que Não Amavam as Mulheres não volta. Isso aí, Rooney Mara, Daniel Craig e o diretor David Fincher serão substituídos por um novo pessoal, assim como o roteirista Steven Zaillian. O roteiro da nova adaptação fica a cargo de Steven Knight, e um forte rumor aponta que a atriz Alicia Vikander (Ex Machina) seria a nova Lisbeth Salander.

Bem, é realmente frustrante que a equipe original não retorne, visto o trabalho excepcional no filme de 2011. Vikander até chega a ser uma escolha boa, mas teria um trabalho difícil para superar a performance de Mara, indicada ao Oscar.

Vamos aguardar por mais novidades…

Os vencedores do 68º FESTIVAL DE CANNES

Posted in Prêmios with tags , , , , , , , on 24 de maio de 2015 by Lucas Nascimento

deephan

E chega ao fim mais um Festival de Cannes, na França. Este ano, o júri foi presidido pelos irmãos Joel e Ethan Coen e os vencedores são os seguintes:

PALMA DE OURO

Dheepan (França)

GRANDE PRÊMIO

Son of Saul

MELHOR DIRETOR

Hou Hsiao-Hsien | The Assassin

MELHOR ATOR

Vincent Lindon | The Measure of a Man

MELHOR ATRIZ

Rooney Mara | Carol & Emmanuelle Bercoi | Man Roi (empate)

MELHOR ROTEIRO

Chronic | Michel Franco

CAMERA D’OR (MELHOR FILME DE ESTREIA)

La Tierra y la Sombre | Cesar Acevedo

PALMA DE OURO (CURTA-METRAGEM)

Waves ’98

PRÊMIO DO JÚRI

The Lobster

 

Continuações de MILLENNIUM não devem mais acontecer

Posted in Notícias with tags , , , , , , , , on 23 de fevereiro de 2015 by Lucas Nascimento

dragontattoo_171

Bem, isso meio que já é esperado. Com o ataque hacker sofrido pela Sony e a subsequente saída de uma das presidentes, Amy Pascal, alguns projetos serão descartados pela nova coordenação. Um deles deve ser a adiada continuação de Millennium: Os Homens que Não Amavam as Mulheres, dirigido por David Fincher em 2011.

Quem falou sobre o assunto foi a atriz Rooney Mara, que disse ao E! Online que as continuações A Menina que Brincava com Fogo e A Rainha do Castelo de Ar “não devem acontecer, e que ficará triste por não voltar a interpretar Lisbeth Salander. O projeto tinha roteiro de Steven Zaillian e Andrew Kevin Walker, e prometia uma adaptação livre do livro de Stieg Larsson.

Uma pena. O filme de Fincher foi ótimo e infinitamente superior à versão sueca, e fico triste por não poder ver mais da Lisbeth Salander de Mara.

Mas bem, vamos aguardar por confirmações oficiais.

Assista agora ao trailer de PAN

Posted in Trailers with tags , , , , , , on 25 de novembro de 2014 by Lucas Nascimento

Blackbeard_Jackman

Joe Wright (de Desejo & Reparação, Hanna e Anna Karenina) é o responsável por Pan, história que serve como prelúdio para o conto de Peter Pan. O filme ganhou seu primeiro trailer hoje, e chama a atenção pelas excêntricas caracterizações de Hugh Jackman e Rooney Mara. Confira:

Pan estreia em 17 de Julho de 2015.

Veja o trailer de TRASH – A ESPERANÇA VEM DO LIXO

Posted in Trailers with tags , , , , , , , , , , , , on 21 de julho de 2014 by Lucas Nascimento

trash2

Talvez você se lembre que, no ano passado o diretor Stephen Daldry (Billy ElliotAs Horas e Tão Forte e Tão Perto) estava com Rooney Mara e Martin Sheen no Rio de Janeiro gravando um filme. Bem, é levantada a cortina e Trash – A Esperança vem do Lixo ganha seu primeiro trailer que, com as participações de Wagner Moura e Selton Mello, gira em torno de um mistério envolvendo uma carteira. Confira:

A produção do filme é britânica e brasileira, em uma junção da Working Titles com a O2 Filmes.

Trash – A Esperança vem do Lixo estreia em 9 de Outubro.

| Ela | E assim caminha a Humanidade?

Posted in Cinema, Críticas de 2014, Drama, Indicados ao Oscar, Romance with tags , , , , , , , , , , , , , , on 9 de fevereiro de 2014 by Lucas Nascimento

4.0

Her
Joaquin Phoenix apaixonado por Ela

Constantemente encontro-me assustado com o nível de dependência humana em aparelhos tecnológicos. Seja através de smartphones, Facebooks e WhatsApps, grande parcela da população mantém relações intensas com estes (e eu, infelizmente, não posso ser hipócrita ao me excluir desse vasto grupo), elementos que certamente alteraram o futuro da Humanidade. O que nos leva à Ela, novo filme de Spike Jonze que explora com maestria as relações humanas em uma sociedade distópica não muito distante.

A trama é ambientada num futuro próximo, onde encontramos o solitário Theodore Twombly (Joaquin Phoenix), um escritor de cartas lidando com o divórcio com sua amada (Rooney Mara), que acaba de adquirir um revolucionário sistema operacional com consciência inteligente (voz de Scarlett Johansson). À medida em que a relação dos dois cresce, Theodore encontra-se apaixonado pelo sistema do computador, e lida com as consequências de seus sentimentos.

Mesmo que eu tenha puxado a discussão a respeito dos excessos tecnológicos no primeiro parágrafo, este é um mero pretexto para que Spike Jonze se concentre em um tema mais abrangente e complexo: o Amor. Também roteirista do projeto, Jonze já merece créditos por tecer uma premissa absolutamente genial e que, por si só, já é suficiente para despertar uma série de discussões sociológicas e humanas. Nessa Los Angeles futurista – que é magistralmente criada a partir de um design de produção sutil e moderno o suficiente para não parecer tão avançado, mas também não tão atual – companhias são contratadas para escreverem cartas pessoais para outras pessoas, a internet está constantemente em nossos bolsos e ouvidos e a população atingiu um crescimento assombroso. Não parece um futuro tão implausível, não é?

Entra o adorável sistema operacional Samantha. Uma criação humana tão complexa e avançada que esta seria capaz de sentir sentimentos, do amor até o ciúmes. Como seria possível uma relação consensual entre um ser humano e um computador? Se até mesmo uma relação entre duas pessoas do mesmo sexo é furiosamente condenada pelo senso comum, o que dirá sobre aquela com uma máquina? Insanidade? Diz em certo momento a amiga de Theodore, Amy (vivida por uma ótima Amy Adams) que qualquer um apaixonado estaria louco, que “o amor é uma forma de insanidade socialmente aceita”. O que nos fica claro em Ela, é que o sentimento pode ser real e puro, independente do parceiro: o próprio Theodore transforma-se e sai rodopiando de felicidade pelas ruas à medida em que vai se aproximando à Samantha – em uma das mais diferentes e honestas performances de Joaquin Phoenix.

Em um de seus momentos mais inspirados, Samantha demonstra a necessidade do contato físico com Theodore, o que leva a uma estranha e absolutamente criativa experiência com um “avatar” (vivido por Portia Doubleday, do novo Carrie). Uma ideia fascinante, já que, se um humano é capaz de ter uma representação virtual na internet, por que não um computador no mundo real? E diversos momentos de Ela nos fazem excluir a ideia de uma representação física: quando um colega de trabalho convida Theodore para um double date, este pede para que leve sua namorada Samantha. “Ela é um sistema operacional”, retruca o protagonista. E mais belo do que a reação completamente sem preconceitos do colega (soa como se Theodore tivesse simplesmente dito que Samantha era uma professora, advogada, ou coisa do tipo), é o tal encontro, onde fica evidente que o sistema operacional é, de fato, real.

Durante suas duas horas de duração, Ela traz conceitos fascinantes e o poder de despertar as mais variadas discussões envoltas em sua narrativa. Seja na presença onipresente de tecnologia ou em sua abordagem moderna e inovadora sobre o Amor, o filme de Spike Jonze é uma obra importante, pontualmente divertida e sensível, que merece múltiplas visitas e análises mais profundas do que uma mera crítica cinematográfica.

Obs: Esta crítica foi escrita após a pré-estreia do filme em São Paulo, em 8 de Fevereiro.