Arquivo para Vera Farmiga

| O Juiz | Crítica

Posted in Críticas de 2015, Drama, Home Video with tags , , , , , , , , , , , , , on 21 de janeiro de 2015 by Lucas Nascimento

2.5

TheJudge
Robert Downey Jr. e Robert Duvall

Em certo ponto do drama criminal/familiar O Juiz, eu só conseguia me perguntar “por quê?”.

Escrita por Bill Dubuque e Nick Schenk, a trama nos apresenta a Hank Palmer, um notório e egocêntrico advogado que ganha a vida defendendo as pessoas erradas. Quando sua mãe falece, ele é forçado a voltar à sua cidade natal para o funeral, convivendo com sua família disfuncional, liderada por seu pai, Joseph (Robert Duvall), respeitado juiz local. Quando Joseph é acusado de homicídio, Hank é obrigado a prolongar sua estadia e provar sua inocência.

Há muitos elementos potencialmente exploráveis em O Juiz. Nada realmente original, mas que se fosse feito com competência, renderia uma obra acima da média. Nas mãos do diretor David Dobkin (uma escolha incomum, já que Dobkin só dirigiu comédias, de Penetras Bons de Bico a Titio Noel), o já medíocre roteiro da dupla acima transforma-se num festival de melodrama do mais baixo nível, que junta todos os clichês (briga familiar, doença terminal, ex-namoradas) em uma narrativa arrastada e episódica. Dobkin pesa a mão no drama (a cena em que Hank assiste a filmes antigos com seu irmão funcionaria perfeitamente em silêncio, mas Dobkin carece da música de Thomas Newman…), mas inexplicavelmente traz um humor caricato e que não combina com sua abordagem dramática, como os personagens de Dax Sheppard e Billy Bob Thornton (este último, um advogado que daria um ótimo antagonista a Saul Goodman).

Visualmente, o diretor resolve em tratar tudo com grandiosidade. As cenas dos tribunais trazem movimentos de câmera estilizados, enquadramentos fortes e um trabalho de contra-luz do diretor de fotografia Janusz Kaminsky que faz Michael Bay parecer sutil com seu uso de luz (de verdade, os canhões de luz chegam a cobrir de forma nada elegante o rosto dos atores em certos momentos). Falando em – falta de – sutileza, Robert Downey Jr. parece decidido a interpretar Tony Stark para o resto de sua vida, o que é uma gigantesca pena. Sua performance é carismática como de costume, mas eu realmente gostaria de ver o ator experimentar coisas novas, ou ele cairá no mesmo limbo de piloto automático que consumiu Johnny Depp.

Admito que entretém ver Robert Duvall carrancudo e dando sermão pra todo lado (suas discussões com Downey Jr são ainda mais intensas), e a dupla de roteiristas acerta quando a trama se concentra no caso jurídico. Mas quando nos enfiam subtramas risíveis que poderiam ou não conter um caso de incesto, e quando a presença de Vera Farmiga é um elemento que prejudica o filme, sabemos que tem coisa errada por aí.

O Juiz é um festival de melodrama que não medirá esforços para emocionar o espectador, não importa quantos clichês ou artifícios baratos ele use. Traz bons momentos e uma boa presença de Robert Duvall, mas é um trabalho esquecível e falho.

Anúncios

| Annabelle | Crítica

Posted in Cinema, Críticas de 2014, Terror with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , on 10 de outubro de 2014 by Lucas Nascimento

3.0

Annabelle
A infame boneca Annabelle

Dirigido com uma inteligência e estilo inexistente nas produções recentes do gênero, Invocação do Mal foi uma maravilhosa (e tenebrosa) surpresa no ano passado, sobressaindo-se por sua capacidade de dar medo, e não apenas se limitar aos sustos baratos. Quando Annabelle, derivado de um dos elementos do longa de James Wan foi anunciado, fiquei com medo de não ter medo do resultado. E no fim, mesmo que traga seus méritos, é mais do mesmo.

A trama é ambientada 1 ano antes dos acontecimentos principais de Invocação do Mal, apresentando-nos ao casal Mia (Annabelle Wallis, sério) e John (Ward Horton), que aguardam ansiosamente pela chegada de seu primeiro filho. Para comemorar a ocasião, John presenteia Mia com uma rara boneca de porcelana de coleção. Certa noite, o casal é atacado por dois membros de um culto satânico, transformando a tal boneca em um hospedeiro de algo maligno.

Sai James Wan (ocupado com a direção do sétimo Velozes e Furiosos), entra seu diretor de fotografia preferido: John R. Leonetti. Nessa função, Leonetti é mais do que eficiente, tendo sido responsável pela fotografia de Sobrenatural e do próprio Invocação do Mal, mas como diretor, ele é o cara que fez Efeito Borboleta 2. O currículo não inspira confiança, mas fico feliz em ver que Leonetti aprendeu bem com Wan como movimentar a câmera a serviço do suspense: temos planos sequências e tomadas longas inspiradas que passeiam por dentro de cômodos (ora revelando elementos assustadores sutilmente), além de enquadramentos malucos que fornecem um dinamismo quase expressionista ao filme.

Os sustos funcionam, mas isso porque a equipe de efeitos sonoros abraça todos os clichês que o gênero vem trazendo (ver o recente A Marca do Medo), e o máximo que é alcançado aqui é um certo desconforto – enquanto Invocação era uma pesadíssima atmosfera de pavor. Aqui, Leonetti se diverte ao tomar diversas referências do clássico O Bebê de Rosemary, seja na própria temática da maternidade ou em aparições de figuras demoníacas perturbadoras. A imagem da própria boneca Annabelle também é aproveitada, especialmente em uma cena-chave que certamente ficará na cabeça de todo mundo após o término da sessão.

O que realmente estraga Annabelle são dois elementos cruciais: o roteiro e seu elenco. O primeiro é assinado por Gary Dauberman, e ao dar uma breve averiguada em sua página do IMDb, encontrei pérolas como Aranhas Assassinas e um filme que traz como ameaça um grupo de chimpanzés canibais. Brilhantismo não será encontrado aqui, mas Dauberman traz soluções tão absurdas, diálogos completamente anacrônicos (estamos nos anos 70, poxa) e é previsível do início ao fim. Só merece méritos por trazer referências à notória organização de Charles Manson, o que já traz certa verossimilhança à trama.

Se Patrick Wilson e Vera Farmiga já eram interessantes meramente pela química em cena em Invocação do Mal, o casal aqui jamais convence.O único motivo para que a estreante Annabelle Wallis tenha sido escalada seria a ironia dos produtores com seu primeiro nome, já que a atriz não se mostra nem boa de grito, e muito menos como uma mãe protetora. O marido de Ward Horton é inexpressivo e caricato, mas aponto o dedo para Alfre Woodard, em uma performance completamente desligada e incapaz até mesmo de chegar no nível “estereótipo”, na pele de uma vendedora que revela-se mais importante do que o esperado. É.

Pessoalmente, esperava bem menos de Annabelle. É clichê e sem graça durante boa parte de sua projeção, mas acerta na condução do suspense e certamente irá arrancar diversos sustos da audiência. Poderia ser mais, claro.

| Invocação do Mal | Uma aula de como se fazer terror no cinema

Posted in Cinema, Críticas de 2013, Terror with tags , , , , , , , , , , , , , , , on 13 de setembro de 2013 by Lucas Nascimento

4.0

TheConjuringWho you gonna call? Vera Farmiga e Patrick Wilson

Antes de entrar na sala para a sessão de Invocação do Mal, o bilheteiro do cinema olhou para o título do filme presente nos ingressos e soltou um apavorado “boa sorte” a mim e minha amiga. Primeira vez que encaro uma situação divertida como essa e, ao fim da projeção do longa, ressalto – ainda suando devido à tensão provocada por estes 110 minutos – que o funcionário não exagerara. Temos aqui um dos melhores filmes de terror dos últimos anos.

Na trama, uma família acaba de se mudar para uma casa enorme e misteriosa, mas não demora para que seja sentida a presença de entidades paranormais dentro do local (como sempre). O que faz a diferença é a presença do casal de demonólogos/investigadores/caça-fantasmas Ed e Lorraine Warren (Patrick Wilson e Vera Farmiga, ambos excelentes) que é contratado para analisar e tentar por um à sinistra situação. Tudo isso baseado em fatos reais – mas, claro, pode apostar que há muita ficção aqui.

Quando o gênero demanda fenômenos sobrenaturais, não tem como alterar muito a fórmula. O roteiro assinado por Chad e Carey Hayes mantém-se à tradicional premissa da “casa mal assombrada”, mas acerta ao trazer, de forma controlada e coesa, praticamente TODOS os elementos populares nas mais diferentes variações do gênero: espíritos, demônios, exorcismos, brinquedos sinistros, fotos borradas, câmeras dentro da história… Daria pra passar a madrugada inteira enumerando-os. Isso sem falar que a dupla acertadamente brinca com diversos “medos clássicos”, como a suspeita de aparições embaixo da cama ou no interior de armários – todos esses escapam do velho clichê do susto rápido, graças à competência de seu diretor.

Aliás, que revelação é James Wan. Saído de projetos medianos dentro do gênero (seu longa mais famoso é o primeiro Jogos Mortais, além de ter sido contratado para comandar o sétimo Velozes e Furiosos), Wan demonstra um talento invejável para causar medo – e não apenas sustos – no espectador. Optando por longos planos que exploram cada cômodo da residência em um cruel exercício de provocação, o diretor é hábil ao criar movimentos de câmera inteligentes e que contribuem na revelação de suas perturbadoras ameaças (e quando as vemos, o efeito é multiplicado). Além de comandar uma das mais poderosas (e até, veja só, emocionantes) cenas de exorcismo que já vi na vida, Wan mostra sua admiração pela escola Alfred Hitchcock de suspense ao trazer um súbito ataque de pássaros que atravessa janelas e uma lâmpada pendurada que alcança o efeito de iluminação em uma das cenas-chave de Psicose. Olha só…

Contando também com um trabalho de som espetacular, Invocação do Mal é uma grande surpresa. O terror não anda lá grande coisa nas terras ianques, mas é sempre bom encontrar uma obra decente em um gênero cada vez mais esgotado. A única decepção é o anúncio de que James Wan não dirigirá mais filmes de terror.

Obs: Uma curiosidade divertida: em determinado momento do filme, a personagem de Vera Farmiga menciona “um caso em Long Island”. Trata-se de uma referência ao famoso massacre de Amityville, episódio investigado pelo casal na vida real.

Clique aqui para ler esta crítica em inglês.

| Contra o Tempo | Complexa e enigmática ficção científica

Posted in Aventura, Cinema, Críticas de 2011, Ficção Científica with tags , , , , , , , , on 30 de setembro de 2011 by Lucas Nascimento


Stranger on a Train: Jake Gyllenhaal retorna diversas vezes no tempo

Eu sabia que valeria a pena prestar atenção em Duncan Jones. Filho de David Bowie, o diretor novato entregou no ano passado o excelente Lunar, e agora volta a flertar com a ficção científica com este Contra o Tempo. Partindo de um conceito muito interessante, o filme surpreende por suas decisões e seus complexos conceitos.

Na trama, o soldado do exército americano Colter Stevens é selecionado para participar em um programa conhecido como “código-fonte”, que lhe permite voltar nos últimos 8 minutos de vida de uma determinada pessoa. Com essa ferramenta, ele deve encontrar o responsável por um terrível ataque em um trem e qual será o próximo alvo do criminoso.

Realmente, quando você tem uma premissa tão empolgante quanto a desenvolvida pelo roteirista Ben Ripley (em seu primeiro trabalho para o cinema, veja só), é difícil que o resultado não saia decente. Os conceitos e ideias introduzidos por Ripley são muito interessantes e oferecem diversas e profundas discussões sobre os rumos tomados por estas – tanto científicas quanto filosóficas/morais. Um texto inteligente e com bons diálogos, mesmo que precise cair naquele momento autoexplicativo (algo que todos os filmes com ideias inovadoras são forçados a enfrentar, de fato) e alguns clichês quanto ao elemento amoroso da trama.

Com um elenco relativamente pequeno – mas muito talentoso – é fácil oferecer mais profundidade aos personagens. Jake Gyllenhaal aparece energético como nunca e cheio de expressão (gosto particularmente de seu olhar amedrontado e confuso), enquanto Michelle Monaghan aparece linda como sempre e com carisma de sobra. Como coadjuvante de luxo, Vera Farmiga acerta ao trazer um lado humano para a Oficial Goodwin.

Mas o que são bons jogadores sem um bom técnico? No caso, Duncan Jones é o responsável por capturar e dar forma, com eficiência, à complicada trama de Ripley. Dono de planos marcantes e estilosos movimentos de câmera, acerta ao repetir diversas vezes algumas cenas para quando Stevens retorna ao passado (algo no estilo de Feitiço do Tempo) e equilibrar bem a ação com o thriller. A montagem e a trilha sonora são ótimas, a passo que os efeitos visuais soam agressivamente imperfeitos.

Contando também com um enigmático final para a trama, Contra o Tempo é uma inteligente e empolgante ficção científica, marcando território em Hollywood para o talentoso diretor Duncan Jones.

É o mais perto que 2011 chegou de trazer um novo A Origem.

E o Oscar vai para…(Parte I) Atuações

Posted in Especiais, Prêmios with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 25 de fevereiro de 2010 by Lucas Nascimento

O Oscar já está chegando… Já fez suas apostas? Não? Bem, estou fazendo um especial gigante aqui no blog, onde avaliarei todas as categorias do Oscar, dando palpites e comentários. Na primeira parte, vamos falar sobre as atuações. Vamos lá:

Melhor Ator

Jeff Bridges (Coração Louco)

  Não tem outra. Esse ano, Jeff Bridges leva a estatueta com certeza. Já levou o Globo de Ouro, SAG e é o favorito. Coração Louco ainda não foi lançado no Brasil, então não tenho como formular minha opinião se ele merece ou não. Mas pelo que eu tenho visto em trailers e clipes, acho que é merecido.

 

Indicações ao Oscar3 Indicações por Starman – O Homem das estrelas, A Conspiração e Coração Louco; 2 Indicações por A Última sessão de Cinema O Último Golpe como Ator Coadjuvante. 

Morgan Freeman (Invictus)

 Morgan Freeman é meu ator preferido. Quando eu soube que ele interpretaria Nelson Mandela em um filme de Clint Eastwood, na hora eu falei pra eu mesmo: Ele leva o Oscar. Assisti ao filme e achei Freeman excelente como sempre, apesar de não nos dar a melhor interpretação de sua carreira, como eu esperava, mas capturou com perfeição o jeito e a persona de Nelson Mandela.

Indicações ao Oscar: 1 Vitória por Menina de Ouro como Ator Coadjuvante; 3 indicações por Dirigindo Miss Daisy, Um Sonho de Liberdade e Invictus como Ator e 1 indicação por Street Smart.

 George Clooney (Amor sem Escalas)

  George Clooney é um excelente ator. O papel principal de Amor sem Escalas casou perfeitamente com seu jeitão charmoso. Clooney vai mudando a persona de acordo com seu personagem e é uma mudança inteligente, um amadurecimento. Até que ele merecia levar seu primeiro Oscar de Ator protagonista, mas a concorrência está forte.

 

Indicações ao Oscar: 1 Vitória por Syriana – A Indústria do petróleo como Ator Coadjuvante; 2 Indicações por Conduta de Risco e Amor sem Escalas como Ator; 1 Indicação por Boa Noite e Boa Sorte como Diretor e Roteirista.

Colin Firth (Direito de Amar)

Colin Firth é, na minha opinião, um ator razoavelmente bom. Fez muitas comédias românticas medianas, que eu geralmente passo longe. Entretanto, vi o trailer e alguns clipes de A Single Man e reconheço que Firth está excelente no papel. Sério, mas com um tom meio irônico, meio insano. Se não houvesse o favoritismo para Jeff Bridges, ele teria grandes chances.

Indicações ao Oscar: 1 Indicação por Direito de Amar como Ator.

Jeremy Renner (Guerra ao Terror)

Jeremy Renner é um ator americano pouco conhecido, mas que mostrou muita garra e emoção no papel principal de Guerra ao Terror. Interpreta um soldado que desarma bombas e adora o que faz, deixando de lado o trabalho em equipe. Mas o personagem muda durante o filme, e Renner não decepciona.

 

Indicações ao Oscar: 1 Indicação por Guerra ao Terror como Ator.

Melhor Atriz

Sandra Bullock (Um Sonho Possível)

  Eu nunca achei que um dia Sandra Bullock chegaria até aqui. Eu sempre gostei dela nas comédias, e acho que poucas pessoas não aprovam a indicação e favoritismo da atriz ao Oscar. Pelos trailers e clipes, Bullock não está lá grande coisa, mas pra avaliar uma atuação, é preciso ver o filme inteiro. Aposto nela por ter levado o Globo de Ouro e o SAG.

 

Indicações ao Oscar: 1 Indicação por Um Sonho Possível como Atriz.

Meryl Streep (Julie & Julia)

 Meryl Streep é, incontestavelmente, uma das melhores atrizes do cinema. Quase todo ano ela está lá, recebendo uma indicação. Pelos trailers de Julie & Julia, pude reparar no conforto da atriz em retratar uma das mais importantes cozinheiras americanas. Elá está maravilhosa e fenomenal, como sempre. Se Bullock não ganhar, Streep pode garantir seu terceiro Oscar.

Indicações ao Oscar: 1 Vitória e 11 Indicações por A Escolha de Sofia, A Mulher do Tenente Francês, Silkwood – O Retrato de uma coragem, Entre dois amores, Ironweed, Um grito no Escuro, Lembranças de Hollywood, As pontes de Madison, Um amor verdadeiro, Música do Coração, O Diabo veste Prada, Dúvida e Julie & Julia como Atriz e 1 Vitória e 2 Indicações por Kramer vs. Kramer, Adaptação e O Franco-Atirador como Atriz Coadjuvante.

Helen Mirren (The Last Station)

 Excelente atriz. É o que tenho a dizer sobre Helen Mirren, ela é uma das melhores atrizes na ativa e sua vitória por A Rainha é mais que merecida. Sua performance em The Last Station é comovente, mas esse ano ela perdeu um pouco de destaque perto das concorrentes.

 

Indicações ao Oscar: 1 Vitória e 1 indicação por A Rainha e The Last Station como Atriz e 2 Indicações por As Loucuras do Rei George e Assassinato em Gosford Park.

Carey Mulligan (Educação)

 A inglesa pouco conhecida é, de longe, o que torna o filme Educação assístivel. Sua performance como a estudante de 16 anos que se envolve com um homem mais velho é memorável. É interessante observar sua mudança de personalidade, estilo e suas cenas dramáticas são excelentes. É uma indicação mais que merecida.

 

Indicações ao Oscar: 1 Indicação por Educação como Atriz.

Gabourey Sidibe (Preciosa – Uma História de Esperança)

Nunca tinha ouvido falar de Gabourey Sidibe antes de ela estrelar Preciosa, mas devo dizer que sua performance é espetacular. Seu papel é bem trágico  o que rende cenas muito fortes e emocionantes da atriz. Sempre com um jeito depressivo e delicado, Gabourey possui cenas muito tensas com a atriz Mo’Nique, o grande trunfo do filme.

 

Indicações ao Oscar: 1 Indicação por Preciosa como Atriz.

Melhor Ator Coadjuvante

Christoph Waltz (Bastardos Inglórios)

 O austríaco Christoph Waltz que interpreta o impiedoso Col. Hans Landa na saga de Segunda Guerra Mundial, é uma das únicas certezas do ano. O oscar está praticamente em suas mãos, têm recebido muitos elogios e, devo dizer, extremamente merecidos. Waltz deu vida a um dos melhores vilões do cinema recente, frases memoráveis… Têm tudo para ficar na história. That’s a Bingo!

Indicações ao Oscar: 1 Indicação por Bastardos Inglórios como Ator Coadjuvante.

Woody Harelson (O Mensageiro)

 Woody Harelson é um ator que eu aprecio muito. Ele se sai muito bem nos dramas, mas ele tem um tom muito irônico, ele serve perfeitamente para comédias, e nelas, ele se solta de uma maneira que você nem o reconhece como ator dramático. Sobre O Mensageiro, Harelson está muito bem nos trailers e clipes.

 

Indicações ao Oscar: 1 Indicação por O Povo contra Larry Flint como Ator e 1 Indicação por O Mensageiro como Ator Coadjuvante. 

Matt Damon (Invictus)

Matt Damon recentemente é um cara de ação, devido a trilogia Bourne, mas ele sabe se apegar ao lado dramático uma ou duas vezes. Em Invictus, ele interpreta um jogador sul-africano e, devo dizer, me supreendi com sua performance, de longe a melhor de sua carreira. Mas esse não é o ano do sr. Damon, que tem poucas chances contra Christoph Waltz. 

Indicações ao Oscar: 1 Vitória e 1 Indicação por Gênio Indomável como Co-roteirista e Ator.

Stanley Tucci (Um olhar no Paraíso)

Stanley Tucci é um ator que eu respeito muito. Gosto muito como ele varia seus papéis, que vão de um chefe estressado de aeroporto até editor de uma revista de moda. No novo filme de Peter Jackson, o ator ficou com um papel complicado: o vizinho que estupra e mata uma garota de 14 anos. Papel bem misterioso e, pelo que diz a crítica lá fora, Tucci desaparece no papel.

Indicações ao Oscar: 1 Indicação por Um Olhar do Paraíso como Ator Coadjuvante.

Christopher Plummer (The Last Station)

Confesso que não sou muito familiarizado com o trabalho de Christopher Plummer, lembrando-o apenas por papéis mais coadjuvantes, como sua dublagem em Up – Altas aventuras. Junto com Helen Mirren, os dois fazem a força e a diferença em The Last Station.

 

Indicações ao Oscar: 1 Indicação por The Last Station como Ator.

Melhor Atriz Coadjuvante

Mo´Nique (Preciosa – Uma História de Esperança)

A favorita da categoria, já é certeza que leva a estatueta. Ganhou o Globo de Ouro, SAG, Oscar garantido. Pelo que eu sei, Mo’Nique era uma atriz cômica, mas em sua performance como a mãe de Precious, não há nenhum traço cômico. É uma atuação forte, poderosa e extremamente tensa. É difícil descrever com palavras.

 

Indicações ao Oscar: 1 Indicação por Preciosa – Uma História de Esperança como Atriz Coadjuvante. 

Anna Kendrick (Amor sem Escalas)

Ela estava lá na Saga crepúsculo recentemente, mas sua presença passou quase que despercebida. Anna Kendrick é a novata que mais me impressionou no complexo Amor sem Escalas. Ela está maravilhosa e bem confortável no papel, séria e transmitindo com perfeição suas emoções. Simplesmente excelente, se continuar assim, tem um futuro promissor.

Indicações ao Oscar: 1 Indicação por Amor sem Escalas como Atriz Coadjuvante.

Vera Farmiga (Amor sem Escalas)

Vera Farmiga e Anna Kendrick parecem competir para ver quem é melhor em Amor sem Escalas. Ambas estão excelentes, mas Kendrick ganha a disputa. Entretanto, Vera Farmiga não faz feio e dá uma excelente atuação cheia de emoção e talento. Mas é ofuscada pela ótima Anna Kendrick.

 

Indicações ao Oscar: 1 Indicação por Amor sem Escalas como Atriz Coadjuvante.

Maggie Gylenhaal (Coração Louco)

Devo admitir que nunca achei Maggie Gylenhaal grande coisa, e fiquei mais que surpreso quando vi que ela havia recebido uma indicação por Coração Louco. Não dá pra ter uma opinião formada apenas por suas cenas no trailer, que ao todo devem dar uns 15 segundos. Mas ela me parece razoável. Nada mais, nada menos.

 

Indicações ao Oscar: 1 Indicação por Coração Louco como Atriz Coadjuvante.

Penélope Cruz (Nine)

Saiu do último Oscar com a estatueta nas mãos por Vicky Cristina Barcelona e aqui está ela novamente sendo indicada. Eu acho Penélope uma excelente atriz, todos os seus papéis são bem interpretados e tem um charme pessoal. No filme Nine, ela parece ter ficado com o papel mais cômico, soltando a voz em palcos. Pelo trailer ela está Ok.

Indicações ao Oscar: 1 Vitória e 1 indicação por Vicky Cristina Barcelona e Nine como Atriz Coadjuvante e 1 Indicação por Volver como Atriz.

Bem, a primeira parte encerra-se aqui. Deixe comentários e volte amanhã para a segunda parte. Até lá.

| Amor sem Escalas | Interessante reflexão sobre o ser humano e suas relações

Posted in Cinema, Comédia, Críticas de 2010, Drama, Indicados ao Oscar with tags , , , , , on 22 de janeiro de 2010 by Lucas Nascimento

 

O Terminal: George Clooney na busca por 10 milhões de pontos em milhas aéreas

O diretor Jason Reitman roubou os holofotes quando foi indicado ao Oscar por Juno. Um trabalho notável que mesclou, com perfeição, drama e comédia com uma direção esperta e um roteiro incrivelmente bem escrito, conquistando platéias e críticos. Amor sem Escalas é um projeto diferente. Muito mais dramático e sério, mas sem perder as leves pinceladas de humor e ironia, características que podem ser consideradas marca do diretor.

Na trama, Ryan Bingham trabalha em uma empresa onde sua principal função é demitir funcionários. O trabalho o faz voar muito, o que acaba deixando-o obcecado por uma nova meta: acumular 10 milhões de pontos em milhas aéreas. No caminho, encontra a mulher de seus sonhos e uma ambiciosa nova funcionária em sua empresa, que propõe uma idéia que pode acabar com sua vida.

Amor sem Escalas é uma interessante reflexão sobre a solidão e como o ser humano precisa de companhia. Aborda também, o fim de relações, seja uma relação amorosa ou uma relação de trabalho. A ironia ronda muito esse assunto. O melhor exemplo fica com a personagem Natalie, que tem a idéia de demitir funcionários através do computador, acontece que seu namorado termina com ela através de uma mensagem de texto de celular. O feitiço vira contra o feiticeiro. O lado original do filme são os inúmeros voos que Ryan faz, tentando acumular milhões de milhas aéreas; essa parte ilustra bem como o personagem é solitário e não tem um rumo para sua vida, e contenta-se em viajar por aí. O problema é que, em alguns momentos, percebemos que o filme também não tem um rumo especificado.

A excelente Anna Kendrick rouba a cena e se mostra bem promissora

As atuações são impecáveis. George Clooney impressiona no papel principal, com uma das melhores performances de sua carreira, conseguindo transmitir tristeza e sarcasmo ao mesmo tempo e mudando sua personalidade ao longo do filme.Vera Farmiga interpreta Alex, que tem um caso com Ryan; seu desempenho é competente, mas quem rouba a cena é a excelente Anna Kendrick (atriz com pequena participação na Saga Crepúsculo), no papel de Natalie, jovem que começa a trabalhar com Ryan. Simplesmente fenomenal, descontraída e bem confortável no papel;uma descoberta. Sobre os coadjuvantes, Jason Bateman, pela primeira vez, faz um papel que realmente me agrada e JK Simmons (ator que ja virou figurinha do diretor) e o barbudo Zach Galifianakis rendem ótimas cenas como funcionários demitidos.

Criativo e envolvente, o filme vai ficando melhor da metade para o fim. É quando o personagem começa a mudar e é também quando o filme começa a mostrar para quê veio. Amor sem Escalas termina com um clímax dramático, satisfatório, e emocionante; principalmente pela mensagem sobre o desemprego e a superação.
Sobre aquela parte mais técnica, vale destacar a fotografia e a caprichada montagem, principalmente nas cenas de introdução do personagem de Ryan. A trilha sonora, sejam as faixas originais ou as já existentes, são muito bem selecionadas e aplicadas nos momentos certos.

Resumindo, é uma interessante e simples reflexão sobre o ser humano e suas relações. É um drama, mas é carregado de ironia e algumas doses de humor.Vaga garantida no Oscar, mas suas chances de levar o prêmio máximo são remotas, temos filmes melhores na disputa. Mas a visita é obrigatória.