Arquivo para kodi smith-mcphee

Kodi Smith-McPhee como Noturno em X-MEN: APOCALYPSE

Posted in Notícias with tags , , , , , , , , , , , , on 27 de abril de 2015 by Lucas Nascimento

As gravações de X-Men: Apocalypse estão para começar, e o diretor Bryan Singer soltou a primeira imagem de Kodi Smith-McPhee como o mutante Noturno, que fora interpretado por Alan Cunning no filme de 2003. Confira:

night

Lembrando que o filme seguirá os eventos de Dias de um Futuro Esquecido, ambientando-se em 1983. Michael Fassbender (Magneto), James McAvoy (Charles Xavier), Jennifer Lawrence (Mística), Nicholas Hoult (Fera), Rose Byrne (Moira MacTaggert), Lucas Till (Destrutor) e Evan Peters (Mercúrio) retornam. Não foi confirmada a presença de Hugh Jackman como Wolverine.

Oscar Isaac (Apocalipse), Olivia Munn (Psylocke), Sophie Turner (Jean Grey), Tye Sheridan (Ciclope), Alexandra Shipp (Tempestade), Lana Condor (Jubilee) e Ben Hardy (Anjo) são as novas adições. Há rumores sobre uma aparição de Channing Tantum como Gambit.

X-Men: Apocalypse estreia em 19 de Maio de 2016.

Anúncios

| Planeta dos Macacos: O Confronto | Crítica

Posted in Aventura, Cinema, Críticas de 2014, Drama, Ficção Científica with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 18 de julho de 2014 by Lucas Nascimento

4.0

DawnApes
Malcom e Cesar

Se já é difícil fazer um reboot funcionar, imagina então a continuação de um reboot. Eu pessoalmente nem consigo acreditar que a Fox tenha acertado em cheio com Planeta dos Macacos: A Origem em 2011, sendo uma das grandes surpresas daquele ano e uma das mais eficientes retomadas de franquias até o momento. E se o trabalho de Rupert Wyatt já era competente o bastante, Matt Reeeves elegantemente eleva o nível da série com Planeta dos Macacos: O Confronto.

A trama se passa 10 anos após os eventos do anterior, com a humanidade praticamente devastada após a epidemia da Gripe Símia. Nos arredores do que um dia foi São Francisco, encontramos um grupo de humanos liderados por Dreyfus (Gary Oldman) lutando para sobreviver e obter novas fontes de energia. A solução é dada na forma de uma antiga represa hidrelétrica, que pode vir a reabastecer a eletricidade do grupo, mas no caminho está uma imensa colônia de macacos inteligentes liderada por Cesar (Andy Serkis). A fim de manter uma trégua, Malcom (Jason Clarke) e sua família são enviados para negociar.

Para um blockbuster de verão americano, Planeta dos Macacos: O Confronto é muito mais inteligente do que se poderia esperar. Compará-lo com uma obra como Transformers: A Era da Extinção, por exemplo, é um caso revelador: o filme de Michael Bay preocupa-se puramente em fazer rios de dinheiros com seu espetáculo de merchandising e emburrecer o espectador com sua ação retardada, enquanto o de Matt Reeves surpreende por oferecer um cuidado maior a seu roteiro e seus personagens. O texto de Mark Bomback, Rick Jaffa e Amanda Silver é simples em estrutura e temática, aprofundando-se sobre os frágeis laços que humanos e macacos tentam formar a fim de coexistir, mas a História nos ensina que é uma situação quase impossível de se manter de forma estável. O trio engenhosamente equilibra os pontos de vistas de humanos e símios, e até cria belos paralelos entre as posturas de César e Malcom (ambos evitam conflito, lidam com companheiros radicais que o provocam e são pais).

E o roteiro ganha ainda mais força graças à direção precisa de Matt Reeves. Já percebi que o cara era talentoso em Deixe-me Entrar (mas por ser remake, as pessoas tendem a esquecer), e aqui ele tem a chance de brilhar em um filme que provavelmente será visto por muitos. Com uma razão de aspecto maior (1:85:1) a fotografia de Michael Seresin é certeira ao criar um mundo pós-apocalíptico crível, sempre apostando em tons frios e azulados – e  também as luzes alaranjadas que Reeves adora – garantindo um clima incômodo à produção, que também se beneficia de uma belíssima direção de arte. E mesmo que Reeves seja capaz de criar alguns dos mais lindos momentos do ano (que incluem pequenos gestos e ações entre humanos e macacos), ele logo nos lembra do real status da situação: uma cena silenciosa e contemplativa do filho de Malcom (Kodi Smith-McPhee, como cresceu o moleque) lendo com um orangotango é brutalmente cortada por uma onde dois humanos praticam artilharia com metralhadoras, em um exemplo da tensão existente entre os dois lados.

É um trabalho tão consistente e profundo, que confesso ter ficado um tanto desinteressado quando a ação enfim chega. Digo, os efeitos visuais de motion capture são absolutamente perfeitos, conferindo expressão e emoções a seus personagens símios (e Reeves é corajoso ao apostar em diversos momentos em que estes comunicam-se apenas por sinais), além de oferecer mais uma chance de Andy Serkis mostrar seu incomparável carisma. O que reclamo, é que as batalhas não me comoveram tanto quanto os eventos que culminam nestas, ainda que Reeves consiga tornar a invasão símia à base humana uma cena tensa, bem montada e temperada com a ótima trilha sonora de Michael Giacchino – que aqui se inspira claramente no trabalho de Jerry Goldsmith, responsável pela música do filme de 1968.

Planeta dos Macacos: O Confronto é um dos melhores filmes da franquia, corajosamente apostando em momentos intimistas e em uma longa construção atmosférica. Os efeitos estão melhores do que nunca, e é revelador notar que estes chegam a empalidecer diante daquele que é o grande triunfo do longa: o coração.

Certamente é uma evolução do blockbuster americano.

Obs: O 3D, mesmo que “nativo” é decente, mas não acrescenta muita coisa.

Trailer final de PLANETA DOS MACACOS: O CONFRONTO

Posted in Trailers with tags , , , , , , , , , , , on 19 de junho de 2014 by Lucas Nascimento

Dawn-of-the-Planet-of-the-Apes

Sem mais, corra pra ver o ótimo trailer final de Planeta dos Macacos: O Confronto. Tem drama, ação e guerra entre símios e humanos.

Andy Serkis, Jason Clarke, Gary Oldman e Kodi Smith-McPhee formam o elenco.

Planeta dos Macacos: O Confronto estreia em 24 de Julho no Brasil.

Análise Blu-ray | DEIXE-ME ENTRAR

Posted in Análise Blu-ray with tags , , , , , , , , , , , , , , , , on 1 de agosto de 2011 by Lucas Nascimento

O Filme

Deixe-me Entrar foi recebido com certo preconceito pelo público (a limitada quantidade de pessoas que o assistiu, isto é) por tratar-se de um remake de um cultuado longa sueco. Com razão até, Deixa ela Entrar de Tomas Alfredson é um belíssimo filme e quase irretocável, mas se a versão de Matt Reeves consegue ser respeitosa, artística e apresentar suas próprias características – que resultam em um grande filme -, não vejo motivo para aversão ao longa. Crítica

Extras

Comentário em Áudio com Matt Reeves

O diretor e roteirista Matt Reeves acompanha o filme com um excelente comentário em áudio, onde revela os desafios em readaptar a história (mudando acertadamente o foco da narrativa), sua paixão pelo material original e suas (ótimas) técnicas e referências, que vão de O Bebê de Rosemary até os filmes de Alfred Hitchcock. Esse extra só aumentou meu respeito pela produção e o cineasta.

Um Olhar por dentro do making-of de Deixe-me Entrar

Um pequeno making-of sobre o filme, que explora em entrevistas com o elenco e produtores, a força da obra de John Ajvide Lindqvist e sua importância no mito do vampiro. Acompanhamos também a entrada de Matt Reeves na direção, a escolha de cada intérprete do longa e também as mudanças na trama.

A Arte dos Efeitos Visuais

Bem curto e objetivo, o extra deixa as imagens falarem por si próprias e exibe diversas tomadas do filme que apresentam uso de efeitos digitais, apresentando as fases de composição até chegar no resultado final. Bacana, mas em algumas cenas os efeitos eram completamente desnecessários (sangue no rosto, por exemplo).

Cena do acidente de carro passo-a-passo

A sensacional cena da capotagem do carro de Richard Jenkins ganha uma análise mais detalhada neste breve extra. Reeves explica os diferentes processos da sequência, que envolveram um dublê dirigindo, uma réplica do carro girando em estúdio e efeitos digitais para o cenário visto no retrovisor e janelas do veículo. Trabalho complicado, mas que fica muitíssimo bem em cena.

Dissecando Deixe-me Entrar

Extra interativo exclusivo do Blu-ray, ele apresenta um picture-in-picture em certos momentos para detalhar curiosidades sobre a produção (como informações sobre o personagem de Richard Jenkins, o cubo mágico e diversos outros). Boa sorte para encontrar todos…

Cenas Excluídas

Aqui temos 3 cenas que foram cortadas da edição do filme: Abby brincando com um quebra-cabeças (bem curta), uma conversa entre Owen e o Professor Zorin (muito interessante) e o flashback que mostra o ataque sofrido por Abby, que a transformou em uma vampira (intenso e trazendo uma ótima performance de Chloe Moretz). É possível também assistí-las com comentário de Reeves, que explica os motivos da ausência de cada cena no longa.

Galerias de Trailers e Pôsters/Imagens de Bastidores

Bem, o título é auto-explicativo… Temos duas galerias separadas com pôsters e imagens de bastidores e trailers de divulgação do filme. Na minha opinião, é sempre um bônus quando esse tipo de material marca presença nos extras.

Nota Geral:

O blu-ray de Deixe-me Entrar ainda não está disponível no Brasil, mas é extremamente recomendável que ele faça parte de sua coleção quando chegar ao mercado nacional. O filme é impecável em imagem e som, e seu material extra é satisfatório. Esqueça Crepúsculo e vá atrás deste.

Obs: Agradecimentos à Giovanna Penteado por ter trazido o filme de sua viagem aos EUA.

| Deixe-me Entrar | Um remake na linha do original

Posted in Cinema, Críticas de 2011, Drama, Terror with tags , , , , , , , , , , , , , , , on 28 de janeiro de 2011 by Lucas Nascimento

4.5


Nova Geração: Os ótimos Kodi Smith-McPhee e Chloe Moretz dividem a cena

A mania americana de refilmar filmes estrangeiros não tem um propósito lógico e muito menos artístico. Raramente há um motivo para refazer um longa que já é bom. Não me lembro de encontrar um motivo em Deixa Ela Entrar, mas o remake aconteceu e, apesar de não apresentar mudanças radicais, é um resultado acima do esperado.

Mantendo exatamente a mesma trama – apenas trocando nomes e cenários – o filme acompanha o garoto Owen, que sofre bullying constante de colegas agressivos. Tudo muda quando conhece sua nova vizinha Abby, que é na verdade uma vampira que cria uma série de assassinatos na cidade.

Primeiramente, Matt Reeves merece aplausos por dirigir e escrever o filme, sendo praticamente um novato na cadeira de diretor, mostrando-se um profissional eficiente e talentoso. Mantendo-se fiel à estática e ao desenrolar da trama, Reeves acerta ao “aprender” com o filme original de Tomas Anderson e não copiá-lo. O longa sueco é repleto de longas tomadas e planos sequências, em sua maioria silenciosos e simples; já Reeves é muito mais agressivo e incorpora essa técnica narrativa ao seu estilo selvagem, como no memorável acidente de carro, mas não empolga ao dar uma nova visão à icônica cena da piscina.

Seu roteiro também exclui as tramas paralelas do original – mas faz a elas uma homenagem estilo Janela Indiscreta no início do longa -, o que torna a história mais vazia, para focar-se principalmente em Owen. Vivido por Kodi Smith-McPhee com carisma impressionante e com carga dramática intensa, o ator é promissor. No papel da vampira Abby, Chloe Moretz entrega sua melhor performance até agora, apresentando-se como uma pessoa misteriosa, cujo olhar ambíguo pode significar qualquer coisa.


A Sombra e a escuridão: A fotografia é um dos pontos altos da produção

Mais do que qualquer elemento, Reeves explora mais a natureza do misterioso guardião de Abby, vivido com competência por Richard Jenkins. O diretor/roteirista parece se divertir ao retratar seus ataques de maneira muito mais criativa do que o “Hakan” do original; apresentando-o sempre nas sombras, atacando carros, mas mantendo a essência de cansaço do personagem.

Em valores técnicos é uma produção estilosa e caprichada. A fotografia de Greig Fraser é espetacular, apresentando tons quentes, escuros e utilizando-se mise-en-scenes fabulosos; é um absurdo ela não ter sido indicada ao Oscar. A trilha sonora de Michael Giacchino é excelente e tensa, em certos momentos parecendo ter sido transportada diretamente de Lost.

Nunca perdendo seu foco e profundidade, Deixe-me Entrar é um filme estiloso, bem dirigido e que não limita-se a copiar o original, apresentando um estilo diferente do filme sueco – mais acessível a uma audiência maior, eu diria -, mas homenageando-o de forma impecável.

Primeira Olhada: Let Me In

Posted in Primeira Olhada with tags , , , , , , , , , , , , , on 8 de agosto de 2010 by Lucas Nascimento

Diferente dos outros posts da sessão Primeira Olhada, o remake Let Me In não faz nenhum mistério em torno de sua trama, mas a dúvida que fica é: fará jus ao original? Será melhor? Muito difícil…

 
Chloe Moretz e Kodi Smit-McPhee 

Primeiramente, vale destacar o elenco principal, Chloe Moretz e Kodi Smit-McPhee, que em nada assemelham-se com a dupla do filme sueco. Moretz, que vive a vampira Abby, parece estar ótima no papel, mesmo que, mais uma vez, não tenha a mesma personalidade gótica de Lina Leandersson. O indefeso Oskar virou Owen, papel de Smith-McPhee que, ao lado de sua companheira de elenco, parece um pouco ofuscado.

     Tom e fotografia mais sombrios do que o original

Em termos de história, promete seguir o mesmo caminho, mas o tom é mais sombrio e de terror do que o drama inocente do filme original, como mostram o trailer a fotografia mais quente e obscura. Além disso, um elemento forte do filme sueco parece ter ficado de fora (não me agrada muito, por isso o remake já tem 1 ponto).

  Saco de lixo no rosto: Elemento sombrio e improvisado

Novidades? Além do título, achei muito interessante os assassinatos do “Pai” de Abby (Richard Jenkis, incrívelmente parecido com ). O saco preto de lixo no rosto do personagem durante os ataques acrescenta um elemento de improviso eficiente e perturbador.

Let Me In estreia nos EUA em 1º de Outubro, por enquanto ainda não há previsão para sua chegada no Brasil. Resta esperar e torcer que não seja um remake inútil.