Arquivo para suspense

| Segredos de Sangue | Uma saga familiar verdadeiramente sombria (e estilosa)

Posted in Cinema, Críticas de 2013, Suspense with tags , , , , , , , , , , , , , , , on 16 de junho de 2013 by Lucas Nascimento

4.5

STOKER
Matthew Goode, Nicole Kidman e Mia Wasikowska em um sinistro jantar

É impressionante o que um ótimo diretor é capaz de alcançar com um roteiro simplista. Em Segredos de Sangue, o sul-coreano Chan-w00k Park faz sua estreia em longas-metragens de língua inglesa e, dotado de uma técnica impecável e um elenco competente, faz valer a pena essa sombria e perturbadora tragédia familiar.

A trama é assinada por Wentworth Miller (o Michael de Prison Break, agora adentrando no território de roteirista), centrando-se na jovem India Stoker (Mia Wasikowska). Abalada pela morte de seu pai, ela é forçada a conviver com sua distante mãe (Nicole Kidman) e a repentina chegada de seu tio Charlie (Matthew Goode, de Watchmen), que traz um misterioso interesse pela sobrinha.

Em seu período de divulgação, Segredos de Sangue me remetia muito ao Sombras da Noite de Tim Burton. Ao meu ver, representa tudo o que o filme com Johnny Depp falhou em alcançar: as sombrias relações familiares, independente da presença de seres sobrenaturais. Claro que o longa de 2012 era uma comédia assumida, ao passo em que temos aqui um inquietante suspense que cresce com admirável elegância graças a genial direção de Chan-wook Park. Famoso pela excelente adaptação de Oldboy, o sul-coreano traz sua inventidade visual ao criar belos planos que contribuem para a criação de um tom frio e da ameaça iminente (poderia citar vários exemplos, mas me impressiona em particular a sutileza de seus posicionamentos de câmera ao enfocar um diálogo entre os protagonistas na cozinha). É Tim Burton para adultos.

Ainda sobre sua técnica, a montagem de Nicolas De Toth merece aplausos por sua criatividade. Não só é eficaz ao manter a fluência nos inúmeros flashbacks da narrativa (que vão se misturando ao presente constantemente, e até repetindo frames a fim de criar “semelhanças”), mas também impressiona pelas geniais transições de cena, adotando velocidade quando necessário (como quando algum personagem abre uma porta e em seguida vemos uma gaveta se fechar) ou optando por uma lenta transição que começa em close no cabelo de Nicole Kidman para logo ir se revelando uma floresta.

São maravilhas técnicas como essas que compensam o roteiro de Miller. Sua prosa é inteligente ao trazer uma metáfora envolvendo os sapatos da protagonista (toda a sua vida usava um par específico, adota um salto-alto em um momento-chave da projeção, simbolizando seu amadurecimento), mas são conceitos que ganham mais força visualmente do que em teoria. Miller também falha ao deixar claro quais as intenções de seus personagens: por que Charlie é tão obcecado pela sobrinha? A ótima performance de Matthew Goode sugere uma atração incestuosa, ao mesmo tempo em que poderia tratar-se de uma ramificação de seu passado perturbador – e é assustadora a sequência de cortes que vai revelando a natureza oculta do personagem.

Com uma conclusão que imediatamente soa exagerada à primeira vista (mas que faz todo o sentido quando a analisamos detalhadamente), Segredos de Sangue é uma narrativa ousada e que se beneficia pela inteligência de sua equipe. Fica claro que é uma obra sobre amadurecimento, algo que certamente falta a seu roteirista; mas que é ao menos capaz de manter o espectador preso à poltrona.

Anúncios

Suspense ATM ganha seu primeiro trailer

Posted in Trailers with tags , , , , on 8 de janeiro de 2012 by Lucas Nascimento

Navegando pela internet, me deparei com o trailer de um suspense chamado ATM. A trama mostra três amigos que ficam presos dentro de um caixa eletrônico (daí, o ATM do título) enquanto um maníaco os observa do lado de fora, ameaçando-os sem motivo aparente. Não tenho expectativa pelo filme, mas o trailer é interessante. Confira:

ATM ainda não tem previsão de estreia.

| Apollo 18 | A verdade está lá fora, não neste filme

Posted in Cinema, Críticas de 2011, Ficção Científica, Suspense with tags , , , , , , , , on 3 de setembro de 2011 by Lucas Nascimento


Moonwalker: O astronauta Nate descobre o Lado Oculto da Lua

Todo mundo adora uma boa conspiração. Todo mundo adora filmes que, supostamente, são compostos de registros reais sobre um evento misterioso. A junção das duas ideias em um longa sobre corrida espacial parecia ótima no papel, mas mostra-se fraca e terrivelmente executada em Apollo 18.

O longa (que não é real, como muitos parecem mesmo acreditar…) registra a missão Apollo 18 da NASA, onde os astronautas a bordo depararam-se com uma bizarra presença extraterrestre em pleno solo lunar.

Depois de A Bruxa de Blair, Cloverfield[Rec], Atividade Paranormal e alguns outros filmes menores estabelecerem o gênero de “imagens encontradas”, o diretor Gonzalo López-Gallego e o roteirista Brian Miller repetem as mesmas táticas (incluindo a agressiva campanha de marketing que aposta na veracidade do longa), mas alcançam um resultado irregular e terrivelmente inferior aos dos citados acima. O problema está na história, simplesmente muito tola e absurda e, principalmente, mal contada e que causa o entendiamento do espectador, quando o efeito desejado seria – tratando-se de um suspense – o pânico, ou no mínimo alguns sustos.

O roteiro é tão fraco que não consegue nem desenvolver ou criar interesse por seus únicos dois personagens, os atronautas Ben (Warren Christie) e Nate (Lloyd Owen), que são vazios e construídos na base do clichê e lugares-comum – no caso, o mínimo de apego por Ben é seu desejo de retornar para sua família, mas nada além disso. Os dois atores (não creditados antes da estreia do filme, contribuindo para a jogada publicitária) até que se esforçam e rendem uma química curiosa, mas artificial.

Agora em seu objetivo principal de fazer-se como verídico, Apollo 18 se garante. As câmeras do filme são de qualidade baixíssima, adotando até mesmo um formato 4:3, congelamentos na imagem e um ótimo design de som (que aposta constantemente em ruídos) que contribui para o efeito de uma gravação dos anos 70; o longa realmente parece como algo real. Todavia, o design de criaturas falha em imaginação e copia descaradamente o “bebê Alien” da franquia de Ridley Scott.

Sonolento em seus minutos iniciais e ridículo demais para ser levado a sério em seus momentos finais, Apollo 18 fracassa pelas habilidades medíocres de seu diretor, e também por seu roteiro amador. Uma pena se levar em consideração o belo trabalho técnico que garante ao filme um visual realista, podendo até enganar alguns espectadores em determinados momentos.

| Tubarão | Um ápice na elaboração do suspense cinematográfico

Posted in Clássicos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 22 de abril de 2011 by Lucas Nascimento


Steven Spielberg e seu monstro nos bastidores de Tubarão

O oceano é de fato um ambiente misterioso, que já foi palco de diversas obras cinematográficas – a maioria delas, homem vs. natureza – e documentários sobre a biologia marinha. Mas poucos conseguiram alcançar o feito de Tubarão, dirigido por Steven Spielberg em 1975, que inova a escola de suspense de Hithcock e inaugura o cinema-pipoca.

Baseado no livro de Peter Benchley, o filme engloba os ataques de tubarão em uma cidade litorânea na Nova Inglaterra (Massachussetts), em pleno verão onde as praias estão lotadas de turistas. Nesse cenário, um grupo formado por um xerife, um oceanógrafo e um pescador partem atrás do monstro.

Partindo dessa premissa sedutora, Spielberg percorre e circula e história como o predador que entitula o filme, apresentando suas locações com atenção e detalhismo, criando o apego a seus personagens, em especial o xerife Martin Brody (Roy Scheider), que logo em sua cena inicial já surge como um pai de família dedicado e simpático, traços que Scheider expressa com talento e carisma; enquanto o divertido antagonismo entre o pescador Quint (Robert Shaw) e o oceanógrafo Hooper (Richard Dreyfuss) oferece um equilibrado alívio cômico.

Com cenários e locações prontos, a trama começa a circular. Logo na famosa cena que abre o longa, vemos uma banhista nua sendo atacada pelo tubarão, mas em nenhum momento 0 predador mostra sua barbatana ou dentes, tornando a cena assustadora pelo fato de não sabermos sua aparência e tamanho e, claro, pela icônica e amendrontadora trilha sonora de John Williams (premiada com o Oscar) que ecoa adequadamente nas cenas com o peixe assassino.

E Spielberg opta por esse recurso de suspense por quase o filme inteiro; o que ansia a vontade do espectador de ver o tubarão e desperta sua imaginação para as possibilidades de sua aparência. E quando o monstro de fato aparece, é uma imagem assustadora, por ser diferente (e maior, diga-se de passagem) do que o esperado. A fórmula perfeita para o thriller, que vai transformando-se em uma empolgante aventura em seu terceiro ato.

O suspense de Tubarão inspirou Hollywood e continua a fazê-lo até hoje (Cloverfield e Atividade Paranormal claramente seguem a fórmula), provocando um enorme sucesso e uma diminuição notável de turistas em praias em sua época de lançamento.

| Janela Indiscreta | Suspense regado a voyerismo

Posted in Clássicos, Críticas de 2010, Suspense with tags , , , , , , , , , , , , , , on 28 de dezembro de 2010 by Lucas Nascimento

Inegavelmente um dos melhores filmes de Alfred Hitchcock, Janela Indiscreta é um suspense ágil e muito divertido. Partindo de sua premissa fresca de originalidade, o longa explora as possibilidades mais interessantes de suas situações, que se inicia com um simples ato de voyerismo e que o genial roteiro – carregado de frases marcantes – explora de maneira surpreendente.

Acidentado no trabalho de fotógrafo, Jeff (James Stewart) fica preso a um gesso em sua perna, sem poder sair de seu apartamento ou mesmo de sua cadeira de rodas, por alguns meses. Tomado pela monotonia (Citando uma grande fala do personagem: “Hoje é apenas uma quinta-feira monótona e sem graça. O calendário está cheio delas”.), acaba por adotar como hobby, o hábito de espionar com um binóculo todos os seus vizinhos e acompanhar suas atividades rotineiras.

Hitchcock mostra sua mão de mestre nessas cenas, onde acompanhamos longas tomadas das atividades vizinhas através da janela de Jeff e, assim o público sente-se mais aproximado desses coadjuvantes, que não possuem um grande papel no fio de história central, mas sua presença ajuda a caracterizar o universo criado pelo diretor e a torná-lo realista e palpável, como qualquer vizinhança existente, o que funciona muitíssimo bem; basta notar em como Jeff os trata, nunca sabendo seus nomes, apenas dando-lhes apelidos baseados em suas atividades, como “o músico”, a “sra. coração solitário”, entre outros. O que tirar disso? Que a vizinhança é formada por tipos tão diferentes, que qualquer um poderia morar no local. Qualquer um mesmo.

A trama fica ainda mais interessante quando Jeff suspeita de que um crime possa ter ocorrido em um dos apartmentos e é dominado pela paranóia de que um homem teria de fato matado sua mulher e estivesse eliminando evidências. Ele compartilha suas suspeitas com sua camareira Stella (Thelma Ritter) e sua namorada Lisa (a radiante Grace Kelly), que ajudam o filme a ter uma agradável dose de bom humor, equilibrando bem esses momentos com o suspense que toma conta grande parte do longa, que nunca abandona o apartamento de Jeff, culminando em um clímax inesquecível e irônico.

Desenvolvendo a situação sutilmente, mas sem tirar conclusões preciptadas (há sempre a possibilidade de Jeff estar enganado e não ter ocorrido crime algum), Janela Indiscreta é um grande filme, que equilibra um suspense terrífico com ótimo bom humor e um elenco excepcional.

Ficha Técnica

Remakes: Reconstruindo ou destruindo o cinema?

Posted in Artigos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 13 de setembro de 2010 by Lucas Nascimento

Em pleno Festival de Toronto, estão sendo exibidos filmes que eu antecipo muito. Um deles, é o remake de Deixa Ela Entrar, Let Me In, dirigido por Matt Reeves. Surpreendentemente, as primeiras críticas sobre o longa são muito boas (alguns chegam a preferir o remake ao original), o que é raro para um remake, principalmente de um filme tão prestigiado.

Remakes aliás, são muito mais comuns agora do que antigamente. Sua existência é mesmo justificada pela oportunidade de apresentar uma nova “visão” sobre o filme? Ou seria a falta de ideias originais? Vale a pena dar uma olhada na qualidade e nos tipos de refilmagens que já tivemos.

A Nova Visão

Alguns remakes até que conseguem entregar o que realmente prometem: uma nova visão sobre o filme original. Muitos não sem bem-sucedidos, mas é possível encontrar produções recentes nessa categoria. Geralmente, não é um “remake oficial”, apenas a premissa é aproveitada, mas ela pode caminhar de modos diferentes e se passar em épocas diferentes. O melhor exemplo? Paranóia, claramente baseado em Janela Indiscreta.

Atualizando o suspense da década de 50 para os dias de hoje e o fotógrafo de perna quebrada para um adolescente cumprindo prisão domiciliar, o longa é bem produzido, cativante e, mais importante, não tenta se igualar ao magnífico filme de Alfred Hitchcock, criando sua própria estrutura e voltando-se especificamente ao público mais jovem; isso é ótimo, o remake pode servir como passagem para o original, uma maneira de descobri-lo.

Nem tudo dá certo, claro. O que me vêm a cabeça agora, é O Dia em que a Terra parou, que ousou refilmar o clássico da década de 50, trocando a discussão sobre a Guerra Fria e o perigo iminente de destruição nuclear por uma trama ecológica (que poderia ter funcionado) com argumentação muito fraca. Únicos pontos positivos residem na boa atuação de Keanu Reeves e no novo visual do GORT.

A Cópia

Quando um filme praticamente refaz quadro-a-quadro o original, não há muito o que discutir: Só existe porque provavelmente a obra é estrangeira e o diretor do remake só quer cortar algumas legendas… O melhor exemplo de um remake cópia que refaz o original exatamente como era, mas não o entende, é o medíocre Quarentena.

A trama segue exatamente o mesmo caminho, o cenário é idêntico ao do original, mas toda a simplicidade que resultava em um filme assustador é banalizada com maquiagens forçadas, cachorros infectados (o quê? Resident Evil?) e uma péssima protagonista. Se for pra fazer remake assim, não faça.

Por outro lado, alguns conseguem manter aqualidade do material original, refazendo-o quadro a quadro pelo mesmo diretor dos dois filmes, como por exemplo, o psicodélico Violência Gratuita de Michael Haneke, que simplesmente trocou o elenco alemão por um americano.

Ambos possuem o mesmo tom, os mesmos enquadramentos de cena e, basicamente, o mesmo roteiro. E devo admitir, se em Quarentena Jennifer Carpenter errou feio ao tentar se igualar à Manuela Velasco de [REC], Michael Pitt não só captou a persona de Frank Giering, mas entrega um trabalho tremendamente inspirado e até melhor, que por algum motivo insano como seu personagem, não recebeu nenhum prêmio.

A Homenagem

Basicamente, é aquele tipo de remake que faz ligeiras mudanças na história, ampliando-a e ganhando o toque pessoal do diretor. É o tipo mais comum de se encontrar e também o mais bem sucedido. Vale destacar dois filmes que, na minha opinião, ficaram melhores que o original.

A Fantástica Fábrica de Chocolate, por exemplo, teve seu remake dirigido por Tim Burton, que aperfeiçonou o original em todo aspecto possível. Têm mais estilo, é mais divertido, mais engraçado e o roteiro acrescenta informações interessantes, como um final mais elaborado e origens de alguns personagens. Claro, a canção dos oompa-loompas não se iguala a do original…

Podem me atacar e criticar a vontade, mas acho o blockbuster de Peter Jackson muito superior ao bem produzido longa de 1933. Além do óbvio avanço tecnológico, o remake é mais bonito, empolgante e tem muito mais coração do que o original.

O diretor recriou cenas clássicas, controlou um  elenco é espetacular (Naomi Watts, perfeita. Jack Black, excelente) e fez uma bela homenagem ao original, que já tinha ganho uma nova versão com Kurt Russel, mas é melhor parar por aqui…

O Reboot

Não confundam, remakes e reboots são coisas diferentes. Semelhantes, mas distintas. Um reboot significa recomeçar uma franquia de maneira diferente, como está sendo feito com Homem-Aranha e Quarteto Fantástico e como foi feito brilhantemente na nova franquia de Batman.

Não sei decidir se os novos filmes de Sexta-Feira 13 e A Hora do Pesadelo entram nessa categoria ou na anterior, já que recomeçam a franquia, recriam algumas cenas, mas não seguem exatamente a mesma estrutura… Se alguém puder, comente e dê sua opinião.

Let Me In

Voltando ao caso de Let Me In, já comentei minhas expectativas na Primeira Olhada do filme, mas acredito que, além de conter uma nova visão, irá prestar uma bela homenagem ao sueco Deixa ela Entrar. O filme estreia em 8 de Outubro nos EUA e está sendo exibido atualmente no Festival de Toronto.

O filme ainda não tem previsão de estreia no Brasil.

Primeira Olhada: Black Swan

Posted in Primeira Olhada with tags , , , , , , , , , , , , , , , on 5 de setembro de 2010 by Lucas Nascimento

O mais recente filme de Darron Aronofsky estreia em Dezembro nos EUA. Sua recepção no Festival de Veneza foi calorosa e não faltaram elogios para a atuação de Natalie Portman. Vamos à primeira olhada:

 
Natalie Portman protagoniza O Lago dos Cisnes

Primeiro, a trama: Nina é uma bailarina esforçada que finalmente começa a ter destaque no grupo em que dança. Seu grande papel será protagonizar O Lago dos Cisnes, mas uma nova dançarina chamada Lilly rouba todo o esforço de Nina. Porém, fica a dúvida se a novata realmente existe.


Imagens constantes sobre dualidade e reflexos

Sem dúvida, há muito mais além dessa premissa, aliás, o próprio trailer pode ser uma enganação; o diretor sempre edita as prévias de seus filmes, transferindo um tom diferente do longa. O teaser sugere um suspense sobrenatural psicológico, contando com imagens constantes sobre dualidade e reflexos.


Nina está virando um cisne?

Mas é claro, o que mais chama atenção no trailer, são seus segundos finais, onde a protagonista examina sua ferida nas costas. Ela retira uma pena preta de dentro da pele e seus olhos estão vermelhos. Ou seja, Nina está virando um cisne? Ou seria apenas algum tipo de delírio ou metáfora para a transformação da personagem – aposto em uma sequência de pesadelo – e seu papel no espetáculo.


O polêmico beijo das protagonistas

Para quem não sabe, a personagem principal de O Lago dos Cisnes possui uma dualidade; um lado bom e outro ruim, o cisne branco e o cisne negro. Nina assume esse papel e, talvez, Lilly seja fruto de sua imaginação; uma personagem que represente seu lado obscuro, o “black swan” do título. Gostei da escolha de Mila Kunis, além de bonita é muito talentosa e renderá momentos “calientes” com Natalie Portman, que provavelmente terá sua segunda indicação ao Oscar.

Black Swan estreia em 1º de Dezembro nos EUA. No Brasil, ainda não há previsão.