Arquivo para uma família da pesada

| Ted 2 | Crítica

Posted in Cinema, Comédia, Críticas de 2015 with tags , , , , , , , , , , , on 29 de agosto de 2015 by Lucas Nascimento

2.0

Ted2
Cinquenta tons de Ted

Nunca fui um grande conhecedor do humor de Seth MacFarlane, mas me diverti bastante com o hit surpresa Ted, em 2012, que fora sua estreia como diretor e roteirista no cinema. Porém, ano passado o criador de Uma Família Pesada entregou a decepcionante comédia faroeste Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola, e agora, Ted 2 chega para confirmar que o acerto de MacFarlane em 2012 foi mera sorte de principiante.

Na trama, o urso falante Ted (MacFarlane) se casa com sua namorada Tami-Lynn (Jessica Barth) e anseia por ser pai, seja por doação de esperma de seu amigo John (Mark Wahlberg) ou através de adoção. Porém, o Estado se nega a considerar Ted como algo a mais do que uma propriedade (leia-se, um brinqued0), fazendo-o entrar numa batalha judicial para comprovar sua humanidade.

É uma premissa que diverte pelo absurdo, e que poderia muito bem ser transformada num pesado drama caso o protagonista não fosse um ursinho de pelúcia. E é aí que reside o grande problema de Ted 2, que revela-se uma obra assustadoramente descontrolada e sem sentido, que transita entre o humor escatalógico até cenas de tribunal que tocam seriamente em temas como escravidão e defesa de minorias, sem ter muita certeza aonde quer chegar. MacFarlane acerta em seu sempre eficaz trabalho vocal de Ted, mas como diretor, realmente deveria reconsiderar suas escolhas, já que a narrativa do filme é prejudicada por timing ruim de piadas, uma montagem inconstante e um ritmo tedioso.

Por exemplo, a trama principal com a advogada de Amanda Seyfried é constantemente interrompida por cenas aleatórias de John e Ted tentando causar algum tipo de humor, mas de nenhuma forma que caiba dentro da história: seja por aleatoriamente atirar objetos em corredores, referenciar Clube dos Cinco ou invadir um clube de stand-up para sugerir temas tristes como 11/9 ou Charlie Hedbo aos comediantes (essa fez rir, ok). De maneira similar, Liam Neeson e Morgan Freeman ganham participações sem graça, enquanto a narrativa é comprometida por uma entrada no road movie que simplesmente não empolga, mesmo que o roteiro de MacFarlane aposte pesado em referências pop – rendendo uma boa piada com Jurassic Park. Temos até uma grande luta na New York Comic Con (e pelas barbas de Odin, MacFarlane ganhou muita grana para promover brinquedos de Transformers…), mas que só entretém pela variedade de cosplayers envolvidos.

Nem mesmo a química de Wahlberg com o urso funciona muito bem aqui, principalmente porque o ator parece completamente desinteressado e a computação gráfica de Ted mostre-se estranhamente inferior à do primeiro filme. Seyfried também não rende boa participação, enquanto o vilão de Giovani Ribsi divirta, mas sem o impacto surpresa causado no longa anterior.

Falta a Ted 2 o humor certeiro e o roteiro bem elaborado do primeiro, limitando-se a uma trama sem graça e entediante, só pontualmente capaz de rir. Acho que Seth MacFarlane deveria pensar bastante antes de decidir arriscar-se no cinema novamente.

Anúncios

| Ted | A fábula moderna de Seth MacFarlane

Posted in Cinema, Comédia, Críticas de 2012, Indicados ao Oscar with tags , , , , , , , , , , on 23 de setembro de 2012 by Lucas Nascimento

Ted já é divertido desde sua criativa proposta: trazer uma espécie de continuação para os arquétipos contos de fada em que objetos/animais falam com seus donos solitários, apresentando sua versão para o que viria a seguir. Nas mãos do comediante Seth MacFarlane, criador da série animada Uma Família da Pesada (que não acompanho por falta de tempo, não interesse), a “fábula” transforma-se num bromance chulo e sem escrúcupulos.

Partindo da premissa discutida acima, a trama acompanha John Bennett (Mark Whalberg), que depois de um amizade de 27 anos com seu ursinho falante Ted (MacFarlane), precisa encontrar espaço em sua vida para sua namorada Lori (Mila Kunis), e encontrar um propósito para sua vida.

É a já conhecida estrutura do jovem adulto que precisa assumir as responsabilidades e enfim amadurecer. Não há nada de inovador nos rumos tomados pelo roteiro de MacFarlane, Alec Sulkin e Wellesley Wid, que apela a soluções bem clichês (aquele velho exemplo onde o protagonista fracassa e sua namorada lhe dá outra chance, um dispensável antagonista com interesse amoroso pela mesma) e torna a experiência previsível em pontos-chave. O que faz a diferença é o engraçadíssimo leque de referências pop que o texto traz à tona: um atestado de amor ao seriado Flash Gordon e as citações de filmes (“Merda, tô parecendo o robô do Aliens – O Resgate“) e, principalmente, a piada final com uma celebridade em particular, estão entre os destaques.

Claro que isso de nada adiantaria se Ted não ganhasse o afeto do público. E com um trabalho de motion capture verossímil e o trabalho vocal espetacular de MacFarlane (convenhamos, o sujeito tem uma das vozes mais engraçadas do planeta), o bicho de pelúcia fala e faz coisas que nunca imaginaríamos vir de uma figura tão dócil e ingênua – e é justamente isso que o torna tão memorável. Vale comentar também a bela performance de Mark Whalberg, que abraça com eficiência o perfil infantil que o personagem requer, e da sempre deslumbrante e talentosa Mila Kunis.

Não se deixe enganar pelos cartazes de divulgação, Ted é uma comédia para adultos. Seth MacFarlane faz uma bela estreia no cinema e ainda que o filme seja imperfeito (o a conclusão traz soluções que, mesmo dentro do universo de ursos falantes, não convencem), é uma experiência divertida que nos apresenta a um personagem que ficará na memória.

Imaginem Ted em Toy Story