Arquivo para cavaleiro das trevas

Why So Serious? O humor nos filmes da DC

Posted in Artigos with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 28 de agosto de 2014 by Lucas Nascimento

DC

Ontem, saiu um rumor que vem levantando algumas dúvidas e provocando polêmicas. A informação é a de que os executivos da Warner Bros não querem piadas em seus filmes de heróis da DC, diferenciando-se do tom mais cômico adotado pela Marvel Studios da Disney e. também procurando evitar os erros do fracassado Lanterna Verde.

Bom, acho que primeiramente vale frisar que Lanterna Verde não morreu por causa das piadinhas, mas sim porque era um roteiro falho. A Marvel de Kevin Feige esta aí com seu currículo bilionário para provar que o público adora humor, desde que seja bem feito.

O que me leva a uma discussão ainda mais abrangente: o humor nos filmes de super-heróis.

guardians_40
O humor em Guardiões funciona porque é necessário

Todo mundo adora rir, certo? Quem não gosta? Meu problema com esse elemento em filmes do gênero, é – por falta de termo melhor – a apelação. Muitas piadas nos filmes da Marvel Studios funcionam, e o recente Guardiões da Galáxia é o exemplo que melhor ilustra esse cenário; justamenteporque a aventura espacial já assumia o tom de galhofa desde o princípio, além de trazer personagens coloridos que precisavam de muito humor para funcionar.

Do outro lado, e também recente, Capitão América 2 – O Soldado Invernal ajuda a exemplificar um dos grandes problemas na Marvel. O filme dos irmãos Russo está longe de ser ruim (está mais perto de ser ótimo, isso sim), e seus problemas estão relacionados a outros aspectos, mas ainda há problemas com a pontualidade do humor. Dois exemplos: Depois de ser emboscado na rua por agressores disfarçados de policiais, Nick Fury luta para sobreviver em seu “super-carro”, e quando nenhum de seus acessórios funciona, ele pergunta retoricamente se “alguma coisa está funcionando”. O computador de bordo responde “O ar-condicionado está em perfeito estado”. Uma piada dessas não só é bem besta, como também desvia a atenção do espectador de uma cena que é, sim, tensa. Outro exemplo é quando Steve Rogers e a Viúva Negra estão em uma loja da Apple rastreando a localização de um sinal, e o filme INTERROMPE a trama para investir em uma piadinha com o atendente da loja.

Isso pra citar casos menos graves, não vem nem começar a falar de Homem de Ferro 2, que conseguiu transformar o sério problema de alcoolismo de Tony Stark em uma piada idiota, ou os filmes protagonizados por Thor – ainda que o primeiro seja bem mais apelativo que a continuação.

Pra não ficar preso só à Marvel Studios, vejam como a franquia X-Men lida bem com essa questão. O próprio Dias de um Futuro Esquecido acerta ao selecionar personagens específicos para provocar ou envolver em situações cômicas (no caso, o Mercúrio de Evan Peters), ao invés de simplesmente transformar qualquer personagem em um comediante. O Professor Xavier não faz piadinha, mas até Thor, Deus do Trovão e Príncipe de Asgard, é vítima de algum tipo de galhofa.

O LADO NEGRO DA FORÇA

batsup_02
Sad Batman

Então agora, a DC não quer piadas em seus filmes. Muito provavelmente querem seguir à risca a trilogia Cavaleiro das Trevas de Christopher Nolan e abraçar um tom mais dramático e realista, como o próprio Homem de Aço já apresentou no ano passado. Acho uma decisão bem admirável, e que certamente vai servir para diferenciar Marvel e DC, e talvez até jogar um ar fresco no gênero que vai ficando cada vez mais repetitivo.

Mas o que muita gente não entendeu, é que isso não significa que os filmes da DC não terão humor. O pesado e denso Batman – O Cavaleiro das Trevas tinha seus pontuais momentos de humor (e não me refiro ao Coringa só pra deixar claro), e a própria natureza do Batman é uma mais soturna, que exige uma certa maturidade. O Flash certamente permanecerá um piadista, claro e certamente teremos lá algumas piadas, mais contidas. Mas se a intenção é fazer algo mais dark, eu aprovo.

Quando vou ver um filme de super-heróis, não é pensando na comédia que eu compro o ingresso. É muito bem-vinda, desde que seja utilizada apropriadamente.

Batman V Superman: Dawn of Justice estreia em 26 de Março de 2016.

Anúncios

Veja Gal Gadot de Mulher-Maravilha

Posted in Notícias with tags , , , , , , , , , , , , , , on 26 de julho de 2014 by Lucas Nascimento

bvs

O painel da Warner Bros na Comic Con começou há alguns instantes atrás, já trazendo o aguardadíssimo Batman v Superman: Dawn of Justice. Zack Snyder apareceu com os astros Ben Affleck, Henry Cavill e Gal Gadot para liberar um breve teaser do filme, que trazia o Homem de Aço encarando o Cavaleiro das Trevas (que usava a armadura marrenta da obra de Frank Miller).

Além disso, algum bom samaritano conseguiu uma foto do visual de Gadot como a Mulher Maravilha, confira:

BtfLEsmIYAANa8M.jpg large

Batman V Superman: Dawn of Justice estreia em 6 de Maio de 2016.

Nova imagem de Ben Affleck como Batman

Posted in Notícias with tags , , , , , on 24 de julho de 2014 by Lucas Nascimento

Diretamente da Comic Con, uma nova imagem de Ben Affleck como o Cavaleiro das Trevas em Batman V Superman: Dawn of Justice.

Que orelhas, que queixo.

20140724-181000-65400901.jpg

Batman V Superman: Dawn of Justice estreia em 6 de Maio de 2016

Batman vai estar em O HOMEM DE AÇO 2

Posted in Notícias with tags , , , , , , , , , , , , , , on 20 de julho de 2013 by Lucas Nascimento

bat

Puta merda. Mais uma bomba vindo da Comic-Con: a novidade da vez é de que o Cavaleiro das Trevas vai se unir ao Superman para a continuação de O Homem de Aço em 2015. É esperado um anúncio mais direto no painel da Warner Bros que vai acontecer hoje, assim como a confirmação dos retornos de Zack Snyder, David S. Goyer e Christopher Nolan.

Vale lembrar que, mesmo com o retorno do Batman, a trilogia de Nolan fica isolada da mitologia de O Homem de Aço; afinal, o próprio Christian Bale já afirmou que vestiu a capa do Morcego pela última vez no ano passado.

Mas tudo pode acontecer. Aguardemos por mais novidades.

ATUALIZAÇÃO: É oficial! Batman vai estar no próximo filme do Superman. Snyder e Goyer retornam na direção e roteiro, Nolan agora assume o cargo de produtor-executivo.

Além disso, a Warner planeja lançar um filme do Flash em 2016 para lançar Liga da Justiça só em 2017. Mas quem precisa de Liga da Justiça quando se têm os dois super-heróis mais populares da História num único filme? Responsa, hein, Zack Snyder.

_1374352275

Sweet Dreams: Especial A ORIGEM

Posted in Especiais with tags , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , on 2 de agosto de 2010 by Lucas Nascimento

Um dos filmes mais esperados do ano e aquele que promete também ser o melhor e mais criativo. Acompanhe o especial sobre o mais novo filme de Christopher Nolan.

O Misterioso Projeto de Christopher Nolan

A ideia para A Origem veio do fascínio de Nolan pelos sonhos e seus estudos. O conceito original de dividir um sonho em um mundo e ter esses sonhos e pensamentos roubados foi a diparada para o início do projeto.

Antes tido como um filme de terror ( mas depois transformado em thriller), Nolan escreveu um roteiro prévio de 80 páginas, custando de 9 a 10 anos; mas teve de ir pra gaveta por não se adequar aos padrões da época e o diretor foi trabalhar com filmes grandes, como Batman Begins e O Cavaleiro das Trevas. Nas palavras do diretor “Ao se tratar de sonhos, o potencial da mente humana é infinito, então a escala do filme tem que ser infinita. Tem que parecer que ele pode ir para absolutamente qualquer lugar ao fim do filme.” Ou seja, o orçamento teria que ser grande…

Mas nem a metade do absurdo de Avatar, que chegou aos 500 milhões de dólares. A Origem custou 200 milhões, foi filmado Tóquio, Los Angeles, Marrocos, Paris, Canadá e Inglaterra.

Mas pelo visto, o esforço valeu a pena. Além de um resultado satisfatório nas bilheterias (o filme encontra-se atualmente liderando nos EUA por sua terceira semana consecutiva), a recepção crítica do filme foi arrasadora, rendendo muitos elogios e dando início a inúmeras discussões e apostas para o próximo Oscar.

Personagens

Dom Cobb (Leonardo DiCaprio)

Profissão: O Extrator

Função: Especializa-se na segurança do subconsciente, roubando ideias de seus clientes.

O que sabemos: Depois de muitas missões que o tornaram um dos melhores Extratores do mundo da espionagem industrial, o trabalho da Inserção poderá ser sua chance de redenção, podendo retomar tudo o que será perdido.

 

  

 

Arthur (Joseph Gordon-Levitt)

Profissão: O Armador

Função: Responsável por pesquisar sobre os alvos do grupo.

 O que sabemos: Sócio de Cobb há algum tempo (como a HQ The Cobol Job sugere), Arthur é o principal companheiro do líder da equipe.

 

 

 

 

 

Ariadne (Ellen Page)

Profissão: A Arquiteta

Função: Constrói e projeta o mundo dos sonhos.

O que sabemos: Foi contratada por Cobb por recomendação do Professor Miles (Michael Caine), que ensinou os segredos de Extração para Cobb. 

 

 

 

Eames (Tom Hardy)

Profissão: O Falsificador

Função: Personifica o alvo no mundo dos sonhos e forja uma identidade física.

O que sabemos: Até agora, nada.

 

 

 

 

 

 

Mallorie Cobb (Marion Cottilard)

Profissão: A Sombra

O que sabemos: Esposa de Cobb, ela não tem uma função especificada na equipe, mas aparece constantemente nos sonhos de seu marido.

 

 

 

 

 

Marketing Inteligente

 

Uma coisa é certa: Os filmes de Christopher Nolan sempre rendem uma ótima campanha publicitária. Basta lembrar do barulho que os sites de O Cavaleiro das Trevas fizeram em 2007 e 2008, todos muito bem produzidos e até com jogos interativos de verdade (houve uma “caça ao tesouro na Av. Paulista).

Com A Origem não foi diferente. Não só conseguiu chamar a atenção e não revelar quase nada sobre o filme; o resultado sem dúvida será uma experiência imprevisível e misteriosa…

Em seu novo projeto, vale destacar o jogo online Mind Crime, onde você é um extrator que caminha por um mundo virtual evitando “policiais” e a eficiente HQ online The Cobol Job, que serve de prelúdio para o filme.

Tecnologia antiética

A tecnologia é usada para invadir sonhos e mentes em A Origem. Para que outros fins antiéticos ela já foi utilizada?

Laranja Mecânica

Testada no deliquente Alex, o Tratamento Ludovic é uma cruel forma de lavagem cerebral. Amarrado com camisa-de-força, pálpebras presas para sem manterem abertas e sob o efeito de drogas, o “paciente” é forçado a assistir imagens violentas e pertubadoras, causando uma experiência próxima da morte. 

Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças

Todo mundo já quis esquecer desesperadamente de uma pessoa. A Corporação Lacuna oferece essa possibilidade: o tratamente de amnésia lacuna, que apaga, literalmente, todas as lembranças de determinada pessoa da mente humana.

Matrix

É mais um caso de tecnologia x humanidade. O interessante é a própria Matrix, criada pelas máquinas (mais especificamente, o Arquiteto) para simular o mundo real e aprisionar os humanos, sem saberem do realmente se trata. Uma ótima versão moderna do Mito da Caverna de Platão.

A.I. – Inteligência Artificial

Uma premissa muito interessante que poderia ter sido melhor aproveitada. No filme dirigido por Spielberg, robôs idênticos à humanos podem ser comprados; uma família compra um deles para assumir o lugar de seu filho falecido. Argumento poderoso.

Bem, o especial vai ficando por aqui, não quero revelar muita coisa sobre o filme porque realmente não há muito o que dizer sem entregar spoilers e eu, assim como vocês (espero eu), quero ter uma grande surpresa no cinema. Aguardem pela crítica!

| Kick-Ass: Quebrando Tudo | É um título auto explicativo

Posted in Ação, Adaptações de Quadrinhos, Cinema, Comédia, Críticas de 2010 with tags , , , , , , , , , , , , , , , on 17 de junho de 2010 by Lucas Nascimento


Watchmen: Kick-Ass e Red Mist passeam pela cidade de Nova York

Para aqueles que não sabem, “kick-ass” é uma expressão, que traduzida para o portugûes significa “chuta-bundas”, em inglês que significa arrebentar, mandar ver, etc, principalmente no sentido de pancadaria. A adaptação da violenta graphic novel de Mark Millar merece e faz juz ao seu título: vulgar, politicamente incorreto, ofensivo e extremamente divertido.

Na trama, o despercebido estudante Dave Lizewski resolve se tornar um super-herói, sem poderes ou treinamento. Suas ações começam a fazer sucesso na internet e geram, além da fúria de bandidos e traficantes, o aparecimento de novos mascarados.

Fato: super-heróis não são mais coisa de criança. O Cavaleiro das Trevas em 2008, Watchmen em 2009 e agora, Kick-Ass em 2010. O filme de Matthew Vaughn estabelece um novo patamar aos filmes de super-heróis, e digo isso levando em consideração seus diálogos pop (que precisam de um breve conhecimento de super-heróis para serem entendidos), personagens e uma violência gráfica extrema. O diretor mudou muita coisa da história, tornou-a menos misteriosa e mais direta; mas com algumas surpresas embutidas. O final, que eu achei um tanto exagerado, deixa as portas abertas para uma sequência (e promete).


Chloe Moretz perfeita como Hit-Girl e Nicolas Cage divertidíssimo como Big Daddy: Vigilantes violentos

Grande força do filme vem de seu talentoso elenco, liderado pelo carismático e desconhecido Aaron Johnson; o jovem convence e diverte, fazendo de seu Kick-Ass um personagem real. Christopher Mintz-Plasse e Nicolas Cage estão muito divertidos como Red Mist (que ainda vai ganhar mais destaque) e Big Daddy (uma hilária paródia ao Batman de Adam West). Mas quem rouba o filme é a garotinha Chloe Moretz, como a mortal e polêmica Hit-Girl, que tem ótimas frases e um jeito muito meigo e natural, sem nunca parecer forçada, rendendo momentos memoráveis (a cena com trilha de Morricone entrou para a história e deve ter deixado Tarantino orgulhoso) e presença marcante.

O roteiro é esplêndido, bem amarrado e repleto de diálogos divertidíssimos, com destaque para as cenas entre o mafioso Frank (vivido por um eficiente Mark Strong) e suas conversas com capangas. Não pode faltar ação em um filme desses e ela está presente, não decepcionando. Bem coreografadas, realistas e excepcionalmente editadas, elas são de cair o queixo (destaque paras as cenas de Hit-Girl e a primeira aparição pública de Kick-Ass), assim como a colorida fotografia. A trilha sonora “pop” empolga mais do que esperava, mas a orquestrada peca em ser pouco animadora e de, raramente, combinar com a cena em que é tocada.

Kick-Ass: Quebrando Tudo é mais uma revolução para os filmes de quadrinhos; amplifica a violência, a linguagem chula e, principalmente, a transição de uma pessoa normal para o mundo heróico, elemento que o filme mostra de maneira crua, convincente e extremamente satisfatória, sendo um dos raros casos onde a adaptação supera o trabalho original. Kick-Ass chuta bundas.