Arquivo para shawn levy

| Uma Noite no Museu 3: O Segredo da Tumba | Crítica

Posted in Aventura, Cinema, Críticas de 2015 with tags , , , , , , , , , , , , on 2 de janeiro de 2015 by Lucas Nascimento

2.5

NightattheMuseumTheSecretoftheTomb
Dan Stevens é Sir Lancelot e Ben Stiller é Larry Daley

Eu gosto bastante dos primeiros exemplares da agora trilogia Uma Noite no Museu. São duas aventuras assumidamente familiares e até infantis, mas que trazem divertidas citações históricas e uma sensação nostálgica que me faz pensar no hit da Sessão da Tarde Jumanji. Com um terceiro filme que eu não fazia ideia de que ia ser lançado, Shawn Levy e sua turma ficam aquém das expectativas com O Segredo da Tumba.

A trama começa quando a Tábua de Ahkmenrah, artefato egípcio responsável por dar vida às obras do museu, começa a falhar, afetando a existência de todas as figuras icônicas que agora são a atração principal do estabelecimento. O vigia noturno Larry Daley (Ben Stiller) precisa então viajar até Londres, onde o Museu Britânico teria a chave para consertar a situação.

É espantoso que O Segredo da Tumba seja inferior aos anteriores, já que é basicamente o mesmo filme; a mesma fórmula. Até me divirto ao imaginar o tratamento Anjos da Lei aqui na franquia, criando infinitas continuações (“Uma Noite no Museu 8: Deu a Louca no MASP”, “Uma Noite no Museu 12: I Love Louvre” ou “Uma Noite no Museu 27: O Enigma de Madame Tussauds”), já que a estrutura permaneceria a mesma, independente do cenário. Aqui, a dupla de roteiristas David Guion e Michael Handelman apela se vez ao infantilóide, piadas com barulho de boca, caretas e britânicos. Nada muito empolgante. Sem falar que assustadoramente incita a zoofilia.

Aqui, as novas figuras históricas não são tão carismáticas (além de serem poucas adições), limitando-se a um inspirado Dan Stevens como Lancelot, que aceita completamente a palhaçada em que está metido. A sempre irritante Rebel Wilson permanece portadora do estereótipo da “mulher gorda” e Ben Kinglsey tem uma participação esquecível. O grande destaque de elenco inédito fica com duas cameos divertidas, que envolvem uma inesperada piada com X-Men.

Não que o filme não tenha seus momentos, sejam eles quando Ben Stiller se transforma num implacável herói de ação para enfrentar um dragão de múltiplas cabeças com Lancelot, uma pequena visita a Pompeia ou uma luta dentro do quadro paradoxal de M. C. Escher (que também inspirou o design onírico de A Origem). Ver também Robin Williams em um papel que explora suas habilidades como comediante, é sempre agradável, e triste por sabermos que é uma de suas performances finais.

Uma Noite no Museu 3: O Segredo da Tumba não é a conclusão que a série merecia, fadada à piadas infantis e poucas novidades realmente empolgantes. Tem seus méritos, mas é uma infeliz decepção.

Obs: A dedicatória a Robin Williams talvez seja o momento mais emocionante de toda a projeção.

| Os Estagiários | Google – O Filme, sem graça

Posted in Cinema, Comédia, Críticas de 2013 with tags , , , , , , , , , , , , , , on 31 de agosto de 2013 by Lucas Nascimento

1.5

TheInternship
Vince Vaughn e Owen Wilson vão trabalhar no Google…

Sempre faço questão de frisar, antes de comentar um filme do gênero, que a comédia é muito relativa. Você pode não rir das mesmas piadas que eu e vice-versa, mas eu acho realmente difícil que tenha alguma coisa verdadeiramente engraçada neste Os Estagiários. Mesmo que tente repetir a química entre Owen Wilson e Vince Vaughn (que deu certo no ótimo Penetras Bons de Bico), o filme de Shawn Levy soa mais como um corporate movie do Google e, pior ainda, sem graça alguma.

A trama é assinada por Jared Stern e pelo próprio Vaughn (e tendo em vista que ele também trabalhou no roteiro de Encontro de Casais, seria melhor que o ator ficasse longe da função), e traz os amigos Nick (Owen Wilson) e Billy (Vaughn) arriscando-se em um programa de estágios do Google, após ambos terem perdido sua firma de vendas de relógios. Lá, bem, a dupla enfrenta diversas equipes a fim de conseguir um emprego definitivo na empresa.

Ao ouvir da premissa, eu realmente não sabia o que esperar. Não parecia que havia muito o que falar ou explorar comicamente durante 120 minutos (o que é uma duração muito longa para um filme do gênero, que é sentida aqui), então Os Estagiários aposta basicamente no mesmo tipo de piada: as diferenças de idade entre os personagens de Wilson e Vaughn e a equipe jovinal com quem são forçados a trabalhar. De referências a filmes dos anos 80 (e também elementos da cultura pop, como Harry PotterGame of ThronesStar Wars) até Vince Vaughn repetindo “on the line” umas 4 vezes, o filme chega a causar vergonha alheia. O pior é que o roteiro até tenta dizer alguma coisa nas entrelinhas de suas “piadas” acerca do desemprego pós-crise de 2008 e a crescente dependência em cima da internet móvel. Mas se nem fazer rir o filme consegue, o que dizer de comentário social?

Infelizmente, nem o elenco salva. Wilson faz um preguiçoso piloto-automático e Vaughn dispara seu típico diálogo ultrarrápido, mas é mesmo a interação entre os dois que (em um ou dois momentos) faz valer, um pouco, a experiência. Todo o restante dos intérpretes abraça os mais variados arquétipos e ajudam a tornar cada piada mais previsível ou simplesmente imbecil: o que dizer do antagonista vivido por Max “sotaque britânico” Minghella? Um personagem que existe pelo único propósito de nos fazer odiá-lo, e de uma maneira forçada.

Irritante, longo demais e provocador de tédio, Os Estagiários é uma comédia previsível e completamente apoiada em todos os clichês conhecidos pelo Homem. Mas aposto que o Google deve estar muito feliz com a quantidade de pessoas que irá utilizar a ferramenta para confirmar se a empresa realmente é o local paradisíaco demonstrado no filme.

Obs: O diretor Shawn Levy faz uma rápida ponta em certo momento.