Arquivo para viola davis

Confira o primeiro trailer de ESQUADRÃO SUICIDA

Posted in Trailers with tags , , , , , , , , , , , on 13 de julho de 2015 by Lucas Nascimento

squad

Depois de ter lançado oficialmente o trailer de Batman vs Superman: A Origem da Justiça da Comic Con, a Warner agora faz o mesmo com a prévia de 3 minutos de Esquadrão Suicida. Confira:

O filme de supervilões da DC traz Will Smith (Pistoleiro), Viola Davis (Amanda Waller), Margot Robbie (Arlequina), Cara Delevingne (Magia) e Jared Leto (Coringa. David Ayer é o diretor.

Esquadrão Suicida estreia em 4 de Agosto de 2016.

 

Viola Davis estará em ESQUADRÃO SUICIDA

Posted in Notícias with tags , , , , , , on 17 de dezembro de 2014 by Lucas Nascimento

viola_davis_portrait_a_p

Como se o longa de time vilões que David Ayer prepara para a DC já não tivesse um grande elenco, Esquadrão Suicida agora adiciona a ótima Viola Davis para o papel de Amanda Waller, personagem que será responsável por juntar os vilões.

Ela se junta a Jared Leto, Margot Robbie, Will Smith, Tom Hardy, Jai Courtney e Cara Delevingue.

Esquadrão Suicida estreia em 4 de Agosto de 2016.

| Os Suspeitos | O tipo de thriller que nos faz ir ao cinema

Posted in Cinema, Críticas de 2013, Drama, Indicados ao Oscar, Suspense with tags , , , , , , , , , , , , , , , , on 19 de outubro de 2013 by Lucas Nascimento

4.5

Prisoners
Hugh Jackman larga as garras do Wolverine para mais um papel dramático

Lá pela metade de Os Suspeitos (que não, não tem nada a ver com o filme de Bryan Singer), eu percebi que estava me sentindo mal. Angustiado, tenso e extremamente ansioso pelo desfecho da história e os dilemas torturantes enfrentados pelas figuras problemáticas e envolventes criadas pelo texto de Aaron Guzikowski, também me toquei de que estava diante de um genuíno thriller, um que claramente compreendia os elementos que tornam o gênero tão fascinante – e perturbador.

A trama é ambientada numa pequena região da Pensilvânia, tendo início quando as filhas de dois casais diferentes (um formado por Hugh Jackman e Maria Bello, e o outro, por Terrence Howard e Viola Davis) repentinamente desaparecem. O detetive Loki (Jake Gyllenhaal) é convocado para tocar a investigação, que acaba levando-o até o misterioso Alex Jones (Paul Dano). Mas à medida em que o caso começa a revelar-se cada vez mais complexo, Loki ainda precisa lidar com o perigoso desejo de justiça de um dos pais.

Sob o comando do canadense Denis Villeneuve (responsável pelo premiado Incêndios), Os Suspeitos pega o espectador pela garganta e não solta até o momento em que os créditos começam a subir, mesmo que a projeção se extenda por 2h30. Parte disso se deve ao eficiente trabalho do diretor, ao lado do diretor de fotografia Roger Deakins (ainda sem Oscar, como, como?), em criar uma atmosfera pesada e sombria; daí a constante presença de chuvas, neve e um céu predominantemente nublado que esbanja melancolia graças às frias paletas de cor usadas por Deakins. É o cenário perfeito para que Villeneuve desenvolva uma perfeita história de detetive concebida pelo roteirista, que contém reviravoltas impactantes e planta diversas pistas (que podem passar despercebidas para o espectador menos observador) importantes e, à primeira vista, irrelevantes ao longo da projeção.

Além da angustiante e detalhista investigação, é interessante observar a tragédia humana que se manifesta nas famílias enquanto esperam pelo reencontro com suas filhas desaparecidas. Em uma performance intensa e explosiva, Hugh Jackman continua impressionando com sua carga dramática ao interpretar o impulsivo Keller, que acaba por “fazer justiça” com as próprias mãos ao perseguir o personagem de Paul Dano (outro grande ator que ainda carece de um papel que lhe permita explorar seu potencial). Mas quem realmente se destaca é Jake Gyllenhaal e seu detetive Loki (nenhuma ligação com o irmão do Thor, só pra constar), que ganha um retrato cuidadoso do ator – reparem no tique do piscar de olhos que Gyllenhaal manifesta com frequência -, contrastando radicalmente com a persona selvagem de Keller ao optar por uma voz predominantemente calma.

Os Suspeitos não vai mudar a história do gênero, tampouco se destacará como um marco nele, mas segue as regras com competência e extrai o melhor de sua proposta, sendo capaz de mandar o espectador para casa ainda brincando com as peças do quebra-cabeças. E convenhamos, não é esse o tipo de thriller de investigação que vale o nosso dinheiro?

Click here to read this review in english.

| Histórias Cruzadas | As histórias de sempre, bem contadas

Posted in Cinema, Críticas de 2012, Drama, Indicados ao Oscar with tags , , , , , , , , , , , on 20 de fevereiro de 2012 by Lucas Nascimento


As indicadas ao Oscar de atriz coadjuvante, Jessica Chastain e Octavia Spencer

Dentre os nove indicados ao Oscar deste ano, Histórias Cruzadas era o que me chamava menos atenção. A meu ver, o filme era simplesmente “white people solve racism” (como pode ser visto em uma série de imagens satíricas aqui) e, terminada a sessão, percebe-se que não é muito além dessa radical chamada. No entanto, o filme de Tate Taylor é bem feito e rende bons momentos, graças a seu ritmo leve e seu inspirado elenco.

A trama é ambientada na cidade Jackson, sul dos EUA, durante a década de 60, onde os negros sofriam grande discriminação e lutavam para encontrar seus direitos. Visando reverter a situação, a jovem (e ambiciosa) escritora Skeeter Phelan (Emma Stone) começa a trabalhar em um polêmico livro que conta com a perspectiva das empregadas domésticas sobre seus patrões, revelando suas histórias sofridas – e também podres de seus empregadores.

Tomando como fonte de adaptação o livro A Resposta, de Kathryn Stockett, Tate Taylor escreve e dirige Histórias Cruzadas , um filme rodeado por clichês típicos de sua premissa mas que também traz um ritmo mesclado com momentos bem-humorados e outros mais sentimentais (ainda que Taylor exagere no melodrama e no clichê, especialmente nos minutos finais). A mensagem óbvia de igualdade entre as raças é convincente e bem contada, mas nada além do que já tenhamos visto em outros (melhores) trabalhos sobre o tema; aqui ela é um pouco mais escrachada, graças ao roteiro mediano de Taylor.

Mas ganham forças as cenas em que Viola Davis mostra todo o seu feroz talento. Na pele da empregada Aibileen, ela é dona de uma voz melancólica e tímida, ao mesmo tempo em que contracena de forma adorável com as crianças de quem toma conta (é realmente notável o apego materno fornecido pela atriz) e com suas companheiras de cena, a determinada Emma Stone e a empregada Minny, encarnada pela favorita ao Oscar Octavia Spencer, que surge como um bom alívio cômico – a cena da torta é impagável. Também indicada, temos Jessica Chastain com uma performance “fofa” e radiante, como Celia Foote, a dona-de-casa mais admirável da trama, a passo que Bryce Dallas Howard – que dota uma curiosa semelhança física com Chastain – encarna seu “cisne negro” como a detestável Hilly; fazendo grande uso de estereótipos e caricaturas.

Com valores de produção bons o suficiente para recriar a época em questão, Histórias Cruzadas é um bom filme que, mesmo trazendo um tema já discutido diversas vezes, vale a vista graças a seu ótimo elenco e sua boa mistura de humor/drama.

Vencedores do SAG Awards 2012

Posted in Prêmios with tags , , , , , , , on 30 de janeiro de 2012 by Lucas Nascimento

Sem muitas surpresas né? Vencedores do Screen Actors Guild Awards (cinema, apenas):

MELHOR ELENCO DE DUBLÊS

Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE

Octavia Spencer – Histórias Cruzadas

MELHOR ATOR COADJUVANTE

Christopher Plummer – Toda Forma de Amor

MELHOR ATRIZ

Viola Davis – Histórias Cruzadas

MELHOR ATOR

Jean Dujardin – O Artista

MELHOR ELENCO

Histórias Cruzadas