Arquivo para voz

Favorite Scary Movie: Especial PÂNICO 4

Posted in Especiais with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 12 de abril de 2011 by Lucas Nascimento

Onze anos, três filmes e uma safra de novos estilos de filmes de terror depois, Pânico 4 chega aos cinemas, prometendo mais sátiras ao gênero. Aproveite:

Wes Craven no set de Pânico 4

A Weinstein Company anunciou o interesse de fazer Pânico 4 em 2008, mas Wes Craven disse que só dirigiria se o roteiro fosse tão bom quanto o do primeiro. Aqui estamos nós, Craven adorou o roteiro e começou a filmar em Junho de 2010, reunindo o trio principal da trilogia e também contratando “sangue novo” para a saga.

Curiosidade: Nenhum dos atores recebeu o roteiro completo (das 140 páginas, apenas as 75 primeiras foram entregues), protegendo a identidade do assassino Ghostface.

Problemas no set

Durante a produção do filme, Wes Craven perdeu o controle sobre o roteiro. O texto escrito por Kevin Williamson (Pânico) passou por uma revisada radical, assinada por Ehren Kruger (que escreveu, entre outros, Pânico 3). O diretor nada pôde fazer em relação ao assunto, mas defendeu Williamson afirmando que a premissa e as ideias originais eram inteiramente dele.

Craven ainda mencionou seu interesse em fazer mais dois filmes da franquia…

Retornos

Sidney Prescott | Neve Campbell

Sidney Prescott

Depois dos ataques de Ghostface, Sidney agora é autora de um livro de auto-ajuda de muito sucesso. Ela retorna para Woodsbrock, onde encontra seus velhos amigos e também uma nova ameaça do assassino cinéfilo Ghostface.

Dewey Riley | David Arquette

Dewey Riley

Voltando para seu antigo cargo de xerife em Woodsbroo, Dewey está casado com Gail e vai ter muita dor de cabeça quando os ataques de Ghostface recomeçarem. 

Gail Wheaters-Riley | Courtney Cox

Gail Wheaters-Riley

Depois de seis livros escritos e uma carreira sólida, Gale não é mais uma repórter e encontra-se casada com Dewey. Entediada do trabalho e da vida, desperta certo ânimo quando os assassinatos recomeçam.

Novas Caras

Jill Roberts | Emma Roberts

Jill Roberts

Prima de Sidney, mas não muito chegada a ela. Ingênua, mas adorável.

Kirby Reed | Hayden Pannettiere

Kirby Reed

Melhor amiga de Jill, é cinéfila e faz parte de um grupo sobre o assunto em seu colégio.

Charlie Walker | Rory Culkin

Junto com seu amigo Robbie, Charlie mantem um grupo de discussão sobre cinema, que torna-se essencial e de grande ajuda na investigação dos novos assassinatos de Ghostface. Os dois formam uma aliança com Gail.

Robbie | Erik Knudsen

Robbie

Cinéfilo e especialista no assunto, inicia um projeto em homenagem ao aniversário dos assassinatos de Woodsboro e, com seu amigo Charlie, alia-se a Gail Wheaters para investigar os assassinatos de Ghostface.

Será que algum desses é o assassino da vez?

Ghostface

Com sua roupa preta e máscara marcante, Ghostface é o ícone da franquia, o último grande serial killer a ser criado no gênero do terror. Nunca é a mesma pessoa, mas seus métodos que incluem o uso do cinema estão sempre presentes.

Criado por Wes Craven e o roteirista Kevin Williamson, é descrito no roteiro do filme apenas como “um assassino mascarado”, o que levou a produção a criar um visual amedrontador para o personagem.

A máscara foi encontrada por Craven em um parque de diversões chamado Fun World, onde era conhecida como “máscara de fantasma-amendoim”. O cineasta adorou o visual sinistro desta e contatou seu fabricante, a funcionária Brigitte Sleiertin, que começou a desenhar e aperfeiçoar uma nova máscara; mas sem fugir do design básico.

Curiosidade: o visual da máscara com seus olhos arregalados e boca gigante foram inspirados no quadro impressionista “O Grito”, de Edvard Munch.

A Voz

Roger L. Jackson

Nas ocasiões em que Ghostface fala – principalmente, ao telefone – quem dubla sua voz é o ator Roger L. Jackson, que, nas palavras de Wes Craven,  oferece uma sofistificação maligna e característica essencial ao personagem. A mudança de voz é feita através de um pequeno aparelho, como visto em Pânico 3.

ATENÇÃO: O seguinte tópico revela spoilers sobre os filmes anteriores da franquia.

O Legado

Quem usou a máscara e a capa nos filmes da franquia:

Billy Loomis e Stu Macher

Billy Loomis e Stu Macher

O primeiro, ex-namorado de Sidney e o segundo, um excêntrico amigo. Ambos começaram a onda de crimes por vingança de Billy à Sidney, que a culpa pelo abandono de sua mãe – que tinha um caso com seu pai.

Mickey Roman e Sra. Loomis

Mickey Roman e Sra. Loomis

Adoro a referência aqui; no melhor estilo Sexta-Feira 13, a mãe de Billy planeja vingar-se de Sidney pela morte de seu filho, contando com o estudante Mickey como seu comparsa.

Roman Bridger

Roman Bridger

Diretor de cinema aspirante, é revelado ser o meio-irmão de Sidney, que pretende vingar-se dela pelo mesmo motivo que Billy: as farras de sua mãe com seu pai.

Modus Operandi

Começa o primeiro filme e a jovem Drew Barrymore atende o telefone que toca. O assassino Ghostface começa a ameaçá-la e rapidamente aterroriza-a com os detalhes que este conhece; a técnica de sobrevivência oferecida pelo lunático? Respostas sobre filmes de terror, citando um exemplo memorável:

Quem era o assassino em ‘Sexta-Feira 13’?

– Jason!

– Errado!

– Não, não é o Jason! Jason Voorhes.

– É o Jason nas continuações, no primeiro filme é a mãe dele, Pamela.

Depois dessas ameaças e questionários, o assassino brutalmente aniquila suas vítimas com uma faca.

As Regras

Ao longo da franquia, foram estabelecidas regras – ou “clichês – sobre como sobreviver às ameaças do assassino, todas baseadas em elementos de populares filmes de terror. Aqui estão elas:

  •  Nunca diga “eu já volto”
  • Não use drogas ou beba
  • Nunca corra pra dentro da casa, saia dela
  • Não faça sexo
  • Na sequência, há mais vítimas e sangue
  • No terceiro filme, há revelações sobre o primeiro
  • No terceiro filme, qualquer um pode morrer

E aí, você sobreviveria?

Uma pequena retrospectiva dos filmes anteriores da saga:

Pânico

Com uso fantástico da metalinguagem cinematográfica, o primeiro filme é um suspense bem estruturado e envolvente, que apresenta bons personagens e diálogos que satirizam o gênero do terror, criando um memorável serial killer; apesar de sua identidade estar bem óbvia…

Pânico 2

Inferior mas não ruim, a sequência é tão interessante quanto o original, continuando com sua característica metalinguagem, dessa vez usando como base os “filmes número 2”, o que pela propsota em si já soa como uma transição coerente. A referência à Sexta-Feira 13 é o ponto alto; dessa vez a identidade do assassino foi inesperada…

Pânico 3

Scream 3

No terceiro capítulo, a estrutura é muito repetitiva e quase idêntica ao dos anteriores, enfraquecendo consideravelmente o filme; mesmo que ele mantenha sua sátira ao gênero terror e apresente boas ideias, como o assassinato que envolve um fax e uma explosão. O personagem Randy só esqueceu de avisar em sua mensagem, que o terceiro filme é sempre o mais fraco.

Bem, o especial vai ficando por aqui, mas aguardem que no fim de semana tem crítica do filme. Pergunto a todos vocês e agradeço de comentarem:

WHAT’S YOUR FAVORITE SCARY MOVIE?

Sexy Beast | Especial SUCKER PUNCH – MUNDO SURREAL

Posted in Especiais with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 22 de março de 2011 by Lucas Nascimento

 

O novo filme de Zack Snyder chegou aos cinemas brasileiros! Prometendo muita ação e visuais sublimes, Sucker Punch – Mundo Surreal também é o tema deste especial. Aproveite:


Zack Snyder na Comic-Con do ano passado

Depois de comandar duas grandes adaptações de HQs – 300 e Watchmen – o cineasta Zack Snyder prepara-se para lançar seu novo filme; primeiro trabalho que parte de um argumento original, a questão é: vale a pena ou será apenas um longa visualmente bonito?

Snyder começou a idealizar o projeto em 2007, mas deixou-o de lado para filmar Watchmen. Terminada a adaptação, ele fez a animação A Lenda dos Guardiões e, finalmente, o épico de metralhadoras, mulheres e dragões . O que o cineasta queria era “um filme com cenas de ação que desafiem as limitações reais, mas que não perdesse a história”. A Warner deu sinal verde após o sucesso comercial de Watchmen, e Sucker Punch ganhava vida.

Em Março de 2009, começou a escalação de elenco, composto predominantemente por mulheres. Após selecionadas, as atrizes treinaram, por cerca de 12 semanas, diferentes tipos de coreografias de luta; todas suficiente para encarar as diferentes cenas de ação em cenários distintos que o longa promete.


Snyder dirigindo Emily Browing no set

Dando vida a esses cenários, está Rick Carter (na direção de arte) e as empresas de efeitos visuais Animal Logic e Moving Picture Company, que criaran a maioria dos ambientes pela tela verde – Snyder já é especialista no assunto após gravar 300 e Watchmen com essa técnica -, através da computação gráfica. Isso ficaria bacana em 3D não é? Não é o que o diretor, felizmente, acha; descrevendo a conversão para o formato como “problemática”.

Sucker Punch é sobre uma viagem cheia de ação ao interior da mente humana, onde não há regras ou limites físicos, podendo materializar armas e itens necessários (só eu lembrei da Origem?), para fugir de um hospício. É também o segundo filme de Snyder que não pega a censura R (que equivale a 16 ou 18 anos no Brasil), classificando-se como PG-13.

Se o filme funcionar ou não, o grande trabalho de Snyder ainda está por vir: o novo Superman está nas mãos dele.

As belas e perigosas protagonistas do filme (Perdoem a falta de informações, realmente há pouco disponível sobre elas):

Babydoll | Emily Browning

Após a morte de seus entes queridos, Babydoll é aprisionada em um hospício por seu cruel padrasto – após uma tentativa frustrada de estupro. Lá, conhece as outras internas e descobre o mundo imaginário onde ela deverá lutar para sobreviver e libertar-se da prisão.

Blondie | Vanessa Hudgens

A mais experiente em combates.

Sweet Pea | Abbie Cornish

Provavelmente a mais estressada e pé-n0-chão do filme, contradiz às ideias e o plano de Babydoll, não confiando no seu sucesso, mas embarca na aventura como proteção às suas amigas.

Amber | Jamie Chung

Uma leal companheira, é o braço direito de Babydoll

Rocket | Jena Malone

Sincera e sem rodeios, diz tudo o que pensa e é muito determinada, ficando do lado de Babydoll o tempo todo. É também grande amiga de Sweet Pea.

Não é difícil encontrar filmes com lindo visual, por isso recordo aqui 4 excepcionais cenários criados por computador:

Grécia – 300

O primeiro grande sucesso de Snyder, 300 apresenta tons pastéis que parecem dar vida a uma pintura. Alto contraste e com grande uso da luz solar, é um filme belíssimo.

Pandora – Avatar

Abocanhando ambos os Oscars de Fotografia e Direção de Arte, Avatar é o primeiro filme com cenários totalmente digitais a ganhar na primeira categoria. Os efeitos visuais são espetaculares, cenas diurnas apresentam uma variedade impressionante de cores, enquanto nas noturnas, é uma estupefata bioluminescência de tons azuis. Lindo.

Londres – Sweeney Todd

A Londres vitoriana já foi recriada digitalmente muitas vezes (destaque para Sherlock Holmes), mas ganha um peculiar toque sinistro no suspense musical de Tim Burton. O céu, sempre nublado e cinzento apresenta-se como grande responsável pelo tom sombrio da narrativa.

Marte – Watchmen – O Filme

Mais um vindo de Snyder (falo sem medo, ele é o melhor quando se trata de visual), a adaptação dos quadrinhos de Alan Moore ganha cenários autênticos e fieis à história, mas destaca-se o vermelho do planeta Marte. A mistura com o azul luminoso do Dr. Manhattan causa um ótimo efeito.

Como Sucker Punch é um filme onde são as garotas quem chutam traseiros, recordemos aqui outras mulheres que deram trabalho aos vilões:

A Noiva

Na pele de Uma Thurman, a Noiva foi traída por seu grupo criminoso, atacando-a no dia de seu ensaio de casamento. Recuperada, ela vai atrás de cada um deles, enfrentando gangues yakuza, cobras, assassinos, venenos e até uma sepultura. E sempre com estilo…

Trinity

Sempre com apertadíssimo couro preto, Trinity arrebenta programas e agentes com suas invejáveis habilidades marciais, que incluem Kung Fu e Jiu-Jitsu. Também usa muitas armas de fogo e pilota desde motos até helicópteros.

Hit-Girl

Com apenas 12 anos de idade, a letal Hit-Girl é perita em combates corpo-a-corpo, armas de fogo e até espadas. Retalha uma gangue de traficantes e encara sozinha um corredor repleto de mafiosos armados e vê isso como grande diversão. Orgulho de Big Daddy.

Tenente Ripley

Começando como vítima em perigo em grande parte do primeiro filme, a Tenente Ripley transformou-se no desafio supremo dos aliens nos vindouros filmes da franquia. Sigourney Weaver traça a persona correta e adequada – tendo sido indicada ao Oscar pelo segundo filme.

Como parte da divulgação do filme, foram lançados alguns curtas animados, inspirados em elementos e personagens do filme. A animação foi feita por Ben Hibon e é uma boa curiosidade e material de universo expandido. Confira:

As Trincheiras

Dragão

Planeta Distante

Guerreiros Feudais

 

Um pouco sobre o som de Sucker Punch:

Compositor habitual de Zack Snyder, Tyler Bates retorna para trabalhar na trilha original do filme. A lista de faixas ainda não foi divulgada, mas sim uma com canções interessantes, que prometem novas versões de músicas existentes, veja-a:

  1. Sweet Dreams (Are Made Of This) – Emily Browning
  2. Army of Me (Sucker Punch Remix) – Björk featuring Skunk Anansie
  3. White Rabbit” – Emiliana Torrini

  4. I Want It All”/We Will Rock You – Queen with Armageddon Aka Geddy
  5. Search And Destroy – Skunk Anansie
  6. Tomorrow Never Knows – Alison Mosshart and Carla Azar
  7. Where Is My Mind? – Yoav featuring Emily Browning

  8. Asleep – Emily Browning

  9. Love Is The Drug – Carla Gugino and Oscar Isaac

Por enquanto, apenas 30 segundos de cada faixa estão disponíveis, elas podem ser ouvidas aqui:

Sweet Dreams com a voz sexy de Emily Browing é disparado minha preferida.

Bem, o especial acaba por aqui – realmente não sei mais sobre o que falar -, mas aguardemos a crítica do filme, pra ver se todo o esforço visual valerá a pena.

Ficha técnica