Arquivo para tubarão

| No Coração do Mar | Crítica

Posted in Aventura, Cinema, Críticas de 2015, Drama with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , on 2 de dezembro de 2015 by Lucas Nascimento

3.5

IntheHeartoftheSea
Chris Hemsworth é Owen Chase

É fascinante, e até um pouco assustador, quando paramos para pensar que o oceano é menos mapeado do que Marte. Sabemos que o planeta vermelho pode não ter nada de muito chamativo em sua superfície deserta, mas alguns biólogos não fazem ideia do tipo de biosfera que podemos encontrar nas profundezas marítimas, e isso é empolgante. Quando No Coração do Mar tem início, com uma narração tematicamente similar, fica a promessa de algo que explorará o místico com um delicioso senso de mistério. Só que não.

A trama é adaptada do livro “In the Heart of the Sea: The Tragedy of the Whaleship Essex”, de Nathaniel Philbrick, que, por sua vez, é a fonte de inspiração de Herman Melville para o clássico Moby Dick. Aqui, acompanhamos a tripulação do navio baleeiro Essex, liderado pelo capitão George Pillard (Benjamin Walker) e seu primeiro imediato, Owen Chase (Chris Hemsworth). Ao descobrirem uma região distante que pode revelar-se absurdamente lucrativa, são atacados por uma gigantesca baleia branca que os coloca em perigo.

De cara, já é admirável notar a versatilidade de Ron Howard: saído das pistas de fórmula 1 com o excelente Rush: No Limite da Emoção, o diretor já traz Chris Hemsworth e seu diretor de fotografia Anthony Dod Mantle para uma aventura em alto mar sobre pesca de baleias. Infelizmente esse novo filme não alcança o mesmo nível de qualidade do anterior, principalmente não saber exatamente o que quer ser. O marketing nos prometia uma história de homem vs natureza no espírito de Moby Dick, mas a gigantesca baleia antagonista não aparece tanto aqui, e Howard falha ao não apostar em um suspense a lá Tubarão para revelar o grande mamífero; ainda que seja realmente belíssimo quando vemos sua colossal calda emergindo do oceano.

Após um ataque que destroi o navio por completo, o longa entra em um ritmo monótono para acompanhar os sobreviventes lutando para permanecerem vivos em alto mar, remetendo à As Aventuras de Pi e até Náufrago quando os personagens encontram uma ilha remota. Tudo isso é retratado com um certo tom de punição, já que a primeira cena de pesca às baleias é dirigida com tristeza, acompanhada por uma trágica trilha sonora de Roque Baños, como se fosse uma coisa terrível que esses homens fazem, e que sua subsequente perdição no mar é um castigo.

O elenco também mostra-se favorável a esse retrato. Hemsworth é carismático o bastante para segurar o papel de protagonista, criando uma figura esperta e moralmente correta com seu Owen Chase; ainda que sua tão divulgada perda de peso no filme não seja tão bem explorada ou aproveitada pela equipe. Tom Holland, prestes a ganhar as telas como o novo Homem-Aranha, também se sai bem ao lado de Hemsworth, mas é mesmo Brendan Gleeson (que interpreta o mesmo personagem envelhecido) quem tem a oportunidade de compor um trabalho mais complexo, já que recusa-se a contar a história de início, apenas para uma revelação chocante e que rende uma reação emocionante do ator.

Visualmente, também é um resultado agridoce. O trabalho mediano de efeitos visuais para criação das baleias e ambientes realmente não casou com o estilo de Anthony Dod Mantle, particularmente no uso de seus filtos e o trabalho de correção de cor na pós-produção; dando a estranha impressão de o elenco estar “descolado” do ambiente, e um brilho atípico para as ondas. O uso constante de Howard das go pros também incomoda, a não ser por momentos mais sutis; como a reação de Chase ao se dar conta de que perdeu o colar dado por sua esposa.

No Coração do Mar é um longa eficiente, mas que encontra problemas quanto ao tipo de história que quer contar, e onde realmente quer estabelecer seu foco: um filme sobre homem vs animal? A vingança da natureza? A ambição do homem? A criação de uma obra-prima? São muitos filmes presos em um fiapo que ocasionalmente revela-se frágil.

Anúncios

Especial para o Halloween III

Posted in Especiais with tags , , , , , , on 30 de outubro de 2011 by Lucas Nascimento

Ao contrário dos anos passados, onde recomendei bons filmes de terror, vou fazer algo diferente este ano. Com o Halloween rolando hoje, selecionei algumas composições musicais assustadoras. Confira:

O Exorcista

Psicose

Tubarão

O Iluminado

A Hora do Pesadelo

Bem, é só isso por este ano. Prometo coisas melhores (e mais assustadoras) para 2012… Feliz Halloween!

| Super 8 | Nostálgica e deliciosa ficção cientifica

Posted in Aventura, Cinema, Críticas de 2011, Ficção Científica with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 13 de agosto de 2011 by Lucas Nascimento

 


Ninguém tem um DVD aí?

Bons tempos aqueles em que Steven Spielberg era um mestre da ficção científica e promovia uma serie de espetáculos nas décadas de setenta e oitenta. Aprendendo com o mestre, o diretor e roteirista J.J. Abrams presenteia os fãs do genero com uma aventura deliciosa e nostalgica, que faz lembrar o significado de entretenimento e bom cinema.

A trama se passa na decada de oitenta, girando em volta de um grupo de jovens cineastas que, ao gravarem uma cena em uma estação de trem, presenciam a chegada de um misterioso ser que passa a aterrorizar a pequena cidade onde vivem.

O misterio em torno de Super 8 se dá desde o período de sua genial campanha de marketing (que incluiu sites falsos, panfletos e muita discrição quanto ao monstro que antagoniza o longa), e ele permanece de forma brilhante ao longo do filme. Provando-se cada vez mais estiloso, Abrams acerta na direção e em seus ótimos enquadramentos – sempre com sua habitual luz de neon, fornecendo à trama um bem-vindo toque da série Lost (especialmente os efeitos sonoros que remetem à presença da criatura) e diversas referências temáticas e visuais ao trabalho de Spielberg.


Elle Fanning e Joel Courtney são ótimas revelações

E o que os filmes de Spielberg (incluo aí também os produzidos por ele) tambem acertavam, era no elenco juvenil. Bem entrosados e talentosos ao nível Goonies, são liderados pelo estreante Joel Courtney, que apresenta bastante carisma e a fragilidade emocional que o personagem requere (chegaremos nesse ponto em alguns instantes). Temos divertidos alívios comicos (como Riley Griffith, que faz o diretor Charles, e Ryan Lee, uma espécie de jovem Michael Bay afeccionado por pirotecnia), mas quem realmente se sobressai aqui é Elle Fanning (isso mesmo, irmã da Dakota), que surpreende pela força fornecida à personagem.

No que diz respeito à temática do filme, ela passa longe de se prevalecer contatos extraterrestres acima  da relação pai-filho. Joel e seu pai (Kyle Chandler) são bem capturados pela câmera de Abrams, que oferece mise en scènes maravilhosos – como aquele em que o jovem, vestido como militar, enfrenta seu pai e busca certa autoridade por suas ações – e um ótimo desenvolvimento de personagens. Ao longo da projeção, podemos observar uma série de detalhes que simbolizam a infância e a busca pela maturidade; seja com Elle Fanning dirigindo um carro ou tanques de guerra atravessando por cima de playgrounds. Bastante conteúdo para os mais observadores.

Mais uma vez embalado pela trilha sonora de Michael Giacchino (o compositor ja trabalhou em 3 filmes de Abrams), o vencedor do Oscar oferece um trabalho sensacional que equilibra o suspense (característica que ele explorou bem em Deixe-me Entrar) e acordes mais fantásticos (aí temos um pouquinho de Star Trek) em uma criação impecável. Enquanto isso, montagem de Maryann Brando e Mary Jo Markey preenche o filme de ritmo (principalmente no espetacular acidente de trem) e a fotografia de Larry Fong retrata bem a época e a cidade, assim como esconde com habilidade a criatura misteriosa, cuja revelação é tao bem apresentada quanto ao monstro de Tubarão (a cena do posto de gasolina… Sem palavras).

Decepcionando apenas nas ambições da criatura, Super 8 é uma deliciosa experiência que remete ao bom cinema oitentista, sendo carregado de temas de paternidade e amadurecimento, mas também com muita diversão e misterio. Um dos melhores filmes do ano.

PS: Durante os créditos finais, é exibido o filme caseiro que o grupo de amigos produzia. Nao deixe de conferí-lo.

| Tubarão | Um ápice na elaboração do suspense cinematográfico

Posted in Clássicos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 22 de abril de 2011 by Lucas Nascimento


Steven Spielberg e seu monstro nos bastidores de Tubarão

O oceano é de fato um ambiente misterioso, que já foi palco de diversas obras cinematográficas – a maioria delas, homem vs. natureza – e documentários sobre a biologia marinha. Mas poucos conseguiram alcançar o feito de Tubarão, dirigido por Steven Spielberg em 1975, que inova a escola de suspense de Hithcock e inaugura o cinema-pipoca.

Baseado no livro de Peter Benchley, o filme engloba os ataques de tubarão em uma cidade litorânea na Nova Inglaterra (Massachussetts), em pleno verão onde as praias estão lotadas de turistas. Nesse cenário, um grupo formado por um xerife, um oceanógrafo e um pescador partem atrás do monstro.

Partindo dessa premissa sedutora, Spielberg percorre e circula e história como o predador que entitula o filme, apresentando suas locações com atenção e detalhismo, criando o apego a seus personagens, em especial o xerife Martin Brody (Roy Scheider), que logo em sua cena inicial já surge como um pai de família dedicado e simpático, traços que Scheider expressa com talento e carisma; enquanto o divertido antagonismo entre o pescador Quint (Robert Shaw) e o oceanógrafo Hooper (Richard Dreyfuss) oferece um equilibrado alívio cômico.

Com cenários e locações prontos, a trama começa a circular. Logo na famosa cena que abre o longa, vemos uma banhista nua sendo atacada pelo tubarão, mas em nenhum momento 0 predador mostra sua barbatana ou dentes, tornando a cena assustadora pelo fato de não sabermos sua aparência e tamanho e, claro, pela icônica e amendrontadora trilha sonora de John Williams (premiada com o Oscar) que ecoa adequadamente nas cenas com o peixe assassino.

E Spielberg opta por esse recurso de suspense por quase o filme inteiro; o que ansia a vontade do espectador de ver o tubarão e desperta sua imaginação para as possibilidades de sua aparência. E quando o monstro de fato aparece, é uma imagem assustadora, por ser diferente (e maior, diga-se de passagem) do que o esperado. A fórmula perfeita para o thriller, que vai transformando-se em uma empolgante aventura em seu terceiro ato.

O suspense de Tubarão inspirou Hollywood e continua a fazê-lo até hoje (Cloverfield e Atividade Paranormal claramente seguem a fórmula), provocando um enorme sucesso e uma diminuição notável de turistas em praias em sua época de lançamento.