Arquivo para tom cross

Análise Blu-ray | WHIPLASH: EM BUSCA DA PERFEIÇÃO

Posted in Análise Blu-ray with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 31 de maio de 2015 by Lucas Nascimento

42864524

O Filme

5.0

whi5

Ah, Whiplash. Um triunfo do cinema de baixo orçamento que felizmente ganhou reconhecimento da Academia, agora chega nas às prateleiras de livrarias e lojas especializadas em blu-ray. Um roteiro simples que nos joga na atmosfera dark do jazz e da ambição, trazendo um trabalho de direção monstruoso e impressionante, ainda mais quando descobrimos que Damien Chazelle acaba de entrar na casa dos 30 e rodou todo o filme em meros 19 dias. Sem falar nas excelentes performances de Miles Teller do oscarizado J.K. Simmons, que carregam essa grande obra nas costas. Sensacional. Crítica

Comentário em áudio com Damien Chazelle e J.K. Simmons

5.0

whi6

Comentário em áudio devidamente legendado em português (valeu, Sony e aprende, Fox) com o diretor e roteirista Damien Chazelle e J.K. Simmons, que até brincam sobre a ausência de Miles Teller (“ele deve estar de ressaca numa poça de seu próprio vômito) enquanto dão ótimas informações a respeito da realização de Whiplash. Chazelle explica alguma de suas escolhas de enquadramento, cortes (o cara vai de Hitchcock a Lumet) e como o cronograma apertado ajudou a render cenas mais ferozes e até um sutil plano longo entre Teller e Melissa Benoist que só foi executado assim pela falta de tempo. Enquanto isso, Simmons se diverte com observações, referências e outras curiosidades. Excelente.

Metrônomos (42:56)

4.0

whi4

Este é para os fãs de bateria. Damien Chazelle e bateristas como Chad Smith (Red Hot Chili Peppers), Kenny Aronoff (Uncommon Studios), Doane Perry (Jethro Tull) e o jazzista Roy McCurdy (ex-membro do quinteto de Cannonball Adderley e Blood, Sweat & Tears) discutem a influência e paixão pelo instrumento em suas vidas.

Whiplash – Curta Metragem original (17:56)

4.0

whi1

Pois então, a primeira aparição de Whiplash ao mundo foi na forma de um curta-metragem, realizado para obter orçamento do estúdio (o que comprova a decisão infeliz da Academia em indicar o roteiro de Chazelle como Adaptado, e não Original). O curta é inteiramente a cena do primeiro ensaio do estúdio, trazendo J.K. Simmons como Fletcher e Johnny Simmons (sem parentesco aí, aliás) como Andrew. É interessante observar como os enquadramentos de Chazelle e os cortes de Tom Cross permanecem os mesmos, enquanto a paleta de cores é radicalmente diferente no produto final. Ah, e graças a Deus por Miles Teller…

Fletcher em Casa (1:30)

4.0

whi2

Única cena deletada do filme, oferece um raro momento de humanidade a Terence Fletcher, onde o vemos apreciando uma composição em seu apartamento. É uma cena sutil e muito eficiente, mas que tem seu corte da edição final justificado no comentário em áudio de Chazelle, afirmando ser muito cedo para adentrar nesse lado do antagonista. Sem falar que seria a única cena do filme todo sem a presença do personagem de Teller.

Uma noite no Festival Internacional de Toronto (7:50)

3.5

whi3

Bem breve, o vídeo nos mostra um Q&A com Damien Chazelle, J.K. Simmons e Miles Teller após a primeira exibição do filme no Festival de Toronto. A platéia faz algumas boas perguntas, mas nada que seja tão revelador ou empolgante.

Trailer de cinema (2:10)

3.0

whi7

Bom, temos um trailer! Vale mencionar que é uma prévia arrasadora, e que até classifiquei como uma das melhores do ano passado.

Nota geral: 3.5

Whiplash: Em Busca da Perfeição é um dos melhores filmes lançados em 2015 até o momento, e ganhou um lançamento sólido em blu-ray, ainda que um extra mais “tradicional” como um making of ou vídeos de bastidores faça falta. Porém, todos os comentários em áudio compensam.

Preço: R$ 69,90

Anúncios

| Whiplash – Em Busca da Perfeição | Crítica

Posted in Cinema, Críticas de 2015, Drama with tags , , , , , , , , , , , , , on 4 de janeiro de 2015 by Lucas Nascimento

5.0 Whiplash2 O Andrew de Miles Teller encara o Fletcher de J.K. Simmons

Fico realmente impressionado quando um artista mostra do que é capaz logo em sua primeira grande obra. Orson Welles em Cidadão Kane, Jean-Luc Goddard em Acossado, Quentin Tarantino em Cães de Aluguel e até o Dan Gilroy com seu eficiente O Abutre. Cada uma dessas obras tems sua respectiva importância para os períodos em que foram lançados. Damien Chazelle não vai mudar o mundo ou a linguagem cinematográfica com Whiplash – Em Busca da Perfeição, mas cacetada… O sujeito é dos bons.

A trama é inspirada em um curta-metragem do próprio Chazelle, centrando-se no jovem Andrew Nieman (Miles Teller), ambicioso baterista que almeja ser um dos melhores de seu tempo. Solitário, sem amigos e não recebendo o reconhecimento esperado de sua família, Andrew é selecionado para a banda principal de sua escola de música, regida pelo influente Terence Fletcher (J.K. Simmons). Mas à medida em que Fletcher vai se revelando um monstro obsessivo, Andrew começa a questionar seus limites.

Basicamente, Whiplash faz com baiteristas de jazz o que Cisne Negro fez com bailarinas. Desde os acessos surtados de obsessão pelo perfeito até os instrumentos ensaguentados, Damien Chazelle mantém uma condução segura e invejável, demonstrando domínio dos mais variados enquadramentos (de quantas formas se é possível filmar uma bateria?), planos, movimentos de câmeras velocidades de quadros por segundo. Ao lado do diretor de fotografia Sharone Meir, Chazelle visualiza uma Nova York sombria e ao mesmo tempo harmoniosa, alcançando uma coloração similar à que David Fincher e Jeff Cronenweth trazem em suas colaborações- o que, particularmente, é sempre um ponto positivo.

E dedico aqui um parágrafo inteiro para o sobrenatural trabalho de montagem de Tom Cross. Responsável por organizar e mesclar todo o material capturado por Chazelle, Cross oferece uma montagem frenética e que acerta ao acelerar a passagem de tempo em alguns eventos com cortes rápidos e jump cuts, e também deixar a cena fluir por mais tempo quando necessário (como o primeiro flerte entre Andrew e Nicole). Mas é mesmo nos números musicais que Cross se sobressai, onde cada transição acompanha uma nota musical; cada corte segue uma diferente batida das baquetas de Andrew. Trabalho digno de Oscar, nada menos.

Tecnicamente impecável, seu esqueleto básico não deixa a desejar. O roteiro é eficaz ao trazer diversas situações que testam os limites do protagonista, assim como diálogos fervorosos que exploram como sua ambição fica à uma tênue linha da vaidade: a discussão com primos à mesa do jantar e um frio término de namoro são apenas alguns dos exemplos. Mas nada do que Andrew faz é capaz de chegar aos pés do Fletcher de J.K. Simmons, que – em uma performance nada menos que espetacular – entrega um dos antagonistas mais brutais, sádicos e enigmáticos dos últimos tempos. Seu discurso sobre “a morte do jazz” e a aceitação do medíocre é genial, e cada gota de suor que vemos Miles Teller derramar enquanto toca a bateria como um louco é algo assustador de se contemplar, já que a catarse parece nunca chegar.

Whiplash – Em Busca da Perfeição é uma obra que funciona exatamente como uma orquestra sinfônica. Cada departamento exerce sua função magistralmente, tal como instrumentos musicais, cada um a seu ritmo e sob a conduta de um sujeito inteligente para entregar uma experiência inebriante. Ao final, tudo o que posso dizer é “bravo”.

Obs: Crítica publicada após a pré-estreia do filme em São Paulo, em 3 de Outubro de 2015.

Leia esta crítica em inglês.